Cuiabá, 01 de Outubro de 2016
  • Alexandra Lopes

    Alexandra Lopes

  • Bárbara Sá

    Bárbara Sá

  • Camila Cervantes

    Camila Cervantes

  • Eduarda Fernandes

    Eduarda Fernandes

  • Francis Amorim

    Francis Amorim

  • Gabriele Schimanoski

    Gabriele Schimanoski

  • Jacques Gosch

    Jacques Gosch

  • Julia Munhoz

    Julia Munhoz

  • Lana Motta

    Lana Motta

  • Lídice Lannes

    Lídice Lannes

  • Patrícia Sanches

    Patrícia Sanches

  • Rodivaldo Ribeiro

    Rodivaldo Ribeiro

  • Tarso Nunes

    Tarso Nunes

  • Valérya Próspero

    Valérya Próspero

Rumo à Copa de 2014 | 16/02/2011, 18h:47 - Atualizado: 17/02/2011, 07h:06

Número de habitantes tira Cuiabá do PAC Mobilidade das Grandes Cidades

Número de habitantes tira Cuiabá do PAC Mobilidade Grandes Cidades


   O governo federal lançou nesta quarta (16) o PAC Mobilidade Grandes Cidades para melhorar a infraestrutura do transporte público nas grandes cidades brasileiras. Serão investidos R$ 18 bilhões e espera-se beneficiar diretamente 39% da população do país que vive em suas regiões metropolitanas. Dentre as 12 cidades-sede da Copa do Mundo, Cuiabá foi a única que não foi contemplada em nenhum dos três grupos previstos no programa.

   O motivo, conforme informou ao RDNews o ministro das Cidades, Mario Negromonte, é o número de habitantes da Capital mato-grossense, que não corresponde a um dos critérios para inclusão nos grupos. Para ser incluída, Cuiabá teria que abrigar uma população igual ou superior a 700 mil pessoas. De acordo com o Censo 2010, ela tem 551 mil. Já Campo Grande, com 787 mil, entrou no programa.

   Perguntado, por meio de sua assessoria, sobre o fato de Cuiabá e Várzea Grande comporem uma população superior a 700 mil, ele explicou que o critério para região metropolitana é acima de 3 milhões de habitantes. É o caso de Vitória, do Espírito Santo, que também ficou de fora e cuja região metropolitana, que inclui Vila Vela e outros, não alcança o número de habitantes previsto no grupo MOB 2. Além de Cuiabá e Vitória, ficaram de fora as seguintes capitais: Aracaju, Florianópolis, Rio Branco, Porto Velho, Macapá, Boa Vista e Palmas.

   O PAC Mobilidade Grandes Cidades vai beneficiar 24 municípios divididos nos seguintes grupos:

   MOB 1: Esse grupo é formado por Capitais de regiões metropolitanas com mais de três milhões de habitantes e corresponde a 31% da população brasileira. As nove cidades desse grupo são: Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Recife, Fortaleza, Salvador e Curitiba.

   MOB 2: inclui municípios com população entre um e três milhões de habitantes e corresponde a 4% da população do país. Nesse grupo estão seis cidades: Manaus, Belém, Goiânia, Guarulhos, Campinas, e São Luís.

   MOB 3: é voltado para cidades de 700 mil a um milhão de habitantes e também corresponde a 4% da população brasileira. Fazem parte, os seguintes municípios: Maceió, Teresina. Natal, Campo Grande, João Pessoa, São Gonçalo, Duque de Caxias, Nova Iguaçu e São Bernardo do Campo.

   O PAC Mobilidade Grandes Cidades vai financiar projetos das prefeituras elencadas que possam trazer melhor funcionamento do transporte urbano, entre os quais: corredores de ônibus exclusivos e de Veículos Leves sobre Pneus (VLP/BRT), e também sistemas sobre trilhos, como trens urbanos, metrôs e Veículos Leves sobre Trilhos (VLT). Também serão selecionados projetos para aquisição de equipamentos voltados para integração, controle e modernização dos sistemas.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Fridolino Leite | Segunda-Feira, 08 de Junho de 2015, 15h09
    4
    0

    Poxa eu não sabia que Cuiabá era menor que C. Grande uma cidade velha daquela e tem só 550 mil habitante. Obrigado pela informação

  • José da Rocha Filho | Quinta-Feira, 17 de Fevereiro de 2011, 09h07
    5
    0

    Ouvi uma emissora dizer que Cuiabá ficou fora por iniciativa pessoal da presidente Dilma. Essa emissora pertence àquele grupo que tomou conta de Mato Grosso durante o tucanato. Vamos deixar de mentiras, gente! Nem todo mundo é desinformado e vai engolindo tudo que vocês falam, escrevem ou mostram.

| 01/10/2016, 12h:04 - Atualizado: 04h atrás

Sociedade, respeito e responsabilidade

adriana vandoni artigo 400

Adriana Vandoni

Em um cenário nacional em que operações policiais desvendam e trazem à tona tantos casos de corrupção envolvendo políticos e empresários de alta influência, o Governo de Mato Grosso tem se tornado referência em medidas que buscam coibir a prática de crimes contra a administração pública.

Nosso trabalho em busca de inovações na administração através da mudança de cultura, do resgate dos valores de uma atuação ética em cada detalhe do dia-a-dia, vem sendo feito desde o primeiro dia de gestão. Enfrentamos obstáculos e, certamente, ainda vamos encontrar muitos. Mas temos, com determinação e perseverança, rompido velhos conceitos que ainda causam tantos prejuízos aos cidadãos. O resultado foi o reconhecimento nacional e internacional do pioneirismo do executivo mato-grossense em busca de transparência e integridade na administração.

O Portal Transparência do Governo de Mato Grosso vem sendo constantemente atualizado e uma remodelação total é aguardada. O governo de Mato Grosso já se tornou referência para outros órgãos que desejam melhorar seus próprios sistemas. Estamos em terceiro lugar no ranking do Ministério Público Federal que mede a transparência ativa dos Estados, com nota 9,8 em uma escala de 0 a 10.

Em menos de um ano de existência legal, o Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção já inseriu uma cláusula anticorrupção em todos os contratos do governo, lançou o Programa de Integridade Pública, e já iniciou a implementação dele na secretaria de Trabalho e Assistência Social, nosso projeto piloto. O Programa, que seria publicado em forma de decreto, por determinação do governador Pedro Taques, foi transformado em projeto de Lei e se encontra hoje para avaliação final da Procuradoria Geral do Estado.

O GTCC trabalha em parceria com organizações como FIEMT, sindicatos e organizações da sociedade civil. Com o Sebrae (local e nacional) e o Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União. O Gabinete lança, no próximo mês, o Programa “Ser Empresa”, que vai qualificar micro e pequenas empresas do Estado a implementar programas de integridade. Este modelo será levado pelo Sebrae Nacional a todas as unidades da federação.

Estamos firmando, ainda para este ano, parceria com a Organização Transparência Internacional, reconhecida pela sua pesquisa do índice de percepção da corrupção no mundo, que vem demonstrando interesse em acompanhar este trabalho inédito de compliance na administração pública.

A corrupção é um mal que corrói o tecido social, degenera o poder público, corrompe estruturas institucionais, compromete a qualidade dos serviços prestados à população e estrangula futuros. Um mal que desvia R$ 7 trilhões da economia mundial ao ano, segundo levantamento do Fundo Monetário Internacional, e R$ 200 bilhões da economia brasileira, de acordo com a ONU.

O Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção entende que, para criar um ambiente organizacional e negocial saudável, o foco do trabalho deve ser na mudança de cultura, na parceria com o setor privado e com a sociedade. E tem se empenhado cotidianamente nisso. A sociedade entende que a corrupção não é um problema de um governo ou de uma instituição, é problema de todos nós. Não oferecer, não aceitar e relatar quando toma conhecimento. Essa parceria é que precisamos com os cidadãos.

Este é um projeto inovador e audacioso, ansiado pela sociedade, e que só está saindo do campo das boas intenções por contar com o apoio da mais alta instância do poder executivo do estado de Mato Grosso. É um trabalho de longo prazo que, com determinação e persistência, alcançaremos êxito.

Estamos plantando uma semente, e para que dela floresça uma cultura de ética, precisamos que toda a sociedade a regue. Assim colheremos benefícios para todos - servidores e população - que não quer ver outra coisa, senão respeito e responsabilidade com o dinheiro público.

Adriana Vandoni é economista, especialista em Administração Pública pela FVG/RJ, e secretária estadual de Transparência e Combate à Corrupção de Mato Grosso - avandoni@gmail.com

Postar um novo comentário

indecisos | 01/10/2016, 09h:32 - Atualizado: 05h atrás

Votos nulo/branco não anulam eleição, diz presidente de comissão eleitoral da OAB


Assessoria

Lauro da Mata

Presidente interino da Comissão de Direito Eleitoral da OAB, Lauro da Mata, explica mito de voto nulo

A Justiça Eleitoral não convocará nova eleição ainda que mais da metade dos eleitores anulem, votem em branco ou se abstenham de votar, como muitos pensam. Trata-se de um mito. Segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT), o total de votos anulados não tem o poder de invalidar uma eleição, mesmo que esse número seja superior à metade do eleitorado. “Isso só acontece nas cidades onde há apenas um candidato para aquele cargo e este não atingir 50% dos votos mais 1, mas isso dificilmente acontece”, analisa o presidente em exercício da Comissão de Direito Eleitoral da OAB, Lauro da Mata, em entrevista ao .

O esclarecimento do TRE se deve às frequentes correntes transmitidas pela internet nos anos eleitorais, orientando os eleitores a tais práticas como forma de protesto. Para o especialista, isso é “um protesto sem causa”. “Porque esse processo de abstenção não trará consequências, será sem causa porque não altera o resultado da eleição, não vejo razão. Acredito que não tem alternativa, no Estado Democrático de Direito, que não seja pelo voto”, pondera o presidente da Comissão.

De acordo com o TRE, a apuração e totalização da eleição é feita sobre os votos válidos, seja aqueles direcionados a candidatos ou os chamados votos de legenda. Neste sentido, está claro no artigo 77, parágrafo 2º da Constituição Federal, que será eleito o candidato que obtiver a maioria dos votos válidos, excluídos os brancos e os nulos.

Os votos nulos, assim como os votos brancos, não são computados como votos válidos. Dessa forma, a eleição somente poderá ser anulada caso mais de 50% dos votos, nas eleições majoritárias, forem anulados judicialmente. Por exemplo, se o candidato vencedor obteve mais de 50% dos votos e foi cassado por crime eleitoral, a Justiça Eleitoral terá que realizar nova eleição no prazo de 20 a 40 dias e o candidato que deu causa ao fato não poderá concorrer novamente.

Nesta linha, o TRE explica que o voto branco não é direcionado para o candidato que está na frente, pois houve uma alteração na legislação. Contudo, para o órgão, votar branco ou nulo só favorece os candidatos que o eleitor não quer eleger. Isso porque, descartados os votos nulos e brancos, esse candidato precisará de um número menor de votos válidos para atingir o quociente eleitoral.

"O único resultado do voto nulo é deixar que os outros decidam por você. Porque se você se recusa a escolher um candidato, vai prevalecer a escolha dos outros, seja ela consciente ou não. Esse não é o caminho”, orienta a presidente do TRE, desembargadora Maria Helena Póvoas.

Diante disso, a desembargadora chama os eleitores para participar efetivamente do processo de eleição, conhecer a vida pregressa dos candidatos e suas plataformas de governo, analisar se aquele candidato tem o perfil para o cargo que pleiteia, bem como se ele reúne habilidades para desempenhar bem aquele cargo. “E depois dessa análise, votar de forma consciente", pontua.

Neste sentido, Lauro da Mata entende que o eleitor tem como aproveitar melhor o voto “escolhendo bem”. “Tem muita gente que tem história de participação social, de luta, há muitos que não se envolvem com falcatruas, malfeitos. É preciso analisar a atuação dos que buscam a reeleição e dos novos candidatos, o grupo político deles”, aponta.

Em contrapartida ao que disse anteriormente, o presidente da Comissão avalia que eleitor que opta por anular ou votar em branco não está totalmente sem razão. “Há certa razão. Por conta desse caos político, fica cansativo. Todo dia vemos noticias ruins, prisões, fraudes. Isso gera um desânimo, uma crença que a cada dia está pior. Mas não se deve atribuir isso apenas aos políticos, existem os corruptores e corrompidos”, contrapõe.

Postar um novo comentário

| 01/10/2016, 07h:54 - Atualizado: 08h atrás

Eleições: o que pode?

akio materia estreia colunista

Akio Maluf Sasaki

Apesar de ocorrer a cada dois anos, ainda existem muitas pessoas que se perguntam o que pode e o que não pode no dia da festa da democracia. Ainda que encerradas as campanhas no dia do pleito, é melhor ter cautela para não ter problemas com a Justiça Eleitoral.

O primeiro cuidado a se ter é de não realizar propaganda para aquele candidato a vereador “amigo ou parente” dentro do seu colégio eleitoral, pois você poderá ser preso por realizar boca de urna. Detalhe, a pena prevista nessa hipótese é de seis meses a um ano de prisão e pagamento de multa.

Apesar da boca de urna ser crime, você ainda poderá usar broches, bonés, camisetas ou adesivos em veículos. Observando bem estas regras, não haverá problemas na hora de votar.

Segundo, lembra daquele vereador que prometeu transportar todos para votar? Arrumou carros para todos? Isso é ilegal e pode resultar em penas de quatro a seis anos de prisão e multa.

Terceiro e o mais famoso de todos, o aliciamento do eleitor, vulgo “compra de votos”. Este é, com certeza, o mais sério de todos os crimes, haja vista ter como previsão até quatro anos de prisão, multa, cassação do registro e do diploma se já houver sido expedido.

Posto isso, vale a pena ressaltar que ainda existem crimes como “propaganda eleitoral irregular, inscrição fraudulenta de eleitores e uso de máquina administrativa”, sendo estes delitos não tão comuns e praticados por pessoas de má fé.

O que fazer quando vislumbrar algumas destas situações?

Você pode denunciar aos coordenadores nos colégios eleitorais, ao presidente da sua sessão de votação, ao Ministério Público e até mesmo à Polícia Federal.

Existe algum contato mais direto?

Sim, existe hoje um aplicativo chamado de Pardal, desenvolvido pelo TSE, que cuida de apurar as denúncias realizadas pelos cidadãos durante todo o período eleitoral.

Destarte, não se esqueça do número do seu candidato e de guardar o santinho para lembrar em quem votou. Cuidado para acidentalmente não realizar uma boca de urna, pode até parecer simples, mas sempre poderá ter alguém com o Pardal instalado. 

Ps.: vale ressaltar que é importante torcer para que as escolhas feitas através do sufrágio universal sejam sem compra de votos, sem boca de urna e o mais transparentes possíveis.

Akio Maluf Sasaki é acadêmico de Direito da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), preside a comissão dos Estagiários da OAB/MT, atua em cooperação internacional do turismo e escreve neste Blog todo sábado - akio@pontodeapoioturismo.com.br

Postar um novo comentário

| 01/10/2016, 07h:45 - Atualizado: 04h atrás

Presidente do TRE é contra cota de gênero e não acha “coitadinho” quem vende voto


Gilberto Leite

Maria Helena Póvoas

Presidente do TRE, Maria Helena Póvoas diz que denúncia à Justiça e ao MP independe de eleição

Para a desembargadora Maria Helena Póvoas, presidente do Tribunal Regional Eleitoral, o eleitor que vende seu voto não pode ser tratado como vítima, pois quem age dessa forma está consciente da ilegalidade da prática. “Eleitor é coitadinho coisa nenhuma, ele vende o voto conscientemente”, avaliou em visita a sede do .

Neste contexto, a desembargadora apontou que há candidatos que “querem posar de bonzinho”, “satanizam” os adversários e aproveitam para vitimizar o eleitor que vende seu voto. Ainda na seara das críticas, Maria Helena observa que o posto de presidente de bairro tem sido usado erroneamente em prol da eleição.

“Esse negócio de presidente de bairro está virando profissão, né?! Presidente de bairro é igual a cabo eleitoral. Eu fui visitar uma pessoa no hospital e lá eu vi um papel, no qual um presidente de bairro fazia uma proposta de trabalho para que aquela pessoa ajudasse a divulgar alguém. No total, eram R$ 87 mil, fora os honorários do presidente”, comenta.

Em relação a esses casos de irregularidade ou práticas ilícitas, a presidente do TRE ressalta que a população pode apresentar denúncia à Justiça Eleitoral e ao Ministério Público independente da eleição. “Às vezes a sociedade tem a falsa ideia de que se ela não denunciar até o dia da eleição não haverá implicações, mas isso irá acontecer se a denúncia tiver procedência”, assegura.

Mulheres laranjas

A desembargadora se diz contra o modelo atual, que impõe o percentual mínimo de 30% de mulheres nas coligações. Ela explica que, mesmo que as candidatas não recebam nenhum voto, precisa prestar contas ao TRE dos eventuais gastos com a campanha. “Mesmo que ela tenha emprestado o nome para que o partido possa preencher a cota de gênero, ela tem que prestar conta senão não tira passaporte ou se passar num concurso não poderá assumir. Já tivemos, esse ano, inúmeros casos assim”, alerta.

Para Maria Helena, o correto seria que os partidos fossem co-responsáveis na prestação de contas. “Do jeito que está, eu sou contra porque acho que elas estão sendo usadas. De que forma eu acho que poderia ser? O partido ser co-responsável na prestação de contas. Se não fizer, não recebe a cota partidária”, pondera.

Denúncias podem fazer o candidato ganhar e não levar, alerta presidente

Postar um novo comentário

duelo no 2º turno | 30/09/2016, 19h:50 - Atualizado: 23min atrás

Ibope dá empate técnico entre Emanuel com 35% e Wilson 28% dos votos válidos


Reprodução

ibope votos válidos

Com margem de erro de 4%, Emanuel e Wilson ficam tecnicamente empatados a dois dias da eleição

Nova rodada da pesquisa Ibope divulgada nesta sexta (30), aponta que a dois dias da eleição para a Prefeitura de Cuiabá, o desempenho dos principais candidatos apresentou alterações mas a eleição deve, mesmo, ser decidida em segundo turno na Capital. A diferença é que, pela primeira vez, Emanuel Pinheiro (PMDB) assume a liderança com 35% das intenções de voto e Wilson Santos (PSDB) fica na segunda posição, com 28%.

Com a margem de erro de 4% para mais ou para menos, Emanuel e Wilson ficam tecnicamente empatados. O peemedebista teria entre 31% e 39% dos votos, enquanto o tucano ficaria com 24% a 32% da preferência do eleitor.

Terceiro colocado, o Procurador Mauro (Psol) teria 24% dos votos e, na margem de erro, variando entre 20% e 29%, também estaria tecnicamente empatado com Wilson.

Essa é a terceira e última pesquisa Ibope nesta eleição e os resultados consideram somente os votos válidos, sem brancos e nulos, que é a maneira que a justiça eleitoral contabiliza a votação.

Evolução

Nas pesquisas anteriores, divulgadas nos dias 2 e 16 deste mês, o Procurador Mauro (Psol) estava na liderança com 31% e 34% dos votos, respectivamente. Já em segunda colocação, nas duas avaliações aparecia Emanuel com 28%, na primeira, com avanço para 32% na segunda. O terceiro colocado era Wilson que, nas duas projeções anteriores registrava 24%.

Julier Sebastião (PDT) teria 9% dos votos válidos na terceira rodada da pesquisa Ibope após registrar 8% nas duas avaliações anteriores. Na margem de erro, ficaria entre 5% e 13%.

Renato Santtana (Rede) alcançou 2%, voltando ao patamar do primeiro levantamento após ter gerado traço (sem pontuação) na avaliação anterior. Na margem de erro, Renato teria de zero a 6% dos votos válidos. O mesmo desempenho de 2% teve Serys Slhessarenko (PRB), após ter conquistado 7% no início do mês e cair para 2% na segunda avaliação do Ibope.

A pesquisa encomendada pela TV Centro América está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) sob o número MT-07012/2016 e foi realizada entre 27 e 29 de setembro. Foram entrevistados 602 eleitores. A margem de erro é de quatro pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de dois pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

Segundo turno

No segundo turno, o Ibope faz projeções entre os três candidatos que obtiveram desempenho mais expressivo. No cenário entre Emanuel e Wilson, o peemedebista teria 52% e o tucano 30%. A vantagem de Emanuel seria um pouco menor na disputa com o Procurador Mauro cuja votação ficaria em 48% para o primeiro e 35% para o segundo.

No cenário entre Procurador Mauro e Wilson, o Procurador seria eleito com 46% dos votos e Wilson teria 34%.

Postar um novo comentário

Comentários (18)

  • Marcelo Dias | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 09h37
    1
    1

    Emanuel Pinheiro no primeiro turno.

  • Silvia Fontenele | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 09h34
    0
    0

    Conforme relatório da Controladoria-Geral da União juntado ao processo do Rodoanel, ?[...] o dano ao erário apurado foi de R$10.647.108,96, cujo valor atualizado até 20/08/2014 é de R$20.682.773,35, sendo que R$10.140.703,75 sob a responsabilidade integral do Senhor Wilson Pereira dos Santos, ex-prefeito do Município de Cuiabá, atualizado até a data de 20/08/2014 no montante de R$19.616.329,08?.

  • Danilo Fontes | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 09h32
    1
    0

    A ação do Rodoanel, por ato de improbidade administrativa, é de autoria do Ministério Público Federal e diz respeito a ressarcimento de dinheiro público gasto nas obras de implantação do Rodoanel de Cuiabá, paralisadas em 2009. O deputado já havia sofrido um bloqueio, em conseqüência do processo, no montante de R$ 22,9 milhões.

  • Ilson Campos | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 09h30
    1
    0

    O juiz federal Raphael Cazelli de Almeida Carvalho recebeu ação em face do deputado estadual e candidato à prefeitura de Cuiabá, Wilson Santos (PSDB), por fraude à licitação e pagamento indevidos na construção do Rodoanel, em Cuiabá. Esse é candidato da moralidade.

  • Carlos Nunes | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 09h12
    2
    0

    Enquanto os eleitores de Cuiabá está prestes a carregar o voto nos candidatos do PMDB e do PSDB...o tio Temer (PMDB), com exigência do PSBD, sim PSDB exige isso; estão prestes a fazer inúmeras reformas, começando com a da Previdência, onde da noite para o dia, inúmeros direitos adquiridos com muita luta vão desaparecer, sumir do mapa. Vão até dizer que isso é para salvar o Brasil. Arregaçaram a Economia Brasileira, causaram o desemprego de 12 milhões de trabalhadores, e quem vai pagar o pato, digo a conta, será o povo brasileiro mesmo. É isso que se chama a corda arrebentar sempre o do lado mais fraco. Como nós somos fracos, se temos o VOTO na mão. É só dar o TROCO, e tirar dessa turma toda o que eles mais gostam: O PODER. Por que torna-los prefeito se a gente já sabe que, depois da eleição vai aí as MEDIDAS IMPOPULARES do tio Temer (PMDB). Quem vai ser mais prejudicadas serão as Mulheres, que aposentavam com 60 anos, e agora vão aposentar só com 65 anos. Eles acham que a Mulher trabalha pouco, não é mãe, e serve para encher o caixa do governo. Antigamente a Mulher não tinha nem o direito de votar, quando conseguiram algumas conquistas sociais, aparecem PMDB e PSDB para tirar. Vote!

  • Abidala | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 07h06
    0
    0

    só que não Edésio

  • diego | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 06h54
    0
    0

    enquanto o poder econômico não estava presente o procurador Mauro liderava, agora despencou. aí o povo reclama..................

  • Paulinho | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 06h40
    0
    0

    É isso mesmo, o ibope está dizendo que o procurador Mauro PSOL perdeu 10 pontos percentuais em menos de 10 dias...aí aí tempos novos e velhas práticas...tenho fé que votando no Mauro o povo cuiabano estará dizendo para os políticos profissionais....basta ..a hora é agora.

  • Davi | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 06h22
    1
    0

    O PSOL é um refúgio dos petistas após a conflagração da Operação Lava Jato. Tem um discurso anti-corrupção, mas é subserviente ao PT e seus interesses, portanto, está intimamente ligado à situação caótica que vivenciamos no campo econômico, social e principalmente moral, pois sua ideologia ataca instituições como a família, as forças armadas e apoiam o aborto e o ativismo LGBT, com uso inclusive da educação fundamental para alcançar seus interesses. Entretanto, tendo em vista a má gestão Taques e a vida pregressa de Wilson Santos votarei em Emanuel Pinheiro. O pastor está coberto de razão e não é por acaso que o Procurador evita esses temas.

  • Rodrigo Maia | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 06h14
    1
    0

    Tenho uma dica para o marqueteiro, se o Wilson devolver os 20 milhões do Rodoanel e convencer o seu correligionário Permínio Pinto, indicado por WS pra SEDUC a devolver os 50 milhões desviados em licitações a rejeição de Wilson Santos dimuniu bastante. Tome nota.

Reação | 30/09/2016, 16h:09 - Atualizado: 30/09/2016, 17h:39

Botelho aposta que Wilson vai para o 2º turno e que Mauro entra na campanha


Gilberto Leite/Rdnews

Eduardo botelho_gilberto leite (1).JPG

Deputado Botelho é otimista quanto à ida de Wilson ao 2º turno e à adesão de Mauro à  campanha

O presidente eleito da Assembleia Eduardo Botelho, uma das principais lideranças do PSB no Estado, acredita que Wilson Santos (PSDB), candidato à Prefeitura de Cuiabá, vai para o 2º turno e ainda chegará em 1° lugar.

Segundo Botelho, pesquisas internas apontam que o tucano vem crescendo nas intenções de voto, enquanto os adversários – Emanuel Pinheiro (PMDB), Procurador Mauro (Psol), Serys Slhessarenko (PRB), Julier Sebastião (PDT) e Renato Santtana (Rede) - estão caindo gradativamente.  

Sobre uma possível participação ativa do prefeito Mauro Mendes (PSB) na campanha de Wilson, em um eventual segundo turno, o deputado também se mostra otimista. “Acredito que ele (Mauro) venha no 2º turno. Mauro é um homem de partido, de palavra. Tenho 99% de certeza que ele vem para o segundo turno”, pondera.

Durante a campanha, Mauro apareceu em pequenos trechos do programa eleitoral de Wilson, mas nunca ao lado dele. E, recentemente, uma mensagem de Mauro - encaminhada a um grupo de WhatsApp do PSB  - apontava que o prefeito não apoiaria a candidatura do tucano. 

“Solicito a todos, que ao exercerem seu livre direito de fazer política e campanha, não utilizem meu nome sem minha expressa autorização. Quem o fizer será desmentido publicamente”, diz trecho extraído da mensagem de Mauro  no aplicativo. 

Mauro desautoriza aliados do PSB e avisa que não apoiará Wilson Santos

2º turno

Em eventual 2º turno sem o tucano no páreo, Botelho faz mistério sobre o apoio da sigla. “ Nós vamos decidir isso na segunda, mas acredito que Wilson vai para o 2º turno e na vitória dele”, finaliza. 

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Antonio Benedito de Assunção | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 17h19
    11
    1

    Botelho, acho que você esqueceu de combinar com quem vota. o Wilson está fora das possibilidades de ser prefeito.

  • Roberto Maia | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 16h50
    11
    1

    Tenho uma dica para o marqueteiro, se o Wilson devolver os 20 milhões do Rodoanel e convencer o seu correligionário Permínio Pinto, indicado por WS pra SEDUC a devolver os 50 milhões desviados em licitações a rejeição de Wilson Santos dimuniu bastante. Tome nota.

  • JEFERSON MATOS | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 16h35
    9
    1

    Nunca, WS pode esquecer essa eleição porque tua campanha teu "tutor" acabou de enterrar com o atraso salarial do servidor público. Não votem em político carreirista, diga não a políticos profissionais...

Rondonópolis | 30/09/2016, 11h:09 - Atualizado: 30/09/2016, 11h:15

Sachetti diz que eleição está indefinida e pede cautela com “discurso fácil” de Pátio


Davi Valle/Rdnews

deputado federal Adilton Sachetti

Deputado federal Adilton Sachetti diz que eleitor deve encarar eleição  sem dar ouvidos às promessas 

Contabilizado entre as principais lideranças políticas de Rondonópolis, o deputado federal e ex-prefeito Adilton Sachetti (PSB) avalia que, apesar das pesquisas de intenção de voto recém-divulgadas indicarem vantagem do candidato a prefeito Zé Carlos do Pátio  (Solidariedade), o resultado da eleição ainda está indefinido.

“O grande número de indecisos mostra que a eleição está em aberto e pode mudar. Não tenho nada contra Zé do Pátio, mas peço aos eleitores que avaliem o período em que ele  esteve na prefeitura. Será que o discurso fácil, que busca agradar a todos, é o melhor para a cidade?”, questionou o socialista em entrevista ao .

A declaração de Sachetti se refere à gestão de Pátio, que foi eleito em 2008, mas acabou sendo cassado pela Justiça Eleitoral. À época, Pátio - que havia derrotado Sachetti - deixou o mandato bastante desgastado. Era apontado como centralizador. Posteriormente, Pátio reverteu a condenação, entretanto, o mandato já havia encerrado.

Sachetti, por sua vez, chegou a ser cotado para disputar as eleições deste ano. Era tido como um candidato forte, mas problemas familiares fizeram com que recuasse. O ex-gestor, então, passou a ser um dos principais articuladores da candidatura do tucano Rogério Salles - que é vice-prefeito de Rondonópolis, mas rachou com Percival Muniz (PPS). 

Em tom ameno, e sem atacar Percival ou Pátio, Sachetti pondera que os eleitores devem encarar a eleição com máxima seriedade sem dar ouvidos para candidatos com promessas ou vitimismo de quem se considera perseguido. Embora não cite nomes, as afirmações são críticas veladas a Pátio, que tem perfil populista e explora o fato de ter sido cassado e, depois,m revertido a condenação na Justiça eleitoral.

 “A eleição não é como jogo de futebol que cada um torce para um time, independente da situação que se encontra. Quem ganhar vai gerir a cidade por quatro anos”, completou. 

Entusiasta da candidatura de Rogério Salles, Sachetti afirma que o tucano está mais preparado que Zé do Pátio e que o próprio prefeito Percival para administrar Rondonópolis. Afirma que a capacidade gerencial do candidato já foi comprovada pela população. “Rogério Salles tem gestão, princípios e valores e vai trabalhar por resultados melhores para todos. Não é do acordo político, nem de tapinha nas costas. Ao contrário de Pátio e Percival, não cria expectativas que não podem ser cumpridas”, pontuou Sachetti. 

Apesar de defender a candidatura de Rogério, Sachetti ressalta que cada eleitor tem liberdade para votar conforme a própria consciência e que o resultado das urnas precisa ser respeitado. “Não vou contra a vontade popular. Tenho mais afinidade com Rogério Salles, mas não deixarei de atender Pátio ou Percival na Câmara dos  Deputados caso um deles seja eleito. A eleição passa, mas a cidade fica”, concluiu.

Postar um novo comentário

Comentários (9)

  • joaoderondonopolis | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 17h58
    0
    0

    Parabéns deputado Adilton Sachetti, por ter feito de tudo para candidatura de Rogério Salles a prefeito de Rondonópolis, acredito que com a candidatura de Rogério, quem está no poder mamando juntamente com seus cumpinchas deixará de existir a partir de 01/01/2017. Mais uma vez, parabéns Sachetti, um dia vou entender de política como entende Vossa Excelência.

  • Bruno Muller | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 17h43
    0
    0

    Taques prejudicou a campanha de Salles e principalmente a do Percival Muniz. Em razão da rejeição de Taques as pessoas deixaram de votar em Salles, mas o Paulo Taques ajudou na captação de recursos pra sua campanha; no caso do Percival a rejeição de Taques lhe atingiu, entretanto, não teve a ajuda no financiamento de campanha. Ficou só com o ônus. Mas não se iludam porque esse dinheiro de campanha será cobrado de nós mesmos.

  • MARIA DA CONCEIÇÃO MARTINS CAMPOS- RONDO | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 16h20
    0
    0

    Ariosvaldez, você está com medo de perder a boquinha de fantasma ? Fica tranquilo, pois o futuro Prefeito Rogério Sales não é vingativo, vai mante-lo, mas você não pode ficar babando ovo dele, pois ele não gosta. Só tem um detalhe : você vai ter que trabalhar, e muito; vai acabar a mamata de "ganhar dinheiro na sombra", você vai ter que trabalhar. O Rogério vai fazer um governo semelhante ao do Adilton Sachetti , excelente.

  • Carlos | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 15h45
    1
    0

    O Adilton esta certíssimo, a eleição não está definida, Rogério Salles leva essa, já ultrapassou o dinossauro Percival, esta encostado no Zé do Pátio e creio que até domingo o quadro será revertido. É Rogério 45 por uma Rondonópolis mais justa e pujante.

  • Ariosvaldez R. de Lima | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 15h44
    0
    1

    Vou plagiar: Esse é o cara que é responsável por ter rachado o grupo em Rondonópolis. Por vaidade, ciúmes ou inveja do atual prefeito, hoje corremos o risco de ter a cidade nas mãos de um louco de novo. Foi querer prejudicar o Percival, e está prejudicando uma cidade toda pra depois voltar como salvador da pátria. Irresponsável.

  • Miguel | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 14h27
    1
    4

    Esse é vaidoso hein, não fosse ele o Rogerio e o Percival ganhariam numa chapa unica com o dobro de votos do Zé do Patio

  • Pereira | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 12h20
    5
    2

    Esse é o cara que é responsável por ter rachado o grupo em Rondonópolis. Por vaidade, ciúmes ou inveja do atual prefeito, hoje corremos o risco de ter a cidade nas mãos de um louco de novo. Foi querer prejudicar o Percival, e está prejudicando uma cidade toda pra depois voltar como salvador da pátria. Irresponsável.

  • Bruno Muller | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 11h18
    5
    0

    Taques prejudicou a campanha de Salles e principalmente a do Percival Muniz. Em razão da rejeição de Taques as pessoas deixaram de votar em Salles, mas o Paulo Taques ajudou na captação de recursos pra sua campanha; no caso do Percival a rejeição de Taques lhe atingiu, entretanto, não teve a ajuda no financiamento de campanha. Ficou só com o ônus.

  • Roberto Maia | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 11h13
    7
    1

    O problema é o apoio de Taques, é como uma grande âncora puxando para baixo.

Psol | 30/09/2016, 09h:30 - Atualizado: 30/09/2016, 16h:19

Coordenador do procurador Mauro crê em vitória no 1º turno e que debate colabora


Reprodução

coordenadores de campanha  (2).jpeg

Procurador Mauro orientado por Caique Loureiro, seu marqueteiro, e Wilson Santos por Kleber Lima

O coordenador da campanha do candidato a prefeito de Cuiabá procurador Mauro (Psol), Wilson Barros, acredita na possibilidade alcançar 51% da preferência do eleitorado para vencer as eleições ainda no primeiro turno. A estratégia para os últimos dois dias da campanha foi elaborada pela equipe na quarta (28).

O coordenador, que é irmão do procurador Mauro, acredita que o debate dessa quinta (29) foi positivo para o candidato, pois conseguiu apresentar bem as propostas. "Mesmo tendo sido tarde da noite, a TV Centro América tem uma audiência boa e deu para atingir os eleitores e apresentar propostas". Dessa forma, o cenário ficaria ainda mais concreto para o procurador ganhar no primeiro turno, conforme Wilson. 

O marqueteiro aponta que hoje (30) e amanhã, o procurador Mauro pretende intensificar o corpo a corpo com os eleitores. Ele afirma que a recepção dos cuiabanos tem feito o Psol acreditar na possibilidade de vencer.

“São muitas declarações de votos, mais do que em 2014, quando o procurador Mauro teve votação consagradora para deputado federal em Cuiabá”, completou.

 De acordo com Wilson Barros, o Comitê da Maldade não está afetando a candidatura do procurador Mauro. Avalia que os ataques dos adversários são reflexo do desespero diante da possibilidade do Psol vencer ainda no primeiro turno.

O irmão de Mauro diz ainda que o vídeo do pastor Silas Malafaia acusando o procurador Mauro de apoiar o aborto, a legalização das drogas, o casamento gay e a ideologia de gênero não reduziu o apoio popular à candidatura.

“Da mesma forma que os ataques do Marcos Magno, que foi para Rede e causou tumulto por lá também, não estão nos afetando”, concluiu.

Reprodução

coordenadores de campanha  (1).jpeg

Candidatos durante intervalo do debate com coordenadores de campanha. Julier Sebastião com Cristiane Fonseca, Emanuel  com Antero Paes de Barros e Serys Slhessarenko com Junior Brasa

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Jose | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 00h16
    0
    0

    kkkkkkkkkkkkkk... Esse cidadão saiu de onde? Só entende de festa, não sabe nada de eleição. Agora, o irmão é marqueteiro, o outro é secretário do partido, ou seja, a família dele vai tomar conta da prefeitura se eleito?

  • Katia S Silva | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 16h30
    5
    11

    Olá, pessoal, passei aqui para pedir que não me inclua entre os eleitores de Emanuel ou Procurador Mauro, já decidi com base em minha consciência e experiência que o melhor para Cuiabá, na minha opinião, é WILSON 45. Sem mais, boa tarde.

  • Lustosa | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 16h25
    4
    5

    Alexandre, você caiu da rede e bateu a cabeça? Nem Deus há de detchá esse procurador ganhar. Não tem traquejo político, a única coisa que sabe (e mal) é cantar essas bos tas sertanejas. Precisamos de gente que entende do riscado. Cuiabá irá comemorar o seu tri centenário de fundação. Há muita coisa a ser feita. E os menos piores são Wilson (Deus me perdoe a má palavra) e Emanuel, o do chapéu.

  • alexandre | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 14h20
    7
    11

    não gosto do PT nem PSOL, mas devemos votar no novo procurador Mauro, o único ficha limpa, o Procurador deve sair do PSOL em breve, pois o partido aqui afunda ele por ciumes...

  • Ademir | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 11h08
    2
    9

    Aposto tudo contigo, tudo, que nem para segundo turno irão, quer apostar!!! Aqui PT e apoiadores de péssimas gestões e corrupção não se fazem, não conseguem nunca se eleger, aqui não é terra de malandro e sim de muitos honestos e trabalhadores, fora PSOL, PT e outros que adoram mamata do dinheiro e cargo públicos!!!

| 30/09/2016, 07h:28 - Atualizado: 30/09/2016, 07h:40

Vaza, Taques!

ceara artigo sexta 400 padrao

Antonio Cavalcante

Eu confesso a vocês que tenho pela democracia o respeito que se deve ter a uma criança impúbere, que merece toda a atenção e carinho, sob pena de não prosperar e ter uma fase adulta problemática. Uma analogia simples, mas que evidencia que a nossa jovem democracia é algo em movimento, e que devemos todos dedicarmos nossos esforços para que ela seja melhorada e aperfeiçoada dia a dia. Creio que a democracia seja o mais comum dos bens comuns, duramente conquistado pela humanidade.

Num momento como esse, quando a bandeira das privatizações do “Deus Mercado” se apropria de tudo, não apenas da máquina do Estado, do suor e sangue dos trabalhadores, mas até mesmo da democracia, a gente fica se perguntando: o que adiantou tantas lutas pela vida, pela liberdade, pela justiça, pelo bem comum? De que valeram tantos sacrifícios, se o que vem triunfando até agora são os interesses do “Deus” Dinheiro”, com suas Bolsas de Valores, seus Paraísos Fiscais e suas mídias mercenárias e golpistas? Bendito seja quem nesses momentos de desânimo cultivar a esperança e prosseguir lutando.

É por essa razão que, mesmo após o golpe branco das elites sanguessugas do Brasil, contrariadas nos seus mesquinhos interesses econômicos pelo projeto político da presidenta Dilma, (que seria o de servir aos interesses coletivos, promover o bem comum), que ainda insisto em votar, desde que os partidos apresentem propostas e candidatos que eu possa confiar. Nesta eleição municipal, sinto a inadiável necessidade de uma renovação geral, de não se reeleger ninguém, muito menos ainda votar nos candidatos dos partidos golpistas.

E vou dizer mais: tive enormes decepções com o voto que dediquei na eleição de 2014, porque uma coisa é você depositar a confiança em alguém que representa os valores tradicionais da política. Outra bem diferente é apostar em quem se apresenta como “o novo” e promete dar um trato diferente à gestão pública e à democracia, mas eleito, faz exatamente o contrário.

Quando aquelas promessas de campanha do atual governador foram rompidas, senti que fui roubado duplamente: no voto dado por confiança, e na minha esperança de um país melhor, de uma cidade mais acolhedora, de um Estado para o povo! Com isso, é natural que qualquer cidadão passe a ter medo de votar de novo. Ter a Esperança roubada como num assalto, me parece um crime tão grave quanto o de lesa-pátria, pois destrói o sonho das pessoas, nocauteando violentamente as suas crenças de cidadania, e isso, não pode ficar impune.

Digo isso porque o senhor José Pedro Taques foi para mim a maior decepção política que vivi nesses longos 60 anos de vida, dos quais, mais de quarenta envolvido nas lutas dos movimentos sociais, tendo nesse período, passado por diversas experiências, entre elas a da violência que nos foi imposta pelo golpe civil militar de 1964.

A gestão de Pedro Taques também é violenta!

O senhor Taques veio para o governo estadual depois de abandonar um mandato no Senado, e isso já não era um bom sinal, pois se revelava como mais um político carreirista, do tipo que mal acaba uma eleição e já pensa na próxima, e em nada se diferencia das “velhas raposas” que já estávamos cansados de tolerar. Se esqueceu bem rápido de que a eleição gera um mandato sagrado, o povo dá o poder, e concede essa graça mediante uma esperança que não pode ser quebrada (muito menos por golpes).

De cara instala no governo um grupo de secretários que atendem aos interesses dos ricos e rompem o “contrato” com o eleitor, de fazer uma gestão voltada para os vulneráveis, inclusive os municípios menores. Isso nos primeiros dias de 2015. Se recusa a taxar a riqueza de grandes latifundiários e multinacionais do agronegócio, comprometendo assim, a saúde financeira daquela maioria absoluta dos municípios de Mato Grosso e das justas reivindicações dos servidores públicos, refletindo negativamente na saúde, na educação, enfim, na qualidade de vida da população.

Quando o governo rompe com o compromisso de pagar o reajuste anual aos servidores, que se referem às perdas inflacionárias do último ano, um hábito que ocorria desde sempre, põe em cheque a vida e bem-estar da família de mais de 100 mil servidores estaduais. E isso tem reflexo inclusive no comércio local, que é destinatário dos gastos dessas pessoas, afinal, servidor público não tem contas correntes em paraísos fiscais e nem investe seus ganhos no estrangeiro.

Pensei que não havia mais notícia ruim do Governo Taques.

Mas começam a aparecer os escândalos de corrupção, que se sucedem em alta velocidade, há gente de enorme confiança do governo, que ocupou cargos relevantes na captação de recursos para a campanha eleitoral, e depois nomeado na gestão pública, que está vendo o “sol nascer quadrado”. E as notícias é de que coisas piores virão à tona, inclusive quando se desvelar quem (e de que modo) pagou a “festa da posse”.

Dá a impressão que o governo ético já deixou de existir.

Até já ouvi um zum-zum-zum de que os recursos financeiros para funcionar o Poder Judiciário e o Ministério Público também começam a atrasar, mas isso significa que as investigações e os processos contra a corrupção poderão ser afetadas? O futuro responderá.

Fato é que neste mês de setembro de 2016 os servidores públicos recebem mais uma notícia ruim, decorrente do déficit de competência desse governo: os salários vão atrasar. Primeiro para uns, depois para outros, e o futuro não é nada promissor.

O governo comete “pedaladas” fiscais quando atrasa recursos constitucionais para outros Poderes; quando atrasa salário de servidores; quando “cria” um programa para ajudar seus amigos nas eleições. É o caso da “Caravana da Transformação”, que fez campanha eleitoral aos candidatos do médio norte e do nortão do Estado. A tal “Caravana” não é um programa de governo que conste da LDO e nem da Lei Orçamentária. Se buscarmos a origem, notamos que é um gasto absurdo, feito apenas para alavancar candidaturas, isso porque funciona em período vedado pela ceguíssima Justiça Eleitoral.

A “cereja do bolo” foi o pagamento de quase meio milhão de reais feito ao candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, senhor João Doria (também conhecido como João Dólar). Não se sabe que tipo de serviço ele prestou ao Estado de Mato Grosso para ter o direito de receber uma quantia milionária, justo quando temos tantas carências.

Há motivos de sobra para o impeachment do governador, pois cometeu crime de responsabilidade mais de uma vez. Não foi ele o primeiro governador que orgulhosamente “peregrinava” pelo país a fora defendendo um golpe contra a democracia apelidado de “impeachment”? Para ele, Dilma que não cometeu nenhum crime de responsabilidade nem sequer foi citada nas investigações de corrupção ou nas delações premiadas, teria que ser cassada de qualquer jeito, se não fosse pelas “pedaladas” teria que ser pelo “conjunto da obra”. E para concluir, enriquecendo ainda mais as obras e o legado do  senhor José Pedro Taques, ele deve enfrentar mais uma greve geral, senão várias, decorrente da sua arrogância e incompetência.

E a palavra de ordem será “Vaza, Taques”!

Antonio Cavalcante Filho, cidadão, escreve às sextas feiras neste Blog. E-mail: antoniocavalcantefilho@outlook.com

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • Ruth | Sábado, 01 de Outubro de 2016, 08h57
    2
    0

    O que não se sabe é que muitos conspiraram contra o governo da Dilma. Não digo que tenha sido um bom governo, ou que a Dilma tenha sido competente para governar o país, apenas digo que existem forças ocultas aos nossos olhos, porém visível à percepção dos mais instruídos, que lutam para dominar o país e nos controlar em benefício dos grandes empresários. O sr. Pedro Taques nos decepciona quando deixa de cumprir as leis alegando não ter dinheiro em caixa. Nunca vi governador mais "chorão" que esse, que joga a culpa apenas na gestão passada. Estamos precisando de solução governador...ao que parece, o que mais interessa ao sr. é se perpetuar no poder a qualquer custo. Pena que ao eleitor/cidadão desavisado o sr. possa parecer o salvador do Estado, digo uma coisa, e apenas uma: grandes decepções virão com a sua turma no poder.

  • Jorge | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 16h46
    1
    0

    Jorge, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • AMA | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 14h30
    6
    1

    Um erro não justifica outro, e acho que a população não pode defender os erros do Pedro Taques só por raiva da Dilma, será que por ter defendido o impedimento da Dilma o governador pode cometer desmandos pelo estado afora, afrontando os próprios poderes, principalmente a Justiça Eleitoral e as autoridades não fazem nada, será que estão compactuando com mal-feitos, é triste isso para a democracia.

  • Alexandre | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 11h54
    7
    7

    O nobre dono da matéria ,pelo escrito ,defende a Sra Dilma ,ou seja , Pasadena/Palocci,r encontrado por Dilma. Se Silval Alcapone desviou tudo que a imprensa e os autos dizem,,,,Taques tem e terá dificuldades pra honrar compromissos...E eu não votei em Taques.

  • Dener Além | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 11h19
    8
    8

    Esperar o que de um cidadão que defende Lula e Dilma???

  • Ademir | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 11h14
    8
    7

    É Mussarela Cearense acabou a mamata, aprenda a trabalhar, a ser diferente dos seus amigos chupa cabras, dos sanguesugas, dos que vivem de corrupção, de vida boa, de greve, de fazer passeatas em dias úteis de trabalho, porque não trabalham, e são o atraso do Brasil, mas acabou, esperneie, chore, vá no Pronatec achar um curso como a Dilma disse, do seu partido!!!

  • Edson | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 09h37
    11
    8

    O nobre cidadão esta parecendo papagaio de pirada, Golpe, ra, loro, Golpe!

  • Carlos Nunes | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 09h29
    11
    11

    Também agora tá tudo explicado...Taques pegou um governo, onde um ex-governador devia dinheiro até pra Agiota, 45 milhões; e para pagar a dívida começou a meter a mão no dinheiro de tudo quanto é jeito. Se a gente deve um pouquinho pra alguém já fica preocupado; quanto mais se devesse 45 milhões. Vote! Agora o Brasil todo está nessa bagaça danada porque PT, Dilma, arregaçaram a Economia Brasileira, causando o desemprego de 12 milhões de brasileiros...os telejornais informaram que, nos últimos 12 meses mais de 1 Milhão e Seiscentos mil trabalhadores perderam o emprego, E isso vai piorar em 2017, pois ainda não inventaram um passe de mágica para fazer dinheiro aparecer - quem não tem dinheiro, vai continuar sem dinheiro; e o caixa dos governos federal, estadual, municipal, vão continuar vazios; e o bolso do povo vazio e endividado. Outro dia um aposentado chorava as mágoas, dizia que ganhava até bem, mas foi inventar de fazer empréstimo consignado em seu nome, mas para um filho, um neto e um sobrinho, e todos eles estão desempregados, e não podem pagar a conta, mas o dinheiro vem descontado de sua aposentadoria todo mês, então ele recebe uma miséria, pois o empréstimo foi de 5 anos. A última bomba divulgada na internet, é que o TCU está recomendando que todos os bens da Dilma sejam confiscados, por causa dos prejuízos com a refinaria de Pasadena. Todos os responsáveis deverão cobrir os prejuízos.

| 30/09/2016, 00h:00 - Atualizado: 29/09/2016, 23h:46

Voto útil favorece Reck

edesio do carmo artigo 400

Edésio Adorno

O chamado voto útil faz parte da cultura política de Tangará da Serra. Em 2012, para impedir a reeleição do então prefeito Saturnino Masson (PSDB), boa parte dos eleitores do candidato Rubens Jolando (PR), que não “engoliam” o tucano optaram, de última hora, optaram por votar em Fábio Junqueira (PMDB) que foi eleito.

Em 2014, mesmo sabendo que as chances de êxito eram pequenas, 16.116 eleitores sufragaram o nome do inexpressivo vereador Rogério Silva (PMDB, ex-PROS e ex-PMB), para deputado federal. Era o único nome da cidade.

Fábio chegou ao poder surfando nas asas do voto útil e será despejado do poder pela força do voto útil. Os eleitores do candidato Vander Masson do PSDB, terceiro colocado nas pesquisas eleitorais, que não querem Fábio nem pintado de ouro na prefeitura, estão migrando em massa para o lado do favorito Reck Junior (PSD). Até entre os eleitores da chapa PDT/PT está ocorrendo deserção.

Esse fenômeno político tem uma explicação lógica. O governo Fábio amarga rejeição estratosférica de quase 40%, de acordo com pesquisa Diário da Serra publicada na última segunda (27). 

E o que explica essa monstruosa e intransponível rejeição popular de 36%, segundo pesquisa Diário da Serra, divulgada ontem (29), é a falta de trato do prefeito para com os servidores públicos; é a homicida ineficiência na gestão da saúde pública; é o excesso de promessas não cumpridas; é a incapacidade de equacionar o problema da falta de água; é o clima de ódio, perseguição e vingança dominante nos órgãos da prefeitura; é a falta de diálogo e de sensibilidade humana.

Um governante com alto índice de rejeição perde a legitimidade popular, se torna vulnerável a qualquer crise e jamais sobrevive a uma eleição. Fabinho perdeu a legitimidade, vai perder a eleição. O voto útil que o embalou agora o chicoteia. Coisas da política.

 Edésio Adorno é advogado em MT e escreve exclusivamente para este Blog toda sexta-feira. E-mail: edesioadorno@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Fábio Longe | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 06h03
    1
    3

    Parabéns ao Edésio Adorno pela análise oportuna e certeira. Qualquer um dos demais candidatos é melhor que Fabinho. Chega de mentira. Também voto Reck Junior. 55 é melhor pra Tangará da Serra.

| 29/09/2016, 10h:58 - Atualizado: 29/09/2016, 14h:23

Antero concentra esforços para Emanuel ir ao 2º turno, e não sabe se ficará na equipe


O coordenador de Marketing da campanha do candidato a prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (PMDB), ex-senador Antero Paes de Barros, concentra esforços nesta reta final de campanha para garantir o peemedebista no segundo turno. “Realizar corpo a corpo, arrastões e caminhadas até sábado e continuar apresentando proposta”, explica Antero ao .

Caso passe para o segundo turno, Antero não garante que estará no marketing do candidato. “Independente de estar ou não, acredito que Emanuel deve continuar com a campanha propositiva”, sugere o ex-senador que é amigo de Wilson e já foi coordenador do tucano em campanhas anteriores.

No cenário eleitoral, Emanuel aparece entre primeiro e segundo colocado nas pesquisas do Ibope e Gazeta Dados. Alguns já consideram que uma das duas vagas já está com o peemedebista. A outra seria disputada entre Procurador Mauro (Psol) e Wilson Santos (PSDB).

Davi ValleRdnews

Coletiva Salles Antero

Antero Paes de Barros marqueteiro da campanha do candidato a prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro

Antero prefere manter a cautela e não escolher concorrente para o possível segundo turno. “Independentemente de adversário, é fazer campanha propositiva. Apesar de ter liderado, precisa ir para disputa sem salto alto”, considera o coordenador.

Durante a campanha, o candidato peemedebista foi criticado pelos adversários acerca do Fundo de Assistência Parlamentar (FAP), principalmente, pelo ex-juiz federal Julier Sebastião (PDT) e ex-senadora Serys Slhessarenko (PRB). “Os adversários faltam com a verdade. Emanuel tem previdência, diferente de aposentadoria. É desonestidade intelectual isso. Ele contribuiu 16 anos e tem direito de receber porque pagou”, sustenta.

Em relação ao processo que, segundo Wilson, Emanuel responde na Arca de Noé, deflagrada em 2002, ao encontrar um cheque de R$ 45 mil na factoring do bicheiro João Arcanjo, Antero sustenta que o tucano quer imputar ao peemedebista crimes que Wilson cometeu. “Ele (Wilson) fala que só teve crime de improbidade. Isso é crime também. É desvio de dinheiro público”, sustenta.

Parte do programa eleitoral de Emanuel tem se dedicado a enfatizar que o ex-prefeito é réu em vários processos, inclusive, no caso do rodoanel, e foi condenado por improbidade administrativa.

 Sem entrar em detalhes, Antero admite que houve erros durante o percurso da campanha eleitoral. No entanto, prefere não comentá-los. “Não tem campanha sem erro. Mas tiveram muito mais acertos”, admite.

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • João Carlos de Arruda | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 16h10
    0
    0

    Vamos lá falar a verdade, seu marketeiro Antero, disse que ele contribuir 16 anos, por isso tem direito a aposentadoria. Então como é que ele conseguiu essa proeza de aposenta aos 32 anos de idade, vejamos matematicamente 32 - 16 = 16, então ele começou a contribuiu aos 16 anos. O que está errado ?

  • João Carlos de Arruda | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 16h09
    1
    2

    Vamos lá falar a verdade, seu marketeiro Antero, disse que ele contribuir 16 anos, por isso tem direito a aposentadoria. Então como é que ele conseguiu essa proeza de aposenta aos 32 anos de idade, vejamos matematicamente 32 - 16 = 16, então ele começou a contribuiu aos 16 anos. O que está errado ?

  • Alvaro B Santos | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 11h15
    1
    0

    Que maravilha as palavras do Sr Antero sobre a aposentadoria através de previdência ao candidato Emanuel Pinheiro. São só 16 anos de contribuição mais a parte bancada pela casa que deram o "direito legal" de pendurar as chuteiras em detrimento de toda uma população de trabalhadores que precisam de 30/35 anos mais a idade para poder ter um mínimo de paz no trabalho. Só isso, ainda?

  • jose alves | Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2016, 06h58
    4
    2

    esse antero esta esta é querendo pular fora do barco esta vendo o barco de seu candidato afundando

  • Cidadão Curioso | Quinta-Feira, 29 de Setembro de 2016, 20h49
    2
    1

    O Antero só não estará integrado a campanha do Emanuel no SEGUNDO TURNO se a eleição for decidida já no PRIMEIRO TURNO, possibilidade admitida e bastante comentada pelo povão. Bem, eu só vou votar para prefeito em consideração a família de um vice. Senão, votaria em branco.

  • Jairo | Quinta-Feira, 29 de Setembro de 2016, 18h42
    1
    0

    Jairo, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • ws | Quinta-Feira, 29 de Setembro de 2016, 13h43
    14
    16

    o antero viu que wilson santos subiu e o coração dele viu que bate mais forte pelo 45 e vai para la

  • Carlos Nunes | Quinta-Feira, 29 de Setembro de 2016, 12h48
    3
    6

    Pois é, depois do segundo turno, virão as MEDIDAS IMPOPULARES do Temer, entre elas a Reforma da Previdência. Ontem o comentarista do Jornal do SBT disse que...as medidas eram para ser reveladas antes da eleição, mas como vão ferrar o povo brasileiro a beça, resolveram tocar no assunto só depois que terminar o segundo turno. Esse after day às eleições vai ser de lascar, um monte de manobras só para encher o caixa do governo, esvaziando o bolso do povo. Vão começar com os aposentados, coitados. Diversos sites informaram que, aposentados por deficiência, saúde (até mental), doença, serão obrigados NA MARRA a fazer uma nova perícia no INSS, sob pena de perder os benefícios; e cada perito vai ganhar 60 reais por perícia. É, querer encher o caixa do governo em cima dos aposentados por deficiência, é igual filme de terror daqueles bem nazista. Arregaçaram a Economia Brasileira, deixaram roubar o país inteiro debaixo das barbas deles, e o povo brasileiro é que paga o pato? PSDB está juntado com o PMDB para iniciar o calvário do povo brasileiro...vários direitos adquiridos com muito sacrifício, depois de muita luta, vão desaparecer da noite pró dia, só porque a Dilma (PT) arregaçou a Nação. Agora o TCU quer confiscar todos os bens da ex-presidente por causa da refinaria de Pasadena.

| 29/09/2016, 08h:13 - Atualizado: 29/09/2016, 08h:19

Analgésicos e risco de arritmia cardíaca

jose silveira medico artigo 400

José Silveira Lage

Um costume de praticamente 90% das pessoas no Brasil é tomar um analgésico ou anti-inflamatório em caso de uma dor qualquer. Mas o consumo em excesso e sem acompanhamento médico pode aumentar o risco de ser acometido por uma arritmia cardíaca ou morte súbita.

Essa constatação foi feita por um estudo europeu, realizado na Erasmus University Medical Center in Rotterdam, na Holanda, e publicado no BMJ Open, importante publicação científica internacional, em que foram submetidos mais de 8 mil pacientes ao uso contínuo de analgésicos. A pesquisa  revelou risco de fibrilação atrial, o tipo mais comum de arritmia, além de sugerir que esse risco aumente em até 80%.

Hoje, a fibrilação atrial atinge 2,5% da população mundial e, conforme a idade avança, o problema pode afetar até 10% das pessoas com idade a partir de 70 anos, faixa etária em que mais se usam os anti-inflamatórios e sem prescrição médica, abusando da medicação.

Sabemos que os analgésicos são medicações muito importantes e seguras, desde que ministradas de forma responsável e com indicação médica. Problemas ocorrem quando seu uso é indiscriminado e abusivo e ainda sem informar o médico e mais grave fica com a idade mais avançada.

Por isso é importante passar por consultas constantes com um cardiologista e informar quais as medicações faz uso e por quanto tempo para que o médico possa avaliar os riscos.

José Silveira Lage é cardiologista arritmologista e eletrofisiologista da Cardioritmo em Cuiabá

Postar um novo comentário

| 29/09/2016, 08h:09 - Atualizado: 29/09/2016, 08h:22

Crianças de hoje e atividade física

maria_rita_artigo_quinta

Maria Rita Uemura

O mundo mudou. Tecnologia, WhatsApp, wifi, tablet, segurança (ou a falta dela), família menor e outras dezenas de variáveis levam a criança de hoje a viver isolada ou entre adultos. Foi-se o tempo que elas brincavam na rua, que tinham turma ou que passavam o final de semana inteiro na fazenda correndo atrás de bezerro. Criança de hoje não dá para comparar com outras gerações pelo simples fato de que o mundo que eles vivem é totalmente diferente de qualquer outra infância.

Tem os prós e os contras. A intimidade deles com a tecnologia proporciona uma relação natural com todos esses gadgats que assustam os adultos a cada mudança de versão. Em compensação a criança de hoje é a mais obesa que o universo já viu. Pior que constatar isso é saber que é um caminho sem volta.

Como a criança já não brinca como antigamente como evitar que ela engrosse as estatísticas da obesidade? No meu entender aí entra um dos maiores papeis dos pais do mundo atual: despertar no pequeno ser o gosto pela atividade física. A intimidade da criança com a tecnologia hoje é natural, mas com a atividade física já não é mais. É só pensar que até festinha de criança tem adulto contratado para fazer animação. Criança de hoje não sabe nem inventar brincadeira direito. Num mundo em que logo a educação física não será mais obrigatória cabe aos pais fazer a molecada suar.

No mundo de hoje sem as brincadeiras de rua, os pais têm que praticar atividade com a criança e ou incentivar a participação em atividades programadas. Posso usar de exemplo o meu próprio filho. O guri tem oito anos. Se euo deixartrês dias inteiros em frente a um tablet com conexão wifi, comida e um banheiro ele nem sentirá minha falta. Os jogos, os vídeos e demais formas de entretenimento propiciados pela tecnologia são difíceis de concorrer. Por isso o uso de tal recurso deve ser permitido com parcimônia e paralelo a ele e em muito maior escala deve ser incentivada a prática de esportes. Meu filho pedala e rema com a gente nos finais de semana. Durante a semana ele faz aula de karatê e agora aula de funcional Kids.

Nem sempre conseguimos praticar uma atividade juntos no final de semana. Mas as aulas que ele faz já suprem essa necessidade de se movimentar e desenvolver ainda mais a motricidade de maneira lúdica. Acredito que o exemplo de nos ver em atividade seja mais importante que simplesmente matricular o filho em alguma aula. Pois só ter o discurso de que a atividade é importante é muito vazio.

Então se hoje não tem mais vizinho, primo ou irmão para brincar cabe aos pais assumir este papel direta e indiretamente. Não importa como, o importante é a criança estar em atividade. Mais do que performance ela deve se divertir enquanto pratica, mais tarde na juventude e na vida adulta ela pode levar para um nível mais competitivo. Mas enquanto criança o que importa é manter-se em movimento.

Maria Rita Ferreira Uemura é jornalista, empresária, diretora da empresa de eventos de aventura ULTRAMACHO e escreve exclusivamente toda quinta-feira neste Blog (www.ULTRAMACHO.com.br) - e-mail: ferreirauemura@gmail.com

Postar um novo comentário

Rebelde com causa | 28/09/2016, 17h:28 - Atualizado: 28/09/2016, 17h:33

Janaina contraria o PMDB e apoia Pátio na disputa para a prefeitura de Rondonópolis


Assessoria

Janaina Pátio

Deputada Janaina, com Pátio e Haroldo em evento, diz que deputado é apaixonado por Rondonópolis

Contrariando a orientação partidária, a deputada estadual Janaina Riva (PMDB) esteve em Rondonópolis para apoiar o candidato a prefeito Zé Carlos do Pátio (Solidariedade). A parlamentar participou junto com presidente da Câmara  de Cuiabá, Haroldo Kuzai (Solidariedade), das reuniões nos bairros Centro e Jardim HD, realizadas na noite desta segunda  (26) e  destacou que a cidade deve ganhar um grande administrador com a vitória do colega.

Apesar do PMDB estar apoiando a reeleição do prefeito Percival Muniz (PPS) e ter indicado o vice Doutor Manoel, Janaina classificou Pátio como a melhor opção para Rondonópolis voltar a crescer economicamente. Segundo ela, o candidato do Solidariedade faz a diferença porque é apaixonado pela cidade.

  A deputada lembrou da luta de Pátio em favor da cidade na Assembleia. “Ele é um guerreiro. Quando chega um projeto que não consta Rondonópolis, o Zé empina a carroça e o projeto não é votado enquanto não incluir o município”, declarou.

Por fim, Janaina se colocou à disposição da cidade para ajudar Pátio na Prefeitura. “Rondonópolis vai ganhar uma aliada porque eu vou ajudar nosso futuro prefeito trazendo emendas parlamentares e recursos”, finalizou.

 Já Pátio agradeceu o apoio de Janaina e destacou o desespero dos adversários que seguem fazendo ataques  à sua candidatura com informações inverídicas.  Como exemplo, o candidato cita a perda do seu programa eleitoral na rádio e TV desta segunda. “Cortaram o nosso programa dizendo que não fui eu quem conseguiu a construção do residencial Neuma de Moraes, na época que era prefeito. Como não?. Será que o atual prefeito iria colocar o nome da minha esposa no conjunto, sendo que é meu adversário”, questionou. (Com Assessoria)

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Ariosvaldez R. de Lima | Quinta-Feira, 29 de Setembro de 2016, 07h04
    1
    3

    "Janaina classificou Pátio como a melhor opção para Rondonópolis voltar a crescer economicamente" Isso prova que essa garota é doida de pedra; não podia apoiar outro mesmo!

  • Marcos | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 21h37
    3
    0

    Aqui em Nova Olímpia também, ela apoia o candidato Zé Elpídio PSD e seu principal adversário é o Pedro Rosa (PMDB). ela ta é certa e muito sábia apoia os melhores independente de partido. sou fã da Deputada Janaína Riva

  • POVO NAO EH BOBO | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 19h05
    1
    2

    aaah ta e a justica deu o programa para o percival porque? ze acha que o povo é bobo. sai pra la

Reta final | 28/09/2016, 11h:26 - Atualizado: 28/09/2016, 17h:02

Marqueteiro de Wilson diz que rejeição é desinformação e reforça corpo a corpo


O coordenador de marketing da campanha do candidato e ex-prefeito Wilson Santos (PSDB), Kleber Lima, afirma que a quatro dias da eleição o objetivo é intensificar o “corpo a corpo” para ganhar votos e seguir a tônica dos programas eleitorais anteriores. A eleição será no próximo domingo (2 de outubro). “Mantivemos a campanha com critérios e responsabilidade, sempre pautamos pela verdade”, explica Kleber ao .

Facebook

kleber lima wilson santos marketing 2.jpg

 Kleber Lima junto com equipe, o candidato a prefeito  Wilson Santos e seu vice Leonardo de Oliveira

Wilson tem aparecido nas últimas pesquisas em terceiro lugar, conforme amostragens realizadas pelo Ibope e Gazeta Dados, ficando atrás de Emanuel Pinheiro (PMDB) e procurador Mauro (Psol). Desde então, tem partido para o ataque nos debates e programas eleitorais veiculados nas últimas semanas, para tentar “cavar” uma vaga no segundo turno.

Kleber avalia que o candidato é pautado pela verdade. Pontua que não deve responder aos possíveis ataques dos concorrentes. Acrescenta que o tucano tem veiculado os serviços prestados à população, quando foi prefeito em 2005. “No final é que o eleitor irá decidir. Isso que importa”, justifica.

Pauta de corrupção Wilson tem
conforto em discutir porque o
palanque que está cheio de
presidiário não é o nosso (Kleber)

Para justificar as ofensivas contra os adversários, o coordenador de marketing pontua ainda que há seis anos Wilson vem sendo atacado, desde que deixou a prefeitura, em 2010, para disputar o Palácio Paiaguás. À época, na candidatura de reeleição, em 2008, o então prefeito havia prometido que não deixaria o posto para concorrer ao governo, o que não cumpriu.

Rejeição

Disparado nas principais pesquisas como o mais rejeitado entre os candidatos, o coordenador de marketing afirma que houve diminuição deste quesito ao ser abordado longamente durante toda a campanha. “A rejeição do Wilson era desinformação”, explica Kleber.

Durante programa eleitoral, a estratégia de Wilson foi afirmar que deixou a prefeitura naquele ano para tentar impedir que Silval assumisse o governo e fizesse os desmandos. De todo modo, a rejeição ainda passa dos 40%.

Segundo Kleber, a campanha do candidato propôs desenvolvimento social humano, assim como o zelo pelo patrimônio público. Ressalta ainda que Wilson prestou contas dos serviços oferecidos à sociedade quando comandou o Palácio Alencastro. “Pauta de corrupção Wilson tem conforto em discutir porque o palanque que está cheio de presidiário não é o nosso”, dispara referindo-se a Emanuel Pinheiro por ser do mesmo partido do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), que está preso há mais de um ano sob acusação de corrupção, assim como parte de seus ex-secretários.

Processos

Para o marqueteiro, o deputado licenciado está preparado para debater sobre processos judiciais com o colega de Parlamento. “Emanuel é campeão em processo, sendo que nunca foi gestor a não ser quando foi secretário. Se for medir processo até nisso Wilson está preparado, tem muito menos que Emanuel”, afirma, numa referência à suposta condição de réu do peemedebista em ação da operação Arca de Noé.

Contra as ofensivas do tucano, Emanuel tem rebatido de que é ficha limpa e que não responde a nenhum processo, enquanto isso, mostra em seu programa eleitoral que Wilson responde a seis. No contra-ataque, o ex-prefeito, em debate realizado pela Tv Record, no domingo (25), pontuou que o peemedebista responde sim a processos e trouxe à tona que Emanuel é investigado pela Arca de Noé, deflagrada em 2002. Emanuel garante que o juiz não decidiu se aceita ou não a instauração do inquérito, por isso defende que não é réu.

2º turno

O marqueteiro evitou escolher adversário, caso Wilson passe para o segundo turno. Mas pontuou que a disputa é diferente em razão de que são apenas dois candidatos e a população poderá analisar melhor as propostas de cada um. “Não preferimos ninguém. Tomara que no segundo turno o debate seja de fato acerca das propostas”, avalia.

Postar um novo comentário

Comentários (17)

  • KLEITON NEVES | Quinta-Feira, 29 de Setembro de 2016, 12h39
    2
    2

    EU CONSEGUI CONTAR QUINZE PESSOAS NESSA REUNIÃO 15...15...É 15...É 15...É 15 SE ALGUÉM CONSEGUIR CONTAR MAIS QUE 15, ME AVISE

  • WILLIAN BRAZ OLIVEIRA | Quinta-Feira, 29 de Setembro de 2016, 07h27
    6
    0

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk KLEBER LIMA é mais fácil vc conseguir abrir novamente o mar vermelho com um cajado do que reverter a rejeição desse demagogo... kkkkkkkk

  • Martins Liberato | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 18h24
    7
    0

    Pelos comentários que li, foram todos negativos perante aos ataques do senhor Wilson Reis contra o seu adversário Emanuel Pinheiro. Aonde que esse marqueteiro estudou marketing politico. Acorda Kleber Lima o tempo de baixaria já passou, estamos em 2016 indo para 2017.

  • A.moses | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 15h50
    7
    0

    Frank candidato do psdb d LEVERGER, perdeu 30 votos garantidos, devido ao ataque d WS, CONTRA EMANUEL PINHEIRO ?...perdeuuuu pêlo.!!!

  • Roberto | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 15h39
    14
    1

    Tenho uma dica para o marqueteiro, se o Wilson devolver os 20 milhões do Rodoanel e convencer o seu correligionário Permínio Pinto, indicado por WS pra SEDUC a devolver os 50 milhões desviados em licitações a rejeição de Wilson Santos dimuniu bastante. Tome nota.

  • Bertold | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 15h09
    19
    1

    Concordo que a rejeição está intimamente ligada com a desinformação. E é nisso que a equipe do Wilson aposta: a memória curta do eleitor. O eleitor nem se lembra, por exemplo, que o Wilson Santos já foi presidente do Diretório Municipal do PMDB, o mesmo partido que hoje ele chama de corrupto.

  • Luis Antônio Toller | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 13h31
    21
    1

    QUEM É ESSE MARQUETEIRO PARA ESCOLHER CANDIDATO AO SEGUNDO TURNO? AVISA ESSE TOPEIRA DESSE KLEBER LIMA QUE O SEU CANDIDATO, WILSON PINÓQUIO SANTOS, NÃO VAI ESTAR NO SEGUNDO TURNO, AI ENTÃO ELE PODERÁ ESCOLHER EM VOTAR PARA EMANUEL PINHEIRO OU PARA O PROCURADOR MAURO! TCHAU QUERIDA...

  • Carlos Nunes | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 13h05
    7
    2

    Se forem pró segundo turno o Emanuel Pinheiro e o Wilson Santos, como fica? PMDB e PSDB depois da eleição vão ferrar os trabalhadores, os aposentados e pensionistas...vão fazer uma Reforma da Previdência para encher o caixa do governo, tirando um bando de direitos adquiridos com muito sacrifício, depois de muita luta, da noite para o dia. Ontem os telejornais informaram: quem está forçando até essa reforma é o PSDB. Esse after day da eleição, vai ser de lascar...agora fiquei na dúvida, para escolher em quem votar EP e WS, é bom jogar a moeda cara e coroa, e rezar pra ela cair em pé, pra gente não votar em nenhum. Depois que os trabalhadores perderem todos os seus direitos, a gente não vai nem querer mais ver a cara do pessoal do PMDB e o do PSDB, por um bom tempo. A Dilma arregaçou a Economia Brasileira, e nós, os trabalhadores, os idiotas, é que vamos pagar o pato...vamos perder os nossos direitos.

  • Lustosa | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 12h52
    18
    2

    Kleber Lima como marqueteiro é um ótimo pedreiro. Cumpanhêro, Wilsho já era. Não adianta mais gastar dinheiro comprando o povo. Economiza para as vacas magras.

  • ANA MIRALHA | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 12h40
    16
    1

    QUEM TEM UM MARQUETEIRO COMO ESSE kLEBER INCOMPETENTE LIMA NÃO PRECISA DE INIMIGO...O CARA SE INTITULOU JORNALISTA E AGORA FORÇA O STATUS DE MARQUETEIRO DA MALDADE...O QUE ELE NÃO CONSEGUE FAZER É A LEITURA DE QUE A SOCIEDADE NÃO SUPORTA MAIS ESSE TIPO DE CAMPANHA MIDIEVAL...TRUCULENTA...DESRESPEITOSA...AGRESSIVA E VIOLENTA...QUE ATROPELA VALORES FAMILIARES, ÉTICOS E MORAIS... POIS É SR KLEBER O VALE TUDO PELO PODER JÁ SAIU DE MODA E VC NÃO ACOMPANHOU POR ISSO A REJEIÇÃO DO NOSSO CANDIDATO SÓ AUMENTA...É EU SOU WILSON, OU ERA...PORQUE COM VC NÃO DÁ CARA!!!

| 28/09/2016, 08h:44 - Atualizado: 28/09/2016, 15h:45

Wellington e Medeiros são favoráveis à PEC que reduz total de partidos no Congresso


A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) referente à cláusula de barreira, que visa restringir o número de partidos políticos no Congresso Nacional, tem apoio de pelo menos dois dos três senadores de Mato Grosso, José Medeiros (PSD) e Wellington Fagundes (PR). A proposta foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ) e deverá ir ao Plenário após a eleição deste domingo (2).

O senador José Medeiros (PSD) explica que hoje existe proliferação de siglas que só existem para negociata em época de eleição e usufruir de recurso advindo do Fundo Partidário. “Todo dia existe aprovação de partidos. Alguns partidos não têm procurado crescer, mas apenas manter seu feudo”, sustenta o social-democrata ao .

Reprodução

medeiros.jpg

Senador José Medeiros durante fala na tribuna em uma das sessões no Senado Federal, em Brasília,

Para o senador Wellington Fagundes (PR), o eleitor não consegue identificar a linha ideológica dos candidatos. Por isso, defende a reforma política partidária. “Essa reforma é tida como mãe de todas. É fundamental diminuir esse número de partidos”, considera o republicando. O senador Cidinho está em viagem e não pôde se manifestar.

Caso seja aprovada, a PEC deve atingir as agremiações consideradas nanicas como Rede, Psol e PV entre os 35 partidos políticos registrados juntos ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Além disso, pode frustrar os objetivos daqueles que estão sendo formados e coletam assinaturas para assegurar a legalização.

Somente em Mato Grosso, 21 novos partidos em processo de formação coletam assinaturas. A lista inclui siglas como Partido do Esporte (PE), Partido Conversador (Paco), Partido Cristão Nacional (PCN) e até a recriação da Aliança Renovadora Nacional (Arena), a agremiação que sustentou a ditadura militar.

A PEC prevê que a nova regra passe a funcionar a partir da próxima eleição, em 2018. Caso seja aprovada, o número de siglas com representação na Câmara Federal cairia de 28 para menos de 14. De acordo com o que prevê o texto, somente poderão atuar no Congresso partidos que, a partir das eleições de 2018, cumprirem dois requisitos: obter pelo menos 2% de todos os votos válidos em todo o país; e conseguir 2% dos votos em, no mínimo, 14 unidades da federação.

Caso não consigam, perdem a participação nos recursos do fundo partidário, ficando assim sem dinheiro público, e acesso gratuito ao rádio e à TV. Com isso, a tendência é que siglas nanicas sejam fundidas para conseguir atingir o percentual mínimo de eleitorado.

 A partir das eleições de 2022, a taxa mínima de votos apurados nacionalmente passaria para 3%. Parlamentares eleitos de partidos que não alcançarem esse desempenho teriam de procurar outra sigla para se filiar, caso a PEC 36/2016 seja aprovada. (Com informações G1)

Cláusula de barreira restringiria ação de 14 partidos se estivesse em vigor

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Jeferson Andrande | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 13h49
    2
    0

    Primeiramente esses senadores de MT, tem uma atuação pífia , quem são eles para falar de ideologia, cada eleição estão em partidos diferentes.Senadores de MT façam algumas coisas diferentes, pede o fim da aposentadoria para os senadores e fim do foro previligiado.

  • Jeferson Andrande | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 13h48
    1
    1

    Primeiramente esses senadores de MT, tem uma atuação pífia , quem são eles para falar de ideologia, cada eleição estão em partidos diferentes.Senadores de MT façam algumas coisas diferentes, pede o fim da aposentadoria para os senadores e fim do foro previligiado.

  • Willian | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 11h56
    3
    0

    O problema não é reduzir partidos, isso tanto faz, a questão crucial seria diminuir políticos, um corte de do mínimo 50% representaria uma economia enorme ao País. Se for a nível municipal e estadual, então, seria perfeito. Mais infelizmente, isso é só um sonho. Mesmo que algum político tenha peito para apresentar uma proposta de lei dessas, obviamente, que o corporativismo falará mais alto e certamente jamais aprovariam.

| 28/09/2016, 08h:31 - Atualizado: 28/09/2016, 09h:29

Remédio amargo

nestor fidelis texto interno e capa

Nestor Fernandes Fidelis

É muito significativa e rica de exemplos a vida e a obra de Divaldo Pereira Franco, o educador e conferencista baiano que, ao longo de seus 89 anos, já percorreu todos os continentes, tendo proferido 13 mil palestras em 70 países.

Ele fala de amor, de fraternidade, da busca da felicidade real e factível, de saúde existencial, de constelação familiar, dentre outros temas, sempre arrimado nos ensinamentos de Jesus, Allan Kardec, Gandhi, Buda, além de outros tantos tarefeiros da paz.

Apesar de tudo isso, nos chama a atenção o fato de Divaldo ser uma pessoa extremamente “normal”, com sentimentos, vontades e que diz ainda ter muito a evoluir.

Ele conta que certa vez estava se sentindo solitário. Após proferir uma de suas belas e motivadoras conferências, tendo levado a mensagem de esperança e alegria de viver para milhares de pessoas naquela noite, e depois de ser saudado por várias pessoas, recolheu-se em seu aposento num hotel da cidade e sentiu-se profundamente só.

Interessante que isso acontece com muitas pessoas quando, após um momento de confraternização regressam para seu momento de intimidade e passam pela sensação de que estão absolutamente sozinhas. Então Divaldo orou, se preparava para dormir, mas ainda sentia uma ponta solidão, como se fosse uma tentação para a tristeza ou para a queixa.

Neste momento lhe aparece Joanna de Ângelis, o Espírito que lhe acompanha desde os tempos mais remotos, sobretudo nesta existência de tantas atividades árduas e constantes. Ela lhe pergunta sobre o que ele estava sentindo. Ele, agora mais intrigado, responde que estaria perdido, pois se nem mesmo o seu anjo da guarda saberia o “tanto” que ele sofria (ele aumentou um pouco como quem provoca o outro sentir pena), o que seria dele...

Eis que ele começa a se queixar da solidão, dizendo que acalentara tantos corações, consolara mães, elucidara, esclarecera a tantos, tendo psicografado tantas mensagens e já naquele tempo com muitos livros publicados, todavia, nunca houvera recebido nenhuma mensagem para ele, sequer um recado particularmente endereçado para ele, etc.

A reclamação é uma tentação, realmente. Não raro, nos pegamos (ou não percebemos, o que é pior) nos queixando de tudo, procurando argumentos para justificar aquilo que devemos, mas não queremos, fazer.

Joanna de Ângelis, naquele instante da conversa convida Divaldo a uma reflexão: “Di, veja quantas mensagens nós, os Espíritos, escrevemos para ti? Todas foram redigidas na segunda pessoa do singular, mas tu as publicas porque queres”. E ela acrescenta, “pegue um livro qualquer publicado e confiras, pois desde ‘Messe de Amor’ tu tem recebido textos-convites direcionados ao teu coração”.

“Messe de Amor” é o primeiro livro contendo mensagens psicografadas por Divaldo Franco, publicado em 1964. Nele e nos demais, as mensagens são escritas para que as recebe, mas também para quem delas possam fazer uso, de coração aberto, como se diz.

Divaldo Franco narra este fato com bom humor, ratificando o ensinamento segundo o qual os médiuns são os primeiros destinatários das mensagens de que são portadores.

De igual maneira, tudo o que falamos, respondemos, orientamos em nossas vidas, são convocações para que nós mesmos venhamos a pensar, refletir, falar e agir de acordo com as referidas lições repassadas a outrem, mesmo (e principalmente) quando indicamos remédios amargos para as dores da alma.

Naturalmente, ainda temos muito a vencer sobre nós mesmos. Só houve uma pessoa absolutamente perfeita na Terra e, por isso mesmo, Ele, Jesus, é nosso Modelo e Guia por excelência, a fim de que busquemos nos inspirar nas lições e condutas Dele.

A vida nos convida a refletir, refletir, refletir... e com isso vencermos a nós mesmos, alcançando sempre conquistas-aprendizado ou conquistas-êxito por meio da viagem para dentro de nós mesmos e, com coragem e humildade (valores a serem exercitados a cada dia) realizarmos a iluminação interior.

Obviamente, num mundo com tanto egoísmo e orgulho, levantar-se-ão alguns, ou muitos, para apontar erros em nossas escolhas. São os apontadores da vida alheia. Há um ditado que estabelece que quando alguém aponta o dedo para outra pessoa, esquece-se que há outros três voltados para si mesma e mais um para a consciência.

Da mesma forma, sempre nos sentiremos frustrados ao darmos muita importância ao pensamento maldoso de que não deseja nos ver bem, alegres e satisfeitos, razão pela qual é uma postura mais inteligente não dar tanta relevância para os ataques que nos cheguem, eis que o mal que nos pode prejudicar é o mal que realizamos, mesmo quando nos omitimos de fazer todo o bem que nos seja possível.

É impossível evitar que o próximo enxergue um cisco em um de nossos olhos, conquanto ele não queira ver a trave que se encontra no seu. Mas isso também é motivo para que nos regozijemos e agradeçamos, pois trata-se do exercício de uma lei divida, a lei de liberdade. Cada um faz o que quiser, mas é responsável por suas escolhas.

O que queremos escolher? Ficarmos abatidos com a opinião de quem não nos quer bem; ou optarmos pelo caminho, geralmente mais trabalhoso, da transformação interior para melhor, mesmo que para alcançar tal objetivo nos seja necessário fazer uso de remédio amargo, cientes de que é para nosso próprio bem?

 Nestor Fernandes Fidelis é advogado e escreve exclusivamente para este Blog toda quarta-feira - nestor@nestorfidelis.adv.br

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Carlos Nunes | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 18h42
    2
    0

    É interessante o livro da autora Alice Bailey, intitulado Os Trabalhos de Hércules, onde a nossa Alma sempre empreende 12 Trabalhos para sua Evolução. Um deles é sobre a Hidra de Lerna, que tem 9 cabeças, uma delas é a Separatividade, acharmos que estamos separados de DEUS, do Universo, da Comunidade em Geral. É tudo ilusão, nós estamos separados de nada, só não temos consciência disso. Nos seus Solilóquios , Santo Agostinho pergunta a DEUS: onde estavas tu quando eu vivia nos meus pecados? E DEUS lhe responde: eu estava no meio do teu coração, estava sempre presente a ti, mas tu estavas ausente de mim. E Santo Agostinho replica: como podia eu estar ausente de ti se tu estavas presente a mim? Presença não supõe dois? E DEUS responde: eu estava sempre presente a ti porque sou onipresente a todas as coisas; mas tu fazias de conta que eu estava ausente, para poderes viver nos teus pecados; e a esta suposta ausência minha tu chamavas minha ausência.

| 27/09/2016, 16h:36 - Atualizado: 27/09/2016, 16h:45

Entrega de resultados

gustavo oliveira artigo 400

Gustavo Oliveira

Em momentos de crise como o que vivemos atualmente no Estado de Mato Grosso e no Brasil, colocar as questões sob uma perspectiva adequada é fundamental. Embora o pessimismo tenha tomado conta das conversas de bar, das reuniões de família e dos papos entre amigos, há que se fazer uma análise temporal para que possamos entender de onde viemos, onde estamos e quais os caminhos que se apresentam.

O país enfrenta uma grave crise que eclodiu em 2015, e o agravamento dela neste ano de 2016 impôs ao Estado novos e grandes desafios. Havia, no começo do ano passado, uma ideia de que Mato Grosso não seria afetado pelo cenário nacional, mas desde o primeiro dia da gestão do governador Pedro Taques sabíamos que este risco era grande.

Se o Estado tivesse sido bem gerido no passado, teria “gordura” e capacidade de enfrentamento de crise. Mas, infelizmente, isso não aconteceu: herdamos um Governo com R$ 82 mil na Conta Única, dívidas com fornecedores, obras inacabadas e sem provisão de recursos em caixa para que continuassem. Reajustes foram pactuados com os servidores, mas sem análise de capacidade de pagamento por parte do Governo. Em janeiro de 2015, o caos já batia à nossa porta.

Trabalhamos desde o primeiro dia desta gestão tendo como o grande norte das ações o Plano de Governo apresentado à população nas eleições de 2014. Para cumprir com o que foi assumido e entregar um Estado com saúde financeira em 2018, a gestão precisou realizar o controle total dos cofres públicos. Fizemos isso.

Todos os gastos, centavo por centavo, são controlados e a ordem geral é economizar. Não temos dinheiro para tudo e, por isso, determinamos o corte de 25% nas despesas de custeio da máquina pública. Contratos de locação de carros, imóveis e serviços estão sendo revistos a todo tempo e em todas as secretarias, como colocado no Decreto 675/2016.

A partir desta semana, os servidores e as secretarias passam a trabalhar em um novo horário. Avançamos na tentativa de buscar economia nos gastos com água, luz e telefone. Para uns, isso pode soar como uma medida irrelevante, mas quando se valoriza o dinheiro público, cada Real faz muita diferença. Para a equipe do Governo Pedro Taques sempre foi assim: cada Real economizado no custeio é um Real a mais em Saúde, Segurança, Educação, Estradas.

Desde o primeiro dia de governo, nunca tivemos folga orçamentária, trabalhamos no limite. A crise nacional se agravou e chegou a Mato Grosso: no mês passado, as Receitas Tributárias Federais caíram 9%, e as Estaduais, 5%. O cinto está no último furo e continuamos apertando, economizando tostões que o Governo anterior desperdiçou em obras mal feitas, em incentivos fiscais concedidos de maneira escusa, em desonerações tributárias que não chegaram ao preço pago pelo consumidor final.

O passado não nos trará as respostas que precisamos para vencer os desafios do presente. As lições ficaram, práticas foram mudadas e o futuro, implacável, chega a cada dia. Temos que entregar resultados de agora até dezembro de 2018, a História nos julgará por isso. No momento, o Poder Executivo passa por dificuldades e os outros Poderes e Órgãos Constitucionais perceberam essa situação graças à transparência com que esta gestão trata as finanças do Estado. Somos parceiros porque entendemos que só assim é possível avançar para um novo momento.

Graças a este conjunto de medidas e esforços, conseguimos cumprir acordos de reajustes com os servidores, concedemos um valor de RGA em 2016 que parecia impossível de ser concedido e mantivemos a folha de pagamento em dia. Pagamos diversos fornecedores, quitamos dívidas que foram assumidas sem responsabilidade, economizamos no custeio da máquina. Fizemos nossas escolhas e avançaremos com responsabilidade, diálogo e transparência.

A sociedade não suporta mais desmandos e o próximo Governo não receberá esqueletos nem heranças malditas, porque é a sociedade quem paga a conta. Precisamos unir forças e ter a convicção de que só juntos conseguiremos superar o atual cenário.

Trabalhamos muito, sempre no limite. Mesmo assim, bons resultados vieram e outros estão chegando. Só não vê quem não quer. Mas trataremos dos resultados que já entregamos em uma próxima oportunidade.

Gustavo Oliveira é secretário de Estado de Planejamento

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • alexandre | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 13h16
    2
    0

    A gordura o atual governo gastou...

  • Victor Ferreira | Quarta-Feira, 28 de Setembro de 2016, 10h28
    0
    4

    A continuar assim, a meu ver, o MT manterá o Governador no poder, e como já disse e reitero,poderá ele ter condições d ser nosso Presidente. Saúdes muitas pras boas empreitas, caro Secretário! Conte conosco!! (P.S.: o diálogo, ou a falte dele,tem sido a crítica vigente)

INíCIO
ANTERIOR
1 de 847