ARTIGOS

Quarta-Feira, 26 de Maio de 2010, 20h:21 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:26

MEIO AMBIENTE

Em artigo, Mirian detona Maggi

   A jornalista Mirian Leitão, especialista em economia, "detona" o governador Blairo Maggi, que comandou Mato Grosso de 2003 até março deste ano e que está em pré-campanha ao Senado. Com o título "O insustentável", ela escreve um artigo discorrendo sobre a operação Jurupari, deflagrada pela Polícia Federal e que resultou em dezenas de prisões. Disse que, diante do que se constatou, usando as armas do monitoramento telefônico e perícia de imagens de satélite e ainda a quebra do sigilo bancário e fiscal dos suspeitos, levanta dúvida se, de fato, Maggi tinha mesmo mudado para se tornar um ambientalista.

   Destaca a prisão do ex-secretário de Meio Ambiente Luís Daldegan e do ex-adjunto Afrânio Migliari (ambos devem deixar a cadeia nesta quarta à noite diante da decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região de conceder habeas corpus a todos acusados). Para Mirian, na questão ambiental houve dois Blairo Maggi nos últimos anos. "O primeiro disse que destruir 24 mil km de floresta num ano era pouco perto do tamanho da Amazônia". Recorda ainda da declaração do ex-governador de que "o país não podia ficar catando coquinho na floresta". Lembra também no artigo que fez entrevista com Maggi e esteve declarou que este contou que tinha feito uma inflexão e realiado suas posições. Por fim, a jornalista, cita que o ex-governador aparece no inquérito pressionando para apressar a liberação de licenças que favoreciam políticos e dispara: "É assim que se desmata na Amazônia com o conluio de gente muito fina. E que fica por aí usando em vão a palavra sustentabilidade".

                Eis, abaixo, o artigo de Mirian Leitão acerca de crimes ambientais e da postura de Maggi - se preferir confira aqui

Jornalista Mirian Leitão    "A Polícia Federal trabalhou mais de dois anos usando duas armas: monitoramento telefônico e perícia de imagens de satélite. Depois, foi usada uma terceira arma: a quebra do sigilo bancário e fiscal dos suspeitos. Isso levou dezenas de pessoas à prisão na Operação Jurupari, em Mato Grosso, e levantou uma dúvida: o ex-governador Blairo Maggi não tinha mudado?

   Seu ex-secretário de Meio Ambiente Luiz Henrique Daldegan era o chefe da operação limpeza de reputação de Blairo, que no passado era o maior antiambientalista e depois passou a dizer que era um defensor do meio ambiente. Daldegan hoje está preso como suspeito de fazer parte de um esquema de esquentamento de madeira retirada ilegalmente de terras públicas. O ex-secretário de Mudanças Climáticas Afrânio Migliari também está no mesmo processo, como chefe de inúmeros ilícitos. Ao todo, foram expedidas ordens de prisão de 91 pessoas entre políticos, servidores, autoridades da Secretaria de Meio Ambiente, empresários.

   Na questão ambiental houve dois Blairo Maggi nos últimos anos. O primeiro disse que destruir 24 mil km de floresta num ano era pouco perto do tamanho da Amazônia; afirmou que o país não podia ficar catando coquinho na floresta; hostilizou ministros do Meio Ambiente e acusou o Inpe de erro técnico. Um segundo Blairo Maggi disse que tinha se convencido de que estava errado.

   Numa entrevista que me concedeu em agosto de 2009, Blairo disse:

   — Tive que fazer uma inflexão, reavaliar as minhas posições. Não só minhas, como as dos demais componentes do agronegócio do meu estado. Tive que chamá-los e dizer que o caminho que estávamos seguindo não era o mais correto.

    O que o delegado da PF Franco Perazzoni, que comandou a investigação, conta é que foi flagrado um grande conluio entre empresas, funcionários públicos, políticos e autoridades com poder para liberar os “planos de manejo”.

   — As grandes fraudes acontecem no inventário da madeira. Pelo plano de manejo é preciso dividir a terra em 30 talhões, ir explorando um a cada ano, de tal forma que só no final do trigésimo ano se volte ao primeiro talhão. Com planos assim é que se consegue a emissão do guia florestal, documento exigido para se transportar madeira e vendê-la no mercado legal. A fraude consiste em pôr no inventário o que não tem. Isso gera um registro fictício que é usado, depois, para legalizar madeira retirada ilegalmente de área pública. O registro falso esquenta a madeira ilegal — diz.

    A diferença de preço entre a madeira ilegal e a supostamente legal é imensa:

   — Numa tora, numa árvore em pé, em área que não pode ser explorada, não se dá mais que R$ 50,00. Se ela for apresentada como retirada de plano de manejo, pode chegar a R$ 1.400 o m. Nem tráfico de drogas dá lucro tão grande.

   Pelo monitoramento telefônico foi possível acompanhar o tráfico de influências para conseguir licenças falsas. Com as imagens de satélite era possível verificar, por exemplo, que a terra da qual se pedia licença para retirar madeira já estava degradada há muito tempo. O que os proprietários conseguiam eram relatórios de vistoria feitos por técnicos atestando haver a madeira que não havia no local. Depois, era só ir numa área pública, muitas vezes indígena, tirar a madeira e usar a guia falsa para esquentar aquela madeira. Tudo passava pela Secretaria de Meio Ambiente.

   O curioso é que o braço direito de Maggi, para provar que o estado do Mato Grosso tinha virado exemplo de sustentabilidade, era justamente o secretário Daldegan. Com ele, e grande comitiva, o governador foi a Copenhague participar de debates sobre créditos pelo desmatamento evitado. Alegava ter desenvolvido ferramentas modernas para detectar, prevenir e combater o desmatamento. Enquanto isso, a Polícia Federal investigava:

  — O monitoramento telefônico não é usado como elemento de prova, mas como orientação para conduzir as investigações que ganharam consistência com os laudos periciais — diz Perazzoni.

   Inúmeras falsas licenças foram assinadas exatamente pelo subsecretário de gestão de florestas, e depois secretário de Mudanças Climáticas, Afrânio Cesar Migliari. Existem indícios, diz o relatório da Polícia Federal, de que Migliari era dono de fato de empresas investigadas e inclusive madeireiras.

   As propriedades investigadas ficavam perto de áreas indígenas ou protegidas. Em geral, já estavam desmatadas, mesmo assim conseguiam licenças de exploração que tinham indícios eloquentes de fraude. Por exemplo, segundo o delegado, houve um inventário que registrava que uma determinada terra estava 60% ocupada pela mesma espécie nobre. Com a diversidade da floresta nativa é difícil acreditar em tal percentual de uma mesma espécie.

   Há uma licença espantosa dada pela Secretaria de Meio Ambiente: plantar eucalipto na Chapada dos Guimarães, uma Área de Preservação Permanente onde era proibido plantar espécies exóticas.

   Blairo, candidato ao Senado e líder nas pesquisas, aparece no inquérito pressionando para apressar a liberação de licenças que favoreciam políticos. É assim que se desmata na Amazônia com o conluio de gente muito fina. E que fica por aí usando em vão a palavra sustentabilidade." 

   Mirian Leitão é jornalista

Postar um novo comentário

Comentários (37)

  • saulo | Domingo, 30 de Maio de 2010, 11h31
    0
    0

    VC SE LEMBRA EM 2002 ELA, COM APOIO DA IMPRESSA, (GLOBO E CBN) ERA A PROFETA DA DESGRAÇA? GRAÇAS A DEUS QUE ELA ERROU TUDO !!!!!

  • Alvaro José Ormond | Quinta-Feira, 27 de Maio de 2010, 12h16
    0
    0

    O decipsionante de tudo não é ter tantos crápulas nos poderes instituidos de Mato Grosso, pior é ter um a nível de supremo alguem que concede habeas corpus para colocá-los em liberdade.

  • Luiz Fernando | Quinta-Feira, 27 de Maio de 2010, 11h49
    0
    0

    Vejam só a atuação da nobre jornalista: "A CBN, a rádio que troca a notícia, entrevistou Dilma Rousseff. O PiG (Partido da Imprensa ) omitirá o ponto mais interessante da entrevista: a Dilma triturou a urubóloga Miriam Leitão. “Deu dó”, como se diz em Minas (as duas são mineiras)." Pelo visto ela vem tendo grande credibilidade política!

  • leandro | Quinta-Feira, 27 de Maio de 2010, 11h31
    0
    0

    Será que vai sobrar um secretário do Maggi que não esteja envolvido em escandalos? E timao, hein. Falando em secretário, e o Eder, já se foi? Ta esperando o que? Mais uma super compra de maquinas?

  • CAROLINA | Quinta-Feira, 27 de Maio de 2010, 11h28
    0
    0

    EXCELENTE ARTIGO...NÃO ESQUECENDO MÍRIAM DAS DEMAIS OBRAS QUE USOU O EX GOVERNADOR EM BENEFÍCIO PRÓPRIO, TENDO COMO EXEMPLO AS OBRAS ASFÁLTICAS DAS ESTRADAS QUE SE ESTEDERAM ATÉ A "PORTA" DAS FAZENDAS DO SR. EX GOVERNADOR. SERÁ QUE ESSAS OBRAS FORAM PELO INTERESSE DA POPULAÇÃO OU POR INTERESSE PRÓPRIO???

  • maria oliveira | Quinta-Feira, 27 de Maio de 2010, 11h13
    0
    0

    ATÉ TU MAGGI??? NÃO VOTO MAIS EM VOCÊ.

  • mauricio vaz | Quinta-Feira, 27 de Maio de 2010, 11h00
    0
    0

    Miriam com certeza tem seu valor, mas neste caso só mostra total desconhecimento da realidade Matogrossensse, do Brasil e também sobre Maggi. O que só torna a reportagem ainda mais tendenciosa. Ainda bem que todos sabemos reconhecer a diferença entre o certo e o errado. Fica aqui a impressão daquelas reportagens compradas, Principalmente em época eleitoral. A que interesses esta Senhora estaria ligada? É Necessário mais que um nome reconhecido Nacionalmente para tratar de um assunto tão delicado e de forma tão irresponsável é necessário conhecimento de causa e Isso esta Senhora não demonstra. Maggi mostrou que MT precisa ser preservado e o caminho foi traçado e isso está sendo cumprido, inclusive acima da média Nacional. (MT foi o Estado com menor índice de Desmatamento em 2009).

  • Renato | Quinta-Feira, 27 de Maio de 2010, 10h57
    0
    0

    Só espero qeu o Blairo não faça como o Lula na época de todos os escandalos que envolveu o PT. Falando que simplesmente não sabia de nada, que foi traido pelos seus companheiros. Blairo deve explicação...

  • Anita | Quinta-Feira, 27 de Maio de 2010, 10h35
    0
    0

    NOOOOOOOOSSSA POVO MATOGROSSENSSE!! PRESTA ATENÇÃO NO QUE ESTÁ ACONTECENDO ABRE OS OLHOS NÃO TAMPA O SOL COM A PENEIRA, SE HÁ FUMAÇA HÁ FOGO!! A CORRUPÇÃO ESTÁ SOLTA, NÃO PODEMOS ACEITAR ESSA SITUAÇÃO, TEMOS QUE MOSTRAR A NOSSA UNIÃO NAS URNAS, "DIGA NÃO A CORRUPÇÃO", QUEM FEZ QUEM QUE PAGAR,ONDE FICA A NOSSA DIGNIDADE, NOSSO CARÁTER, ETC... É VERGONHOSO ESCUTAR NAS RÁDIOS, JORNAIS, REVISTAS ETC... "MATO GROSSO O ESCANDALO DO SÉCULO".

  • roni | Quinta-Feira, 27 de Maio de 2010, 10h22
    0
    0

    heheheh valeu Renato

Com certidão pra disputar 1ª suplência

dito lucas 400 curtinha   Filiado ao Podemos, Dito Lucas (foto), que entrou de última hora como primeiro-suplente da chapa ao Senado encabeçada por José Medeiros, assegura que vai apresentar novamente sua certidão junto à Justiça Eleitoral, de modo a provar que sua candidatura é legítima....

Um novo embate entre Diane x Adair

diane alves 400 curtinha   Adair José Alves Moreira, que vinha atuando na assessoria do vice-governador Otaviano Pivetta, decidiu mesmo concorrer de novo à Prefeitura de Alto Paraguai. Ele já foi prefeito por duas vezes. Adair será o principal nome da oposição à prefeita democrata Diane Alves (foto),...

Taques ofuscado e sob mira do MPE

pedro taques 400 curtinha   Pedro Taques (foto) achou que o recall dos tempos de senador e governador, ajudando-o a se posicionar de forma razoável nas pesquisas, bem antes do início da campanha, o manteria como favorito na corrida ao Senado. Ledo engano. Não levou em consideração o alto índice de...

2 caciques não disputam Alto Garças

roland trentini 400 curtinha   Após décadas de rixas, de campanhas ostentadoras, rachas e brigas eleitorais intermináveis em Alto Garças, os ex-prefeitos Rolando Trentini (foto) e Júnior Pitucha resolveram não mais concorrer ao Executivo. Mas, um deles segue se movimentando nos bastidores. Pela...

Um ex-prefeito inelegível em Poconé

clovis martins 400   Dificilmente o ex-prefeito petebista Clovis Damião Martins (foto) terá registro de candidatura a prefeito de Poconé deferido pela Justiça Eleitoral. O promotor de Justiça, Mário Anthero, já pediu impugnação do registro do petebista por inelegibilidades. Clovis, que...

Briga em Sinop entre Juarez e Dorner

juarez costa 400 curtinha   Em Sinop, a briga eleitoral caminha para tensão e acirramento entre o emedebista Juarez Costa (foto) e Roberto Dorner (Republicanos). Hoje, o ex-prefeito seria eleito, mas Dorner vem crescendo nas adesões, com ajuda do vice de sua chapa, ex-vereador Dalton Martini (Patriota). O apoio da prefeita Rosana...