Cuiabá, 28 de Março de 2017
  • Alexandra Lopes

    Alexandra Lopes

  • Anderson Hentgs

    Anderson Hentgs

  • Bárbara Sá

    Bárbara Sá

  • Camila Cervantes

    Camila Cervantes

  • Carlos Palmeira

    Carlos Palmeira

  • Danielly Tonin

    Danielly Tonin

  • Eduarda Fernandes

    Eduarda Fernandes

  • Francis Amorim

    Francis Amorim

  • Jacques Gosch

    Jacques Gosch

  • Lana Motta

    Lana Motta

  • Lídice Lannes

    Lídice Lannes

  • Patrícia Sanches

    Patrícia Sanches

  • Rodivaldo Ribeiro

    Rodivaldo Ribeiro

  • Tarso Nunes

    Tarso Nunes

  • Valérya Próspero

    Valérya Próspero

| 16/12/2016, 00h:24 - Atualizado: 16/12/2016, 00h:33

Por que só os Maluf?

ceara artigo sexta 400 padrao

Antonio Cavalcante

Demorei mais que o normal para concluir meu artigo desta semana e a razão disso é que desejava ver o desfecho de dois interrogatórios designados para ocorrer na esfera policial e judicial: do tesoureiro do PSDB, Alan Maluf, e do ex-dirigente da agremiação e ex-secretário municipal de Cuiabá (de Agricultura e Educação) e ex-secretário estadual da Educação, o engenheiro agrônomo Permínio Pinto (que não se sabe porque “cargas d’água” veio a cuidar da Educação sem possuir formação em área tão sensível e que conta com muitos recursos orçamentários disponíveis).

Essa minha inquietação tem motivos de sobra. Há exatamente um ano ambos eram figuras badaladas e potenciais candidatos a prefeito da Capital, e se arvoravam em disputar mandato federal em 2018. Todavia o que foi dito pelos tucanos presos, até agora, gera mais dúvidas do que certezas. No início da noite de quinta-feira (15) apenas versões contraditórias dos fatos foram mencionadas pelos tucanos engaiolados.

O empresário Alan Maluf ainda não foi interrogado no processo, apenas ouvido em sede de inquérito policial, mas a versão que deverá prevalecer em juízo será de que as empresas (fornecedoras do governo) contribuíram “livremente” para o esquema, não haveria extorsão, peculato e nem corrupção.

Já os políticos eleitos com o dinheiro roubado (ou “doado” pelos fornecedores da Seduc), e outros que ficaram na suplência, dirão que suas contas foram aprovadas pela Justiça Eleitoral, uma prova de que o TRE/MT é um grande “carimbador”, mas que não exerce adequadamente o papel fiscalizador. A não ser contra hipotéticos “vereador de Cangas” ou prefeitinho de “Mata a Dentro”, que têm as contas de campanha rejeitadas se lhes faltar uma assinatura no balancete. O “crime da ata”, só para lembrar, continua sem solução, e enquanto isso um ilegítimo se arvora de senador, em Brasília, votando contra os interesses do Brasil.

Já o Gaeco precisa ter mais prudência, afinal ao prender Alan Maluf disse que os demais investigados, com “foro de privilegiados”, seriam conduzidos oportunamente, como se conveniência e oportunidade fossem balizas na esfera penal, para cumprir diligências de busca e apreensão.

Me intriga ainda saber que durante a eleição municipal de 2016 o Gaeco fez uma estrondosa operação em Sinop, e até agora nada foi dito sobre o resultado daquela atuação. Mas as apreensões e buscas na residência do prefeito daquela bela cidade foram transmitidas “ao vivo” pelos programas eleitorais, inclusive aquele titularizado pelo PSDB.

Foi a versão cuiabana do esquema “Caramuru” e “Metamat” episódios que são lembrados como anedotas, mas que deveriam ser investigados pela polícia e Gaeco.

O fato é que o agrônomo Permínio reconheceu no interrogatório que foi instalada uma máquina de arrecadar recursos ilícitos dentro da Secretaria de Educação no governo Pedro Taques, e isso teria por finalidade amealhar recursos para pagar as despesas de campanha de 2014 (oriundas de “caixa 2”). Mas, afinal, como se tratava de uma eleição estadual, quais são os beneficiários do dinheiro sujo? Quem foi eleito com dinheiro podre da corrupção? E quem são os políticos que não foram eleitos mas que ficaram na suplência (e podem assumir mandatos), e se valeram de recursos roubados de nossas criancinhas?

É triste saber que, pelo andar da carruagem, apenas duas pessoas serão punidas: o Maluf tesoureiro do PSDB, que supostamente teria armado a rede de contato com fornecedores do governo estadual, de acordo com o que consta nos processos judiciais. E o segundo punido seria o único político citado até agora pelos depoentes, o deputado estadual Guilherme Maluf, que não concordou que a Assembleia Legislativa instaurasse uma investigação parlamentar para saber quem roubou na Educação, quanto roubou e onde foi parar o dinheiro.

Ao ser interrogado, Permínio respondeu na audiência judicial que não sabe se o mesmo esquema de arrecadar propinas foi montado nas outras 23 secretarias estaduais e nos órgãos da administração indireta. O fato de não negar a existência de propinodutos na Secretaria de Cidades, Detran, Secretaria de Infraestrutura, que possuem orçamentos milionários e pouca fiscalização já deveria acender a “luz de alerta” do Gaeco.

Afinal, há um festival de dispensa de licitação que não se justifica (inclusive na Secretaria de Saúde), e é bem possível que um cruzamento de informações revele que fornecedores da campanha eleitoral são os atuais prestadores de serviço do governo eleito. E uma avaliação nas contas das empresas (fornecedoras) pode trazer a certeza de que a bandalheira não se resumiu à Seduc. A própria dispensa de licitação, se for vista com lupa, pode “falar muito”.

Por todas essas razões, acho injusto que só os Maluf sejam citados.

Antonio Cavalcante Filho, cidadão, escreve às sextas feiras neste Blog. E-mail: antoniocavalcantefilho@outlook.com

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Coreano | Sexta-Feira, 16 de Dezembro de 2016, 14h01
    3
    6

    Esse não tem moral para falar de ninguem

  • João Batista Barbosa | Sexta-Feira, 16 de Dezembro de 2016, 10h48
    9
    1

    Boatos dão contas que esquema na SEDUC vem de há muito tempo, inclusive quando um deputado do PT era secretário. Na economia capitalista pantaneira, o estado contrata, o empreiteiro realiza porcamente a obra, o político se elege e todos ganham uma graninha! O capitalismo pantaneiro e uma forma de socializar os recursos públicos para alguns amigos do poder!

  • Carlos Nunes | Sexta-Feira, 16 de Dezembro de 2016, 08h33
    6
    0

    De repente apareceu a praga dos 10 Milhões. O Jornal Nacional mostrou a delação do primeiro executivo da Odebrechet, dizendo que o MT (não é mato grosso não) pediu 10 Milhões; aí o Marcelo Odebrecht confirmou...foram 10 Milhões mesmo. Ainda disse que passou dinheiro para o cara mais honesto do Brasil, dinheiro vivo, mala de dinheiro, sei lá. Enquanto isso, por aqui, o Guizardi falou em 10 Milhões pra campanha eleitoral; se o Malouf confirmar, se fizer delação premiada, e coisa fede. Se o Brasil fosse um país sério; o De Gaulle faz tempo disse aquela famosa frase: O Brasil não é um país sério (foi ele que disse isso); caiam os dois que receberam os 10 Milhões. Aí, o Congresso Nacional, por eleição indireta, elegeria o novo presidente da república para ficar até a próxima eleição, em outubro de 2018. Que tal colocar na presidência, nesse período um General? A vantagem, podem ter certeza, é que nem corruptor, nem corrupto, vão ter coragem de ir atrás do General para propor 10 Milhões, ou quantos milhões forem. Ninguém vai ter coragem para fazer isso. O perigo é o povo gostar tanto do General, que eleja em 2018 outro General, pois ninguém mais acredita em político nenhum. Não vão dizer que é Golpe, pois seria eleição de verdade.

  • dois pesos | Sexta-Feira, 16 de Dezembro de 2016, 08h12
    8
    2

    Interessante: Para a chapa Dilma/Temer reabriram a investigação da prestação de contas da campanha de 2014 (após a mesma ter sido aprovada sem ressalvas) e a chapa vai ser cassada em 2017 devido ao caixa 2 da lava-jato, tornando-os inelegíveis com a destituição do atual presidente Temer (o famoso golpe dentro do golpe). Por essas bandas do MT, o tesoureiro da campanha de nosso sultão é preso, delatado pelo uso de 10 milhões de caixa 2 na campanha de 2014 - caixa 2 esse que estaria sendo "recuperado" por meio do roubo na SEDUC (confirmado pelo depoimento do ex-secretário da pasta) - e fica por isso mesmo? Não se vê ninguém pedindo a reabertura e a devida investigação da prestação de contas do sultão, para fins de torna-lo inelegível e devidamente deposto do seu atual cargo? Faça uma avaliação/artigo sobre isso para os seus leitores, nobre jornalista.

  • João Custódio da Silva | Sexta-Feira, 16 de Dezembro de 2016, 01h57
    7
    1

    Excelente reflexão Antônio Cavalcante..... Vamos aguardar o desfecho desta arábica que deve ter tucano para ser abatido.

| 28/03/2017, 00h:00 - Atualizado: 04h atrás

Notícias falsas

Olga_200_fora

Olga Lustosa

Não devemos ficar surpresos com as pautas que avançam na mídia, sem comprometimento algum com a verdade. A atmosfera de suspeita e insegurança criada pela disseminação de notícias exageradas ou falsas proporciona o ambiente perfeito para a estupenda atrapalhada de comunicação que envolveu a operação “Carne Fraca”.

Senti-me incomodada com tanta desinformação que prestei-me ao serviço de reproduzir explicações sérias sobre o assunto. 

Pois bem, domingo passado fui visitar minha mãe e como sempre faço, levei-lhe o agrado domingueiro: comida pronta. Incrédula, ela não se conteve: “não acredito que depois de tudo o que falaram na televisão, você trouxe-me carne assada.”

Sim, lá estava eu, desajeitada, tentando passar-lhe às mãos o produto que a televisão havia endemoniado dias atrás. Como pude esquecer de esclarecer para minha mãe que a televisão não lhe contou a verdade, que diminuiu aqui, aumentou ali e acabou descaracterizando toda a história no sentido de torná-la possível de ser seguida, compreendida e reparada por uma senhora de 80 anos!

A ideia central dos noticiários é oferecer realmente pouca contribuição para o entendimento amplo de um tema. Sem imaginação, primeiro reproduzem os fatos, depois avaliam o estrago feito na economia, na vida e na mente de quem depende da notícia dita por inteiro para entender os acontecimentos. 

A má informação no caso da minha mãe teve limite, ficou restrita a televisão. Em outras mídias, os absurdos sobre a carne pareciam insondáveis, porque a internet está cheia de notícias propositadamente confusas para gerar mal entendido e propagar reticências.

A mídia anda com mania de falsear as coisas até quando o tema é demasiadamente sério e complexo, como a reforma da previdência, que é necessária, tem que ser enfrentada mais dia menos dia, mas daí a propagar que é uma reforma que gera renda, que não suprime direitos trabalhistas, que não é uma crueldade com os trabalhadores rurais, sinceramente! 

As perdas foram quase desenhadas pela ministra do Tribunal Superior do Trabalho, Dalaíde Arantes numa entrevista. Mas a imprensa não facilita a leitura. É difícil para a grande massa que recebe informação, processá-la criticamente e utiliza-la em seu favor.  

Do ponto de vista de uma forma de civilização que prima pela informação, que deveria ser segura e rápida, não é bom deixar tantos rabos para trás com notícias falsas, mal ajambradas e inconsequentemente espalhadas no universo on-line,viral e volátil.

 A preocupação com as notícias falsas mereceu investimento do Google, que criou um recurso que pode verificar a veracidade do que se noticia na internet e já está disponível no Brasil. Mas o paralelo, que seria o desmentido, ou correção da informação não vem com a mesma veemência, nem velocidade.

O Willian Bonner, que entrou na casa da minha mãe para dizer que havia papelão misturado à carne do frango, não voltou lá para esclarecer que falavam de embalagens. Ela confiava tanto nele!

Olga Borges Lustosa é socióloga, cerimonialista pública e escreve exclusivamente neste Blog toda terça-feira - olgaborgeslustosa@gmail.com e www.olgalustosa.com

Postar um novo comentário

| 27/03/2017, 23h:22 - Atualizado: 02h atrás

A gente precisa...

silmara bucair 400 artigo

Silmara Bucair

A gente precisa de tanta coisa...

A gente precisa comer, dormir, se relacionar, estudar, viajar, brincar. A gente precisa de trabalho, pagar as contas, cuidar da saúde. 

A gente "necessita" de amor, do abraço acolhedor, do beijo sem rancor, do olhar possuidor, do toque devorador. A gente... ah, essa gente insaciável que somos nós!

E a gente acha que precisa de um tanto quando o tanto é o pouco. O pouco é o necessário. Não é tirado porque preenche. Basta. Supre. Fortalece. Acomoda. Faz viver...

Há dias sem escrever... volto assim, gente, desse jeito simples... jeito que eu gostaria de ver em tanta gente e mais em mim. Gente que tem se perdido no meio de tantas coisas excessivas e soterrada pela ansiedade. Meu desejo pra você é que grite e expulse os excessos de sua vida e não agrida a sua vida mais e nem a do seu próximo.

Meu desejo pra você, que se reconhece ser gente, tenha a coragem de se perguntar: Para onde estou indo tem gente que sabe que sou gente?

Não tenha medo da resposta. Ela pode ser a sua salvação te possibilitando uma nova chance de ser gente, verdadeiramente gente.

Essa foi para mim a forma mais honesta que consegui ser gente pra você hoje!

Tomara que tenha conseguido. Meu abraço, com todo carinho.

Silmara Bucair é empresária, Coach Integral Sistêmica e escreve quinzenalmente neste espaço. E-mail: atendimento@benditaajudaconsultoria.com.br Fanpage: Bendita Ajuda

 

Postar um novo comentário

Cuiabá | 27/03/2017, 13h:38 - Atualizado: 27/03/2017, 13h:58

Emanuel admite falhas no secretariado e já cogita as primeiras mudanças na equipe


O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (PMDB) já admite problemas com o secretariado. Além disso, avalia a possibilidade de fazer mudanças na equipe. 

 Apesar dos problemas com o secretariado, Emanuel afirma que ainda vive “lua-de-mel” com Cuiabá. O peemedebista também o clima de “harmonia” entre o Executivo e a Câmara. 

Luiz Alves

Emanuel equipe

   Prefeito Emanuel Pinheiro admite problemas no desempenho de alguns membros do secretariado 

   Ao admitir que as atuações de alguns integrantes da equipe necessitam de ajustes, Emanuel sinaliza com substituições no próximo período. “Pode ser que aconteçam mudanças.   Isso é normal. O cargo é demissível. Qualquer secretário, qualquer comissionado, sabe que não é dono da função”, declarou o prefeito.   

De acordo com Emanuel, as substituições podem ocorrer por iniciativas dos próprios secretários. Ainda assim, ressalta que está contente com o desempenho da maioria. “Estou satisfeito com minha equipe. Agora, se precisar fazer alguma alteração, alguma adequação, vou fazer sem problema”, completou.  

Entre as possíveis mudanças está a saída da secretária de Educação Mabel Strobel (PSC), que se licenciou por 10 dias alegando motivos de saúde. Nos bastidores, a substituição está sendo considerada como certa. 

Prefeito nega saída de Mabel, mas não garante seu retorno ao cargo

  Outro que pode deixar o cargo nos próximos dias é o secretário de Cultura Renato Anselmo (PRP). Os rumos da saída já surgiram em outras oportunidades, mas acabaram desmentidos pelo Executivo. 

 Para Emanuel, a avaliação do desempenho dos secretários é natural. Afirma ainda que todos os membros do staff são cobrados sobre o cumprimento das metas da gestão. “Nesses 90 e poucos dias de governo, é natural que eu avalie todos os secretários. Todos eles têm metas a cumprir e eles sabem disso. Não os deixo em paz um minuto nesse ponto. Às vezes, alguns vão bem, outros não. É normal a alternância nesses cargos de confiança”, concluiu. 

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • alguém | Segunda-Feira, 27 de Março de 2017, 17h13
    0
    0

    Tomara que seja esse estopa,cara que não tem educação,qualquer motivo pra ele é de mandar funcionário do trecho embora,aliás nesse período que ele está a frente dessa secretaria ele já muito funcionário do trecho embora,e ainda que ser deputado Federal,vai ganhar voto na China.

| 27/03/2017, 00h:00 - Atualizado: 26/03/2017, 23h:07

Os 12 trabalhos de Hércules

Sandra Alves articulista texto e capa

Sandra Alves

Herácles tal como originalmente era conhecido pelos gregos, ou Hércules para os romanos, que espertamente absorveram os mitos das demais civilizações vizinhas, era um paradigma de heroísmo, força, raciocínio rápido e habilidade para lutar. Seu sucesso pode ser medido pelo fato de transcender à condição de herói guerreiro ao ser promovido, pelo conjunto da obra, ao status de deus imortal. Claro que o fato de ser filho do mais poderoso dos deuses mitológicos, Zeus, com a mortal Alcmena, ajudou, embora tal condição tenha rendido diversos problemas com a esposa oficial de seu pai, a deusa Hera, tomada de ciúmes pela infidelidade do marido.

Como bom herói trágico grego, Hércules teria sido enlouquecido por Hera e assassinado seus próprios filhos. Foi então deposto como rei de Argos por seu antagonista e primo Euristeu, que como pena por crime tão grave teria sido obrigado a executar os famosos doze trabalhos quase impossíveis que concebeu:

1.       Matar o leão de Nemeia, fera gigantesca e com pele impenetrável, causador de imenso estrago em Nemeia, mas que Hércules teria conseguido derrubar no chão e arrancado a pele, gerando inclusive a clássica representação do herói vestido com pele de leão; 

2.       Matar a hidra de Lerna, serpente marinha de nove cabeças, tarefa irrealizável porque cada vez que cortava uma cabeça nasciam mais duas no lugar, além do monstro ser auxiliado por um caranguejo gigante. Mas com a ajuda do sobrinho, Iolau, Hércules ia cauterizando os pescoços cortados da hidra, impedindo a multiplicação de novas cabeças, bem como pisou e esmagou o caranguejo; 

3.       Capturar a corça de cerineia, uma corça de chifres de ouro da deusa Ártemis, e que rendeu uma perseguição de um ano inteiro antes do herói apanhá-la, ainda que soltando um dos chifres sagrados dela. Ártemis não gostou muito disso, mas emprestou a corça para que fosse levada para Eristeu a fim de dar a tarefa como cumprida. 

4.       Captura do javali de Erimanto, perseguido nas encostas nevadas do monte de mesmo nome, e que capturado e trazido pala Eristeu, fez com que o mesmo se escondesse em um jarro de bronze, apavorado com o grande tamanho da fera. 

5.       Limpar as estrebarias do rei Áugias, capazes de abrigar 1.000 cabeças, e que não eram limpas a várias décadas. Após perceber que manualmente morreria intoxicado ou mesmo de velhice antes de conseguir finalizar manualmente essa terrível e malcheirosa tarefa, Hércules desviou um rio para dentro da estrebaria, cumprindo a tarefa no prazo combinado de um dia, e como Áugias prometera 100 cabeças de gado caso conseguisse, fez com que o herói atacasse e vencesse o reino de Élis, realizando os primeiros jogos olímpicos para comemorar. 

6.       Matar as aves do lago Estinfale, feras carnívoras, o que fez com um arco e flecha após expulsá-las da floresta ao tocar um chocalho. 

7.       Capturar o touro de Creta, um enorme touro branco saído das águas enviado por Netuno, mas que não conseguiu fugir do Hércules. 

8.       Roubar as éguas do rei Diomedes, que claro, eram carnívoras, e mataram seu ajudante Abdero enquanto combatia o rei, pelo que teria sido fundada a cidade de Abdero no local. 

9.       Obter o cinturão da rainha Hipólita, líder das brutais guerreiras Amazonas, e orgulhosa de seu cinturão confeccionado pelo próprio deus da guerra, Marte. Hipólita estava disposta a ceder o cinturão, mas por intriga de Hera, fazendo crer que Hércules queria em verdade raptá-la, resultou numa batalha no qual Hipólita foi morta e teve seu cinturão levado. 

10.   Roubar o gado vermelho de Gérion, monstro de três cabeças e três corpos que residia na ilha de Erítia, tendo Hércules viajado até lá numa taça dourada que servia de embarcação para Hélio, o deus-sol, tendo para completar a tarefa que matar o pastor do gado, Eurition, o cão de guarda de duas cabeças Orto, e também Gérion, usando uma flecha embebida no sangue venenoso da Hidra. Originalmente dez trabalhos, mas Euristeu lhe obrigou a realizar mais dois, já que fora ajudado com a hidra a pago para limpar as estrebarias, com o que valorosamente concordou. 

11.   Roubar as maçãs das Hespérides, três deusas que cuidavam de uma árvore de maçãs de ouro, pelo que teria matado uma serpente de cem cabeças, ou por outra versão, segurado o mundo em suas costas no lugar de Atlas, parente das deuas, e obrigado a desempenhar tal tarefa por Zeus, que nesta folga apanhou as maçãs, mas só voltando a segurar o mundo por um ardil de Hércules.

12.   Buscar cérbero, o violento cão de guarda de três cabeças do submundo, o que fez com a ajuda de Perséfone, deusa do submundo, invocada com ajuda de um sacerdote, posteriormente devolvendo o cão sem ferimentos. 

Embora seja clara a relação das tarefas com a astrologia, já que o próprio Hércules como o leão, a hidra, o caranguejo, o cisne, o touro sejam constelações, não deixa de ser uma imortal lição de perseverança e superação, um modelo para nossas próprias vidas e seus desafios que muitas vezes parecem intransponíveis, mas como Hércules mostrou, não são.

  Sandra Cristina Alves é defensora pública do Estado, escritora e escreve exclusivamente neste Blog toda segunda (sandrac.alves@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Carlos Nunes | Segunda-Feira, 27 de Março de 2017, 19h08
    1
    0

    Os 12 Trabalhos de Hércules, segundo o livro: Hora de Crescer Interiormente - o mito de Hércules hoje, do Trigueirinho; são iniciações da Alma, melhores do que as iniciações maçônicas. De Áries a Peixes, a Alma passa por desafios, que tem que superar. Objetivo: ascender e integrar ao Cristo Interior de cada um. Em muitas parábolas de Jesus ele refere a uma noiva que espera o noivo. Pois é, essa noiva seria a Alma de cada um, que vai fundir ao Cristo de cada um (o noivo). A cada parábola que Jesus contava, tinha um fundo transcendental, que ele revelou somente para seus 12 Apóstolos, que representavam cada um dos trabalhos de Hércules. As doze faces da noiva, a Alma; o noivo o Cristo. Parece que na queda do Jardim do Éden, a Alma desprendeu do Cristo, interiormente, e se tornou mortal. A Alma é uma parte do Cristo que desprendeu, era imortal e tornou-se mortal. Nos 12 Trabalhos de Hércules, ela passa por iniciações e provas, e se triunfar, adquire sua imortalidade de novo. Esse livro do Trigueirinho, é um livro que deve ser lido, aplicado, e meditado, porque revela aspectos concretos da vida toda, de uma forma de fácil compreensão e mudança íntima. Se os jovens adotassem os ensinamentos, o mundo seria melhor. Há um simbolismo arquétipo muito grande, não está ligado à filosofias, religiões, ideologias, seitas, nada disso.

  • JEFERSON MATOS | Segunda-Feira, 27 de Março de 2017, 13h58
    1
    0

    As crianças hoje em dia não conhecem absolutamente nada de mitologia grega, nunca leram um livro de Jules Verne, não sabem quem foi Galileu Galilei, mas sabem quem é Anita, Turma do Pagode, funk e outras perda de tempo. Antes éramos incentivados a ler, hoje ler é 'vergonhoso'.

| 26/03/2017, 12h:26 - Atualizado: 26/03/2017, 12h:42

Políticos em apuros: vigiar e punir

Wellen Candido Lopes artigo 400

Wellen Candido

Lava Jato, Mensalão, Carne Fraca e tantas outras. Momento de pausa, algumas autoridades políticas envolvidas! Estes fatos contribuirão para o fim desta “casta” privilegiada? Convido o leitor neste momento a uma viagem histórica. Por lá encontraremos os pensadores: Beccaria, Foucault, Durkheim e Maquiavel.

Recordaremos primeiro de Luís XVI, rei francês, adepto do absolutismo e dotado de um egocentrismo narcisista. O Estado nesta visão, não possuía separação da autoridade empossada. E assim, a frase com a qual Luis XVI ficou conhecido foi “O Estado sou eu”.  Neste sistema, o rei era confundido com o próprio Estado, portanto, não havia nenhuma despersonalização da autoridade com o sistema político vigente. E assim, somente o homem comum estaria sujeito às penalidades. Aos amigos do rei, segundo o olhar de Maquiavel, as benesses da lei também deveriam ser estendidas.

E caminhando a humanidade para a modernidade, o sociólogo Durkheim passou a defender que a delinquência poderia ser praticada por qualquer tipo de classe, independente de ordem econômica. Assim, dialogando com o criminólogo iluminista Cesare Beccaria, qualquer individuo desprovido de moral estaria sujeito aos rigores da lei. Segundo Beccaria, a “persona non grata” deveria ser punida e responsabilizada por seus atos de infração. Foucault defendia que o homem deveria sentir o castigo em toda a sua essência. A reprovação moral o levaria a uma posição de estar sempre atento e vigilante.

O panótipo idealizado por Foucault correspondia a uma visão ótica de se observar o indivíduo encarcerado a partir de um único ponto. Se pudéssemos assim emprestar este modelo, nossos políticos atuais deveriam sempre estar em vigilância, não sabendo assim, através de qual olhar estariam sendo monitorados.

Através das reflexões históricas, percebemos que as autoridades políticas da atualidade ainda estão entrelaçadas com o ente estatal. O Estado é a própria personificação destes indivíduos. Trata-se de uma “casta” privilegiada e acima do “homem natural”. E depois vem o “jeitinho brasileiro” que emperra tudo.

As brechas legais são tão grandes que se pode mergulhá-las profundamente. No Supremo Tribunal Federal (STF) o rito processual é mais lento, inúmeros processos de toda ordem tramitam naquela instância. Com esta morosidade, os políticos infratores seguem impunes e livres, assim a “farra” do foro privilegiado se torna um “desaforo”, no sentido literal da palavra.

Os corruptos de gravata transitam normalmente e sem nenhuma preocupação. A “casta” privilegiada acaba por esconder seus delitos nas “mangas” de seus ternos. Prisão é assunto velado e proibido neste meio! A lei é direcionada somente ao homem comum e assim, diariamente o princípio da isonomia entre os homens é massacrada. Trata-se, portanto, de uma ambiguidade jurídica. Se por um lado a atual Carta Magna defende a igualdade social, por outro, se manifesta incoerente em seu texto legal.

Recentemente ascendeu a discussão do Projeto de Emenda Constitucional - PEC 10/2013 de autoria do senador Álvaro Dias (PV-PR) que descreve a respeito do fim do foro privilegiado. Após três anos sem nenhum caminhar, a referida PEC entrou recentemente na pauta do Senado, através de pressão do relator, o senador Randolfe Rodrigues (REDE/AP). Para que a PEC 10/2013 seja aprovada, é necessária a aprovação em 3/5 por dois turnos pelas duas casas. Isto significa a aprovação por 308 deputados federais e 49 senadores no mínimo. Com a questão em trâmite no Senado, os senadores poderão apresentar reformulações ao texto da lei, sendo necessária a ampla discussão em cinco sessões em 1º turno e em três sessões para 2º turno.

Hoje, por exemplo, o presidente e vice-presidente devem ser julgado pelo STF e, os governadores estaduais, pelo STJ. Com a aprovação da PEC, o foro privilegiado acabaria para os crimes comuns. Assim, os políticos corruptos seriam julgados com maior celeridade por uma instância especial e as denúncias deverão ser feitas por um Procurador-Geral do Estado. Somente os crimes de responsabilidade, como o impeachment, por exemplo, continuariam no Senado com foro privilegiado. Com a PEC 10/2013, poderá a prisão ser decretada com a condenação já em segunda instância e no mandato vigente, não podendo mais o parlamento anular tal decisão.

Acredito que o fim do foro privilegiado contribuirá para o avanço social e político, impedindo que os péssimos políticos se escondam através de seus mandatos e sejam julgados simultaneamente ao período respectivo. Cabe à população voltar o seu olhar neste sentido e assim vigiar os mesmos. Depois, exigir a moralidade e por fim, punir!

Wellen Candido Lopes é advogada, pedagoga, doutora em Ciências Jurídicas e Sociais e atualmente porta-voz e presidente estadual do Partido Rede Sustentabilidade. E-mail: wellenadvocacia@hotmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Carlos Nunes | Segunda-Feira, 27 de Março de 2017, 09h05
    1
    1

    Não acredito muito que os políticos sequer considerem que estão em apuros...A pastora Yonara passou meses, percorrendo os canais de TV e contando uma estória além da imaginação. Estava ela dormindo, quando dois Anjos a retiraram do corpo, e levaram até o Inferno para conhecer...lá numa sala imensa, numa mesa enorme estava na cabeceira o d... em pessoa; aí, entrava muita gente, sentava à mesa, conversava com o d... e saiam. E os anjos disseram: São políticos, que, quando dormem vai pra cá, e aqui fazem o "pacto com o d..."; em troca do Poder e do Dinheiro vendem a Alma - vão virar todos funcionários do d... Pois é, aí a Corrupção já espalhou pelo mundo inteiro. Já estão com a Alma empenhada com o d... Aí, na ficção mesmo, já vira aquele filme Star Wars, onde os guerreiros de Luz, os Jedis, combatem os guerreiros das trevas, os siths. Os nossos Jedis são o MP, a PF, o Juiz Moro, a Juíza Selma, e outros. Ainda bem que temos Jedis, senão estava perdido. Nessa guerra a regra é uma só: quando o Bem recua, o mal avança. Ih! Há pouco tempo queriam tirar o poder de investigação do MP, o que seria a alegria dos corruptos. Um governo sério reforçaria o MP, a PF, com mais verba, mais estrutura, mais recursos humanos, mais tecnologia de ponta para investigação...para o Bem vencer o mal. Pois, nesse momento em que digito este comentário, em algum lugar desse brasilzão, tem uma turma de maus brasileiros arquitetando: como vamos passar a mão no dinheiro, sem deixar pistas. E vão passar, e nós nunca ficaremos sabendo disso.

Assembleia | 26/03/2017, 10h:27 - Atualizado: 26/03/2017, 10h:36

Relatórios de 3 CPIs estão emperrados para votação e travam envio ao MPE e TCE


Das cinco Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) criadas nesta legislatura da Assembleia, apenas a das Organizações Sociais de Saúde (OSS) teve o relatório final votado. Outras três - Obras da Copa; Renúncia e Sonegação Fiscal; e dos Frigoríficos - seguem com os relatórios “emperrados”. A quinta CPI, do Ministério Público, em andamento, está travada. 

A votação das CPIs em Plenário é importante para dar continuidade às investigações por outros órgãos fiscalizadores, como Ministério Público e Tribunal de Contas. 

Para se ter uma ideia, das três CPI com trabalhos concluídos só a dos Frigoríficos está apta a ser votada em Plenário. Curiosamente, a última a ser criada. Já as CPIs da Copa e da Renúncia, que tramitaram por mais de um ano, seguem na mesa da presidência, sob Eduardo Botelho (PSB), “engavetadas”.

Mesmo que Botelho despache os relatórios finais de ambas as CPIs é necessário que membros da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) se reúnam para emitir parecer, para depois seguir para votação dos deputados em Plenário.

Galeria: Entrega de relatórios das CPIs da Assembleia

A primeira CPI a ser criada foi a das Obras da Copa, em março de 2015, que visou apurar irregularidades nas obras inacabadas. No relatório final, apresentado em outubro do ano passado, foi sugerido o indiciamento de sete agentes políticos, 96 agentes públicos, 16 empresas privadas e sete consórcios de empresas. Além disso, indica a devolução de R$ 541,1 milhões aos cofres públicos.

O deputado Oscar Bezerra (PSB) afirma que os levantamentos e apontamentos de irregularidades ficam prejudicados em razão da não aprovação do relatório final da CPI das Obras da Copa. “Só será encaminhado as autoridades após plenário da Assembleia aprovar. Então um trabalho que custou dinheiro público e tempo, para se decidir colocar na gaveta e esquecer”, criticou o socialista em entrevista à Rádio Mega FM.

Criada no mesmo mês, a CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal aponta que o total de R$ 1,7 bilhão foi sonegado por empresas e cooperativas beneficiadas em programas de incentivos fiscais entre 2011 e 2014, anos de gestão do ex-governador Silval Barbosa. Sob presidência de Zé Carlos do Pátio (hoje prefeito de Rondonópolis) e relatoria de Max Russi (PSB) (hoje secretário de Estado), a documentação final (460 volumes, totalizando 110 mil páginas) será encaminhada para a Polícia Federal, Receita Federal, Ministério Público Federal e MPE e ao Tribunal de Contas do Estado, mas só após votação em plenário. Os trabalhos foram encerrados no fim do ano passado, antes de Pátio deixar a Assembleia.

A CPI das OSS, instaurada em abril de 2015, encontrou 55 irregularidades na gestão da Saúde pelas organizações sociais que atuavam em Mato Grosso. A lista de irregularidades identificadas é extensa. As principais são tráfico de influência, improbidade administrativa, peculato, condescendência criminosa, prevaricação, superfaturamento na aquisição de materiais e contratação de serviços, além de emissão de notas frias. Os trabalhos foram finalizados um ano mais tarde. O deputado Leonardo Albuquerque conduziu os trabalhos da Comissão.

Em março do ano passado, a CPI dos Frigoríficos foi criada para investigar denúncias de cartelização dos frigoríficos. O relatório final aponta que existe o risco de fechamento de mais 14 plantas, além das 28 já paralisadas, em um total de 45 unidades que possuem Selo de Inspeção Federal (SIF). A CPI mais célere de todas durou apenas nove meses, sob o comando do deputado Ondanir Bontolini, o Nininho (PSD).

CPI do Ministério Público está quase paralisada, uma vez que o cargo de presidente ficou vago com a ida do deputado Max Russi (PSB) para a secretaria estadual de Trabalho e Assistência Social (Setas). Na teoria, o vice-presidente Oscar Berra (PSB) deveria assumir o posto, no entanto, não houve reuniões para acertar os detalhes e os trabalhos não avançaram.

Tentativas

Enquanto o relatório final de três CPIs não são apreciados pelos deputados, há parlamentares que articulam pela criação de outras Comissões. A parlamentar Janaina Riva (PMDB), num primeiro momento, propôs a instauração da CPI do MT Prev, para investigar irregularidades na previdência estadual. No entanto, a base governista retirou as assinaturas e a Comissão naufragou

Agora, a deputada pede que a Assembleia seja investigada nos últimos 22 anos, acarretando, inclusive, na gestão do seu pai, ex-presidente José Riva. A medida da peemedebista, no entanto, é uma resposta ao governador Pedro Taques, que havia sugerido apurar administrações passadas em resposta a Janaina. A parlamentar desafia Taques a  convencer os deputados da base assinarem a CPI.

Postar um novo comentário

| 26/03/2017, 09h:03 - Atualizado: 26/03/2017, 09h:12

Vereadores por Rondonópolis usam verba indenizatória em velório, aniversário e folia


De Rondonópolis

Em 14 de dezembro de 2016, os vereadores de Rondonópolis aprovaram uma lei em que ficariam obrigados a prestar contas da utilização da verba indenizatória de R$ 10 mil que recebem mensalmente. Porém, a lei não vem sendo cumprida, já que nenhum emitiu nota fiscal, nem declarou custo da atividade realizada. Em um ano serão pagos pela Câmara há 20 vereadores um total de R$ 2,4 milhões em verba idenizatória. Numa comparação, o valor daria para construir os quatro PSFs que estão com as obras paradas em Rondonópolis.

Mesmo não apresentando em que e onde o dinheiro foi gasto, todos receberam integralmente a verba indenizatória, menos o vereador subtenente Guinancio (PSDB), que no dia da posse abriu não da mesma, por considerá-la dispensável. Até fevereiro foram pagos R$ 400 mil de verba indenizatória a 20, dos 21 vereadores.

O que se encontram nos relatórios dos meses de janeiro e fevereiro é um emaranhado de informações de atividades parlamentares, que na maior parte dos casos nem se encaixam como tais, como visitas a velórios, ida ao aniversário de moradores da cidade, e até a presença no Carnaval, o Rondofolia.

Os vereadores relatam ainda visitas às casas de moradores às reuniões partidárias, bem como entrevistas aos veículos da imprensa. Exemplificam casos de caridade, como o acompanhamento de família carente até o hospital.

Mário Okamura/Rdnews

vereadores_roo_vi (1).jpg

Lista dos vereadores por Rondonópolis que recebem a verba indenizatória mensal em R$ 2,4 milhões 

O vereador Bilú do Depósito de Areia (PRTB) fez até uma viagem a Cuiabá para acompanhamento médico. Enquanto, o vereador, líder do prefeito Zé do Pátio na Câmara, Juary Miranda (Solidariedade), fez um acompanhamento de óbito, e foi a sepultamentos, tanto na prestação de janeiro como na de fevereiro.

O vereador Vilmar Pimentel, também do Solidariedade, divulgou em sua prestação de contas que foi à missa e ao Carnaval. 

Verba indenizatória

A prestação de contas da verba indenizatória da Câmara de Rondonópolis só se tornou lei após intenso movimento social organizado em 2016, que teve à frente a seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Rondonópolis e o Observatório Social.

Contudo, o coordenador executivo do Observatório Social de Rondonópolis, Marcos Antônio Beraldi, informou que diante do tipo de prestação que vem sendo feita pelos parlamentares novas reuniões com a OAB estão sendo feitas para buscar soluções.

Salários 

Os vereadores de Rondonópolis recebem um salário bruto de R$ 10 mil, mais a verba indenizatória de R$ 10 mil. Os salários ficaram congelados para esta legislatura. Parlamentares haviam dito que verba teria diminuído para R$ 8 mil, mas no valor constante nos relatórios é de R$ 10 mil.

O duodécimo da Câmara é de R$ 23 milhões ao ano, um total de R$ 1,9 milhões ao mês, destes R$ 200 mil são consumidos com as verbas indenizatórias de 20 vereadores. 

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Zé Pereira | Segunda-Feira, 27 de Março de 2017, 13h03
    0
    0

    Dá nojo...na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso são, pasmem, R$-65.000,00 (sessenta e cinco mil reais) mês para cada deputado.....da mesma forma, sem prestação de contas.....deve ter essa moleza para o Judiciário, para a elite do Executivo Estadual e no Tribunal de Contas do Estado (TCE), por isso essa inércia e conivência com o mal feito....isso não se sustenta mais....não tem nenhuma lógica, principalmente em um momento onde estão arroxando o trabalhador por todas as formas e meios....é preciso que desconfiem e revisem esses processos...não dá mais...não tem moral para impor nenhum tipo de sacrifício à população enquanto não passarem toda essa estrutura corrupta a limpo....gastar mal o dinheiro púbico, mesmo sob a égide dessas leis de auto-benefício é corrupção..... Prof. Me. Zé Pereira

  • Juca Lemos | Domingo, 26 de Março de 2017, 19h27
    2
    0

    Isto é vergonhoso. Dá nojo estes fatos

  • joaoderondonopolis | Domingo, 26 de Março de 2017, 10h56
    3
    1

    A população de Rondonópolis deveria ir para a câmara até os vereadores com os gastos supra devolverem o dinheiro, caso contrário pedir na justiça por intermédio do Ministério Público o afastamento temporário ou definitivo do edil. Pelo menos 10.000 pessoas em cada seção, os vereadores não tem outra alternativa, a não ser renunciar ao mandato.

  • joaoderondonopolis | Domingo, 26 de Março de 2017, 10h53
    1
    3

    joaoderondonopolis, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • pacheco | Domingo, 26 de Março de 2017, 09h47
    1
    0

    pacheco, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

| 26/03/2017, 00h:00 - Atualizado: 25/03/2017, 09h:53

Tempo bom

jackelyne_pontes_artigo_400

Jackelyne Pontes

Eu sou ex-aluna salesiana, e com muito orgulho. Daquelas que chora quando visita o colégio e ama o cheiro daquele lugar (sim, o São Gonçalo tem um cheiro próprio). Os colegas da época montaram um grupo em um aplicativo de mensagens chamado Recordar é Viver, ou simplesmente REV, porque nós temos o costume de abreviar os nomes, por exemplo: Eder Barros é EB, Carlos Magno é CM, Goulth Valente é GV, e assim muitos outros.

Coisa de adolescentes, que conservamos até hoje, talvez como uma forma de guardarmos a essência da época. Já são quase 30 anos de amizade e isso realmente é muito valioso. E foi só perguntar quais eram os lugares legais que frequentávamos na época que uma enxurrada de nomes tomaram conta da conversa.

Logan, Tamatete, Panacéia, Overnight, Milionaires, Pinos 4, Cosa Nostra, El Templo, Transas, Clube Dom Bosco, Nautico, Ponto Alto Choperia, Get Up, Estrebaria, Améria Music Hall, Tenis Clube, Patotinha, Yes Bananas, Suco Maluco, SOS Burger, Discovery, Terraçus, Chalana, Zagaia, Entretanto, Getúlio, Z100, Ninhos, Toninhos, Mirante, Cantoria, Choppão, Opera Light, Caneco 90, Sayonara, Galopeira, Cowntry Club, Círculo Militar, Floor, Samba Lá, Apoteose, Rush, Star Night, Zero Grau Choperia, Zopapa, Cabeça de Boi, Copo Sujo, Cine Bandeirantes, Cine Cuiabá, Pathernoon, Caldereta, Stuio 2001, Amadeus, Acrópoles, Sucão, Rangus, Khalarary, Aquarius, Fabico, Aldeia, Royal Flash, Karaoke Bar, Garrafão, Pino´s Ball, Strike Boliche, Komilão, Millano, Itala, Afranio, Queda D´água, Passarela do Samba, Samba Rio, Pagode do Pepê, Lucius do Cajú, Café Jazz, Rock Cafuá, Fornão, Celeiro, Bar do Neurô, Cabana da Dudu, Asa Delta, Pagode da Coophamil, Varzea Grande Tenis Clube, Lua Morena, Clube da Caixa, Los Pueblos, Bar da Esquina, Sinfrônio, Hitz, Lotus, Edlus, Los Cumpadres, Choppizza, Diplomata, Clube de Esquina, Coliseum, Bierhaus, Lamané, Zé Dog, Morro de Santo Antonio, Vila Real, Caldereta, Cedrus, Casa Cuiabana, Cavernas, Galpão, Zopapa, Big Chopp, De Paula Clube, Caxara na Brasa, Avião, Arnaldo´s Drinks, Sal e Limão, Ricks Burgers e Chuá Lanches.

Uma onda nostálgica me abateu durante esta semana e o motivo é um só: tive a oportunidade de conhecer o novo espaço de uma casa de rock situada na Avenida Miguel Sutil. A tempos faltava na Capital um espaço para dançar, uma boate mesmo, com tudo que temos direito. Desci as escadas em direção à pista e tive um déjà-vu. Tinha luzes, fumaça, e músicas que nos faziam dançar a noite toda.

Lembram-se do antigo Café Cancun e suas quintas-feiras em ritmo de salsa? Se eu fechar os olhos e voltar um pouco no tempo posso ouvir claramente o tema de abertura da Get up, com aquele globo espelhado.

Posso relembrar a imensa fila para entrar no Zagaia, e que valia a pena cada segundo de espera. As matinês no América que tinha até banho de espuma. Os pagodes na Apoteose com os Caçulas do Samba. As noites de MPB no Entretanto, depois os lanches maravilhosos do Edlus.

No Cosa Nostra e no Transas os frequentadores eram parte de uma confraria, pois finais de semana a fio estavam lá prestigiando a casa. Esses e outros lugares que cito no segundo parágrafo deste texto fizeram parte de uma época em que Cuiabá tinha diversas opções de entretenimento, para todos os bolsos e estilos. Impossível não ter frequentado ao menos dois ou três deles.

Tenho saudade. E dizem que saudade é o preço que se paga por viver momentos inesquecíveis. Nós esquecemos de citar algum lugar interessante? E você, tem saudade de que?

Jackelyne Pontes é cirurgiã-dentista, mestre em Saúde Coletiva, diretora do Sinodonto-MT (Sindicato dos Odontologistas do Estado de Mato Grosso) e escreve exclusivamente para este blog todo domingo - jackelynepontes@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • Nina Sanches | Domingo, 26 de Março de 2017, 14h41
    3
    0

    💜 Jack querida, boas lembranças de uma juventude muito bem vivida, maravilhosos momentos e AMIZADES que serão eternas em meu coração!! #rev #amigosparaspre

  • Nina | Domingo, 26 de Março de 2017, 14h35
    1
    0

    ? Jack querida, boas lembranças de uma juventude muito bem vivida, maravilhosos momentos e AMIZADES que serão eternas em meu coração!! #rev #amigosparaspre

  • Célis Nadine | Domingo, 26 de Março de 2017, 04h35
    4
    0

    Que lembrança boa. Recordar é viver. Abraços carinhosos JP, EB, CM,GV.

  • Jair | Domingo, 26 de Março de 2017, 01h35
    4
    0

    Jaqueline, fiquei emocionado. Hoje restam poucas opções para sair a noite. Mas continuo achando a noite cuiabana uma das melhores. Fiz uma viagem no tempo. Obrigada.

INíCIO
ANTERIOR
1 de 1978