Cuiabá, 18 de Abril de 2014

Executivo

A | A

Sábado, 29 de Janeiro de 2011, 07h:15 | Atualizado: 29/01/2011, 08h:06

POLÊMICA

Levantamento aponta que Seduc lidera o ranking dos licenciados

    A secretaria estadual de Educação, sob Rosa Neide Sandes, é a pasta do governo Silval Barbosa (PMDB) que mais possui servidores e que também lidera o ranking de licenças por problemas de saúde.

   Conforme levantamento feito em agosto de 2010, na época, existiam 2.202 pessoas afastadas por problemas de saúde, destas 1.216 eram da Seduc.

   Entre os setores que mais possuiam pessoas doentes ou que estavam acompanhando parentes que estavam hospitalizado, aparece o Comando Geral da Polícia Militar com 282 licenças, seguido da secretaria de Saúde com 255. Na Polícia Judiciária Civil foram registrados 108 afastamentos.  

   Entre os órgãos, que em agosto de 2010 não tinham nenhum servidor licenciado por problemas de saúde, está a secretaria de Comunicação, a vice-governadoria, o Imeq, a Ager e a Fapemat.

   Os dados são da secretaria estadual de Administração e possibilitam que se tenha um parâmetro sobre o número de licenças nos órgãos públicos do Paiaguás.

    A curiosidade sobre como funciona o sistema de emissão de licenças no Estado começou devido ao escândalo nacional envolvendo a emissão de atestados de saúde, pelo médico psiquiatra Ubiratan de Magalhães Barbalho, para pessoas que não estão doentes e levou o Estado a realizar um “pente fino” nas licenças concedidas a servidores.

  O relatório foi solicitado pelos promotores de Justiça Militar, Vinícios Gahyva Martins e do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e Probidade Administrativa, Gustavo Dantas Ferra, que investigam o caso.

    O esquema foi descoberto dentro do Comando-Geral da Polícia Militar, mas os membros do MP também querem dados precisos dos servidores das pastas de Educação e da Saúde.

 

Postar um novo comentário

Comentários (18)

  • Arilson B. Fortes | Terça-Feira, 01 de Fevereiro de 2011, 16h59
    0
    0

    Essa moeda como todas, tem dois lados. Em um dos lados encontramos muitos servidores trabalhando em condições desumana (em MT ainda encontramos professores sem giz e alunos sem carteira escolar; enfermeiros sem sala para fazerem triagem e médicos atendendo no corredor; Agentes Penitenciários fazendo escolta sem arma e delegacias sem viatura...) e o outro lado da moeda temos governantes corruptos que contratam corruptos como por exemplo (Pedro Henri como secretário)... Isso é uma vergonha... Ainda querem reclamar do quê?!!!!!

  • FLAVIA XAVIER | Sábado, 29 de Janeiro de 2011, 20h03
    0
    0

    SEMPRE É A SEDUC QUE LEVA A FAMA,MAS NA HORA DO AUMENTO A SEDUC FICA DE FORA.SOMOS A MAIOR SECRETARIA DO ESTADO,34.000 MIL FUNCIONÁRIOS AO TODO,ELES TEM QUE SENTIR NA PELE O QUE UM PROFESSOR PASSA HOJE EM SALA DE AULA COM ESSES ANJINHOS DE ALUNO.FORA O SALARIO QUE É O MENOR DOBRASIL.

  • geniel | Sábado, 29 de Janeiro de 2011, 18h20
    0
    0

    Parabenizo o comentário da amiga Dannyelliy,,, continue assim sendo perfeccionista e detalhista,,,como eu,,,,,,,,,sugiro ao grupo do RD news,,que façam uma entrevista com um professor da rede pública e veja a realidade de um professor na jornada de trabalho?

  • Luís Felipe | Sábado, 29 de Janeiro de 2011, 16h51
    0
    0

    Meio tendenciosa essa reportagem, pois, sequer mencionou que a SEDUC possui mais de 34.000 servidores (entre efetivos e contratados), logo, o percentual de servidores em licença chega a 3,5% do total, se mostrando um limite tolerável, visto que as outras secretarias de estado possuem bem menos servidores e se analisarmos os números apresentados, o percentual será maior que o da SEDUC.

  • REGINA GUEDES | Sábado, 29 de Janeiro de 2011, 14h41
    0
    0

    Não vejo onde está a polêmica... O problema das estatísticas e dos que as interpretam, principalmente no setor público, é que quase sempre os números são lidos a bel prazer dos que os interpretam para manipulá-los e manipular a ignorância do leigo; vejamos.... primeiro prestemos atenção que os que lideram a lista dos licenciados são os servidores das secretarias onde o índice de STRESS e péssima condições de trabalho são GRITANTES.... impossível esperar que não haja alto índice de licenças nestas secretarias , principalmente quando não há investimentos em ações de prevenção, pois aparentemente, parecem que são gastos, no entanto, são investimentos. já esta comprovado que para cada real investido em prevenção nas doenças ocupacionais, economiza-se 3 reais em licenças... Outra questão é que deve-se comparar o nr de licenças proporcionalmente ao nr de servidores na ativa, que no final das contas, com as condições de trabalho a que estes são sujeitos até que está baixo. Em terceiro lugar isto é uma realidade que se encontra em todos os estados brasileiros em todos os níveis de governo, vocês acham que no MUNICIPIO É DIFERENTE ??? procurem as estatísticas em Cuiabá... Devemos parar de hipocrisia e não nos deixar ser levados pelas notícias do momento e agir preventivamente para que este tipo de informação não venha a tona... que tal falar das ações que estão sendo feitas para se evitar esta situação???procurar saber quais os fatores que levam estes servidores a adoecer ??? e efetivamente fazer alguma coisa, chega de colocar a culpa no pobre trabalhador....de buscar a causa da indigestão na ameixa do pudim..

  • Soledade | Sábado, 29 de Janeiro de 2011, 12h28
    0
    0

    Desde q comecei a atuar na área da educação, olha q já faz muito tempo, nunca tivemos secretários tão sérios como o Ságuas e, agora, a Rosa Neide, basta ver o q nossa categoria conquistou e vem conquistando nos últimos anos, ou será q vcs se esqueceram de Ana Carla, Pagot?? Se a reportagem fosse séria traria uma informação elementar, qtos funcionários tem cada secretaria e faria um quadro percentual, aí meus caros vcs veriam q a SEDUC definitivamente ñ é a primeira do ranking. É triste, mas a "desinformação" proposital é um mal de muitos veículos de comunicação. Espero q postem meu comentário, afinal, ñ falei nenhum palavrão e nem ofendi ninguém.

  • Dannyely | Sábado, 29 de Janeiro de 2011, 11h22
    0
    0

    Não fique assustado Kebs. Só espero que depois de assumirmos nossas vagas, nós não precisemos tirar licença por estafo mental, sindrome do pânico ou depressão, pressão alta ou gastrite. (ou vamos torcer pra que isso ocorra para afastarmos da sala, hein? hein?) Se o corpo de um professor não pode ficar doente preparemos nossos espíritos pois estes precisam estar muito sadios para aguentar tudo o que já foi comentado por Valéria e Geniel.

  • Laura | Sábado, 29 de Janeiro de 2011, 11h11
    0
    0

    Sinto muito senhor profissional da impensa, mas esse aritgo está completamente equivocado. Para fazer juz as outras Secretarias, o senhor deveria calcular as concessões de licenças, proporcionalmente ao numero de servidores ativos e lotados nos Órgãos. Da forma que está, essa reportagem faz uma ritica ao profissional de Educação, que sabemos não é tão grave assim...

  • Valéria | Sábado, 29 de Janeiro de 2011, 10h59
    0
    0

    Os dados parecem demonstrar pelo menos duas coisas: primeiro: que a saúde dos professores do estado anda mal, pois realmente com os péssimos salários e condições de trabalho muitas vezes degradantes, não é de se admirar que se tenha tantos doentes; segundo: há um verdadeiro "esquemão" entre os que emitem estes atestados e aqueles que os permitem! pois é notório que diversos profissionais dessa pasta, como em todas as outras, que simplemente não trabalham e oneram o estado recebendo seus salários. A questão é que quando aparece na midia nacional e é preciso tomar alguma atitude até mesmo reuniões às portas fechadas acontecem...

  • geniel esperando convocação | Sábado, 29 de Janeiro de 2011, 10h47
    0
    0

    Não vejo tanto espanto,,,,devido a vida diária de educador,,,no corre do dia a dia,,,,tendo que até mesmo gastar recursos próprios na compra de materiais,,,,,,,,,, no kit básico prá sua sala de aula,,,senão não consegue desenvolver,,,,,,,,,,,,,,,,,,sua prática pedagógica,,,?????? E ainda, tanta burocracia em formação de comissão de atribuição, PPPs da vida, PDE e entre outros,,,,sistema do Sigeduca....lento,,quase parando,,,,,,? Tem de acontecer essa polêmica,,,,,por falta de organização e acompanhamento de como é a vida de um educador sério e eficiente...........costumo dizer tudo se resume em eficiência e transparência...e isso está faltando.......ops ainda a sala do educador..............mais uma criada por eles...e os salários,,,,,,,,,,,lá embaixo e o deles?