Cuiabá, 23 de Setembro de 2014

Executivo

A | A

Sexta-Feira, 28 de Janeiro de 2011, 15h:54 | Atualizado: 28/01/2011, 19h:21

Rumo à Copa de 2014

MT assume obras do aeroporto de VG e promete cumprir prazo


Superintendente da Infraero para o Cetro-Oeste, Carlos Haroldo, deputado federal Wellington Fagundes e secretário Francisco Vuolo debatem solução para a retomada da reforma do aeroporto Marechal Rondon

   Mato Grosso vai assumir as obras de adequação do aeroporto Marechal Rondon, visando melhorar a infraestrutura do local para a Copa do Mundo. O governo federal, por meio da Infraero, vai delegar a execução das obras para o governo do Estado. O secretário extraordinário de Acompanhamento da Logística Intermodal de Transportes, Francisco Vuolo, se reuniu nesta sexta (28) com a diretoria da Infraero em Brasília e acertou detalhes do convênio.

   Vuolo esteve acompanhado do deputado federal Wellington Fagundes (PR), que o ajudou a costurar o acordo. Pelo convênio, que será assinado na próxima semana, o governo estadual assumirá todas as obras, inclusive a construção de um terminal de desembarque de passageiros, que é um dos gargalos do aeroporto Marechal Rondon. “Das 28 obras para a Copa do Mundo, esta era a única que estava sob a responsabilidade do governo federal. Agora, com a delegação ao Estado, poderemos agilizar as obras e vamos conseguir entregar o aeroporto adequado para a Copa”, comemorou o secretário Francisco Vuolo.

   O deputado Wellington Fagundes (PR) observou que com a delegação para o governo do Estado, todos os procedimentos serão agilizados, desde os projetos, o plano diretor e a contratação dos executores. “O que compete hoje à Infraero passará a ser de competência do governo. Desta forma não teremos atrasos, porque será possível agilizar os trabalhos”, acrescentou o parlamentar.

   Apesar da delegação, governo de Mato Grosso e Infraero vão trabalhar em parceria. Um corpo técnico conjunto entre o órgão federal e órgãos do governo do Estado será criado para acompanhar todo o processo. A definição das obras e do cronograma de execução passará por esse comitê. Pelos termos que serão acordados no convênio, o governo federal repassará os recursos e o governo estadual entrará com a sua devida contrapartida.

   Depois da reunião com a diretoria da Infraero, Vuolo e Wellington, acompanhados do superintendente da Infraero para o Cetro-Oeste, Carlos Haroldo Novak, visitaram o terminal de desembarque do aeroporto internacional Juscelino Kubistchek. O terminal do Marechal Rondon será semelhante ao de Brasília.

   Entre as obras prevista para o aeroporto Marechal Rondon estão, além do novo terminal, equipamentos de acessibilidade, acesso de veículos de transporte e o terminal de cargas. “Não podemos pensar somente nas pessoas. É importante, mas também devemos lembrar que o aeroporto também recebe e destina cargas”, observou.

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • Aroldo de Luna Cavalcanti | Sexta-Feira, 28 de Janeiro de 2011, 23h38
    0
    0

    A área do estacionamento não deveria apenas aumentar a sua capacidade, mas também na construção naquele local um mini shop. Coisa que o povo de Várzea Grande espera por muitos anos. Aquela área seria ideal, atenderia os milhares de usuários do aeroporto que passam por ai, e atenderia as necessidades da comunidade em geral. O resto é apenas proposta eleitoreira em época de eleição, fato que povo já esta cansado há muito tempo.

  • Artur | Sexta-Feira, 28 de Janeiro de 2011, 21h34
    0
    0

    AGPORA VAI.

  • marco | Sexta-Feira, 28 de Janeiro de 2011, 18h33
    0
    0

    E as taxas de embarque ficarão pra quem? Quero dizer infraero recebe e o Estado gasta. Perfeito. Perfeitos idiotas somos todos nós, pois pagarermos a União, e o estado federado assume a despesa. Salvo em contrário, seria ótimo.

  • Arlindo Ferreira | Sexta-Feira, 28 de Janeiro de 2011, 16h19
    0
    0

    Não se deve esquecer que o atual estacionamento para veículos não comporta a demanda. Asssim, deverá ser construído um novo com capacidade bem mais elevada, p.e. entre 2.000 a 3.000 vagas.