Cuiabá, 18 de Dezembro de 2014

Eleições-2014

A | A

Terça-Feira, 28 de Setembro de 2010, 14h:50 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:27

Eleições 2010

Cabos eleitorais reclamam; candidata diz sofrer extorsão

   Cabos eleitorais que supostamente teriam sido contratados para trabalhar na campanha da candidata a deputada estadual Alice Garcia (PRP) reclamam que até o momento não receberam pelo serviço prestado. De acordo com os militantes, o pagamento deveria ser feito mensalmente, mas depois de negociações, teriam sido informados de que a candidata não honraria a dívida.

   Alice ressalta que todas as pessoas que estão trabalhando para ela estão com os pagamentos em dia e que as acusações teriam partido de pessoas contratadas por alguém ligado a uma coligação adversária. “Estou sendo vítima de extorsão, assim como Mauro Mendes (candidato ao Palácio Paiguás pelo PSB)”, afirmou, lembrando que inclusive já procurou a Justiça para registrar boletim de ocorrência (BO) sobre o fato. Ela afirma que nem sequer conhece as pessoas que a acusam e que seus cabos foram contratados pela sua coordenadora de campanha. “Aqueles que estão trabalhando comigo, conheço todos, pois nos reunimos pontualmente”, destaca.

   No entando, outro BO foi registrado no último domingo (26) contra Alice. Entre as lideranças que dizem não ter recebido pelo trabalho prestado, está José Milton Gomes de Oliveira, de Cuiabá. O militante conta que abandonou o projeto da candidata depois de mais de dois meses sem receber. “Chega de trabalhar de graça”, desabafou.

   Conforme ele, o marido da candidata os teria informado de que eles não seriam pagos, pois suas contratações não teriam sido autorizadas. “Como não autorizaram e mandaram o material de campanha para gente?”, questiona. Assim como ele, Cleonice Leite também reclama do suposto “calote”. “Nos engajamos e íamos às feiras que eles pediam distribuir santinhos e nem água recebemos”, critica. Ela relata que, jutamente com mais quatro lideranças, encontrou o marido da candidata num posto de gasolina onde o mesmo teria informado que o dinheiro recebido por Alice não teria sido suficiente para pagar o pessoal.

   A candidata, por sua vez, diz já saber quem é o responsável pela confusão e que os cabos chegaram a ir até a portaria do prédio onde mora para abordá-la. “Meu marido foi sim encontrar com essas pessoas, mas ele também não os conhecem”, explicou. “Estou tranquila pois não devo nada a ninguém”, concluiu.

   Uma das lideranças, que preferiu não se identificar, conta que procurou a coligação “Mato Grosso Para Todos”, que referenda a campanha de Alice, e foi informado de que a candidata teria recebido R$ 100 mil para sua campanha. O cabo eleitoral diz que as despesas com os cerca de 150 cabos contratados em Cuiabá, Cáceres e Poconé gira em torno de R$ 30 mil.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Antonio | Terça-Feira, 28 de Setembro de 2010, 19h39
    0
    0

    HIMMMMM TÁ VIRANDO MODA, EM POCONÉ O MALUF DEIXOU MAIS DE 50 PESSOAS CHUPANDO OS DEDOS