Cuiabá, 31 de Julho de 2014
  • Camila Cecílio

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Camila Cecílio

  • Camila Cervantes

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Camila Cervantes

  • Francis Amorim

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Francis Amorim

  • Gabriela Araújo

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Gabriela Araújo

  • Glaucia Colognesi

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Glaucia Colognesi

  • Jacques Gosch

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Jacques Gosch

  • Patrícia Sanches

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Patrícia Sanches

  • Talita Ormond

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Talita Ormond

  • Tarso Nunes

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Tarso Nunes

  • Thaisa Pimpão

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Thaisa Pimpão

  • Valérya Próspero

    Com os jornalistas do
    Grupo RDNews

    Valérya Próspero

Judiciário | 27/09/2011, 12h:11 - Atualizado: 27/09/2011, 17h:44

Sinjusmat fica sem respaldo de greve; TJ espera TC sobre URV

Sinjusmat fracassa na tentativa de greve; Tribunal espera aval do TCE para pagar URV

Rubens de Oliveira   O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Rubens de Oliveira, aguarda a conclusão do relatório de uma comissão técnica do Tribunal de Contas do Estado para saber, de fato, o montante das diferenças salariais derivadas da transição da Unidade Real de Valor (URV) para moeda Real, em 1994. Somente depois disso é que o Judiciário vai disponibilizar, com precisão e segurança, o que cada servidor tem direito a receber. A previsão é de que o relatório do TCE seja concluído até sexta (30). A URV foi um indexador que passaria a corrigir diariamente preços, salários e serviços, como uma espécie de moeda. Teve validade de março a julho de 94.

    Enquanto o TJ se diz empenhado em resolver o impasse, Rosenwal Rodrigues, em campanha pela reeleição no Sinjusmat e para demostrar empenho e conquistar a simpatia dos servidores, passou a liderar movimento por nova greve, mesmo já tendo levado a categoria a paralisar as atividades por 128 dias e retornado ao trabalho sem resultado satisfatório.

    A articulação é para cruzar os braços a partir de 3 de outubro. Rosenwal tem feito assembleias e, estrategicamente, deixado para colocar em votação a proposta de greve quando a maioria dos servidores deixa a reunião, restando para votar os seus aliados, como aconteceu em Rondonópolis nesta segunda. O sindicalista dispara críticas ao que chama de intransigência do presidente Rubens, que administra um quadro de 5 mil servidores cuja folha anual chega a R$ 430 milhões.

    Uma estratégia da Mesa Diretora do TJ tem anulado as ações políticas de Rosenwal. Rubens resolveu encaminhar para cada servidor uma carta explicativa acerca do pagamento da URV. Ele destaca no documento, sem citar nome, que há informações infundadas e inconsistentes disseminadas para os servidores e observa que isso pode gerar dúvidas quanto às ações que estão sendo desenvolvidas pela administração, visando atender a reivindicação da categoria.

    Embates

    O Sinjusmat obteve no ano passado decisão judicial favorável ao pagamento da URV aos servidores sindicalizados. Depois, esse direito foi estendido aos demais, por decisão administrativa do Conselho de Magistratura, referendada pelo Tribunal Pleno. Nesse caso, os sindicalizados que subscreveram a ação judicial podem receber a URV tanto pela via judicial quanto pela administrativa. Já os servidores que não são vinculados ao sindicato podem ajuizar ação ou aguardar o pagamento pela via administrativa.

    A presidência do TJ assegura que se comprometeu em disponibilizar R$ 11 milhões dos recursos orçamentários para pagamento parcial da URV e aguarda uma decisão do governo quanto à proposta de ampliar esse valor com recursos do Tesouro Estadual. Assegura que está sendo negociado diretamente pelo presidente do Sinjusmat, buscando fazer uma programação de pagamentos parciais. O Tribunal destaca que só conseguirá avançar mesmo quando receber do TCE os cálculos das diferenças salariais. Adianta para possibilidade de duas formas de pagamento.

    Pela via administrativa, seriam utilizados os R$ 11 milhões, com contrapartida do governo, se vier a ser concretizada, ampliando a capacidade de pagamento. A outra seria a via judicial, por meio de Requisição de Pequeno Valor (RPV), pela qual, após executada a sentença, os detentores dos créditos até o limite de R$ 9,2 mil poderão recebê-los de uma só vez, num prazo de 120 dias. Busca-se também negociação via precatório na ordem cronológica. Nesse caso, os credores maiores de 60 anos ou portadores de doença grave podem receber até 3 vezes o valor da RPV, ou seja, R$ 27,6 mil, com prioridade na ordem de pagamento.

    Na carta, Rubens de Oliveira diz que a administração tem se empenhado para encontrar mecanismos que assegurem o pagamento da URV e outros direitos dos servidores, assim como já feito em relação à liberação de R$ 300 a título de auxílio-alimentação. Cita ainda aumento de 16% e mais 6,7% de reposição salarial.

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • Ronaldo | Terça-Feira, 27 de Setembro de 2011, 18h04
    0
    0

    Primeiro o comentário do Professor Antonio Fagundes: Não coloque mão na cumbuca alheia, se está satisfeito com o seu sálario não teria feito greve, e o seu sindicato fez. Se não tem vale alimentação você está perdendo tempo peça ao seu gestor ou então vai fazer novela. Segundo comentário do Afonso Melo: Você hoje já tomou tanta porrada na página do enoque e não aprende, deixa de ser baba ovo, se atirar no s... do patrão acerta a sua boca. Emprego não se conquista dessa forma, se não deu faça outro concurso.

  • Maria José | Terça-Feira, 27 de Setembro de 2011, 15h28
    0
    0

    pelo amor de Deus senhor presidente, pague aos servidores aquilo q lhes é de direito,ñ é justo que servidores qeue se aposentaram a três anos ñ receberam até hoje ñ só a URV mais tambem seus direitos, com ferias , licênça premio e tc... conheço gente que esta no limite .

  • antonio fagundes | Terça-Feira, 27 de Setembro de 2011, 13h58
    0
    0

    Não conheço pessoalmente esse Presidente do Tribunal de Justiça, mas tenho acompanhado as noticias do Poder Judiciário e há muito tempo não vejo, uma administração tão tranquila, serena e realizadora como essa, por exemplo, eu nunca vi o judiciário metendo a cumbuca em questões de drogas, queimadas e saúde como tenho visto nesta gestão. Esse projeto realizado hoje no porto de cuiabá, é prova disso, quando que se viu falar em uma ação dessa grandeza em nosso Estado. Outra questão que tenho observado é o tratamento com o servidor, e prova disso, conforme a reportagem, são os aumentos salariais e o auxilio alimentação. Só para registrar, sou professor da rede estadual de ensino e não recebo esse auxilio alimentação.

  • Afonso Melo | Terça-Feira, 27 de Setembro de 2011, 12h51
    0
    0

    Primeiramente confio em Deus, que a solução deste problema da URV, está próximo de ser resolvido. Segundo acredito nos homens de boa vontade, que trabalham honestamente e fundamentalmente com a verdade, pois tenho certeza q sua Excelência, o Presidente do Tribunal, não tem motivos, nem necessidade de mentir a seus servidores, e mais ele não disputa reeleição p/presidência do TJ, ao contrário dos politicos q a todo custo querem se manter no poder, mesmo q seja preciso mentir, ameaçar, enganar, chantagear, achando que os servidores são idiotas. Temos q relembrar todos os fatos anti e pós greve, para tomarmos uma decisão consciente.

Pesquisa Mark | 31/07/2014, 14h:16 - Atualizado: 03h atrás

Após pesquisa, Wellington diz que eleitor ainda não "entrou" no processo eleitoral


Davi Valle/Rdnews

wellington fagundes-30-06-2014-Davi Valle (2).JPG

Após pesquisa Mark, Wellington pondera o momento é de trabalhar bastante

O candidato ao Senado, deputado federal Wellington Fagundes (PR), acredita que a escolha de Rogério Salles (PSDB) para enfrentá-lo nas urnas foi estratégica. Isso porque, segundo o republicano, a intenção do bloco de oposição é tirar votos do deputado, em Rondonópolis, onde também é reduto do tucano, vice-prefeito do município. “Mas sou um político de diálogo e, por isso, tenho trânsito em todo o Estado”, enfatiza em entrevista ao Rdnews.

Wellington aparece em primeiro colocado nas intenções de votos à senatória, conforme pesquisa espontânea divulgada pelo Instituto Mark, em parceria exclusiva com o site Rdnews. O republicano figura 8,5%, à frente de Jayme Campos (DEM) que tem 1,8%, mas já desistiu da disputa, e de Rui Prado (PSD) que está com 1,7%. O curioso fica acerca do número de indecisos, que somam mais de 84%.

Para o deputado, a pesquisa é uma forma de estimular e dar continuidade para a caminhada na campanha eleitoral, no qual está há duas semanas percorrendo vários municípios, juntamente com o candidato ao Governo, Lúdio Cabral (PT). Entretanto, Wellington afirma que valerá mesmo é o voto nas urnas em 5 de outubro. “Quem achar que já ganhou neste momento, é forte candidato para perder”, alerta.

 Quanto ao grande número de indecisos, o parlamentar ressalta que isso significa que o eleitor ainda não está, neste momento, voltado para a eleição. Contudo, a hora que começar o horário eleitoral, em 15 de agosto, bem como os debates, este número deve cair. “Agora é hora de trabalhar e trabalhar. Mostrarei minha história de vida, os trabalhos como parlamentar para o desenvolvimento do Estado”, adianta o republicano referindo-se a alguns episódio do programa eleitoral.

Na espontânea, Wellington lidera com folga

Postar um novo comentário

| 31/07/2014, 11h:20 - Atualizado: 05h atrás

Blairo quer atravessar campanha de fora


Fernando Ordakowski

ludio cabral blairo maggi

Blairo Maggi resiste em participar da campanha e não quer nem gravar para horário eleitoral de Lúdio

Lúdio Cabral, candidato situacionista e em segundo lugar na pesquisa Mark na corrida ao governo estadual, atrás de Pedro Taques (PDT), se esforça para arrastar à campanha o senador e empresário Blairo Maggi, que é do PR, integrante da coligação do petista. Entende que o ex-governador tem peso político importante e seria o cabo eleitoral ideal para ajudá-lo. Mas essa é uma missão difícil. Blairo não está nem aí para o pleito deste ano. Quer atravessar a campanha olhando todo o processo de longe, condição cômoda, principalmente porque possui aliados atuando nas três principais candidaturas ao Palácio Paiaguás, com Lúdio, Taques e com José Riva (PSD). A esperança do petista é que a presidente Dilma intervenha no sentido de convencer o republicano a tanto subir no palanque quanto gravar participação no horário eleitoral.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Nelson Renato Lemos Melo | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 16h22
    0
    0

    Sempre tive um grande respeito pelo Senador Blairo Magi, pela sua pessoa e como gestor público, sem dúvida fez uma grande administração em nosso estado, porém seu posicionamento se omitindo de declarar apoio ao candidato que seu partido está coligado e ficando afastado do pleito, fazendo média com todos os candidatos me faz reavaliar minha avaliação, não com relação a sua gestão, mas como homem público e que teve todo apoio em todas as eleições que disputou.

| 31/07/2014, 11h:01 - Atualizado: 01h atrás

PF realiza operação e juiz federal é alvo


A Polícia Federal cumpriu mandatos de busca e apreensão na manhã desta quinta (31) contra o juiz federal Raphael Cazelli, que atua na 2ª Vara, na Comarca de Cáceres (a 214 km de Cuiabá), por suposta participação em um esquema de venda de sentenças. A determinação faz parte da Operação São José e foi confirmada pela própria PF. 

Informações preliminares davam conta de que três advogados teriam sido presos. O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MT), Maurício Audi, afirmou ao Rdnews que até agora a informação não foi confirmada. Segundo ele, a PF costuma comunicar a OAB para acompanhar as operaçõe que têm advogados como alvos e nesta a Ordem não foi comunicada de nada.

Às 13h55 - OAB diz que escritórios não foram alvos da PF

Confome o presidente da OAB, nenhum escritório de advogado foi alvo de agentes federais nesta quinta. Conforme Aude, ele esteve reunido com o superintendente da PF, que lhe repassou os dados. O presidente confirma, entretanto que a casa de um advogado, em Cuiabá, teria sido visitada por agentes federais, assim como  um hotel, em Cáceres. "De qualquer forma, vamos continuar acompanhando o caso", salienta Aude.

Às 14h08 - OAB acompanha caso e analisa documentos

Conforme o presidente da OAB, membro da Comissão das Prerrogativas acompanhou o cumprimento do mandado de busca e apreensão na casa de um advogado, após ser notificado pela PF. Agora, a Ordem solicitou cópias dos documentos para analisar o caso.

 

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Elina Johnson | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 14h52
    0
    0

    Elina Johnson, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • leci | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 12h45
    2
    0

    Nunca na historia deste País a PF teve liberdade de fazer seu trabalho, parabéns aos profissionais atuante da PF.

| 31/07/2014, 07h:10 - Atualizado: 31/07/2014, 07h:12

Viva Chapada!

maria_rita_artigo_quinta

Maria Rita

São 60 anos de emancipação política comemorados hoje no município. Mas a história de Chapada dos Guimarães é muito mais antiga. A região é assentada sobre uma das mais antigas placas tectônicas do planeta. Já foi coberta por uma extensa camada de gelo. O gelo virou um grande mar raso há 300 milhões. Depois a água salgada deu lugar a um grande deserto. Já a história do homem branco neste território é praticamente contemporânea a trajetória de Cuiabá. Por conta do clima ameno e da localização estratégica no caminho para Goiás o povoado foi prosperando. Os escravos produziam cana, farinha e carne seca na região e abasteciam o mercado da capital e o exercito que combatia na Guerra do Paraguai. A missão jesuíta  localizada serra acima recebia toda sorte de índios. Mas a expulsão dos jesuítas,  o fim da escravidão e da Guerra do Paraguai derrubaram a economia local.

No começo do século passado Chapada quase se transformou na capital de Mato Grosso. O governador Mario Correa da Costa chegou a lançar a pedra fundamental da nova cidade, mas a revolução de 1930 impediu que ele concretizasse seus planos.

Em 1953 o município é finalmente criado com terras desmembradas de Rosário Oeste. Em 1976 anexaram sete distritos a Chapada, entre eles Sinop. A extensão de terra era tão grande que chegava a ser considerado o maior município do mundo, pois fazia fronteira até com o Pará. Alguns anos depois do município foram desmembradas cidades como Paranatinga, Colíder e Campo Verde. Nos anos de 1980 chegam os hippies e a cidade conhece sua fase esotérica. Os governadores elegem a cidade para o repouso de final de semana e com isso toda a classe política passa a frequentar Chapada. O tempo torna a passar e hoje o município  luta para prosperar economicamente. Uma série de gestões políticas equivocadas atrapalharam o desenvolvimento da cidade e dos setores que poderiam lhe impulsionar.

Como já aconteceu em outros mandatos, o atual prefeito eleito está afastado e responde por uma série de denúncias. O vice assumiu e o cenário que encontrou é desolador. Área da Saúde com convênios vencidos e atendimento precários. Ruas e estradas completamente esburacados, várias construções e reformas inacabadas, funcionários públicos completamente desmotivados, grandes áreas de terra invadidas, pontos turísticos fechados e cidadãos com a auto estima lá no chão.

A população do município ao completar 60 anos não tem muito o que comemorar. Lentamente junta seus cacos e busca uma nova perspectiva para os próximos anos. Mas como dizem o povo tem o governante que merece e se hoje sofre por gestões pífias é grande sua parcela de culpa. A cultura da venda do voto é antiga na cidade e isso perpetuou políticos e famílias tradicionais no poder.

Meu desejo para esta cidade cuja trajetória tentei resgatar em poucas linhas é de que logo consiga encontrar seu local de destaque. Mas isso se dará no momento em que a população acreditar que o município merece. No instante em que compreender o tamanho da riqueza que possui e faz com que pessoas do mundo todo venham aqui conhecer seus atrativos. Vida longa a esta cidade acolhedora, cheia de encantos e que necessita do carinho e da ajuda de seus munícipes para alcançar seu lugar de destaque.

Maria Rita Ferreira Uemura é jornalista, empresária, diretora da empresa de eventos de aventura ULTRAMACHO e escreve exclusivamente toda quinta-feira neste Blog (www.ULTRAMACHO.com.br) - e-mail: ferreirauemura@gmail.com

Postar um novo comentário

MARK/RDNEWS | 31/07/2014, 00h:00 - Atualizado: 01h atrás

Em 20 dias Taques perde 4 pontos, mas segue líder com 28%; Lúdio, 22%; Riva, 16%

Somente 6,8 pontos percentuais separam o pedetista do petista


Nos últimos 20 dias, o candidato a governador Pedro Taques (PDT) perdeu 4 pontos nas intenções de voto, mas segue líder com 28,8%. A segunda colocação continua com o ex-vereador cuiabano Lúdio Cabral (PT), que oscilou de 21,2% para 22%. A diferença de Taques é de 6,8 pontos percentuais. Em terceiro lugar, o deputado José Riva (PSD) avançou no período de 14,3% para 16,2%. Os dados são da segunda rodada da pesquisa do instituto Mark, feita em parceria exclusiva com o portal Rdnews entre os últimos dias 25 e 29. Somente neste ano, a Mark já realizou sete rodadas.

Os pesquisadores ouviram 1.193 eleitores de 71 municípios. A margem de erro é de 3% para mais ou para menos e o intervalo de confiança é de 95%. Os resultados das tabelas foram arredondados pelo programa para totalizarem 100%. A pesquisa está registrada no TRE, sob protocolo MT-00041/2014.

governo pesquisa mark

Mark revela liderança de Pedro Taques, mas com menos de 7 pontos percentuais sobre Lúdio Cabral

Na espontânea - quando o eleitor declina o nome de preferência sem auxílio da lista com nome dos candidatos -, o senador pedetista também impõe liderança com 11%. Lúdio aparece com 6,7%, com Riva quase empatado tecnicamente, já que pontua com 3,1%. Nesse caso, o universo de indecisos se eleva para 75,9%.Na amostragem realizada no período de 11 a 14 deste mês, a primeira no Estado após as convenções, Taques estava com 33,1%. Agora figura com 28,8%. O cenário hoje é de segundo turno, algo que seria inédito no Estado. Os demais candidatos não atingem a 2 pontos percentuais. José Roberto, do Psol, está com 1,9%. O jornalista José Marcondes, o Muvuca (PHS), registra 0,4%. Na sondagem estimulada, 28,9% se declararam indecisos.

Quanto à rejeição para governador, Riva lidera. Declararam que não votariam nele de jeito nenhum 20,2%. Muvuca enfrenta resistência de 7,1%, enquanto Taques é rejeitado por 5,4% e, Lúdio, por 4,4%. Em simulação de segundo turno, Taques bateria Lúdio (33,4% a 25,2%) e Riva (37,1% a 17,7%). 

Trabalho de campo

Dos entrevistados, 3,5% moram na zona rural e, 96,5%, na urbana. São do sexo masculino 51,6% e, do feminino, 48,4%. Sobre a idade, 2,6% têm entre 16 e 17 anos; 14% entre 18 e 24; 23,6%, de 25 a 34; 26,2%, de 35 a 44 anos; 25,4%, de 45 a 49; e 8,2% possuem mais de 60 anos. Quanto ao grau de instrução, 5% ou são analfabetos e/ou cursaram o primário incompleto; 13,7% têm nível primário completo e/ou 1º grau incompleto; 40,2% (1º grau completo e/ou 2º grau incompleto; 35% (2º grau completo e/ou superior por concluir; e 6,1% contam com curso superior. Segundo a pesquisa, 7% dos entrevistados disseram que a renda familiar é de até um salário mínimo; 66,9%, de um a cinco salários; 22%, de 5 a 10; 3,2% acumulam entre 10 e 20 mínimos; e 0,8% conta com mais de 20 salários mínimos.

pesquisa_estadual_final_julho_2014_cidades

Entre 25 e 29 de julho, os pesquisadores da Mark ouviram 1.193 eleitores de 71 municípios de MT

Postar um novo comentário

Comentários (41)

  • Firmina | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 16h12
    4
    2

    Quanto mais o tempo passa, mais o Taques cai e o Ludio sobe.

  • André | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 15h48
    3
    5

    Antes vamos esclarecer o tamanho do TOMBO do Senador Pedro Taques. que caiu 4 pontos, o que equivale efetivamente a 13% das intenções de voto da pesquisa divulgada. Uma queda muito acentuada em um período bem curto.No caso do candidato Lúdio, subiu 3,8 %, se matem no patamar anterior das intenções de voto. E no caso do Deputado Riva subiu 13,2%. Até o dia das eleições muita coisa vai mudar.

  • Nani Borges | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 15h34
    4
    5

    Parece que o povo que apoia Taques adora uma baixaria, mantenha o nível do debate Solange, por favor. Não seja arrogante com os demais leitores deste site. Mantenhamos o respeito. E não há nada demais em falar em todos assumirem que votam no Ludio, inclusive vc. Pode sair do armário! Beijocas

  • Solange Alves | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 14h40
    5
    5

    Para Val. Para de mentir, pois aqui em Sorriso 80% é Pedro Taques. Nosso povo não quer saber de candidatos que representem esse governo que está aí. Ou vc que mora aqui não está vendo assaltos e mortes todo dia. Hospital Regional sem funcionar. Escolas abandonadas. etc... Ah, Val, só se vc quer que continue assim. Mas graças a Deus, Sorriso está consciente de que tem que mudar. Se vc não está com medo como eue minha família vote em Lúcio ou Riva, que tudo continuará como está hoje.

  • Vanderlei | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 14h00
    1
    1

    Vanderlei, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • raphael curvo | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 13h50
    1
    3

    algo a ser avaliado.....6,8 na induzida e o dobro na espontânea ......

  • Rafael Bastos | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 13h42
    5
    1

    A tendência é o quadro se estabilizar? kkkkkkkkkkkkkkkk! Ainda quer chamar as pessoas de ignorantes. Pelo visto não entende de estatísticas nenhum pouco. Caro amigo Moreira, a campanha nem começou ainda, a tendência não é pela estabilização de maneira alguma, esse período que o senhor citou foi agora 30 dias pós eleições e ainda deve se arrastar por mais uma ou duas semanas devido aos registros ainda não terem saído. Em setembro até o dia da eleição a tendência é de instabilidade, pois as campanhas vão estar nas ruas e o jogo vai começar a ficar bruto, principalmente nos últimos 15 dias que será a época em que os candidatos verdadeiramente atacarão com suas estratégias e cartadas finais para levar o pleito. Então meu caro Moreira, não chame ninguém de ignorante porque quem parece que desconhece aqui é você.

  • Nivaldo Teodoro de Mello | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 13h32
    1
    0

    Nivaldo Teodoro de Mello, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Carlos Neto | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 13h27
    0
    0

    Carlos Neto, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • francisco | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 12h39
    2
    8

    vamos riva firme ate o segundo turno taques ta caindo

MARK/RDNEWS | 31/07/2014, 00h:00 - Atualizado: 06h atrás

Na espontânea, Wellington lidera com folga

Pesquisa foi feito quando Jayme já havia desistido da disputa


Pesquisa espontânea do instituto Mark, realizada entre 25 e 29 deste mês, aponta que Wellington Fagundes (PR) é o favorito na disputa ao Senado. Esse trabalho de campo se deu no período em que o senador Jayme Campos (DEM) já havia comunicado publicamente que não seria mais candidato à reeleição. O nome de Rogério Salles (PSDB), que o substitui na coligação que tem Pedro Taques ao Governo, não aparece na sondagem, mesmo que espontaneamente, porque somente nesta quarta é que o tucano foi anunciado oficialmente como candidato. O instituto não fez amostragem estimulada porque o quadro de candidatos, mesmo depois das convenções, registrou vacância por alguns dias.

De acordo com a Mark, na pesquisa realizada em parceria com o portal Rdnews, Wellington detém 8,5% das intenções de voto. Jayme apareceu com 1,8%. O candidato a senador pelo PSD, pecuarista Rui Prado, conta com 1,7%. Os demais nomes não chegam a um ponto percentual. 

senado mark 31-7

Levantamento espontâneo do instituto Mark aponta Wellington Fagundes em vantagem para Senado

Os pesquisadores entrevistaram 1.193 pessoas de 71 municípios. A margem de erro é de 3% para mais ou para menos e o intervalo de confiança é de 95%. A Mark explica que os resultados das tabelas foram arredondados pelo programa para totalizarem 100%. A amostragem está registrada no TRE, sob protocolo MT-00041/2014.Está em disputa uma das três cadeiras de senador para representação mato-grossense no Congresso, com vencimento do mandato de Jayme.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Carlosguira | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 13h34
    1
    0

    Vamos ganhar a senatoria WF.

| 30/07/2014, 18h:19 - Atualizado: 30/07/2014, 18h:36

Pagot recusa convite para coordenação da campanha de Taques e Sachetti prossegue


Rdnews

Pagot recusa

 Luiz Antônio Pagot recusa convite para assumir coordenação, mas promete contribuir com campanha

 O ex-diretor-geral do Dnit Luiz Antônio Pagot (PTB) recusou o convite para assumir a coordenação-geral da campanha do candidato a governador Pedro Taques (PDT) da coligação Coragem e Atitude para Mudar (PDT, PP, DEM, PSDB, PSB, PPS, PV, PTB, PSDC, PSC, PRP, PSL e PRB). “Não aceitei a coordenação-geral, mas vou encontrar uma maneira de contribuir com a campanha”, disse em entrevista ao Rdnews

Com a decisão de Pagot, a coordenação-geral da campanha de Taques segue sob responsabilidade do ex-prefeito de Rondonópolis Adilton Sachetti (PSB). Para reforçar a mobilização, o  socialista  conta com o reforço do ex-prefeito de Cuiabá Chico Galindo (PTB). 

O convite para Pagot feito na última segunda (29), em reunião com a presença de Sachetti, do presidente estadual do PDT Zeca Viana e de outras lideranças do grupo oposicionista.  Apesar de não aceitar a coordenação, o petebista atuou nos bastidores para viabilizar a indicação do vice-prefeito de Rondonópolis Rogério Salles (PSDB) ao Senado em substituição ao senador Jayme Campos (DEM), que decidiu não buscar a reeleição. 

Ex-secretário de Educação, Infraestrutura e da Casa Civil no governo de Blairo Maggi (PR), Pagot coordenou as duas campanhas do republicano ao Palácio Paiaguás. Em 2010, foi coordenador das campanhas do governador Silval Barbosa (PMDB) e da presidente Dilma Rousseff (PT), em Mato Grosso.

Pagot decide se assumirá coordenação de Taques

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • gerson luis francio | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 19h48
    7
    1

    Pagot cai fora enquanto e cedo, com Piveta condusindo o prosseço so vai afundar mais.

Rumo às urnas | 30/07/2014, 16h:52 - Atualizado: 07h atrás

Luciane renuncia a 2ª suplência, abandona coordenação e tentará eleger Oscar na AL


Assessoria

casal_bezerra_500.jpg

Deputada Luciane Bezerra, desiste da 2ª suplência ao Senado e deve se empenhar na campanha do marido Oscar Bezerra, que concorre a deputado estadual. A socialista já protocolou a renúncia no TRE

Enquanto a coligação Coragem e Atitude pra Mudar (PDT, PP, DEM, PSDB, PSB, PPS, PV, PTB, PSDC, PSC, PRP, PSL e PRB), do candidato a governador Pedro Taques (PDT), reúne a imprensa para anunciar a chapa ao Senado liderada por Rogério Salles (PSDB), a deputada estadual Luciane Bezerra (PSB) informa que protocolou junto ao Tribunal Regional Eleitoral sua renúncia ao posto de 2ª suplente. No comunicado, a socialista informa que a decisão decorre da desistência do senador Jayme Campos (DEM) em disputar a reeleição.

Nos bastidores, no entanto, a informação é de que Luciane se sentiu desprestigiada com a escolha de Salles para substituir Jayme, já que almeja encabeçar a chapa ao Senado. Segundo ela, seu perfil corresponderia ao anseio de mudança e renovação, propostos pela coligação para ocupar a vaga em aberto.

Além disso, Luciane também confirma a entrega da coordenação da campanha de Taques na região Noroeste, que estava sob sua responsabilidade. Afastada da cúpula, a deputada promete focar na campanha do marido, o ex-prefeito de Juara Oscar Bezerra (PSB), que é candidato a deputado estadual.

Alijada da disputa ao Senado e sem concorrer à reeleição na Assembleia, Luciane também dá sinais de que pretende deixar a vida pública. “A continuidade política da parlamentar será avaliada dentro do presente contexto”, diz trecho do comunicado.

Postar um novo comentário

Comentários (12)

  • joao | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 23h45
    4
    1

    parabéns pela atitude deputada luciane bezerra, vamos juntos eleger oscar bezerra deputado estadual e a vossa senhoria com certeza será a proxima prefeita de juara....

  • Glaubber Amorim | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 23h34
    6
    6

    O GRUPO DO TAQUES NÃO PERDE NADA, ESSA DEPUTADA É UMA MERA OPORTUNISTA SEM REPRESENTAÇÃO ALGUMA, MALE MÁ ENTROU NO RODA E JÁ QUER PUXAR FILA, ANTES DE QUERER SER SENADORA DEVIA PAGAR QUEM LHE PRESTOU SERVIÇO NA ELEIÇÃO PASSADA, QUE BOM QUE ELA SAIU, COMO OS MAIS ANTIGOS DIZEM ,O MUNDO DÁ VOLTAS E AQUELES QUE NÃO FAZEM VOLUME SÃO RETIRADOS DA PILHA.

  • Luciano Ferreira | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 22h20
    7
    3

    Isto parece é recalque, pois não foi aclamada para substituir Jayme, então recolheu a bandeira!!! Agora é esperar pra ver o que acontece!!!

  • silva nunes | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 19h54
    7
    5

    luciane vc nao perdeu nada pessoas que nem vc nao deve ficar nomeio de trairas

  • Fernando | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 19h01
    6
    11

    Isso aí tudo é vaidade pessoal. Tou gostando do Taques, que está fazendo acerto com o povo, e não com os políticos. Parabéns, Taques, meu voto é seu!

  • Carlos Alberto | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 18h17
    12
    4

    A equipe do Taques, a exemplo da Seleção Brasileira, nos últimos dias está sofrendo um "APAGÃO". Se não adotarem medidas emergências, para conter essa "HEMORRAGIA ELEITORAL", podem levar uma "goleada" ainda no primeiro tempo, ou seja, no primeiro turno. #ficadica

  • SR. WILSON | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 18h14
    15
    3

    PARABENS DEPUTADA PELA CORRETA POSTURA ISSO MOSTRA SEU CARATER COISA QUE PRECISAMOS EM MT

  • Marta | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 18h12
    10
    4

    Companheira vc está certíssima, não pode aceitar traição do seu próprio grupo. Fez bem sair antes pois a coligação do Taques só afunda com essas traições e palavras não cumpridas.

  • leo | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 18h10
    1
    7

    ela será candidata a dep. federal.....................

  • SAVIO CARVALHO | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 17h30
    8
    4

    NAO VEJO NINGUEM ABANDONANDO O RIVA. ELE TA RECEBENDO APOIO DE TODOS OS LADOS.TODAS AS CLASSE SOCIAIS,,,DE POLITICOS DE TODOS OS PARTIDOS...TODOS QUE CONHECE O RIVA ESTAO APOIANDO ELE COMO GOVERNADOR....AGORA O TAQUES TÁ SÓ.É UMA TRAIRAGEM COM A MAIORIA DOS CANDIDATOS...ATÉ COM A DEP.LUCIANE QUE É UMA DAS MELHOR DEP DE MATO GROSSO...DO LADO DO RIVA VEM APOIO ...DO LADO DO TAQUES OS QUE ESTAO LA DENTRO ESTAO PULANDO FORA.....???????????? ACHO QUE ESSA CANDIDATURA DO TAQUES É PROPAGANDA ENGANOSA.....

| 30/07/2014, 16h:35 - Atualizado: 08h atrás

Ao vivo, coordenador jurídico, José Rosa


Rodinei Crescêncio/RDNews

jose_rosa_ney_500.jpg

O advogado José Rosa, que é coordenador jurídico da coligação "Viva Mato Grosso", ao vivo nesta 5ª

O RDTV desta quinta (31) conta com a participação ao vivo do advogado José Rosa, que coordena a assessoria jurídica da coligação “Viva Mato Grosso”, encabeçada pelo candidato ao Governo, José Riva (PSD). Na oportunidade, o convidado vai falar sobre pedidos de impugnação feitos à candidatura do social-democrata assim como revela as situações que motivaram a chapa a questionar os registros dos adversários políticos neste pleito.

Para colaborar com essa entrevista, que começa ao vivo às 8h30, basta acessar o endereço www.tv.rdnews.com.br. Simultaneamente, o programa é transmitido para a Baixada Cuiabana por meio da TV Mato Grosso (canal 27).

Além disso, o programa traz uma reportagem sobre a retomada da instalação dos radares em Cuiabá.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • ANTONIO | Quinta-Feira, 31 de Julho de 2014, 10h38
    0
    0

    Esse é o cara

| 30/07/2014, 12h:37 - Atualizado: 30/07/2014, 16h:05

Prefeitura de Cuiabá tem nota 2 no quesito transparência, concluí pesquisa do Inesc


Davi Valle/Rdnews

mauro_vereadores_interna.jpg

   Prefeito de Cuiabá Mauro Mendes 

O Portal Transparência da Prefeitura de Cuiabá recebeu nota 2, em uma escala de zero a 10, acerca da qualidade das informações publicadas no site do Executivo. Os dados foram divulgados pelo jornal Estado de S. Paulo por meio de um estudo feito pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), no qual foram avaliadas as páginas das 26 prefeituras e mais o Distrito Federal, além do governo federal e Senado.

O vexame da Prefeitura de Cuiabá só não é maior tendo em vista que outras 10 Capitais receberam a mesma pontuação, nota 2. As melhores ranqueadas são as Prefeituras de Rio de Janeiro, São Luis e João Pessoa, que receberam nota 6 cada uma. A lanterna ficou com a Prefeitura de Manaus que recebeu nota 1. Já o governo federal e Senado receberam nota 5.

 A Justificativa de Cuiabá aparecer mal colocada é em decorrência de que o portal apresenta problemas graves acessibilidade para deficientes visuais. A pesquisa constatou ainda, que nenhum dos sites cumpriram de forma integral a exigência do decreto do governo federal que estabelece um padrão mínimo de qualidade do sistema integrado da administração financeira e controle.

Às 16h - Prefeitura fez novo site após realização de pesquisa

A Prefeitura de Cuiabá alega que a pesquisa realizada pelo Instituro de Estudos Socioeconômicos teve início em novembro, dois meses antes da publicação do novo Portal Transparência da gestão, que ocorreu em janeiro deste ano. Conforme a secretaria municipal de Comunicação, no novo site há riqueza maior de informação e acesso direto a detalhes, como por exemplo, licitações em andamento ou que já ocorreram, convênios, bem como folha salarial de todos servidores.

Portais falham em teste de transparência

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Benedito Sobrinho | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 17h56
    0
    2

    Conheço o Portal TRANSPARÊNCIA da prefeitura de Cuiabá e tenho certeza que a pesquisa foi feita com base no antigo site. No site atual pode-se encontrar realmente várias informações sobre a prefeitura.

  • Gilston | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 14h21
    8
    1

    Com esta porcentagem quase zero, só quero ver a cara do “Cabo eleitoral’ do Pedrinho e Cia, o senhor Adão de Oliveira repórter da AL, e se terá coragem de descer a lenha no Prefeito Mauro Mendes, assim como ele faz todo dia no Silval Barbosa.

| 30/07/2014, 09h:06 - Atualizado: 30/07/2014, 09h:10

Empresário do ramo de autopeças é novo 1º suplente de senador na chapa de Taques


.

donizete-aguilera-castrillon.jpg

Donizete Castrillon vai ser 1º suplente de senador na chapa de Pedro Taques

O empresário Antônio Donizete Aguilera, o Donizete Castrillon (PTB), foi escolhido para ocupar a 1ª suplência do candidato a senador, vice-prefeito de Rondonópolis, Rogério Salles (PSDB). Donizete é dono da rede de autopeças Castrillon e se filiou ao PTB em outubro do ano passado. À época, ele foi considerado um dos nomes fortes que entravam no partido.

Donizete entra na vaga de Marcelo Maluf (PSDB), que deixou o posto ontem (29), sob justificativa de que seu nome ao posto era um acordo com Jayme Campos (DEM). Como o democrata desistiu da senatoria, ele achou melhor deixar que o grupo ficasse livre para  escolher o nome que considerasse adequado. Foram realizadas duas reuniões na noite de ontem, uma na casa de Pedro Taques, onde estavam Salles e o deputado federal Nilson Leitão. Depois foram para a residência de Maluf, onde também estavam lideranças como o vice de Taques, Carlos Fávaro (PP), Eraí Maggi (PP), Luiz Antônio Pagot (PTB) e Adilton Sachetti (PSB).

Agora resta definir quem vai ficar com a segunda suplência. Conforme Leitão, o assunto vai ser discutido ainda nesta manhã e vai depender da posição de Luciane Bezerra (PSB), ocupante da vaga atualmente. “Se ela não quiser continuar na segunda suplência aí a gente vai discutir um novo nome”, ressalta o parlamentar. 

Nem Luciane ou o marido Oscar Bezerra atenderam às ligações para se manifestar sobre o assunto. 

Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • Raimundo Mendes | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 16h48
    2
    5

    PARABÈNS PELA ESCOLHA. Homem íntegro, trabalhador, honesto, de visão e acima de tudo limpo. Cada vez mais a eleição de Mato Grosso esta sendo desenhada que será o bem contra o mal. O bem sempre vence.

  • francisco | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 12h53
    7
    5

    MAIS UMA UMA RASTEIRA TAQUES E BOM NISSO EM VAMOS DE 55 MEU POVO AONDE O GRUPO E VALORIZADO

  • ARNALDO | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 12h32
    6
    4

    ENTRA PARA FEDERAL LUCIANE LARGA ESSE POVO DE MAO. ESSE AI SO ESTÃO PENSANDO NELES

  • joao | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 12h15
    5
    7

    meu ex patrao donizete não entra nessa barca furada não... se prepara e vem pra deputado em 2018

  • Paulo Gustavo | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 12h02
    0
    3

    Paulo Gustavo, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Manoel Antonio Alves | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 09h20
    13
    7

    É canoa furada Luciane e Oscar. vocês foram traídos!

  • Fagundes | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 09h12
    16
    8

    Perdeu meu voto, da minha esposa e dos meus três filhos Senador Pedro Taques.

| 30/07/2014, 07h:16 - Atualizado: 30/07/2014, 07h:19

O enigma Eduardo Campos

vinicius_artigo_quarta

Vinicius de Carvalho

Um dos aspectos mais interessantes desta eleição presidencial é o comportamento do ex-Governador de Pernambuco Eduardo Campos, candidato pelo PSB. Aconteceram muitas discussões com sua candidata a vice-presidente Marina Silva no período pré-eleitoral quanto à necessidade de apresentar candidatos dissociados de PT e PSDB na maior quantidade possível de Estados ou pelo menos nos maiores colégios eleitorais, de modo a se posicionar para o eleitor claramente como uma terceira via. Ao final o PSB acabou lançando 11 candidatos a Governador e 13 ao senado federal, apoiando PT ou PSDB em Estados importantes como Rio de Janeiro e São Paulo. Eduardo Campos se mostrou em todo este período um candidato que fala pouco e se expressa mais por suas atitudes do que pelas palavras.

Uma chave interpretativa para compreender os seus movimentos é o olhar para as eleições de 2018. Um velho ensinamento na política diz que as eleições são pensadas sempre em dupla ou mais, já que a atual deixa as peças prontas para a próxima. Em 2014 Eduardo Campos avalia que a presidente Dilma Roussef é a favorita, pelos índices de intenção de voto, o horário eleitoral, o peso da máquina federal e da rede de alianças nas eleições estaduais. Apesar das dificuldades encontradas, as apostas vão no sentido da reeleição.

Entretanto, em 2018 ela não poderá mais ser reeleita e não há no horizonte nenhum presidenciável do PT com nome pronto para encabeçar a coligação de partidos que hoje caminham juntos. Lula dificilmente voltará e será difícil repetir a dose criando uma outra Dilma. De qualquer forma o PT deve apresentar candidatura competitiva em nível nacional. No entanto, tende a ser um candidato partindo de um patamar de votos mais baixo o que o PT tem demonstrando nas últimas eleições presidenciais.  Isto deixaria um espaço aberto para outra candidatura lançada por um dos partidos do Lulismo, como PSB, PDT, PC do B e outros.

Por este prisma é possível compreender algumas decisões de Eduardo Campos, como o apoio a Geraldo Alckmin na reeleição para Governador de São Paulo. Interessa a Eduardo que Alckmin seja reeleito e desponte em 2018 como uma opção natural para a Presidência como em 2006, disputando primeiro com Aécio Neves dentro do PSDB. Vale lembrar ainda que o candidato a vice-governador de Alckmin é Márcio Fortes do PSB. Em caso de renúncia de Alckmin, Fortes assumiria e poderia disputar a eleição, oferecendo forte palanque para Eduardo Campos no maior colégio eleitoral do país.

O elevado número de candidaturas a deputado estadual, federal e senador pelo PSB aponta para uma das estratégias de Eduardo Campos para aumentar sua bancada federal e fortalecer o partido para a disputa municipal de 2016 e a eleição presidencial de 2018. PSB sentiu bastante a criação do PROS, que fez parte de uma manobra para o seu enfraquecimento. Além disto, há ainda muitos comentários sobre o futuro de Marina Silva a partir do ano que vem. Ela continua no PSB ou retoma o projeto de criação do seu partido Rede Sustentabilidade, cujo registro foi negado pelo TSE? A norma negando horário eleitoral para partidos sem bancada na eleição anterior foi uma ducha de água fria nestas pretensões. Contudo, como a proposta política da Rede Sustentabilidade é de inovar na política e utilizar outros meios de comunicação, como a internet e as mídias sociais, talvez eles se aventurem a retomar a partir de 2015. 

Aguardemos os próximos passos para vermos de a interpretação foi correta.

Vinicius de Carvalho Araújo é gestor governamental do Estado, mestre em História Política, professor universitário e escreve neste Blog toda quarta-feira vcaraujo@terra.com.br www.professorviniciusaraujo.blogspot.com

Postar um novo comentário

Rumo às urnas | 29/07/2014, 20h:23 - Atualizado: 30/07/2014, 09h:48

Estamos ao lado de Taques, garante Oscar


 

Rdnews

oscar bezerra.jpg

    Oscar Bezerra nega qualquer possibilidade de abandonar a candidatura de Taques ao Governo

O ex-prefeito de Juara e candidato a deputado estadual Oscar Bezerra (PSB) está descontente com a coligação Coragem e Atitude pra Mudar (PDT, PP, DEM, PSDB, PSB, PPS, PV, PTB, PSDC, PSC, PRP, PSL e PRB), que sustenta a candidatura do senador Pedro Taques (PDT) ao governo do Estado. O socialista está na bronca porque a esposa Luciane Bezerra (PSB), que era segunda suplente na chapa ao Senado liderada por Jayme Campos (DEM), foi preterida pela cúpula da campanha para substituí-lo após a oficialização da renúncia no Tribunal Regional Eleitoral (TRE). “Fomos tratados como lixo dentro da coligação” dispara o dirigente do PSB se referindo à indicação do tucano Rogério Salles (PSDB) para ocupar a vaga na majoritária.

 Além disso, Oscar rechaçou a possibilidade de abandonar, juntamente com Luciane, o grupo oposicionista para apoiar qualquer adversário na disputa pelo Governo ou Senado. Segundo ele, o que existe são descontentamentos com algumas situações que podem afastá-los da campanha. “Mesmo assim, o senador Pedro Taques terá nosso voto porque consideramos que sua candidatura é o melhor para Mato Grosso”, garante.

  Para contornar a crise com a família Bezerra, os dirigentes da coligação já ofereceram para Luciane a primeira suplência na chapa ao Senado que provavelmente será encabeçada por Rogério Salles. Isso porque a vaga ficou em aberto após Marcelo Maluf (PSD) acompanhar Jayme e também oficializar a renuncia.  A socialista deve comunicar se aceita ou não o convite em reunião que acontece agora à noite.

A segunda suplência poderá ser ocupada pelo ex-prefeito de Rondonópolis Adilton Sachetti (PSB). A indicação é um espécie de “prêmio de consolação” para o socialista que perdeu espaço na coordenação geral da campanha de Taques para Luiz Antônio Pagot e Chico Galindo, ambos do PTB.  

Postar um novo comentário

Comentários (11)

  • Valdeli Forte Ferreira | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 13h14
    2
    3

    Nos que pertencemos a Família 55, temos que admitir que somos organizados até agora ninguém descontente, ao contrario do lado do adversário que é um descontentamento atras do outro. Nos estamos morrendo de rir de todo esse balaio de gato, torcemos para que continue assim, quem tem a ganhar é só o nosso grupo politico, é Riva 55 Governador. O descontentamento do lado do adversário é enorme, sem sombras de duvidas Riva será eleito o próximo governador de Mato Grosso, com Antonio Pagot e Chico Galindo vai ficar bom pra Riva e ruim pra Taques. Estamos gostando de tudo isso.

  • Manoel Antonio Alves | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 09h15
    6
    2

    Preste atenção Luciane e Oscar. Na oportunidade que tiveram para indicar o nome dela para concorrer ao senado, negaram. Quem disse que na suplência ela assumiria algum dia?

  • Doca | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 08h50
    9
    1

    Ela saiu desgastada e inclusive enfraqueceu seu marido candidato. Mas não tem para onde ir por que a porteira já foi fechada

  • Pedro | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 08h46
    3
    4

    Vai pare federal Luciane tem o meu voto

  • JOSÉ | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 06h58
    6
    3

    A Luciane se encaixaria perfeitamente como deputada federal , e com amplas chances de se eleger , pois demonstrou ser guerreira e acima de tudo uma liderança incontestável .Inda mais por ser mulher também.Eu votaria nela.

  • Valdeno Brito | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 06h11
    9
    1

    Quem deve estar morrendo de rir com essa história toda (aliás, já prevista por ele) é o Deputado Valtenir Pereira....kkkkkkkkk

  • Germano Souza | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 01h29
    2
    1

    Germano Souza, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Professor Marcos | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 22h32
    12
    6

    Catitu fora do bando é comida de onça ... Se eu fosse a Luciane sairia federal e arrebentava a boca do balão...

  • Justino Pollia | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 21h41
    12
    4

    "Quem com ferro fere, com ferro será ferido"

  • TOMAZ MATHEUS FRACHINI | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 21h26
    18
    7

    É QUE O TAQUES QUER FAZER COM OS MATOGROSSENSE CASO SEJA ELEITO, NÃO RESPEITA NINGUEM... VAMOS LUTAR MUITO PARA ISSO NÃO ACONTECER...

| 29/07/2014, 18h:45 - Atualizado: 30/07/2014, 09h:15

Ao vivo, prefeito de Lucas, Otaviano Pivetta


Davi Valle/Rdnews

otaviano pivetta

Prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PDT), ao vivo no RDTV desta 4ª - acesse e participe

O RDTV desta quarta (30) conta com a presença ao vivo do prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PDT), para falar sobre os trabalhos desenvolvidos nos municípios assim como o envolvimento nas articulações das eleições-2014 já que é um dos coordenadores de campanha da chapa “Coragem e Atitude para Mudar”, encabeçada pelo candidato ao Governo pelo grupo oposicionista, Pedro Taques (PDT).

Os interessados em participar dessa entrevista, que começa às 8h30, devem acessar o endereço www.tv.rdnews.com.br. Simultaneamente, o programa é transmitido para a Baixada Cuiabana por meio da TV Mato Grosso (canal 27).

Além disso, o programa traz os detalhes da reivindicação do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso por informações sobre o programa “Mais Médicos” no Estado.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Zé Silva de Cuiabá | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 07h27
    1
    1

    como o governo do pmdb foi para lucas do rio verde, e o que o senhor acha que o candidato pedro taques vai ser melhor para lucas do rio verde, eo que ele conseguiu em beneficio para o municipio como senador??? se puder encaminhar esta pergunta para o prefeito!!!

CAMPANHA 2012 | 29/07/2014, 17h:17 - Atualizado: 29/07/2014, 17h:38

TRE derruba liminar que impedia quebra de sigilo nas doações para Walace em 2012


Davi Valle/Rdnews

walace_tre_interna.jpg

Prefeito de VG, Walace Guimarães

O Tribunal Regional Eleitoral derrubou uma liminar interposta pelo prefeito de Várzea Grande, Walace Guimarães (PMDB), que impedia a utilização de material obtido com a quebra dos sigilos bancários dos doadores de sua campanha eleitoral de 2012. 

A decisão tomada, nesta terça (29), pela Corte se refere ao processo em que o peemedebista e seu vice, Wilton Coelho (PR), são acusados de compra de votos, abuso de poder econômico e uso de “caixa dois” nas últimas eleições municipais. O pleno aprovou por unanimidade a quebra da liminar.

No último dia 24, já em pauta no regional mato-grossense, a desembargadora Maria Helena Póvoas pediu vistas do processo, mas acabou acompanhando o voto do relator, juiz Lídio Modesto da Silva Filho, que havia acatado o parecer do Ministério Público Eleitoral de que Walace e seu vice não têm legitimidade para questionar a decisão que autorizava a quebra dos sigilos.

As apurações a respeito dos gastos do peemedebista, em 2012, começaram após Ação de Investigação Judicial Eleitoral ingressada pelo diretório municipal do DEM, que teve Lucimar Campos, esposa do senador Jayme Campos (DEM), como candidata a prefeita do município, na 58ª Zona Eleitoral. A quebra de sigilo atinge não só os membros do Executivo municipal, mas também outras pessoas físicas e jurídicas.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Claure santos da silva | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 20h20
    3
    1

    É agora Anão das setas trevas custou mais caiu ainda vai rolar muitas coisas com seus comparsas é só aguardar .

Rumo às urnas | 29/07/2014, 15h:59 - Atualizado: 29/07/2014, 16h:40

Lúdio reúne candidatos para discutir eixos do plano de governo e agenda seminário


Flávio André

ludio_reuniao_liderancas.jpg

Candidato Lúdio Cabral com candidatos à majoritária pelo PT, apresentou 4 eixos do plano de governo

O candidato a governador Lúdio Cabral (PT), da coligação Amor à Nossa Gente (PT, PMDB, PR, Pros e PC do B) apresentou os eixos da campanha, na noite desta segunda (28), em Cuiabá. Marcaram presença no ato político os 87 candidatos proporcionais, seja pessoalmente ou por meio de representantes. Também compareceu o candidato ao Senado Wellington Fagundes (PR).

No evento, Lúdio explicou os quatro eixos do programa de governo: infraestrutura e logística, priorizando a industrialização do Estado focada na vocação de cada região; compromisso com as políticas sociais, em especial com a Saúde; desenvolvimento sustentável; e, enfim, a participação social, que permeará as demais áreas.

Quanto às proporcionais, Lúdio estima que o grupo deve eleger cerca de 13 deputados estaduais e a maior bancada de federais. “Nós estamos unidos e temos um programa de governo que é fruto de uma discussão ampla com a sociedade. Por isso, acreditamos que vamos eleger as maiores bancadas”.

Durante o encontro, também foi anunciada a realização de um seminário nesta quarta (30) para candidatos da coligação Amor à Nossa Gente e assessores, com objetivo de discutir uma estratégia unificada para as mídias sociais. O evento contará com oficina ministrada por Beto Andrade, responsável por esta área na candidatura de Dilma Rousseff (PT), em 2010.

Candidaturas

Dos 22 candidatos a deputado federal pela Coligação, o PT conta com 3 postulantes. O PMDB, por sua vez, possui 9; o PR, quatro; e o Pros, 10. Já na disputa para deputado estadual, o partido possui 13 nomes; o PMDB, 14; o PR, 15; o PC do B, 6; e o Pros, 17. Na chapa majoritária, Teté Bezerra (PMDB) é candidata a vice-governadora e Wellington Fagundes concorre ao Senado. Além de médico da rede pública e vereador em Cuiabá por dois mandatos, Lúdio foi professor na Capital.

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • leci | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 07h26
    0
    0

    leci, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • benedita | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 23h15
    1
    3

    Sra rosana no dicionario empoderamento é a conscientização e a participação com relação a dimensões da vida social ou seja da vida da sociedade e por acaso a sociedade é composta so por mulheres?Só este conceito desmonta tudo o que a senhora falou antes, e citar os dois como machistas em que a sociedade a sra pensa que vive? Vive numa sociedade machista, aliás sua comunidade deve estar a ufa deles assim como todo o país. A sra é meme ou viral do PT?

  • Rosana Lemes | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 16h20
    9
    7

    Ludio é médico, conhece bem a saúde pública, é humanista, defensor das causas sociais, tá junto com a população humilde e carente, é carismatico, um verdadeiro lider que este estado precisa. Reunimos o grupo de mulheres da nossa associação comunitária e vamos defender Ludio pro governo. Taques não quer ver o empoderamento da mulher, é um machista assim como Mauro.

  • ZEZAO DO AREAO | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 16h16
    10
    5

    TAMO JUNTO LUDIO COM A FORÇA DO POVO

| 29/07/2014, 15h:12 - Atualizado: 29/07/2014, 15h:29

Diante à crise, Taques tenta "calar" Percival


Fernando Ordakowski

charge_percival_Taques.jpg

Candidato ao Governo, senador Pedro Taques, tenta contornar crise instalada no grupo de oposição "fechando" a boca do prefeito de Rondonópolis Percival Muniz, que defende mais postura do pedetista

O candidato ao Governo Pedro Taques (PDT) se vê obrigado a contornar crises internas quase todos os dias. Em meio à situação provocada pelo recuo de Jayme Campos (DEM) da disputa ao Senado, o prefeito de Rondonópolis Percival Muniz (PPS) resolveu se pronunciar e provocou mais estardalhaço. O socialista, que não tem papas na língua, afirmou que Taques deve assumir a rédea e enquadrar o grupo. A fala não pegou bem nos bastidores, e, oficialmente, entre os que se posicionaram está Otaviano Pivetta (PDT), um dos conselheiros de Taques. O prefeito de Lucas do Rio Verde afirmou não concordar com a postura do socialista e que a campanha está, sim, organizada. Em meio ao fogo cruzado, Taques decidiu, de fato, enquadrar os aliados. Escolheu Rogério Salles para o Senado. Trata-se do vice-prefeito do próprio Percival. Com isso, “fecha” a boca do prefeito rondonopolitano.

Postar um novo comentário

Comentários (9)

  • Paulo | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 18h32
    1
    3

    O acordo do Pedro Taques é com o povo. E o povo está com ele. Ainda leva mole no primeiro turno.

  • José Sérgio | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 12h30
    1
    2

    José Sérgio, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Marcio Nascimento | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 12h10
    4
    0

    Eu tenho que tirar o chapéu para o MM, ele queria de todo jeito eleger o WF para o senado e conseguiu. Isso que eu chamo de articulação. Tira o Jaime de campo e deixa o caminho livre para o WF. Quem sai perdendo nessa somos nós cidadãos mato-grossense.

  • Eduardo reis | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 23h10
    2
    3

    Esse tal do percival Não cuida nem a sua cidade e arruma tempo para cuidar da vida dos outros

  • joaoderondonopolis | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 21h24
    6
    1

    Tem um que diz que é do grupo do Taques que só faz confusão. Mas não é o prefeito de Rondonópolis. Quando as coisas estão acalmando ele joga gasolina.

  • jose arruda | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 18h49
    0
    1

    jose arruda, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Jeovane | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 16h27
    18
    5

    Os aliados do Taques estão vendo que ele só tá caindo nas pesquisas e Ludio subindo. Eleição não tem mistério, é só analisar os gráficos pra ver que Taques já perdeu esta eleição. E quanto mais tentam negar a crise, mais o barco afunda.

  • Jeovane | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 16h26
    15
    4

    Os aliados do Taques estão vendo que ele só tá caindo nas pesquisas e Ludio subindo. Eleição não tem mistério, é só analisar os gráficos pra ver que Taques já perdeu esta eleição. E quanto mais tentam negar a crise, mais o barco afunda.

  • Dionisio Alves | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 16h23
    1
    2

    Dionisio Alves, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

Eleições | 29/07/2014, 13h:43 - Atualizado: 29/07/2014, 13h:47

Pagot decide se assumirá coordenação de Taques com missão de conter "sangria"


Davi Valle/Rdnews

pagot_convite_taques500.jpg

Ex-diretor do Dnit Luiz Antônio Pagot já coordenou as campanhas de Silval e Dilma Rousseff, em MT

O ex-diretor-geral do Dnit Luiz Antônio Pagot (PTB) deve participar da coordenação da campanha do candidato a governador Pedro Taques (PDT), da coligação Coragem e Atitude para Mudar (PDT, PP, DEM, PSDB, PSB, PPS, PV, PTB, PSDC, PSC, PRP, PSL e PRB). O convite foi feito, nesta segunda (29) à noite, em reunião com a presença do coordenador-geral Adilton Sachetti (PTB), do presidente estadual do PDT Zeca Viana e de outras lideranças do grupo oposicionista. “Recebi o convite e estou analisando junto com os companheiros do PTB. Vamos pensar um pouco. Ficou acertado que tenho até amanhã (30) para dar a resposta”, declara em entrevista ao Rdnews.

Com experiência em coordenação de campanhas, Pagot terá a missão de conter a “sangria” no grupo pró-Taques, uma vez que desde o início da campanha diversos candidatos proporcionais recuaram da disputa alegando descontentamento com lideranças da coligação e alguns declaram apoio aos adversários. A perda mais significativa foi a do senador Jayme Campos (DEM), que desistiu da reeleição, alegando falta de respaldo dos partidos aliados.

Pagot também deve articular nos bastidores a captação de recursos financeiros para campanha. Além disso, o petebista é experiente na aglutinação política com objetivo de manter a militância mobilizada. Ex-secretário de Educação, Infraestrutura e da Casa Civil no governo de Blairo Maggi (PR), Pagot coordenou as duas campanhas do republicano ao Palácio Paiaguás. Em 2010, foi coordenador das campanhas do governador Silval Barbosa (PMDB) e da presidente Dilma Rousseff (PT), em Mato Grosso.

Campanha 2014

No início deste pleito, Pagot havia rejeitado convite para coordenar o projeto de José Riva (PSD) ao Governo. À época, justificou fidelidade ao PTB que apoia Taques, além de argumentar que pretendia se dedicar a assuntos de ordem pessoal. Tanto Pagot quanto Adilton Sachetti são compadres de Blairo e foram correligionários no PR, que hoje apoia o candidato a governador Lúdio Cabral (PT). Após deixarem a sigla por motivos diversos, acabaram se encontrando na coordenação de Taques e devem voltar a atuar em conjunto.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Tiago | Quarta-Feira, 30 de Julho de 2014, 07h20
    0
    0

    Tiago, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Paulo | Terça-Feira, 29 de Julho de 2014, 14h52
    0
    1

    Paulo, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

INíCIO
ANTERIOR
1 de 697