ARTIGOS

Quinta-Feira, 17 de Outubro de 2019, 11h:20 | Atualizado: 17/10/2019, 11h:30

João Spenthof

Cooperativismo de crédito: trabalhar para transformar

 
João Spenthof artigo

Cooperar é uma palavra que tem várias definições. Uma delas é operar em conjunto, é – o que podemos dizer – ser coautor(a) de uma mesma obra. Esses “coautores” são chamados de agentes transformadores da sociedade. É assim que tratamos as pessoas envolvidas com o cooperativismo. Independentemente da área de atuação da cooperativa, o propósito é que as pessoas cresçam juntas, ação que contribui diretamente para a redução da desigualdade econômica e social. E quando se fala em cooperativismo de crédito, dizemos que essa transformação caminha ao lado do empoderamento financeiro. Empoderamento que não se traduz em independência com individualidade, mas sim em independência com união e desenvolvimento coletivo. Ou seja, o cooperativismo de crédito atua criando oportunidades para que as pessoas possam se organizar, planejar, trabalhar e realizar sonhos.

O Cooperativismo de Crédito tem tradição e continua sendo moderno, porque é feito de histórias e precursores

Neste dia 17, na 3ª quinta-feira de outubro, celebramos o Dia Internacional das Cooperativas de Crédito (DICC). A data, comemorada mundialmente, nos faz um convite para refletir sobre a história, as conquistas e os diferenciais do cooperativismo de crédito. Em 2019, a data leva o tema “Serviço local. Alcance global.”, e tem o objetivo de mostrar como a soma da atuação local das cooperativas de crédito resulta em um impacto positivo mundial. Isso porque, os benefícios do cooperativismo de crédito criam raízes, que se ramificam e se estendem a outros territórios, e promovem um efeito cascata de desenvolvimento econômico e social, o que resulta em um mundo melhor e de oportunidade para todos.

O Cooperativismo de Crédito tem tradição e continua sendo moderno, porque é feito de histórias e precursores - em diferentes lugares do mundo – que acreditaram ser este o caminho de uma vida mais igualitária e justa. Desde Friedrich Raiffeisen, na Alemanha, até Theodor Amstad, no Brasil, chegando inclusive a ter um representante de peso em Mato Grosso: o padre João, desbravador do cooperativismo local e considerado patrono do Sicredi em Mato Grosso.

Batizado como Johannes Berthold Henning, o padre João nasceu na Alemanha em 1934 em uma família tradicional. Foi apresentado à religião católica pela avó paterna e aos sete anos já era coroinha. Após cursar Pedagogia entrou para o seminário e foi ordenado padre em 1962. Cinco anos depois chegou ao Brasil, especificamente em Mato Grosso. A convite do bispo da época, Dom Wunibaldo, assumiu a paróquia de Bom Jesus, em Juscimeira.

Naquela época, o lugar reunia duas glebas (Juscilânia e Limeira) e não tinha nenhuma infraestrutura. Carente de tudo – água encanada, energia elétrica e posto de saúde, por exemplo, e com residências e comércios precários -, foi nesta região que o padre João arregaçou as mangas e colocou em prática o cooperativismo. Ao unir a fé em Deus e nas pessoas, trabalhou duro para ensinar e encorajar os moradores da região a confiar neles mesmos e a mostrar como o trabalho conjunto os ajudaria chegar mais longe.

Foi assim, com o apoio e orientação do padre João, que os produtores rurais da região se uniram para fortalecer a produção agropecuária – atividade econômica que ainda predomina no município - e assim constituir a Cooperativa Mista Agropecuária de Juscimeira (Comajul), que até hoje serve toda a região e tem papel muito importante na economia local. Padre João foi um dos fundadores da Sicredi Vale do Cerrado, e apoiou na constituição de muitas outras cooperativas de crédito em Mato Grosso.

Assim como o grande líder comunitário que foi o Padre João, o Sicredi está sempre focado no legado do cooperativismo de crédito, e segue engajado num novo projeto: ser signatário dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas (ONU), do qual o Brasil já é signatário. Quer somar forças para um chamado universal contra a pobreza, para proteção do planeta e para proporcionar que todas as pessoas tenham paz e prosperidade. Para atingir essas metas, uma agenda global com 17 objetivos é listada pela ONU, e provoca ações de governos, do setor privado, sociedade civil e cidadãos para que sejam alcançados.

Iniciativas que sempre fizeram parte da agenda do cooperativismo de crédito, desenvolvido há 116 anos no Brasil e vão ao encontro de uma agenda global atual da qual o Sicredi quer fazer parte oficialmente, pelo bem comum das comunidades, dos municípios, do país e do planeta

As ações promovidas pelo Sicredi coincidem com pelo menos 16 ODS, em menor ou maior intensidade. O simples fato de o Sicredi ser a única instituição financeira em mais 200 cidades brasileiras mostra a importância dada às comunidades, independentemente do número de habitantes ou vocação econômica.

Ao oferecer crédito e estimular o desenvolvimento dos associados; desenvolver o Programa A União Faz a Vida nas escolas; arrecadar alimentos, promover passeios ciclísticos e corridas, ou o plantio de mudas de árvores, por exemplo, o Sicredi realiza ações em linha com alguns ODS como: Redução da Pobreza, Educação de Qualidade, Fome Zero e Agricultura Sustentável, Saúde e Bem-estar e Ação Contra a Mudança Global do Clima.

Iniciativas que sempre fizeram parte da agenda do cooperativismo de crédito, desenvolvido há 116 anos no Brasil e vão ao encontro de uma agenda global atual da qual o Sicredi quer fazer parte oficialmente, pelo bem comum das comunidades, dos municípios, do país e do planeta. O desenvolvimento individual pode ser potencializado pelo esforço coletivo. É por isso que o Sicredi, enquanto instituição financeira cooperativa vai além de soluções e trabalha para melhorar a vida financeira de seus associados ao mesmo tempo em que ajuda a trazer qualidade de vida para a comunidade. Para nós, todo dia é Dia Internacional das Cooperativas de Crédito.

João Spenthof é presidente da Central Sicredi Centro Norte

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Acerto pra Pivetta se filiar ao Podemos

alvaro dias curtinha   Mais uma demonstração de que o senador Álvaro Dias (foto), líder do Podemos no Congresso, está ignorando a pré-candidatura ao Senado do seu próprio colega de partido, deputado José Medeiros. Álvaro já acertou com Pivetta apoio na disputa à...

Critério para definir candidatura em VG

fabio tardin 400 curtinha   O presidente da Câmara de Várzea Grande e filiado ao DEM, Fabinho Tardin (foto), sonha com a cadeira de prefeito, mas não tem apoio dos Campos para concorrer à sucessão municipal. Como Lucimar Campos não pode buscar o terceiro mandato seguidamente, o grupo liderado pelo senador...

Prefeito de Lacerda, projeto e derrota

alcino curtinha 400 pontes e lacerda   O prefeito de Pontes e Lacerda, Alcino Pereira Barcelos (foto), resolveu dar de ombro para a Câmara Municipal sobre um projeto de grande alcance social e perdeu feio na queda-de-braço. Contrariando a vontade do prefeito, os vereadores aprovaram a proposta, apresentada pelos colegas Pedro Vieira e...

MPE antes e depois de Maluf no TCE

jose antonio borges 400 curtinha   Antes, membros do MPE fizeram esforço para impedir a nomeação de Guilherme Maluf como conselheiro do TCE, sob argumento de que não detinha notório saber jurídico, contábil, econômico e financeiro e ainda carrega vários processos judiciais nos ombros....

Fatura por média e multa à Energisa

thiago 400 ager curtinha   Após fiscalização no 2º semestre do ano passado, a Ager-MT multou em R$ 14,4 milhões a Energisa. Descobriu-se irregularidades na área comercial da concessionária de energia. Thiago Bernardes (foto), coordenador Regulador de Energia da Agência, explica que, no trabalho...

PS-VG e revolta por falta de médicos

marcondes curtinha 400   Principal calcanhar de Aquiles do 2º maior município do Estado, que registra hoje cerca de 200 mil habitantes, o Pronto Socorro de Várzea Grande não está recebendo pacientes ortopédicos e nem ginecológicos em sua porta de entrada. É que a unidade não tem...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Sobre a senadora Selma Arruda, que teve mandato cassado por caixa 2 e abuso de poder econômico, você acha que ela foi...

ingênua

corrupta

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.