Cuiabá, 02 de Setembro de 2014
  • Camila Cecílio

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Camila Cecílio

  • Camila Cervantes

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Camila Cervantes

  • Francis Amorim

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Francis Amorim

  • Gabriela Araújo

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Gabriela Araújo

  • Gabriele Schimanoski

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Gabriele Schimanoski

  • Glaucia Colognesi

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Glaucia Colognesi

  • Jacques Gosch

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Jacques Gosch

  • Larissa Malheiros

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Larissa Malheiros

  • Patrícia Sanches

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Patrícia Sanches

  • Talita Ormond

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Talita Ormond

  • Tarso Nunes

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Tarso Nunes

  • Valérya Próspero

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Valérya Próspero

MINISTÉRIO PÚBLICO | 27/12/2013, 11h:21 - Atualizado: 27/12/2013, 17h:14

MPE reajusta alimentação para R$ 1,2 mil; aumento atinge 9%

   Em ato administrativo publicado neste mês de dezembro no Diário Oficial, o procurador-geral de Justiça, Paulo Prado, aumentou o auxílio-alimentação dos promotores, procuradores e servidores do órgão em 9%. O beneficio no valor de R$ 1,1 mil subiu para R$ 1,2 mil mensais, o que corresponde a R$ 40 por dia. O novo valor passa a valer a partir de 1º de janeiro.

  O custo do benefício, somente com promotores e procuradores é de R$ 260,4 mil mensais. Anualmente, o valor chega a R$ 3,1 milhões.

  Prado garante que os maiores beneficiados com o reajuste são os servidores. Ele explica que o valor é o mesmo para procuradores, promotores e servidores. Ainda segundo ele, para o aumento do benefício, foi levado em consideração o índice da inflamação no decorrer deste ano que chegou a quase 6%. Também teriam influenciado o aumento da cesta básica e a majoração do quilo do alimento nos restaurantes.

  Segundo Prado, o reajuste não precisou passar pela apreciação do Poder Legislativo porque já havia um limite autorizado pela Assembleia e o acréscimo respeitou o teto. O curioso é que o valor recebido pelos membros do MP é 2,5 vezes maior do que o recebido pelos magistrados estaduais que hoje é de R$ 475. No Tribunal de Justiça, o auxílio alimentação para os juízes e desembargadores foi instituído este ano. Antes ele contemplava apenas servidores.

  Sobre a diferença significativa entre o auxílio-alimentação dos membros do MP e dos membros do Judiciário, Prado salienta que “o TJ oferece um valor menor porque tem muito mais servidor e por isso o impacto na folha é bem maior. Nós que somos um órgão menor, mais enxuto, dá para valorizar mais o servidor”.

  Além do auxílio-alimentação, os membros do MPE recebem outros cinco benefícios sendo eles transporte, moradia e ajudas de custo quando mudar de cidade e para aquisição de livros e materiais didáticos. Somados, os seis benefícios incorporados podem acrescentar quase R$ 10 mil aos salários que variam entre R$ 18 mil a R$ 25 mil de acordo com o cargo, tempo de serviço e entrâncias em que atuam.

Promotores e procuradores têm salários de até R$ 25 mil

Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • Gilmar Brunetto | Sexta-Feira, 27 de Dezembro de 2013, 21h02
    0
    0

    Para os usuários do MT Saúde a contribuição do Estado é inconstitucional segundo o Tribunal de Contas, porém para alguns só falta agora o auxilio amante.

  • Elson Pereira | Sexta-Feira, 27 de Dezembro de 2013, 15h48
    0
    0

    Entendo que os doutos promotores devem ter um cardapio balanceado, visto cumprirem uma rotina exaustiva, que não permitem deslocarem até suas residências e efetuarem as ditas refeições nelas, como todo brasileiro trabalhador que sobrevive com mísero salario minimo, o que representa para uma familia composta de três membros, de almoço e janta individual no valor de R$12,00 para tds, lembrando que inexiste a palavra café da manhã, mas como colaboramos menos para o crescimento deste Brasil inusitado, que Autoridades ganham cada vez mais e trabalham cada vez menos, como dizia um velho apresentador da TV Brasileira "ISSO É UMA VERGONHA", que faz o Estado são o povo, então mobilizemos e mostremos que somos um povo pacífico, ordeiro, consciente, mas cansado das roubalheiras dessas figuras.

  • Hans Maier | Sexta-Feira, 27 de Dezembro de 2013, 14h37
    0
    0

    Não é à tôa que o Sr Paulo Prado está muito, mas muito, acima do peso. Vejam a foto, que fofura.Estou cada dia mais envergonhado com as chamadas "autoridades" deste país.

  • cELSO bIZARRO | Sexta-Feira, 27 de Dezembro de 2013, 12h50
    0
    0

    O Pessoal lá em cima só tão que aumenta salários /benefícios para eles, sabedores de que existe inflação, agora e nós cá embaixo não merecemos tambémpt

  • Celino Teodoro de Melo | Sexta-Feira, 27 de Dezembro de 2013, 11h48
    0
    0

    Eles trabalham domingo e feriado? R$ 40,00 X 30/dias = R$ 1.200,00...Isso é sacanagem com a maioria do cidadão de MT e do Brasil em geral...Enquanto a maioria ganha um salário mínimo por mês, essa cambada vai embolsar, quase 2 salários mínimos só para comer...São, realmente um bando de comilões, sem o que fazer, só pensam em se esbaldar...Às custas, é claro do pobre e esfolado cidadão de MT...Vão trabalhar, cambada de sem o que fazer e deixem de surrupiar os cofres públicos...

  • Ezequiel Salomão da Silva Salomão da Sil | Sexta-Feira, 27 de Dezembro de 2013, 11h41
    0
    0

    Caro colega Romilson porque voCê não faz uma pesquisa sobre esse absurdo, se a população aprova ou não essa palhaçada do "MISTÉRIO PUBLICO".

  • Ezequiel Salomão da Silva | Sexta-Feira, 27 de Dezembro de 2013, 11h35
    0
    0

    Nãoooooooooooooooooooooooooooooooo acriditooooooooooooooooooooooooooooooooooo!

| 02/09/2014, 08h:59 - Atualizado: 55min atrás

Senado vota aumento de arrecadação para municípios pelo FPM; Taques é favorável


O candidato a governador, senador Pedro Taques (PDT), defende a aprovação da PEC 39/2013, que prevê a ampliação de um ponto percentual no montante da arrecadação do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (PIP) para o Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Com isso, as cidades brasileiras poderão ter receita adicional de R$ 2,8 bilhões por ano.

O pedetista, que tem conciliado a pauta de votação do Congresso Nacional com a campanha ao Palácio Paiaguás, votou em favor da PEC e defendeu a proposta durante a tramitação no Senado. Por conta disso, apóia as ações da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que deverá realizar uma mobilização para pedir celeridade na aprovação no texto.

De acordo com Taques, o primeiro passo foi dado com a aprovação no Senado. Agora, espera-se que a Câmara Federal siga os senadores e aprovem a matéria com rapidez, levando-se em conta a importância da PEC para os municípios. “Precisamos, sim, de uma melhor divisão dos recursos entre os entes da federação, de modo que possamos assegurar mais avanços para os municípios”, afirmou o senador, que é autor do requerimento que instituiu no Senado uma comissão para rever o Pacto Federativo.

Caso os deputados federais aprovem o texto neste ano, a proposta terá efeitos financeiros já em 2015, de forma que, no primeiro ano de vigência da emenda constitucional, o aumento será de meio ponto percentual, ou seja, R$ 1,4 bilhão. O acréscimo restante viria no segundo ano e o FPM passaria a contar com 24,5% do total do IR e do IPI – atualmente em 23,5%. 

O FPM é a principal fonte de receita para muitos dos 5,5 mil municípios do país, no entanto, os valores têm caído nos últimos anos, sendo que em 2011 chegou a quase R$ 70 bilhões e deverá fechar em R$ 66,5 bilhões neste ano, segundo estimativa da secretaria do Tesouro Nacional. A queda está atrelada à desaceleração da economia e à política de estímulo adotada pelo Governo Federal, de acordo com Taques. (Com assessoria)

Postar um novo comentário

| 02/09/2014, 08h:34 - Atualizado: 36min atrás

Vitória de Taques altera quadro das forças políticas locais; Pivetta seria maior símbolo


O senador Pedro Taques (PDT) caminha a passos largos e, se conseguir subir a escada do Palácio Paiaguás como governador, provocará mexida no tabuleiro político, com surgimento de novas lideranças atreladas a seu grupo nos principais municípios e/ou até reforço de outras que estão na vida pública há um bom tempo. O reflexo será sentido mais nas eleições municipais de 2016.

Um dos que se tornaria bastante influente é o empresário e prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta, do mesmo PDT de Taques e coordenador-geral da campanha. Ele é o maior entusiasta do projeto que vem empurrando a oposição ao poder.

otaviano pivetta

Otaviano Pivetta, no escritório em Cuiabá onde atua como coordenador-geral da campanha de Taques

Como estão no muro, o ministro mato-grossense Neri Geller (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), do PMDB, e o senador Blairo Maggi, do PR, mais ganham do que perdem, caso o pedetista conquiste o governo estadual, embora, por questões partidárias, devessem estar apoiando o petista Lúdio Cabral. Nos bastidores, ambos são mais Taques do que Lúdio.

Em Cuiabá, uma vitória de Taques consolida a liderança do aliado Mauro Mendes (PSB), cuja tendência natural será buscar novo mandato de prefeito. Nesse caso, sairia derrotado, pela segunda vez, o ex-vereador Lúdio Cabral, assim como o grupo do PMDB.

perde ganha pedro taques governador

Uma eventual vitória de Pedro Taques ao governo estadual altera o quadro das forças políticas locais

Em sintonia com o Paiaguás, Percival Muniz (PPS) reforçaria o seu projeto de reeleição em Rondonópolis. O ex-prefeito Adilton Sachetti, que também está no palanque de Taques, se tornaria força expressiva, enquanto sairiam como derrotados os grupos de Wellington Fagundes (PR), embora com chances reais de ganhar para senador, os deputados estaduais Ondanir Bortolini, o Nininho, e Jota Barreto e também o federal Carlos Bezerra.Em Várzea Grande, ganhariam os irmãos Júlio e Jayme Campos, especialmente o senador que está prestes a encerrar o mandato. Cacique político do DEM, Jayme viria com força para prefeito, cujo cargo já o exerceu por três vezes. Sairia derrotado o prefeito Walace Guimarães (PMDB).

A possível chegada de Taques ao comando do Executivo abriria bom espaço político ao empresário Eduardo Moura (PPS) na região de Barra do Garças, assim como para o ex-prefeito Wanderlei Farias (PR), deixando em desvantagem o prefeito Beto Farias (PSD) e o ex-deputado Daltinho de Freitas (Solidariedade). Com Taques no poder, ganham em Sinop os oposicionistas locais Nilson Leitão (PSDB) e Dilmar Dal Bosco (DEM), assim como Maria Isaura em Alta Floresta; e alguns prefeitos, entre eles Dilceu Rossato (Sorriso), Otaviano Pivetta (Lucas do Rio Verde) e Hermes Bergamim (Juína).

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Tonny | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 09h25
    0
    0

    Tonny, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

| 02/09/2014, 07h:25 - Atualizado: 02h atrás

Coligações fora dos eixos

olga_artigo_domingo

Olga Lustosa

Embora os partidos políticos democráticos tenham valores comuns de compromisso e tolerância com a opinião pública, com o confronto de ideias, com a construção de alianças, para exercerem o papel de institutos responsáveis pelo acolhimento das demandas sociais, pela organização e manutenção da vida partidária e pela preservação da ideologia, o cidadão brasileiro não vota em ideias, programas de governo ou em siglas; vota em candidatos e essa pessoalidade, de critérios imediatistas, não reflete os interesses da sociedade. O que se vê então, são candidatos de partidos diferentes agrupados em acordos e alianças compartilhando o mesmo discurso para conquistar a condição de governar. 

Os partidos brasileiros, sem densidade ideológica, não conseguem controlar seus candidatos internamente imagina então, mantê-los alinhados e seguindo a orientação de um grupo com o qual não se identificam?  Tem sido assim há muitos anos! Muitas questões fundamentais têm marcado o debate sobre coligações no sistema político, onde os eleitores estão sendo induzidos a apoiar as alianças costuradas de forma nem tanto republicana, visto que não há consenso nas razões pelas quais os partidos se coligam e tampouco com quem, embora todos saibamos que o motivo real é apenas ampliar as chances eleitorais dos partidos. Simples assim; é só calcular custos, tempo de televisão e benefícios.  

Outro aspecto que intriga, na comprovada falta de coerência nas coligações realizadas, é a fissura que isso causa na representatividade dos partidos políticos e a imagem despadronizada que repercute na opinião do eleitor. Candidatos falam em inovar e restaurar a credibilidade da política, mas não impedem que seus partidos busquem apoio nos partidos tradicionais. Em vários momentos é possível questionar e até rir de certos abraços públicos constrangidos pelas incongruências.  

As coligações deveriam ser realizadas observando minimamente o comportamento dos partidos, sem aventuras no campo ideológico, no cumprimento dos compromissos inovadores, na manutenção da independência e respeito aos filiados, que se não por apreço as práticas políticas, razão outra não há para se juntar a um partido.

Segundo o sociólogo Antonio Carlos Nogueira, a prática de formular coligações fora dos eixos, é um procedimento característico da política brasileira, que os políticos nunca se interessaram em corrigir e com o passar do tempo, o grau de inconsistência foi crescendo. Isso, porém, não deve causar preocupações porque as alianças tanto servem para fortalecer quanto enfraquecer os partidos. Um dado positivo é que agrega gente e votos consequentemente, ao que já se tem, mas realizar coligações em campos ideológicos opostos pode ter elevado custo eleitoral futuro.

Olga Borges Lustosa é cerimonialista pública e escreve exclusivamente neste Blog toda terça-feira - olga@terra.com.br

Postar um novo comentário

| 01/09/2014, 19h:00 - Atualizado: 51min atrás

Ao vivo, às 8h30, presidente da Apromat


O RDTV desta terça (02) traz os detalhes das principais demandas do setor do agronegócio para Mato Grosso, reivindicações entregues aos candidatos ao Governo do Estado. A chamada “agenda positiva” foi elaborada em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC) com informações colhidas em diversos municípios entre os meses e abril e maio deste ano envolvendo infraestrutura, questões tributária e fundiária, meio ambiente e defesa agropecuária.

Além disso, o programa conta ainda com a presença ao vivo da presidente da Associação dos Procuradores de Mato Grosso (Apromat), Gláucia Amaral, para revelar as principais ações da entidade.

Os interessados em colaborar com essa entrevista, que começa às 8h30, devem acessar o endereço www.tv.rdnews.com.br. Simultaneamente, o programa é transmitido para a Baixada Cuiabana por meio da TV Mato Grosso (canal 27).

Postar um novo comentário

Eleições | 01/09/2014, 15h:44 - Atualizado: 50min atrás

Suelme rebate Blairo, defende Marina e diz que republicano tenta propagar o "medo"


Davi Valle/Rdnews

montagem_suelme_blog.jpg

Suelme Evangelista, coordenador de Marina Silva em MT, em entrevista à jornalista Talita Ormond

O coordenador da campanha da presidenciável Marina Silva (PSB) em Mato Grosso, Suelme Evangelista, saiu em defesa da candidata após ataques do senador Blairo Maggi (PR) durante evento em Buenos Aires, na Argentina, ao dizer que o republicano não tem peso nem densidade para definir o jogo por ter abandonado a política. “Um cara que está fora do cenário político, com relações históricas com Dilma”, definiu o socialista em entrevista ao Grupo Rdnews, na manhã desta segunda (1º de setembro).

A reação imediata ocorre por conta das declarações do parlamentar de que Marina é “messiânica, personalista, teimosa e dissimulada”, além de ter afirmado que caso a ex-ministra do Meio Ambiente seja eleita, irá afundar o setor do agronegócio. Para Suelme, no entanto, o posicionamento é coerente com os compromissos políticos que Blairo assumiu com a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição.

Segundo o coordenador, Blairo está tentando criar um medo em Marina, como criou em Lula, em 2002, que iria afugentar investimentos. “Este grupo vem a reboque dos interesses da população brasileira. Se não há como lutar contra esta verdade, melhor se aliar a ela. Vontade popular é muito maior que isso”, disparou, acrescentando que lideranças do agronegócio, como o prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PDT), vão declarar apoio à presidenciável do PSB.

Neste sentido, Suelme adianta que o partido pensa em escrever uma carta de compromissos com o segmento para tranquilizar os produtores rurais. Destaca ainda que muitos dos ajustes proporcionados ao cenário do agronegócio nos últimos anos tiveram a contribuição da passagem de Marina pelo Ministério do Meio Ambiente. “Lucas, por exemplo, é toda sustentável hoje”, cita.

Agenda

De acordo com o coordenador, até sexta (5) o PSB deve definir agenda da candidata para vir a Mato Grosso. Marina deverá passar por Cuiabá e Lucas do Rio Verde, como faria Eduardo Campos (falecido). A demora em marcar a visita se deve ao fato de muitos compromissos em diversos Estados, segundo Suelme. Nos próximos dias, a candidata deverá gravar um vídeo de apoio às candidaturas de Fábio Garcia, que concorre à Câmara Federal, e ao senador Pedro Taques (PDT), que disputa o Palácio Paiaguás.

Blairo contraria palestrantes e diz que Marina é messiânica

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • FRANCISCO | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 09h35
    0
    0

    FRANCISCO, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Bernardo | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 08h08
    3
    0

    Nao vou comentar quanto so que Suelme fala sobre presidenciaveis, mas vou falar que ele quanto a um coordenador de campanha eh muito desorganizado e desinteresado.

  • ROMILDO GONÇALVES | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 20h00
    8
    6

    É PRECISO UMA VISÃO MAIS ALARGADA DO CONJUNTO, A EX-MINSTRA MARINA SILV ALÉM DE INTROJETAR UMA VISÃO OBTUSA DO QUE SEJA DESENVOLVIMENTO E PRESERVAÇÃO, CERTAMENTE ELA NÃO MUDARÁ DE IDEIA ASSIM TÃO FÁCIL, MESMO QUE SE FIZESSE ESTARIA SAINDO DE SEU ROTEIRO. OUTRO FATOR A SER PONTUADO É FALAR QUE O MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE É AUTOSUSTENTÁVEL? COMO ASSIM? EM QUE?

  • Neto | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 18h58
    6
    8

    Bom o PT e o PSDB tiveram 20 anos para resolver problemas graves em nosso país e não o fizeram, especialmente a questão Indígena. Acredito que a vontade política da Marina vai resolver esta e outras demandas, para isto precisamos mudar o CONGRESSO! NÃO VOTE EM QUEM JÁ TÊM MANDATO ELES SÓ SABEM SE BENEFICIAR!! O CONGRESSO QUE TEMOS SÓ TÊM MALANDRO COM RARAS EXCEÇÕES !!! MUDA BRASIL!!!! 40!!!!

  • Anselmo Cerqueira | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 17h14
    16
    4

    Não aguento esse Biela. Outro dia estavam beijando o Aécio, agora que a Marina subiu nas pesquisas querem transforma-la em mártir.....que isso cara o povo cuiabano não é bobo fio

  • Ana marcia de moraes | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 16h24
    5
    4

    Ana marcia de moraes, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

MARK/RDNEWS | 01/09/2014, 15h:18 - Atualizado: 01/09/2014, 17h:45

Baiano lidera na espontânea para estadual; indecisos ainda chegam a 67%, revela Mark


O nome do deputado Baiano Filho (PMDB) aparece, pela primeira vez nas intenções de voto na modalidade espontânea do instituto Mark, como o mais cotado à Assembleia. Na pesquisa feita entre os últimos dias 28 e 31, o republicano foi citado espontaneamente como preferido por 1,9%. Em seguida aparecem Janaína Riva (PSD), filha do deputado José Riva e com 1,6%; o já deputado Emanuel Pinheiro (PR), com 1,3%, mesmo percentual atribuído ao médico Leonardo Albuquerque (PDT), derrotado a prefeito de Cáceres no pleito de 2012.

pesquisa federal mark 1-set

Lista completa do resultado da pesquisa espontânea feita pelo instituto Mark para deputado estadual

Segundo a pesquisa, três estão empatados em 1%, sendo eles os deputados Walter Rabello (PSD) e Wagner Ramos (PR) e o suplente Daltinho de Freitas (Solidariedade). Diversos outros nomes figuram na amostragem com menos de 1 ponto percentual.

Os indecisos na espontânea representam 67,5% dos entrevistados. Os candidatos concorrem a 24 vagas na Assembleia.

Foram ouvidos pela Mark 1.180 eleitores de 76 municípios. A margem de erro é de 3% e o intervalo de confiança é de 95%. A pesquisa está registrada no TRE, sob protocolo MT-00073/2014.

Postar um novo comentário

Comentários (15)

  • Dornele$ | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 08h55
    0
    0

    Dornele$, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • leci | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 07h21
    0
    1

    leci, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • valter gessos | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 07h16
    0
    3

    parabens Baiano Filho. Isso mostra o reconhecimento do seu trabalho arduo pelo povo de mato grosso. estou com você

  • anderson | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 01h21
    1
    0

    anderson, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Jose Neto(Pres.B-N.Horizonte) | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 00h02
    0
    1

    Jose Neto(Pres.B-N.Horizonte), Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • laura lima | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 22h47
    4
    6

    Esta pesquisa está totalmente FURADA.

  • Ana | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 21h22
    7
    2

    O povo brasileiro é medíocre mesmo, o país esta uma zona, o Estado de Mato Grosso está megulhado na corrupção,aqui nao é exceção é regra,todo mundo quer uma "boquinha",e quando temos a oportunidade de renovar ainda continuamos a eleger os mesmos que estão ai,nunca fizeram nada,cada vez mais esses parlamentares se enriquecendo e o povo os elegendo, o Brasil nao tem jeito, o Mat grosso nem se fale,enquanto a cultura desse povo nao mudar,ainda continuaremos a ser medíocres e a eleger pessoa medíocres, infelizmente nao posso me mudar de país caso contrário já tinha me mudado e muito tempo.Para os que vão me criticar,nao existe nação mundial honesta e tampouco líder político mas aqui no BRasil ta demais.Dias atrás fui na secretaria de segurança e ao adentrar presencie numa sala minúscula, duas mulheres dentro dessa sala para tão somente tirar cópias de documento,pacabáá.Isso é vergonhoso,duas jovens perdendo tempo na admistraçao pública num serviço de tirar cópias,pelo amor de Deus,vá trabalhar na iniciativa publica,seja uma empreendedora ou vá prestar concurso público mas ficar assim atoa, com os pés na cadeira e mexendo no wathasapp , o que isso vai trazer para estas duas pessoas?e tudo isso porque provavelmente estás duas como muitas outras foram indicadas por algum político.Meu sonho era ver nenhum desses políticos serem eleitos e que os eleitos nao pertençam ou pertenceram alguma família de política,infelizmente isto nao ira ocorrer....

  • celso ferreira de souza- Tangara | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 19h29
    6
    8

    Ter o Deputado Zé Domingos reeleito mostra que o eleitor mato-grossense sabe realmente votar em deputados que trabalha por todos nós.

  • Dornele$ | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 19h24
    9
    3

    Baiano é o cara. Foi na gestão desse ai, que teve inicio, o atraso do Programa Bolsa Atleta. Este governo de MT, só deve 8 milhões ao desporto amador. O Programa só tem 5 anos de atraso, um nada!

  • luiz | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 19h23
    5
    4

    desses 76 municipios...uns 65 devem ser da região araguaia porque so deu candidatos de la..baiano, candido, daltinho, chaparral.. não sei as outras cidades, mais acredito que foram feitas entrevistas em juina também (região norte) pois os 4 candidatos de la são citados, (altir peruzo, geraldinho, carequinha e junior da viação). Pesquisas como essas para estadual nçao refletem a realidade, é uma mistura de desorganização e entrevistadores preguiçõsos, so serve para dar falsas esperanças a candidatos fracos..visto que o numero de candidatos é muito grande, então é impossivel ter precisão..muitos dos que ai foram citados não terão nem mil votos

MARK/RDNEWS | 01/09/2014, 15h:06 - Atualizado: 01/09/2014, 16h:54

5 federais puxam lista dos mais cotados; Ezequiel e Fábio também estão no páreo


Cinco deputados federais que buscam a reeleição figuram na pesquisa espontânea como os mais cotados, aponta o instituto Mark, em trabalho de campo realizado entre 28 e 31 deste mês em parceria inédita com o portal Rdnews. Carlos Bezerra (PMDB), que tenta o terceiro mandato, está com 2,9% das intenções de voto, seguido por Nilson Leitão (PSDB) e Valtenir Pereira (Pros), ambos com 2,5%; por Eliene Lima (PSD), com 1,9%, e por Ságuas Moraes (PT), com 1,8%.

Estão em disputa oito cadeiras para representação mato-grossense na Câmara. O instituto ouviu 1.180 pessoas de 76 municípios. A margem de erro é de 3% para mais ou para menos e o intervalo de confiança de 95%. A amostragem está registrada no TRE, sob protocolo MT-00073/2014.

Também são lembrados pelo eleitorado mato-grossense o deputado estadual Ezequiel Fonseca (PP), com 1,5%; o ex-secretário de Governo de Cuiabá, empresário Fábio Garcia (PSB), com 1,1%; o vice-governador Chico Daltro (PSD), com 0,8%, assim como o ex-prefeito de Cáceres, Túlio Fontes (PSB). Com 0,6% das intenções de voto está o suplente de federal Victório Galli (PSC) e, com 0,5%, o deputado estadual Jota Barreto (PR). Segundo o instituto, se declararam indecisos 76,2%. Os demais nomes citados figuram com menos de 0,5 pontos percentuais.

Mário Okamura

quadro_federal.jpg

Pesquisa feita pelo instituto Mark traz nomes mais lembrados à Câmara na modalidade espontânea

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Hildeson R. Moreira | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 07h32
    0
    2

    É o DEP. Ezequiel é fez um ótimo trabalho em prol da agricultura familia, por isso se pensamos bem devemos votar nele, se aqui fez coisa boa já pensou em BRASILIA. ASS. Hildeson Altos da Serra1.

  • Luis Pereira | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 07h15
    1
    0

    Luis Pereira, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • João D | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 01h11
    1
    2

    É a a hora pra mudar mesmo. Marina Presidente. MT vai de Pedro Taques, Rogério Sales, Túlio Fontes e Adriano Silva

  • Snatos Almeida | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 18h49
    3
    6

    Snatos Almeida, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Carlos B. | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 17h26
    6
    16

    É eliene lima, 5540!!!

MARK/RDNEWS | 01/09/2014, 13h:21 - Atualizado: 01/09/2014, 14h:09

Taques mantém liderança e chega a 33%; Lúdio segue estável com 20%; Riva, 14%

Candidato pedetista atinge melhor índice na Mark desde julho


O senador Pedro Taques (PDT) segue líder consolidado nas intenções de voto para governador e nos últimos 20 dias, já sob reflexo do horário eleitoral e do primeiro debate feito pela TV Record Canal 10, ganhou 4,4 pontos percentuais. Subiu de 29,5% para 33,9% na modalidade estimulada. O ex-vereador por Cuiabá, Lúdio Cabral (PT), se mantém estável, na casa dos 20 pontos percentuais. É o que revela a nova rodada da pesquisa Mark, feita em parceria exclusiva com o portal Rdnews, entre 28 e 31 de agosto.

A terceira posição está com o deputado José Riva (PSD), com 14,7%. A margem de erro é de 3% para mais ou para menos e o intervalo de confiança é de 95%. O cenário hoje, pelos dados da Mark, é de eleição de dois turnos, pois o percentual atribuído a Taques não supera a soma dos índices dos concorrentes.

governador_final_agosto_estimulada_1-set

Nova rodada da Mark traz Pedro Taques líder ao Governo tanto na estimulada quanto na espontânea

Os demais candidatos ao governo estão com menos de 3 pontos. José Roberto, do Psol, figura com 2,3%. José Marcondes, o Muvuca (PHS), é o “lanterna”, com 1,5%. Na estimulada, 22,8% estão indecisos.O pedetista alcança o melhor percentual de julho até agora. No final de julho, aparecia com 33,1%, oscilou para 28,8%, depois para 29,5% e agora está com 33,9%. Lúdio registrava 21,2%, foi a 22%, oscilou para 20,2% e hoje detém 20,8%. Riva esteve com 14,3%, em julho, foi para a casa dos 16 pontos em julho e início de agosto e fechou o mês oscilando negativamente para 14,7%.

Os pesquisadores ouviram 1.180 eleitores de 76 municípios. A pesquisa está registrada no TRE sob protocolo MT-00073/2014. Dos entrevistados, 1,3% mora na zona rural e, 98,7%, na urbana. São do sexo masculino 50,8% e, do feminino, 49,2%.

Na espontânea, Taques também é o primeiro colocado com 16,9%, seguido de Lúdio com 12,2% e de Riva com 5,6%. Quanto à rejeição, Riva surge na ponta, com 23,1%. O segundo mais rejeitado é Muvuca, com 8,1%.

cidades_pesquisa_agosto_1-set

No trabalho de campo feito de 28 e 31 de agosto, Mark entrevistou 1.180 eleitores de 76 municípios

Postar um novo comentário

Comentários (16)

  • Felipe Matos | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 02h47
    1
    0

    Felipe Matos, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • PSD Mato Grosso | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 00h40
    0
    3

    PSD Mato Grosso 55

  • Diego | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 22h44
    5
    7

    Uma coisa é certa, se tire segundo turno, taques não ganha

  • Jonas | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 19h52
    8
    2

    NS/NR + os votos do Riva/Janete, vão dar a chave do gabinete ao Ludio, conforme foi combinado em Abril...

  • Arlindo Fonseca | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 19h19
    7
    9

    Parabenizo o candidato Pedro Taques por não ter comparecido ao debate, onde a grande maioria não queria debater "Projetos para Mato Grosso", e sim, usar todo tempo para provocá-lo. Não é serio 'debater' com pseudos candidatos, que sequer tiveram seus registros aceito pelo TRE e depende de recursos a nível federal.

  • calibre22 | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 18h36
    19
    17

    Candidato que não comparece ao debate representa um candidato arrogante. Candidato que acha que já ganhou entende que o eleitor de Mato Grosso é gado.” COVAAAAAARDE.

  • Muvuca | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 16h57
    15
    19

    Aquele debate de ontem não influenciou em nada, os candidatos presentes não apresentaram nenhuma proposta verdadeira, só falácias, aquele Muvuca, eita pessoa sem preparo, ainda quer ser nosso governador.

  • Renan Ramos de Souza | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 15h30
    13
    6

    Por favor aprendem a somar, a simulação do segundo turno está errada. Santo Cristo....

  • Renan Ramos de Souza | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 15h22
    4
    4

    Renan Ramos de Souza, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • GERALDO SILVA | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 14h55
    27
    25

    Isso mesmo Senhor Pedro Taques corre do DEBATE e o povo CORRE de vc, agora começou a mostrar sua cara né, fala muito e faz pouco

MARK/RDNEWS | 01/09/2014, 13h:20 - Atualizado: 01/09/2014, 13h:47

Com 27%, Wellington é o 1º; Salles tem 18%


O deputado de seis mandatos Wellington Fagundes continua em primeiro lugar para o Senado, revela a nova rodada da pesquisa Mark, realizada em parceria inédita com o portal Rdnews entre 28 e 31 de agosto. O candidato do PR figura, na modalidade estimulada, com 27,6%. Mesmo tendo oscilado negativamente 3,4 pontos percentuais num comparativo com a amostragem do início de agosto, Wellington impõe hoje 9,4 pontos percentuais sobre o vice-prefeito de Rondonópolis, Rogério Salles (PSDB). Está em jogo nas eleições uma das três cadeiras de senador, com vencimento do mandato de Jayme Campos, que desistiu do projeto de reeleição no meio da campanha e foi substituído por Salles.

senado agosto pesquisa mark

Pesquisa Mark mostra que, em 20 dias, Wellington oscila de 31% para 27% e Salles de 17% para 18%

Nos últimos 20 dias, Salles oscilou positivamente de 17,4% para 18,2%. Rui Prado, candidato do PSD, está com 5,3%. Ganhou um ponto. Gilberto Lopes (Psol) detém apenas 1% e Amorézio Dias (PHS) figura com 0,9%. Estão indecisos 43%.

Na sondagem espontânea, Wellington aparece com 11,4%. Salles tem 8,1% e, Rui Prado, 2%. O universo de indecisos sobe para 74,2%. Sobre a rejeição, Rui está com 7,3%, seguido de Wellington e Gilberto, ambos na casa dos 5 pontos.

A margem de erro é de 3% para mais ou para menos e o intervalo de confiança é de 95%. Os pesquisadores da Mark ouviram 1.180 pessoas em 76 municípios. A pesquisa está registrada no TRE sob protocolo  MT-00073/2014.

Postar um novo comentário

Comentários (12)

  • Valter Mineiro | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 09h30
    0
    0

    Muito estranho essa pesquisa, na minha cidade só se fala em Wellington Fagundes, não sabemos nem quem é esse outro candidato. Aqui todos vamos de WF pra Senador, é a melhor opção para Mato Grosso, assim como ajudou muito nossa cidade

  • Rodrigo Freitas | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 09h27
    0
    0

    Vamos la Wellington, estamos contigo, nosso próximo senador.

  • Fernando Botelho | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 09h03
    2
    0

    A população precisa de experiência para mudar nosso Mato Grosso e o único candidato que eu vejo isso é no Wellington Fagundes, gosto muito do seu trabalho meu voto é nele!

  • Federico Camargo | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 09h01
    2
    0

    Wellington Fagundes continuará em primeiro , porque eu e minha família confiamos em você!!! Grande Senador hahaha

  • Felipe Neto | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 09h00
    2
    0

    Wellington continua em primeiro , é isso ai meu Senador sabemos da sua competência e sabedoria !!! meu voto é para você.

  • Cida | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 08h58
    2
    0

    WELLINGTON FAGUNDES JA FEZ E FARÁ MUITO POR MT!

  • João | Terça-Feira, 02 de Setembro de 2014, 08h56
    2
    0

    PRA SENADO EU VOTO WELLINGTON!

  • Pedro | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 23h21
    2
    2

    WUELTON, Ja começou a ir para o vinagre. O POVO CANSOU. Welintonn, Riva, Silval, ta doido.

  • Ronaldo Ramos | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 21h54
    4
    3

    Wellington eu disse cada vez que o Blairo Maggi aparecer em seu programa vc vai perde pontos na pesquisa, não se esqueça eu estou avisando, e quem avisa amigo e.....................

  • MARIO | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 20h50
    3
    4

    O ROGERIO VAI VIRAR ESSA ELEIÇÃO. WELINTON REPRESENTA A VELHA POLITICA, É HORA DE MUDAR CHEGA DESSA GERAÇÃO DE POLITICOS O ROGERIO VAI GANHAR A ELEIÇÃO. O WF REPRESENTA A POLITICA ANTIGA. WF, E ACM. ALGO EM COMUM????? ROGERIO E PEDRO TAQUES. MATO GROSSO QUER, MATO GROSSO PRECISA.

| 01/09/2014, 10h:55 - Atualizado: 01/09/2014, 22h:36

Salles critica Governo pela descontinuidade de programas de Dante e diz que MT faliu


Davi Valle/Rdnews

Rogerio-Salles-12-08-2014-Davi-Valle-(5).jpg

Rogério Salles, candidato ao Senado, critica interrupção de programas de Dante

O candidato ao Senado pelo PSDB, Rogério Salles, acredita que o governo não soube aproveitar as oportunidades que a iniciativa privada promoveu para alavancar a economia estadual e considera um erro a descontinuidade do programa “Mato Grosso, É Hora de Investir” promovido durante o governo Dante de Oliveira (já falecido), cujo objetivo era atrair indústrias, gerar emprego e agregar valor a produção.

Dante foi o governador antes nos anos anteriores à gestão Blairo Maggi (PR), sucedida pelo agora governador Silval Barbosa (PMDB). Salles era vice de Dante. “Nos últimos anos, MT cresceu, mas não se desenvolveu, não tivemos uma política de industrialização para a nossa produção. Produzir não é ruim, o ruim é o governo não ter políticas de desenvolvimento econômico que agreguem valor a produção”, critica.

Segundo Salles, as políticas públicas não foram satisfatórias e a população está avaliando isso. “Nós não temos segurança. A qualidade da educação diminuiu. A saúde ao invés de melhorar piorou. Os hospitais regionais que existem hoje foram construídos no governo Dante de Oliveira”, avalia.

Em Alta Floresta, ele disse que ouviu pessoas reclamando que na época das chuvas ainda ficam ilhadas. “Nós estamos no século 21, temos um PIB de R$ 80 bilhões, uma carga tributária elevada. É inadmissível termos cidades que ainda ficam ilhadas, pessoas morrem porque uma ambulância não consegue chegar ao socorro, me parece que o Governo faliu”, conclui. 

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Jô Alencar | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 14h56
    1
    1

    Jô Alencar , Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

| 01/09/2014, 00h:00 - Atualizado: 31/08/2014, 21h:36

Macaco

sandra_artigo_segunda

Sandra Alves

Em determinadas semanas, o ser humano seria mais feliz com a ignorância de fatos sociais. A banda larga, a TV a cabo, a imprensa escrita, se todos os meios de informação estivem em colapso nos últimos dias não viria a conhecimento público a jovem e bela moça branca gritando aos berros "macaco"; os vídeos do garoto Bernardo. Retratos da falência do ser humano.

O preconceito é tema complexo, entretanto, com a vivência social dois aspectos devem ser distanciados. A um, grande parte da sociedade de hoje se formou sob o influxo do tema. Quem não se lembra dos avôs expressando seu preconceito ao brigar com um dos filhos que dissolveu o casamento, ou resolveu unir-se a uma pessoa "de cor". O desmantelamento dos preconceitos exige informação e tempo. Mas existe um aspecto que não pode mais ser negado: preconceito é crime. Por mais que você não seja obrigado a gostar de alguém, a conviver com alguém que seja diferente de você, não se pode mais admitir qualquer conduta no sentido de humilhar qualquer ser humano, independente do motivo alegado.

As imagens da jovem branca, gritando exasperadamente na arquibancada do jogo de futebol, a palavra "macaco" com o nítido propósito de humilhar o goleiro do time adversário que ganhava o jogo de futebol, não trata do preconceito intrínseco à pessoa humana, mas da externalização fria e consciente, da vontade de humilhar um ser humano.

E considerando o sentido da palavra vida, o garoto que, segundo uma psicóloga que analisou os diversos vídeos do pai e madrasta (acusados de homicídio) que circularam pelas redes sociais e telejornais nacionais, "foi morto psicologicamente várias vezes, pelo convívio doentio dentro de sua unidade familiar, antes de seu homicídio".

Cabe a seguinte reflexão: quantas vezes somos responsáveis por matar outro ser humano com nossas palavras, nossos atos, nosso egoísmo e falta de amor. Acredito que ao ver os vídeos de Bernardo muitas famílias multiparentais (formadas com pessoas que trazem de relacionamento anterior filhos e constroem uma família com múltiplos tipos de parentesco) respiraram aliviadas por terem a estabilidade emocional necessária no início do relacionamento para conciliar os milhares de conflitos que surgem na construção deste tipo familiar.

Famílias multiparentais é um desafio de amor. Entretanto, a dificuldade não é motivo justificante dos absurdos vistos cotidianamente, com madrastas perversas, enteados cruéis, pais e mães condescendentes. É hora de chamar as pessoas às suas responsabilidades.

Neste momento, o Estado precisa intervir para socorrer da morte as famílias. Um Poder Judiciário com mecanismos para socorrer Bernardo quando aos 11 anos foi sozinho ao fórum pedir ajuda porque seria morto pela madrasta; um Executivo que promova campanhas de conscientização acerca do respeito ao ser humano; um Legislativo que compreenda o que acontece na sociedade, para editar leis.

E por falar em Executivo e Legislativo, a pessoa que receberá seu voto está preparada para lidar com os desafios sociais aqui propostos? O candidato tem real comprometimento com suas promessas ou já foi eleito outras vezes e nada fez? A responsabilidade sobre o rumo do País é de cada um ao consignar o voto nas próximas eleições. Pense em quais notícias você quer ver estampadas na imprensa de agora em diante.

Sandra Cristina Alves é defensora pública do Estado nomeada, tabeliã, registradora de imóveis, ex-analista do TJ/MT e escreve exclusivamente neste Blog toda segunda (sandrac.alves@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Priscilla | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 12h10
    1
    2

    Priscilla, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • oliveira | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 08h34
    8
    1

    O povo quer ouvir a proposta de governo de cada candidato, seja quem for o candidato fugir de debate e um desrespeito contra o povo, se o candidato não sabe sair de uma determinada situação de um debate esse candidato não esta preparado para representar o povo de seu estado, temos que saber os meios de comunicação são essenciais e prioritários para levar a informação a todos os cidadães do nosso estado, Eu quero aqui dizer ao marqueteiro do Pedro Taques que foi a maior burrice que ele já fez, orientando ele para fugir do debate, eu como muito outros eleitores estávamos ansiosos para ver a proposta de governo dele, foi uma decepção para nos eleitores, fugiu da raia, fugiu de confronto de perguntas e resposta que interessava ao povo, perdeu meu voto.

confronto na TBO | 31/08/2014, 22h:44 - Atualizado: 01/09/2014, 10h:55

Muvuca, Riva e Lúdio usam ausência como "trunfo" contra Taques durante 2º embate


Davi Valle/Rdnews

capa_blog.jpg

Durante o intervalo do debate na TBO, candidatos se concentram para perguntarem uns aos outros

O segundo debate entre os candidatos ao Governo, realizado pela TBO Canal 8, começou sem um concorrente: Pedro Taques (PDT). A ausência foi um “prato cheio” para que os demais postulantes usassem o fato para alfinetar o pedetista, que justamente deixou de participar do embate prevendo a situação devido ao último confronto. De todo modo, no primeiro momento, os candidatos explanaram o motivo pelo qual desejam governar Mato Grosso. Todos estavam calmos, agradeceram familiares e a Deus pela oportunidade.

José Roberto (Psol) foi o primeiro a ser sorteado. Disse que o momento é de mudança. Em seguida foi Lúdio Cabral (PT), pediu para Deus o iluminar e que ser candidato foi uma decisão tanto pessoal como coletiva. Ressaltou que apresentar alternativa que sinaliza um governo novo. Muvuca (PHS) agradeceu à mãe e disse que teve um encontro com Deus antes do debate, para tocar seu coração. José Riva (PSD), por sua vez,  disse que vai gerar oportunidade para o povo mato-grossense proporcionando renda e emprego.

No segundo bloco, o clima começou a esquentar. Lúdio, Riva e Muvuca se uniram para atacar Taques. O petista, inclusive, ao iniciar uma pergunta disse que seria para o pedetista ausente, sobre o imbróglio envolvendo a ata de suplente em relação ao pleito de 2010. Riva, por sua vez, voltou a falar do prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PDT), que é coordenador da campanha de Taques.

Muvuca chamou Taques de candidato “fujão”. Citou o ditado “me diga com quem andas, que direi que és”, se referindo também a Pivetta devido ao caso Cooperlucas, ao delator Fernando Mendonça e até mesmo aos ex-prefeitos Chico Galindo (PTB) e Wilson Santos (PSDB), que deixaram a Capital com obras inacabadas e são amigos de Taques. Riva aproveitou o ensejo para completar “o candidato que fugiu pode, inclusive, fugir de Mato Grosso, pois a pressão será grande”. 

Do quarto bloco em diante, os postulantes se centraram nas propostas e esqueceram um pouco de Taques. Focaram as perguntas entre si em relação aos gargalos enfrentados no Estado, como logística, saúde e educação. Por fim, nas considerações finais, agradeceram a todos, reforçaram os projetos de campanha e aproveitaram, mais uma vez, para bombardear o candidato pedetista com ataques devido à ausência no confronto.

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • marcelo | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 10h09
    7
    10

    quem não tem proposta para a população é desse jeito fica com mesquinharia sem rumo sem objetivo . Hoje se o Riva for candidato não tem segundo turno se sair fora ai tem o segundo turno esse povo são uns BóBó O predro Taxi já é Governador dia 01 janeiro nos da pode fazer sarava , e torce para o riva ser inelegível ai tem o segundo tempo .

  • jose alves | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 09h41
    5
    8

    BEM FEITO PARA ELES,PALAVRAS AO VENTO.

  • julio augusto de oliveira soares | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 09h30
    6
    14

    A mensagem de mudança e esperança está pelos 4 cantos de Mato Grosso e esta vem de Pedro Taques que mostrou grande respeito pelo seu eleitor que não é obrigado a assistir um conluio de adversários ocos de propostas atacando quem vem fazendo e pode fazer muito mais por nossa gente, analisem as ações de um por um e digam o que de concreto traria de novo para nós que amamos esta terra, tirando o Dr. José Roberto quem não percebe um Ludio quase beijando o chão onde riva pisa, um Muvuca que se diz o neo paladino da ética que ataca um honrado Pedro Taques e fecha os olhos para as ações deletérias de riva no Estado, onde como presidente da assembléia atua como um condestável que pensa ter o supremo poder sobre todos das terras de Rondon devido a ramificação em todos os setores Públicos e; por isso devido a sua "rede de favores" acha-se acima do bem e do mal, está mais do que na hora de dar um basta a todo esse atraso, o primeiro passo foi dado com a saída de riva da Assembléia de onde agia como um potentado onde do mais simples servidor ao mais destacado deputado, sobre sua ótica lhe devia reverência, novos ares se aproximam porque tá 12 demmmaaaaiiiss nas ruas dos municípios onde todos sairemos ganhando com um Estado mais dinâmico e voltado para seu papel fundamental de atender o anseio da maioria do nosso povo ordeiro.

  • benedita | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 23h01
    14
    20

    Isto é que é falta de foco, ao invés de aproveitarem o tempo para expor suas propostas, planos, ficam atirando pra todo lado, falando em falta de respeito, tem candidato ali que desconhece o significado de rerspeito, por isso que Pedro Taques não foi, assim ao contrário dos que o chamam de fujão e etc, mostrou que os outros só queriam espezinhar. Quem fez papel de TONTO, Caras pálidas?

COMENTÁRIO | 31/08/2014, 22h:31 - Atualizado: 01/09/2014, 09h:26

Líder, Taques toma decisão correta e deixa os adversários no debate "atirando" ao léu


Davi Valle/Rdnews

debate tbo2

Mediador Onofre Júnior se ajeita na poltrona antes de iniciar debate da TBO com 4 dos 5 candidatos

Pedro Taques acertou em não comparecer ao debate da TBO, ao vivo, deste domingo. Deixou os seus concorrentes com munições nas mãos. Sem o alvo de corpo presente, tiveram que guardá-las e as que foram disparadas não surtiram tanto efeito porque foram lançadas ao léu.

Eles não esperavam pela ausência do líder nas pesquisas de intenção de voto. Se prepararam para “bombardear” o pedetista de críticas, ataques e provocações, assim como fizeram no confronto da TV Record Canal 10 no último dia 25. Naquele duelo, Taques reagiu de forma light. Saiu como vítima, embora muitos entenderam que “amarelou”, fugindo do perfil de parlamentar linha dura e briguento. Com foco no cargo de Executivo, ele já se conforma com a condição de vidraça. Sabe que não é mais "estilingue". Desta vez, preferiu o aconchego do lar. Acompanhou o debate ao lado de familiares e assessores.

Como Taques não deu as caras, Lúdio Cabral, José Riva, José Roberto e Muvuca tiveram que repensar as estratégias. Ficaram nas perguntas entre eles. Não tinham como questionar candidato ausente.

Entre perder ou perder, Taques optou pelo certo em vez do duvidoso. A presença seria uma aposta de risco. Alguns membros do conselho político defenderam que o pedetista fosse ao duelo. Mas o próprio Taques bateu o pé, alegando que o circo estava armado é que seria provocado o tempo todo. Foi o que se viu. Centraram fogo nele. Entre os quatro, não houve um questionamento duro. Só faltaram combinar um chazinho. Taques pode até levar carimbo de "fujão" e perder alguns votos mais por causa de declarações contraditórias, já que na eleição para senador, em 2010, chamou de "arrogante" candidato que não comparece a debate. Por outro lado, se tivesse aparecido, levaria porrete do começo ao fim. Em casa, ficou menos arranhado.

Davi Valle/Rdnews

candidatos tbo debate

Muvuca, o espaço vazio destinado ao candidato Pedro Taques, Lúdio Cabral, José Roberto e José Riva

Postar um novo comentário

Comentários (33)

  • Moreira | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 19h34
    0
    0

    O Taques indo ao debate pra debater com 3 em conluio é igual atirar pérolas aos porcos...

  • oliveira | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 19h08
    0
    0

    Eu discordo que foi uma decisão correta, na minha concepção nenhum candidato pode fugir de um debate, nunca devemos agir pela emoção e sim pela razão, os fatos aqui narrados sabemos alguns age pela emoção, e esquece de agir pela razão sem fanatismo politico, todos nos sabemos que um direito do cidadão digo eleitor fazer uma avaliação de cada candidato pelas suas proposta de governo, analisar a sua postura na hora de um debate, principalmente o seu controle emocional, sendo o meio de comunicação do nosso estado muito importante, levar essas informações aos eleitores nos mais longe rincões do estado, espero que o senador não cometa mais esse erro, tem que ser olho no olho, não pode negar de responder ou fazer perguntas aos outros candidatos que o povo quer saber.

  • Helia | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 14h16
    15
    5

    O próprio nome já diz DEBATE que se representa com rebate e combater os argumentos citados, no primeiro DEBATE muitas perguntas ficaram sem resposta desse Senador que tentou a todo custo desviar e esquivar-se delas, ñ é de discursos contraditórios que se ganha uma Eleição, e sim de trabalhos prestados, propostas concretas, liberdade de governar e principalmente Coragem para responder os desafios e acusações com maior transparencia possivel, pois quém ñ deve jamais temerá. Ficou o dito em (2010) pelo ñ dito (2014) resumindo FICOU FEIO PRA CARAMBA TX!!!!

  • Antonio Marcos | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 13h59
    5
    0

    Antonio Marcos, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • eduardo | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 13h34
    2
    1

    eduardo, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Renan Ramos | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 13h30
    3
    0

    Renan Ramos, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • José Vieira | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 13h23
    2
    1

    José Vieira, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Marilce | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 12h46
    15
    4

    Acorvardar nesse momento é fatal. Menos 5 votos da minha familia Pedro Taques, gostamos de pessoas que encaram os fatos.

  • ana de campos | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 12h00
    2
    2

    ana de campos, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Nivaldo Teodoro de Mello | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 11h03
    15
    31

    Taques está correto debater com quem não inspira confiança é malhar em ferro frio.

executivo | 31/08/2014, 19h:46 - Atualizado: 31/08/2014, 19h:48

Por "culpa" do VLT, passe livre em Várzea Grande fica para ano que vem, diz Walace


Reprodução

walace_onibus.jpg

Prefeito Walace adiou implantação do passe livre em Várzea Grande

O prefeito de Várzea Grande Walace Guimarães (PMDB) adiou mais uma vez a implantação do passe livre para estudantes do município. Uma de suas principais promessas de campanha, o passe livre só deve começar a vigorar no penúltimo ano de gestão do peemedebista. O secretário especial de Gabinete e da Copa em Várzea Grande, Roldão Lima Junior, afirma que o benefício deve entrar em vigor em 2015.

Conforme ele, a demora se deve a espera pela implantação do VLT. “Como o VLT vai demorar, o prefeito pediu para fazer no modal convencional no ano que vem”, ressalta o secretário em entrevista ao Grupo Rdnews. Questionado sobre a negociação com a empresa União Transporte para colocar o passe livre em prática, o secretário afirma que ela sofrerá o menor impacto, já que quem vai pagar a diferença na passagem será o cidadão e a prefeitura. “A empresa vai continuar recebendo”, avalia. 

Ao todo, pelos menos 26 mil alunos vão deixar de pagar passagem de ônibus coletivo. O impacto no orçamento será de R$ 200 mil ao mês. Muitos dos alunos na cidade estudam em Cuiabá devido a rede pública estadual não dar conta de receber todos jovens aptos a frequentar o ensino médio, além, é claro, dos universitários. Diante disso, a tendência é que a rigidez que seria exigida no primeiro momento, de só estudantes de escolas públicas do município terem direito ao passe livre, seja revista.

Passe livre será implantado no 1º semestre de 2014, afirma Walace

Postar um novo comentário

| 31/08/2014, 16h:00 - Atualizado: 01/09/2014, 09h:17

Ao vivo, coordenador de Marina Silva em MT; 2º debate entre candidatos ao Governo


Davi ValleRDNews

Suelme Evangelista

Coordenador da campanha de Marina Silva em MT, Suelme Evangelista, ao vivo nesta 2ª - participe

O RDTV desta segunda (01º) traz a cobertura completa do 2º debate entre os cinco candidatos ao Governo de Mato Grosso realizado na noite de domingo pela TV Brasil Oeste no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL). Confira os principais momentos registrados em frente e atrás das câmeras, nos bastidores, durante as 2h30 previstas para o confronto.

Além disso, o programa conta com a presença ao vivo do coordenador da campanha da presidenciável Marina Silva (PSB) em Mato Grosso, Suelme Evangelista, para revelar as articulações da vinda da socialista ao Estado.

Os interessados em colaborar com essa entrevista, que começa às 8h30, devem acessar o endereço www.tv.rdnews.com.br ou clicar no botão RDTV disponível no topo do portal RDNews.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • jose arruda | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 00h07
    6
    3

    ela não vem mais

  • eduardo | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 21h09
    6
    7

    esse cidadão não tem nada a ver com marina silva, não deve saber nem conceituar o que é meio ambiente...quem fala por marina silva em mato grosso somos nós, ambientalistas, que sempre fomos.

| 31/08/2014, 14h:43 - Atualizado: 31/08/2014, 15h:13

Agronegócio agora busca se aliar à Marina


Fernando Ordakowski

carlos fávaro

Diferente de outras épocas, o ex-presidente da Aprosoja-MT e candidato a vice-governador de Pedro Taques, Carlos Fávaro (PP), quer aproximadação do setor produtivo com a presidenciável Marina Silva

Carlos Fávaro, ex-presidente da Aprosoja-MT e candidato a vice-governador da chapa de Pedro Taques, mudou o discurso em relação à Marina Silva depois que esta cresceu nas intenções de voto e apresenta chances reais de ser a próxima presidente da República. Antes criticava a ex-ministra do Meio Ambiente e ex-senadora pelas posições duras contra o agronegócio. Agora, Fávaro faz coro a vozes do setor produtivo que querem recebê-la sem preconceito e com braços abertos em Mato Grosso. Em campanha, a presidenciável do PSB deve visitar nos próximos dias o Estado campeão na produção de grãos. O agronegócio quer eliminar o distanciamento e o estereótipo estabelecido para se buscar uma relação intermediária. Marina, por sua vez, faz discurso "apaziguador", já que precisa dos produtores para consolidar sua eleição. A resistência do setor ao nome da presidenciável vem do tempo em que ela ocupou o Meio Ambiente (2003-2008). Na época, condenou o aumento do desmatamento para que houvesse a expansão da produção de grãos e da pecuária na Amazônia Legal. Sempre defendeu a tese de que é possível aumentar a produtividade sem elevar a área plantada e que o agronegócio pode conviver com os preceitos da sustentabilidade.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • vicente vuolo | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 12h55
    1
    0

    vicente vuolo, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • eduardo | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 21h13
    7
    6

    hummmm, agora só falta dizer que o setor do agronegócio vai aderir ao movimento ambientalista....não adianta dissimular, marina silva sabe quem sempre defendeu o meio ambiente, e quem sempre do outro lado, combatendo a legislação ambiental, desmatando e queimando florestas.

  • ROMILDO GONÇALVES | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 17h23
    6
    4

    VAMOS HOUVIR A FILHA DE OSÍRIS PORQUE NÃO?

| 31/08/2014, 10h:58 - Atualizado: 31/08/2014, 17h:33

Blairo contraria palestrantes e afirma que Marina Silva é messiânica e dissimulada

Aliado de Dilma, senador espera que candidata do PSB cumpra promessa de 1 mandato porque vê desastre para agronegócio

O empresário e senador  Blairo Maggi, uma das vozes do agronegócio brasileiro, agiu tardiamente em defesa da reeleição da presidente Dilma Rousseff.  E começou atacando a ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva (PSB), que já empata nas intenções de voto com Dilma no primeiro turno (34% a 34%) e seria eleita presidente num eventual segundo turno contra a petista (50% a 40%), conforme revela a pesquisa Datafolha da última sexta (29).

Rodinei Crescêncio

Blario Maggi

Blairo Maggi diz que Marina é messiânica, personalista, teimosa e dissimulada

O ex-governador mato-grossense foi tão duro em sua intervenção, durante evento promovido pela multinacional FMC, em Buenos Aires (Argentina), que definiu Marina como “messiânica, personalista, teimosa e dissimulada”. Contrapôs-se à opinião dos palestrantes que discutiam as perspectivas da economia brasileira de 2014 e 2018, sendo eles o ex-ministro da Fazenda e consultor Mailson da Nobrega, o coordenador da GV Agro e ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, e o jornalista Merval Pereira, segundo revela reportagem da revista Globo Rural – confira aqui.

Quando a palavra foi aberta para as perguntas da plateia, Blairo, do Grupo Amaggi, se identificou como produtor rural e, de acordo com a matéria, expôs em público o que antes vinha dizendo em conversas reservadas. "Se ela (Marina) for eleita, a única promessa que espero que ela cumpra é que não concorra a um segundo mandato, porque ela será um desastre para o nosso setor. Vi como age quando foi ministra", disparou o senador.

Cabo eleitoral de Dilma, de quem foi financiador na eleição de 2010, Blairo citou avanços alcançados no atual governo, como crédito a juros compatíveis e investimento em logística, e afirmou que mesmo numa situação de economia fraca, os produtores têm hoje um parque de máquinas que lhes dá condições de seguir produzindo. “Com Marina, não haverá refresco".

Após passar um ano ensaiando a terceira candidatura a governador e recuar já próximo das convenções, Blairo se mostra distante do processo eleitoral em solo mato-grossense. Até agora, só gravou participação no horário eleitoral em apoio à candidatura ao Senado do colega do PR, deputado Wellington Fagundes. Ele tem ignorado o candidato Lúdio Cabral (PT), da base governista. Quanto à Dilma, promete montar núcleo de apoio no Estado, o que não aconteceu até agora.

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • Neto | Segunda-Feira, 01 de Setembro de 2014, 18h42
    2
    0

    O Sr. Blairo era adversário ferrenho do LULA e de uma hora pra outra ficou amiguinho dele. O que será que o LULA falou pra ele? Entra na máfia que fica tudo bem.......

  • Eron Cabral | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 23h57
    14
    4

    O Sr. Brairo perdeu de continuar calado, se envolveu em vários escandalos sendo agora um mais recente, quando era governador só fez asfaltos em regiões aonde tinha fazendas, como um grande Produtor era para dar exemplo e entender o que Sustentabilidade, se preocupa com os seus, por isto levou o Trofeu Moto Serra de Ouro e depois fez um teatro que estava preocupado com o Meio Ambiente, essa é a velha politica, que não vai mais ter vez no Brasil, á Nova Politica é nos que fomos e a rua e nós preocupamos com o Brasil de amanhã, infelizmente um senador não saber de certas coisas, deveria é ler maiis.

  • Lucas Faria | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 18h47
    18
    2

    O Cão de Guarda da Dilma começou a morder, esta fazendo isto pois foi intimado pela Dilma do PT, aliás o que o Blairo fez pra Mato Grosso foi implantar pedágios pra todo o lado, além de pagar caro no pedágio e mais impostos, temos que transitar por estradas esburacadas, como entre Rondonópolis e Primavera

  • Dornele$ | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 17h12
    15
    10

    Felipe Matos, você só come soja? Deixa ser tonto. Qualquer um, faz melhor que a turma do PT. Dilmax já foi!

  • antonio | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 14h18
    22
    10

    Quem é Blairo Maggi para criticar a sra Marina. O sr se vendeu ao grupo do Lula. Seu governo foi marcado pela pilatragem que corrou o estado. Vem posar de bom moço agora. Vai cuidar de seus negócios.

  • ZÉ DO BREJO | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 13h42
    20
    13

    TA COM MEDO NÉ MAGGI, MARINA VEM AI PARA ACABAR COM A FARRA DO AGRONEGÓCIO QUE SOMENTE BENEFICIA POUCOS E O POVÃO QUE SE DANE COM FALTA DE SAÚDE, EDUCAÇÃO E SEGURANÇA PUBLICA.

  • Felipe Matos | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 13h19
    15
    14

    Com Marina na presidência, coisa que duvido pq a Dilma certamente se reelegerá, a Economia de MT está ferrada. O que sustenta nossa Economia é o agronegócio e essa senhora com certeza irá tratar os produtores rurais de MT com a polícia, como ela já fez qdo foi ministra do Meio Ambiente. Aliás, se o agronegócio ir mal o Brasil tb irá mal pq são os grãos que garantem q nossa balança comercial seja positiva. Essa Marina tb está propondo colocar o pré-sal em segundo plano. Ou seja, as economias de Estados como RJ, SP e ES tb estarão ferradas, pq é do Petróleo q eles extraem a maior parte de seus orçamentos. Marina será uma tragédia nacional, caso ganhe. Que Deus nos livre!

  • Antonio | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 12h24
    14
    10

    Voce nao tem moral pra fala de ninguém. Olha pra o próprio rabo.

Eleições | 31/08/2014, 08h:50 - Atualizado: 31/08/2014, 08h:59

Candidatos se enfrentam hoje em debate; RDTV retransmite 2º confronto ao Governo


Mário Okamura

debate_tbo_ok.jpg

Candidatos ao Palácio Paiaguás terão nova oportunidade de mostrar porque desejam governar MT

Os cinco candidatos ao Governo vão se confrontar novamente em debate, neste domingo (31), a partir das 20h, pela Rede TBO, canal 8, que transmitirá ao vivo no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL). O embate também será retransmitido pelo RDTV, a TV web do Grupo Rdnews. Neste caso, basta acessar o endereço www.tv.rdnews.com.br. Pedro Taques (PDT), Lúdio Cabral (PT), José Riva (PSD), José Roberto (Psol) e José Marcondes, o Muvuca (PHS) terão mais de duas horas para apresentar as propostas e ideias.

No primeiro debate realizado entre os postulantes, na última segunda (25), pelo Grupo Gazeta de Comunicação, o clima foi tenso entre Taques, Lúdio e Riva, que usou a maior parte de seu tempo para atacar o pedetista. Por isso, a tendência é que haja novos ataques e polêmicas envolvendo o encontro. De todo modo, caso houver acusações pejorativas, e for contestado pelo postulante, o mediador Onofre Ribeiro decidirá se vai conceder o direito de resposta. Caso for permitido, o candidato apontado como ofensor terá 50% do tempo cortado.

Este segundo debate será dividido em sete blocos, sendo o primeiro destinado para a apresentação de cada candidato. Todos responderão o porque desejam governar Mato Grosso. Já no segundo bloco, entidades como Fecomércio, CDL, Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetagri), Fórum Sindical dos Trabalhadores, Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (SHRBS) farão perguntas e o mediador sorteará qual candidato responderá.

No terceiro, quarto, quinto e sexto blocos, os concorrentes ao Palácio Paiaguás farão perguntas entre si. Conforme as regras, nenhum ficará sem perguntar ou responder. No último bloco, por fim, cada candidato poderá fazer suas considerações finais, apresentando propostas e ideias de melhorias para o Estado.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • mteus | Domingo, 31 de Agosto de 2014, 16h02
    4
    1

    Perda de tempo acistir este filme chaamdo debate. Eles vão repetir o que ja foi dito lá na gazeta, um falando do outro e assim por diante. Mas uma coisa e certa todos tem a solução pra saude agora na campamnha e depois a culpa é do Silval Barbosa que ja ta numa hora desta de pijama descançado.

INíCIO
ANTERIOR
1 de 709