Executivo

Terça-Feira, 12 de Setembro de 2017, 14h:00 | Atualizado: 12/09/2017, 19h:47

TETO DE GASTOS

Não aprovação da PEC resultará em atraso salarial e paralisia de MT, afirma governo

Gilberto Leite

Secretarios Taques equipe economica

  Júlio Modesto, Gustavo Oliveira, Guilherme Müller e Kleber Lima apresentam PEC do Teto

O secretário estadual de Fazenda (Sefaz), Gustavo Oliveira, afirma que a aprovação da PEC do Teto dos Gastos Públicos, que já está na  Assembleia aguardando a tramitação, é essencial para que os salários dos servidores não sofram atrasos. A matéria deve ser  aprovada até 30 de novembro deste ano para garantir a inclusão de Mato Grosso no Regime de Recuperação Fiscal do governo federal, que garantirá alívio de até R$ 1,3 bilhão nas contas do Estado.

“Precisamos do ajuste fiscal.  A PEC do Teto dos Gastos Públicos  é essencial para que a gente possa manter as finanças publicas sob controle", disse Gustavo na apresentação da PEC à imprensa, nesta terça (12), no Palácio Paiaguás.

A PEC prevê basicamente a limitação da expansão do gasto com pessoal e custeio (despesas primárias correntes) do Estado além da capacidade financeira. Os limites dessas despesas primárias são equivalentes ao orçamento do ano anterior, corrigidos pela inflação.

Hoje o Executivo compromete em 49% a Receita Corrente Líquida (RCL) com despesas com pessoal. O valor foi ajustado pelo TCE para 45% após efeitos da resolução que retirou a Defensoria Pública dos gastos do governo estadual. Com aprovação da PEC, a estimativa é que o percentual reduza para 44% em 2023.

O número é considerado o limite de alerta de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Nessa situação o Estado fica impedido de aumentar gastos com pessoal e criar novos contingentes. “Não entendo como chegou a 49% em determinado momento”, critica o secretário estadual de Planejamento (Seplan), Guilherme Müller.

Em decorrência da crise econômica,  o Estado mudou a data de pagamento do último dia de cada mês trabalhado para todo dia 10 do mês seguinte. Com a retomada da economia, Guilherme Müller prevê que entre 2018 e 2019, quando a economia deve começar a retomar o crescimento, possa voltar a pagar os  vencimentos no fim do mês trabalhado.

Mais cauteloso, o secretário de Fazenda diz que a prioridade, em caso de aumento de recurso, é quitar com os restos a pagar. Gradualmente, segundo Gustavo, o Executivo poderá passar os vencimentos para o dia 05 e, depois, para o último dia do mês. “Hoje essencialmente precisamos do recurso que em geral está disponível no dia 08  para ser pago no dia 10. Hoje não é possível (pagar dia 30)”, sustenta.

Gustavo pontua ainda que no projeto feito pela equipe econômica do governo – composta pelas pastas de Gestão, Fazenda e Planejamento –  a partir de 2019,  o Estado fecharia o ano sem restos a pagar,caso a PEC seja aprovada. Só para se ter uma ideia, os restos a pagar deste ano e do ano que vem são de R$ 2 bilhões cada um.

Precisamos do ajuste fiscal. A PEC do Teto dos Gastos Públicos é essencial para que a gente possa manter as finanças publicas sob controle, diz Gustavo

A perspectiva é que a partir de 2020, quando o Estado não tiver mais restos a pagar, é que permitirá realizar políticas públicas. “Se não for aprovada a PEC, os restos a pagar vão  ficar permanentemente e o Estado irá paralisar. É uma história de irresponsabilidade fiscal que ocorreu no Estado”, disse Muller.

Demissão Voluntária

De acordo com o secretário de Planejamento, o Programa de Devolução Voluntária (PDV) depende de recurso financeiro que hoje o Estado não tem condições de bancar. Entretanto, há negociação com Banco Mundial que poderá assumir a dívida dolarizada, feita na gestão passada, que podem no futuro apoiar programa de demissão voluntária. “Mal está dando para pagar o gasto corrente que existe no Estado”, sustenta.

Assembleia

Com esvaziamento das sessões na Assembleia em razão da delação do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), que atinge deputados da atual Legislatura, o secretário da Sefaz explica que há preocupação acerca da aprovação da matéria, mas que o presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (PSB), garantiu que após a turbulência,  os trabalhos vão continuar normalmente.

Sem entrar no mérito das delações, Gustavo pontua que os parlamentares terão seus direitos preservados perante à Justiça, mas que é preciso entregar resultados para a população. “Diria a vocês que nesse momento só o bom trabalho pode dar resposta para sociedade, que está cansada da classe política, percebemos esse sentimento nas ruas. A classe política precisa fazer escolhas, entregar resultado, e que eu acredito ser o compromisso desta Legislatura, ajustar o Estado é resposta que eles querem dar para sociedade”, concluiu. 

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • Ex- eleitor de Taques | Terça-Feira, 12 de Setembro de 2017, 19h16
    7
    0

    Senhor secretário o estado de Mato Grosso esta quebrado não é por causa dos servidores coisa nenhuma e sim por causa destes mesmos deputados que estão esvaziando as sessões porque foram parceiros do Silval e o Governo atual é aliado destes mesmos deputados e ai querem falar em reforma disto ou daquilo...Este legislatura e nem este Governo tem mais condições de falar em sacrifício dos servidores e do povo; qualquer reforma é só em 2019 com novos deputados e novo Governador... Fora Taques e seus deputados mensaleiros...

  • Pardal | Terça-Feira, 12 de Setembro de 2017, 18h34
    5
    0

    Não entendo, como pode congelar por 2 ou mais anos, se o Taques só tem mais um ano de governo MT? Essa é tarefa do próximo governador de Mato Grosso! Se atrasar salários vai chover de ação de improbidade administrativa.

  • Goethe | Terça-Feira, 12 de Setembro de 2017, 17h39
    5
    0

    Nesta foto esta o que há de mais retrógrado no Estado. Não há como evoluir com a FAMILIOCRACIA comandando Mato Grosso .

  • jose | Terça-Feira, 12 de Setembro de 2017, 17h20
    1
    6

    Se aprovada a pec dos gastos e abrir o PDV é a hora dos insatisfeito pedirem para sair quero ver quem vai ser os corajosos.

  • Carlos Nunes | Terça-Feira, 12 de Setembro de 2017, 17h05
    7
    0

    Não entendo bulhufas disso...esse Governo já tá na reta final, só tem esse final de ano, e o próximo que é ano eleitoral. Quer fazer Teto de Gastos pra mais de uma década? Quem tem que preocupar com isso é o NOVO GOVERNADOR, eleito em 2018...que, se necessário, junto com uma Assembleia Legislativa RENOVADA, pode ver a conveniência ou não de propor teto de gastos pro seu Governo - 2019-2022. Mesma coisa o Temer, na reta final, quer fazer Teto de Gastos pra 20 ou 30 anos. Não tá dando conta nem de 2018 e 2019 que é sua responsabilidade. Querem que apareça dinheiro em 2018, ano de eleição, pra mostrar que tem muito dinheiro...às custas de quem? Só pra ganhar eleição?

  • Luis | Terça-Feira, 12 de Setembro de 2017, 15h28
    9
    0

    "Mais cauteloso, o secretário de Fazenda diz que a prioridade, em caso de aumento de recurso, é quitar com os restos a pagar. Gradualmente, segundo Gustavo, o Executivo poderá passar os vencimentos para o dia 05 e, depois, para o último dia do mês." Esse secretário não sabe o que fala, uma hora diz que a prioridade do governo é honrar com os servidores, agora já fala que a prioridade é com os fornecedores (resto a pagar). Conforme a música ela dança.....kkkkkkkkkkkkkkkkk

  • joao | Terça-Feira, 12 de Setembro de 2017, 15h17
    8
    0

    Eu não entendo como os deputados vão votar tirando direitos dos servidores, sendo que eles são corruptos e vão presos a qualquer momento.

  • Nilza | Terça-Feira, 12 de Setembro de 2017, 14h24
    3
    0

    A REALIDADE É UMA SÓ SENHORES SECRETÁRIOS A ROUBALHEIRA FOI MONSTRUOSA QUE NÃO SEI A LEGITIMIDADE PARA VOTAR ESSA PEC, MAIS MATO-GROSSO É UM ESTADO PUJANTE TEM DE REALIZAR A CONTENÇÃO DOS GASTOS PÚBLICOS PARA FAZEREM OS AJUSTES NECESSÁRIOS PARA RESOLVER O FLUXO DE CAIXA, MAIS NÃO VENHA PREJUDICAR OS APOSENTADOS E SERVIDORES DO EXECUTIVO COM CONGELAMENTOS DE SALÁRIOS E AUMENTO DA PREVIDÊNCIA EM 14% POR CAUSA DOS ROMBOS DOS GOVERNOS CORRUPTOS E AINDA MAIS AS LEIS DE CARREIRAS E A RGA NÃO TEM NADA A VER COM ATUAL CRISE NAS CONTAS DO ESTADO E SIM OS ESCÂNDALOS COMO DOS MAQUINÁRIOS DA COPA DO MUNDO E A MAIS RECENTE A DA SEDUC E TANTOS OUTROS ESCÂNDALOS.

Matéria(s) relacionada(s):

Adin para garantir 15% aos fazendários

rogerio gallo curtinha   Com a folha de pessoal "estourada", superando o limite prudencial da lei fiscal, o governo do Estado deveria agradecer ao TCE que, sob medida cautelar, suspendeu o reajuste de 15% concedido pelo Executivo aos agentes fazendários ao longo dos próximos dois anos, além de verba indenizatória...

Plano de se afastar para ser candidato

jayme campos curtinhas   Jayme Campos, hoje principal referência do DEM no Estado, revelou neste domingo que está decidido a se desincompatibilizar do cargo de secretário de Assuntos Estratégicos de Várzea Grande para "costurar" candidatura majoritária, seja ao Senado, seja para governador. A saída do...

Governo Taques avança na Segurança

gustavo garcia curtinha   A área de Segurança Pública, hoje sob Gustavo Garcia Francisco (foto), foi apontada pelo governador Taques como prioritária desde o início da gestão. Nos dois primeiros anos (2015 e 2016), aumentou o contingente policial, armamentos, serviços de inteligência e...

Empenho e solidariedade às famílias

pedro taques curtinha   O governador Taques acompanhou pessoalmente a operação policial na madrugada deste sábado, que resultou no "estouro" do cativeiro, na prisão dos assaltantes e na liberdade da empresária Milene Falcão Eubank, mantida refém por 13 horas. O secretário de Segurança,...

Estado perde seu único time na Série B

helmute fmf   Após quatro anos consecutivos na Série B, algo inédito na história de um time mato-grossense que não tinha representante desde 1994, o Luverdense foi rebaixado à Terceira Divisão. Precisava vencer para ter chance de seguir na Segundona, mas empatou nesta sexta, em 0 a 0, com o Guarani....

Taques ignora pressão e elogia Soares

luiz soares curtinha   Coube ao ex-prefeito cuiabano e apresentador do programa Resumo do Dia, Roberto França, tornar público o posicionamento do governador Taques quanto ao movimento de várias lideranças, especialmente de deputados, pela queda de Luis Soares da pasta da Saúde. No quadro "Bomba do Dia", apresentado...

Sintap defende servidores do Intermat

candido teles curtinha   O Sintap não defendeu Cândido Teles (DEM), presidente "inoperante" do Intermat que passou a usar a estrutura do órgão com pretensões eleitorais - é pré-candidato a deputado estadual, mas garante que, quanto aos servidores, estes são dedicados ao trabalho. Em nota, nega...

Pré-candidatura já ganha repercussão

mauro mendes artigo   A notícia revelada pelo Blog do Romilson de que Mauro Mendes, que deve se filiar ao DEM ou ao PR, está determinado a disputar o governo estadual e, sem alarde, começa a se distanciar de Taques, ganhou muita repercussão nos meios político e empresarial e no Palácio Paiaguás. Deu...

Dificultando planos políticos de Taques

nilson leit�o curtinhas   Pedro Taques está na bronca com o deputado federal Nilson Leitão (foto) por entender que este busca atrapalhar seus planos políticos majoritários. É desejo do governador disputar a reeleição com dois aliados fortes no palanque como candidatos ao Senado,...