Cuiabá, 25 de Outubro de 2014

Curtinhas

  • Wellington, Dilma e debate

    Sábado, 25/10/2014 09h:10

    O senador eleito Wellington, um dos poucos convidados de Dilma para acompanhar do estúdio da TV Globo o debate ao vivo entre os presidenciáveis nesta sexta à noite, avalia que o foco tanto da presidente petista quanto do tucano Aécio foi nos eleitores indecisos e considera que o confronto pouco acrescentou em termos de definição de voto. Avalia que, para aqueles que estavam do lado dela, inclusive ele próprio, a análise é de que o debate foi duro e bom, mas nada inovador. Segundo o republicano que está concluindo o sexto mandato na Câmara, a vantagem de Dilma, que no debate comparou feitos do governo petista com o período do PSDB no poder, é que ela está num momento de vantagem nas pesquisas e, apesar da denúncia feita pela revista Veja, segundo a qual o doleiro Alberto Youssef afirma que tanto a presidente quanto Lula sabiam do esquema de corrupção na Petrobras, "não há mais tempo para isso refletir negativamente nas urnas".

  • Falta de água, CAB e multa

    Quinta-Feira, 23/10/2014 19h:04

    O Judiciário começou a agir para impedir o descaso da CAB, que cuida do saneamento da Capital. A empresa que explora a concessão dos serviços de água e de esgotamento sanitário foi multada em 50 salários mínimos (R$ 36,2 mil) por deixar faltar água em seis bairros de Cuiabá, sendo eles Residencial Coxipó, Jardim Itapajé, Jardim Presidente I, Jardim Presidente II, Santa Cruz II e Residencial Bosque dos Ipês. O valor da multa, estabelecido pela juíza-auxiliar da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, Célia Regina Vidotti, é para cada bairro desabastecido. Sendo assim, o montante chega a R$ 217 mil. Essa medida dura provocada pelo MPE poderia se tornar uma rotina, ampliando-se para outros bairros e regiões. Quem sabe assim a CAB Cuiabá se venha a se preocupar em prestar serviços de qualidade e fazer os investimentos necessários para atender a demanda. Várias reclamações foram registradas na Ouvidoria do MP sobre fornecimento precário de água nos bairros.

  • PSD e busca pela AMM

    Quinta-Feira, 23/10/2014 18h:46

    O PSD, agora com menos força política, tentará conquistar a presidência da AMM, que detém orçamento de R$ 1,2 milhão por mês. Em reunião, nesta 4ª, prefeitos do partido do cacique Riva aprovaram por maioria o nome de Neurilan Fraga (Nortelândia) para concorrer ao comando da entidade, que já tem na presidência um líder político da mesma sigla, Chiquinho do Posto (Juscimeira). Dos presentes, 17 votaram em Neurilan. As prefeitas Solange (Nova Bandeirantes) e Magali (General Carneiro) tiveram 4 votos cada. O deputado reeleito Zé Domingos Fraga, ex-prefeito de Sorriso, entrou nas articulações em defesa da candidatura do irmão Neurilan. Apesar disso, dificilmente o social-democrata terá êxito na disputa. Além do desgaste da gestão Chiquinho, Neurilan carrega o efeito pós-eleição, de cujo processo Riva saiu enfraquecido e encerra a participação na vida pública. Por isso, a briga deve ficar entre Adair (Alto Paraguai) e Rossato (Sorriso). O pleito ocorre na 1ª quinzena de novembro.

  • Wilson, transição e Taques

    Quinta-Feira, 23/10/2014 12h:42

    wilson santos  Mesmo fora da lista oficial dos integrantes da equipe de transição do governador eleito, Pedro Taques (PDT), o tucano Wilson, que assumirá vaga na AL, passou a dar palpites em projetos, ações e possíveis mudanças que devem ocorrer na estrutura da máquina. Tem integrado a equipe de transição que despacha numa sala que fica num prédio na frente do Palácio Paiaguás. Wilson entra e sai calado, evitando, principalmente, a imprensa. A inserção de seu nome na equipe foi um pedido de Taques. Ambos têm uma certa proximidade política. Apesar disso, Taques pediu para que Wilson trabalhe de forma anônima e discreta. Teme desgaste por causa da imagem do tucano, que tem a pecha de mau gestor, haja vista o seu segundo mandato como prefeito da Capital. Emissários já procuram o ex-gestor na esperança deste indicá-los para cargos no novo Governo. 

  • Renúncia e a diplomação

    Quinta-Feira, 23/10/2014 09h:48

    pedro taques   Sobre a renúncia do cargo de senador, Pedro Taques disse, na entrevista ao vivo ao RDTV nesta quinta, que a data oficial para deixar a cadeira não foi definida porque depende da programação da Justiça Eleitoral sobre o dia da diplomação. De todo modo, sairá até meados de dezembro e toma posse como governador em 1º de janeiro. Taques afirma que está avaliando "o momento certo de deixar o Senado". Diz estar empolgado e reafirma que fará as mudanças prometidas à frente do governo estadual. Entende que, de fato, precisa de mais tempo para se dedicar aos preparativos da nova função pública. Enfatiza que o primeiro-suplente José Medeiros (PPS) tem competência para fazer bom trabalho e honrar a representatividade mato-grossense. Medeiros terá quatro anos de mandato.

  • Lemat com dias contados

    Quinta-Feira, 23/10/2014 09h:30

    Em entrevista ao vivo nesta quinta ao RDTV, tvweb do Grupo Rdnews, o governador eleito Pedro Taques revelou ser contra o Estado administrar jogos e resgatou o seu histórico de, enquanto procurador da República, ter lutado para acabar com o chamado "jogo do bicho", que era controlado no Estado por João Arcanjo, que comandava o crime organizado no Estado. Isso quer dizer que a Lemat, recriada neste governo Silval 24 anos após sua desativação, está com os dias contados. Para Taques, não cabe ao Estado administrar jogos. Embora tenha sido reconstituída há mais de um ano, com quatro pessoas na diretoria, sob presidência de Toco Palma, a Lemat não funciona efetivamente. Está sem rumo e convive com questionamentos sobre processo licitatório, brigas jurídicas e interesses pessoais. A ideia do governo seria terceirizar os serviços, mas nem isso deve ocorrer. Caminha para extinção.

  • Savi troca publicidade

    Quarta-Feira, 22/10/2014 17h:53

    mauro savi  O deputado Mauro Savi (PR), por meio da assessoria, reconhece a existência de equívoco em outdoors espalhados em pontos estratégicos da Capital, onde agradece por ter sido o mais votado em Cuiabá. A informação foi revelada pela coluna Curtinhas. A falha teria ocorrido no momento da impressão de diversos agradecimentos destinados às cidades em que o republicano teve mais votos. Uma parte do texto destinado aos eleitores de Sorriso, onde começou a carreira política como vereador e foi o mais votado, não foi trocada. Situação também ocorreu com a mensagem de Várzea Grande. Em ambos os casos, as publicidades estão sendo substituídas. Em Sorriso, o republicano teve 9.220 votos, o equivalente a 27,7% do eleitorado.

  • Crédito de R$ 7 mi para TJ

    Quarta-Feira, 22/10/2014 14h:39

    A 70 dias de concluir o mandato, o governador Silval assinou decreto orçamentário, dando crédito suplementar de R$ 10,2 milhões para atender duas secretarias e o Tribunal de Justiça. Para a pasta das Cidades, liberou mais R$ 2,9 milhões e, para a Justiça e Direitos Humanos, R$ 380,7 mil. O resto da "fatia", nada menos que R$ 7 milhões, são para "engordar" o orçamento do Judiciário estadual. O Executivo alega que são créditos para atender demandas solicitadas. O TJ alega que vai usar esses recursos para manutenção de serviços administrativos gerais. A secretaria das Cidades enfatiza que R$ 420 mil serão para ajudar na construção do hospital universitário da UFMT, região Sul, e os demais recursos para a apoio a projetos, construções e reformas de obras públicas municipais e construção de habitações urbanas.

  • Os mais de Várzea Grande

    Quarta-Feira, 22/10/2014 11h:16

    eduardo botelho curtinhas   Em Várzea Grande, segundo maior colégio eleitoral do Estado, o mais votado para deputado estadual foi o empresário Eduardo Botelho (foto), do PSB. Dos 40.517 votos globais obtidos no Estado, 9.626 foram no município onde ele possui vínculo com a empresa de transporte coletivo União Transportes e com a construtora Nhambiquara. A segunda maior votação ficou com o vereador e deputado eleito, coronel da reserva Pery Taborelli (PV), com 8.190. O deputado Emanuel Pinheiro, apoiado pelo grupo do prefeito Walace, conquistou a terceira votação em Várzea Grande, com 7.944 votos, seguido de Walter Rabello (6.340), de Mauro Savi (4.124), de Sebastião Rezende (3.896 votos), de Guilherme Maluf (2.420) e de Wilson Santos (1.662), todos com cadeira garantida na Assembleia.

INíCIO
ANTERIOR
1 de 816