Cuiabá, 25 de Maio de 2015
  • Camila Cervantes

    Camila Cervantes

  • Francis Amorim

    Francis Amorim

  • Gabriele Schimanoski

    Gabriele Schimanoski

  • Jacques Gosch

    Jacques Gosch

  • Patrícia Sanches

    Patrícia Sanches

  • Talita Ormond

    Talita Ormond

  • Tarso Nunes

    Tarso Nunes

  • Valérya Próspero

    Valérya Próspero

COMUNICAÇÃO | 23/06/2012, 11h:50 - Atualizado: 23/06/2012, 11h:53

IstoÉ detalha o "vale tudo" rumo às urnas

     A reportagem de capa da revista IstoÉ desta semana traz o “vale tudo” dos políticos na busca por alianças para as eleições deste ano. Os destaques são para o apoio selado entre o deputado federal Paulo Maluf (PP) e o pré-candidato a prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) encabeçado pelo ex-presidente Lula; e para a aliança do pré-candidato a prefeito de São Paulo José Serra (PSDB) e o primeiro ministro exonerado no Governo Dilma Rousseff (PT) após denúncias de corrupção, ex-ministro dos Transportes Alfredo Nascimento (PR). Com o apoio do PR, Serra passa a contabilizar 6min 43s de programa eleitoral.

     A revista classifica os apoios como “um verdadeiro mercado de compra e venda”. Lembra que Lula e Maluf sempre foram arqui-inimigos. Ressalta também que Serra tinha buscado o apoio do progressista, mas não conseguiu porque o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), teria se recusado nomear um apadrinhado de Maluf na máquina estadual. Já Lula garantiu um cargo no ministério das Cidades.

     O discurso do novo presidente do Paraguai Federico Franco também foi destaque. Ele pede união dos paraguaios ao ser empossado 24 horas depois do rápido processo de impeachment do então presidente Fernando Lugo, que foi alvo de críticas por parte da oposição. Ele é apontado como culpado pelo confronto entre militares e sem-terra, em Cuaraguaty, ocorrido no último dia 15 e que resultou na morte de 17 pessoas. O processo de impeachment está sendo encarado como golpe pelo Governo e por setores da sociedade. O mandato do novo presidente termina em 2013.

Postar um novo comentário

| 25/05/2015, 11h:16 - Atualizado: 03h atrás

Seis dos 15 secretários de Lucimar foram de Jayme; prefeita tem 7 mulheres no staff


secretariado vg atualizado

No quadro de secretários de Várzea Grande, sob Lucimar Campos, há 7 mulheres, e ex-assessores de Jayme

A prefeita várzea-grandense Lucimar Campos montou um secretariado com a cara de Jayme Campos, que comandou o município por três mandatos. Levantamento feito por este Blog revela que seis dos 15 integrantes do primeiro escalão fizeram parte da equipe do cacique do DEM. Curiosamente, a equipe tem sete mulheres na cadeira de secretária - confira no quadro acima.

 Juarez Toledo Pizza foi secretário de Fazenda da gestão Jayme e agora retorna ao staff na pasta de Governo. Olinto Pasinato atuou como braço do ex-prefeito na elaboração de projetos e captação de recursos, inclusive do PAC, e conduz a Administração.

Lucimar definiu Cesar Miranda para a Gestão Fazendária. Ele foi secretário de Estado de Meio Ambiente (antiga Fema e hoje Sema) no goveno Jayme e respondeu como chefe de gabinete no Senado do próprio democrata. Zilda Pereira Leite, que por alguns anos fez oposição dura aos Campos, se juntou ao grupo, tornando secretária de Educação do ex-prefeito e reassume o posto de novo, agora sob Lucimar. Era do PDT e está no DEM.

Luiz Celso, secretário de Viação e Obras, integrou a equipe de Jayme no primeiro mandato e o acompanhou nos oito anos no Senado. José Augusto de Moraes, de volta à pasta de Planejamento, também fez parte do secretariado de Jayme.

De fato, Lucimar, segunda colocada nas urnas de 2012 e empossada neste mês por causa da cassação de Walace Guimarães (PMDB), concluiu a montagem da equipe com ajuda e interferência do esposo. Apesar disso, o quadro é composto de pessoas com perfil mais técnico. Há servidores de carreira no primeiro escalão, como Sadora Xavier (Procuradoria-Geral), Márcia Mançoso (Controladoria-Geral) e Helen Farias (Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável).

 A prefeita acatou sugestões do vice-prefeito, médico e empresário Arilson Arruda, que emplacou Cassius Clay na Saúde, assim como o ex-prefeito Carlos Gomes, que conta com o parente Breno Gomes no Serviços Públicos e Mobilidade Urbana. São poucas as indicações políticas. Os poucos filiados pertencem ao DEM e ao PTB, como a empresária Kathe Martins (Assistência Social), esposa do ex-deputado José Carlos de Freitas.

Postar um novo comentário

| 25/05/2015, 00h:31 - Atualizado: 25/05/2015, 00h:58

Prefeitos e aumento que vão de 1,5% a 9%

Nezinho, de Nossa Senhora do Livramento, autoriza reajuste de 19,8% para equiparar subsídio dos professores ao piso nacional


Prefeitos estão concedendo reajustes salariais a seus servidores, que variam de 1,5% a 9%, e incluindo eles próprios. Lino Cupertino Teixeira (PR), de Figueirópolis D’Oeste, concedeu 8,34% de aumento nos vencimentos e subsídios dos servidores efetivos e comissionados. Considerou a variação do INPC de maio de 2014 a abril deste ano. Os mesmos 8,34% foram considerados pelos prefeitos de Nobres, Sebastião Gilmar da Silva, o Gilmarzinho (PSD); e de Tapurah, Luiz Umberto Eickhoff (PDT).

lisu prefeito chapada

Lisú Koberstain (PMDB) reajusta em 9% a folha do funcionalismo de Chapada dos Guimarães

Lisú Koberstain, que era vice e assumiu Chapada dos Guimarães (PMDB) em definitivo, em março, com a renúncia de José Neves (PSDB), autorizou reajuste de 9%.

Em Nossa Senhora do Livramento, o prefeito Carlos Roberto da Costa, o Nezinho (PP), para atingir o piso nacional dos professores da educação básica, anunciou aumento de 19,85% na folha de maio aos profissionais do setor. Assegura que o aumento salarial não eleva as despesas com folha além do limite permitido pela lei fiscal.

Em Jauru, a prefeita Enércia Monteiro dos Santos (PT) deu aumento de 8,34% não só para os efetivos, mas também para aqueles que ocupam cargos comissionados, incluindo ela própria, o vice, secretários e adjuntos. Enércia passa a ganhar R$ 13,5 mil. O vice Eliseu Marcelino da Rocha (PSC) receberá R$ 6,7 mil. Conforme o decreto 63, assinado pela petista, o subsídio de secretário vai a R$ 4,2 mil e, de adjunto, a R$ 3,2 mil, ficando inferior ao vencimento de assessor administrativo representativo, com salário de R$ 4 mil.

baixinho piovesan prefeito porto dos gauchos 245

Baixinho Piovesan (Pros) dá aumento de 1,5% aos servidores de Porto dos Gaúchos e não inclui DAS

O menor reajuste foi concedido pelo prefeito de Porto dos Gaúchos, Moacir Pinheiro Piovesan, o Baixinho (ex-PSB e hoje Pros). Conforme a Lei 561, sancionada no último dia 21 após receber respaldo dos vereadores, o funcionalismo terá aumento de 1,5%, com validade a partir de 1º de maio. Ficam de fora do reajuste o próprio prefeito, vice, secretários e demais em cargos de provimento em comissão, e também servidores do Plano de Cargos e Carreira da Educação.

Postar um novo comentário

| 25/05/2015, 00h:00 - Atualizado: 01h atrás

Diversos ciclos

sandra_alves_colunista_segunda-feira

Sandra Alves

Belfort nocauteado por Weidman parece uma daquelas fases negras que insistem em se manter indefinidamente. Período negro que não respeita a continuidade entre ciclos bons e ruins. Na política, os escândalos de corrupção não foram suficientes, o período negro se perpetua nos cortes orçamentários. Na violência urbana, não bastam os assaltos com revólveres, agora entra a faca que mata ou aleija sem justificativa.

Os preparativos para a luta foram emoldurados por clima de revanche e extrema rivalidade. Afinal, Weidman tem sido o carrasco de muitos lutadores brasileiros, especialmente de Anderson Silva, nosso maior campeão na categoria. Belfort poderia lavar a honra dos brasileiros. Os primeiros segundos da luta fazia acreditar que é possível ressurgir um campeão.

Mas Weidman aguentou a sequência de mais de vinte golpes duríssimos do brasileiro. Quando Belfort parou de bater e assumiu o cansaço depois de sua explosão de golpes, Weidman respirou fundo, levou a luta para o chão (derrubou o brasileiro) e o nocauteou impiedosamente.

O que aconteceu com Belfort nesta madrugada de sábado é o que acompanha a vida de diversos brasileiros. Olhamos o desafio de produzir, de trabalhar, de organizar o país, de fazer política, de criar associações, de integrar sindicatos, de passar em concursos, de ser empresário, de construir uma família, um relacionamento, uma amizade, com a ingenuidade de que bastará se empenhar e fazer o seu melhor para obter o resultado.

Sagrar-se vencedor é tarefa árdua, conjunção de esforços de muitos fatores e pessoas. É inata a fraqueza do ser humano, que depende de seus semelhantes. Um grande lutador precisa de seu técnico, preparador físico, patrocinador, academia, outros lutadores para treinar, um empresário para buscar suas lutas e pessoas que ame para lhe dar motivação. Do mesmo modo o médico, o juiz, o defensor, o jornalista, o político e todos nós. É conjugação de raça, tempo, modo e colaboração.

Ocorre que o espírito irascível do ser humano lhe insufla o ar da prepotência. Bate no peito com força e afirma: eu vou fazer! Mas talvez não. Por mais que você se esforce, em algum momento, você não consegue caminhar sozinho. Talvez falhe o corpo, a inteligência ou apenas as demais pessoas para lhe acompanhar em sua campanha.

Nas crises familiares, na falta de investimento em saúde e educação, a violência se perpetua de modo cada vez mais grave. A última semana teve nas manchetes as investidas de pessoas armadas com facas contra outras, o roubo de bicicletas, poucos valores monetários, jóias, ceifando-lhes a vida. É o momento de cada um bater no peito e falar: redução da maioridade penal! Pronto. E o Governo, em outra situação, mas no mesmo sentido, na última sexta bateu no peito: corte de 69,9 bilhões!

Cada cidadão neste momento paga o preço. Amargar a derrota de Belfort foi difícil, mas não foi tão constrangedor como ter que ouvir do campeão “parem de me vaiar, é para vocês curtirem o espetáculo, eu ganhei, parem de me vaiar!”. Weidman foi melhor no combate. Belfort deixou pelo caminho uma parte do coletivo, fiou-se na raça e na vontade, que em alguns momentos não são suficientes.

A hora de lutar para que o ciclo de crise seja superado no país, um esforço que precisa ser coletivo. Quando cada um pára de vaiar a conquista alheia e se inspira em fazer suas próprias conquistas, quando você assume seu papel de líder, quando a maturidade te leva a apoiar quem esteja mais bem preparado; quando você percebe que não precisa ser provado por uma vida toda; quando basta ser você mesmo.

Um você que admira a vitória de Weidman, procurando saber quais foram seus passos. Um você que não se acomoda com a situação da violência urbana, insurgindo-se contra a falta de iniciativas. Um você que se imiscui nas instituições sociais e políticas, para contribuir e fiscalizar, porque não basta ser observador. Um você que tem a consciência de que a vida é construída da consecução de ciclos, bons e ruins, cuja durabilidade depende do empenho de cada um.

Sandra Cristina Alves é defensora pública do Estado, escritora e escreve exclusivamente neste Blog toda segunda (sandrac.alves@terra.com.br)

Postar um novo comentário

| 24/05/2015, 19h:40 - Atualizado: 24/05/2015, 19h:54

Silval esticou corda para servidores e agora Taques encara categoria com rédeas curtas


José Medeiros

taques justica servidores

Governador Pedro Taques demonstra pulso firme neste início de mandato e os servidores fazem pressão

Acostumados a levar vantagem nas negociações sobre o governo Silval Barbosa, que cedia demais e cobrava de menos, servidores de diferentes categorias resolveram partir para cima de Pedro Taques. Queriam deixá-lo acuado. Acreditavam que o momento de testar a fera seria agora, no início do mandato, ainda mais se tratando de um ex-servidor público federal.

É um batalhão de pessoas. São cerca de 96 mil servidores estaduais. Na longa lista de reivindicações, há pedido de reajuste salarial, de concurso público, de diárias, de verba indenizatória, enfim, de tudo que reflete em melhoria para o bolso e para as condições estruturais de trabalho.

Com Silval no Palácio Paiaguás era moleza. E ficava mais fácil para servidores terem os pleitos atendidos quando recorriam primeiro à Assembleia e arrastavam juntos deputados para pressionar o Executivo. E foi assim que muitos conseguiram alterar regras para equiparação salarial ao de outras categorias e incluir penduricalhos. Ao mesmo tempo, empurrou no quadro de pessoal mais cargos comissionados, chegando a sete mil vagas.

Consciente de que servidor sempre quer mais, Taques preferiu deixar a “corda” esticar. Abriu-se para a conversa. Numa decisão inédita, se reuniu por várias horas com o Fórum Sindical. Anotou que, se fosse atender 50% das reivindicações, descumpriria a lei fiscal, extrapolando o teto de gastos com pessoal. Puxou a corda. Não deu trégua às pressões de deputados. Veio a chiadeira.

Servidores do Detran, que há 90 dias tinham feito greve reivindicando concurso público, cruzaram os braços por um dia em sinal de protesto porque o governo concedeu reajuste imediato de 3,11%. Entendem que o percentual deveria ter sido de 6,22% para atender a reposição integral do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Surgiram mais pressões, mesmo o Executivo assegurando que a diferença no percentual de aumento será complementada. Taques anunciou nova rodada de negociação para esta segunda com o Fórum Sindical.

De fato, enfrentar queda-de-braço com servidores não é nada vantajoso. Traz desgaste, mesmo se tratando de um governo que rompe barreiras, se propondo a, dentro de uma nova visão administrativa, implementar mudanças de conceitos, controlar e aplicar bem o dinheiro público e não perder a confiança, a moral e a respeitabilidade da população. Por outro lado, precisa ter pulso firme e encurtar a corda, sob pena de ser engolido por uma categoria que, com raras exceções, mais pensa no bolso do que em prestar bons serviços à coletividade.

Postar um novo comentário

Comentários (16)

  • Jose | Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015, 11h17
    0
    1

    Aconteceu neste sexta-feira, no Palácio Paiaguás. Zé Pedro Taques impôs arrocho amplo, geral e irrestrito no salário de todos os servidores estaduais de Mato Grosso. Com muita agressividade, proibindo o acesso da imprensa à reunião, medida implementada bovinamente por sua assessoria, governador recebeu sindicalistas do Fórum Sindical, na manhã desta sexta-feira, simplesmente para dizer-lhes que o reajuste salarial para eles já estava definido. Zé Pedro,vejam só, que apareceu acompanhado de todos os seus secretários e também do presidente da Assembleia, deputado estadual Guilherme Maluf, resolveu desrespeitar a Lei 8.278, que disciplina o pagamento integral das perdas inflacionárias, as mais diferentes categorias de trabalhadores, no Estado. O INPC de janeiro a dezembro de 2014 foi de 6,22% mas Zé Pedro só vai pagar 3,11% de reajuste. Recorde-se que, durante a administração anterior, do governador Silval Barbosa (PMDB), as perdas inflacionárias jamais deixaram de ser pagas. A conversa de Pedro Taques com os sindicalistas foi marcada pelo tom agressivo, em que sindicalistas não tiveram o menos espaço para debaterem a proposta oficial. A representante do Sindicato do Detran, única a tentar questionar a decisão unilateral do governador com relação ao pagamento das perdas salariais recebeu um corte abrupto do próprio Zé Pedro: ?É 3,11% ou vocês ficam de fora. Quer que eu tire os servidores do Detran da relação de reajuste?? Representantes dos Peritos Criminais e da Sema também tiveram que enfrentar réplica agressiva do governador de Mato Grosso. Para enquadrar o professor Orlando, que falou pelo maior sindicato de Mato Grosso, o sindicato dos professores, Pedro Taques, através de um papelzinho que lhe repassado pelo secretário Permínio Pinto, da Educação, se ocupou em deixar bem claro que não estava falando com o líder maior do Sintep, na óbvia tentativa de desqualificar suas reclamações: ? O senhor não é o presidente do Sintep, é só um diretor, não é mesmo?? Além do chega pra lá nos sindicalistas, a imprensa também foi simplesmente proibida de acompanhar a reunião, coisa que jamais aconteceu em reuniões anteriores do Fórum Sindical com representantes do Governo do Estado. Medo de que uma frase fora do combinado, de algum sindicalista, pudesse ir parar na manchete de um dos jornais e sites que o Governo se preocupa tanto em controlar? O tempo das audiências públicas, tão alardeado no início da administração, vai sendo tranquilamente enterrado pelo atual governador, sem que nenhum dos seus serviçais, digo, secretários, reaja ao seu estilo ?papai-sabe-tudo?. Coube à jornalista Ana Rosa Fagundes, na maior sem cerimônia, proibir que até mesmo a tradicional foto da abertura da reunião fosse feita. ?As fotos oficiais da reunião estarão à disposição no site do governo?, informou Ana Rosa, agora encarregada de fazer valer a ?versão oficial?, custe o que custar. É assim que Zé Pedro Taques constrói a transparência do seu governo?

  • Felipe Matos | Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015, 11h00
    0
    0

    Felipe Matos, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • claudio | Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015, 10h21
    1
    1

    claudio, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Maycon | Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015, 09h41
    9
    0

    Tem um servidor com o apelido de popolinario, que fez um comentário, que na minha opnião ele não é servidor e sim um baba ovo do governo, mais se é servidor e se vc acha que a situação do estado esta tão ruim assim, te dou dois conselho, primeiro doa o seu salário para ajudar o estado ou exonera, pois pelo visto a sua situação financeira esta muito boa, agora, a minha e as dos demais servidores eu te garanto que esta muito pior do que a do estado e por isso eu não abro mão do reajuste. Bora fazer greve gente...

  • Carlinhos | Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015, 09h33
    12
    1

    Gente do RDNEWS nós sabemos como funciona a relação entre mídia e governo.

  • elizeu | Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015, 09h06
    7
    0

    LEMBRANDO QUE OS 6,22% É REFERENTE À INFLAÇÃO DE JAN/2014 A DEZ/2014 QUE É PAGO EM MAIO/2015, SE FOSSE OLHAR INFLAÇÃO DE MAIO/2014 A ABRIL/2015 O CORRETO É 8,34% DE CORREÇÃO DO INPC, POIS ESTAMOS UM VIVENDO UM PERIODO DE ESTAGFLAÇÃO NA ECONOMIA NACIONAL OU SEJA ESTAGNAÇÃO DO CRESCIMENTO E AUMENTO DA INFLAÇÃO JÁ GERANDO UMA PERDA DE 2,12% DIFERENÇA ENTRE (8,34-6,22=2,12%) OU SEJA NÓS SERVIDORES VAMOS MAIS UMA VEZ DAR A NOSSA PARCELA DE SACRIFICIO EM PROL DO ESTADO, PORÉM QUEREMOS AO MENOS UMA TABELA DE QUANDO NOS PAGARÃO A OUTRA PARTE (3,11%) SE PARCELADO E EM QUANTAS PARCELAS EM QUE MESES???

  • Mteus | Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015, 08h15
    17
    1

    Muito estranho..., Por que será que a imprensa local esta sempre fazendo matéria de reportagem que só agrada ao governo hên! Será que é pra agradar a Secom MT! Gente, são 96 mil pessoas descontente contra uma só pessoa ideia diferente. No Brasil Dilma massacra trabalhadores, aqui, o homem reclama da Dilma mas tambem usa o mesmo chicote e discurso contra os trabalhadores. Não temos mais escolhas.

  • dalva | Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015, 07h26
    6
    4

    12 anos passados foi um lamento para a maquina do estado, dois governador que não queriam saber de nada , um faz de contas , empurrava com a barriga e por fim a causa da copa do mundo, que terminou com esses problemas todos , blairo maggi deixou a batata quente para o silval e que deixou para pedro taques....

  • Eduardo Pranton | Domingo, 24 de Maio de 2015, 23h49
    22
    1

    Primeiramente a revisão salarial através do INPC é mandamento constitucional, até mesmo para o salário mínimo e tem o condão de impedir que o salário do trabalhador seja depreciado. Tem previsão também na Constituição Estadual que estabelece como data base 1º de maio. Além do mais foi o próprio Governador, enquanto candidato que se comprometeu a manter os acordos celebrados por Silval Barbosa e desonrou sua palavra. Mas é assim mesmo, servidor público só é lembrado nas eleições, mas ano que vem tem eleições para Prefeito e vereadores, quero ver candidato da base governista vir pedir meu voto e da minha família. Quem quer saber o quanto é bom ser servidor público preste concurso público com milhares de pessoas, estudando como um condenado, sacrificando suas horas de lazer, depois veja como falta os instrumentos de trabalho, coisas essenciais e como somos cobrados, venha ver como falta pessoal e o servidor tem que se desdobrar para atender a todos e ainda estar sorrindo para a população.

  • popolinario | Domingo, 24 de Maio de 2015, 23h06
    9
    19

    Sou servidor, e não vou morrer por falta dessa metade do INPC, que como diz a matéria, vai ser assegurado. MT é um dos Estados que mais paga bem os servidores, quem reclama é por que quer ter 100 reais a mais de margem pra ir fazer mais um empréstimo consignado. Parem de mimimi e vão trabalhar colegas, façam um curso de educação financeira.

| 24/05/2015, 00h:00 - Atualizado: 24/05/2015, 19h:56

Denúncias no CFO

jackelyne_artigo_domingo

Jackelyne Pontes

No dia 16 de abril de 2015, por intermédio de três colegas cirurgiões-dentistas que compõem o Plenário do CFO, foi entregue à Procuradoria da República um documento contendo várias irregularidades na administração dessa autarquia federal.

Trata-se de denúncias de gravíssimas de irregularidades na gestão do referido conselho que se provadas caracterizam práticas de atos de improbidade administrativa como: não submissão de orçamentos à aprovação do órgão colegiado, excesso de concessão de diárias, gratificações indevidas à servidores, contratação de serviço de mídia e publicidade sem licitação, superfaturamento de obras, substituição de bancos na contratação de boletos de pagamentos e dilapidação do patrimônio. Tais fatos estão abalando a confiabilidade que a classe sempre depositou nesta autarquia.

Fiquei estarrecida com tais informações, e penso que o fato necessita de ampla publicização, apuração dos fatos e responsabilização dos autores. Importante citar que o CRO de Mato Grosso foi o primeiro a publicar nota de repúdio através das mídias sociais e contatos de e-mail, seguido dos CROs do Amazonas, Espírito Santo, Paraná, assim como o Sinodonto (Sindicato dos Odontologistas) de Mato Grosso e Sergipe - leia, abaixo, a nota do CRO de MT.

Criado pela Lei nº 4.324, de 14 de abril de 1964 e, instituído pelo Decreto nº 68.704, de 3 de junho de 1971, o Conselho Federal de Odontologia (CFO) é uma autarquia, ou seja, é auto-suficiente, tem autonomia sobre si próprio. É o CFO que supervisiona a ética odontológica em todo o território nacional, além disso zela e trabalha pelo bom conceito da profissão e dos que a exercem legalmente.

Ainda julga processos éticos e centraliza as informações sobre cursos de especialização registrados e reconhecidos, bem como sobre o número de inscritos em todo o Brasil, entre cirurgiões-dentistas, auxiliares de saúde bucal, técnicos em saúde bucal, técnicos em prótese dentária, auxiliares de prótese dentária e clínicas odontológicas.

Sendo assim é uma instituição de extrema importância em nosso exercício profissional. Vale lembrar aqui que uma categoria forte, é uma categoria bem representada, que busca em seus componentes posturas de defesa da classe odontológica. 

É no CFO que a figura do Delegado Eleitor, no pleno exercício da democracia elege através do seu voto os membros efetivos e suplentes do CFO. Este nada mais é que o  representante do Conselho Regional de Odontologia (CRO) de cada Estado brasileiro, e o seu voto não é pessoal, e sim resultado de um consenso de toda uma classe, agindo assim como nosso porta-voz.  

O CFO possui câmaras técnicas nas mais diversas áreas da odontologia, que assessoraram a Comissão de Ensino do CFO na questão das especialidades, quando solicitadas, assim como diversas comissões cujos objetivos são analisar, manter, fazer levantamentos, cumprir com as legislações, emitir pareceres, apresentar sugestões, fazer estudos, representar, apreciar, desenvolver, acompanhar, coordenar, atuar, promover. E os atores principais desta salada de verbos somos nós cirurgiões-dentistas, daí a importância de nosso voto, engajamento e comprometimento com a nossa classe.

Não é possível que a classe odontológica seja desrespeitada e que providências não sejam tomadas. É necessário que tenhamos atitude e que evoquemos a ética e a honestidade que são pilares vitais da conduta do CFO, inclusive constante em seus anais. Trata-se do nosso dinheiro, o dinheiro das contribuições anuais. Que a verdade seja restabelecida com urgência, seja ela qual for.

Reprodução

cro_500 

Jackelyne Pontes é cirurgiã-dentista, filiada ao Sinodonto-MT (Sindicato dos Odontologistas do Estado de Mato Grosso) e escreve exclusivamente para este blog todo domingo - jackelynepontes@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Lourdes | Domingo, 24 de Maio de 2015, 13h42
    9
    1

    isso nao saiu em lugar nenhum. precisa ser divulgado mesmo. corrupçao.chega disso.

  • Andrea Coelho | Domingo, 24 de Maio de 2015, 08h15
    8
    0

    Transparência e respeito é o mínimo que merecemos dos nossos representantes.

| 23/05/2015, 10h:53 - Atualizado: 07h atrás

Zilda fala em caos na Educação e promete solucionar os problemas com agilidade


Assessoria

Zilda Pereira Leite

 Ex-deputada Zilda Pereira Leite promete corrigir problemas na Educação de Várzea Grande e já solicita novo prazo a prefeita Lucimar Campos

 Em meio ao caos da educação em Várzea Grande,  a secretária da pasta e ex-deputada Zila Pereira Leite, admite que as escolas estão sofrendo com a violência, falta de estrutura e até com o fornecimento de merenda como já fora publicado pelo Blog do Romilson na última sexta (22). Mesmo com a lista grande de problemas,  ela garante que minimizará com agilidade todo a situação encontrada nos primeiros dias de gestão e está trabalhando com afinco para ver  as escolas em boas condições de uso.  

 "Sozinha não farei nada, mas contarei com essa grande equipe de educadores. Desde a pessoa que recepciona (os alunos) na portaria da escola até o professor e diretor para que a educação de Várzea Grande retome os patamares que sempre tivemos na gestão do senador Jayme Campos", declara.

 Para minimizar os problemas, de forma emergencial, a prefeita Lucimar Campos (DEM) em menos de 15 dias de gestão já liberou R$ 300 mil para a pasta, que além da Educação, contempla Cultura, Esporte e Lazer de Várzea Grande. A verba será destinada a renegociação com fornecedores, uma vez que, muitos deles suspenderam a prestação de serviços.

 Para o vereador Nilo Campos (PV), a secretária tem um currículo invejável e terá a grande missão de assegurar uma educação que garanta o acesso, permanência e sucesso dos alunos dentro de sala de aula. "Todo o trabalho dos profissionais que gerenciam a educação deve estar voltado para essa meta de não só de garantir o acesso das crianças em idade escolar, como também propiciar condições para o seu desenvolvimento integral", afirma. 

 Nilo Campos complementa, ressaltando que o objetivo é promover uma escola pública de qualidade. "Precisamos de ações que norteiam o trabalho dos profissionais da educação. Estas ações devem estar voltadas para o funcionamento eficaz das escolas, pelo estímulo ao aperfeiçoamento dos professores, os recursos materiais necessários ao dia a dia da comunidade escolar e a orientação de todo o processo pedagógico, incluindo a valorização". (Com Assessoria)

Falta merenda, escolas têm de carne estragada e fornecedores "apertam" Zilda 

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • João Batista | Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015, 09h19
    1
    0

    João Batista, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Zuleica | Sábado, 23 de Maio de 2015, 15h14
    5
    0

    A Zilda todos conhecem, é de muita política e de poucos resultados. A educação vai melhorar em alguns setores e piorar em outros...

  • JULIO PEDROSO | Sábado, 23 de Maio de 2015, 14h11
    5
    0

    http://www.rdnews.com.br/ CURTINHAS EXECUTIVO LEGISLATIVO JUDICIÁRIO ÓRGÃOS MUNICÍPIOS VARIEDADES EMPRESA & CIA MATÉRIAS ESPECIAIS PARTIDO ELEIÇÕES-2014 CONTEÚDO A | A Sábado, 28 de Março de 2015, 19h:44 | Atualizado: 30/03/2015, 08h:57Assembleia nomeia 383 DAS e contempla ex-deputados Zilda e Pinto e ex-vereadoresMais 400 serão contratados para recompor quadro comissionadoRomilson Dourado zilda pereira ex-deputada A ex-deputada Zilda Pereira Leite, já aposentada, atua agora como assessora do deputado Wilson Santos A nova Mesa da Assembleia nomeou oficialmente os primeiros 383 de um quadro que deve chegar a 600 ocupantes de cargos comissionados. Essa primeira relação sai publicada no Diário Oficial de segunda. Tratam-se de DAS que já estão trabalhando desde 1º de fevereiro, data do início desta Legislatura. Na mesma edição, a publicação oficial exonera 76, com data de 31 de janeiro, e que já estavam no pacote dos quase 900 demitidos há dois meses. Com 24 deputados, a AL recebe R$ 32 milhões de duodécimo mensal. O quadro de servidores, entre efetivos e comissionados, deve ficar em 1,8 mil, o que representa cerca de 200 a menos se comparada à legislatura passada. dito pinto O ex-deputado Dito Pinto Entre os 383 notáveis que entraram na folha da AL desde o mês passado e só agora conhecidos oficialmente estão os ex-deputados Dito Pinto, que retorna à Casa como ouvidor-geral, com salário de R$ 16 mil, e Zilda Pereira Leite, agora como assessora parlamentar do deputado Wilson Santos. Zilda exerceu outras funções, como de secretária de Educação de Várzea Grande, onde já concorreu e perdeu para prefeita. Zilda e Pinto, que até o mês passado presidia a Agência estadual de Desenvolvimento Metropolitano (Agem), já são aposentados. Ela como professora e, Pinto, pelo extinto FAP da Assembleia. Também na equipe de Wilson está o velho aliado Andelson Gil do Amaral, que foi seu assessor na Câmara Federal e depois secretário de Cuiabá quando exerceu mandato de prefeito. Dois ex-vereadores por Cuiabá foram para o quadro do deputado Eduardo Botelho, sendo eles Caio Cesar de Andrade, em assessoria parlamentar, e Ricardo Adriane, como chefe de gabinete. O irmão da ex-deputada federal Thelma de Oliveira, Ronaldo Pimentel Figueiredo, do diretório do PSDB de Cuiabá, trabalha agora como assessor do deputado Saturnino Masson. Entre os nomeados pelo ex-prefeito jaciarense e parlamentar de primeiro mandato Max Russi está o empresário Marcelo Ivan Klein, da empresa Viva Publicidade. A recomposição dos cargos comissionados vem sob muita expectativa, após a reviravolta provocada pela nova Mesa, comandada pelo trio Guilherme Maluf (presidente), Botelho (primeiro-vice) e Ondanir Bortolini, o Nininho (primeiro-secretário). Assim que foi empossada, decidiu implementar choque de gestão. Suspendeu todos os contratos, que passam por auditorias, e pagamentos com fornecedores e ainda exonerou quase 900 DAS. Aos poucos, as equipes estão sendo recompostas.Como que ela vai trabalhar em dois lugares ao mesmo tempo

| 23/05/2015, 09h:22 - Atualizado: 23/05/2015, 18h:29

Zelandes e mais 2 de Várzea Grande pulam do PT e devem seguir Serys no nanico PRB


zelandes santiago desfiliacao pt 210

Zelandes Santiago deixa o PT após 30 anos

Sem boas perspectivas em um partido com a moral no chão devido aos escândalos e com o governo Dilma Rousseff sem rumo e sob forte desgaste popular, mais três militantes históricos no Estado saltam do barco. Pediram desfiliação do PT o sociólogo Zelandes Santiago dos Santos, que presidiu o Departamento de Água e Esgoto (Dae-VG) até o mês passado, na gestão Walace Guimarães, Ze Geraldo, ex-secretário de Organização do petismo do município, e Chico Chapéu de Couro.

Todos concentram atuação em Várzea Grande. Eles deixam o PT para trás e já com destino definido. Devem se filiar ao PRB até setembro, acompanhando a ex-senadora Serys Marli, que também decidiu aderir ao partido ligado à Igreja Universal do Reino de Deus do bispo Edir Macedo.

Saiba mais aqui sobre a opção partidária de Serys, que pretende concorrer de novo à prefeita de Cuiabá.

Zelandes, Geraldo e Chapéu de Couro eram da Utopia e Vida (hoje Militância Socialista), corrente ligada ao ex-deputado estadual Gilney Viana e à ex-vereadora por Cuiabá Enelinda Scala. O vereador Ivan dos Santos, ex-líder do prefeito Walace na Câmara, fica mais enfraquecido com as desfiliações, pois os três lhe davam sustentação política interna.

Em carta-despedida, Zelandes, após 30 anos no petismo, escreve o que todos já sabem, que “o PT não é mais o mesmo”. “(...) Lutei e ajudei a construir, organizar e chegar ao poder central deste país; as lutas e organizações de classe já não pertencem ao seu projeto partidário ou não é mais sua prioridade de discussão em suas reuniões, plenárias, encontros e congressos. A pauta agora é outra, instituições governamentais e quem as ocuparam, qual tendência será contemplada”.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Felipe Matos | Domingo, 24 de Maio de 2015, 15h34
    4
    2

    A volta por cima do PT será mais leve. Sem o peso de muitos oportunistas. Ver esses três falando de militância é pra rir.

  • Herbert | Sábado, 23 de Maio de 2015, 23h03
    8
    4

    Do ex grupo da extinta Serys Marly só restam os gurreiros BOB e Lázaro Donizete, esses resistiram de pé e enobrecem os milhões de militantes desse partido que apesar dos erros ainda é o único instrumento que capaz de fazer as mudanças profunda e estruturais que o Brasil merece. Parabéns aos que na dificuldade e por motivos inesplicáveis abandonam o Partido. Já imaginaram que se cada um de nós abandonássemos nossas familias em momentos de crise. Aos guerreir@s que permanecem na luta minhas sinceras saudações, respeito e solidariedade. Partido, Partido é dos trabalhadores.

  • Antonio | Sábado, 23 de Maio de 2015, 16h44
    6
    5

    Desejo sorte aos 3 e a Sra. Serys Marly. Infelizmente, o PT se tornou esse mar de CORRUPÇÃO. Agiram corretamente... Do lado do PT não dava pra ficar.

  • Rebeca | Sábado, 23 de Maio de 2015, 12h06
    8
    1

    PRB do vice-prefeito ARILSON ? Sei...Serys nada. É Lucimar, o motivo, né Zelandes ?

  • Léo | Sábado, 23 de Maio de 2015, 10h42
    13
    3

    Não é propriamente a moral do partido que está no chão, na verdade é a "ração" dos ratos que acabou e daí pulam do barco. Me diz se alguém que servia a Walace tem moral para achar que alguém está sem rumo. Em tudo na vida é sempre bom ser testado em duas situações: Na bonança surgem muitos oportunistas e em momentos de dificuldades só ficam quem verdadeiramente militantes. Os que estavam só pela "boquinha" não aguentam jejum.

| 23/05/2015, 06h:49 - Atualizado: 23/05/2015, 15h:12

Ao doutor em construção

akio materia estreia colunista

Akio Maluf

Comemora-se no dia 19 de maio o dia do estudante de direito, pessoa de coração valente, justa e sonhadora, que estuda todo os dias para ajudar a construir uma sociedade melhor. Data importante para o sonho que mais leva jovens às salas de aula nesta pátria verde e amarela.

Quase toda criança já sonhou em ser um juiz, promotor ou advogado, sejam pelos filmes, familiares, amigos e até pessoas que admiram, os profissionais de direito nunca passam desapercebidos em qualquer lugar que estejam, são lembrados sempre que existe algum problema e são as primeiras pessoas a quem recorrerem em uma necessidade.

Tamanho prestigio social não é algo injusto, todas as noites sem dormir, as provas sobre livros gigantescos, o trabalho social nos núcleos jurídicos, o impulso social enquanto estagiários, aquele velho professor que não deu a aula pois não encontrava as calças e até mesmo aquele que deu a aula pois percebeu que o outro colega não estava em sala de aula, tudo faz parte do rol de motivos pelos quais se referem a estes jovens, no futuro, como doutores.

Todo estudante de direito se recorda de ter sido chamado, pelo menos uma vez, de chato, teimoso ou sonhador, sendo por estes motivos: chato pois tudo o que ele consegue falar depois de passar meses estudando trata de direitos, normalmente humanos e fundamentais.

Teimoso, é algo comum, pois um estudante de direito irá sempre defender com sua vida e honra os direitos e garantias, ele sabe que mesmo os pequenos direitos devem ser defendidos.

Sonhador pois sempre acredita que o cumprimento devido das leis fará com que a sociedade brasileira continue evoluindo e que a vida irá ser mais harmoniosa, as leis só são feitas e cumpridas para que o povo possa viver bem. O Judiciário é apenas um órgão que está presente no nosso dia a dia para proteger os homens de bem e defender os fracos.

Não bastasse essas qualidades, faz parte do cotidiano o sacrifício e a abdicação, não existe acadêmico que nunca deixou de ir em uma festa, de beber com os amigos, de jogar aquele jogo ou de estar com alguma pessoa, tudo em nome de uma profissão, um sonho, uma carreira, com um detalhe, uma carreira onde tudo o que você irá fazer é ajudar as pessoas, independente se for para provar a inocência ou permitir uma condenação justa, você irá passar o resto da sua vida ajudando pessoas.

A parte que mais merece as devidas homenagens, sem dúvidas, são as pessoas que marcam as carreiras e possibilitam elas, os queridos professores, momento pelo qual eu aproveito para fazer uma referência a alguns dos homens e mulheres que tive o maior prazer e orgulho de receber um pouco de seu conhecimento:

Aos professores Bruno Castro, Vladia Soares, Vanessa Martha, Valério de Oliveira Mazzuoli, Antonio Veloso Peleja Junior, Pedro Paulo Peixoto, Bergas, João Bosco Monteiro (Bosquinho), Silvio Soares, Emanuela Echeverria, Jeverson Quintero, Márcio Vidal, Carlos Eduardo Silva, Carlos Rafael, Saulo Tarso e muitos outros mais, vocês todos são professores diferenciados que marcam seus alunos pelo comprometimento e carinho.

Portanto, aqui fica minha homenagem para todos aqueles que estudam, estudaram e possibilitam que o dia do estudante de direito seja essa data incrível, que remete sempre a bons momentos na vida de todos aqueles que compartilham deste desafio.

Akio Maluf Sasaki é acadêmico de Direito da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), atua em cooperação internacional do turismo e escreve neste Blog todo sábado - akio@pontodeapoioturismo.com.br

Postar um novo comentário

| 22/05/2015, 10h:08 - Atualizado: 22/05/2015, 10h:32

Falta merenda, escolas reclamam de carne estragada e fornecedores "apertam" Zilda


zilda pereira leite 240

Zilda Pereira renegocia com os fornecedores para ao menos restabelecer fornecimento de merenda

A ex-deputada Zilda Pereira Leite, que comanda a superpasta de Educação, Cultura, Esporte e Lazer de Várzea Grande, começa a enfrentar embaraços administrativos. Enfrenta dificuldades para resolver questões básicas. As escolas estão sem merenda há duas semanas. Para piorar, surge denúncia sobre entrega de carne estragada em algumas unidades escolares.

Numa ação emergencial, a prefeita Lucimar Campos, que tomou posse há 14 dias, liberou nesta quinta R$ 300 mil para Zilda conseguir renegociação efetiva com alguns fornecedores. Sem perspectiva de receber pagamento regular, muitos deles suspenderam prestação de serviços. Estão temerosos devido ao impasse e à instabilidade política no município.

O ex-senador Jayme Campos disse que sua esposa Lucimar "herdou" o caos administrativo do antecessor Walace Guimarães. Observa que, de fato, está faltando merenda escolar porque a gestão passada deixou acumular dívidas com fornecedores, mas que tudo está sendo resolvido. "A Zilda está chamando os fornecedores para buscar entendimento".

Segundo Jayme, o ex-prefeito deixou R$ 3 milhões de dívidas. E casos de cobrança não faltam. Ex-prefeito de três mandatos, o cacique político do DEM revela que um fornecedor o interceptou na rua para reclamar que forneceu bananas à prefeitura e a dívida já soma R$ 70 mil. Descobriu-se que o governo passado deixou acumular R$ 240 mil com compra de pães e R$ 1 milhão com a empresa Limpa Fossa Tatuzão, inclusive por meio de contrato sem licitação. 

"A cada dia a gente toma um susto com tantas coisas erradas que se faziam na prefeitura. É escândalo atrás de escândalo", dispara Jayme. Segundo ele, agora os procedimentos são outros. "Estão sendo feitos dentro da legalidade, com checagem de contratos e outras medidas para evitar irregularidades".

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • jane | Sábado, 23 de Maio de 2015, 21h59
    4
    0

    Estavam tanto desejando o cargo ?!! Ja sabiam como estavam as condiçoes da prefeitura quando o outro prefeito assumiu. Agora civiram pelo menos tinha merenda de qualidade para as crianças!!Toma Prefeita Jaime kkk

  • marilia sousa | Sexta-Feira, 22 de Maio de 2015, 10h53
    12
    1

    tenho que admitir que tudo que o senador jaime falou ta certissimo e era o que tinha que ser feito ha mto tempo

| 22/05/2015, 07h:25 - Atualizado: 22/05/2015, 07h:35

Exclusão da paternidade

elga_figueiredo_imagem_texto

Elga Figueiredo

A instituição família é alterada constantemente e foi, de forma mais intensa nos últimos tempos, posto que foi abandonada a ideia de que o casamento é o único elemento identificador da família. Assim, quer as uniões estáveis, quer as uniões homoafetivas vêm sendo albergadas no âmbito do Direito de Família. 

O ser humano, desde a concepção até sua morte, necessita de condições especiais para garantir sua subsistência. Dentre essas condições destaca-se a necessidade de alimentos. O Código Civil prevê em seu art. 1.695 que “são devidos os alimentos quando quem os pretende não tem bens suficientes, nem pode prover, pelo seu trabalho, à própria mantença, e aquele, de quem se reclamam, pode fornecê-los, sem desfalque do necessário ao seu sustento”.

A discussão gira em torno do fato de que asumida a paternidade e, posteriormente, apurada a inexistência do vinculo parental, decorrido de vicio de consentimento, crivel que se encerra também a obrigação de prestar alimentos. Contudo, na ocorrência de alimentos vencidos, prevalece à execução destes?

De acordo com entendimentos jurisprudenciais e doutrinários, as decisões definitivas em ações de alimentos, exoneração e revisional retroagem à data da citação, nos termos do artigo 13, § 2º, da Lei n. 5.478/68: “o disposto nesta lei aplica-se igualmente, no que couber, às ações ordinárias de desquite, nulidade e anulação de casamento, à revisão de sentenças proferidas em pedidos de alimentos e respectivas execuções”. (...) § 2º. Em qualquer caso, os alimentos fixados retroagem à data da citação". 

A ausência de paternidade tem força de fazer extinguir o direito que decorre de uma relação de parentesco, qual seja, prover alimentos, e ao qual não correspondia obrigação do alimentante. Portanto, é caso de fato extintivo de obrigação. 

Dessa forma, entendo também que, extinguindo-se civilmente a obrigação principal, qual seja, prover alimentos, também é o caso de se extinguir toda e qualquer obrigação acessória totalmente, não só até a  data da citação.

A execução de débitos alimentares vencidos anteriores a citação, se perfaz em uma punição apenas em nome do formalismo processual, permitindo o indevido êxodo de recursos que já perderam a sua função alimentar. 

A exclusão da paternidade só se dá se comprovado pelo pai que foi levado a erro pela mulher, que esta agiu com dolo. Se houver vício de consentimento, o assento do registro poderá ser anulado. Todavia, se o pai não conseguir provar que foi enganado pela mulher, o reconhecimento da paternidade não pode ser revogado. Deste modo, afastada a paternidade, resta claro que o suposto genitor no ato do registro fora alimentado por uma crença de que era pai biológico, portanto, vítima na situação.

Assim, excluída paternidade pela ocorrência de manifesto vicio no consentimento, impor a obrigação de quitar débitos vencidos, que já perderam a função alimentar, constitui-se em clara conotação de ilícita obrigação alimentar. Não há real sentido em postergar no tempo uma evidente injustiça, e perpetuá-la em uma tormentosa execução de créditos provenientes de pensão alimentícia de uma suposta relação de paternidade inexistente.

Elga Figueiredo é empresária e advogada, especialista em direito do consumidor e escreve exclusivamente neste Blog toda sexta - e-mail: elgafigueiredo@hotmail.com

Postar um novo comentário

| 21/05/2015, 11h:04 - Atualizado: 06h atrás

Reforma mantém 24 pastas e 20 outras estruturas - veja como fica agora máquina


Quatro meses depois da posse, o governador Pedro Taques,  enfim, conclui a reforma administrativa, sob aval da Assembleia.  Entre as mudanças estão extinção de 1,1 mil cargos comissionados e não-renovação de 3,7 mil contratos temporários, fusões de pastas e criação de outras e com novas nomenclaturas. O governo assegura que, com a reorganização, será possível economizar R$ 146 milhões por ano, principalmente com a folha salarial e encargos. Com orçamento de R$ 14 bilhões, o Estado conta hoje com 94,3 mil servidores.

Em termo de primeiro escalão, manteve-se o quadro com 24 secretarias. A máquina estatal  abriga ainda 9 autarquias (MT Saúde, MT-PREV, Intermat, Indea, Jucemat, IPEM/MT, Detran, Ager e Agem), 3 fundações (Fapemat, Unemat e Funac), 6 sociedades de economia mista (MT-PAR, Metamat, MTGás, MT Fomento, Sanemat e Ceasa/MT) e 2 empresas públicas (Cepromat e Empaer).

Mário Okamura

quadro_reforma.jpg

Estrutura do Governo com pastas, autarquias, fundações, sociedade de economia mista e empresas

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • lais silva | Quinta-Feira, 21 de Maio de 2015, 11h38
    10
    1

    http://www.expressomt.com.br/matogrosso/alunos-da-secitec-de-lucas-manifestam-preocupacao-com-desligamento-de--131081.html

| 21/05/2015, 07h:26 - Atualizado: 21/05/2015, 08h:25

Para que serve o Festival de Inverno?

maria_rita_artigo_quinta

Maria Rita

Criado nos anos de 1980, o maior evento cultural de Mato Grosso teve início com uma lona de circo. O objetivo era reunir artistas locais. Mais estruturado, atraía pessoas de todo o país que visitavam Chapada dos Guimarães para conhecer os atrativos turísticos e assistir shows nacionais mais voltados a MPB. O evento abarcava, além de música, outras manifestações culturais como as artes plásticas, o cinema e o teatro.

Com o tempo a organização do evento foi passando de mão em mão. A pegada mais alternativa foi deixada de lado e o foco do Festival passou a ser atrair a grande massa. Talvez pela falta de intimidade dos gestores com a área de eventos ou por interesse eleitoreiro, o Festival a cada ano tem trazido mais shows populares. Os problemas que advém deste perfil de evento são diversos.

Um dado simples já possibilita compreender o contexto. O município de Chapada possui menos de 20 mil habitantes. Na zona urbana vive praticamente metade da população. Para um único show nacional popular a cidade recebe de 70 a 80 mil pessoas. O cálculo é simples. Quadruplicando o número de pessoas na cidade é óbvio que praticamente nada funciona.

Na área da Saúde um evento como este é inviável visto que não há um aporte de profissionais especializados no período. Na Segurança, apesar dos esforços do Comando local, o reforço deslocado para Chapada é sempre insuficiente para a demanda. Praticamente todo Festival tem óbitos ou a necessidade do uso de spray de pimenta para dispersar a multidão dos shows. A estrutura de banheiros é vergonhosa. Na cidade o único banheiro público se localiza na Rodoviária. Por conta da alta demanda desta explosão demográfica que a cidade vive, em dias de evento, o centro se transforma num “xixisódromo”.

Além da Saúde, Segurança e Infraestrutura nenhum serviço consegue ser prestado a contento. Os mercados e padarias ficam sem mercadorias para atender a demanda. Os itens essenciais das farmácias se esgotam rapidamente, o trânsito se transforma em caos e o lixo se acumula ainda mais. A cereja do bolo deste triste contexto é a nossa eterna crise hídrica. Se na época da seca costumamos viver com a falta de água quadruplicando nossa população sofremos muito mais.

Dizem que este ano o Festival custará R$ 1,2 milhões. Por conta do que eu elenquei acima acredito que este dinheiro, que virá de emendas e patrocínio do Governo, poderia ser bem melhor utilizado e otimizado. Poderíamos ter por aqui praticamente um ano com eventos bacanérrimos sendo realizados todos os meses ao custo médio de R$ 100 mil. Atrairíamos público o ano todo e com eventos que a cidade realmente consegue absorver.

Outro Festival de Inverno realizado nos mesmos moldes seria um equívoco. No dia 6 de junho será feita uma reunião entre os empresários do município e o Grupo Gazeta, que irá organizar o evento novamente. Neste encontro pretende-se apresentar o contexto citado acima e solicitar um retorno às origens do evento. Chapada tornou-se nacionalmente conhecida nos tempos áureos do Festival e tenho certeza que o evento poderá voltar a trazer luz a esta terra tão linda. Unidos, população e empresários devem exigir que todo evento realizado por aqui respeite a capacidade de carga e os limites estruturais da cidade.

Maria Rita Ferreira Uemura é jornalista, empresária, diretora da empresa de eventos de aventura ULTRAMACHO e escreve exclusivamente toda quinta-feira neste Blog (www.ULTRAMACHO.com.br) - e-mail: ferreirauemura@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • waldomiro lopes | Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015, 13h42
    2
    0

    Evandro, porque ridicularizar um texto, uma matéria que cita a verdade nua e crua a que a nossa cidade de Chapada dos Guimarães estava, está e continua passando. Muito verdadeira a matéria da Sra. Maria Rita, e veja que ela nem citou o lixo em que a cidade se encontra, os buracos nas vias públicas, os restaurantes nas calçadas públicas e praças, os matos crescendo em vias públicas, as obras inacabadas (como a da praça do festival que agora virou ponto comercial) em fim, a falta de estrutura é geral, tanto que o a matéria diz, o único banheiro público é o da rodoviária que tanto a rodoviária quanto o banheiro não tem estruturas para receber eventos de grande porte, por isso quando acontecem alguns desses eventos é que, após, a cidade vive um verdadeiro lixódromo,xixisódromo, garrafadómedro, e tantos outros drómedros pela aí. Parabéns pela matéria D. Maria Rita.

  • Evandro | Segunda-Feira, 25 de Maio de 2015, 00h00
    3
    1

    Evandro, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • ANELY | Sexta-Feira, 22 de Maio de 2015, 19h15
    5
    0

    Excelente matéria! Não conhecia o histórico deste festival e também não fui em nenhum desses eventos desde que me mudei para Cuiabá, justamente porque sou muito fã desse tipo de evento numa cidade como Chapada... Vocês estão corretíssimos em defender eventos mais "humanizados" o que acaba por ser mais ecológico/politicamente correto...Parabéns!

  • Wellington Ribeiro | Sexta-Feira, 22 de Maio de 2015, 16h11
    4
    1

    Excelente matéria, gostaria aqui de acrescentar algo, moro em Chapada desde 1984: Ano do 1 Festival de Inverno, temos solicitado à Administração e Organizadores a inclusão de um segmento no Festival: A musica Gospel e suas vertentes estilos. Nas 29 Edições excluíram este segmento, não sei se foi por ignorância ou discriminação, a musica gospel influenciou o Blues, Jazz, Rock e outros estilos musicais, faz parte da Cultura através de Lei Municipal, Estadual e Federal. Este ano fizemos uma solicitacao pra incluir na programação uma participação da cantora Soraya Moraes vencedora de 4 Grammy Latino, até a presente data nenhuma resposta do Grupo Gazeta de Comunicacao. Seria muito bom abrir este espaço, pois no Show Gospel não ha ocorrencia policial, nem bebidas alcoólicas, nem drogas.

  • José Achilles Tenuta | Sexta-Feira, 22 de Maio de 2015, 11h00
    6
    0

    Muito Lúcida você, Maria Rita. Gostei. Um abraço

  • Joao Santos Netto | Sexta-Feira, 22 de Maio de 2015, 07h02
    6
    0

    Realmente esse festival, foi criado em 1983 pelas ex-primeiras damas de Mato Grosso a saudosa Professora Isabel Campos,e da Chapada dos Guimarães dona Darcy Moreira da Silva, com finalidade fr divulgar a cultura e tradições de Mato Grosso,sem visar lucros financeiros, isso continuou até a gestão do Dante de Oliveira, que em conjunto com a Prefeitura de Chapada, terceirizou o evento,para um Grupo de Comunicação de Cuiabá, e ai virou apenas mais uma fonte de renda para o seu Grupo politico-empresarial.Lamentavel a deturpação que ocorreu e vem ocorrendo atualmente com esse Festival, que surgiu com as melhores das intenções do então Governador Julio Campos,e que hoje é realizado exclusivamente para "ganharem dinheiro" sem nhenhum amor a cultura Matogrossense e da Chapada.

acordo | 20/05/2015, 18h:17 - Atualizado: 20/05/2015, 18h:19

Deputado sinaliza com indicação ao TCE, conforme recomendações feitas pelo MP


Os dirigentes das entidades de classe dos servidores do Tribunal de Contas do Estado (TCE) afirmam que o presidente da Assembleia, Guilherme Maluf (PSDB), manifestou interesse em realizar o processo de indicação do novo conselheiro de forma transparente, dialogando com a categoria, acatando as recomendações do Ministério Público quanto ao rito e sem pressa. A indicação do nome para ocupar a vaga aberta com a renúncia de Humberto Bosaipo, em dezembro de 2014, está travada no Supremo Tribunal Federal (STF).

Ocorre que o procedimento para preenchimento da vaga foi barrado por liminar deferida pelo presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, em 23 de dezembro de 2014, até o julgamento do mérito Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) 4812. A cautelar foi impetrada pela Associação Nacional dos Auditores dos Tribunais de Contas do Brasil, em 10 de dezembro do ano passado, questionando a emenda constitucional 61, aprovada pela Assembleia em 2012.

Maurício Barbant/AL

maluf_tce.jpg

Deputado Guilherme Maluf sinaliza positivamente quanto à indicação à vaga de conselheiro do TCE

A Emenda 61 foi aprovada sob medida para garantir a indicação do então deputado estadual Sérgio Ricardo ao Pleno do TCE. Na prática, o texto impede que auditores de contas ou membros do Ministério Público de Contas (MPC) ingressem no órgão fiscalizador, nos próximos cinco anos, porque exige que os servidores de carreira tenham 10 anos na função para serem indicados.

A Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) já analisa Proposta de Emenda Constitucional (PEC), de autoria do deputado estadual Zé Domingos Fraga (PSD), para revogar a Emenda Constitucional número 61. Com a possível revogação, a Adin 4812 perde objeto e abre caminho para indicação política do novo conselheiro, após 60 dias de tramitação da matéria.

O avanço no diálogo entre servidores do TCE e Assembleia foi registrado, nesta segunda (18). Além de Maluf, participaram da reunião a presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Tribunal de Contas do Estado (Sinttcontas), Eloisa Ferreira; da Associação dos Auditores (Audipe), Vander Silveira; e dos Aposentados, Antônio Felipe Camarão.

Abraço ao TCE

O diálogo foi retomado seis meses após o manifesto que culminou com o “Abraço ao TCE”. O protesto, paralelo à intervenção do Ministério Público, resultou no afastamento das indicações do deputado Gilmar Fabris e da ex-secretária estadual Janete Riva (ambos do PSD), para cargo de conselheiro do Tribunal.

Servidores do TCE realizam "abraço" contra indicação de Fabris no órgão

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • mario | Quinta-Feira, 21 de Maio de 2015, 09h26
    6
    4

    estava bom demais pra ser verdade, dep. maluf, o sro. esta indo mto bem como presidente da assembleia, mas sera que esta ano o sro. ainda vai ser deputado? pelo visto, não....

| 20/05/2015, 09h:33 - Atualizado: 20/05/2015, 09h:39

Emanuel se torna voz isolada do PR contra governo e atua na base do bate e assopra


Karen Malagoli

emanuel pinheiro 530

Deputado Emanuel Pinheiro, um dos cinco deputados do PR, adota linha dúbia, ora como oposição dura ao governo, especialmente nas ações de bastidores, ora de forma mais branda quando faz discurso da tribuna

Emanuel Pinheiro se tornou uma voz destoante da maior bancada na Assembleia, o PR, composta de cinco deputados. Embora reeleito pela oposição ao governo Pedro Taques, ele atua dubiamente. Ora tenta de aproximar do Palácio Paiaguás, alegando que suas críticas são pontuais e que servem de sinais de alerta para evitar falhas, ora desce o porrete na administração. Enquanto isso, os demais republicanos Wagner Ramos, Sebastião Rezende, Ondanir Bortolini, o Nininho, e até Mauro Savi caminham em sintonia com o Executivo.

Emanuel bate e assopra. Nos bastidores, é oposição linha dura. E atiça adversários no sentido de investir contra o governo. Da tribuna, porém, faz discurso ponderado.

Taques percebeu que o republicano tenta acender uma vela para Deus e outra para o Diabo e escalou emissários para combatê-lo. Um deles é o próprio líder do Executivo na Assembleia, tucano Wilson Santos.

Em quase todas sessões, Emanuel vai à tribuna para lançar questionamentos ao Executivo. Passou a agir assim depois que a Casa Civil vetou indicações dele para cargos comissionados.

Na eleição da Mesa, Emanuel encheu-se de esperança. Acreditava que teria apoio irrestrito do governador para presidir a Assembleia. Nas negociações, o PR iria por inteiro para os braços do governo. Mas Taques não depositou confiança em Emanuel. Preferiu a dupla Maluf-Nininho, como presidente e primeiro-secretário, respectivamente.

Emanuel ficou zangado. Rosnou para o governo como alguém disposto a se opor duramente. O problema é que o deputado não assume como tal. No dia a dia, busca no oportunismo de lutas e bandeiras conforme a demanda para tirar proveito político da situação.

Uma de suas estratégias foi transformar o gabinete em QG de empreiteiros, que tentaram derrubar o projeto Bom Pagador por causa da proposta de quitação de dívidas com desconto e em parcelas. No dia a dia, instiga montagem de dossiê e alimenta de informação grupos que se opõem ao governo. Avança ou recua conforme a conveniência pessoal.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • WALACCE | Sexta-Feira, 22 de Maio de 2015, 11h30
    4
    2

    ESSE E O ÚNICO DEPUTADO QUE ENTENDE ALGUMA COISA NA ASSEMBLEIA, E REALMENTE TRABALHA POR MATO GROSSO.

  • JOELL | Quinta-Feira, 21 de Maio de 2015, 07h43
    13
    0

    REQUISITOS: VIDA PREGRESSA E IDONEIDADE MORAL, NOTÓRIO SABER JURÍDICO E ADMINISTRATIVO, ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO, PELO MENOS 10 ANOS TRABALHANDO NA ÁREA PÚBLICA E CERTIDÃO CIVEL E CRIMINAL LIMPA.

  • Claudiomario | Quarta-Feira, 20 de Maio de 2015, 16h43
    18
    4

    Não concordo com esta chamada feita pelo rdnews, bate e assopra, Vejo o Deputado Emanuel Pinheiro representando a sociedade no que pode ser feito, qdo diz sozinho neste sentido ate concordo, mais existe demanda que precisa de arrocho e tem demanda que atende a população....

  • LUis carlos | Quarta-Feira, 20 de Maio de 2015, 14h45
    9
    5

    LUis carlos, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • janjão | Quarta-Feira, 20 de Maio de 2015, 13h35
    14
    5

    Esse é mais um "pirata politico" que Mato Grosso elege.

| 20/05/2015, 00h:00 - Atualizado: 19/05/2015, 21h:10

3 meses de desafios na Educação de VG

silvio artigo quarta-feira

Silvio Fidelis

Ser o titular de alguma secretaria, seja ela estadual ou municipal, não é uma tarefa fácil. Exige várias habilidades, dentre elas: fazer com que os seus liderados (equipe técnica) contribuam com entusiasmo, alcançando os objetivos da pasta com o trabalho diário.

Todas as demandas de trabalho como gestor, que me foram dispensadas no decorrer da minha vida profissional, sempre procurei resolvê-las com a dedicação necessária em busca de resultados satisfatórios.

Estar à frente da Educação da cidade industrial não foi diferente. Foram três meses, período no qual aprendi muito e também, tenho certeza, contribui bastante com o setor. Neste artigo resolvi fazer um relato de algumas ações que, em parceria com entidades, sociedade civil e profissionais da Educação, conseguimos, com muito trabalho, executá-las.

Umas das preocupações quando se fala em qualidade de ensino é com a estrutura das escolas. Já no inicio deste mês de maio assinamos a ordem de serviço que vai permite dar início a construção das quadras e coberturas das escolas EMEB Edna Melo Baracat, EMEB Ary Leite de Campos e na EMEB Paulo Freire, ambas em Várzea Grande.

E ainda deixamos em andamento a licitação para a contratação de empresa especializada em obras e serviços de Engenharia para construção de 2 escolas com 12 salas de aula, nos bairros São Matheus e Hélio Ponce de Arruda, e a licitação que prevê a execução de reformas de 17 escolas. Essas obras vão levar mais qualidade e modernidade para o setor da Educação de Várzea Grande.

Com foco numa gestão fortalecida que foi uma preocupação que tive, busquei junto à gestão escolar da secretaria de Educação criar um sistema online que passou a ser responsável pela análise e aprovação dos Planos de ações PDDE municipal e federal. O sistema online acelerou o processo do cadastro das escolas nestas ações.

Instituímos a Comissão para a reformulação da Lei de Gestão Democrática, composta por representantes do Sintep, Câmara de Várzea Grande, Ministério Público, diretores, coordenadores e funcionários de escolas. O novo texto com as propostas de reformulação da Lei de Gestão Democrática deverá ser encaminhado até o mês de julho deste ano para apreciação e aprovação dos vereadores.

A lei é importante, pois vai ampliar as perspectivas de democratização dos processos escolares, isso implica na autonomia e responsabilidades da equipe gestora, e conselhos consultivos e deliberativos das escolas.

Dentre as diversas ações que desenvolvemos em busca de uma educação mais forte em várzea Grande, destaca-se a execução do Plano de Desenvolvimento Escolar Interativo, que tem por objetivo dar suporte às escolas na criação do plano anual pedagógico, e a aplicação do Programa Escola Sustentável, um projeto inovador que proporciona às escolas da rede municipal a forma correta de direcionar os recursos em estrutura e planejamento.

Outro Programa que está em evidência e já está sendo aderido pelas unidades de ensino é o “Mais Educação”. Deixamos 54 Unidades já inscritas para serem incluídas ainda em 2015.

Aplicamos o Programa “Intercâmbio Escolar”. Uma estratégia que prevê rodas de conversa, bate-papos, palestras, nas quais, por meio da troca de ideias, as escolas consolidarão uma educação de qualidade, tanto para os servidores da Educação, que prestam o serviço, quanto para os alunos.

Tudo isso ainda para este ano. Não podemos deixar de citar o Projeto Rede Cidadã, que também está sendo executado com a parceria da Policia Militar. O projeto beneficia os jovens em risco de vulnerabilidade, oferecendo cursos, treinamento profissional em informática e outros, que possibilita sua inclusão no mercado de trabalho.

Junto ao Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente, através do Comitê de Preservação e Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, incentivamos o lançamento da Campanha do Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Esta segunda (18) marcou o Dia Nacional de combate à exploração infantil. Uma ação que prevê palestras de orientação nas escolas e será desenvolvida em parceria com a Policia Militar no decorrer de todo o ano letivo de 2015.

Uma preocupação nossa foi incentivar as escolas da Rede Municipal a participarem da 11ª edição do Prêmio Itaú-Unicef, que terá o tema “Educação Integral: Aprendizagem que Transforma".  Incentivamos também a participação das escolas no 12º Festival Estudantil Temática de Trânsito - etapa Várzea Grande. O Fetran está previsto para ser realizado em junho deste ano e o objetivo é sensibilizar e conscientizar a população, em especial, crianças, adolescentes e jovens sobre seus direitos e deveres enquanto usuários das vias terrestres.

Outra medida que adotamos foi o programa  NutriSus, lançada oficialmente em março de 2015, pelo Ministério da Saúde. A estratégia de fortificação da alimentação infantil com micronutrientes em pó consiste na adição direta de nutrientes à alimentação oferecida às crianças de seis meses a três anos e 11 meses em creches de todo os país.

 O Centro de Educação Municipal Infantil (CMEI), Nair Sacre, localizado no bairro Cristo Rei, foi a primeiro a receber os saches na merenda. Deixamos programadas a inclusão  de outras CMEI’s ainda neste ano.

Estas ações que citei foram algumas das medidas que conseguimos executar em minha gestão frente à Educação de Várzea Grande. Procurei nestes três meses fortalecer a comunicação com o Sintep, com os funcionários das escolas, com a sociedade civil.  Pois entendo que uma gestão eficiente só caminha de forma positiva dando sequência num trabalho em conjunto com todos aos agentes envolvidos do setor.

Deixei o cargo de secretário de Educação com a consciência de missão cumprida. Externo aqui o meu muito obrigado a todos que forma direta ou indireta contribuíram  para o andamento de todo o trabalho.

O que  estava ao meu alcance procurei desenvolver a frente da Educação de Várzea Grande, mas sei que muito ainda é preciso fazer para avançarmos na qualidade de Rede de Ensino da cidade industrial. Na condição de professor e cidadão, estou confiante que o trabalho terá continuidade pela nova gestão. A educação merece, e seus agentes também.

Silvio Fidelis é professor, mestre e doutor em Educação, escritor e escreve exclusivamente neste Blog toda quarta-feira - e-mail: sa-fidelis@uol.com.br - Instagram silvioafidelis

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • Benedita | Quarta-Feira, 20 de Maio de 2015, 14h34
    12
    8

    Parabéns professor Fidelis, um exemplo de pessoa íntegra que mostra resultados positivos trabalhando. Ótimo artigo, ao menos relata um pouco da sua técnica que em três meses somou muito pra VG.

  • Tais | Quarta-Feira, 20 de Maio de 2015, 13h07
    14
    10

    Só quem te conhece saber o exemplo de professor pessoa humana simples, íntegro, inteligente !!! Te admiro a muito tempo!!! Da SME Cuiabá Mt

  • Junior | Quarta-Feira, 20 de Maio de 2015, 10h18
    17
    7

    Parabéns Professor Silvio , o mais difícil na gestão da educação publica e unir conhecimento pedagógico com ação operacional , tanto como secretario de Cuiabá e de VG, o senhor demonstrou tal habilidade.

  • jorcy cardoso | Quarta-Feira, 20 de Maio de 2015, 07h16
    16
    9

    parabéns professor precisamos de pessoas como você na frente de secretarias, pessoas que valoriza os profissionais da educação.

| 19/05/2015, 14h:45 - Atualizado: 19/05/2015, 19h:17

Governo abre 10 DAS por deputado aliado e exige 22 documentos para ter nomeação


paolla reis adjunta 250

Secretária-adjunta de Estado de Relações Políticas, Paolla Reis, é quem recebe indicações para cargos 

O governador Pedro Taques definiu, no rateio de postos DAS, conceder 10 indicações para cada deputado da base. A abertura de espaço atende a 20 dos 24 parlamentares e, dependendo dos encaminhamentos, pode chegar a todos eles. Somente para atender os parlamentares serão 200 cargos. A média salarial para cada posto comissionado na estrutura da máquina estadual é de R$ 2,8 mil.

Os parlamentares governistas estão na fase de juntada de documentos para apresentar a lista à secretária-adjunta de Relações Políticas, Paolla Reis. Ela trabalha dentro da Casa Civil e é responsável por fazer a "filtragem" das indicações. Por causa disso, tem sido bastante cortejada, assim como foi Celina Marques nos governos Blairo Maggi e Silval Barbosa. Se antes as nomeações passavam por Celina, agora é Paolla quem faz esse controle. 

E são muitas as exigências documentais. Constam 22, entre eles certidões negativas civil e criminal da Justiça Estadual e de 1º e 2º graus, e até certidões da Justiça Eleitoral, da Justiça Militar Federal e Estadual (no caso de homens) e ainda certidão negativa expedida pelo Banco Central. No "filtro" para nomear pessoas consideradas ficha-limpa, o Palácio Paiaguás tem barrado muitos indicados. Isso tem gerado transtorno e discussões junto a alguns deputados.

O governo assegura que vai atender também indicações partidárias. Nesse caso, terá de contentar 13 legendas que ajudaram a eleger Taques, sendo elas PDT, PP, DEM, PSDB, PSB, PPS, PV, PTB, PSDC, PSC, PRP, PSL e PRB. Muitos partidos foram contemplados nestes primeiros quatro meses de administração. Com a reforma administração, o novo governo cortou mil DAS. Agora são 3,5 mil comissionados, postos de livre nomeação, sem necessidade de concurso público.

Postar um novo comentário

Comentários (13)

  • sandra | Quinta-Feira, 21 de Maio de 2015, 23h40
    4
    2

    gostaria de saber quando começarão as nomeaçoes das indicaçoes dos nobres deputados:?? afinal essa não é a primeira matéria que lemos sobre isso, o governador disse em janeiro que daria 10 cargos para os deputados se aprovassem a reforma administrativa, pois então , a reforma foi aprovada e as nomeaçoes ainda nao foram atendidas. Sera que agora o governador vai realmente cumprir o que esta prometendo? ou vai ameçar os nobres deputados que só nomeara os 10 cargos de cada deputado se eles acatarem ajudar a convencer os servidores dessa questao?? abram os olhos nobres deputados.

  • Luis | Quarta-Feira, 20 de Maio de 2015, 08h50
    10
    3

    Prezada Rebeca Cantarini, DAS e DGAS existir dentro da estrutura é uma coisa, estarem preenchidos é outra, em que país você viu computar para cálculo de folha cargos que estão vagos, então tem alguém recebendo sem trabalhar. Se necessário for, então nomeie um efetivo, que pagará a mais o percentual da gratificação e não o integral da comissão.

  • Gilston | Quarta-Feira, 20 de Maio de 2015, 08h44
    15
    0

    RESPOSTA ao senhor Carlos | Terça-Feira, 19 de Maio de 2015, 23h06 , Não sou PM para defender seu direitos. Mas, a LC 541/14 é de 03/07/2014 é fácil compreensão: Somando 30 x 6 meses é igual 180 dias e a LC dos salários do PM já tinha em 1º /Jan/15 seis meses e dois dias ou seja dois dias fora da LC de Responsabilidade Fiscal. Matemática aprendemos nos primários da Escola. É isso que eu comentei.

  • Paulo | Quarta-Feira, 20 de Maio de 2015, 08h03
    21
    5

    E quem achava que Pedro Taques seria diferente!!!! na politica tudo é igual. é o toma lá da cá.... benecis dos cargos publicos.

  • Paulo | Quarta-Feira, 20 de Maio de 2015, 07h33
    12
    5

    Paulo, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Carlos | Terça-Feira, 19 de Maio de 2015, 23h06
    10
    6

    Sabidamente que Silval, como Dilma desrespeitaram a Lei de Responsabilidade fiscal. O Pedro não fez promessa pra desrespeita-la sr. Gilson. É sabido por qualquer estudante de direito que nos últimos seis meses do mandato o governante nao pode conceder reajustes e aumentar despesas pro proximo pagar. Com todo respeito. Por favor lute por seus direitos, mas de forma legalmente correta.

  • Luis | Terça-Feira, 19 de Maio de 2015, 21h47
    13
    7

    Se os comissionados forem pessoas que querem trabalhar e cumprir com seus horarios, ai eu acho correto as indicaçoes.

  • Gilston | Terça-Feira, 19 de Maio de 2015, 20h32
    12
    6

    Se a moda de mostrar vídeo das promessas de campanha como o PSDB ta fazendo em cima da Dilma pegar...., Hoje o Aécio Neves horário gratuito na tevês, mandou uma carapuça pro Sr. Pedro Taques. Palavra dada na Campanha eleitoral dever ser palavra empenhada e cumprido. Ta na hora da oposição começarem a mostrar vídeo da campanha eleitoral do Pedro Taques onde ele promete cumprir todas as leis ( ordens judiciais e as leis não se discute é pra ser cumpridas )estas Palavras foi empenhada pelo candidato ao governo sr. Jose Pedro Gonçalves Taques.Exemplo é a lei dos salários dos policiai militares que é constitucional mas Ele........Fazer ajuste e corte em cima de salariados é desprover alimentos na mesa do trabalhador.

  • Marcos da Comunidade | Terça-Feira, 19 de Maio de 2015, 18h58
    23
    5

    Esta ai da foto chamada de Paolla Reis só atrapalha por aonde passa, foi assim na Prefeitura na Gestão do Wilson Santos, no cabinete do até então senador Pedro Taques, so atrapalhava e de fato não trouxe beneficios, foi candidata á vereadora pelo PDT e teve uma votação pifia, isto sem falar que os votos dela nem valeram, é fixa suja e ainda está no Governo!!?? Que tem grande liberdade dentro deste partido chamado PDT e só atrapalha o andamento do mesmo e agora ainda por cima chega á um posto desses passando por cima de tudo e todos, só esta atrapalhando a Governabilidade do estado de MT, abre o olho Governador Pedro Taques, está ai até hoje de fato não mostrou para que veio, antes que seja tarde.

  • Rebeca Cantarini | Terça-Feira, 19 de Maio de 2015, 18h29
    12
    3

    Os DAS, DGA, etc...já existem dentro da estrutura e já tem seus valores computados para cálculo dos limites com a LRF.

| 19/05/2015, 00h:00 - Atualizado: 19/05/2015, 15h:41

Os 100 dias de Roosevelt

Olga_200_fora

Olga Lustosa

“Então, primeiro de tudo, deixe-me afirmar a minha firme convicção de que a única coisa que temos a temer é o próprio medo”. Com essa frase proferida no discurso de posse em 4 de março de 1933, Franklin Delano Roosevelt, ofereceu aos Estado Unidos, mais do que um novo acordo, uma nova forma de pensar.

Roosevelt tinha que agir rápido. Os EUA estavam enfrentando a maior crise desde a Guerra Civil. O custo da depressão industrial era gigantesco, com bancos e empresas quebrando, trabalhadores ameaçados e falta de moradia. Assim começou o turbilhão dos cem dias.

Uma trégua pedida ao Congresso e ao povo, para reorganizar a economia e as políticas sociais, sob nova filosofia da Administração Nacional de Recuperação, no sentido de não estimular a produção de mais bens e sim, administrar melhor os recursos que tinham em mãos.  

E uma quantidade surpreendente de ideias e ações começaram a chegar a partir da Casa Branca. Em seus primeiros 100 dias, Roosevelt encaminhou e conseguiu aprovação de 16 peças legislativas importantes, lançou programas de retomada e expansão de obras públicas e garantiu benefícios aos trabalhadores e assistiu os desempregados. 

Roosevelt foi generosamente beneficiado pelas circunstâncias. Após quatro anos à deriva sob o desastroso mandato do 31º presidente, um engenheiro de nome Herbert Hoover, (1929- 1933), o país clamava desesperadamente por ação, e Roosevelt, do alto da esmagadora maioria dos votos que obtivera, podia, de fato, iniciar qualquer projeto no âmbito de governo, que teria aceitação popular e aprovação dos deputados e senadores.

Habilidoso, ele capitalizou o momento. E de forma vigorosa, começou a trabalhar o projeto de recuperação nacional. Roosevelt induziu o Congresso a aprovar todas as emendas importantes; financiou programas de compensação de desemprego dos Estados esmagados pela depressão; ofertou empregos em projetos dirigidos pelo governo federal em reflorestamento, construção de estradas e aeroportos para milhares de jovens.

Sob a generosidade do governo, as instituições financeiras, os proprietários e agricultores, foram ajudados pelas leis emergenciais que previam o refinanciamento de dívidas ou contratação de novos empréstimos. Os preços da produção agrícola foram estabilizados com medida de limitação de culturas e subsídio do governo.

Criou unidades de conservação para proteger os recursos naturais; saneou as empresas das estradas de ferro; conseguiu apoio de industriais para limitar o número de horas de trabalho, aumentar os salários, parar a contratação de crianças e melhorar as condições de trabalho. Roosevelt reconheceu os direitos dos sindicatos, manifestou inclusive que a reativação da indústria não se daria sem alguma assistência governamental e benefícios maiores aos trabalhadores. 

Alguns críticos contudo, dizem que Roosevelt poderia e deveria ter movido mais para a esquerda, e que alguns dos seus programas ficaram abaixo do que ele mesmo pregara devido a algumas escolhas de métodos tradicionais de obter sucesso e aprovação do seu governo, muito embora a imprensa americana à época, dizia que a administração de Roosevelt se diferenciava de outras, sobretudo porque os programas adotados não eram de defesa e sim, voltados ao ataque.

Jornalistas reconheciam que houvia uma expansão dos limites da atuação do governo em todas as áreas, com forte indícios de favorecimento à construção da riqueza de baixo para cima. 

Parece difícil definir os primeiros 100 dias do governo de Roosevelt, pois além de qualquer medida governamental, ele ofereceu a esperança e sua presença tranquilizadora nos lares americanos. 

Olga Borges Lustosa é cerimonialista pública e escreve exclusivamente neste Blog toda terça-feira - olgaborgeslustosa@gmail.com e www.olgalustosa.com

Postar um novo comentário

| 18/05/2015, 18h:25 - Atualizado: 18/05/2015, 18h:27

Lutero nega esquema na gestão, fica no PMDB, mas descarta retorno à vida pública


Reprodução

lutero_ponce.jpg

Ex-vereador por Cuiabá Lutero Ponce diz desconhecer atos ilícitos na gestão

O ex-presidente da Câmara de Cuiabá Lutero Ponce (PMDB) diz desconhecer qualquer esquema irregular durante a gestão frente ao Legislativo e que está aposentado da vida pública. As declarações foram feitas durante a audiência de instrução do processo no qual é acusado pelo Ministério Público Estadual (MPE) de peculato, onde teria desviado R$ 204 mil dos cofres públicos. A audiência seria realizada na tarde desta segunda (18), na 7ª Vara Criminal, mas foi resignada para junho.

Mais magro e de poucas palavras, Lutero voltou a afirmar que durante os anos que esteve na presidência da Câmara, entre 2008 e 2009, desconhece qualquer ato ilícito. “Eu acredito que nunca existiu. Nós não somos culpados, estamos ai aguardando a Justiça acabar com este processo. Estou participando de todas as audiências e aguardando a decisão final disso”.

Acompanhado da esposa, Ana Maria Alves das Neves, que segundo denúncia também fazia parte do suposto esquema, Lutero preferiu não falar em juízo e aguarda assim como os demais réus a oitiva das testemunhas, sendo 10 de acusação e sete de defesa.

Quando questionado sobre uma possível volta para a vida pública, Lutero é enfático ao confirmar que continua no PMDB, contudo, que ficará na “cozinha”, fazendo uma alusão à nova profissão, onde comanda hoje um Buffet ao lado do filho Nilo Ponce. Mesmo que quisesse voltar ao meio político, pela Lei da Ficha Limpa Lutero teria que aguardar ao menos dois anos, pois foi cassado em novembro de 2009 com 14 votos a favor, quatro contra e uma abstenção.

Postar um novo comentário

INíCIO
ANTERIOR
1 de 650