Judiciário

Quinta-Feira, 20 de Abril de 2017, 10h:25 | Atualizado: 20/04/2017, 10h:31

Mischur firma TAC e garante devolver R$ 500 mil para se esquivar de ação

O empresário Willians Mischur, proprietário da Consignum, firmou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público Estadual, no qual se compromete a entregar R$ 500 mil e, em troca, não será processado nas eventuais ações por improbidade administrativa oriundas da Operação Sodoma. Trecho do documento foi divulgado pelo site MidiaNews.

Facebook

 Willians Paulo Mischur Consignum

Possivelmente no exterior, Willians Mischur posa para foto

Mischur foi preso em 11 de março de 2016, data em que foi deflagrada a Operação Sodoma 2. Na ocasião, agentes da Delegacia Fazendária encontraram aproximadamente R$ 1 milhão na residência do empresário.

Ele foi alvo de três mandados de buscas, cumpridos na empresa Consignum e em duas residências, uma localizada em um edifício no bairro Santa Rosa, e outro em uma casa no condomínio Náutico Portal das Águas, no Manso.

Essa fase da operação investiga um suposto esquema de lavagem de dinheiro, envolvendo a emissão de cheques por empresas que detinham contratos com o governo, à época em que César Zílio estava à frente da secretaria de Administração. Os valores foram aportados como parte do pagamento dos R$ 13 milhões relativos à aquisição de terreno na avenida Beira Rio, na Capital.

Segundo a decisão da juíza da 7ª Vara Criminal Selma Arruda que autorizou a deflagração da operação, 43 cheques suspeitos são alvos de investigação. Juntos, eles somam R$ 1,9 milhão. Agora, os agentes policiais tentam descobrir por que os cheques eram emitidos e repassados a Zílio. A suspeita é de que se tratava do pagamento de propina, pois a expedição dos pagamentos ocorria sempre em datas que alguma movimentação - empenho, aditivo e contrato - era publicada no Diário Oficial do Estado.

Mais de 80% dos cheques, equivalente a 35, foram expedidos por Mischur. Somados, eles chegam a R$ 1,2 milhão, tendo sido emitidos entre 10 de outubro de 2012 e 16 de agosto de 2013. A empresa detinha contrato com o governo desde 2008, sendo que, após o vencimento, houve um aditivo de 24 meses em março de 2011. Ou seja, período em que os cheques foram assinados por Mischur, que era apontado como pessoa ativa no esquema, posteriormente passou a ser considerado vítima.

Em depoimento, ele revelou que Zílio e seu sucessor na pasta, Pedro Elias, estavam em guerra pelo recebimento da propina mensal que pagava, no valor de R$ 500 mil. De acordo com o empresário, quando Zílio deixou a SAD para assumir a presidência da MT-PAR, continuou recebendo a propina. Entretanto, Pedro Elias começou a pressioná-lo para que o pagamento dos R$ 500 mil mensais fosse direcionado a ele.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • sidnei | Sexta-Feira, 21 de Abril de 2017, 09h26
    0
    0

    sidnei, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • eduardo | Quinta-Feira, 20 de Abril de 2017, 18h30
    4
    0

    E o "criminoso" devolve o que "roubou" e fica livre de "processo"!É o "descaminho da Justiça"!.....Codigo penal;na verdae tbem não serve pra nada...também,com certos magistrados corruptos! "Toca fogo no CODIGO PENAL"!!

  • zeneide | Quinta-Feira, 20 de Abril de 2017, 16h24
    5
    0

    ORDINARIO AO EXTREMO COMO OS QUE PACTUAM COM ESSES EMPRESARIOS CORRUPTOS .. NOSSO PROPRIO ESTADO E JUSTIÇA.. VEERGONHA

Matéria(s) relacionada(s):

Leitão ainda é incógnita ao Senado

nilson leitao curtinha   Nilson Leitão (PSDB) não está convicto de que será candidato ao Senado. Vai manter o projeto até o final de maio. E, caso não se viabilize, mesmo tendo duas vagas em jogo, buscará o terceiro mandato como federal. Assim como para o Senado, Leitão enfrentará...

Candidatos para todos os gostos

O cenário que se desenha, com os principais nomes a governador, é que o eleitor terá candidatos para todos os gostos. Os nomes colocados, até agora, já foram testados no Executivo e/ou Legislativo. Os mais notáveis são Taques (PSDB), Wellington (PR), Rossato (PSL) e Pivetta (PDT), que tende a substituir Mauro (DEM). O primeiro foi senador e, agora, apresenta os resultados de seu primeiro mandato como chefe do Executivo estadual. Pivetta foi...

Binotti critica "jogo de cena" de Jiloir

binotti curtinha lucas   Assim como fez com os demais que comandaram a prefeitura, o presidente da Câmara de Lucas do Rio Verde, vereador Jiloir Pelicioli (PDT), passou a criticar de forma dura o prefeito Luiz Binotti (foto), do PSD. Em sessão nesta semana, disparou de novo a metralhadora giratória, afirmando que Binotti...

Aliados de Suelme entregam cargos

corgesio albuquerque curtinha   Mais uma confusão no Palácio Paiaguás em meio a conspirações e brigas por cargos e espaço político. O governador decidiu tirar do 1º escalão a recém-nomeada Vanessa Queirós da pasta de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários para...

Alguns ex-aliados fora do manifesto

fabio garcia curtinha   Nem todos da lista de fortes aliados da gestão Taques e que, gradativamente, foram se distanciando do Palácio Paiaguás assinaram o manifesto contra o projeto de reeleição do governador do PSDB. Eis dois exemplos: os deputados federais Fábio Garcia (foto), do DEM, e Adilton Sachetti...

Ex-aliados em dura reação a Taques

carlos favaro curtinhas   Nunca na história deste país se juntaram tantas lideranças que eram aliadas e que agora estão contra o projeto de reeleição do governador Taques. Nada menos que 31 assinaram manifesto, expondo as razões de terem pulado do barco, entre eles 4 ex-prefeitos, como Mauro Mendes...

Blairo "lava as mãos" sobre o PP-MT

ezequiel fonseca curtinha   O senador licenciado e ministro Blairo Maggi (Agricultura) "lavou as mãos" em relação ao PP-MT, hoje tocado no Estado pelo deputado federal Ezequiel Fonseca (foto). Em algumas reuniões internas, o ex-governador defendeu que o partido abrisse as portas para novos filiados, independente destes...

Suplente se articula para cassar Diego

demilson nogueira vereador curtinha   O suplente de vereador Demilson Nogueira (foto), dirigente do PP de Cuiabá, está se articulando nos bastidores para derrubar o titular da cadeira Diego Guimarães, do mesmo partido. Ele juntou documentos, fotografias, discursos e registro de solenidade para tentar cassar o mandato de Diego....

Governo veta Maldonado à Unemat

adriano silva caceres curtinha   O suplente de deputado Adriano Silva (DEM), ex-reitor da Unemat, com sede em Cáceres, está revoltado com governador Taques. Enquanto atuava como deputado, substituindo o dono da cadeira Botelho, Adriano apresentou neste ano um projeto, aprovado em duas sessões, "rebatizando" a Unemat como...