ARTIGOS

Segunda-Feira, 10 de Fevereiro de 2020, 11h:36 | Atualizado: 10/02/2020, 11h:40

Irajá Lacerda

A polêmica do projeto que permite a exploração em terras indígenas

Iraj� Lacerda

Recém-encaminhado ao Congresso Nacional, o projeto de lei n. 191/2020 que regulamenta a mineração, geração de energia elétrica, exploração de petróleo e gás natural em terras indígenas já tem sido motivo de grande polêmica.

A ideia concebida é positiva, já que tem o propósito de impulsionar o desenvolvimento do país, entretanto, existem várias questões que precisam ser debatidas e aspectos que devem ser mais bem explanados, como por exemplo, quais empresas poderão explorar essas áreas.

Apesar de estar prevista na Constituição Federal, a exploração mineral e hídrica nunca foi regulamentada. O artigo 176 da CF estabelece que a pesquisa e a extração de recursos minerais somente poderão ser efetuadas mediante autorização ou concessão da União, no interesse nacional, por brasileiros ou empresa constituída sob as leis brasileiras.

Já o artigo 231 prevê que as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios se destinam à sua posse permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos existentes. E que a exploração das riquezas minerais em terras indígenas pode ser realizada somente com autorização do Congresso, ouvidas as comunidades afetadas.

A proposta do governo prevê que os indígenas serão consultados antes da realização de empreendimentos em suas terras e poderão vetar o garimpo

A proposta do governo prevê que os indígenas serão consultados antes da realização de empreendimentos em suas terras e poderão vetar o garimpo, porém, em outras atividades, como exploração de petróleo ou produção de energia em hidrelétricas, os indígenas serão apenas consultados.

O projeto também reserva às comunidades indígenas o direito de receber, a título de participação nos resultados, pagamentos de 0,7% do valor da energia elétrica produzida, 0,5% a 1% da produção de petróleo ou gás natural e 50% da compensação financeira pela exploração de recursos minerais.

Caberá ao órgão ou entidade responsável pelo estudo prévio solicitar à Funai que faça a interlocução com as comunidades indígenas afetadas, a fim de que sejam respeitados usos, costumes e tradições dos povos envolvidos. Caso a interlocução não seja possível ou não haja autorização para o ingresso na terra indígena, um estudo técnico poderá ser elaborado com dados e elementos disponíveis.

Entre outras questões, o texto do projeto de lei também estabelece os critérios mínimos para a realização da oitiva das comunidades indígenas afetadas, o procedimento administrativo para fins de autorização do Congresso Nacional e a criação de conselhos curadores.

O projeto vem sendo duramente criticado porque uma grande parte das riquezas do Brasil está localizada em reservas indígenas ou parques estaduais. Essas expansões de reservas indígenas foram criadas como forma de cessar o desenvolvimento. E esse bloqueio ao desenvolvimento foi ocorrendo por meio de vias transversas, com criação de reservas indígenas e normas ambientais.

Aliado a isso, as grandes potências mundiais sempre fizeram lobby e conseguiram por meio desse trabalho de criação de leis e de formação de opinião pública que nós, brasileiros, fôssemos contrários a esse desenvolvimento. Ocorre que, o projeto de lei apresentado pelo Executivo pode ser considerado radical e ser inviabilizado. A intenção é louvável e deveria ser impulsionada por todos os cidadãos, pois fortalece a soberania nacional.

Irajá Lacerda é advogado e presidente da Comissão de Direito Agrário da OAB-Mato Grosso, presidiu a Câmara Setorial Temática de Regularização Fundiária da AL/MT e-mail: irajá.lacerda@ irajalacerdaadvogados.com.br

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

MDB diz apostar em Thiago em Roo

thiago silva 400 curtinha   Dirigentes do MDB contestam o registro em nota no Curtinhas, assegurando que a oposição está forte em Rondonópolis e que deve unificar os grupos políticos e derrotar o projeto de reeleição do prefeito Zé do Pátio. Pesquisas internas estão deixando...

Pátio, adversários fracos e reeleição

ze do patio 400 curtinha   O prefeito de Rondonópolis Zé do Pátio (foto), por mais populista, demagogo e com uma gestão avaliada pela maioria como desastrosa, caminha a passos largos para conquista de mais um mandato. Tende a vencer pela lógica do menos pior. Seus virtuais adversários são...

Pode recebe 2 já derrotados em BG

sandro saggin curtinha 400   O Podemos conseguiu juntar em Barra do Garças o grupo de dois já derrotados à prefeitura, Daltinho, que também foi deputado e em 2018 teve votação pífia na tentativa de reeleição, e Sandro Saggin (foto), um "eterno" candidato. Entregue ao ostracismo,...

Câmara de Barra devolve R$ 100 mil

joao rodrigues 400 presidente c�mara barra do gar�as   A Câmara Municipal de Barra do Garças devolveu à prefeitura R$ 100 mil para serem investidos em medidas de combate ao novo coronavírus. O presidente do Legislativo, vereador João Rodrigues de Souza, o doutor...

Auditor assume Secretaria de Controle

demilson nogueira 400   O auditor Newton Gomes Evangelista, servidor de carreira, é o novo secretário de Controle Interno da Assembleia. Ele já respondeu também pela Auditoria-Geral da Casa. Newton assumiu a Controladoria Interna no lugar do ex-prefeito de Ponte Branca, Demilson Nogueira (foto), que deixou o posto...

Cuiabá é a unica com tudo fechado

emanuel pinheiro curtinha   A pressão sobre o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) fica agora mais forte para flexibilizar logo o decreto restrito por causa do coronavírus. Ele é o único dos gestores das maiores cidades mato-grossenses que ainda mantém decisão de fechar praticamente tudo na Capital, com...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.