Variedades

Terça-Feira, 12 de Julho de 2016, 17h:31 | Atualizado: 12/07/2016, 17h:36

MARIANA

Ação do MPF contra Samarco que cobra R$ 155 bi terá audiência em setembro


Da Agência Brasil

Reprodução

desastre mariana Minas gerais agua.jpg

 Rompimento de barragem deixou 19 mortos e é considerado o maior desatre ambiental do país

A 12ª Vara Federal de Minas Gerais marcou para o dia 13 de setembro a primeira audiência de conciliação no processo onde o Ministério Público Federal (MPF) estima em R$155 bilhões os prejuízos causados pelo rompimento da barragem do Fundão, no município de Mariana, em novembro do ano passado. A audiência deverá ter participação de representantes da Samarco, de suas acionistas Vale e BHP Billiton, da União e do governo de Minas Gerais.

Por decisão da juíza Rosilene de Souza Ferreira, o governo do Espírito Santo foi excluído do polo passivo, sob a alegação de que o estado não tinha nenhum poder de fiscalização sobre a barragem, localizada em território mineiro.

Também foram excluídos do polo passivo diversos órgãos federais e estaduais indicados como responsáveis pelos promotores federais, entre eles a Agência Nacional de Águas (ANA), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Estadual do Meio Ambiente (Iema-MG). Segundo a juíza, deve haver "um mínimo de nexo causal entre a atividade ou omissão estatal e o dano, não havendo justificativa para a inclusão desta vasta lista de pessoas jurídicas de direito público, o que causará apenas atraso e tumulto no deslinde do feito, que já conta com mais de 11 mil páginas".

A ação do MPF foi ajuizada após os procuradores federais e estaduais se recusarem a participar do acordo firmado entre a Samarco, suas acionistas Vale e BHP Billiton, o governo federal e os governos de Minas Gerais e do Espírito Santo. As estimativas em torno do acordo apontavam para um gasto de R$ 20 bilhões ao longo de aproximadamente 15 anos. Para os procuradores federais, tais valores são bem inferiores à demanda real.

O acordo de R$20 bilhões chegou a ser homologado em maio pelo Tribunal Regional Federal de Brasília, em sessão presidida pela desembargadora Maria do Carmo Cardoso. No entanto, no início deste mês, a desembargadora Diva Malerbi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), suspendeu a homologação por considerá-la um desrespeito a uma decisão anterior do tribunal que definiu a competência da 12ª Vara Federal de Minas Gerais para analisar processos referentes à tragédia de Mariana. Diva também sugeriu a realização de debates mais amplos com cidadãos atingidos, representantes da sociedade civil organizada e membros da comunidade científica.

Responsável pela defesa da União, a Advocacia-Geral da União (AGU) é favorável a uma nova homologação do acordo de R$ 20 bilhões. Em manifestação entregue à juíza Rosilene de Souza Ferreira, a AGU considerou que a medida é a melhor solução para recuperar a bacia do Rio Doce. “A solução negociada, por ser global e holística, considera todas as comunidades, todos os municípios, dá tratamento privilegiado à população afetada e em especial àquelas comunidades onde houve perdas humanas e materiais”, destaca um trecho do texto.

O rompimento da barragem do Fundão deixou 19 pessoas mortas e é considerado a maior tragédia ambiental do país. Houve destruição de vegetação nativa e poluição das águas da bacia do Rio Doce desde Mariana até a foz, quando o rio deságua no mar em Linhares, no litoral norte do Espírito Santo.

 

Novo dique

 

Uma das principais divergências entre a Samarco e os promotores estaduais e federais envolve a eficácia das medidas de contenção dos rejeitos da barragem de Fundão. Cinco meses após a tragédia, o Ministério Público de Minas Gerais ajuizou uma ação com base em relatórios que atestavam ainda haver vazamento de lama para a bacia do Rio Doce, fato que a mineradora negava.

No mês passado, os escoamentos também provocaram uma cobrança do Comitê Interfederativo criado para supervisionar o cumprimento do acordo, que agora está suspenso. Para contornar a situação e evitar novos vazamentos, a Samarco pretende construir mais um dique, o S4. A mineradora considera urgente o início da obra para que possa concluí-la antes do período chuvoso. O Ministério Público é contra a medida.

Na opinião dos promotores estaduais, as políticas de segurança adotadas pela mineradora são paliativas e apenas emergenciais. Essa posição foi apresentada à comissão de deputados estaduais que monitora as consequências do desastre. A construção de um novo dique também enfrenta resistência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), já que implicaria o alagamento de parte de um muro colonial, anexo a uma capela.

Na semana passada, o Ministério Público de Minas Gerais expediu também uma recomendação à Samarco para que submeta à aprovação dos órgãos ambientais estaduais competentes todas as medidas tomadas para controlar os danos à saúde e ao meio ambiente decorrentes do rompimento da barragem. O órgão também recomendou à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável que exerça poder de polícia ambiental e divulgue relatórios na internet semanalmente. Para os promotores responsáveis pela medida, a estratégia de controle de danos não pode ficar entregue à livre escolha ou definição da empresa que causou o desastre.

 

Projeto de Lei

 

Também na semana passada, representantes do Ministério Público estadual reuniram-se com o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Adalclever Lopes (PMDB). Durante o encontro, promotores entregaram a Lopes um projeto de lei de iniciativa popular cujo objetivo é garantir a efetiva segurança das barragens do estado que concentram rejeitos de mineração.

Construído a partir da campanha "Mar de lama nunca mais", o projeto obteve mais de 50 mil apoiadores, número bem superior ao necessário. Para dar início à tramitação no Legislativo mineiro, eram necessárias 10 mil assinaturas.

Entre as medidas sugeridas na proposta estão a proibição de implantação de novas barragens em áreas de risco para vidas humanas, a obrigatoriedade de auditorias técnicas de segurança e a priorização de ações voltadas para a prevenção e fiscalização.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Sem se intimidar com pressão de TV

pedro taques curtinhas   Uma emissora de TV passou a descer o porrete no Governo Taques. Por coincidência, tal linha editorial foi adotada depois que não conseguiu receber da atual gestão um passivo financeiro milionário de campanhas publicitárias veiculadas na época sob patrocínio do Governo Silval....

Deputado contesta o "amigo" Silval

romoaldo junior   Romoaldo Júnior (foto) parece não estar nem aí para as declarações do ex-governador Silval que, em delação, afirmou que o deputado foi um dos beneficiados em esquema de propina junto à empresa Canal Livre, responsável pela iluminação da Arena Pantanal....

Estado, frota oficial e veículos locados

coronel siqueira curtinha   Mesmo com uma boa frota de carros oficiais, o Estado gasta milhões com aluguel de veículos. A pasta de Justiça e Direitos Humanos, sob o coronel PM Airton de Siqueira (foto), por exemplo, fechou um contrato na última sexta (18) com vigência de dois anos com a Locavel Serviços, que...

Deputado quer trocar PSB pelo PSDB

adriano silva psb   O deputado estadual Adriano Silva (foto) não admite em público, mas confirma, em privado, que flerta com PSDB do governador Taques. Dá sinais de que pretende desembarcar do PSB, sob pretexto de que não concorda com a entrega do partido a Valtenir, e entrar no ninho tucano. Quer ficar próximo ao...

Risco de cassar quase 50% da Câmara

ball vereador curtinha pocone   Até o final deste mês, a Justiça Eleitoral de Poconé deve decidir sobre o pleito do MPE que pediu a cassação de 4 dos 11 vereadores e suplentes por causa de indícios de fraude nos registros de candidatura. Incluíram-se mulheres como candidatas "fantasmas". Elas...

Sem licença na Sema aos pequenos

No último dia 10, agindo sem alarde e com respaldo do vice-governador e secretário Carlos Fávaro (Sema), os deputados conseguiram modificar artigo de uma lei complementar, que estava em vigor desde 2015, e que ainda pode provar polêmica. Na prática, a secretaria estadual de Meio Ambiente agora não precisa mais exigir nem licença prévia, nem de instalação e muito menos de operação nos processos...

Magistrados debatem Maria da Penha

Jamilson Haddad-juiz   Os juízes mato-grossenses Jamilson Haddad (foto), Ana Cristina Mendes, Jeverson Quinteiro, Eduardo Calmom e a desembargadora Maria Erotides Maria Erotides Kneip Baranjak estiveram em Salvador, na última sexta (18), participando da Jornada Maria da Penha promovida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e...

Mendes descarta disputar o Governo

mauro mendes curtinhas   Numa conversa recente com Pedro Taques, Mauro Mendes (foto) avisou que continuará no grupo do líder tucano e que não será candidato a governador. No máximo, pode tentar uma das duas vagas de senador que serão abertas com vencimento dos mandatos de Medeiros e Blairo. Ex-prefeito de...

Prefeito enfrenta revolta de servidores

ze do patio curtinha   Zé do Pátio segue batendo-cabeça em Rondonópolis. Agora, enfrenta embate com profissionais da Educação. Em fevereiro, logo no segundo mês desse novo mandato, Pátio simplesmente reduziu o pagamento do auxílio transporte dos servidores da Educação que...