Cuiabá, 12 de Fevereiro de 2016
  • Ana Maria

    Ana Maria

  • Camila Cervantes

    Camila Cervantes

  • Eduarda Fernandes

    Eduarda Fernandes

  • Francis Amorim

    Francis Amorim

  • Gabriele Schimanoski

    Gabriele Schimanoski

  • Jacques Gosch

    Jacques Gosch

  • Patrícia Sanches

    Patrícia Sanches

  • Tarso Nunes

    Tarso Nunes

  • Valérya Próspero

    Valérya Próspero

VÁRZEA GRANDE | 22/09/2013, 19h:49 - Atualizado: 23/09/2013, 07h:34

Quem trabalha incomoda, afirma Waldir sobre possível destituição

Quem trabalha incomoda, diz Waldir a colegas que querem destituí-lo

   -- Presidente da Câmara de VG, Waldir Bento O presidente da Câmara de Várzea Grande, Waldir Bento (PMDB), tem sido tachado de autoritário e ditador por alguns vereadores, que preferem manter o anonimato. Há rumores até de que alguns parlamentares tentam, de alguma forma, tirá-lo da presidência, por conta da conduta adotada durante as sessões semanais. Contrário aos burburinhos políticos, o peemedebista diz que o clima é harmonioso e que é apenas sério. “É diferente ter seriedade e ter autoritarismo”, justifica.

   Em tom calmo, mas inquieto, Waldir diz que pelo fato dos vereadores não conhecerem bem o Regimento Interno acham que ele está sendo radical na forma de se expressar ou de agir. Como que com um “tapa de luva”, o presidente diz que recebe elogios pelo serviço prestado, diferente dos colegas de mandato.

   Quanto a possibilidade de complô para ser retirado da presidência, o peemedebista diz não acreditar nos boatos, que ele mesmo confessa ter conhecimento. Isso porque acredita ter um bom relacionamento com os vereadores e se os rumores forem reais, alguns parlamentares devem estar agindo com falsidade.

   O presidente da Câmara diz que só vai dar credibilidade aos rumores quando o assunto for levado ao seu gabinete, onde questionaria os parlamentares e funcionários. “Primeira coisa que vou fazer com minha diretoria: você está alegando o quê? Descontentamento? De quê? De regimento? Eu sigo o regimento”. Waldir ainda alfineta os colegas dizendo que quem trabalha incomoda.

Postar um novo comentário

| 12/02/2016, 00h:00 - Atualizado: 07h atrás

Encerramento de contrato

elga_figueiredo_imagem_texto

Elga Figueiredo

Nos últimos anos, os serviços regulados pelo governo, como saúde, telefonia e instituições financeiras, aparecem em quase todos os rankings de reclamações em órgãos de defesa do consumidor. Entretanto, dentre todas as reclamações, a que mais se destaca, são as relativas à solicitação de cancelamento do serviço de telefonia.

Desde sua promulgação, o Decreto nº 6.523/2008, que dispunha acerca dos SACs e cancelamento de serviços, é pauta recorrente nos diversos meios de reclamações do consumidor, quanto ao seu descumprimento, bem como quanto à insatisfação dos consumidores.

Em 2014 foram implantas novas regras pela Anatel, e dentre elas, a que mais animou os consumidores foi à relativa às mudanças no serviço de cancelamento, na medida em que o consumidor, não precisa mais passar horas ao telefone tentando cancelar um serviço, podendo agora ser feito via internet, ou pelo atendimento automático do telefone. E caso o consumidor precise falar com um atendente, e a ligação cair, a operadora é obrigada a retornar a ligação.

De acordo com a legislação, o consumidor, por qualquer motivo, pode cancelar o contrato. Os efeitos da rescisão do contrato de prestação do serviço devem ser imediatos à solicitação quando registrados por meio de atendente, ou seja, a cobrança do serviço deve ser interrompida imediatamente. Contudo, quando o pedido for registrado sem intervenção de atendente, a operadora tem o prazo de até 2 dias úteis para efetivar o cancelamento.

Nada obstante, as empresas descumprem, reiteradamente, todos os pontos indicados, levando o consumidor a padecer em intermináveis tentativas de verem seus pleitos satisfeitos.

Efetivamente o que se extrai, é que existe uma orientação por parte das operadoras para que seja dificultada a conclusão do cancelamento do contrato pelo consumidor. Os atendentes são treinados para impedir a efetivação desse cancelamento, sendo oferecidas ao consumidor outras opções, como bloqueio da conta por determinado período, etc. E no caso da opção de cancelamento pelo sistema eletrônico, os pedidos jamais se concluem.

Desse modo, percebe-se que o consumidor deve ser rigoroso na cobrança. Ou seja, se a empresa demorar a acatar o pedido, o consumidor deve procurar um órgão de defesa do consumidor, ou um advogado de sua confiança para ingresso com ação na Justiça.

Esse impedimento na conclusão do cancelamento que por si só já é arbitrário, ainda em muitos casos acarreta vários danos ao consumidor que continua sendo cobrado de forma indevida, e, portando, deve ser ressarcido em dobro, conforme diz o artigo 42, parágrafo único, do Código de Defesa do Consumidor (CDC). Além disso, se acaso o consumidor não efetivar o pagamento da cobrança indevida, pode ainda vir a ter o nome negativado pela operadora, o que é um absurdo, mas ocorre demasiadamente. Nesse caso, pode acionar a Justiça por danos morais. 

É uma situação muito complicada. São milhões de casos, mas nem todo mundo reclama. Isso mostra que há alguma coisa a mais nessa relação de consumo. 

Afinal, as empresas acabam ganhando com isso.

Elga Figueiredo é empresária e advogada, especialista em direito do consumidor e escreve exclusivamente neste Blog toda sexta - e-mail: elgafigueiredo@hotmail.com

Postar um novo comentário

| 11/02/2016, 16h:56 - Atualizado: 07h atrás

Governador lança novos programas em 5 áreas e vai incluir MT-Vest e Pró-Escolas


Maria Anfe

pedro taques 510

Governador Pedro Taques está formatando com o secretariado para lançar novos programas nas áreas de segurança, saúde, infraestrutura, educação e social; e um deles vai garantir a retomada do MT-Vest

Pedro Taques entra no segundo ano de mandato dedicando boa parte do tempo à formatação de novos programas, com foco no social, e quer deixar também a marca de "governo da integração". Em reunião nesta quarta com o secretariado, o governador elencou as ações que estão bem adiantadas e pediu mais esforço dos secretários para ajudar a concretizá-las. Está discutindo de que forma atender os municípios nas principais demandas na saúde, segurança, educação e infraestrutura (estradas).

Pela pasta de Trabalho e Assistência Social, por exemplo, o governo vai retomar o MT-Vest, cursinho preparatório para ingresso em curso superior destinado a atender estudantes carentes. A Educação vai desenvolver o programa Pró-Escolas. Pela secretaria de Infraestrutura e Logística, Taques aprovou a proposta de reforçar o Pró-Estradas no Vale do Rio Cuiabá. Quer chegar 2018 com todas as principais entradas terrestres da capital completamente transformadas em termos de infraestrutura e com as obras de mobilidade, iniciadas na gestão passada, concluídas.

Na Saúde, já está aprovada a Caravana da Transformação, com uma ampla equipe percorrendo os municípios. Esse programa envolve 10 secretarias. Terá unidades móveis equipadas com estrutura ambulatorial, hospitalar e de diagnose para realizar serviços médicos, como consultas, cirurgias oftalmológicas de catarata; saúde da mulher, diagnóstico e tratamento de hanseníase e a chamada medicina preventiva.

Nesta primeiro semestre o governador planeja lançar ainda o que chama de Pacto pela Segurança com mais policiais nas ruas no trabalho preventivo e no serviço de inteligência. Definiu também programas que serão tocados pela pasta de Agricultura Familiar e Regularização Fundiária. 

As demandas dos municípios estão sendo levantadas pela Casa Civil, que faz espécie de "filtro" para encaminhamento ao governador. O chefe do Executivo destaca que todos precisam trabalhar de forma integrada, tanto que muitos programas envolvem mais de uma secretaria. Para ajudar no socorro às problemáticas da saúde pública, por exemplo, Taques não só escalou o secretário da área, Eduardo Bermudez, mas também os de Gestão (Júlio Cezar Modesto), de Planejamento (Marco Marrafon) e de Fazenda (Paulo Brustolin).

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Gleice | Quinta-Feira, 11 de Fevereiro de 2016, 18h29
    0
    0

    E os gelos baianos que prometeu em colocar dentro dos canteiros na Av. da FEB até agora nada.

Assembleia | 11/02/2016, 12h:05 - Atualizado: 11/02/2016, 14h:09

Botelho busca emplacar Emanuel como vice e barrar possível chapa de oposição


O vice-presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (PSB), tem a intenção de articular chapa única para a eleição da Mesa Diretora, que ocorrerá em setembro. Para isso, o socialista precisa cooptar Emanuel Pinheiro (PR), considerado o principal adversário. “O deputado (Emanuel) poderia ser um grande vice-presidente na minha chapa”, sugere o parlamentar em entrevista o RDTV – confira abaixo.

Para sustentar a ideia de chapa de consenso, Botelho afirma que é importante ter adesão do republicano, uma vez que ele tem experiência no Parlamento, para somar com a sua capacidade de gestão. “Meu intuito é montar uma chapa única. Estamos trabalhando nisso”, frisa.

Nos bastidores, a informação é que Botelho tem votos de 16 dos 24 parlamentares, o que o consagraria eleito. Entretanto, o deputado evita anunciar o número em razão de que a eleição para a presidência da Mesa Diretora é dinâmica e pode mudar a qualquer momento.

Reprodução

montagem_botelho_pinheiro.jpg

Eduardo Botelho afirma que é importante ter adesão de Emanuel Pinheiro devido a sua experiência

Na última eleição, inclusive, realizada em fevereiro do ano passado, chegou a se formar a chapa Emanuel-Botelho para concorrer contra Guilherme Maluf (PSDB) e Mauro Savi (PR). Entretanto, o tucano rompeu com Savi e eclodiu com a chapa de Emanuel-Botelho, se colando como a chapa do governador Pedro Taques (PSDB). O socialista passou a apoiar Maluf, sendo contemplado com a vice-presidência.

 De todo modo, Botelho ressalta que ainda é cedo para discutir o assunto de eleição. Afirma que só começou se movimentar nas articulações em razão de Emanuel ter iniciado as tratativas. “Então, estamos com o nome posto, estamos trabalhando. Mas existe ainda muita água para passar debaixo da ponte, muita coisa pode acontecer. Outros candidatos podem surgir. Estamos fazendo o trabalho com calma e cautela”, ressalta.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Pedro Pereira | Quinta-Feira, 11 de Fevereiro de 2016, 13h58
    2
    0

    Se o Emanuel tem mais experiência ele deve ser o presidente, e esse deputado muito capacitado experiente etc continuar com seus

  • mauro | Quinta-Feira, 11 de Fevereiro de 2016, 13h17
    2
    0

    NA ASSEMBLEIA NÃO SE PLEITEÁ A PRESIDÊNCIA SE VALENDO DE SER O MAIS RICO E SIM O MAIS HABILIDOSO MAIS EXPERIENTE ETC.

em Várzea Grande | 11/02/2016, 12h:04 - Atualizado: 11/02/2016, 12h:28

Jayme coopta 5 vereadores para o DEM e quer reeleger esposa; anti-Campos reagem

Até "adversário" Calistro, que preside a Câmara, adere ao partido


O ex-senador Jayme Campos começou a mexer o tabuleiro político para reeleger a esposa, prefeita Lucimar Campos (DEM), de Várzea Grande, segundo maior colégio eleitoral do Estado, com 180.277 eleitores. Na trincheira e sem alarde, ele avançou na cooptação de vereadores. E está conseguindo reforçar o exército do DEM na Câmara, onde hoje conta com apenas um representante: Joaozito de Barros. Vai transformar a sigla na maior bancada, chegando a 6 vereadores.

Davi Valle/Rdnews/Arquivo

jayme campos

Jayme Campos coopta grupo de vereadores para DEM, já pensando no palanque à reeleição de Lucimar

Dos 21 parlamentares, ao menos cinco vão aproveitar a "janela" para migrar para o partido da prefeita. Entre eles o então adversário político ferrenho da administração, vereador Jânio Calistro, presidente do Legislativo. Jânio desembarcará do PMDB do velho aliado e prefeito cassado Walace Guimarães.

Graças ao "poder de convencimento" de Jayme, que foi prefeito por três mandatos, também vão buscar abrigo no DEM, segundo informações de bastidores, os vereadores Wanderlei Cerqueira (ex-PR e hoje no PSD), Ferrinho (Pros), Leonardo Mayer (PR) e Sumaia de Almeida (Solidariedade), que é filha do ex-vereador Micoco. Na lista, estão também ex-vereadores, como Edil Moreira.

Jayme sabe que, se fosse ele o candidato, a vitória seria mais fácil. Mas só pode entrar no páreo se a esposa renunciar ao mandato seis meses antes do pleito de outubro ou então em caso de reviravolta, que seria o retorno, pelas mãos do Judiciário, de Walace ao Paço Couto Magalhães.

O ex-governador, ex-senador e ex-prefeito quer construir um palanque forte para sustentar o projeto de recandidatura de Lucimar. Faz questão de ter o PSDB para, assim, transformar o governador Pedro Taques em cabo eleitoral.

Anti-Campos

Mas, por outro lado, as oposições estão se reforçando. Um grupo de 100 empresários tem se reunido para debater a sucessão municipal. Em tese, são anti-Campos. Não querem disputar, mas atuar nos bastidores, usando a mesma estratégia de Jayme. Procuram um nome com boa visibilidade eleitoral para contrapor o bloco governista. Mas bate cabeça.

Foi esse mesmo bloco da iniciativa privada que apoiou Tião da Zaeli. Agora não quer mais saber do ex-prefeito porque este acabou renunciando ao mandato e "se queimou". O grupo de empresários é liderado pelo presidente da CDL (Lojista) David Pintor, proprietário da Castelo Materiais de Construção e filiado ao PTB, por Adauto Tuim, da Acivag (Associação Comercial); por Júnior Mendonça, do Atacadão Mendonça; e por Fernando Minosso, do posto Zero Quilômetro e filiado ao PDT.

 Correndo por fora com pré-candidaturas a prefeito estão Pery Taborelli (PV), embora inelegível - tem duas condenações por improbidade imposta pelo Tribunal de Justiça após ter sido eleito deputado -, a vereadora Miriam Pinheiro (PHS) e o empresário Wiliam Cardoso (PSDB).

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Arlete Nunes | Quinta-Feira, 11 de Fevereiro de 2016, 20h49
    0
    0

    Jaime é uma grande pessoa. È preocupado com a nossa cidade. Precisamos deles em Varzea Grande mesmo. Estou com voces.

  • Gleice | Quinta-Feira, 11 de Fevereiro de 2016, 18h33
    0
    0

    Amigos fiéis da Velha Guarda ele NÃO TEM MAIS!!!!

| 11/02/2016, 07h:10 - Atualizado: 11/02/2016, 08h:42

CPMF ou cassinos?

maria_rita_artigo_quinta

Maria Rita

Talvez o título seja um pouco apelativo. Não há necessidade de se fazer uma escolha entre os dois. Ambos podem ser sancionados ou descartados. Vai depender dos políticos no final das contas, mas vamos fazer algumas conjecturas. Deixemos de lado a CPMF, pois esta decididamente não possuiu simpatizantes e se retomada será mais uma medida impopular da nossa presidenta. Voltaremos a falar dela um pouco abaixo.

O projeto de lei 186/2014 de autoria de um deputado federal do Piauí e do qual o senador Blairo Maggi é relator está bem encaminhado. Caso fosse aprovada a proposta permitiria a volta de cassinos, bingos, jogos do bicho e apostas pela internet. Cassinos foram abolidos no Brasil na década de 1940.

A bancada evangélica, entre eles o todo poderoso presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, é totalmente contra. Para eles a legalização do jogo significa aumento da criminalidade, a facilitação a lavagem de dinheiro e o aumento de cidadão viciados nos jogos. Recentemente o Ministério Público Federal engrossou o coro dos que são contra também apontando a dificuldade que seria fiscalizar a jogatina em relação a lavagem de dinheiro. Os que são a favor da legalidade dos jogos de azar possuem argumentos muito bons como o aumento da arrecadação, do número de empregos e uma taxação a apenas uma parte da população. Que diferente da CPMF, iria punir apenas os que fossem fazer uma fezinha. Os argumentos de ambos os lados são muito bons e pertinentes. 

Mas eu gostaria de lembrar outras legalizações polêmicas que temos no Brasil como o álcool e o cigarro. Notoriamente reconhecidas como substancias viciantes, mas que o Governo acredita que o cidadão comum tenha capacidade e discernimento para consumir apesar de todos os riscos conhecidos. Por outro lado, temos a discussão sobre a legalização da maconha que assim como o jogo aguarda uma decisão final.

Ora essa. Por que pode uma coisa e não pode outra? Não entendo tamanho incoerência. A meu ver ou tudo pode ou nada pode. Ou somos capazes de decidir ou vamos realmente dar ao estado o direito de escolher por nós o que é certo ou errado. Não afirmo veementemente que eu estou certa, apenas desejo o fim da hipocrisia. O jogo já existe informalmente. Aqui em Mato Grosso ainda lembramos bem do que a ilegalidade já foi capaz de produzir. 

Agora se fosse para escolher entre a volta da CPMF ou a legalização do jogo eu ficaria fácil com a segunda opção. Ainda mais sob o argumento de que a arrecadação poderia chegar a metade do que a CPMF pode alcançar.

Maria Rita Ferreira Uemura é jornalista, empresária, diretora da empresa de eventos de aventura ULTRAMACHO e escreve exclusivamente toda quinta-feira neste Blog (www.ULTRAMACHO.com.br) - e-mail: ferreirauemura@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • JEFERSON MATOS | Quinta-Feira, 11 de Fevereiro de 2016, 13h33
    2
    0

    Os cassino podem e devem trazer benefícios às cidades que os abrigarem. Como qualquer concessão, deve haver regulamentação e fiscalização. Basta mirar os exemplos que vem de fora: Las Vegas, Mônaco, Punta del Leste. Cassino sim, mais impostos não. E a propósito, quem é Eduardo Cunha pra ser contra qualquer coisa? Um homem sem moral...

| 10/02/2016, 10h:08 - Atualizado: 10/02/2016, 10h:23

Detentores de cargos e pré-candidatos na dança partidária; Valtenir controla o PMB

A partir do dia 18, com promulgação de emenda à Constituição, deputados, vereadores e virtuais candidatos farão o troca-troca


Agora que o Carnaval 2016 se foi, outros foliões se preparam para a dança partidária. Ocupantes de cargos eletivos e/ou pretensos candidatos a prefeito e a vereador só estão aguardando a promulgação da emenda à Constituição aprovada pelo Congresso sobre a chamada janela de 30 dias para oficializar mudança de sigla sem o risco de perder mandato por infidelidade partidária.  E isso deve acontecer a partir do próximo dia 18. Se estenderá até março, quando fecha a janela.

As negociações se intensificaram em todas as esferas do Legislativo. Em praticamente todas as 141 câmaras municipais do Estado deve registrar caso de vereador trocando de agremiação. Em Cuiabá, cerca de 11 dos 25 falam em mudança. Em Várzea Grande, um grupo de cinco se articulam para reforçar o DEM.

Gilberto Leite/Rdnews

valtenir pereira 355

Valtenir Pereira, no estúdio do RDTV, em dezembro do ano passado, vai assumir o MPB/MT de olho no controle de recursos do Fundo Partidário

A "revoada" passará também pela Assembleia, com ao menos seis pulando de partido. Dos 11 da bancada federal mato-grossense, o senador Blairo Maggi deixa o PR e embarca no PMDB e o federal Valtenir Pereira troca o Pros pelo Partido da Mulher Brasileira, criado em 2015.

No caso de Valtenir, que já passou também pelo PT e PSB, a estratégia é assumir o comando da nova sigla em MT e, consequentemente, controlar fatia dos recursos públicos do Fundo Partidário. Existem hoje 35 partidos, que vão receber nada menos que R$ 868 milhões. Esse fundo será, a partir de agora, a principal fonte oficial das campanhas eleitorais, já que em decisão tomada no ano passado o Supremo proibiu empresas de financiarem candidatos.

No PMB, Valtenir deseja ser a principal estrela no Estado, assim como foi no PSB até enfrentar divergências com o prefeito cuiabano Mauro Mendes e também no Pros, onde permaneceu até sofrer boicote da cúpula nacional. No PMB, o deputado agirá como cacique, priorizando seus projetos políticos.

Em 2007, o TSE editou uma resolução de fidelidade, reforçada ano seguinte pelo STF, cujo objetivo era barrar a histórica onda migratória de políticos entre os partidos. Mas a regra nunca foi aplicada por completo porque os ocupantes de mandatos recorreram a brechas como a ida para novos partidos e a aposta na morosidade da Justiça para julgar casos de infidelidade. No ano passado, o próprio STF afrouxou a regra da fidelidade partidária, ao liberar o troca­troca para cargos do chamado sistema majoritário ­presidente da República, governadores, senadores e prefeitos. 

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Agnello | Quarta-Feira, 10 de Fevereiro de 2016, 17h39
    1
    0

    O Antonio Carlos tem razão. A janela é apenas para os ocupantes de cargos que estarão em disputa no ano eleitoral.

  • Antonio Carlos Pinheiro | Quarta-Feira, 10 de Fevereiro de 2016, 12h55
    1
    0

    Acho que a janela é somente pra vereador, Deputados só em 2018.

| 10/02/2016, 00h:00 - Atualizado: 09/02/2016, 18h:25

Carnaval

silvio artigo quarta-feira

Silvio Fidelis

A história aponta que a tradicional festa de Carnaval tem origem na Roma antiga e, refinada pelas tradições do cristianismo, passou a marcar um período de festividades que aconteciam entre o Dia de Reis e a quarta-feira anterior à Quaresma. Na cidade de Roma no decorrer da festa um “carro naval” percorria as ruas da cidade enquanto pessoas vestidas com máscaras realizavam jogos e brincadeiras.

Os documentos históricos apontam ainda que o significado do termo “Carnaval” é a celebração dos prazeres terrenos. Em outras pesquisas, alguns especialistas tentam relacionar as festas carnavalescas com os rituais de adoração aos deuses egípcios Ísis e Osíris. Mesmo com tantas controvérsias e resistências, o Carnaval passou a contar com um período de celebração regular quando a Igreja oficializou a data da Quaresma.

Contando com esse referencial, o carnaval começou a ser usualmente comemorado como uma antítese ao comportamento reservado e à reflexão espiritual que marcam a data católica. Durante a Idade Moderna, os bailes de máscara, as fantasias e os carros alegóricos foram incorporados à festa. Com o passar do tempo, as características improvisadas e subversivas do Carnaval foram perdendo espaço para eventos com maior organização e espaços reservados à sua prática.

No Brasil, a tradicional festa é fortalecida anualmente pelo ditado popular; muitos costumam dizer que o ano só começa quando o Carnaval acaba. Em muitas cidades do país é praticamente impossível ficar avesso aos festejos durante os dias de folia, que geralmente ocorre no mês de fevereiro.  Economicamente falando, a festa  se revela como uma importante atividade econômica mobilizada e organizada.

Nesse período muitas pessoas do mundo todo vem ao Brasil curtir o evento, principalmente ao Rio de Janeiro, atraídos pelos grandes desfiles das escolas de samba na Marques de Sapucaí, mais conhecida como Sambódromo. Essa vinda de turistas fortalece nosso turismo e a economia. As cidades que mais atraem turistas são além do Rio, São Paulo, Recife (o Carnaval de Olinda é um dos mais badalados) e Bahia, com o famoso Carnaval dos blocos.

Em Mato Grosso, a festa é forte nas ruas, com seus blocos e micaretas no interior, como em Guiratinga, Poconé, Santo Antônio do Leverger, Arenápolis , Nossa Senhora do Livramento , Chapada dos Guimarães , Várzea Grande e  Sinop.

Em Cuiabá temos a tradicional festa na Praça da Mandioca: quem nunca foi, que cuiabano ainda não prestigiou a folia de Momo na praça mais tradicional da cidade, um local totalmente familiar. Gosto das marchinhas antigas de Carnaval que tocam lá, as marchinhas de carnavais tem  caído no esquecimento, e tomara que essa tradição perdure na Praça da Mandioca.

Os brasileiros aguardam com muita expectativa o Carnaval, não só aqueles que querem pular e brincar, mas também aqueles que desejam um descanso nesse período, e que preferem um retiro, para meditar e refletir. E quem também se beneficia por esta verdadeira paixão são os empresários das redes de hotéis  e restaurantes que faturam muito nesse período, e também os ambulantes e donos de barracas que aproveitam para faturar.

Embora o Carnaval seja comemorado em outros países, o Brasil se tornou conhecido como o país do Carnaval pela importância que lhe é dedicada por quem gosta da folia: como o brasileiro gosta dessa festa! O Carnaval tem o poder de tornar-se um elo de integração. É uma festa que não discrimina a condição social; é capaz de, num mesmo espaço, com máscaras ou sem, colocar lado a lado pessoas de diferente poder aquisitivo.

Para quem ainda vai brincar o Carnaval, que continua em alguns bairros da cidade de Cuiabá, juízo e responsabilidade. Vale as dicas que devem ser observados durante todos os dias, e não apenas no Carnaval: se beber, não dirija; e tenha cuidado nos seus relacionamentos, preserve sua saúde e a de outros.

Para quem inicia esta quarta-feira, de cinzas, que para muitos é de ressaca, que continue com esta alegria demonstrada nas festas de Momo durante todo o ano. Aproveite, celebre a vida e as boas coisas que ela nos proporciona. 

Silvio Fidelis é subsecretário  de Desenvolvimento Urbano, Econômico e Turismo  de Várzea Grande, professor, mestre e doutor em Educação, escritor e escreve exclusivamente neste Blog toda quarta-feira - e-mail: sa-fidelis@uol.com.br -Instagramsilvioafidelis

Postar um novo comentário

VIDA EM CÁRCERE | 09/02/2016, 12h:55 - Atualizado: 09/02/2016, 13h:09

Preso, ex-governador lê a Bíblia, assiste a TV, faz caminhada diária e recebe 5 visitas

Preso há quase cinco meses no Centro de Custódia de Cuiabá, o ex-governador Silval Barbosa, que é evangélico, dedica bom tempo à leitura da Bíblia e a alguns livros entregues por familiares. Também passa horas assistindo a tv. Divide a cela com mais dois, inclusive com um advogado. Este Blog apurou que a rotina limitada de afazeres começa cedo, com uma caminhada. A cena se repete todo dia.

A visita é permitida às quartas e domingos, das 14h às 17h. Silval só pode receber cinco pessoas, que já estão cadastradas. Na entrada, são obrigadas a apresentar uma carteirinha de identificação. São a esposa e ex-secretária Roseli Barbosa, os três filhos (Rodrigo, Ricardo e Carla) e o irmão de Silval, empresário Toninho Barbosa. Destes, os mais presentes no CCC são Roseli e Rodrigo. Fora seus advogados, com livre acesso a qualquer hora, e os cinco familiares, ninguém mais está autorizado a visitá-lo.

Galeria: Do comando do Estado à prisão

A angústia de ficar em cárcere contribuiu para perda de três quilos. No próximo 26 de abril, Silval completa 55 anos. Na cela, ele tem à disposição cama com colchão, televisão, bebedouro com água gelada, geladeira, ventilador e banheiro coletivo. Fora da cela, aproveita o chamado banho de sol para se exercitar. E faz caminhada.

O ex-governador está na unidade prisional destinada a abrigar presos temporários ou condenados com ensino superior desde 15 de setembro. É bacharel em Direito. E não pode compartilhar a mesma cela com outros réus da operação Sodoma. Estão no mesmo CCC os ex-secretários de Estado Marcel de Cursi e Pedro Nadaf, ambos da gestão do próprio Silval. Inicialmente, Silval ficou 18 dias recolhido no 1º Batalhão do Corpo de Bombeiros, em Cuiabá, até ser transferido ao CCC.

Crimes

Ele responde pelos crimes de formação de organização criminosa, concussão e lavagem de dinheiro. Segundo o Ministério Público, o ex-governador utilizou o cargo no Estado para chefiar um esquema de fraudes na concessão de benefícios fiscais. E, para piorar, a Justiça decretou nova prisão preventiva de Silval, desta vez por envolvimento na compra ilegal de uma área, em dezembro de 2014, adquirida pelo Estado pela segunda vez e com valor superfaturado, de acordo com o MPE, lesando os cofres públicos em R$ 7 milhões.

Defesa

A defesa vê injustiça na prisão do ex-governador. Mas não tem conseguido êxito nos recursos impetrados no Tribunal de Justiça, no Supremo e no STJ. Argumenta que há componentes políticos impedindo a liberdade de Silval.

Destaca que, no caso dos incentivos, tanto o delator quanto dois donos de factoring relataram à Justiça que os fatos não tiveram relação com o ex-governador, portanto, sustentam que este não teve participação ativa no esquema de propina para incluir empresas nos incentivos fiscais. Quanto à acusação de compra irregular de área pelo Intermat, a defesa afirma não existir prova de retorno de ilícito penal e que a compra não fora duplicada e, sim, que houve aumento da área e valorização desta e que, sendo assim, "não há razão para manter Silval preso".

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • Erminia siravegna | Quarta-Feira, 10 de Fevereiro de 2016, 03h39
    0
    0

    Erminia siravegna, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Paulo | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 23h00
    2
    0

    Não é inocência meu caro Tobias de Aguiar, tudo está resumido nas reticências que são usadas como modalizantes para falar um monte de coisas, inclusive o que você falou está incluso. Este bilhão do qual você fala são os trocados que um laranja desta estirpe levaria!!!

  • Tobias de Aguiar | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 18h09
    5
    1

    Paulo o Inocente! Ou interessado em mudar o foco das investigações. O Réu é protagonista, comemourou seu primeiro bilhão em um jantar com pougos amigos e familiares em 2014. Este senhor morou em um modesto apartamento na Rua Angelino Mancini 32, não mais que 10 anos atrás.

  • Cleuza D. P. Frias | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 15h21
    7
    1

    Na minha opinião, Silval deveria abrir a boca e entregar outros comparsas graudos que ajudaram a roubar o Estado.

  • Filô Ribeiro Santos | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 15h20
    5
    1

    Do céu para o inferno, passando pelo purgatório.

  • paulo | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 13h42
    7
    3

    Que situação difícil deste senhor que foi levado ao governo como laranja, fica em uma situação em que se abrir a boca....se ficar quieto se complica é o que está fazendo. Nunca governou governavam por ele e roubavam!!!

partidos | 09/02/2016, 11h:37 - Atualizado: 09/02/2016, 11h:44

Deputado afirma que Romoaldo não pode misturar eleição com atividades na AL


O deputado estadual licenciado Eduardo Botelho (PSB) afirma que o colega Romoaldo Junior (PMDB) não deve utilizar o veto do PSDB à aliança com PMDB, para ameaçar obstruir mensagens do Executivo. “Eleições municipais são independentes da Assembleia. O Legislativo não está vinculado com eleição. Uma coisa não interfere na outra”, rebate o socialista em visita à sede do Rdnews.

Acontece que Romoaldo, que é líder da bancada do PMDB, relatou que se a posição tucana não fosse revista, a legenda que conta com três parlamentares no Legislativo poderá votar contra os projetos de interesse do Governo. Além disso, o peemedebista classificou como arrogante, ditatorial e antidemocrático o veto do PSDB.

Líder do PMDB diz que veto do PSDB é arrogante e pode obstruir votações

Para tentar amenizar as discussões, Botelho ressalta que nunca ouviu da boca do governador Pedro Taques e nem do presidente do PSDB, deputado federal Nilson Leitão, que não sobem no palanque com os peemedebistas.

Gilberto Leite/Rdnews

eduardo_botelho

Deputado estadual Eduardo Botelho ressalta que as eleições não devem interferir trabalhos na AL

Entretanto, foi o próprio Leitão quem anunciou o veto, respaldado pelo governador. “O que ficou acertado é que o PSDB indica o vice do prefeito Mauro Mendes (PSB)”, diz o parlamentar, referindo-se à reunião ocorrida entre o PSDB e PMDB, na residência de Mauro.

De todo modo, Botelho lembra que em eleições sempre existiu vetos a partidos, em razão de questões ideológicas incompatíveis. “Isso pode realmente tirar algumas siglas do palanque”, frisa.

Nesta linha, o líder do Governo na Assembleia, Wilson Santos (PSDB), afirma que conjuntos de fatores fazem os partidos se distanciarem. Lembra do fato de o PMDB, em 2008, ter “pulado do barco” e não ter apoiado ele mesmo à Prefeitura de Cuiabá. “Então esses históricos vão consolidando algumas situações que levam uma decisão como essa”, reforça.

 Wilson afirma ainda que o veto não significa que os peemedebistas caminhem com os tucanos em outros municípios. Exemplifica que as legendas podem fazer parte da mesma chapa em Sinop, onde, segundo o parlamentar, o deputado Baiano Filho (PMDB) caminha para ter apoio de Leitão. “Romoaldo tem razão em parte. Mas ainda é cedo para discutir, vamos amadurecer esse assunto. Não é veto, mas o desejo de não caminhar com o PMDB é muito forte na Capital, no palanque em 2016”, pondera.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Valfer silva | Quinta-Feira, 11 de Fevereiro de 2016, 08h17
    0
    0

    Valfer silva, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Rebeca | Quinta-Feira, 11 de Fevereiro de 2016, 06h57
    0
    0

    Em Sinop, o candidato do PSDB é Fernando Assunção. O próprio Taques e Leitão já afirmaram que só apoiam Dilceu Dal Bosco, se este se filiar ao PSDB.

  • fernando | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 21h33
    13
    0

    Botelho vc precisa amigo de alguns mandatos nas costas para ter um pouco mais de experiência , depois vc da palpites.

  • José Moreira Figueira | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 20h58
    5
    2

    essa historinha de querer remendar ataques, autoritarismo, e aonde e conveniente seu Wilson Santos sabe bem, Botelho não misturar eleições municipais com atividades na Assembleia e assunto para suas conveniências a quem vocês pensa que vão ludibriarem com este papo fuuuuuuuuuuuuuuu

  • Diego | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 16h38
    6
    1

    Quem fala demais dá bom dia a cavalo! O PSDB está se achando muito, e poderá sair enfraquecido após as eleições. Não pode julgar um Estado inteiro, por uma coisa que está acontecendo na Capital.

| 09/02/2016, 00h:00 - Atualizado: 08/02/2016, 14h:14

A vida no piloto automático

Olga_200_fora

Olga Lustosa

A intrincada dança da rotina é que nos impede de quebrar certos hábitos e promover as mudanças que realmente importam em nossas vidas. São os hábitos que determinam o que comemos, como ocupamos nossas horas, como gastamos nossas economias. Como robôs ou escravos, vamos nós agindo numa sequencia de movimentos programados, que limitam os ciclos do nosso comportamento.

A vida, como um par de sapatos velhos e bons deve ser amaciada, lustrada, receber remendos, meia sola, para que confortavelmente dure muito. Vasta vida não pode existir apenas dentro de preocupações pessoais. Não existimos dentro de um quarto decorado refletindo nossas próprias imagens do piso ao teto. Dentro desse conceito estreito, a vida se torna monótona e insana. Estranhamente muitas pessoas sentem-se seguras em suas prisões apesar da natureza humana ser potencialmente criativa e transformadora. 

Então, como escapar dessa prisão que transforma pessoas interessantes e competentes em seres angustiados?

Teorias de como mudar a vida podem ser encontradas em manuais e livros que buscam esclarecer porque algumas pessoas lutam para mudar e não conseguem e outras, parecem renascer a cada dia. A princípio considere que mudar a vida implica mudar os hábitos e para mudar os hábitos inexoravelmente afetamos a rotina de outras pessoas, com as quais nos relacionamos.

É um processo de libertação das amarras que fazem mal, dos laços que apertam, dos horários exíguos, do tempo escasso. Mudar a vida não é alisar o cabelo, perder peso, aprender um idioma, fazer uma viagem.  E a menos que se reconheça o peso embutido nesta atitude, a vontade de mudar permanecerá apenas como uma voz dissidente num interior declinado para a rotina.

Os hábitos que moldam a rotina são profundamente tóxicos, insidiosos e muitas vezes invisíveis como um vírus, que destrói a satisfação, a emoção rara de flertar com a vida; um sentimento que desponta apenas quando a vida não é levada tão a ferro e fogo. Em outras palavras diria que o apego aos hábitos determina falta de criatividade e controle sobre as situações que trazem riscos e que podem machucar.  A rotina que organiza a vida é necessária, entretanto os hábitos que mantém nossas vidas operando no piloto automático deixam a impressão de que a vida está apenas passando por nós...E a vida é uma jornada de acontecimentos extraordinariamente impermanentes.

Ironicamente a rotina exagerada é uma voz destoante numa terça-feira de carnaval, onde nada sobrevive a desordem da dança, da alegria, dos relógios parados, dos corpos suados. Bem feito! Quando parece que vamos iniciar a rotina, nos salva o carnaval!

Bom feriado! 

Olga Borges Lustosa é cerimonialista pública e escreve exclusivamente neste Blog toda terça-feira - olgaborgeslustosa@gmail.com e www.olgalustosa.com

Postar um novo comentário

ARTIGO - SILVIA REGINA | 08/02/2016, 16h:32 - Atualizado: 08/02/2016, 16h:49

Carnaval com saúde

silvia regina artigo interno

Silvia Regina Cremonez

No Carnaval, as frases mais massificadas são quanto ao uso da camisinha e do sexo seguro, mas, as questões de saúde vão além disso. Devemos pensar em saúde de forma ampla e abrangente, primando pelo cuidado antecipado do bem estar e, acima de tudo, utilizando as informações para aproveitar ao máximo a diversão, mantendo este bem estar.

Divirta-se, use roupas leves, não exagere no consumo de bebidas alcoólicas e, caso as tenha ingerido, não dirija. Evite assim acidentes e confusões. Cabe ressaltar ainda os cuidados necessários frente à situação de emergência em saúde causada pela circulação simultânea de doenças transmitidas pelo vetor Aedes Aegytpi (dengue, zika e chicungunya), agravado ainda pelos casos de microcefalia em recém-nascidos provocado pelo Zika vírus. Portanto, o uso de repelente, roupas confortáveis e que protejam do vetor é indicado. Até parece conselho de mãe, e porque não!

Quando pensamos em cuidados, logo nos lembramos dos cuidados maternos, mas, como gestores da Saúde, é preciso pensar de forma ampla. Quando a equipe de Saúde realiza o planejamento são traçadas estratégias contendo dados e particularidades de cada região, visando a promoção e efetivação das ações de saúde.

No Carnaval, a distribuição das camisinhas é uma das ações, porém, as equipes de saúde são reforçadas para garantir o atendimento aos foliões. Nas cidades em que a festa de Momo é tradição, o reforço é garantido em todos os setores, e a saúde trabalha de forma integrada com a Segurança, Assistência Social e demais setores visando garantir o bem estar do cidadão.

Por isso nunca é demais lembrar a importância do folião portar documento de identificação e o Cartão SUS, que hoje é exigido para o melhor atendimento dos pacientes nas unidades públicas de saúde, mesmo os que possuem plano de saúde, afinal, todos usamos o SUS.

O SUS é imenso, englobando ações de Vigilância Sanitária, Vigilância Epidemiológica, Vacinação, Atendimento desde a Rede Básica até a Média e Alta Complexidade, SAMU, entre outros. Conhecer o SUS, participar desta grande política de saúde é essencial para garantir a efetividade do mesmo. Mas isso é assunto para novas conversas, afinal, é preciso desmistificar que o SUS é apenas grandes filas e sucateamento. Existe um SUS que funciona e é esse que desejamos fortalecer e, o que precisa ser melhorado, de forma coletiva faremos.

Participe ativamente da alegria do Carnaval, descontraia e aproveite muito. E quando passar a festa procure em sua cidade saber mais sobre o SUS, participe dos conselhos de Saúde e utilize o seu poder de cidadão para fortalecer a saúde pública. A população precisa e nós gestores agradecemos, pois o SUS é uma conquista do povo brasileiro e precisa ser mantida.

Silvia Regina Cremonez Sirena é presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde de Mato Grosso (Cosems-MT)

Postar um novo comentário

| 08/02/2016, 12h:50 - Atualizado: 08/02/2016, 12h:58

Governador faz teste de popularidade no Carnaval de Cuiabá, Chapada e Leverger


Fotos: José Medeiros

pedro taques feira da mandioca

Na passagem pela praça da Mandioca, na região central de Cuiabá, Pedro Taques recebe cumprimentos

Com 13 meses de mandato, já superando a fase de “lua de mel com a população”, o governador Pedro Taques resolveu testar a popularidade, caminhando no meio dos foliões. E foi bem receptivo. Acompanhado da primeira-dama e esposa, advogada Samira Martins, e de alguns secretários, Taques visitou neste Carnaval até agora a Praça da Mandioca, no centro de Cuiabá, e os festejos em Santo Antonio de Leverger e Chapada dos Guimarães. Como um candidato em campanha, cumprimentou com beijos, abraços e apertos de mão, tirou fotos e jantou no meio do povo.

A todo instante, era procurado para posar à fotografia ao lado de grupo de pessoas. Na feirinha da Mandioca, saiu cumprimentando até os que estavam sentados em bares e lanchonetes montados nas ruas paralelas. Encontrou por ali o secretário de Segurança Fábio Galindo, que fazia espécie de blitz com um batalhão de policiais.

pedro taques selfie

Com a esposa Samira, Pedro Taques posa para fotografia no Carnaval em Santo Antonio de Leverger

Junto com o governador chega também um forte esquema de segurança. Mas isso não o impede de sair cumprimentando a todos. No reencontro com pessoas conhecidas, acaba até prolongando o bate-papo.

São poucos os que abordam-no para apresentar algum pleito. Se aproximam mais para fazer registro fotográfico, inclusive usando pau de selfie. Alguns fazem comentários, enquanto cumprimentam o governador, soltando frases como “parabéns pelo governo diferente”, pelo “combate à corrupção”, pela “moralidade”.

pedro taques cozinha

Em Santo Antonio de Leverger, governador Pedro Taques se serve em jantar numa cozinha improvisada

Demonstrando certa simplicidade, Taques até foi se servir numa cozinha simples e montada ao lado da avenida tomada pelos foliões em Leverger. Já em Chapada, mesmo após a polêmica com o prefeito Lisu Koberstain, que não “patrocinou” o Carnaval popular por falta de recursos, levando o Estado a assegurar ao menos o reforço policial, Taques sentiu-se à vontade. Com alguns assessores acompanhando-no, como os secretários Paulo Taques (Casa Civil) e Paulo Brustolin (Fazenda), ele se juntou aos foliões do Bode do Karuá. E, no clima carnavalesco, entrou nas brincadeiras, como "Aí eu vou pra galera!" com um sósia do Seu Boneco da escolinha do Professor Raimundo.

E, assim, segue o governador com a popularidade em alta, por enquanto.

pedro taques boneco

Governador Pedro Taques até ensaia "vai pra galera" com sósia de Seu Boneco, no Carnaval de Chapada

taques chapada bode

Integrantes do Bode do Karuá, no Carnaval em Chapada dos Guimarães, fazem foto com o governador

Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • ana de campos | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 15h25
    3
    4

    PEDRO TAQUES, o Governador QUE ORGULHA Mato Grosso! PEDRO TAQUES, o político A SERVIÇO DO CIDADÃO DE BEM!

  • jose alfredo | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 12h30
    11
    3

    Antonio Borges filho, não fale por mim não ok,,,para mim esse governo esta devendo muito, até agora só festa e fotos,,,,o que ele prometeu em campanha ainda estamos esperamos ,,,,ja se foram mais de um ano.

  • Fran.CO | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 10h17
    5
    7

    Isso aí governador. Tem que está ao lado do povão. Bacana.

  • Antonio Borges filho | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 09h08
    5
    12

    Parabéns governador Pedro Taques,MT.todo está confiando no seu governo,porque todos conhecem a sua postura,seu caráter. Acreditamos que pode tá surgindo o tipo ou já está sendo o o tipo de governo.Do Povo,Para o Povo e Pelo o Povo.que Deus abençoe o seu Governo...

  • joao figueiredo | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 08h44
    16
    4

    não foi o que eu presenciei, e as vaias que esse cidadão recebeu, e foram muitas, porque não publicam?

  • taxista | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 06h40
    8
    2

    Governador, boa estratégia esta para medir a popularidade e por enquanto esta realmente bom, faça isso com alguns assessores entres eles o presidente do Indea porque este se acha mais importante do que o senhor Governador.. O senhor tem que substituir este sujeito o quanto antes porque ele vai afundar o seu Governo caso continue

  • eduardo | Segunda-Feira, 08 de Fevereiro de 2016, 21h24
    9
    3

    com holofote tudo é bonito

| 08/02/2016, 09h:48 - Atualizado: 08/02/2016, 10h:44

Foto de prefeito na praia provoca debate em Rondonópolis; Rondofolia foi suspenso


A postagem nas redes sociais de uma fotografia do prefeito Percival Muniz, sentado numa relaxante cadeira na areia da praia, de sunga e com barba aparada, ganhou repercussão, especialmente em Rondonópolis, município administrado por ele pela terceira vez. Aparece sorridente e acompanhado de dois amigos, um deles Gustavo Ihamber, filho do advogado Carlos Ihamber. Percival aproveitou o feriadão para curtir a praia com a família longe de Rondonópolis. Estaria em Ipanema, no Rio.

Como um foguete, a foto foi disparada nos compartilhamentos e invadiu os grupos de WhatsApp no momento em que o debate está acirrado pelo fato do prefeito ter interrompido o tradicional Rondonfolia, carnaval popular que arrastava multidão, sob argumento de falta de recursos, reflexo da crise financeira. Cada edição da festa, incluindo artistas de renome nacional, exige ao menos R$ 1 milhão de investimentos. Enquanto Rondonópolis não realiza o Rondonfolia, municípios bem menores da região Sul e do Vale do São Lourenço, como Alto Garças, Poxoréu, Tesouro e Jaciara, estão atraindo foliões com o Carnaval popular.

percival muniz praia 510

Sentado numa cadeira de praia, o prefeito rondonopolitano Percival Muniz faz pose para a fotografia

Sobre o assunto, vale algumas reflexões:

* Percival está curtindo a praia certamente com o dinheiro dele. Como prefeito, ganha quase R$ 20 mil mensais. É fazendeiro e acumula outras rendas. Dispõe de poder financeiro. Ademais, tem todo direito e liberdade de fazer o que bem entender com sua vida privada.

O prefeito é uma figura popular, gosta de usufruir da boemia, de ouvir e cantar moda de viola e não tem a preocupação de ser visto ao natural por onde passa.

Por outro lado, trata-se de uma figura pública, que exerce mandato graças à vontade da maioria do eleitor rondonopolitano. E divulgar foto curtindo a vida tem apelo popular forte. Pode levar muitos a interpretar a cena como sinal de ostentação e de deboche.

E a imagem de Percival na praia provoca revolta àqueles que esperavam lucrar o se fazer presente entre os 20 mil ou 30 mil que costumavam aparecer no Rondonfolia, seja no antigo aeroporto, seja na avenida Lions Internacional. Essa festa popular foi lançada pelo próprio Percival, em seu segundo mandato. Teve continuidade nas gestões Adilton Sachetti e Zé do Pátio. E agora o seu criador resolve dar uma pausa.

Por isso, recebe elogios de uns, que entendem que o momento é de crise e que o poder público também precisa economizar; e leva porrete de outros, que apontam falta de planejamento, pois poderia, na pior das hipóteses, buscar parcerias privadas para promover a festa do Rei Momo sem onerar o município.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Edson Pereira | Terça-Feira, 09 de Fevereiro de 2016, 01h38
    4
    1

    Alguns cidades fazem Carnaval com dinheiro público e atraem pessoas. O que ganham com isso? Nada, só prejuízo. O dinheiro seria muito melhor aplicado em saúde e educação. Os contribuintes é que pagam a gastança, lembrando que shows são uma das maneiras mais fáceis de fazer um superfaturamento.

  • joaoderondonopolis | Segunda-Feira, 08 de Fevereiro de 2016, 19h01
    4
    4

    Com este prefeito, Rondonópolis está regredindo, não é à toa que a população não quer mais votar nele, pior, não aceita nem como candidato. A cidade está abandonada, isto com uma arrecadação mensal líquido do rotativo rondon de R$ quase 1.milhão de reais e mais R$ 250 mil reais em multas, e não faz nada para melhor o trânsito da cidade.

  • Régis Rodrigues Ribeiro | Segunda-Feira, 08 de Fevereiro de 2016, 16h16
    9
    6

    Deixem Percival descansar. Ele como qualquer outro trabalhador tem direito à férias.

  • Paulino | Segunda-Feira, 08 de Fevereiro de 2016, 15h21
    7
    3

    Ele esta mais que certo. Demagogia desse povinho que acha que carnaval é tudo nessa vida. Vão trabalhar. Vão fazer algo de útil para seu município. Aproveitem esse feriadão para refletir o que vocês querem. Para refletir o que vocês estão fazendo nessa vida. Se estão vivendo ou só passando pela vida. Não tenho a menor satisfação ou alegria por este prefeito, mas, o que impede ele de ir à praia? De ir ao mercado? De ir para Londres, Alemanha, Berlin ou PQP? Se é dinheiro publico, provem e o coloque na cadeia. Se é dinheiro dele, particular, ele tem mais é que aproveitar e vocês, medíocres e hipócritas, que fiquem com seus julgamentos. É por isso que Rondonópolis, Cuiabá e o Brasil não vão pra frente.

  • XIKO | Segunda-Feira, 08 de Fevereiro de 2016, 13h47
    7
    7

    NA MINHA OPINIÃO SE A PESSOA OCUPA UM CARGO PUBLICO, ELE TEM QUE NO MAXIMO SER DISCRETO, EVITAR HOLOFOTES, POQUE CADA UM DE MODO DE PENSAR E ANALISAR, EU ACHO QUE PRIMEIRO ELE TERIA QUE RESOLVER A FESTA POPULAR NA SUA CIDADE, PORQUE ISSO TERIA MUITOS RENDIMENTOS PARA COMÉRCIOS E REDE HOTELARIA LOCAL, AI SIM ELE PARTIRIA PARA ONDE BEM QUISER, FAÇA COMO O GOVERNADOR PEDRO TAQUES SEJA A POPULAR, HUMILDE E JUNTA AO POVO NA MAIOR FESTA POPULAR DO BRASIL.

| 08/02/2016, 00h:00 - Atualizado: 07/02/2016, 19h:10

Contos de Carnaval

Sandra Alves articulista texto e capa

Sandra Alves

Carnaval, euforia, as pessoas pelas ruas de todo o Brasil numa sinergia impressionante. No ritmo vibrante Marry deu um passo para trás saindo da sala de impressão, quando trombou com Matheus no corredor. Bem mais alto que ela, o impacto a jogaria ao chão, não fosse ele tê-la segurado pelo braço trazendo-a ao seu encontro. Aquele segundo constrangedor em que o toque da pele incomoda pela atração instantânea. 

O subconsciente enviou o primeiro alerta quando ele apareceu num determinado sonho, sem muito propósito, aquele jornalista que recém chegara a empresa virava para Marry com ar autoritário, dizendo que seu texto estava fora da forma aprovada pela empresa. A transferência de Matheus para a empresa surpreendeu a todos. Com seus trinta e poucos anos, um brilho contagiante nos olhos castanhos claros, cabelos negros, queixo quadrado e dentes perfeitos, Matheus era capaz de tirar qualquer um do sério com sua autossuficiência.

Naquele ano, Marry ficaria responsável pela redação na empresa e o recém-chegado Matheus teve que substituir um colega que ficara doente. Matheus impediu que Marry fosse ao chão após o solavanco em seu peitoral, quando os braços fortes delineados pela prática de escalada em encostas desafiadoras, segurou-a fortemente. Passados alguns segundos, Matheus informou que deveriam pegar o vôo imediatamente para cobrir um evento.

Marry, com seu trabalho incontestável, contava com o respeito de todos. Suas campanhas eram sinônimo de sucesso. Não era necessário mais que uma hora de reunião para concluir pela solução ideal de cada problema. Apesar da objetividade, a educação e a fineza lhe impediam de disparar qualquer insulto contra quem quer que fosse. Vestia-se com simplicidade e elegância, sendo impossível desaperceber a beleza de sua forma feminina.

Viajar lado a lado, restritos pelo espaço da aeronave, obrigou a troca de palavras que fossem além das matérias do trabalho. As aventuras da adolescência surgiram num momento saudoso retro. Um sorriso doce de menino tímido e levado contrapôs a imagem do autossuficiente autoritário. Todos aqueles músculos pareciam irrigados por uma sensibilidade apaixonante.

Por outro lado, toda a frieza de emoções da mulher mostrava-se abalada ao confessar loucuras realizadas por algumas paixões. O ar feminino, ardente e cheio de fantasias capaz de desequilibrar o mais autossuficiente dos homens. Clima interrompido pelo aviso de apertar os cintos, retornar as poltronas ao sentido vertical e preparar para o pouso.

Toda a madrugada, o dia e a noite seguintes foram intensos, pela música e pelos foliões que continham uma energia sem fim. Os blocos carnavalescos se seguiam em sucessão incansável. A exibição de corpos, fantasias, alegria e muitos beijos eufóricos.  Trabalho cumprido, corpos exaustos, hora de voltar. Voo cancelado e hotéis com lotação completa. Resta como alternativa o compartilhamento de quarto pouco ortodoxo.

Uma bebida para sufragar o cansaço e abreviar o estresse. As microbolhas do fundo da taça continham o presságio de que outras emoções poderiam romper barreiras. Os olhos se encontraram no sorriso. Tomado pelo desejo, sem pensar Matheus trás Marry a seu encontro com seu braço forte passando por suas costas. A respiração de ambos se altera para um ritmo mais ofegante até o beijo. O barulho do carnaval ainda agita a vida lá fora. A fantasia pode durar horas perfeitas, até o que o som do despertador os leve de volta à quarta-feira. 

Sandra Cristina Alves é defensora pública do Estado, escritora e escreve exclusivamente neste Blog toda segunda (sandrac.alves@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Governo Dilma | 07/02/2016, 08h:50 - Atualizado: 07/02/2016, 08h:57

Deputado afirma que Kassab representa gestão medíocre e não dará resposta a MT


O deputado federal Nilson Leitão (PSDB) avalia que o ministro das Cidades Gilberto Kassab (PSD-SP), que esteve em  Cuiabá na última quinta (04) para ouvir demandas do governo do estado e dos municípios, não vai conseguir apresentar respostas concretas às reivindicações apresentadas pelos gestores. “A visita do Kassab foi a cara do governo Dilma. Recebemos um grande político, gestor premiadíssimo e com qualidade intelectual fantástica, mas por ser ministro de uma presidente medíocre, não conseguiu  dar passo à frente”, atacou o dirigente tucano. 

Gilberto Leite/Rdnews

gilberto kassab_gilberto leite (5).JPG

Ministro das Cidades Gilberto Kassab esteve em Mato Grosso para ouvir as demandas dos gestores

Segundo Nilson Leitão, a crise criada pelo próprio governo Dilma reflete em todos os ministérios, incluído o das Cidades.  Afirma também que apesar de ter assumido compromissos em Cuiabá, Kassab não consegue cumprir o orçamento. “O Ministério do Planejamento corta verbas, corta obras e paralisa os programas federais”, completou.  

Nilson Leitão cita como exemplo as construções de  creches paralisadas em todo país e os cortes no Pró-Infância. Além disso, aponta que o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida também sofre as consequências da política equivocada do governo federal. “O Minha Casa, Minha Vida virou um caos, um programa de desemprego, de quebradeira e de empreiteiras falidas. Então é lógico que é muito difícil ser ministro de uma presidente como essa. O Kassab acaba não tendo muito o que oferecer”, concluiu.  

Taques pede R$ 700 mi para concluir VLT e Kassab garante buscar solução

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • julio | Segunda-Feira, 08 de Fevereiro de 2016, 08h49
    3
    1

    se o ministro e tao ruim pra que fizeram tanta propaganda com a vinda dele ? se o deputado nilson leitao nao parar de querer fazer politica o governdor nao vai trazer nada para o mt. cuidado governador.

  • Homero | Segunda-Feira, 08 de Fevereiro de 2016, 08h36
    4
    1

    Na verdade, na verdade, Nilson Leitão está tentando ocupar espaço em todos os cantos, seja no controle do seu Partido, nas possíveis coligações em Cuiabá e, principalmente, no interior, seja nas demonstrações de amizade íntima com o mais alto mandatário de MT - no caso, o Governador Pedro Taques, seja nas capas de jornais e revistas, tudo para não perder espaço e se mostrar competente como político, almejando, com certeza, futuras eleições. Já os seus discursos na Câmara Federal e em eventos políticos são uma pérola (de se jogar aos porcos), e não refletem qq competência nesse meio. Veja-se o imbróglio que ele e o Deputado Romoaldo se meteram ao discriminarem os leprosos, não sabendo, ambos, porém, que leprosos, enquanto doentes, podem ser curados e não contaminam ninguém, ao contrário de políticos cujo mal cheiro não tem cura, e se impregna na pele de todos aqueles ao seu redor....

  • JOAO | Domingo, 07 de Fevereiro de 2016, 13h09
    0
    3

    HORA DE FALAR A VERDADE PSD APOIA DILMA .............. PLIN PLIN ......... FAVARO VICE DE TAQUES........ AI PODE AI E COERENTE COM A PALAVRA O SR TAQUES.

  • Rebeca | Domingo, 07 de Fevereiro de 2016, 11h25
    4
    1

    Esse Leitão precisa calar a boca urgente. O Governador precisando de recursos, o Ministro disposto à ajudar, e ele como sempre, vindo atrapalhar, como na estória do PMDB semana passada...

| 07/02/2016, 00h:00 - Atualizado: 05/02/2016, 12h:30

Teste da linguinha

jackelyne_artigo_domingo

Jackelyne Pontes

A Lei 13.002, de 2º de junho de 2014, torna obrigatória a realização do Protocolo de Avaliação do Frênulo da Língua em bebês, em todos os hospitais e maternidades, nas crianças nascidas em suas dependências. A avaliação do frênulo lingual serve para constatar o seu tamanho, em sendo curto de maneiras que prejudique à amamentação recomenda-se a sua secção (frenectomia).

A língua presa (anquiloglossia congênita) é considerada rara pelos pediatras e quando acontece exige um tratamento multidisciplinar por parte do fonoaudiólogo e do odontopediatra.

A justificativa por parte dos parlamentares é que este protocolo evita o desmame precoce, baixo ganho de peso e o constrangimento de alguns adultos que não foram avaliados no momento do seu nascimento e hoje tem dificuldades na fala, sofrendo assim constrangimentos e dificuldades de convívio social.

Os pediatras e fonoaudiólogos divergem quanto ao teste da linguinha. Alguns representantes da saúde dizem que a avaliação do bebê por completo, inclusive do frênulo lingual é feita rotineiramente pelo pediatra, e que a criação destes testes (do pezinho, da orelhinha, do coraçãozinho) é como seccionar o indivíduo e deixar de avalia-lo como um todo. 

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) lançou nota abordando diversos aspectos sobre a lei, dentre eles alegam que o pediatra assistente já faz o “teste da linguinha” na rotina de exames do recém-nascido como parte do protocolo de alta médica. Dizem ainda que para a tramitação da lei o Congresso Nacional não solicitou do Departamentos de Neonatologia e Otorrinolaringologia da SBP um parecer, sendo assim não há evidências científicas que justifique a legislação, e ainda que somente 10 bebês apresentam anquiloglossia em um universo de três milhões de recém-nascidos, o que é considerado um traço estatístico, sendo desnecessária a intervenção cirúrgica imediata.

Os fonoaudiólogos afirmam que  as funções de sucção e deglutição estão diretamente relacionadas com a amamentação, onde a participação dos movimentos da língua é fundamental.  Então, qualquer restrição à livre movimentação da língua pode resultar no comprometimento dessas funções, dificultando a amamentação. 

As opiniões podem ser divergentes, mas o ponto em comum é o bem estar do recém-nascido, que é o que realmente importa. O que deve haver é um protocolo consistente quanto à avaliação do frênulo lingual, seja ele feito pelo odontopediatra, otorrinolaringologista, pediatra ou fonoaudiólogo, e o procedimento cirúrgico (assim como a indicação deste), o “pique na língua”, seja realizado por um profissional habilitado para realiza-lo.

A utilização de protocolos específicos permite atuar de forma planejada, documentando procedimentos para sustentar as práticas clínicas com evidências.

Jackelyne Pontes é cirurgiã-dentista, mestre em Saúde Coletiva, filiada ao Sinodonto-MT (Sindicato dos Odontologistas do Estado de Mato Grosso) e escreve exclusivamente para este blog todo domingo - jackelynepontes@gmail.com

Postar um novo comentário

Eleições | 06/02/2016, 11h:47 - Atualizado: 07/02/2016, 09h:44

Secretário diz que PMDB está no final da fila de prioridades; foco na base de Taques


Um dos principais “cabos eleitorais” para a reeleição do prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (PSB), neste ano, o secretário de Agricultura Familiar e Regularização Fundiária (Sedraf), Suelme Evangelista, afirma que a prioridade é coligar com os 12 partidos que ajudaram a eleger o governador Pedro Taques (PSDB) ao Palácio Paiaguás, em 2014.

Para Suelme, não se pode perder o alinhamento que existe entre a Prefeitura de Cuiabá e o governo estadual. Por isso, a necessidade de começar as discussões de “dentro para fora” com as 12 legendas, que são (PDT, PP, DEM, PSDB, PPS, PV, PTB, PSDC, PSC, PRP, PSL e PRB). “O PMDB é um dos partidos que estão na linha de prioridades bem distante do nosso radar”, garante o gestor em entrevista ao RDTV - veja abaixo.

De todo modo, o secretário, que já ocupou a pasta de Cidades na Gestão Mauro Mendes, admite que na democracia é salutar que se conversa com todos partidos. “Não há discriminação. O prefeito ainda vai definir o processo político. neste momento não temos que ter objeção a discussão com outra força política”, ameniza.

O fato é que em reunião entre o PSB e o PSDB, na residência do prefeito, ficou acertado que os tucanos irão indicar o vice de Mauro. Além disso, o presidente estadual do PSDB, deputado federal Nilson Letão, garantiu que a legenda não sobe no mesmo palanque dos peemedebistas em razão do legado de má-gestão envolvendo o ex-governador Silval Barbosa, hoje preso. O veto, inclusive, tem o aval de Taques.

Blairo Maggi

Amigo do prefeito Mauro Mendes e preste a ingressar no PMDB, o senador Blairo Maggi (PR), em entrevista ao Rdnews, desconhece qualquer tipo de veto aos peemedebistas e garante que a preferência é por apoiar Mauro. No entanto, ressalta que se existir o impedimento, o partido irá trabalho com candidatura própria na Capital.

Por isso, o PMDB convidou o deputado estadual Emanuel Pinheiro (PR) para filiar-se à sigla. Apesar de adiantar que a tendência é permanecer na legenda, Emanuel afirma que vai avaliar a proposta, uma vez que é próximo a Blairo.

 Diante do impasse, Suelme relata que é preciso afastar o debate de 2018, entre PSDB e PMDB. Acredita que deve focar na reeleição do prefeito, para que continue a boa relação entre os Executivos municipal e estadual. “Cuiabá não pode perder a parceria Mauro Mendes e Taques, acredito que nem um e nem outro vai trair os interesses da sociedade”, aponta.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Homero | Domingo, 07 de Fevereiro de 2016, 08h06
    3
    3

    "O PMDB vai reeditar a dobradinha Lúdio-Faiad, em parceria com o PT e com grandes chances de vitória"... Se Mato Grosso dependesse de analistas políticos-palpiteiros-pentelhos-eleitores desse naipe, poderia se considerar o pior Estado do Brasil. Só os cegos de inteligência e percepção, e desavisados do que o PT fez com o País e o PMDB implantou em MT, para falarem uma asneira dessas... Vade Retrum !!!

  • mauro | Sábado, 06 de Fevereiro de 2016, 20h59
    0
    4

    SE O PMDB APOIAR O PROCURADOR MAURO TIAL UM ABRAÇO

  • Rebeca | Sábado, 06 de Fevereiro de 2016, 12h04
    1
    5

    O PMDB vai reeditar a dobradinha Lúdio-Faiad, em parceria com o PT e com grandes chances de vitória.

| 06/02/2016, 00h:00 - Atualizado: 06/02/2016, 08h:20

O carnaval e a juventude

akio materia estreia colunista

Akio Maluf Sasaki

Não existe data mais esperada pela juventude brasileira do que o Carnaval, momento de festa, de alegria, de "curtição" e até mesmo de liberdade emocional. Época do ano em que muita gente aproveita para "conhecer pessoas novas".

O problema é que o Carnaval em si tem muitos perigos, dependendo do local em que você estiver ele pode trazer riscos para a tua própria vida. Então, é preciso ter cuidado na hora de curtir a festa. Como jovem e também articulista, considero importante lembrar e auxiliar um pouco a juventude com os perigos desta amada festa, para que possamos continuar a ter uma vida normal após a data.

Vamos lá:

O primeiro perigo enfrentado pelos jovens no carnaval é o álcool. Muitas vezes consumido em excesso, outras misturado a bebidas que não deveriam estar acompanhando e, em alguns casos, com drogas, situações estas que trarão sérios problemas para o jovem.

Outro perigo enfrentado é o dos assaltos, como as pessoas costumam economizar muito para as festas, é recomendado o dobro de atenção com estranhos na rua, nunca se sabe quando você irá perder a carteira ou a vida na mão de um marginal armado.

Continuando com os perigos, é importante também tomar cuidado nas relações com terceiros, pois uma infindável lista de doenças poderá ser transmitida através do contato, seja ela um simples sapinho, para AIDS e HPV por exemplo, vale lembrar que ainda não existe cura para a AIDS e mais algumas delas.

Uma vez cumprido o dever de lembrar e informar que existem perigos, vale lembrar que existem festas lindas nas redondezas da Cidade Verde, pois existirão foliões te esperando animados desde a Praça da Mandioca até Chapada dos Guimarães.

Aproveite o Carnaval, curta a festa, divirta-se, aproveite a beleza dos desfiles, mas não se esqueça de se precaver contra qualquer contratempo. Por fim, desejo a todos um excelente Carnaval, que todos possam curtir a folia em paz e um bom começo de 2016 para todos (risos).

Akio Maluf Sasaki é acadêmico de Direito da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), atua em cooperação internacional do turismo e escreve neste Blog todo sábado - akio@pontodeapoioturismo.com.br

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • LUIZ AUGUSTO VIEIRA SILVA | Sábado, 06 de Fevereiro de 2016, 17h15
    1
    0

    Parabéns Akio muito bem recomendado excelente dica...

INíCIO
ANTERIOR
1 de 710