ARTIGOS

Sábado, 20 de Julho de 2019, 00h:01 | Atualizado: 19/07/2019, 23h:27

Wellington Fagundes

Tributária, a justa reforma!

wellington fagundes artigo 400

Wellington Fagundes

No começo de agosto chega ao Senado Federal a Proposta de Emenda à Constituição que trata da chamada "nova Previdência". É a tábua de salvação do Brasil? Lógico que não! Mas precisa ser feita. O professor de Direito Previdenciário do Ibmec, Fábio Zambitte, explica que os indicadores econômicos são robustos no sentido de que gastamos demais, para uma população majoritária de jovens e adultos. Ele ressalta que a demografia também não ajuda ao apontar o rápido envelhecimento da população.

“Tudo isso assinala a inviabilidade futura do sistema previdenciário nacional” – ele prevê, destacando que a reforma “tem foco na recuperação da economia, via aprovação da proposta previdenciária e consequente a reativação das percepções positivas dos agentes econômicos”. Dessa forma, temos de admitir, em alguma medida, que isso é parte do jogo. Temos que avançar nessa direção.

Além de reordenar a base tributária nacional – carcomida por arranjos e destruída por modelos inapropriados de incentivos predatórios – precisamos avançar na Justiça tributária

Contudo, penso e insisto que a mais retumbante e significativa reforma acontecerá com a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição 110, da qual sou um dos signatários. Essa PEC promove mudanças consideráveis no Sistema Tributário Nacional – que chamamos de “Reforma Tributária”.

É uma obra complexa, construída por várias mãos. Essa PEC, de fato, dará as respostas claras e efetivas sobre o comportamento político e, acima de tudo, sobre o tamanho e a capacidade do Estado brasileiro, que precisará, no fim, reassumir de forma eficiente suas responsabilidades para com a população.

Hoje o brasileiro paga 63 tributos, entre impostos, taxas e contribuições. O cidadão não aguenta mais pagar impostos e, em contrapartida, receber um atendimento precário na saúde, na segurança, na educação, enfim, no atendimento das suas necessidades básicas. Para esses menos favorecidos que devemos ter um olhar mais aguçado e mais atento. Os menos favorecidos do "Brasil do interior".

É inadmissível, por exemplo, que 16,52% do valor do  cafezinho saia em forma de imposto do bolso de quem o consome; não dá para concordar que 33,95% do preço pago a um simples pedaço de bolo seja em forma de imposto. É inaceitável que uma simples garrafinha de água tenha 37,44% de tributos.

Se construirmos uma reforma tributária seguindo as premissas do interesse público, certamente avançaremos de forma célere para construir a tão necessária pacificação social

Além de reordenar a base tributária nacional – carcomida por arranjos e destruída por modelos inapropriados de incentivos predatórios – precisamos avançar na Justiça tributária. Afinal, os "impostos embutidos" nos preços de cada produto, são pagos igualmente, tanto por quem ganha R$ 100 mil, quanto para quem recebe apenas um salário mínimo.

Reza ainda dizer que com esse modelo estamos na contramão do mundo moderno. Temos cerca de 65% de participação dos impostos sobre consumo na arrecadação tributária no Brasil. Isso está muito acima da média mundial, que é em torno de 35%, segundo dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, a OCDE. Em países desenvolvidos como Estados Unidos e Japão, ela é abaixo de 20%.

Portanto, se faz necessário discutir a alteração da carga tributária sobre a renda, de forma a alcançar a tão necessária e almejada justiça tributária. Da mesma forma, trabalhar  para otimizar as obrigações acessórias.

E digo mais, para finalizar: se construirmos uma reforma tributária seguindo as premissas do interesse público, certamente avançaremos de forma célere para construir a tão necessária pacificação social que todos almejam neste momento em que as duas crises – econômica e política – persistem em caminhar juntas.

Wellington Fagundes é senador por Mato Grosso e líder do Bloco Parlamentar Vanguarda e presidente da Frente Parlamentar de Logística e Infraestrutura

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

DEM e voz na Câmara após 16 anos

marcelo bussiki 400 curtinha   O DEM (antigo PFL) passa a ter voz na Câmara da Capital 16 anos depois. Aproveitando a janela de março em que a Justiça Eleitoral permite mudança de legenda sem risco de perda do mandato, dois vereadores migraram para o Democratas, sendo eles Marcelo Bussiki (foto) e Gilberto Figueiredo, que...

MDB agora com 2 na Câmara-Cuiabá

juca do guaran� curtinha 400   O MDB do prefeito Emanuel Pinheiro, que não elegeu vereador em 2016 em Cuiabá, agora ganha duas vozes na Câmara. Tratam-se de Juca do Guaraná (foto), militante histórico do nanico Avante que resolveu migrar para a legenda emedebista, e do recém-empossado...

PT segue sem voz na Câmara-Cuiabá

bob pt 400 curtinha   O PT, presidido em Cuiabá por  Elisvaldo Almeida, o Bob (foto), está mesmo "queimado" e sem prestígio. Em meio ao troca-troca de partido entre os vereadores cuiabanos, aproveitando a janela de março, cujo prazo para mudanças para quem deseja se candidatar em outubro encerrou-se neste...

Deputado, única causa e os interesses

xuxu 400 curtinha   Xuxu Dal Molin (foto), deputado pouco atuante e limitado a defender a bandeira do agronegócio, é mais um daqueles que demonstram, na prática, usar a política para beneficiar os seus. De familiares de agricultores, Xuxu bateu duro, se posicionando contra a proposta encaminhada pelo governador Mauro...

Vereadores de ROO e trocas de siglas

fabio cardozo 400 curtinha   Em Rondonópolis, praticamente a metade dos vereadores está aproveitando a janela, que se encerra neste sábado, para mudar de partido, e já com as atenções voltadas à reeleição. E, com a dança das cadeiras, o Solidariedade do prefeito Zé do...

Podemos absorve a turma do barulho

O Podemos conseguiu juntar no seu diretório em Cuiabá a turma do barulho. Dela fazem parte dois com mandatos cassados, Abílio Júnior, que perdeu a cadeira de vereador por quebra de decoro, e a senadora Selma Arruda, cassada por caixa 2 e abuso de poder econômico, mas que ainda continua no cargo. Selma impôs condições para seguir no partido. Chegou a negociar ida para o PSC. E ganhou a presidência municipal do Pode, forçando o...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.