Cuiabá, 19 de Janeiro de 2017

Executivo

A | A

Terça-Feira, 22 de Novembro de 2016, 18h:01 | Atualizado: 22/11/2016, 20h:11

Contas do 2º turno são apresentadas; R$ 2,3 mi é a dívida do prefeito eleito

Gilberto Leite

Emanuel vota 2º turno

Maior gasto de Emanuel foi com programas de rádio e TV, aos quais foram destinados R$ 2,6 mi

Já estão nas mãos da Justiça Eleitoral as prestações de conta do prefeito eleito Emanuel Pinheiro (PMDB) e do candidato derrotado Wilson Santos (PSDB), referentes ao 2º turno do processo eleitoral deste ano. Segundo o chefe de cartório da 51ª Zona Eleitoral, Éder da Silva Rodrigues, a prioridade é analisar os documentos entregues por Emanuel, pois o prazo para julgamento das contas é 16 de dezembro, tendo em vista que a diplomação deve ocorrer até o dia 19 do próximo mês.

Com os documentos apresentados por Emanuel já foi possível confeccionar 42 malotes e a previsão é que essa etapa do trabalho seja concluída nesta quarta (23). Em seguida, os extratos devem passar por análise dos técnicos da Justiça Eleitoral, que após concluir os apontamentos, encaminham os malotes ao juiz responsável pela 51ª Zona Eleitoral. Caso o magistrado peça esclarecimento sobre algum dado informado, a defesa de Emanuel deve receber prazo de 72 horas para se manifestar.

Quanto à prestação de contas de Wilson, cujos documentos ainda estão nas caixas em que foram entregues, a expectativa do chefe de cartório é que o trabalho de análise se inicie somente no próximo ano.

De acordo com os documentos que o teve acesso, Emanuel Pinheiro registrou receita acumulada de R$ 3,3 milhões nos dois turnos da eleição, enquanto as despesas chegaram a R$ 5 milhões, gerando no total uma dívida de campanha de R$ 2,3 milhões. O maior gasto do peemedebista foi com produção de programas de rádio, televisão ou vídeos, para os quais foram destinados R$ 2,6 milhões. Já a maior entrada registrada nas receitas é denominada “recursos de partido político”, somando R$ 2,4 milhões.

O diretório nacional do PMDB foi o que fez as doações mais vultuosas, sendo dois repasses de R$ 250 mil e um de R$ 200 mil. A menor quantia recebida como doação foi no valor de R$ 240. Ao todo, Emanuel recebeu R$ 3,1 milhões em doações, sendo R$ 2,6 milhões apenas no 1º turno.

Saiba

O julgamento das contas como não prestadas impede que um candidato obtenha a certidão de quitação eleitoral enquanto perdurar a omissão. Quando não presta contas da campanha eleitoral, o candidato fica impedido de obter a certidão de quitação eleitoral pelo período do mandato que disputou.

Emanuel deve prestar contas do 2º turno amanhã; prazo até sábado

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • fernando | Quarta-Feira, 23 de Novembro de 2016, 11h08
    0
    0

    "O diretório nacional do PMDB foi o que fez as doações mais vultuosas, sendo dois repasses de R$ 250 mil e um de R$ 200 mil." Da onde tiraram isso??? As doações mais vultuosas foram do PR nacional com 800 mil (cheques de 250, 250 e 300 mil). O PMDB nacional doou R$ 360mil (cheques de 80, 80 e 200 mil)... Cada uma ein! http://divulgacandcontas.tse.jus.br/divulga/#/candidato/2016/2/90670/110000007470/integra/receitas

Matéria(s) relacionada(s):