Cuiabá, 27 de Fevereiro de 2015
  • Camila Cervantes

    Camila Cervantes

  • Francis Amorim

    Francis Amorim

  • Gabriele Schimanoski

    Gabriele Schimanoski

  • Jacques Gosch

    Jacques Gosch

  • Patrícia Sanches

    Patrícia Sanches

  • Talita Ormond

    Talita Ormond

  • Tarso Nunes

    Tarso Nunes

  • Valérya Próspero

    Valérya Próspero

COMUNICAÇÃO | 23/06/2012, 11h:50 - Atualizado: 23/06/2012, 11h:53

IstoÉ detalha o "vale tudo" rumo às urnas

     A reportagem de capa da revista IstoÉ desta semana traz o “vale tudo” dos políticos na busca por alianças para as eleições deste ano. Os destaques são para o apoio selado entre o deputado federal Paulo Maluf (PP) e o pré-candidato a prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) encabeçado pelo ex-presidente Lula; e para a aliança do pré-candidato a prefeito de São Paulo José Serra (PSDB) e o primeiro ministro exonerado no Governo Dilma Rousseff (PT) após denúncias de corrupção, ex-ministro dos Transportes Alfredo Nascimento (PR). Com o apoio do PR, Serra passa a contabilizar 6min 43s de programa eleitoral.

     A revista classifica os apoios como “um verdadeiro mercado de compra e venda”. Lembra que Lula e Maluf sempre foram arqui-inimigos. Ressalta também que Serra tinha buscado o apoio do progressista, mas não conseguiu porque o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), teria se recusado nomear um apadrinhado de Maluf na máquina estadual. Já Lula garantiu um cargo no ministério das Cidades.

     O discurso do novo presidente do Paraguai Federico Franco também foi destaque. Ele pede união dos paraguaios ao ser empossado 24 horas depois do rápido processo de impeachment do então presidente Fernando Lugo, que foi alvo de críticas por parte da oposição. Ele é apontado como culpado pelo confronto entre militares e sem-terra, em Cuaraguaty, ocorrido no último dia 15 e que resultou na morte de 17 pessoas. O processo de impeachment está sendo encarado como golpe pelo Governo e por setores da sociedade. O mandato do novo presidente termina em 2013.

Postar um novo comentário

| 27/02/2015, 00h:00 - Atualizado: 09h atrás

Tratamento estético e a responsabilidade

elga_figueiredo_imagem_texto_sexta

Elga Figueiredo

A busca pela beleza é um fato crescente na humanidade e principalmente para uma grande parcela da população brasileira. Esse cenário de valorização da beleza e a associação entre beleza, saúde, juventude, sensualidade e magreza incentivam as inúmeras intervenções cirúrgicas estéticas realizadas diariamente em nosso país.

Dessa forma, consequentemente, fomenta o crescimento de profissionais que se especializam na área da estética, médicos, dentistas, bem como os profissionais que atuam em clínicas de estética, salão de beleza, entre outros.

Portanto, essa questão ganhou um relevante destaque no cenário jurídico brasileiro, na medida em que é crescente, também, os casos de erro dos profissionais, que não alcançam o resultado esperado. Em virtude disso, os pacientes acabam recorrendo aos fóruns e tribunais com o intuito do ressarcimento dos danos ou prejuízos sofridos.

Assim, importante informar aos consumidores da beleza que todo tratamento estético, cirurgia plástica ou tratamento dentário, terá a proteção do Código de Defesa do Consumidor, isso porque a responsabilidade do profissional nesses casos é de resultado. O cirurgião dentista ou plástico garantem, em regra, o resultado do tratamento e com isso ele assume o risco, caso algo não aconteça de acordo com o esperado.

O Código de Defesa do consumidor dispõe que o fornecedor de serviços responde independentemente de culpa, traduzindo para o tema, se durante o tratamento estético ocorrer algum erro, profissional responderá de forma direta, ou seja, irá arcar com todos os prejuízos pôr ventura causados, não importando se a culpa foi sua, de forma direta, ou do material utilizado, ou de algum assistente.

O dever de informação é muito importante e, muitas vezes, os profissionais da área de saúde e estética não passam as devidas explicações. Se você consumidor e paciente, que passou por algum tipo de tratamento estético que não atingiu o seu fim, pode ingressar com uma demanda requerendo uma indenização pelos danos causados.

Elga Figueiredo é empresária e advogada, especialista em direito do consumidor e escreve exclusivamente neste Blog toda sexta - e-mail: elgafigueiredo@hotmail.com

Postar um novo comentário

EXCLUSIVO | 26/02/2015, 22h:30 - Atualizado: 52min atrás

Riva agora terá pensão de quase R$ 30 mil, mesmo com FAP da Assembleia já extinto

Diretoria gestora concede ao ex-deputado direito de receber o mesmo benefício integral de quem exerce mandato de deputado


Preso há uma semana sob acusação de liderar uma organização criminosa dentro da Assembleia, com desvio de R$ 42,2 milhões entre 2005 e 2009, o ex-deputado José Riva acaba de receber um prêmio de consolação. Este Blog apurou com exclusividade que o Conselho Deliberativo do Fundo de Assistência Parlamentar da Assembleia concedeu a ele pensão vitalícia integral em 12 de fevereiro, nove dias antes de Riva ser preso na operação Imperador. Já começa recebendo R$ 25,3 mil, mesmo salário de quem exerce mandato de deputado.

O intrigante é que Riva, que foi parlamentar por cinco mandatos, entra para a lista de aposentados do FAP, mesmo se tratando de um Fundo já extinto. E está tudo legal. Acontece que em 2008 os deputados aprovaram uma proposta que foi sancionada pelo então governador em exercício Silval Barbosa, mudando regras da Lei 9.041. Na prática, repristinaram (devolveram vigência) à lei do extinto FAP para incluir parlamentares que fizeram parte da 15ª Legislatura. Com isso, aqueles que atuaram no período de 2003 a 2006 têm direito de integralizar suas contribuições previdenciárias para receber pelo FAP. E Riva é um deles.

pensao riva al

O Conselho que administra o extinto FAP aprova oficialmente o nome de José Riva como novo beneficiário

O Conselho que aprovou a inclusão do ex-deputado é presidido por João Bosco da Silva. E tem como membros ex-parlamentares, como Joaquim Sucena, Moisés Feltrin, Roberto Nunes e Dito Pinto.

A Assembleia já tinha feito o mesmo procedimento para atender também com aposentadoria deputados da 14ª Legislatura (1998/2002). Dependendo da contribuição, parlamentares podem ganhar mensalmente salário integral, da mesma forma de quem está na ativa. Já são quase 120 pessoas que ganham pensão vitalícia pelo FAP, engordando em mais de R$ 1 milhão mensais as despesas do Estado com o duodécimo do legislativo mato-grossense. Todos os deputados que contribuíram com o Fundo, desde setembro de 1978, um ano antes da divisão territorial de Mato Grosso, têm direito à pensão.

Postar um novo comentário

EXCLUSIVO | 26/02/2015, 15h:09 - Atualizado: 26/02/2015, 15h:22

Governo Silval gasta R$ 3 mi em 2014 só com o frete de avião; Daltro fez 18 viagens

Secretários, assessores, deputados e outros convidados também percorreram municípios em aeronaves contratadas pelo Estado; com o dinheiro seria possível construir 612 casas populares


Em 2014, último dos quase cinco anos de mandato de Silval Barbosa, o Estado pagou R$ 3,1 milhões em despesas com avião para atender especialmente o gabinete do governador, uma média de R$ 258,3 mil por mês. Silval foi atendido em 59 viagens oficiais. Em todas elas, não viajou a sós. Esteve acompanhado de secretários, assessores e outros convidados, como deputados, prefeitos e empresários.

E quem também voou bastante nas asas da estrutura do governo foi o então vice Chico Daltro, que liderou várias caravanas rumo a alguns municípios. Daltro esteve presente em 18 viagens. Os dados exclusivos foram fornecidos ao Blog do Romilson pela Casa Militar nesta quinta. Antes, a mesma solicitação de informações sobre despesas com passagens aéreas tinha sido protocolada, mas o então secretário-chefe, coronel PM Ildomar Macedo, simplesmente a ignorou.

Mário Okamura/Rdnews

aviao estado

No último ano de mandato, em 2014, o então governador Silval fez 59 viagens em aviões contratados

Três empresas prestaram serviços ao governo no ano passado. Com os R$ 3,1 milhões seria possível construir 612 casas populares ao custo unitário de R$ 49 mil, pelo programa do governo federal Minha Casa, Minhas Vida.

A Abelha Táxi Aéreo, com sede em Várzea Grande, foi a que mais faturou com o fretamento aéreo. Colocou à disposição do governador três aviões (Turbo Hélice Cheyenne I e III e Jato Citation). As viagens somaram 52,45 km/voo, rendendo à Abelha R$ 3 milhões com esses serviços. Os contratos das três empresas foram realizados no governo Silval em km/voo e não em hora/voo.

A Sal Transporte e Turismo, situada em Cuiabá, recebeu pelas viagens num Sêneca para atender o governo R$ 42 mil. E a Aliança Táxi Aéreo, de Várzea Grande, recebeu R$ 26,8 mil.

Sete secretários recorreram ao contrato de aluguel de aeronaves do Estado para as viagens, principalmente Alan Zanatta (Indústria, Comércio, Minas e Energia) e Pedro Nadaf (Casa Civil), assim como o ex-presidente do Intermat, Afonso Dalberto. Oito deputados estaduais, quatro federais e quatro prefeitos “pegaram” carona - confira detalhes no quadro acima.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Zeca tatu | Quinta-Feira, 26 de Fevereiro de 2015, 21h27
    2
    0

    Zeca tatu, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • marcos | Quinta-Feira, 26 de Fevereiro de 2015, 19h33
    2
    0

    AI SIM SABE ROUBAR, DIGO GASTAR. ETA POVO GANANCIOSO! SERÁ QUE VOU VER UM DESSES NA CADEIA?

  • Morador | Quinta-Feira, 26 de Fevereiro de 2015, 17h17
    2
    0

    Morador, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

| 26/02/2015, 07h:08 - Atualizado: 09h atrás

Quem é Christian Figueiredo?

maria_rita_artigo_quinta

Maria Rita

Esta semana fui ao shopping Pantanal. Subindo a escada rolante comecei a ouvir um zumbindo. Um frenesi. Olhei ao meu redor e vi uma fila enorme, de um andar a outro chegando até a Livraria Janina. Como sempre tem gente bacana lançando livro por lá resolvi saber quem era o autor. Chegando perto da fila notei que o grupo era formado por adolescentes. Ninguém ali, a não ser uma mãe ou pai acompanhante, tinha mais de 18 anos. Perguntei o nome do autor e me disseram: Christian Figueiredo.

Ok. Eu não fazia ideia de quem era o Christian. Enquanto os jovens gritavam alucinados “eu tô louco” no meio do shopping, eu procurava lembrar quem teria tamanho poder de atrair aquele segmento para a leitura. Além de mim, todas as pessoas com mais de 20 anos estavam provavelmente se fazendo a mesma pergunta. Tenho 36 anos, navego no Facebook, tenho Instagram, leio vários jornais online, matérias específicas sobre o mundo literário e não conhecia o dito cujo.

Puxei a capivara do sujeito no Google para saber mais. Constatei que de moderninha e hype não tenho bulhufas, o mundo está mais do que segmentado e aquela fila com mais de 400 pessoas, que estavam lá mesmo antes do shopping abrir, me provaram isso. Detalhe, Christian só chegou depois das 19h. 

Mas vamos ao que importa. O autor aos 20 anos é um fenômeno. Mais de um milhão e meio de seguidores no YouTube e a mesma proporção no Twitter e demais redes sociais. É vlogueiro, vlogger ou simplesmente um cara que fala direto para a câmera coisas do seu cotidiano. Fala dos pais, dos amigos, dos fenômenos típicos desta idade e fala muito bem. Na minha época, o livro nesta linha que fez sucesso foi o “Confissões de Adolescentes”. Virou até peça de teatro e filme. Mas lembro que a diferença era que o livro veio pela plataforma da TV, já que as autoras eram atrizes globais. Hoje o conteúdo vem da internet.

Fazer o jovem ler no mundo de hoje é uma tarefa árdua. São muitas distrações a disposição em qualquer tela de tablet, smartphone,  smart TV ou outro dispositivo com wifi. O nível de interatividade cresce a cada dia e é difícil para a impressão em papel acompanhar. Só há uma coisa capaz de segurar este leitor, ainda mais o que é capaz de fazer três ou quatro coisas ao mesmo tempo, o conteúdo de qualidade. Seja no seguimento que for, um bom livro causa filas, gritos histéricos e ídolos. Cada geração com o seu sucesso. Dá licença que eu vou ao cinema assistir 50 Tons de Cinza. kkk

Maria Rita Ferreira Uemura é jornalista, empresária, diretora da empresa de eventos de aventura ULTRAMACHO e escreve exclusivamente toda quinta-feira neste Blog (www.ULTRAMACHO.com.br) - e-mail: ferreirauemura@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • marco aurelio santos filho | Quinta-Feira, 26 de Fevereiro de 2015, 11h13
    2
    4

    muito bom esse artigo, assim é que se faz a interatividade do articulista com seu público, com idéias novas e o seu cotidiano transposto em bons textos.

GOVERNO E DIREÇÃO PERDIDA | 25/02/2015, 20h:24 - Atualizado: 25/02/2015, 20h:56

De estadistas, Blairo e Silval tropeçam e deixam maquinário e VLT virar escândalo


Ednilson Aguiar

maquina blairo

O então governador Blairo Maggi posa para fotografia em fevereiro de 2010 com prefeitos e outras lideranças no ato de entrega de chaves das máquinas, que foram adquiridas com valor superfaturado

Blairo Maggi e Silval Barbosa, parceiros no comando do Estado por oito anos, de 2007 a 2014, queriam entrar para a história como estadistas, idealizadores de grandes projetos. O primeiro foi governador com Silval de vice. Depois se tornou senador e o aliado peemedebista assumiu o comando do Palácio Paiaguás, de onde saiu em 31 de dezembro do ano passado.

Blairo  lançou o programa MT 100% Equipado. Silval, no embalo da Copa do Mundo, apostou no VLT. Mas, em meio às boas intenções, havia esquema de corrupção. E o tiro saiu pela culatra. Por ingerência, ambos projetos se transformaram nos maiores escândalos.

E eles, que antes posavam para fotografia ao lado de outras autoridades nas bases onde estavam as máquinas pesadas e a tal estação do metrô de superfície, agora não querem nem ouvir falar nos casos maquinário e VLT. Devem explicações à Justiça.

No início de 2010, já nos preparativos para deixar o governo, Blairo reuniu prefeitos e outras autoridades políticas para a solenidade de entrega das chaves dos 705 equipamentos aos 141 municípios. Nunca um governador havia atendido tamanho pleito dos prefeitos. Ali se ouvia aplausos, se presenciava abraços e se registrava discursos emocionados.

Não deu tempo para Blairo fazer toda entrega. Coube ao sucessor tal missão. E Silval saiu pelos municípios, com desfile de máquinas e soltando fogos. Era recebido como "o cara". Surge denúncia de superfaturamento nas negociações. Começa a cair o conceito e a alta popularidade de Blairo. Em outra frente, Silval se articula e aceita a proposta do então presidente da Assembleia, José Riva, de mudar o modal de BRT para VLT.  E toca a obra. Também veio denúncia e o VLT virou outro escândalo.

Dois grandes projetos que poderiam se tornar orgulho para os dois últimos governadores, mesmo com tamanha importância para o desenvolvimento do Estado e melhoria da mobilidade urbana da região metropolitana, se tornaram razão de vergonha para estes e para aqueles que agiram com interesses pessoais. Saíram dos trilhos. Perderam a direção.

Josi Pettengil

vlt silval riva

O então governador Silval Barbosa ao lado do VLT, na base em Várzea Grande, posa para foto ao lado dos deputados José Riva, Airton Português e Jota Barreto; outra grande obra marcada por escândalo

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • Marcos Pinho | Quinta-Feira, 26 de Fevereiro de 2015, 12h33
    4
    0

    Quem é mesmo blairo? Ele ainda é alguma coisa em MT? Nota: Estadistas é a pior das piadas. Silval nem sabe o que é estadista.

  • marta | Quinta-Feira, 26 de Fevereiro de 2015, 10h31
    2
    3

    blairo esilval nunca foram governos estadistas....fizeram longe disso.

  • Amarildo | Quinta-Feira, 26 de Fevereiro de 2015, 07h45
    4
    2

    E por ironia do destino os quatro foram derrotados na ultima eleição, o povo esta começando a aprender votar.

  • Amado de Oliveira | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 23h43
    8
    1

    É muito importante que os senhores envolvidos busquem sempre, saber, o que está atrás do morro

| 25/02/2015, 14h:24 - Atualizado: 25/02/2015, 14h:29

Prioridades fora de lugar (III)

vinicius_artigo_quarta

Vinicius de Carvalho

Finalizo o tema sobre as prioridades fora de lugar nas políticas públicas. Terminei o artigo da semana passado argumentando que boa parte água perde-se no desperdício, tanto na rede de distribuição quanto na ponta final do consumo. O caso de Cuiabá é bem ilustrativo deste processo. De acordo com uma pesquisa elaborada pelo Instituto Trata Brasil Cuiabá é a 4ª cidade brasileira que mais desperdiça água tratada. 65,31% da água são perdidos e o principal motivo são os vazamentos. Informações da CAB apontam que em 2012, primeiro ano do contrato de concessão, este indicador atingiu a 70%. 

Isto faz que com que o consumo médio de água da população cuiabana por habitante seja de 458 litros, ultrapassando em muito a média nacional de 166,3 e também a recomendação da ONU de 100 litros. Mesmo considerando-se as elevadas temperaturas verificadas no município, não conseguimos justificar estes níveis de consumo e desperdício. 

A meu ver o caminho adequado é definir um valor de referência compatível com cada região e tarifar com preços módicos. Aquele consumo excedente teria preços mais altos e progressivos, de modo a obrigar os consumidores a priorizarem seu consumo para as suas necessidades mais básicas e fazerem, portanto, o seu racionamento. As companhias também teriam maior interesse na logística deste importante recurso, em função de seu elevado valor. Alguém já viu situação semelhante acontecer no caso do petróleo e seus derivados? Já pensou se oleodutos e gasodutos tivessem percentuais de perdas superiores a 50% ou 60%?

Num momento como o atual em que discute-se o reajuste da tarifada água em Cuiabá por pedido da concessionária, este debate fica ainda mais importante. Todo o contrato de concessão embute cláusulas sobre seu equilíbrio econômico-financeiro, de modo a tornar a operação rentável para empresa. Quando isto não acontece ela pode solicitar revisão. 

Apenas relembro que no caso da maioria das empresas na área eventuais diferenças entre os custos de prestação do serviço e as tarifas são cobertas pelas prefeituras ou governos estaduais. Sabemos que na prática já ocorrem racionamentos informais de água, em especial nos bairros periféricos. Como a distribuição não é contínua ao longo dos dias, isto acaba sendo uma forma disfarçada de racionamento. Além disto, temos que considerar que as áreas periféricas em geral gozam de menos infraestrutura dos que as centrais. Em função disto são menos atendidas por este serviço. 

Portanto, se fosse garantida uma tarifa social ou módica para o consumo dentro da quota estabelecida com valores progressivamente mais altos no que exceder, cada consumidor teria condições de fazer o seu racionamento. Além disto as concessionárias precisam começar a pagar de alguma forma por este desperdício na distribuição. Hoje ele está sendo transferido ou para o consumidor final que paga ou para os contribuintes. 

Um mecanismo possível seria proibir que as concessionárias repassassem o custo da ineficiência para terceiros e começassem a pagar por ele com recursos próprios. Desta forma, elas terão incentivo para investir em modernização tecnológica para reduzir os desperdícios. É óbvio que isto não poderia ser feito de uma hora para outra. Seria necessário um regime de transição para que as operações não ficassem inviáveis. Deste modo poderemos sair deste equilíbrio de baixa tarifa/baixo investimento que vivemos na atualidade. Temos que migrar para altos investimentos financiados no longo prazo por tarifas graduadas pelo nível de renda e consumo. Assim será possível resolver ao mesmo tempo dois problemas diretos: gestão dos recursos hídricos e distribuição de renda 

Vinicius de Carvalho Araújo é gestor governamental do Estado, mestre em História Política, professor universitário e escreve neste Blog toda quarta-feira vcaraujo@terra.com.br e www.analisepoliticamt.blogspot.com.br. 

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Hélio Augusto Gomes | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 20h57
    4
    1

    Segundo ONU, cada habitante do planeta têm direito a 112 litros de água por dia. A média nacional de desperdício de água é 36% ao dia. Que tal. um debate 22 de março - Dia Mundial da Água. Vinicius de Carvalho Araújo - Coordenador do debate, com as seguintes instituições: CAB, SEMA(Recursos Hídricos), UFMT(Departamento de Engenharia Sanitária), Prefeitura de Cuiabá, Câmara Municipal de Cuiabá, Assembleia Legislativa de MT( Comissão do Meio Ambiente) e Representante da Sociedade Civil. Local - Teatro da Assembleia Legislativa MT. A discussão foi iniciada que venham os resultados. A Sustentabilidade agradece!

| 24/02/2015, 23h:07 - Atualizado: 25/02/2015, 11h:07

Da tribuna, Fabris diz que prisão de Riva foi injusta e destaca qualidades do aliado


.

gilmar_fabris_14.jpg

Deputado Gilmar Fabris critica "barulho" feito pelo programa Fantástico, entende que amigo José Riva não merece prisão e o define como líder e trabalhador nato

Gilmar Fabris (PSD) chamou os colegas parlamentares à responsabilidade, à cumplicidade e instigou muitos deles a fazer fila para, da tribuna, se solidarizar com o ex-deputado José Riva, preso deste o último sábado, sob acusação de desvio de R$ 42,2 milhões entre 2005 e 2009, época em que comandou a Assembleia. Fabris disse que os deputados não podem se calar sobre o episódio e lembrou que nenhum deles, inclusive de legislaturas passadas e que continuam atuando até hoje, fez qualquer questionamento nesse tempo sobre supostas irregularidades na Casa. “As denúncias vêm se arrastando de muito tempo e não tem um requerimento de deputado demonstrando descontentamento com a forma que era tocada esta Casa”.

Comentou tanto sobre a repercussão de antes e depois da exibição da reportagem do Fantástico, da TV Globo, no último domingo, quanto sobre a trajetória e liderança de Riva, de quem se coloca como defensor. Após o discurso de Fabris, outros parlamentares saíram em defesa do ex-deputado por cinco mandatos.

“Riva pode ter defeitos, mas carrega muitas qualidades. Ninguém pode tirar dele o fato de ser líder e trabalhador nato. Nenhum outro deputado se dedicou tanto à vida pública como ele”. Fabris destacou que “chegou um tempo em que Riva acumulou demandas demais porque as pessoas procuravam-no para resolver problemas que seriam atribuições do governo estadual. “E, assim, ele foi atendendo e trazendo para si grande carga de trabalho”. Ponderou que, “quanto maior o líder, maior a repercussão em cima dele”.

Na análise de Fabris, o Fantástico começou a massacrar Riva quatro dias antes, quando anunciou que traria reportagem sobre escândalo em Mato Grosso e já mostrava a imagem do ex-deputado. "Eu pensei: vão mostrar o homem dentro do caixa do Banco Central". Depois, diz o parlamentar, o que se viu foram denúncias sobre irregularidades nas obras do VLT, nas trincheiras, cartilha escolar e nota promissória assinada por Riva, tendo Mauro Savi como avalista.

Disse também que na época de inauguração das obras que agora estão sendo questionadas, quase todas as autoridades estavam presentes, aplaudindo e posando para fotografia. “Antes, era só festa e foguete. Agora está muito feio. Então, a Assembleia, o Tribunal de Contas e o Ministério Público têm culpa se as obras estão erradas”.

Gilmar Fabris, que já presidiu a Assembleia, disse que o momento é de reflexão. Entende que Riva não poderia ser preso antes de haver julgamento pela Justiça. Lembra que o amigo e companheiro do PSD possui residência fixa e que jamais deixando o país, como se chegou a comentar. “Não gosto de ver passarinho na gaiola. Imagine, então, um ser humano! Qual o motivo da prisão?”. Ainda da tribuna, o deputado pediu aos colegas que “olhem pelas qualidades de Riva”. "Se errou, a Justiça toma conta, mas ele jamais iria sair daqui”. E enfatizou que o que aconteceu com Riva pode se repetir com qualquer um dos deputados.

Postar um novo comentário

Comentários (20)

  • Rovilsom Rodas Paim | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 20h22
    7
    2

    Claro que se tem que defender o passarinho principalmente quando nos protegemos em baixo das asas dele.

  • João José de Amorim | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 17h46
    7
    1

    O discurso do Dep. Gilmar Fabris só vem aumentar a pena do Nobre ex Dep. Riva.

  • VENANCIO CORREA DOS SANTOS JUNIOR SANTOS | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 17h31
    5
    1

    VENANCIO CORREA DOS SANTOS JUNIOR SANTOS, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Ronei Duarte | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 17h11
    7
    2

    "o que aconteceu com Riva pode se repetir com qualquer um dos deputados."(Gilmar Fabris). Ficamos na torcida para que se cumpra essa profecia!

  • Julio | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 15h38
    11
    0

    Na era Riva todo mundo concordava e respeitava o home! Agora todo mundo é inocente e so ele que não presta! Ai vem um governador que se diz novo, mas e mais velho que anda pra trás! põe dois bobão um de presidente da AL e outro de lider do governo! Um que até ontem era compradre do riva (guilherme) e o lider do governo (wilson) que despensa descrição! E o povo idiota achando que escolheu o novo! Acho que se brinca vai fica pior do que tava!

  • vladiamarquessilva | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 11h49
    18
    2

    "Antes, era só festa e foguete. Agora está muito feio. Então, a Assembleia, o TCE e o MPE têm culpa se as obras estão erradas" Isso mesmo! E agora??? Kd as pessoas que aprovaram isso FANTÁSTICO????????????????

  • Luis Alvez do poção | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 11h48
    18
    4

    Concordo com o deputado qdo afirmou que a justiça é quem deve JULGAR. Agora esse bando de gente querendo se eximir de culpa....Faça-me o favor!!!! Pq aprovaram as coisas antes ?...o VLT por exemplo??? Agora querem jogar a culpa Riva sozinho...assim é fácil ne?! O cara não é mais deputado....o cara ta sendo ferrado de td que é jeito.....Esse povo ta é querendo chutar " cachorro morto " só pq o cara perdeu eleição....Caso contrário, estavam todos " mamando " ........

  • Lindomar Luz | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 11h01
    17
    6

    Se todos os deputados se posicionassem dando a cara pra bater.....Esse cara tem meu respeito por ser assim. No mínimo LEAL. Os demais mamavam e agora estão ai falando do cara e não estendendo a mão..........

  • zé ninguem | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 10h57
    10
    0

    zé ninguem, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • zeca | Quarta-Feira, 25 de Fevereiro de 2015, 10h15
    20
    6

    nobre deputado o senhor e farinha do mesmo saco.

OPERAÇÃO IMPERADOR | 24/02/2015, 10h:51 - Atualizado: 24/02/2015, 12h:00

3 faziam saques e entregavam dinheiro a emissário de Riva, revelam investigações


As investigações do Gaeco, que resultaram em denúncia contra 15 pessoas, entre elas o ex-deputado José Riva, que está preso, revelam que três representantes e/ou funcionários de empresas de fachada faziam saques na boca do caixa e entregavam pessoalmente altas quantias em espécie para Edemar Nestor Adams. Braço de Riva, Edemar foi secretário de Orçamento e Finanças entre 2005 e 2006 e depois secretário-geral até 2009. Segundo o Ministério Público, era ele quem pagava contas pessoais e empréstimos do ex-deputado. Edemar faleceu em 25 de outubro de 2010. Na época, o MPE já havia descoberto as fraudes e estava em negociação para Edemar aceitar acordo de delação premiada.

O esquema de aquisição simulada de material de expediente e artigos de informática desviou R$ 42,2 milhões da AL. Funcionou de 2005 a 2009, com fraude de contratos licitatórios nas modalidades carta convite, pregão presencial e concorrência pública.

Elias Abrão Júnior Nassarden era peça-chave. Fez saques no caixa para entregar dinheiro em espécie a Edemar, assim como Jean Carlo e Leonardo Maia. O Gaeco monitorou os passos do trio, que agia rápido. Os trâmites dos empenhos nas secretarias também eram céleres.

operacao imperador jose riva

MP revela que esquema de fraudes na AL tinha participação de secretários e de empresas de fachada

Para se ter ideia, a Real Comércio, uma das "fornecedoras" da Assembleia, teve ordem de fornecimento de produtos protocolada em 17 de setembro de 2009. Com menos de uma semana já fez entrega de notas, uma de R$ 1,2 milhão e outra de R$ 350 mil. No dia 24, ou seja, sete dias depois do empenho, a AL transferiu R$ 519 mil à empresa. E no dia 30 creditou mais R$ 600 mil. Em 15 de outubro, mais R$ 235,2 mil. 

De acordo com as investigações, a Real só conservou na conta 20% dos valores. E como se deu as operações de saída do dinheiro? Em 8 de outubro, Leonardo Maia, usando um veículo Honda Civic e em nome da Real Comércio, fez dois saques na boca do caixa do Banco do Brasil, na avenida Couto Magalhães, em Várzea Grande, sendo um de R$ 90 mil e outro de R$ 58 mil. Entregou o dinheiro dentro de uma pasta para Elias Júnior. Na direção de um Toyota Hilux SW4, Elias "voou" para o prédio onde morava Edemar e ali repassou R$ 148 mil ao então secretário. Esse era o modus operandi da quadrilha.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • josé carlos | Terça-Feira, 24 de Fevereiro de 2015, 16h05
    20
    3

    Estes Nassarden são fortes possuem 5 empresas e sempre ganharam as licitações na AL, parabêns.

  • Jésus barra do Garças | Terça-Feira, 24 de Fevereiro de 2015, 13h00
    25
    2

    O procurador falou na tv que esse "cara" tá sendo processado por crimes a treze anos. Chega

| 24/02/2015, 00h:00 - Atualizado: 23/02/2015, 23h:04

Tempo de despertar

Olga_200_fora

Olga Lustosa

Aos 81 anos, em boa forma física e atividades intelectuais em ebulição, Oliver Sachs, neurologista e escritor britânico, famoso, após ter tido um dos seus livros transformado num belo filme, “Awakenings”, traduzido como Tempo de despertar, com Robin Williams e Robert de Niro, nos papéis centrais, descobriu que a sorte acabou. Tem múltiplas metástases no fígado e este tipo particular de câncer, que já ocupa um terço do órgão não pode ser interrompido. Escreveu uma carta de despedida, publicada esta semana no jornal The New York Times. “Não há tempo para mais nada que não seja essencial”. “Não posso fingir que não estou com medo. Mas meu sentimento predominante é de gratidão. Amei e fui amado; recebi muito e me doei em troca; li, viajei, pensei e escrevi. Tive uma boa relação com o mundo, e uma relação especial de escritor para leitor.”  

Agora cabe ao escritor escolher como quer viver o pouco tempo que resta. Assegura que sofreu pouca dor com toda esta desordem e não obstante o grande declínio que a doença causa, não sofreu um abatimento de ânimo no espírito ardoroso, nos estudos e na alegria da companhia dos amigos. Tem planos de viver da maneira mais profunda e produtiva que puder e não pretende repousar o homem de disposição veemente, entusiasmo e de extrema falta de moderação em todas as suas paixões.  Diz que acima de tudo, viver neste belo planeta tem sido um enorme privilégio e aventura.

As pessoas morrem, não podem ser substituídas. Elas deixam espaços que não podem ser preenchidos, pois assim é o destino de cada ser humano para ser um indivíduo único, para encontrar o seu próprio caminho, para viver sua própria vida, para morrer a sua própria morte. E diante da inevitabilidade da morte anunciada o tempo agora é tangível, quantificável e talvez isso seja um benefício. Aos 81 anos, é melhor saber do que apenas esperar.

Dr. Sacks é um homem interessante; foi um dos primeiros neurologistas a estudar o autismo como um transtorno médico em vez de um comportamental, um clínico que pelos relatos à época do filme, vê os pacientes além de suas enfermidades. O filme inclusive é baseado em fatos reais, de pacientes, cujas famílias autorizaram a divulgação dos casos diagnosticados por Oliver Sachs. Robin Williams é um neurologista, que trabalha num hospital psiquiátrico, onde estão internados vários pacientes catatônicos. É preciso pesquisar uma medicação que possam despertá-los e ele chega a conclusão que um novo medicamento testado em pacientes com Mal de Parkinson, pode trazer-lhes de volta à realidade. O diretor do hospital determina que se escolha apenas um paciente para submeter-se aos testes. Robert de Niro é Lowe, o paciente escolhido; há décadas ele estava adormecido. Ele se recupera e o neurologista administra o medicamento nos outros pacientes também. Os efeitos adversos e incontroláveis começam a surgir...

 Oliver Sacks é professor de neurologia da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, é o autor de muitos livros, incluindo "Awakenings" e "O homem que confundiu sua mulher com um chapéu."

Olga Borges Lustosa é cerimonialista pública e escreve exclusivamente neste Blog toda terça-feira - olga@terra.com.br

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • PRODUTOR PERSEVERANTE | Terça-Feira, 24 de Fevereiro de 2015, 13h48
    15
    0

    QUAL É A SUA PARTICIPAÇÃO, SUA CONTRIBUIÇÃO PARA MELHORAR OS ANIMOS DO POVO DE MATO GROSSO???, PARA QUE ESSE POVO SOFRIDO PELO DESMANDO PÚBLICO POSSA TER UM ALENTO???

  • ROBINSON BRUNINI | Terça-Feira, 24 de Fevereiro de 2015, 13h41
    15
    1

    JORNALISTA OLGA! Fico impressionado com a suaRedação!com pontaria certa nos corações de quem a lê.A morte e o despertar para o fim..a trasformação que leva o homem descobrir que é destrutível !o verdadeiro milagre de estar vivo. Penso que viverhojê é viver em cristo.buscar a eternidade em paz com o mundo e com Deus!

| 23/02/2015, 11h:30 - Atualizado: 23/02/2015, 12h:41

Deputados retomam os trabalhos, vão esquecer reforma administrativa e Riva


Fablício Rodrigues

fachada da al

Fachada do Palácio Dante de Oliveira, sede da Assembleia, onde a rotina desta nova legislatura inicia efetivamente a partir desta terça, após duas semanas de folgas, com realização de sessões ordinárias

Os deputados desta nova legislatura começam para valer os trabalhos a partir desta terça, após duas semanas de folga embaladas pelo Carnaval. E, mesmo que tenham alguns "caras novas", chegando para o primeiro mandato, a Assembleia continuará como dantes.

As amarrações políticas, aliadas aos interesses pessoais de seus parlamentares, não vão permitir, por exemplo, avanço na tal reforma administrativa. Por enquanto é só barulho de políticos que voltam  a sentar na cadeira de deputado. Logo cai no vazio o discurso de que haveria "fantasmas" na folha de pagamento. O processo de depuração, por si, se encarrega disso.

Em campanha pela presidência da Casa, Guilherme Maluf, eleito com 23 dos 24 votos, recebeu cobrança sistemática por melhor estrutura e condições de trabalho dos colegas. A exigência foi tanta que virou promessa. Ao mesmo tempo que prega corte de gastos, Maluf, que controla junto com o primeiro-secretário Nininho um duodécimo mensal de R$ 33 milhões, precisa atender pleitos dos deputados. Na lista entram frota de veículos, melhora na cota de combustível, de passagem aérea, plus na verba indenizatória e adequações nos gabinetes.

Além dessas questões internas, voltadas mais ao atendimento de deputados no atacado e no varejo, a Mesa precisa se preocupar com a imagem do Legislativo. Está na lama. Mas a maioria não se preocupa com isso. Vai ser difícil algum deputado subir à tribuna nesta semana para elogiar o Ministério Público  e a Justiça pela prisão de José Riva, que comandou a AL por 20 anos. Pode até fazer discurso sobre o assunto, mas em defesa do ex-deputado. Ninguém quer se indispor.  E o corporativismo prevalece.

 Não basta defender resgate da imagem do Legislativo. Cada deputado precisa cuidar de seus atos e, ao mesmo tempo, como fiscalizadores, não mirar apenas o Executivo, mas também os próprios umbigos. Sem hipocrisia, mudança passa por rejeição a conchavos, por abrir mão de uma série de benesses,  por correção dos próprios defeitos, por critérios e ações técnicas em detrimento do populismo e da demagogia e pela honradez, com trabalho, dedicação e transparência, do "gordo salário.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • PRODUTOR DE MT | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 14h29
    22
    3

    CARÁTER!!!, ÉTICA MORAL!!!, VONTADE!!!, VISÃO!!!, PLANO ESTRATÉGICO!!!, DIÁLOGO COM O POVO!!! E A IMPRENSA!!!, CERTAMENTE RESULTA EM BONS SERVIÇOS À COMUNIDADE!!!

| 23/02/2015, 00h:00 - Atualizado: 23/02/2015, 08h:53

Defensor para que?

sandra_alves_colunista_segunda-feira

Sandra Alves

Nem sempre o ser humano se dá conta da importância de interagir, conversar. Em uma mesa, aguardando o almoço, após a solenidade, o assunto centralizou-se na necessidade de saber onde buscar o seu direito quando quiser exercê-lo. Daí muitas pessoas chegam à Defensoria Pública a procura de um "advogado" para sua defesa, sem saber exatamente o que o defensor público pode fazer por ela.

As necessidades são de toda ordem. O hospital se recusa a fazer a cirurgia; a mãe não permite que o pai veja o filho; o banco cobra juros exorbitantes do consumidor; a mulher sofre violência do marido; o loteador pretende a reintegração do imóvel já vendido; a mãe busca defesa para o filho que está preso; e são tantas outras demandas. Às vezes, apenas depois do cidadão percorrer diversos órgãos é que buscará atendimento junto à Defensoria Pública, o órgão instituído pela Constituição Federal para efetivar seus direitos.

Defensor é diferente de advogado. O advogado é um profissional liberal, bacharel em Direito e inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil, que exerce função essencial à Justiça. Defensor integra um órgão do Estado. Não é um profissional contratado, é a instituição que independente da pessoa física (do defensor) atua na concretização dos direitos fundamentais do cidadão.

Não existe uma ordem de importância entre defensor público e advogado, tampouco de conhecimento ou atuação. A diferença está na vinculação da Defensoria Pública em prestar assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos. Se você possui condições financeiras de contratar um profissional liberal, deverá fazê-lo. Mas, se não tiver recursos para tanto, tem direito de ser assistido por um defensor.

Em sua função, o defensor tem por obrigação atuar em três momentos: a) Na conscientização de direitos e deveres - quando participará dos Conselhos Municipais e de instituições que visem promover os direitos dos cidadãos; quando levará palestras para a sociedade; quando participará de reuniões de associações; quando atuará junto ao cidadão para conhecer suas necessidades e esclarecer seus direitos; b) Na composição de conflitos extrajudiciais - quando resolverá os conflitos e buscará acessibilidade a direitos dos cidadãos sem recorrer ao Judiciário; c) Na judicialização dos conflitos - quando atuará em ação judicial - "entrar na Justiça" - individual ou coletiva para defender o direito do cidadão.

Em geral, quando o cidadão chega à Defensoria Pública seu grau de desalento com as dificuldades vividas e com a descrença social é grande. Todos os "nãos" possíveis já foram ouvidos. Aquela é sua última tentativa em ver concretizado seu direito ou de encontrar alguém para lhe amparar. Lidar de forma hábil com o sucesso das conquistas e com a angústia das derrotas (quando não se atinge justiça social) exige que o defensor seja vocacionado para a carreira. Driblar a falta de estrutura física para o atendimento ao público consubstancia mais uma luta incansável. 

Ser defensor público é: "escutar as vozes dos esquecidos" (Iderlipes Pinheiro); "ser porta voz dos excluídos da sociedade na esfera jurídica" (Alex Campos); "despir preconceitos, vestir sapatos alheios" (Janaína Yumi) ; "lutar pela restauração da dignidade do desigual" (Gonçalbert Torres); "levar esperança a quem perdeu" (Djalma Sabo Mendes). Defensor público é para conscientizar, orientar, conciliar, defender e lutar, a favor de um cidadão, de um povo e contra o próprio Estado, se preciso for. Em todo este contexto, nunca é demais lembrar: Defensor, não esqueça quem você é! Cidadão, não deixe de exigir o seu defensor! -  veja aqui os núcleos da Defensoria

Sandra Alves

Rio Cuiabá-montagem

Ser defensor público é conscientizar, orientar, conciliar, defender e lutar sempre em favor do cidadão

Sandra Cristina Alves é defensora pública do Estado, escritora e escreve exclusivamente neste Blog toda segunda (sandrac.alves@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • Elizeu | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 21h53
    13
    2

    Aqueles que criticam são quem nunca precisaram de um advogado e não tinha dinheiro pra pagar um, e utilizou a defensoria publica, eu usei a da união e fui muito bem defendido e sei que a estadual defende tão bem quanto a da união aqueles que a procuram, então parabens pelo seu artigo sandra.

  • PRODUTOR MT | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 16h18
    17
    2

    CARÁTER!!!, ÍNDOLE!!!, ESTÃO NA BASE DAS AÇÕES HUMANAS!!!, AS ESCOLHAS QUE FAZEMOS DIANTE DOS ATOS PREJUDICIAIS AO BOM E SANTO CONVÍVIO ENTRE AS PESSOAS!, DETERMINAM A QUALIDADE DE UMA PESSOA!, INDEPENDENTE DO CARGO QUE OCUPA!!!, MUITO PROVAVELMENTE O QUE TORNA AS PESSOAS APRESSADAS É JUSTAMENTE A FALTA DE ATITUDE ÉTICA E JUSTA DAS PESSOAS QUE OCUPAM CARGOS PÚBLICOS!, COM ALTOS SALÁRIOS!, E SEM SE SENTIREM RESPONSÁVEIS PELO CUMPRIMENTO DO DEVER QUE O CARGO LHES CONFEREM!!! DISCURSAR EMOCIONA!, AGIR TRANSCENDE!!!

  • Sandra Cristina Alves | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 11h47
    18
    4

    Prezado Diogo Sachs, agradeço o fato de dispensar seu tempo para comentar minha publicação. De fato, a Defensoria Pública como todas as demais instituições são compostas de seres humanos, éticos ou não, corruptos ou não. Cabe a cada gestor as providências necessárias para aplaudir e punir, de acordo com a ação. Neste sentido, músicas se aplicam ou não. Abraços.

  • diogo Sachs | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 11h35
    16
    6

    Quando o Dr. Pietro pintava e bordava na Gloriosa e Santificada Defensoria Pública nao vi um Defensor se insurgir contra a corrupção interna; tampouco parece ter funcionado o órgão de controle interno, ou seja, corporativa a Defensoria como qualquer outra instituição! Esse artigo é jogar confete em si mesmos; desculpe-me Douta Defensora se eunestiver errado; mas vós os defensores sao regiamente remunerados para fazerem o que diz a Lei e a Constituição; o problema é que todo mundo quer morar na capital, faltando como sempre profissionais no interior onde estão aqueles que mais precisam de vocês! Seu artigo me lembra a letra de uma música: "(...) eu me amo, eu me amo,...Não posso mais viver sem mim... (...)"!

  • Lua | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 08h02
    16
    5

    Parabéns!! Que seria dos pobres sem a Defensoria!!

  • alex.campos martins | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 07h08
    13
    6

    Ser a voz dos excluídos da sociedade é dignificante!

VERGONHA NACIONAL | 22/02/2015, 22h:55 - Atualizado: 23/02/2015, 00h:36

Programa Fantástico mistura escândalos, dá voz a 2 delatores e liga 4 à corrupção

Reportagem nada traz de novidade, a não ser confissão de Eder sobre promessa de receber R$ 10 mi de propina na Arena e VLT


O Fantástico, da TV Globo, trouxe neste domingo uma mistura de escândalos e citação de seis personagens, sendo eles o ex-governador Silval Barbosa, o ex-deputado José Riva, o deputado Mauro Savi, o ex-secretário de Estado Eder Moraes, e os empresários delatores Júnior Mendonça e Maksuês Leite, que não mostrou o rosto. Nada de novo, além do que a imprensa já divulgou. Mas tem o peso da repercussão nacional das irregularidades nas obras do VLT e o esquema de irregularidades na Assembleia e no Executivo. A reportagem de Eduardo Faustini durou 12 minutos.

Primeiro, aparece Eder em depoimento ao Ministério Público. Ex-secretário da Secopa, de Fazenda e da Casa Civil, declarou que foram prometidos a ele R$ 10 milhões de propina, sendo R$ 5 milhões no projeto da Arena Pantanal e R$ 5 milhões no VLT. Depois, diz que o pagamento não fora feito. Comentou que era procurado para montar engenharia com vistas a resolver várias situações. Seria espécie de “resolvedor de problemas” nada republicanos.

Ao final, o mesmo Eder aparece desdizendo tudo. E fora esse mesmo Eder que prestou cinco depoimentos ao MPF e abriu a boca, denunciando esquemas, inclusive afirmou que pegou sacolas com até R$ 500 mil para entregar a Júnior Mendonça, a mando do então governador Silval. E surge dizendo que o dinheiro era usado para comprar deputados para, por exemplo, aprovar conta do governo em final de ano e também para dar celeridade na aprovação de projetos.

Sem qualquer novidade, o Fantástico lembrou que em maio do ano passado, Eder e Riva foram presos na operação da PF. E Silval, então governador, ficou detido no apartamento e depois foi à sede da PF para prestar depoimento e liberdo mediante pagamento de fiança por causa de uma arma com registro vencido.

O procurador da República, Ronaldo Pinheiro, concede entrevista. Revela que as autoridades são investigadas por participar de vários esquemas, um deles de lavagem de dinheiro usando banco clandestino para financiar campanhas eleitorais, antecipar recebimento de alguma obra pública e corrupção em geral. O MPF acredita na circulação de mais de R$ 500 milhões no mercado paralelo.

O delator da operação Ararath Júnior Mendonça é localizado pelo Fantástico. Diz ter procurador o MPF para “pagar pelos erros”. Afirmou que liberou empréstimos e que foi procurado por Riva, enquanto representante da Assembleia, e por Eder, que agiu como porta-voz do então governador Silval, em nome do Executivo. Mostrou nota promissória de R$ 5,7 milhões, assinada por Riva e pelo ex-primeiro-secretário da Mesa, Mauro Savi. Júnior contou que, segundo Riva, o dinheiro seria para atender as necessidades com o sistema, que seria com os deputados.

O MPF diz que somente nas cinco ações descobriu que o esquema desviou mais de R$ 100 milhões.

Em seguida, o foco passa a ser Riva. Cita que o ex-deputado, que foi preso no sábado, responde a mais 120 ações cíveis e criminais. Chama-o de político mais ficha-suja do país. O MPF sustenta que foram gastos mais de R$ 140 milhões em material gráfico nos últimos anos, mas de forma fraudulenta. E aí surge o ex-deputado Maksuês, dono de gráfica e que está colaborando com as investigações. Maksuês não mostra a cara. Declara que o material nunca era entregue e que as gráficas tinham objetivo de desviar dinheiro público. Afirmou que as empresas ficavam com 25%, enquanto os 75% retornavam para Riva. E citou várias gráficas no esquema.

O Fantástico apresentou ainda vídeo com Silval e Riva conhecendo o VLT em Portugal e, depois, o então governador inaugurando uma das 33 estações do metrô de superfície em Várzea Grande. O projeto, que deve ter duas linhas e 20 km de extensão, já consumiu R$ 1 bilhão e precisa de mais R$ 500 milhões para ser concluído. Citou dois viadutos problemáticos, o da Sefaz, que está interditado, é o da UFMT, que sofre alagamento toda vez que chove.

 A longa matéria do Fantástico criou grande expectativa para exibir capítulos de escândalos já de domínio público. As figuras daqui carimbadas como corruptas tiveram suas caras mostradas para o Brasil. Vergonha nacional.

Assista abaixo a reportagem do programa Fantástico

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Antonio Cuiabano | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 12h33
    14
    2

    alguem aí sabe dizer como o maksuês comprou uma empresa de tv ? só delatou porque me parece que está enrolado até o pescoço. o que ele está fazendo no ministério publico??

  • jorge mike | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 12h21
    13
    3

    Esse Post é algum trabalho Escolar????? Perdi meu tempo lendo... não sou professor de 6ª série

  • augusto | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 12h17
    12
    5

    Roberto não vão tirar gente da turma do patrão que financiou a campanha,não existe almoço de graça né,aguentem mais do mesmo.Só cego não enxerga!

  • Zé Poxoréo | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 11h29
    16
    4

    O engraçado é que a matéria não citou uma única virgula em homenagem ao ilustre Blairo Maggi. O governo onde tudo começou todo o "legado", inclusive, intitulado o "pai" da sede da copa e um arduo defensor do VLT!

  • ROBERTO | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 00h55
    20
    5

    E O PESSOAL DO BLAIRO E DO SILVAL, QUE ABARROTA A SEMA, ASSESSOR ESPECIAL CONDENADO, SECRETÁRIO ADMINISTRATIVO, DUAS SECRETÁRIAS ADJUNTAS, A SUBPROCURADORA, TODOS E TODAS LIGADÍSSIMOS A ESSE PESSOAL QUE ASSALTARAM O ESTADO. VAI CONTINUAR? O SR. VEIO PARA MUDAR OU PARA CONTINUAR COM ESSA BANDALHEIRA QUE NOS ENVERGONHA E NOS ENTRISTECE. E O PIOR ROUBAM NOSSO DINHEIRO E NOSSA DIGNIDADE, ESPERANÇA... VAMOS POR ORDEM NESSA DESORDEM, MANDE ESSE PESSOAL SUMIR DA SEMA FAÇA UMA FAXINA GERAL.

| 22/02/2015, 00h:00 - Atualizado: 22/02/2015, 19h:59

Qual a melhor escova de dentes?

jackelyne_artigo_domingo

Jackelyne Pontes

Somos bombardeados por propagandas e mais propagandas de escovas de dentes. Cada uma com uma particularidade, prometendo melhor desempenho, durabilidade e conforto na hora da escovação. A verdade é que a escolha da escova ideal é tão importante quanto escovar corretamente os dentes. Uma escova inadequada pode trazer prejuízos irreparáveis aos dentes e à gengiva.

A textura das cerdas é um ponto a ser observado. Existem muitas pessoas com uma boa higiene oral, porém apresentam desgastes dos dentes e retração na gengiva. Devemos evitar cerdas duras e médias e dar preferência para escovas com cerdas macias e arredondadas. Para quem faz uso de próteses removíveis o ideal é que tenha duas escovas, uma de cerda macia para a língua, mucosa e dentes, e uma dura ou média para a prótese.

Costumo brincar com os pacientes e dizer que a escova não é eterna, então devemos observar as cerdas, quando elas começarem a ficar amassadas já está na hora de trocar, geralmente a vide útil de uma escova é de três meses, mas é claro que depende de cada paciente. Se antes desse prazo ela começar a ficar deformada, está na hora de substituí-la.

O tamanho da cabeça da escova também é importante. Uma escova com a cabeça grande impossibilita a limpeza dos dentes mais posteriores, geralmente impedem a limpeza da porção posterior do último dente. Quanto mais delicada a cabeça da escova melhor. Algumas marcas as numeram, nesse caso escolha a de número 30.

Existem escovas indicadas para tratamentos dentários específicos, para os que estão em tratamento periodontal (tratamento de gengivas) existes as unitufos ou bitufos (com um ou dois tufos de cerdas), ideais para a limpeza de regiões com raízes expostas e também as escovas interdentais indicadas para pacientes em tratamento ortodôntico (usuários de aparelhos dentais). Para pacientes que passaram por cirurgias dentais, o mercado oferece as escova extramacias, que não traumatizam as regiões recém-operadas.

As escovas elétricas são indicadas para pacientes com dificuldades motoras e os que necessitam de uma motivação para a prática da escovação, como é o caso das crianças e adolescentes. O que não podemos afirmar é que a escova elétrica é mais eficaz que a escovação convencional.  Há também escovas coloridas, que emitem sons, com personagens infantis, que também são instrumentos válidos na motivação do bom hábito de higiene oral, porém o tamanho da cabeça e a maciez das cerdas sempre devem ser levados em consideração.

O cabo da escova é importante, ele deve proporcionar uma boa empunhadura. O quesito preço deve ser levado em conta. Nem sempre a escova mais cara é a melhor. Uma escova convencional que dispensa modismos e tecnologias, desde que usada de maneira correta pode cumprir com o seu papel perfeitamente. E finalmente não podemos esquecer do uso do fio dental e das visitas regulares ao cirurgião-dentista para uma saúde bucal satisfatória.

Jackelyne Pontes é cirurgiã-dentista, filiada ao Sinodonto-MT (Sindicato dos Odontologistas do Estado de Mato Grosso) e escreve exclusivamente para este blog todo domingo - jackelynepontes@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • pedro americo | Domingo, 22 de Fevereiro de 2015, 15h39
    16
    1

    Como faz falta um mandato e se for Presidente da AL/MT então, RIVA deveria fazer uma DELAÇÃO PREMIADA AÍ MT VAI TREMER, poucos sobreviveriam?

NA PRESSÃO | 21/02/2015, 16h:16 - Atualizado: 21/02/2015, 18h:38

A exemplo de Arcanjo, Riva vai preso após Fantástico deixar as instituições acuadas

Em 2002, comendador foi para a cadeia na semana em que o programa fez denúncia; agora, ex-deputado é pego na véspera


A prisão de José Riva, desta vez sem ele poder recorrer ao foro privilegiado, acontece na véspera do programa Fantástico, da Rede Globo, exibir uma reportagem sobre esquemas de corrupção com o próprio ex-deputado no epicentro de um novo escândalo.

As instituições de Mato Grosso já estavam acuadas. Vinham buscando provas para mandar à cadeia um agente político que exercia influência sobre os próprios Poderes. E o tempo corria. Ou prendiam-no ou essas instituições ficariam desmoralizadas em âmbito nacional sem uma resposta à sociedade. O cerco se fechou na véspera.

Riva comandou a Assembleia por duas décadas. Em todo esse tempo, chamou para si a concentração de poder. Mandava em tudo. Com a complacência dos colegas deputados e omissão dos órgãos fiscalizadores, avançou tanto que cometeu excessos, atos de improbidade e crimes, segundo as investigações. Se tornou o “rei dos processos”. Figura como réu em mais de 100.

Há 13 anos, essas mesmas instituições tiveram que agir contra o então todo poderoso, bicheiro João Arcanjo Ribeiro, que comandava o crime organizado. Em 2 de dezembro de 2002, o Fantástico trouxe reportagem investigativa de 15 minutos. Mostrou que Arcanjo, com base em um relatório secreto da Abin, enviado ao MP, estava envolvido em exploração de cassinos, narcotráfico, contrabando internacional de armas, pedras preciosas e jogo do bicho. Mostrou também que o “comendador” era mentor de um grupo organizado com envolvimento de magistrados, tanto juízes quanto desembargadores, promotores de Justiça, agentes de polícia e delegados.

Na mesma semana em que o Brasil, pelo Fantástico, conheceu quem era o “comendador”, veio a sua prisão. Arcanjo cumpre pena hoje pelos crimes contra o sistema financeiro, homicídios e porte ilegal de armas.

Agora é a vez de Riva. Ele chegou a ser preso, em maio do ano passado, por causa de crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro. Saiu da cadeia três dias depois por força do foro privilegiado. Neste sábado, o Gaeco o prendeu. É resultado das investigações da operação Imperador, que investiga desvio milionário de dinheiro da Assembleia por meio de licitações e pagamentos fraudulentos, esquemas que serão denunciados amanhã no Fantástico. 

As instituições correram atrás de Arcanjo para prendê-lo depois do Fantástico e, desta vez, pegaram Riva antes do mesmo Fantástico mostrar ao Brasil quem é o ex-deputado.

Postar um novo comentário

Comentários (14)

  • pezao | Segunda-Feira, 23 de Fevereiro de 2015, 08h10
    11
    3

    Como justiça e falida se riva desviou dinheiro tinha que devolver nao ir preeso se vai sair o imperio comtinua so sensalisno das nidias e poder judiciarios

  • PRODUTOR DO MT | Domingo, 22 de Fevereiro de 2015, 14h23
    11
    12

    RIVA FOI SEMPRE MUITO BEM VOTADO!!!, ELEITO COM EXPRESSIVA VOTAÇÃO!!! LEMBREM!!!, QUE UMA ANDORINHA SÓ NUNCA FEZ VERÃO!!!, PODEM CRUCIFICAR E EXTERMINAR COM "UM RIVA" DE MT, A GLOBO ESTÁ DESVIANDO A ATENÇÃO DO PETROLÃO!, MENSALÃO, AÇUCROALCOOLÃO, ELETROBRAS,CORREIOS, B B , BNDES, LULARIVA, ZÉDIRCEURIVA, GENOÍNORIVA, ALOÍSIORIVA, PALLOCCIRIVA, OKAMOTORIVA, DILMARIVA, CARDOZORIVA!!! VAMOS LÁ MEUS IRMÃOS DO MATO GROSSO!, FORÇA E COREGEM!!!

  • PRODUTOR DO MT | Domingo, 22 de Fevereiro de 2015, 14h22
    10
    10

    RIVA FOI SEMPRE MUITO BEM VOTADO!!!, ELEITO COM EXPRESSIVA VOTAÇÃO!!! LEMBREM!!!, QUE UMA ANDORINHA SÓ NUNCA FEZ VERÃO!!!, PODEM CRUCIFICAR E EXTERMINAR COM "UM RIVA" DE MT, A GLOBO ESTÁ DESVIANDO A ATENÇÃO DO PETROLÃO!, MENSALÃO, AÇUCROALCOOLÃO, ELETROBRAS,CORREIOS, B B , BNDES, LULARIVA, ZÉDIRCEURIVA, GENOÍNORIVA, ALOÍSIORIVA, PALLOCCIRIVA, OKAMOTORIVA, DILMARIVA, CARDOZORIVA!!! VAMOS LÁ MEUS IRMÃOS DO MATO GROSSO!, FORÇA E COREGEM!!!

  • fabio sousa ( caceres ) | Domingo, 22 de Fevereiro de 2015, 13h53
    13
    6

    Riva foi preso mas logo logo sera solto pela propria justiça dos ricos ... Alguem ai sabe me dizer do Pedro Henry,ja foi solto tbm ne o famoso Pedro trintinha,o ilustre Rei Pedrao

  • afonso | Domingo, 22 de Fevereiro de 2015, 11h23
    21
    6

    E a lei chegando, obrigado,este nojento ladrao mofa na cadeia

  • Juliano | Domingo, 22 de Fevereiro de 2015, 10h01
    15
    5

    E o prefeito de Sinop? Como fica as acusações de de compra de sentenças, cassação, etc????????

  • joao | Domingo, 22 de Fevereiro de 2015, 00h31
    25
    4

    Ninguém está acima do Estado, uma hora a casa ia cair. E podem contar que o Riva será solto, será preso, será solto, será preso, e aí por diante, até o momento que haverá uma sentença condenatória transitada em julgado, o que dará fim à novela, com um final bem amargo para este cidadão que sempre zombou das instituições desse nosso país.

  • severino Morais | Sábado, 21 de Fevereiro de 2015, 21h25
    21
    6

    Será que não vão soltá-lo daqui uns poucos dias?

  • Marcos | Sábado, 21 de Fevereiro de 2015, 20h29
    29
    6

    Falta prender o Silval.

  • César | Sábado, 21 de Fevereiro de 2015, 19h10
    28
    6

    Mas não pode para somente com a prisão do Riva. Quantos anos o Brasil todo sabe que esse cara desviava dinheiro da assembléia e a JUSTIÇA nunca fez nada, porque engavetou tantos anos os processos dele? Porque as audiências eram sempre canceladas? Inclusive teve uma determinação do CNJ para julgar os processos do Riva. Então justiça de Mato Grosso, tem mais gente que precisa fazer companhia para o Riva no xilindró.

| 21/02/2015, 00h:00 - Atualizado: 21/02/2015, 10h:10

O Carnaval e sua luz.. mais cara

akio materia estreia colunista

Akio Maluf

Como de costume e já praticado pelos gestores brasileiros há décadas, o Governo Federal, por intermédio da Aneel, tornou a aumentar a tarifa que pagaremos de energia, desta vez de uma maneira mais discreta e onde não seria necessário uma caneta da presidência da República, sim, a referida agência de regulação aumentou as Bandeiras em 80%, transformando a tarifa da já vigente bandeira vermelha de R$ 3 para R$ 5,5.

Em primeiro lugar, a implantação das bandeiras vermelhas no Mato Grosso, além de um assalto previsto em lei, é dizer que a população é burra, pois, com um minimo de conhecimento e acesso a internet, é possível verificar que a matriz energética do Estado da Copa do Mundo Pantaneira consegue atender toda a demanda estadual sem a necessidade das Termoelétricas. Além do fato de que a Usina Hidrelétrica do Teles Pires já esta pronta e já pode começar a gerar energia, mas o Governo Federal, por acaso, não levou a linha de transmissão até lá e promete entregar até o meio do ano de 2015 num momento de “crise energética”.

Outro ponto a se levar em conta é que na Região Centro-Oeste não faltaram chuvas, os reservatórios estão cheios, as usinas estão produzindo como nunca e continuam a fornecer energia como antes de maneira normal, pior, pois em Itaipu até hoje não foram instaladas e colocadas em pleno funcionamento todas as suas turbinas pois o consórcio entre Brasil e Uruguai não acha necessário utilizar todo o potencial energético da usina e foi firmado um acordo para que sejam utilizadas somente 18 unidades geradoras em Itaipu, ou seja, não é bem um “problema energético”.

O regime de bandeiras vermelhas mal foi declarado e já fomos forçados a pagar mais, de maneira quase que arbitrária e um valor totalmente contestável, onde está o estudo que comprova que realmente era necessário um reajuste de  80% num momento onde a energia  já foi reajustada em mais de 25% para suprir os custos com as termoelétricas?

Em uma realidade onde quem paga a iluminação pública, os custos de distribuição, geração e até de investimento em infraestrutura é o consumidor, é inadmissível qualquer governante instituir e reajustar as bandeiras vermelhas em um curto espaço de tempo, pois deveria haver um planejamento de investimento com o nosso dinheiro, uma gestão consciente das fontes de energia e até mesmo uma forma de tornar o acesso a energia mais barato para os já sobretaxados brasileiros.

Mais uma vez a população foi enganada pelos gestores durante o Carnaval, a promessa de não continuar o “tarifaço” pelo Planalto foi por água a baixo, pois, as vésperas da festa que marca o início do ano no Brasil, os gestores se aproveitaram da atenção e foco da mídia desviada para celebrar o reajuste que será sentido por todos os brasileiros a partir de março. Os cidadãos brasileiros vão pagar por uma energia mais cara onde não deveriam pagar, tudo para poder gerar um “caixa” e um “caixa dois” nas contas do Planalto, da próxima vez a Polícia Federal poderia criar a operação Apagão, ou não, já que na Lava Jato os brasileiros nem se indignaram, não se movimentaram e não falaram nada.

Portanto, por mais que seja um assalto ao bolso do contribuinte, uma prova de ingerência de daqueles que escolhemos para comandar nosso país, não podemos reclamar, pois 80% da culpa nesta situação é nossa que não acompanha os atos do Governo, não gosta de política, escolhe mal quem está lá gastando o suado imposto brasileiro. Vamos comemorar o fim do Carnaval, parabéns à Beija-Flor, parabéns a Vai-Vai e vamos ascender uma vela para comemorar, pois ligar o interruptor da luz ficou muito mais caro durante a festa.

Akio Maluf Sasaki é acadêmico de Direito da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), atua em cooperação internacional do turismo e escreve neste Blog todo sábado - akio@pontodeapoioturismo.com.br

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • João Alfredo Bello | Sábado, 21 de Fevereiro de 2015, 18h45
    14
    0

    Concordo que as bandeiras não deviam existir, mas em existindo, MT faz parte do subsistema que engloba o Acre, Rondonia e o Suldeste, o que justifica a bandeira vermelha.

  • Simone Almeida de Moura | Sábado, 21 de Fevereiro de 2015, 16h51
    11
    4

    De fato, Akio, a culpa é toda nossa, que discriminamos a classe política, enquanto deveríamos estar atentos e fiscalizá-la. Parabéns por trazer o tema à reflexão.

cuiabá | 20/02/2015, 16h:51 - Atualizado: 20/02/2015, 16h:58

Reforma administrativa tira partidos da gestão Mauro e 5 siglas perdem espaço


A reforma administrativa na Prefeitura de Cuiabá, que reduziu o número de secretarias de 24 para 17, acabou diminuindo o espaço dos partidos aliados na gestão do prefeito Mauro Mendes (PSB). Na mudança anunciada em 23 de dezembro do ano passado, PSB, PDT, PR, PTB e PPS foram alijados da administração municipal. Somente Solidariedade e PV ainda mantêm cargos no primeiro escalão.

A redução do espaço dos partidos na gestão pode gerar “dor de cabeça” para o prefeito. Além da gritaria dos vereadores que perderam cargos que eram ocupados por afilhados políticos, a decisão de exonerar militantes partidários ainda pode dificultar as articulações para a possível candidatura à reeleição de Mauro, em 2016.

O socialista, no entanto, minimiza a situação dizendo que a reforma administrativa foi motivada pela crise que o obrigou a aprofundar o princípio da economicidade na Capital. Além disso, afirma que a saída dos secretários com filiação partidária foi causada pela nova arquitetura administrativa implantada no Poder Executivo Municipal. “Dentro dessa reorganização, não podemos contemplar todos os que gostaríamos. Os partidos continuam sendo importantes, mas mais importantes ainda são os resultados que precisamos apresentar aos cidadãos. Este será o foco. Vamos respeitar os partidos, contemplar os parceiros na medida do possível, mas fomos eleitos para dar resultados”, disse em entrevista ao Rdnews.

Rdnews

mauro_reforma1.jpg

Mauro Mendes diz que reforma foi motivada pela crise que o obrigou a aprofundar a economicidade

Sobre a possível “gritaria” na Câmara e dificuldade para articular o palanque pró-reeleição, Mauro garante que já está acostumando com as reclamações e reivindicações. O prefeito também acredita que as discussões sobre a manutenção de alianças partidárias não passa pela reforma administrativa, que foi obrigado a implementar e será travada no momento oportuno. “Respeito os partidos. Isso faz parte da democracia. Procuro fazer o melhor por Cuiabá. A discussão com partidos é constante, natural e pertinente. Eu não inventei as regras sobre o relacionamento entre as forças políticas e não sou eu que vou mudá-las”.

Suelme Evangelista, dirigente do PSB estadual, deveria permanecer na pasta de Habitação e Regularização Fundiária após a reforma. Ocorre que o socialista deixou a gestão municipal a convite do governador Pedro Taques (PDT) para assumir a secretaria estadual de Desenvolvimento Rural e Regularização Fundiária. Na reforma administrativa, o PDT perdeu o comandado da Saúde, que era dirigida por Werley Peres.  Antônio Carlos Máximo, dirigente histórico do PPS, perdeu o comando da pasta do Meio Ambiente.

Já Antenor Figueiredo, militante do PR, foi exonerado do cargo de secretário de Trânsito e Transporte Urbano. O PTB perdeu dois cargos. Lamartine Godoy, que é sobrinho do ex-prefeito Chico Galindo, deixou o comando da secretaria de Desenvolvimento Urbano enquanto Marcus Fabrício perdeu o comando da Pasta de Turismo. Apenas dois secretários com indicação partidária permanecem na gestão. O Solidaridade mantém Domingos Sávio na pasta de Desenvolvimento Econômico, enquanto José Roberto Stopa, que é presidente estadual do PV, assumiu os Serviços Públicos.

8 secretários deixam staff de Mauro e 4 novos gestores já são nomeados

Rdnews

secretarios_reforma.jpg

Os secretários Kleber Lima, Alberto Machado e José Rodrigues foram escolhidos por Mauro Mendes

Filiações sem indicações

Três membros do primeiro escalão possuem alguma ligação partidária, no entanto, entraram no staff por escolha pessoal do próprio Mauro. O “supersecretário” Kleber Lima, que acumula as pastas de Governo e Comunicação, é filiado ao PC do B. Entretanto não tem vínculo organizativo com os comunistas há alguns anos.

Em 2012, Alberto Machado, o Beto da dupla Dois a Um, que hoje comanda a secretaria de Cultura, Esportes e Turismo, concorreu a vereador pelo PHS, que abriga o jornalista José Marcondes, o Muvuca, mas não obteve sucesso. O secretário iniciou a militância política apadrinhado pelo ex-deputado estadual José Riva (PSD), contudo, o apego ao cargo na Prefeitura de Cuiabá acabou suplantando o vínculo com o social-democrata.

José Rodrigues, que está à frente da Assistência Social desde o início da gestão, foi nomeado com aval do PR. A escolha, porém, foi sacramentada devido ao conhecimento do setor, tendo em vista que o secretário atuou até mesmo no governo federal.

Veja, abaixo, o secretariado do prefeito Mauro Mendes: 

  • Governo e Comunicação – Kleber Lima
  • Fazenda – Pascoal Santulo Neto
  • Planejamento – Guilherme Muller 
  • Cultura, Esportes e Turismo – Alberto Machado
  • Ordem Pública – Coronel Henrique Souza 
  • Desenvolvimento Econômico – Domingos Sávio 
  • Controlador-Geral – Marcelo Bussiki 
  • Assistência Social – José Rodrigues 
  • Habitação e Regularização Fundiária – Adilson Reis 
  • Serviços Públicos – José Roberto Stopa 
  • Obras – Marcelo Padeiro
  • Educação – Gilberto Lopes
  • Procurador-Geral – Rogério Gallo 
  • Saúde – Ary Souza Júnior 
  • Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano – Alan Resende Porto 
  • Gestão – Ana Paula Villaça 
  • Mobilidade Urbana – Thiago França

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Arnold | Sábado, 21 de Fevereiro de 2015, 22h59
    7
    6

    Não tem transparência, servidores vivem calvário na busca de seus direitos, acesso negado.

  • caio | Sábado, 21 de Fevereiro de 2015, 13h56
    15
    1

    Uma administração pífia, composta por um secretariado pífio. Pobre Cuiabá.

| 20/02/2015, 07h:15 - Atualizado: 20/02/2015, 22h:22

Segurança no consumo e hábitos vigilantes

elga_figueiredo_imagem_texto_sexta

Elga Figueiredo

A mudança de hábitos alimentares e a procura por alimentos saudáveis e seguros por parte dos consumidores pode se dizer que é uma realidade. Porém, ainda existe uma forte crença popular de que todos os produtos disponibilizados para consumo seja alimentício, ou de uso doméstico como os de limpeza, são seguros, e isentos de riscos a saúde. Essa crença provém da confiança depositada pela sociedade nas políticas, estratégias, leis e regulamentos que gerenciam a qualidade e segurança dos produtos colocados para consumo. 

Entretanto, a questão da segurança dos produtos é um elemento a ser observado por todos, tendo em vista as consequências danosas a que o consumidor está exposto, como doenças, acidentes domésticos, entre outros. 

No caso dos alimentos, existe um grande número de informações fundamentadas em legislações e normas de comércio, sobre a composição, técnicas de produção e, algumas vezes, a origem dos alimentos, sendo estas informações repassadas ao consumidor, gerando a sensação de controle, decorrendo daí o sentimento de que o alimento é seguro. Contudo, o consumidor natural é limitado em sua capacidade de avaliar os fundamentos e a pertinência dessas informações. 

E ainda existem outros fatores, como o da omissão na fiscalização dos produtos que facilita as fraudes, a exemplo, o caso do leite em que já foram detectadas inúmeras fraudes com substâncias químicas cancerígenas. Assim, nota-se que essa deficiência de monitoramento aumenta o risco de consumo de alimentos adulterados e nocivos à saúde. 

O comportamento vigilante do consumidor no que tange à qualidade, à procedência e à sanidade dos alimentos na cadeia de produção deve se dar desde o campo, posto que também é preocupante os defensivos agrícolas (agrotóxicos utilizados no controle de pragas e doenças), que podem causar problemas à saúde dos consumidores. 

No caso dos produtos de limpeza, que são fundamentais para a limpeza de nossas casas, estes podem ser demasiadamente prejudiciais por má utilização, como no caso de misturas de produtos para um suposto melhor resultado. Os perigos desse tipo de ação estão nas reações químicas que essas misturas podem causar para a saúde das pessoas que estiverem no ambiente. 

O que deve ser ressaltado é que os produtos de limpeza se mal utilizados podem causar grandes transtornos como alergias, queimaduras, problemas respiratórios, irritações, intoxicações e até óbito. 

Lógico que pensar em tudo isso nos traz um terror, um sentimento de impotência e insegurança, contudo, o objetivo aqui não é o temor no consumo de alimentos ou utilização de produtos, mas sim o incentivo a procura de informação e criação de hábitos simples e acessíveis a todos, de diversas idades e classes sociais, que diminuem a exposição a essas nocividades, e protegem a saúde, como: olhar rótulo dos produtos, composição, verificar validade, modo de conservação, de manuseio, forma de embalagens, buscar frutas, verduras e legumes sadios, sem resíduos de agroquímicos perniciosos à saúde humana. 

É notório que apenas as ações de inspeção e regulamentação governamentais isoladas são insuficientes para garantir a segurança dos produtos. Portanto, fiquem atentos, não façam compras no escuro, atraídos somente por preços baixos, escolham bem o que vão consumir. O pequeno tempo dispensado para esse hábito responsável de consumo, pode-lhe trazer um tempo precioso futuramente. Cuidem-se!

Elga Figueiredo é empresária e advogada, especialista em direito do consumidor e escreve exclusivamente neste Blog toda sexta - e-mail: elgafigueiredo@hotmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • jackson | Quinta-Feira, 26 de Fevereiro de 2015, 07h56
    0
    1

    Parabéns Elga, acompanho todas as sextas suas publicações, sempre claras objetivas e informativas. Abraços.

| 19/02/2015, 23h:05 - Atualizado: 19/02/2015, 23h:20

Impotente diante do caos nas rodovias, Taques estuda transferência a empresas


Pedro Taques já percebeu, após quase dois meses na cadeira de governador, que um dos calcanhares de Aquiles de sua administração é a questão da carência de infraestrutura logística. E a todo momento bate cobrança na porta do Palácio Paiaguás, vinda de todas as regiões, exigindo recuperação e manutenção de rodovias estaduais. Essa reivindicação se intensifica nesta época de muita chuva e de aumento dos buracos nas vias. Muitas MTs estão praticamente intransitáveis. Em vários trechos não existe mais asfalto.

José Medeiros

pedro taques 250

Governador Pedro Taques no gabinete nesta quinta

E o governo, espertamente, já sinaliza para tirar dele a carga de se fazer altos investimentos para recuperar e manter as chamadas rodovias da produção. Quer transferir essa missão para a iniciativa privada, que, em moeda de troca, cobrará pedágio.

De um lado o motorista tem o ônus de pagar para trafegar na rodovia e, de outro, o benefício de percorrer trecho bem pavimentado, sinalizado e seguro, com menos risco de sofrer acidente. Ao menos é isso que se espera.

O governo Silval fez concessão, a toque de caixa, de quatro rodovias. A Justiça mandou suspender todo processo. Em uma delas, na MT-130 (Rondonópolis-Poxoréu-Primavera do Leste), funciona sob protesto dos motoristas porque pagam pedágio e transitam por uma rodovia de péssima qualidade.

Assim, sem critério, não há cristão que apoie o processo de concessão. É para questão que o chefe do Executivo estadual precisa se atentar.

O novo governo, mesmo já tendo feito vários levantamentos e diagnósticos sobre infraestrutura, não sabe ao certo quantos MTs existem no Estado. Limita a dizer que passam de 120. Quem viajar por algumas delas em regiões do Nortão ou do Araguaia, por exemplo, fica indignado com tanta precariedade, inclusive de pontes sob ameaçar de rodar. No mínimo, o Estado teria de investir hoje R$ 800 milhões para deixar essas rodovias em bom estado de trafegabilidade.

Tenta-se fazer maquiagem, com operação tapa-buracos, usando o Fethab, de cujos recursos os prefeitos buscam, na Justiça, fatia de 50%. Taques está disposto a percorrer regiões para conhecer a dura realidade em que vivem moradores e motoristas. Muitos estão isolados. Vai ouvir inúmeros relatos sobre prejuízos, atraso de desenvolvimento, mortes e outras tragédias, tudo causado por culpa do Estado, que não mantém estradas decentes. O governo precisa agir rápido.

Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • julio | Sexta-Feira, 20 de Fevereiro de 2015, 14h24
    14
    4

    Sr Jornalista, apesar de ser legal, como também são os salários dos aposentados que vossa Senhoria publicou totalmente sem dó,digo dó ,porque muitos podem estar velhos,doentes e morando ao lado de algum bandido e vagabundo e, com essa exposição que vossa senhoria os colocou, eles, podem serem assaltados, mas, já passou, e volto a repetir lhe Parabenizo por ter publicado minhas criticas inclusive a vossa senhoria, agora quero ver se Vossa Senhoria,tem a mesma disposição para publicar os benefícios dado ao Judiciário, que, além dos salários, da alimentação, e demais vantagens, agora nesta semana, se não estou enganado, o TJ.MT, resolveu dar cumprimento a uma decisão do STF e do CNJ ,que é conceder mais de 3.000,00 reais de indenização das despesas de transporte para todos os magistrados, eu em particular acho que eles estão ganhando o que merecem, nada contra,além de ser uma decisão judicial e, não seria aqui o lugar para se discutir a respeito,só estou cobrando se vossa senhoria tem a mesma disposição que teve com os aposentados do executivos somente e, nem citou os demais aposentados dos outros poderes,saiba que o correto é" se bater em chico,devem baterem francisco com o mesmo chicote , agora os demais funcionários é que estão ganhando pouco infelizmente,o próprio Judiciário devia confirmar os aumentos dados aos funcionários do executivo quando o aumento foi dado legalmente, muitas das vezes, demoram para ser julgado,inclusive as greves como as dos médicos que ganham muitas das vezes, o que ganham um magistrado só de combustível, sem contar as outras vantagem e salários, não só os magistrados,mas também O MP, e, como já disse não sou contra, acho que os demais deviam ganham também, afinal esta tudo muito caro,alimentação,combustível, transporte, sou contra um governador que diz que os aumentos concedidos pela casa de leis, aos seus funcionários são inconstitucionais,enquanto quem deveria assim dizer do direito é a justiça e mais nenhuma das autoridades constituídas, não estou entrando no mérito das recentes decisões do tj.mt a respeito dos investigadores e escrivãs, pois não sou jurista para dizer se o referido projeto legislativo foi votado no tempo certo,ou seja se é proibido conceder aumento meses antes das eleições,mas isso é o que menos me interessa, pois se for direito dessas classes que eles recebam e, se não for que não recebam, rapaz já estou quase me decepcionando e achando que perdi meu voto pela segunda vez.

  • Luiz Antonio Pagot | Sexta-Feira, 20 de Fevereiro de 2015, 13h21
    12
    5

    O Mato Grosso cresce e se desenvolve com maior velocidade que a possibilidade de investimentos públicos. Estudos bem feitos e planejamento são essenciais. Compartilhar tarefas, dividindo as reponsabilidades com municípios e segmentos empresariais, é a chave do sucesso de uma boa execução de obras aliada a economicidade de custos. Nada de precipitação com relação à um processo concessões, uma vez que o Estado já obteve a possibilidade de cobrar as taxas que compoem o Fethab, recursos que bem administrados fazem frente as necessidades dos investimentos em infra-estrutura rodoviária. Pagot.

  • Ernani | Sexta-Feira, 20 de Fevereiro de 2015, 09h56
    16
    5

    Percorrer o Estado, ele percorreu em campanha e pode ouvir as queixas, ou fez ouvidos moucos, extasiado. Não há desculpas para alegar desconhecimento e percorrer novamente Mato Grosso, tão pouco tempo depois. Agora é fácil, é só dar o "choque de gestão" prometido...

  • Antonia Maria | Sexta-Feira, 20 de Fevereiro de 2015, 08h33
    16
    4

    Outra coisa que acredito que o dr. Pedro pode examinar é a questão relacionada ao VLT. Gostaria que ele não desistisse desse projeto. É o melhor meio de transporte que conheço. É totalmente democrático. Aqui também constroem uma estação de cada vez. Aí não pode ser diferente. Uma linha de cada vez. Se não há ponte, vai do Aeroporto até a ponte. Faz passagem coberta para pedestre e do outro lado outra estação que vai até o CPA por exemplo. Devagar. Uma linha de cada vez. Uma estação de cada vez. Vai testando, aprimorando e no final do governo, teremos o melhor e mais moderno meio de transporte para a nossa gente tão querida, guerreira e sofrida.

  • Antonia Maria | Sexta-Feira, 20 de Fevereiro de 2015, 08h27
    13
    5

    Engraçado. Ainda na terça feira, saímos a passear por Portugal. Deparei-me com várias estradas e diferentes designações: A1 - Auto estradas, EN - estradas nacionais, IC - Itinerário complementar e outras. Todas muito bem pavimentadas, seguras. Uma beleza! E não deixei de desejar isso tudo para Mato Grosso. E indaguei: como é que pode, um país tão pequeno, sem grandes arrecadações tributárias, onde a qualidade de vida é muito melhor do que no Brasil e ter estradas tão boas! A reposta: "As grandes empresas as constroem e depois são reembolsadas com as portagens". Mas tudo é feito de conformidade com normas técnicas, legais, contratuais. Há corrupção? Não sei, talvez. Mas está muito bem.

  • PRODUTOR PRIVADO | Sexta-Feira, 20 de Fevereiro de 2015, 07h12
    13
    3

    CERTAMENTE O NOBRE ELEITO!, CONHECE O CAMINHO!, PERCORRE-LO, E QUESTÃO DE CARÁTER!, A INICIATIVA PRIVADA SABE QUE O TRABALHO É QUE DIGNIFICA O HOMEM!!!, A PRODUÇÃO DE BENS É QUE ALAVANCA UMA NAÇÃO!!! "O ESTADO QUASE SEMPRE ATRAPALHA", SEJA DIFERENTE!, MESMO!!!

  • geraldo | Quinta-Feira, 19 de Fevereiro de 2015, 23h38
    12
    5

    Sr jornalista Parabéns, voltou a noticiar o que interessa a população,pois parecia que não era capaz de outra coisa a não noticiar o que já era sabido,mas de qualquer forma foi honesto pelo menos para mim,pois publicou minhas criticas inclusive contra você,isso o qualifica como imparcial.

INíCIO
ANTERIOR
1 de 640