ARTIGOS

Sábado, 10 de Julho de 2010, 20h:45 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:26

HOMENAGEM

Em artigo, Negrão lembra Dante

O meu Dante de Oliveira

Jornalista João Negrão    Acompanhando com muito interesse e saudade matérias e artigos sobre os quatro anos de morte de Dante de Oliveira, leio e concordo com muito: sua importância para a história recente do Brasil, as Diretas Já, sua liderança estadual e nacional, seu carisma, a figura querida que o “Magrão” sempre foi para aqueles que tiveram o privilégio de em alguns dos momentos de sua vida estar perto dele.

    Tive esse privilégio. Conheci Dante numa tarde do longínquo agosto de 1983, me apresentado pelo seu primo e camarada Aluízio Arruda. Mais tarde, já em 84, estive com ele num grande comício pelas Diretas Já em Rondonópolis. Eu, militante do PC do B, clandestino no PMDB, estava lá na organização do evento junto com Percival Muniz, Moacir Gonçalves, Hermes de Abreu, Osmir Pontin e tantos outros. Mais adiante, em 85, fui um dos organizadores da caravana que saiu de Rondonópolis com mais de 20 ônibus lotados para ajudar na boca-de-urna da eleição de Dante para a prefeitura de Cuiabá. Era uma sexta-feira de sol muito forte e o termômetro chegou a marcar 47 graus nas proximidades da Escola Senador Azeredo, onde coordenei a minha equipe.

     Dali para frente acompanhei, nos bastidores, algumas decisões políticas do PMDB que levaria Carlos Bezerra ao governo do Estado. A eleição de Dante de 85 foi fundamental para o projeto político do PMDB. Nessa época o Brasil vivia o auge e o fracasso do Plano Cruzado e o governo de José Sarney estava numa encruzilhada histórica. Ou avançava, cedendo ao PMDB mais progressista, ou recuava, capitulando diante das forças de direita, tendo o PFL no comando, mais a UDR (União Democrática Ruralista) por fora, ajudando a sabotar o governo para impedir a reforma agrária.

     É nesse contexto que Dante de Oliveira se licencia da prefeitura para assumir o Ministério da Reforma Agrária. O governo precisava da liderança de Dante, da sua legitimidade política e do respeito que detinha diante da nação. Mas não deu certo. As forças de direita avançavam à medida que o desgaste de Sarney no rodo do fiasco do Plano Cruzado ia deteriorando sua base política até afetar profundamente o PMDB. O resultado foi a saída de setores mais progressistas na época, que criaram o PSDB (em 88) ou migraram para partidos mais à esquerda. Dante foi para o PDT.

     Candidato a deputado federal pelo PDT, em 1990, Dante foi o mais votado, com mais 90 mil votos, mas o partido não atingiu o quociente eleitoral. Fui coordenador da campanha dele em Rondonópolis. Dois anos depois ele seria eleito novamente prefeito de Cuiabá. Participei da campanha somente como militante e depois assumi o cargo de coordenador de Comunicação, na Secom.

     Foi a partir daí que vi aquele meu Dante, o Dante progressista, a liderança de centro-esquerda mais importante e respeitada do país, o homem que ajudou a derrubar a ditadura militar, que foi fonte de inspiração para toda uma geração, foi ali na convivência diária com ele que vi tudo isso desaparecer. Dante começou a se perder na política a partir daí, desde composição de seu staff. Não somente o secretariado, mas também os que orbitavam nele e em sua administração. Era ele e seu grupo de amigos, irmãos e dirigentes partidários de sua estrita confiança que de fato mandava. Seu projeto político de ser governador, gestado pelo menos seis anos antes, ganhava fôlego. Mas não era exatamente um projeto de seu partido e das forças políticas que o apoiavam. Era um projeto de um grupo oligárquico.

     Seu primeiro governo foi a mais pura expressão de um governo oligárquico, um grupo que se fechou na administração do Estado e mandou e desmandou. O segundo governo, já tendo Dante no PSDB, foi um pouco mais aberto, mas era a mesma oligarquia que ditava rezando pela cartilha neoliberal que levou ao desastre do desmantelamento do Estado e a entrega de duas de nossas mais importantes empresas estatais: a Cemat e o Bemat. Conduzindo-se como se às cegas na sanha privatista, Dante viveu, a meu ver, momentos ridículos, repetindo gestos como o de bater o martelo e exibir sorridente um cheque simbólico no leilão da Cemat, vendida a preço duvidoso.

     O caso do Bemat é ainda mais grave. O Banco do Estado de Mato Grosso foi simplesmente asfixiado até morrer sem nem mesmo honras de funeral. Um patrimônio jogado no lixo sem nenhuma comiseração. Menos piedade ainda com funcionários e funcionárias que viram de uma hora para outra suas histórias de longos anos meramente desprezadas. Não foram poucos os suicídios de bematenses.

     Esta é uma história de Dante que não há como esconder. Por isso tenho por ele uma mistura de carinho e decepção. Carinho por tudo que ele representou para a minha geração, para mim especialmente que vivi grande prazer e orgulho de compartilhar com Dante a luta política de mais de dez anos. Decepção porque ele destruiu não apenas sonhos de muitos de nós. Corroeu sua própria história política. Dante de Oliveira não merecia isso. Só lamento que ele poderia ter se redimido, mas a morte o encontrou prematuramente.

    João Negrão é jornalista em Cuiabá

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • Patricia | Quinta-Feira, 19 de Agosto de 2010, 12h10
    0
    0

    por favor preciso encontrar o senhor José benedito Canellas, por favor o senhor tem algum endereço de contato ou telefone.Muito obrigada.

  • elielson teixeira | Segunda-Feira, 12 de Julho de 2010, 11h19
    0
    0

    Concordo em algumas partes com o Negrão, Dante ,quando saiu do poder o sr.WS naoqueria que ele nem aparecesse em seus comicios, agora depois de morto fica usando o nome dele, a Theklma essa sem comentarios, so foi eleita pela comoção, agora é outra historia senhora, vamos renovar essa camara, chega de sanguessugas, esse povo so trabalha em prol so mesmo grupinho, queo diga sr. Cido Alves, qque nem grau de instrução tem, esses sao os prostitutos do poder..vamos dar um basta, renovação já.

  • RONEI DUARTE | Domingo, 11 de Julho de 2010, 10h05
    0
    0

    Parabéns ao jornalista João Negão pela lucidez da análise,enfocando não só os pontos positivos,como também, os pontos negativos da vida política do ex-governador Dante de Oliveira,porém,sem deixar de prestar-lhe as suas sinceras homenagens. Demonstrando ainda, a sua admiração pelo Homem e Estadista que como outro qualquer na sua vida política acertou e errou muitas vezes. Muitos que estão atualmente no Poder não gozarão da mesma primazia em merecer homenagens póstumas passados 04 anos dos seus perecimentos, seus governos e mandatos pífios e corruptos, logo a sombra do tempo irá consumi-los das memórias dos trabalhadores matogrossenses,restando apenas uma vaga memória assinaladas nas ruas e praças e grandes obras arquitetônicas que imerecidamente ganharão seus nomes.

  • Walter | Domingo, 11 de Julho de 2010, 10h02
    0
    0

    Pessoas como esse Ildebrando Pascoal, que se julgam esteios da moral e da ética, foram os que se beneficiaram com os desmandos de um governo corrupto como de Dante. Corrupto, sim, e muito corrupto! Aliás, a morte de Dante foi explicado de modo a favorecer políticos fajutas como Telma. Na verdade, Dante morreu de desgosto do que essa turma de orgias fazia debaixo de seu próprio nariz´. Quem prestava serviços de segurança, na época, sabe muito bem o que acontecia "lá dentro"... Eh, corno é corno, e sempre há os que gostam...

  • antonio da silva | Domingo, 11 de Julho de 2010, 09h38
    0
    0

    discordo em parte do ponto de vista do joao negrao,sabedoria e saber e reciclar a relaçao entre o capital e o trabalho, e justamente a proposta que o dante fez para o estado de matogrosso buscando o estado como endutor de politicas publicas.

  • Miranda Muniz - PCdoB | Domingo, 11 de Julho de 2010, 09h17
    0
    0

    Parabéns, camarada João Negrão, pois diferentemente de muitos que só sabem elogiar os que já se foram (bem retratado no verso "Meus inimigos que hoje falam mal de mim Vão dizer que nunca viram uma pessoa tão boa assim" do clássico samba "Fita Amarela" do inesquecível Noel Rosa), seu artigo expressa com fidedignidade a trajetória do "Homem das Diretas". Também não tenho dúvida que se o mesmo tivesse a oportunidade de viver mais e atestar os avanços democráticos e sociais alcançados pelo Brasil, sob a liderança do Presidente Lula, certamente, com sua sensibilidade e sensatez, poderia ter se redimido da guinada neoliberal e conservadora que ele empreendeu nos últimos anos de sua vida, a qual realmente manchou sua bibliografia de grande democrata e patriota e provocou indignação e decepção a você, a mim e a todos seus admiradores dos seus tempos de "combatividade".

  • Idelbrando Paschoal Junior | Domingo, 11 de Julho de 2010, 07h25
    0
    0

    João Negrão, é fácil falar mal de um morto, mas e você, que tava ao lado dele e no Poder por este tempo todo porquê não fez algo, porquê não lhe disse que tava tudo errado? Se voê não fez nada, você foi omisso. Não adianta começar escevendo um artigo "endeusando" o Dante e ao final dizer que ele não presta e o seu governo foi privativista. Se as duas empresas públicas privatizadas por Dante davam lucro para o Estado, porquê você não se ofereceu para gerí-las. João Negrão(que me perdoem os negros sérios e honestos deste Mundo), você é um ser desprezível, que para ganhar um vintém EM ÉPOCA ELEITORAL, não tem o menor temor de incorrer em crime previsto em nossa legislação penal. Aguarde. Thelma ou o PSDB lhe responderão à altura. Tu és o verdadeiro Judas, que ainda teve a descomplacência de pronunciar "O meu Dante de Oliveira". Se um dias fores candidato o povo lembrará de você DENEGRINDO A IMAGEM DE DANTE. O maior estadista que esse País já teve.

  • ROBSON ANTUNES | Domingo, 11 de Julho de 2010, 01h37
    0
    0

    VOTEI NA TELMA (4545), NA ÚLTIMA ELEIÇÃO EM MEMÓRIA À DANTE DE OLIVEIRA...PAGUEI MINHA DÍVIDA..NÃO VOU VOTAR MAIS NELA NÃO! MUITO LÚCIDO O ARTIGO DE NEGRÃO...DANTE COLOCOU HILÁRIO MOZER NA JUSTIÇA E APARECIDO ALVES NO INTERMAT...E NÓIS PAGANDO A CONTA, NÉ CIDO!!!???

Empresário ensaia de novo em ROO

 luizao_curtinha400   Em Rondonópolis, o empresário Luiz Fernando de Carvalho, o Luizão, dono da Agro Ferragens Luizão, ensaia mais uma vez disputar a prefeitura. Como a sua pré-candidatura não é considerada novidade, ele é visto como uma espécie de "cavalo paraguaio", que tem arrancada...

2 governistas prontos para a briga

chico2000_curtinha400   O prefeito Emanuel tem 2 aliados de primeira hora na Câmara que não resistem a uma provocação. Tratam-se de Renivaldo Nascimento (PSDB) e Chico 2000 (foto), do PL. Sabendo do estopim curto, os vereadores de oposição, especialmente Diego e Abílio, não perdem a chance de...

Niuan agora sob rédeas do Podemos

niuan ribeiro curtinha 400   O vice-prefeito Niuan Ribeiro, agora no Podemos, se torna obrigado, conforme exigência estatutária, a contribuir com 5% dos R$ 15 mil que recebe mensalmente . Ou seja, vai ter que repassar R$ 750 para o seu novo partido. Considerado um partido com novas concepções, regras e exigências, o...

Efeito-senado e briga no ninho tucano

carlos-avalone_curtinha400   O deputado estadual Carlos Avalone não tem certeza de que o acordo pré-estabelecido para ele se tornar presidente do PSDB-MT, a partir de fevereiro, ou seja, daqui 5 meses, será cumprido. Pela costura entre a cúpula tucana, Paulo Borges renunciaria à presidência, abrindo assim...

Pivetta vai despachar em 2 gabinetes

otaviano pivetta 400 curtinha   O governador em exercício a partir desta quinta, empresário Otaviano Pivetta (foto), vai dividir o tempo no Palácio Paiaguás pelos próximos oito dias despachando em dois gabinetes. Ora sentará na cadeira do titular Mauro Mendes, que viajou numa comitiva para a Bolívia,...

Lei reconhece pacu como prato de VG

dilmar curtinha   O governador Mauro Mendes sancionou,  na última terça (17), a lei 10.944/2019, de autoria do deputado Dilmar Dal Bosco (foto), que reconhece o Pacu como prato típico da culinária de Várzea Grande. Antes mesmo de o parlamentar legislar sobre o tema, os várzea-grandenses já...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Mauro Mendes?

excelente

bom

regular

ruim

péssimo

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.