ARTIGOS

Segunda-Feira, 25 de Janeiro de 2021, 11h:50 | Atualizado: 25/01/2021, 11h:58

Rui Perdigão

"Inconcertezas" virais

Rui Perdigao artigo 400

Estava relutante em escrever sobre a pandemia do novo Covid 19 por tratar-se de um assunto que contém questões que, se abordadas de forma superficial, prestam-se a ser mal interpretadas por negacionistas que delas farão certamente um uso indevido a fim de manietar cabeças ignorantes e/ou mentes desumanas. Percebi, no entanto, que muitas dessas questões encontram-se já colocadas nas sociedades faz tempo, aguardando por debates sérios e essencialmente promovidos por pessoas com reais conhecimentos dos assuntos em questão e com uma sabedoria reforçada por uma ideologia que sabemos uns terem e outros não. Porém, infelizmente o efeito Dunning-Kruger existe e prolifera como mosca na carniça. 

Uma primeira questão que a pandemia me desperta prende-se com a democracia. Como disse Winston Churchill - “a democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais”. Repito isso na perspectiva de que a maioria não é a dona da razão, bem como no sentido de que os nossos representantes, os eleitos, poderem ser crónicos inaptos ou perigosos sociopatas, a exemplo do que a história passada e recente nos tem presenteado. Mas pior que isso (se é que isso é possível) é o fato da pandemia estar a deixar a democracia em standby, por tempo indefinido e com um prognóstico de difícil reversão do atual quadro. Implementação de estados de emergência territorial com acessibilidades e perímetros diferenciados, aplicação de medidas compulsórias de âmbito individual e fundamentadas descriminações sanitárias, autuações sem vigilância e controle da comunicação mainstream, ao abrigo de uma pseudo política editorial de não pânico, são vivências que vão sendo incutidos nos cidadãos ensinando-lhes “um novo normal” civilizacional.

Não me venham dizer que neste exato momento não há quem celebre os tempos em que vivemos. Tempos nos quais resta aos 7,8 bilhões de pessoas que habitam o planeta, conviver com o desmoronar das suas famílias, com o medo, a incerteza, o desemprego, o fim dos negócios e de ter de ouvir, nas noites mais sombrias, o "Viva La Muerte" dos fascistas. Nunca ouviu? Eles andam aí 

Outra questão que a pandemia levanta diz respeito à desigualdade e à inevitável pergunta se ela veio/vai agravar ou atenuar as desigualdades existentes. Uma coisa, porém, nós já sabemos. Em certas Bolsas de Valores, em plena época de pandemia, registram-se índices espetaculares de uma abastança que se contrapõe frontalmente e agride atuais economias em colapso. Igualmente estranho é o abandono de previsões e da informação sistemática de indicadores de bolsas por parte dos ditos comunicadores mainstream. Será que os donos dos editores brasileiros esqueceram-se de mandar fazer as matérias? Mas outras coisas nós sabemos, por exemplo, lendo as publicações do Institute of Policy Studies dos Estados Unidos. Dias atrás estudos realizados por essa entidade revelaram que as fortunas dos 647 indivíduos mais ricos do país cresceram perto de um milhão de milhões de dólares (um 1 seguido de 12 zero), entre março e novembro de 2020 (8 meses de pandemia), e que a fortuna dos 12 mais destacados cresceu 40% só entre março e agosto desse mesmo ano de pandemia. E muito provavelmente na Europa e Ásia algo semelhante está acontecendo. Sendo assim, não me venham dizer que neste exato momento não há quem celebre os tempos em que vivemos. Tempos nos quais resta aos 7,8 bilhões de pessoas que habitam o planeta, conviver com o desmoronar das suas famílias, com o medo, a incerteza, o desemprego, o fim dos negócios e de ter de ouvir, nas noites mais sombrias, o "Viva La Muerte" dos fascistas. Nunca ouviu? Eles andam aí. 

A vacina é também outra questão que levanta paixões e importantes assuntos, logo de início de âmbito científico, em particular nas vacinas da Pfizer/BioN Tech e da Moderna Inc. Em outubro passado, uma edição da especializada Trends in Genetic publicou um estudo que, no mínimo, permite-nos questionar a falta de transparência pública e as incógnitas do uso da tecnologia de “edição do genoma” nunca antes experimentado em seres humanos. Assunto que me despertou também curiosidade sobre quais as razões do crescente aparecimento de cláusulas de confidencialidade e sigilo na celebração de vários tipos de contrato. Outra questão, não menos importante, é o facto da busca por uma vacina ter introduzido uma acentuada aceleração na transferência de capital do setor público para o privado. Ditado como necessário para equilíbrio da economia e manutenção de postos de trabalho, esse movimento, independentemente de reafirmar o Estado como solução, não evitará como já admitem as previsões, mais austeridade, mais desemprego e degradação social, com a consequentemente restrição de direitos e liberdades. 

De entre outras questões, estas, no meu entender apresentam-se com mais acuidade e sobre esse “novo normal” ele para mim não tem nada de novo, só de anormal.

Rui Perdigão é administrador, geógrafo e presidente da Associação Cultural Portugueses de Mato Grosso.  

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Secretários filiados e sem pretensões

Beto 2x1 400 curtinha   Presidente do DEM em Cuiabá, o secretário estadual de Cultura, Esporte e Lazer, Alberto Machado, o Beto 2 x 1 (foto), disse, em visita ao Rdnews, quando concedeu entrevista à tvweb RDTV, que alguns colegas secretários estão filiados ao partido, mas isso não significa que eles...

Magistrado quer restrições mais duras

orlando perri 400 curtinha   Ao deferir pedido de liminar na Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pelo chefe do MPE-MT, José Antonio Borges, em meio a conflitos de normas editadas pelo governo estadual e pela Prefeitura da Capital, o desembargador Orlando Perri (foto) enfatiza que é preciso endurecer as medidas...

Paisagista, aliança com Pátio e a AL

claudio paisagista 400   Claudio Ferreira, o Paisagista (foto), está tão empolgado com a votação para prefeito de Rondonópolis no ano passado que pretende encarar outro teste das urnas, agora para deputado estadual, em 2022. Pelo DC, ele tentou a sucessão municipal e chegou a 17.498 votos, ficando...

90 novas UTIs só neste ano em MT

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto) disse que o governo estadual tem se empenhado ao máximo na luta pelo combate ao novo coronavírus. E enfatiza que somente neste início de ano, o Estado já habilitou 90 novos leitos de UTI para atender casos graves de Covid-19. Entre janeiro e março, foram abertos...

Apelo dramático da Santa Casa de ROO

bianca talita 400 santa casa roo   A superintendente da Santa Casa de Rondonópolis, Bianca Talita (foto), fez um apelo dramático nesta terça, num grupo de WhatsApp, esperando sensibilizar o prefeito Zé do Pátio a repassar com urgência os recursos que estão repressados no Fundo Municipal de...

Emendas para todos os 24 deputados

Max 400 curtinha   O presidente da Assembleia, Max Russi (foto), em visita ao Grupo Rdnews, quando concedeu entrevista ao portal e à tv web Rdtv, defendeu as emendas impositivas, que são indicadas pelos deputados e pagas pelo governo, via orçamento. Lembra que são instrumentos importantes para fazer com que obras e...