ARTIGOS

Segunda-Feira, 10 de Agosto de 2020, 14h:14 | Atualizado: 10/08/2020, 14h:24

Elizangela Vicuna

A importância dos povos indígenas

Elizangela Vicuna

O dia 9 de agosto foi comemorado o Dia Internacional dos Povos Indígenas e há dezessete anos eu conheci nove desses povos aqui no Brasil e a partir de então, toda a minha visão de humanidade se transformou (ainda bem!).

Era o ano 2003. Eu, recém formada, com a ilusão quase infantil  que conhecia  o mundo e dominava todos os saberes, tive a  salvadora oportunidade de trabalhar como farmacêutica do Distrito Sanitário Especial Indígena de Cuiabá,  unidade sanitária da Fundação Nacional de Saúde, que era  responsável por planejar e acompanhar a execução dos serviços de saúde de nove etnias do estado de Mato Grosso.  Nunca na minha graduação eu cheguei a imaginar que teria como primeira experiência profissional algo tão desafiadora.

Lembro-me como hoje a primeira vez que pisei em uma aldeia. Era noite. Fiz uma viagem cansativa até o interior do Estado com a equipe de saúde, que de forma volante atenderia a população daquele território sanitário. Tudo era muito novo para mim e para eles, que me olhavam curiosos devido à novidade de ambos os lados. E bastou amanhecer para eu aprender, ali, já nos primeiros dias que saúde é algo bem mais amplo e complexo do que eu havia aprendido nos livros.

Com os povos que trabalhei – sim, no plural, pois cada etnia é uma cultura única e possui forma particular de conceber a saúde e a doença - eu aprendi que saúde é mais que poder ter o acesso aos serviços de saúde ou ter acesso aos medicamentos. Foi com eles que eu aprendi que saúde não se vendia em caixas; que saúde era muito mais.

Convivendo com eles eu aprendi como a saúde está relacionada com a cultura do indivíduo, com o direito de cada um levar a vida da forma como você entende o que é a vida.   Que a Saúde tem a ver com acesso ao alimento, ao direito à terra, ao direito à educação, ao saneamento básico e ao direito à existência e suas particularidades. E nada disso eu aprendi na faculdade. Nada. O que aprendi, representava muito pouco perto do que eu precisava saber para de fato construir uma assistência à saúde realmente efetiva.

 E foi por esse caminho, o da constatação da total falência do modelo biomédico de atenção à saúde, que eu precisei buscar um campo que concebesse a saúde dentro de toda complexidade que ela compreende e foi aí que eu conheci o Sistema Único de Saúde e dele, acredito eu, que jamais saí.

Mesmo não trabalhando atualmente com saúde indígena, tenho acompanhado com muita preocupação os impactos e desafios do enfrentamento da pandemia

Elizangela Vincuna

Buscando me instrumentalizar para essa realidade tão complexa, fiz especialização em Políticas Públicas e meu mestrado. Foi estudando o Sistema Único de Saúde que consegui ferramentas para ajudar a implantar a Assistência Farmacêutica dentro do contexto da Saúde indígena, mesmo como todos os desafios que isso implica.

 No meu mestrado me propus a estudar a inserção dos indígenas no fluxo de atenção à saúde nos âmbitos municipais e foi aí, na minha pesquisa, que fiquei face a face com o preconceito e a desigualdade social e constatei o quanto eles podem prejudicar o acesso aos serviços de saúde. Fiz uma pesquisa qualitativa, conversei com gestores municipais, com profissionais de saúde, com os indígenas para tentar levantar onde e como eles eram atendidos quando necessitados dos serviços de saúde fora das suas aldeias e vi que o mundo não é nada justo para algumas parcelas da população. Ouvi e presenciei falas de tentativas frustradas de acesso aos serviços de saúde, seja por preconceito, seja por um sistema de saúde que é pouquíssimo preparado para acolher a diferença. Foi aí que aprendi que um profissional de saúde, para assim ser verdadeiramente denominado, não pode assistir o cenário de saúde de dentro da sua unidade de saúde e sim precisa ser um ator social que ajuda a transformar esse cenário de inequidade.

 Mesmo não trabalhando atualmente com saúde indígena, tenho acompanhado com muita preocupação os impactos e desafios do enfrentamento da pandemia causada pelo novo coronavírus dentro desse contexto, seja pelo perfil dos agravos que acometem atualmente a população, seja pelos aspectos culturais e até pela de dificuldade para se efetivar o acesso aos serviços de saúde nas cidades.

Trabalhar com saúde indígena é um desafio diário, e o crescimento profissional e pessoal, chegam na mesma proporção. Aos colegas farmacêuticos fica o convite: aproximem-se da organização da saúde indígena do seu município. Acredite: você terá muito a contribuir e receberá muito em troca.

Elizangela Vicuna é farmacêutica, especialista em Políticas Públicas, mestre em Saúde Coletiva, trabalhou como farmacêutica do Distrito Sanitário Especial Indígena de Cuiabá/Funasa e atualmente é vice presidente do CRF MT e professora de pós graduação na área de Fitoterapia Clínica

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Câmara chama secretária para vaga

chico 2000 curtinha   Após a destituição de Ralf Leite (MDB) da vaga de Chico 2000 (foto), licenciado, por força de decisão judicial, a Câmara de Cuiabá convocou a primeira suplente Luciana Zamproni (MDB) para assumir mandato temporário no Legislativo, menos de 30 dias. Ela atua como...

PTB perdeu uns, mas ganhou outros

emanuelzinho 400   Em Várzea Grande, enquanto alguns militantes do PTB, puxados pelo secretário jaymista Silvio Fidelis foram para os braços do candidato a prefeito Kalil Baracat (MDB), que tem Hazama (DEM) de vice, militantes de outras legendas decidiram abraçar a candidatura do petebista Emanuelzinho (foto). São...

PT de Cuiabá passivo; ROO, autêntico

kleber amorim 400 curtinha   O PT de Rondonópolis se organizou melhor, mobilizou a militância, se tornando mais autêntico do que o núcleo petista de Cuiabá. Para se ter ideia, o partido, numa posição de coragem e levando preocupação ao prefeito Zé do Pátio, que tinha...

DEM é "suprapartidário" em Cuiabá

wilson santos, 400 curtinha   Para uns, o DEM de Cuiabá se tornou "suprapartidário". Para outros, um partido de aluguel. Além de não ter cabeça de chapa para prefeito, o partido do governador Mauro e dos irmãos Júlio e Jayme Campos enfrenta uma situação inusitada de concorrentes...

Diretório do Podemos-VG dissolvido

mara podemos curtinha 400   A direção estadual do Podemos, sob o deputado José Medeiros, destituiu o diretório municipal de Várzea Grande e anulou o encaminhamento para apoio a Kalil Baracat a prefeito. Agora sob comando provisório da professora Wilcimara Carnelós, a Mara (foto), que está na...

Silvio provoca debandada no PTB-VG

silvio fidelis 400 curtinha   Silvio Fidélis (foto), afilhado político de Chico Galindo e que se tornou fiel escudeiro da prefeita várzea-grande Lucimar Campos, de cuja gestão é secretário de Educação, provocou debandada geral no PTB local. Inconformado com a decisão de Emanuelzinho de...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.