Cuiabá, 24 de Outubro de 2014

Judiciário

A | A

Quinta-Feira, 30 de Setembro de 2010, 09h:32 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:27

Defensoria Pública

Djalma tenta ficar no cargo por 2 anos e Valdenir entra na briga

Valdenir Luiz Pereira   Após dois mandatos marcados por polêmicas, a Defensoria Pública do Estado elege sua nova equipe em novembro. As incrições aconteceram no início desta semana e contará com cinco nomes na disputa para o cargo de defensor-geral, quatro para a Corregedoria e outros 16 tentando uma das seis vagas do Conselho Superior.

   O atual defensor-geral, Djalma Sabo Mendes, tentará a reeleição. Segundo mais votado nas eleições passadas, ele teve seu nome escolhido na lista tríplice encaminhada ao ex-governador Blairo Maggi (PR). Também tentam se emplacar no cargo o corregedor-geral, André Luiz Prieto, Edson Jair Weschter, José Carlos Evangelista Miranda Santos e o irmão do deputado federal Valtenir Pereira (PSB), Valdenir Luiz Pereira.

   Cotada como uma das principais adversárias de Djalma, Helyodora Carolyne Almeida Rotini, a Karol Rotini, que esteve à frente do órgão até 2008 e foi a mais votada na última disputa, mesmo com um mandato marcado por alguns confrontos e denúncias, concorrerá à Corregedoria-Geral. Além dela, lutam pela vaga os defensores Clodoaldo Aparecido Gonçalves de Queiroz, Márcio Frederico de Oliveira Dorilêo e Weschter, que tenta os dois cargos. Com a adversária fora da disputa, o principal embate deve ser protagonizado entre Djalma e Prieto.

   Assim como Karol, o atual defensor-geral também enfrentou críticas sobre sua gestão. A principal acusação seria sobre um suposto acordo que favoreceria “novatos” numa manobra para “furar” a fila de antiguidade e merecimento para a promoção para as comarcas de Cuiabá e Várzea Grande. A seu favor, ele tem como destaque a interiorização da Justiça gratuita. Há dois anos, quando recebeu mais de 100 votos para se manter no cargo, pesava sobre Karol o relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE), apontando gastos excessivos da ex-defensora-geral.

   Para completar a equipe que comandará a Defensoria, também serão escolhidos seis conselheiros, entre os defensores Air Praeiro Alves, Ana Cristina Pereira de Souza Vidal, André Renato Robelo Rossignolo, Carlos Eduardo Roika Junior, Danielle Cristina Preza Daltro Dorilêo, Danielle Pereira Vilas Boas Biancardini, Francisco Framarion Pinheiro Júnior, Gisele Chimatti Berna, João Paulo Carvalho Dias, Maria Luziane Ribeiro, Marcelo Rodrigues Leirião, Marcos Rondon Silva, Rodrigo Bassi Saldanha, Sílvio Jeferson de Santana, Tânia Regina de Matos e Valdenir Luiz Pereira.

   Dividida em duas fases, a eleição tem início com o voto dos defensores que atuam no interior do Estado. Eles preenchem as cédulas de votação e depositam nas urnas que são lacradas e remetidas à Capital, onde ficam sob a responsabilidade da Comissão Eleitoral. Posteriormente, aqueles que atuam em Cuiabá e Várzea Grande votam na sede da Defesnoria-Geral e, em seguida, é feita a apuração. Os nomes dos três mais votados integram a lista tríplice encaminhada para o governador Silval Barbosa (PMDB), que tem a responsabilidade de escolher, entre eles, o novo defensor-geral de Mato Grosso.

   Ao todo, são 141 defensores atuando no Estado. Cada um pode escolher três, entre os cinco nomes que concorrem ao cargo para votar. No caso da escolha da Corregedoria-Geral, a lista tríplice que indicará o novo corregedor é elaborada pelo Conselho Superior e caberá justamente ao próximo defensor-geral, nomear um deles. Já os conselheiros são eleitos por voto direto, sendo empossados os seis melhores colocados.

Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • Rui Flores | Quinta-Feira, 30 de Setembro de 2010, 20h42
    0
    0

    Votei na Karol na última eleição, e fiquei desapontado ao saber que o Djalma tinha sido escolhido, pois o critério mais votado não foi observado. No entanto, desta vez vou votar no Djalma, que fez uma administração honesta e transparente. Não ia com a cara dele, mas primeiras impressões à parte, o importante é a Defensoria. E com ele acredito que é o melhor caminho. Pietro?? Nesse caso não é só "antipatia" de minha parte, são comprovadas baixarias. E Valdenir quem???

  • Roberto Lyra | Quinta-Feira, 30 de Setembro de 2010, 20h32
    0
    0

    A Defensoria terá que comer muito feijão para chegar ao dedidinho dos pés do Ministério Público.

  • joao lemos | Quinta-Feira, 30 de Setembro de 2010, 14h09
    0
    0

    Ali nao salva um, aguardem...é sujo falando do mal lavado.

  • karol | Quinta-Feira, 30 de Setembro de 2010, 12h25
    0
    0

    sacanagem! olha só a cadeira que sentaram o irmão do dep. valtenir... ta mais pra filme época da inquisição!!! puro ferro!!! sai dessa garotão...

  • Jose dos santos | Quinta-Feira, 30 de Setembro de 2010, 11h31
    0
    0

    Valdenir nome de peso??? Ele tem massa corporea grande????

  • jose dos santos | Quinta-Feira, 30 de Setembro de 2010, 11h29
    0
    0

    Esse Valdenir entrou agora e já quer ser candidato, será que tem a mesma ""humildade e capacidade" do irmao? Acorda vc nao tem representatividade nenhuma, aliais vc nao chega a incomodar ninguem, somente quer se aparecer e negociar qualquer beneficio pessoal. Quanto ao André e Djalma a Defensoria nao precisa de mais uma briga. Deixem suas vaidades pessoais de lado e lutem pela Instituiçao. Djalma consegue uma rejeicao unanime, André transmite a todos medo das perseguicoes, das atitudes. Karol, sua vez passou e vc atirou no seu pé e do seu grupo. Assim, restam poucas oportunidades, pois os outros 2 candidatos, ninguem no meio politico desse Estado sabem que existem. Porque nao o Clodoaldo, Fabio?? Chega de baxaria.

  • Renato | Quinta-Feira, 30 de Setembro de 2010, 09h41
    0
    0

    Djalma é homem de bem, honesto e trabalhador. Trabalho comprovado a frente da Defensoria Geral e certamente merece a oportunidade da reeleição.