Cuiabá, 21 de Dezembro de 2014

Legislativo

A | A

Segunda-Feira, 31 de Janeiro de 2011, 19h:45 | Atualizado: 01/02/2011, 07h:41

Articulação

Democrata pode assumir cargo na Mesa; PT cobra mais espaço

    O senador Jayme Campos (DEM) poderá ser eleito para a Mesa Diretora do Senado Federal nesta terça, 1º de fevereiro , quando tomam posse os 54 novos senadores e será escolhida a nova direção da Casa. O parlamentar mato-grossense está cotado para ocupar a segunda vice-presidência, mas seu nome também é lembrado para a terceira ou quarta secretaria. De certo mesmo é que ele é o indicado do Democratas para preencher a vaga, que deverá ser reservada ao partido na composição.

    Jayme já foi um dos secretários do Senado entre 2007 e 2008. Neste domingo (30) o senador Agripino Maia (DEM-PI) reforçou o nome dele perante os articuladores da nova Mesa Diretora. Maia conversou com o senador José Sarney (PMDB-AP), que, por sua vez, garantiu que o DEM terá uma vaga. Confirmado, o espaço será ocupado pelo ex-governador de Mato Grosso e ex-prefeito de Várzea Grande.

    A segunda vice-presidência era ocupada até esta segunda-feira (31) pela senadora Serys Marly (PT). Ela, que não conseguiu aval do partido para tentar a reeleição, ficou na primeira suplência de deputado federal, mas não há indícios de que possa assumir uma vaga neste ano.

   Apesar de toda a costura política até o momento para assegurar a vaga do DEM na Mesa Diretora, um fato novo pode melar as pretensões do partido. É que o PT, legenda com maior número de cadeiras no Senado, acenou que quer mais que a primeira vice-presidência, espaço já reservado para a senadora Marta Suplicy (SP). “Se o PT exigir mais um cargo na Mesa. o DEM corre o risco de ficar de fora”, disse um dos articuladores com exclusividade ao RDNews.

   O problema é que o DEM teve uma perda vertiginosa de cadeiras no Senado. O partido, que elegeu 18 senadores em 2007, conseguiu garantir apenas cinco para a próxima legislatura. Eram seis, mas com o falecimento de Elizeu Rezende (MG), se viu mais reduzido ainda. Dessa forma, fragilizado como está numericamente, o ex-PFL pode ser preterido. Por outro lado, há uma tradição na divisão de espaços na Mesa Diretora, esperança que o partido acalenta.

   A presidência do Senado ficará mesmo com José Sarney. Sua eleição é praticamente certa. Até agora não se apresentou nenhum nome de peso para contrapô-lo. O que se dispôs é o pouco conhecido Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), que se apresentou como candidato na tarde desta segunda, em entrevista coletiva concedida em seu gabinete.

   Randolfe tem 38 anos e é o senador mais jovem do Brasil. Ele foi um dos líderes caras-pintadas, que exigiram o impeachment do ex-presidente Fernando Collor. Duas curiosidades: o novo senador vai atuar junto com Collor, que hoje é também senador; Randolfe é do mesmo Estado pelo qual Sarney foi eleito.

   Sarney tem a seu favor o fato de tradicionalmente o partido com maior número de cadeiras lançar o candidato a presidente. O PMDB, que tem 20 senadores, está fechado com seu nome. Já o PT, que tem 16 senadores, é a segunda maior bancada e, em tese, poderia escolher o segundo cargo mais importante: a primeira secretaria. Até agora o partido vinha declinando e se contentando com a primeira vice-presidência. Esta semana, no entanto, tem demonstrado que quer mais e pode requerer a primeira secretaria.

   Câmara

   Na Câmara dos Deputados, o comando deve mesmo ficar com o PT. O deputado Marco Maia (PT) é quase um consenso. Até semana passada era o único nome para dirigir a Casa. Até que surgiu o deputado Sandro Mabel (PR-GO), que não tem apoio nem de seu próprio partido. Maia deve ser eleito com pelo menos 400 dos 513 votos. Enquanto Mabel, além de perder a disputa, poderá ficar sem partido, já que está sendo ameaçado de expulsão caso insista na candidatura.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Jorge Mendonça Barros | Terça-Feira, 01 de Fevereiro de 2011, 08h22
    0
    0

    Jaime na mesa pra quê! Para acobertar os abusos do poder de Sarney nomeando namorado da neta, da sobrinha, etc., E aproveitando para fazer das suas, veja quem ele colocou lá se não são parentes e ex-empregados. Acorda povo.

  • Emílio | Segunda-Feira, 31 de Janeiro de 2011, 21h50
    0
    0

    Ele vai repetir Efraim Morais e envergonhar MT.

  • marcos | Segunda-Feira, 31 de Janeiro de 2011, 21h31
    0
    0

    ESSES CARAS DO DEMOCRATAS NÃO TEM PUDOR DE JEITO NENHUM... QUEREM O PODER DE QUALQUER JEITO...