Cuiabá, 27 de Fevereiro de 2017

Executivo

A | A

Terça-Feira, 10 de Janeiro de 2017, 11h:19 | Atualizado: 10/01/2017, 13h:11

Prefeito acredita que Câmara ouviu apelos sociais e recuou do aumento

Gilberto Leite

Emanuel Pinheiro

 Prefeito Emanuel Pinheiro avalia que vereadores atenderam anseios populares

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (PMDB) acredita que o descontentamento da população acerca do aumento dos salários dos vereadores fez com que os parlamentares recuassem da decisão. “Alertados pela sociedade, os vereadores tiveram sensibilidade. Demonstraram que estão sintonizados com as ruas e entenderam que não era o momento adequado”, avalia o peemedebista.

A Mesa Diretora da Câmara solicitou a Emanuel a devolução do Projeto de Lei que reajusta o salário dos vereadores. O propósito da iniciativa é fazer com que esse assunto seja debatido apenas em 2020 com vistas a vigorar a medida para a próxima legislatura (2021/2024). O salário subiria de R$ 15 mil para R$ 18,9 mil.

O chefe do Executivo, que havia afirmado que vetaria o projeto por entender que o momento não é adequado, garante que não se reuniu com os parlamentares antes de recuarem do aumento para tratar do assunto. “Recebi ofício e fiz o protocolo, o que me deixou muito feliz e satisfeito com decisão madura, correta e muito sensível da Câmara. Já foi devolvido (o projeto)”, salienta.

Para o prefeito, a situação econômica do país, prevê que os Poderes “apertem os cintos” e mantenham cautela. “Com contenção de despesas não se pode falar em aumento de salário principalmente dos agentes políticos. Deixaram de lançar mão de uma medida constitucional, medida que sempre é feita de quatro em quatro anos”, pontua. 

Conforme o segundo vice-presidente da Câmara, vereador Diego Guimarães (PP), o aumento é permitido somente 90 dias antes do pleito eleitoral, conforme o Artigo 107 do Regimento Interno da Câmara. Medida defendida pelo Ministério Público Estadual, que chegou a notificar o prefeito acerca da ilegalidade.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):