ARTIGOS

Quarta-Feira, 19 de Fevereiro de 2020, 13h:40 | Atualizado: 19/02/2020, 13h:49

Clóvis Cardoso

As mucamas, Guedes e a taxa de câmbio

Cl�vis Cardoso artigo

 

Em recente impropério, o ministro da Economia, Paulo Guedes, em defesa da alta taxa de câmbio, se referiu às empregadas domésticas brasileiras indo pra Disneylândia, de forma pejorativa como se a elas tal direito não coubesse.

Mais que isso, tal assunto foi tratado por grande parte da imprensa como uma maluquice, “escorregão”, falta de sensibilidade etc. Não se trata disso.

Paulo Guedes, o mais importante ministro da República, expressou o que no âmago desse governo se realmente pensa a respeito das empregadas domésticas.

A história da empregada doméstica no Brasil remonta à escravidão. A mucama tirada da senzala e colocada à disposição da casa grande para servir de todas as formas o senhor, a sinhá e seus filhos, até como ama de leite ou objeto sexual.

Proclamada a abolição da escravidão, os escravos pobres, sem eira nem beira, permaneceram nessa condição, como agregados ou serviçais em troca de comida e um teto, em condições subumanas.

O reconhecimento da empregada doméstica como sujeito de direito só ocorreu no Brasil, tardiamente, com o advento da Lei 5859 de 1972, pasmem... Só que seus direitos eram restritos. Mesmo com a Constituição de 1988, a condição do emprego doméstico não foi assegurada a gama de direitos concedidos aos trabalhadores em geral.

Necessário esse histórico para dizer que a sociedade brasileira evoluiu com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC-72/2013), de autoria do deputado Carlos Bezerra, do nosso MDB de Mato Grosso. A PEC garantiu à relação de trabalho doméstico todos os direitos trabalhistas concedidos às demais categorias de trabalhadores brasileiros.

Na época, quando a matéria era debatida na Câmara, e posteriormente no Senado, as vozes reacionárias levantaram-se para proclamar uma demissão em massa desses empregados domésticos, a não contratação dos demais etc. Nada disso aconteceu.

Em verdade, restauramos a dignidade das pessoas que exercem esse trabalho e apagamos da história do Brasil os resquícios do regime escravocrata que ainda imperava.

A esse discurso escravocrata do ministro, minha repulsa e meu nojo, por representar o espírito de um Governo que prega a submissão

Clóvis Cardoso

Aquelas vozes contrárias à “PEC das Domésticas” estão aí, vivas, como na fala do ministro Paulo Guedes quando contrapõe as altas taxas de juros ao direito das empregadas domésticas de irem aonde quiserem ir como à Disneylândia.

O espírito escravocrata de Paulo Guedes não tem mais o sinhô, a sinhá e a casa grande. Estes foram substituídos pelo arcaico sistema financeiro internacional e nacional que drenam os recursos nacionais produtivos para pagamento de dívida pública esterilizando nossa economia e transformando o Brasil numa imensa senzala.

As empregadas domésticas e qualquer brasileiro têm direito a passar suas férias onde bem quiserem, no turismo interno ou externo. Infelizmente, como falou o ministro, esse direito está sendo negado ao se manter uma taxa de câmbio nunca antes vista em nossa economia e que não serve à Pátria.

Às empregadas e empregados domésticos a minha solidariedade. Que seus direitos sejam reafirmados dia após dia e consolidados na lei e na sociedade.

A esse discurso escravocrata do ministro, minha repulsa e meu nojo, por representar o espírito de um Governo que prega a submissão do homem aos juros, acorrentando-o no tronco onde a chibata é o dólar!

Clóvis Cardoso é advogado em Cuiabá

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Senadora, ataques e defesa de Galvan

selma arruda 400 curtinha   Selma Arruda, senadora cassada por crimes eleitorais, um deles caixa 2, escreveu artigo entitulado "MP x Aprosoja. Afinal, quem tem razão", especialmente para defender o aliado político Antonio Galvan, presidente da Aprosoja. Ao concordar com plantio de soja dentro de período proibido pela...

Deputado, carona e ainda se gabando

paulo araujo 400 curtinha   Considerado de baixo clero na Assembleia, o deputado Paulo Araújo (foto) agiu de carona e num oportunismo condenável acerca do decreto do governador Mauro Mendes da última quinta, quando resolveu relaxar as medidas restritivas em meio à pandemia do coronavírus e liberou o funcionamento...

Políticos querem suspender eleição

Cresce o movimento entre políticos para adiar as eleições municipais de outubro. O argumento utilizado é o impacto que o coronavírus terá na economia, saúde e vida das pessoas. Isso porque, neste ano, uma vacina não deve ficar disponível ao mercado e os prejuízos causados pela Covid-19 ainda estão só começando. Entre os políticos de MT que defendem adiar o pleito para 2022, quando a...

Ex-vereador, demagogia e contradição

everton pop 400   O ex-vereador por Cuiabá e apresentador de um programa popular de TV que leva o seu nome, Everton Pop (foto), gravou um vídeo em que critica o fato da Mesa Diretora da Câmara da Capital pagar os servidores todo dia 20, antecipando o salário em 10 dias do fechamento do mês. Pop só não...

Jayme é contra decreto do governador

jayme campos 400 curtinha   O senador Jayme Campos (foto), que já foi governador e prefeito, engrossa a lista dos que defendem isolamento social mais rigoroso neste momento. A postura vai na contramão do correligionário Mauro Mendes. O governador editou decreto que prevê a abertura de shoppings e comércio, desde...

EP e 2 medidas junto à Águas Cuiabá

emanuel pinheiro 400 curtinha   O prefeito Emanuel Pinheiro (foto) impôs duas medidas à concessionária Águas de Cuiabá. A empresa está proibida de cortar a água de inadimplentes e não terá direito a um aumento de 6%, aprovado pela Arsec. As medidas, segundo o prefeito, são...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.