ARTIGOS

Sexta-Feira, 13 de Setembro de 2019, 08h:08 | Atualizado: 13/09/2019, 08h:42

Ronan de Oliveira

Entendimento jurídico das PPPs

ronan oliveira artigo

As parcerias públicos privadas marcam o o entrelaçamento entre o poder público e a iniciativa privada.

O renomado Jurista Toshio Mukai leciona na introdução do livro Parcerias Públicos-Privadas: comentários à Lei Federal n.o 11.079/0, às Leis Estaduais de Minas Gerais, Santa Catarina, São Paulo, Distrito Federal, Goiás, Bahia, Ceará, Rio Grande do Sul e à Lei Municipal de Vitoria/ES – Editora Forense Universitária) em que é coordenador conforme resumidamente descrito abaixo:

“As parcerias público-privadas, conhecidas pela sigla PPPs, antes mesmo de ser outorgada lei federal que disciplinasse a matéria (em termos de licitações e contratos, como normas gerais), foram instituídas e disciplinadas por alguns Estados, tais como o de Minas Gerais (pioneiro no Brasil nesse aspecto), o de Santa Catarina, o de São Paulo, Distrito Federal, Goiás, Bahia e Ceará.

Tem-se indagado se seria constitucionalmente legítimo que os Estados-membros e/ou os Municípios instituam, por leis próprias, o instituto da parceria público-privada.

Não temos, de nossa parte, dúvida nenhuma em afirmar a constitucionalidade dessas leis. Em primeiro lugar, porque se trata de matéria de direito administrativo e, portanto, o tema recai sobre a competência privativa de cada ente federativo.”

Ainda firmado na lição de Toshio Mukai vejamos o conceito e/ou características firmados com base na Lei Federal n.o 11.079/2004:

“O art. 2º conceitua a parceria público-privada como o contrato administrativo de concessão, na modalidade patrocinada ou administrativa.

O § 1o define a primeira como concessão de serviços ou obras públicas de que trata a Lei n.o 8.987/95, quando envolver, adicionalmente à tarifa cobrada dos usuários, contraprestação pecuniária do parceiro público ao parceiro privado. E o § 2o define a concessão administrativa como o contrato de prestação de serviços de que a Administração Pública seja a usuária direta ou indireta, ainda que envolva execução de obra ou fornecimento e instalação de bens.”

Para finalizar Toshio:

“Portanto, segundo a lei, a parceria patrocinada nada mais representa do que a concessão de serviço público ou a precedida de obra pública, previstas na Lei n.o 8.987/1995, com as únicas diferenças de que não existem o poder concedente e o concessionário, mas sim o parceiro público e o privado, e a contrapartida do Poder Público.

Entretanto, dado que o § 1o do art. 2o faz a invocação da Lei das Concessões e Permissões, nesse tipo de parceria serão aplicáveis todas as disposições da referida lei, que não conflitarem com a presente.”

Pois bem.

As Parcerias Públicos-Privadas através da Constituição da República traça as premissas da introdução da instrumentalidade do processo e do procedimento, os quais estão sedimentados no Direito Administrativo.

Tocante a este aspecto quero traçar linhas constitucionais entre o público e o privado para que possamos entender melhor essa relação que ainda causa interpretações tão equivocadas que fere o principio da segurança jurídica.

Invoco o renomado administrativista Dr. Manoel De Oliveira Franco Sobrinho que o ocupou cargo de Juiz Federal ensina que “... a ordem administrativa é uma decorrência da ordem constitucional.”

Portanto, a Constituição da República, nos dá os caminhos que possam traduzir uma interpretação mais próxima do princípio da utilidade pública, vejamos:

Ronan

Os princípios constitucionais que norteiam as atividades públicas e as atividades privadas são marcadamente distintos, especialmente no campo da responsabilidade contratual, para o poder público a responsabilidade é objetiva, enquanto, para a atividade privada, no caso das parcerias público-privadas figura no campo da responsabilidade extracontratual, a Dra. Ruth Helena Pimentel de Oliveira Procuradora do Estado de São Paulo leciona que “...a responsabilidade pública é mais extensa que a responsabilidade que pode recair sobre as pessoas privadas...” (Entidades prestadoras de serviços e responsabilidade extracontratual, São Paulo: Atlas, 2003, págs. 155).

Portanto, este aspecto, exemplificativo, da responsabilidade civil é um traço marcante entre o público e o privado, e mostra que ambos podem ter um entrelaçamento através dos mecanismos das parcerias públicos-privadas, mediante o arcabouço legal definido para este comportamento.

As parcerias públicos-privadas enquadra na lição do Jurista Miguel Reale para quem “O poder do Estado deixa de ser poder de império para passar a ser visto cada vez mais como poder de decidir em termos de funcionalidade” (Teoria do Direito e do Estado, Ed. Saraiva, São Paulo, 2000, p. XVII, prefácio à 5a edição).

As parcerias públicos-privadas é o mecanismo contemporâneo dos nossos tempos, criado para dar impulsionamento as necessidades humanas, traduzindo para uma linguagem jurídica, é o modo de atender os direitos subjetivos públicos da população, neste sentido, leciona muito bem, o Desembargador Federal Fagundes de Deus do Tribunal Regional Federal da 1a Região ao relatar o Agravo de Instrumento N.º 2006.01.00.0448392-0/PI assim explicitou quais são essas necessidades são todas “...ações sociais”, devendo-se compreender no termo “ações sociais” todas aquelas voltadas ao saneamento, à urbanização e às melhorias em geral das condições de vida da comunidade”.

Portanto, o conceito traduzido pelo Desembargador Federal FAGUNDES DE DEUS na expressão “ações sociais” é o amplo campo de atuação das parcerias públicos-privadas.

Para o Ex-Ministro do STF Eros Roberto Grau leciona que é “a busca de mais sociedade e menos Estado” (O Direito Posto e o Direito Pressuposto, Ed. Malheiros, 2a edição, São Paulo, 1988, p. 93).

Para tanto, devemos marcadamente, separar dentro desse conjunto o que é próprio, do parceiro público e o que do parceiro privado, se assim não for, pode ocorrer o estrangulamento jurídico do contrato de colaboração entre os parceiros.

Para o parceiro público, a sua regulamentação, a formulação, o meio, é a prescrição definida em Lei, em atendimento ao princípio da legalidade (cf. art. 37 “caput” da Constituição da República).

O princípio da legalidade – a lei – define os instrumentos e forma de contratação das parcerias público-privadas, resumidamente nos seguintes assuntos: os contratos de concessão de serviço público, precedida ou não de obra pública; os contratos de concessão de obra pública; a permissão de serviço público; os contratos de subconcessão; além de outros contratos ou ajustes administrativos; sempre precedidos pelas normas gerais do regime de concessão e permissão de serviços públicos, como também de licitação e contratos públicos com indicação das metas e dos resultados a serem atingidos pelo contratado entre outros detalhes.

Na mesma vertente, o parceiro privado tem a sua regulamentação decorrente, também, da Constituição da República como mostra o art. 170 acima delineado, e também, tem os seus princípios, destaco a livre iniciativa e a livre concorrência.

Observa-se que os princípios do parceiro público, entre outros, a legalidade ganha relevância, bem como, os princípios do parceiro privado como a livre iniciativa e a livre concorrência, são princípios de integração política  econômica que devem ser levados para formação das parcerias público-privada, é a questão da “funcionalidade” preconizada por Miguel Reali.

Isto é, o parceiro privado, em razão dos princípios constitucionais da livre iniciativa e da livre concorrência, após submeter aos mecanismos de legalidade do parceiro público, dele se afasta, para implantação do objeto definido no edital consagrado ao parceiro vencedor, simples, assim, é que o parceiro privado tem toda flexibilidade para aquisição de serviços e bens para consecução da obra definida como objeto do instrumento contratual decorrente do procedimento licitatório.

O parceiro privado não se submete aos rigores da lei de licitação, da Lei n.o 4.320/64 (Lei Contábil), da realização de concurso público para o seu quadro de funcionários, portanto, não se submete aos princípios constitucionais delineados e aplicados para a Administração Pública.

O Decreto no 167 de 11/07/2019 – “Regulamenta a Lei Estadual nº 10.861, de 25 de março de 2019, para dispor sobre regras e procedimentos do regime jurídico das parcerias celebradas entre a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística e as Organizações da Sociedade Civil no âmbito de competência do Estado de Mato Grosso nos sistemas rodoviário, aeroportuário e aquaviário” baixado pelo Governo do Estado de Mato Grosso, em seu art. 42, submete o parceiro privado aos princípios da Administração Pública, afastando com isso os princípios gerais da atividade econômica (cf. art. 170 e incisos da Constituição da República), estabelecendo uma rigidez e afastando a  “funcionalidade” tão necessária ao parceiro privado.

O parceiro privado submete somente em suas obrigações, responsabilidade a fiscalização do parceiro público, na forma definida no instrumento – contrato – decorrente da parceria público-privada.

A invocação de modular efeitos decorrentes do princípio da legalidade, para submeter o parceiro privado, rompe com o princípio constitucional, por exemplo, da livre concorrência (cf. art. 170 da Constituição da República), e afasta os interesses primários a serem atendidos na formulação de politicas públicas.

Ronan de Oliveira Souza é advogado, especializado no Direito Constitucional e Administrativo, e ex-Secretário Adjunto de Administração do Estado de Mato Grosso. E-mail: ronan@cegap.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Vereador terá de devolver R$ 106 mil

justino malheiros 400 curtinha   Justino Malheiros (foto), que está licenciado da Câmara de Cuiabá para tratamento de saúde, terá de restituir R$ 106,6 mil aos cofres públicos juntamente com a empresa Votech Tecnologia em Votação Eireli. E o valor deve ser corrigido monetariamente pelo IPCA...

Única suplente com salário no Senado

clerie fabiana curtinha 400   Dos seis suplentes de senadores por Mato Grosso, uma recebe salário pelo Senado. Trata-se de Clérie Fabiana Mendes (foto), segunda-suplente de Selma Arruda. Mas o seu subsídio não é pelo cargo assegurado com a eleição da chapa, mas sim por ter sido nomeada em posto...

Prefeita e R$ 10 mi em obras em Sinop

rosana sinop 400 curtinha   A prefeita de primeiro mandato de Sinop Rosana Martinelli (foto) está fechando o terceiro e penúltimo ano de mandato com uma grande demanda de obras estruturantes. Após licitar, assinou contrato de R$ 10,2 milhões com a construtora e incorporadora Berna, que vai executar o projeto integrado de...

Justiça impede "espetáculo eleitoreiro"

helena 400 curtinha desembargadora   O Judiciário fez justiça ao mandar suspender a eleitoreira CPI contra o prefeito Emanuel. Numa fase já de pré-campanha, em que todos os 25 vereadores cuiabanos e mais uma centena de outros de fora se movimentam pensando na disputa eleitoral e ávidos para criar palanque, nada...

Parlamentar anda cabreiro até na AL

sebastiao rezende 400 curtinha   Sebastião Rezende (foto), que exerce o 5º mandato, anda cabreiro e assustado, até mesmo na hora de circular pelos corredores da Assembleia. E não pode avistar um jornalista que sai correndo. Na terça, após a sessão ordinária, o deputado acelerou os passos quando...

10 anos "adormecida" sobre Energisa

gisela 400 curtinha   Depois de mais de 10 anos atuando no Procon, a advogada e primeira-suplente de deputada federal Gisela Simona (Pros) agora que se acordou para a gravidade sobre a prestação de serviços da Energisa, campeã de reclamações junto ao próprio Procon. Passou todos esses anos sem mover...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O que você acha das denúncias, principalmente sobre pagamento de propina, feitas pelo ex-presidente da AL José Riva, que tenta fechar delação?

São verdadeiras

Nem tudo é verdade

Acho que ele está mentindo

Não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.