ARTIGOS

Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 08h:20 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:28

Artigo

Advogado da CDL faz críticas a Galindo pelo aumento do IPTU

IPTU e a verdade

   Todos nós estamos acompanhando, atentamente, o desenrolar desta desagradável surpresa, presente do atual prefeito de Cuiabá, a todos os contribuintes de IPTU do município. Desagradável surpresa porque realmente todos foram tomados de perplexidade ao se depararem com uma lei municipal aprovada pela Câmara e sancionada pelo senhor prefeito em tempo recorde, sem qualquer consulta ou debate com a sociedade para que fosse analisado antes o impacto deste brutal aumento, e sem levar em conta a capacidade contributiva dos munícipes.

   Ao ver questionado o inaceitável aumento da carga tributária, o ilustre prefeito responde dizendo que a sociedade é que deve definir “a Cuiabá que queremos”. Mas a nossa indagação é outra: Por que o senhor prefeito não discutiu antes com a sociedade, “a Cuiabá que queremos”? Por que, sub-repticiamente, sancionou uma lei com tanto impacto sobre a sociedade? Por que contratou, as ocultas, somente entidades com interesses imobiliários especulativos para elaborarem uma nova planta genérica? Por que tanta ineficiência na cobrança do IPTU? Por que ainda não foi implementada a cobrança de IPTU progressivo sobre imóveis que não estão cumprindo sua função social?

   Estas são algumas indagações que o senhor prefeito deve responder à sociedade. A história nos mostra que nenhuma medida imposta “garganta abaixo” teve aceitação da sociedade. Não há mais espaço para imposições. A sociedade quer e precisa participar e discutir os problemas de sua comunidade e juntos, poder público e sociedade, encontrarem as soluções.

   Ao contrário do que o senso comum acredita, o IPTU não é pago para manutenção das ruas, calçadas e outros serviços públicos ligados à propriedade de um imóvel. O imposto, qualquer imposto, é pago para gerar receita, isto é, arrecadar dinheiro para os cofres públicos. O fato gerador do IPTU é a propriedade, domínio útil ou posse do imóvel urbano e pelo “sinal de riqueza” que se emite por ter aquele imóvel. O dinheiro arrecadado pela cobrança de impostos pode ser usado livremente pelo poder público, para atendimento de suas finalidades, pois é um tributo “não vinculado” para atender demandas diversas, ou seja, não precisa ser aplicado em melhoramentos para os imóveis. Para isto temos outro tributo, que é a contribuição de melhoria.

   Os valores arrecadados pela cobrança de impostos, incluindo o IPTU, devem ser devolvidos à comunidade, na forma de benefícios e serviços públicos, inclusive com pagamento dos funcionários. Porém, é ai que mora o perigo. De nada adianta aumentar a arrecadação, se a gestão pública continua de má qualidade, gastando mal o que arrecada. Vide o caos que se encontra Cuiabá. Temos um exemplo recente, que ocorreu com a falta de coleta de lixo. De repente, através de mídia paga, a prefeitura passou a anunciar que tudo estava solucionado. Nada contra a mídia, pelo contrário, ela está no papel dela. Mas em pouco tempo se viu que nada estava resolvido. E quanto se gastou com esta publicidade? Mais do que com a contratação de veículos para solucionar o problema.

   Entendo que a planta genérica está defasada, e merece ter um pequeno reajuste. A base de cálculo do IPTU é o valor venal do imóvel sobre o qual o imposto incide. Este valor deve ser entendido como o valor de venda, em dinheiro à vista, ou como valor de liquidação forçada. É diferente de seu valor de mercado, onde o “quantum” é ditado pela negociação, permuta por outros bens, entre outros artifícios, enquanto aquele, isto é, o valor venal, é ditado pela necessidade de venda do imóvel em dinheiro à vista e em curto tempo, com liquidez imediata.

   Por isso, o valor venal de um imóvel pode chegar a menos de 50% de seu valor de mercado. Temos já um exemplo prático: os imóveis penhorados, que são levados à leilão público, podem ser arrematados por até 60% do seu valor de avaliação. Este é o verdadeiro valor venal, e não o valor especulativo, que só beneficia as construtoras e as imobiliárias.

   Deve-se levar em conta também, que na maioria dos casos, quem paga o IPTU é o inquilino ou o posseiro, que neste caso contraria a essência do fato gerador do imposto que é o “sinal de riqueza”. Por isso, entendo que a equipe formada por respeitadas entidades que elaborou a atualização da planta genérica, partiu de uma premissa errada, ou seja, entendeu que valor de mercado é o mesmo que valor venal, e por isso chegou a uma conclusão errônea, induzindo os ilustres vereadores e o prefeito à erro.

   A indignação da sociedade não significa incompreensão, como quer fazer crer o presidente do CRECI/MT, Ruy Pinheiro de Araújo. Talvez estivesse mais adequada a palavra incompreensão, se reconhecesse que valor de mercado, valor especulativo, é diferente de valor venal. Senhor prefeito, a comunidade quer discutir sim “que Cuiabá queremos”. Não aceita e não suporta mais aumento de carga tributária, e principalmente da forma como está sendo imposta. A sociedade acredita e espera o seu bom senso.

   Otacílio Peron é advogado da Federação das CDLs e da CDL de Cuiabá

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • silvia | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 13h17
    0
    0

    Quem compra um imovel em Cuiabá sabe o absurdo que está o ITBI.. foi superfaturado, o valor venal para compra e venda de um imovel esta muito acima do valor real...Comercio de imovel em Cuiabá esta totalmente parado... compra-se um imovel por R$ 300.000,00 tem que pagar o imposto sobre um valor de mais de R$ 500.000,00, os funcionários da Prefeitura falam que é culta dos vereadores que aprovaram assim..

  • bartez | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 12h22
    0
    0

    cuiabano tem que se ferrar mesmo o povinho malla

  • João Carlos | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 11h49
    0
    0

    Esse advogado não entende nada de gestão. Cuiabá está nesta vergonha por falta de atualização do valor dos imóveis e de muitos salafrarios que, mesmo com o valor baixo, não pagam seus impostos e, com certeza, são os primeiros a reclamar da falta de conservação da cidade (toda esburacada, com lixo pra todo lado, etc...). O prefeito deve é negativar o nome desses mau pagadores, como qualquer empresa faz com quem não paga seus compromissos...

  • CARLÃO | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 10h56
    0
    0

    ESSE GALINDO ESTÁ SE ACHANDO, ELE QUER AUMENTAR O IPTU, PASSAGEM DE ONIBUS PARA PAGAR A DÍVIDA DO PINÓQUIO. FIQUEI SABENDO QUE HOJE SEXTA FEIRA 19/11 O GALINDO FOI PRESO PORQUE NÃO CUMPRIU A LIMINAR É ISSO AÍ, OS PROBLEMAS DOS LIXOS CONTINUAM CAUSANDO COM ISSO OS PROBLEMAS DA DENGUE, AS RUAS DE ALGUNS BAIRROS QUE ELE DISSE QUE IRIA ASFALTAR E ATÉ AGORA NÃO CUMPRIU. CADEIA NELE.

  • JOSÉ LICUBRINO | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 09h22
    0
    0

    O cálculo do Prefeito é simples, historicamente o município consegue receber somente 50% do IPTU. Tem uma parcela da população que sempre paga. Com o aumento, mesmo com a inadiplência o Prefeito consegue um incremento da arrecadação, é como se todos pagassem. Melhor fazer uma campanha, "NÃO PAGUE O IPTU", vamos ver como é que fica.

  • Marcelo | Sexta-Feira, 19 de Novembro de 2010, 08h57
    0
    0

    Para que veio de Santa Catarina fugido por dar golpe em meia cidade, o Sr. Perón tá falando demais...e desde quando vossa senhoria liga para o que acontece em Cuiabá. Aliás, sabemos claramente que o valor venal em Cuiabá está muuuuito defasado, ou você vende seu AP pelo preço que está no carnê do IPTU?

Selo Amiga dos Animais pra empresas

misael galvao 400 curtinha   A Câmara de Cuiabá, sob Misael Galvão (foto), vai conceder o selo Amiga dos Animais para 20 empresas. Até o final do ano será realizada uma sessão solene para condecorar representantes dessas empresas. E também estão previstos a entrega da Ordem do Mérito...

Fecomércio vai à AL por menos ICMS

jose wenceslau 400 curtinha   O presidente da Fecomércio, José Wenceslau Souza Junior (foto), revelou nesta quarta, numa live ao RDTV, tv web do portal Rdnews, que vai procurar os deputados para reabrir o debate sobre a pesada carga tributária praticada em MT. Ele recorda que no final de 2019, o governo estadual alardeava que...

Gestores multados por irregularidades

arivaldo 400 curtinha   Dezenas de prefeitos e ex-gestores estão sendo multados por não enviar ao TCE prestação de contas periódica, informações e documentos obrigatórios, o que é considerado falha grave. Arivaldo Medeiros de Santana (foto), prefeito de São José do Povo,...

O "pai" da destruição de documentos

jose riva 400 curtinha   Na sua delação premiada, o ex-presidente da AL, José Riva (foto), acusa o presidente do TCE, Guilherme Maluf, de ter sumido com provas que incriminavam deputados quanto ao uso de suprimentos de fundos e verba indenizatória. Só que para o MPE, foi o próprio Riva quem organizou um...

DEM dividido e quase no colo de EP

emanuel pinheiro 400 curtinha   Num almoço na casa do prefeito Emanuel Pinheiro (foto), nesta quarta, lideranças da alta cúpula do DEM de Cuiabá e Várzea Grande discutiram possível apoio à reeleição do emedebista. Essa aproximação fere de morte o Palácio...

PT, ensaio e chapa branca em Tangará

welton tangar� 400 curtinha   O PT, que já teve os vice-prefeitos José Jaconias e Zé Pequeno, estuda nem disputar a eleição majoritária em Tangará da Serra. Chegou a ensaiar uma pré-candidatura, mas parou no meio do caminho. Internamente, o partido discute lançar o...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.