ARTIGOS

Quarta-Feira, 14 de Julho de 2010, 08h:15 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:26

Artigo

Magistratura de MT sob suspeita

A magistratura mato-grossense sob suspeita

Adamastor Martins   Com as recentes notícias (requentadas) publicadas de que 250 juizes estaduais de Mato Grosso receberam valores indevidos e, pior, de forma secreta, põe sob suspeita de cometer ilegalidade todos esses magistrados que estariam, se confirmadas as denúncias, impedidos de exercer cargo de tão relevante importância e que requereria deles, sempre, em qualquer situação, o mais límpido e cristalino comportamento.

   Se confirmadas as notícias, o que dizer de um magistrado que aceita receber correspondência secreta com a notícia de que auferirá quantia ilegal, e, a recebe, sem dar um pio?

   No mínimo, estariam esses magistrados tatuados com a marca do oportunismo, algo inteiramente incompatível com a carreira que escolheram. Agora sim, não resta a menor dúvida de que o Judiciário de Mato Grosso deve sofrer uma grave intervenção federal. Não dá mais! Basta!

   A nossa Constituição Cidadã prevê remédios para essas graves enfermidades que, às vezes, acomete a República e não é por acaso que ela prevê os antídotos. O art. 34, III da CF, por exemplo, garante à União o poder de intervir nos Estados e Distrito Federal para pôr termo a grave comprometimento da ordem pública.

   Ora, o Estado de Mato Grosso passa por crise de autoridade sem precedentes em sua história. Os outros dois Poderes (Executivo e Legislativo) envoltos em suspeitas de toda ordem e o Judiciário, a quem caberia dar a palavra final sobre esses escândalos todos, está, igualmente, sob suspeição. Não temos outra saída, ou se decreta a intervenção ou viveremos sob a sombra da desconfiança e, assim, nos tornaremos o Estado da baderna cívica, onde tudo é permitido, permissivo, ou melhor, verdadeira “casa de tolerância”.

   A Lei Orgânica da Magistratura prevê que o magistrado deve manter conduta irrepreensível na vida pública ou privada e responderá por perdas e danos quando, no exercício de suas funções, proceder com dolo ou fraude.

   Ocorre que, nesse caso, deve-se abrir procedimento administrativo para apurar essas irregularidades e que deveria ser, ao final, julgado pelos membros do Tribunal de Justiça, que estão, também, sob suspeita de terem recebido os valores indevidos, ou mais ainda, de terem dado início a esses recebimentos. Então, como se dará o julgamento dos magistrados de primeira instância, pelos de segunda, se esses últimos também estão sob suspeição? Aí está configurada, com clareza ofuscante, a necessidade da intervenção, ao menos até que seja resolvida essa questão (de muitas outras, ao que parece).

   Com a palavra o Ministério Público e fico aqui torcendo para que esses não tenham recebido, também, nada além de viagens e carros em concursos anunciados na TV.

   Adamastor Martins de Oliveira é morador de Cuiabá

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • MARCILENE | Quinta-Feira, 22 de Julho de 2010, 22h21
    0
    0

    mAGISTÉRIO PUBLICO COISA NENHUMA, MINISTÉRIO DE BLAIRO, DE RIVA,DE PAULO PRADO, DOS POLITICOS NÃO DECENTES, HOJE QUEM PRECISA DA JUSTIÇA TÁ FERRADO AMIGO,VOLTAREMOS EM BREVE NOS TEMPOS DOS JUSTICEIROS,SE É QUE AINDA NÃO ESTAMOS.CHUPEM ESSA MANGA.

  • R. S. Maciel (Ex-Global) | Quarta-Feira, 14 de Julho de 2010, 17h18
    0
    0

    Caro Ricardo Gomes, não tenho procuração do Dr. Adamastor para defendê-lo, sou apenas um ex-empregado da empresa, mas acho que é dever de todo cidadão de bem, levar ao conhecimento público a verdade dos fatos. Quando você diz que foi feito uso do judiciário é verdade mesmo. Ocorre que todas as ações intentadas pela empresa Global no sentido de garantir os seus direitos contra os abusos econômicos de grandes empresas multinacionais foram perdidas no judiciário de Mato Grosso e é por isso que a empresa foi desativada em 2004 e muitos empregos foram fechados aqui em nosso estado por conta disso. Se ele tivesse “cumpinchas” no judiciário, como você diz, a empresa não tinha fechado e talvez estivesse lucrando milhões como vemos acontecer aí nas prestações de contas de muitos políticos hoje que multiplicam (até por 10) seus patrimônios do dia para a noite.

  • Ricardo Gomes | Quarta-Feira, 14 de Julho de 2010, 11h52
    0
    0

    Quem te conhece, que te compra caro Adamastor. Lembramos de você da época da sua empresa Global soluções, que por diversas vezes fez uso indevido do judiciário, através de seus cupinchas. Ou por acaso vc já se esqueceu disso? Nunca se esqueça do velho adágio: "Quem tem telhado de vidro não atira pedra no telhado do vizinho"....

  • ondino lima neto | Quarta-Feira, 14 de Julho de 2010, 10h28
    0
    0

    já não dá mais para falar bem do estado de mato grsosso, a coisa cheira mal em todos os poderes.

  • Luis Antonio | Quarta-Feira, 14 de Julho de 2010, 09h10
    0
    0

    vdd. hj é vergonha falar que é advogado neste Estado, onde os poderes estao contaminados, podres, fedorentos, pela corrupcao galopante. Para ficar pessimo, tem k melhorar muito. vergonha...........................................................................

  • Carlo silva | Quarta-Feira, 14 de Julho de 2010, 08h32
    0
    0

    A mgistratura matogrossense nunca gozou de credibilidade junto à opinião pública!

Do colapso a repasses regularizados

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto) disse que, antes mesmo da posse como governador e a partir do resultado do PIB-MT de 2017, apontando um crescimento de 12,5% da economia, é que resolveu mergulhar nos números da administração pública para tentar entender tamanha questão paradoxal. Questionou...

O conselheiro de pretensos candidatos

blairo maggi 400 curtinha   Blairo Maggi, que seria imbatível se concorresse à suplementar ao Senado para a vaga de Selma, se transformou num espécie de conselheiro político de vários pretensos candidatos. Entre outros, já procuraram-no para conversar sobre este pleito fora de época figuras como...

Em saia-justa sobre corte na Unemat

adriano silva 400 curtinha   A comunidade acadêmica da Unemat esperava mais do seu ex-reitor e integrante do quadro docente, professor Adriano Silva (foto). O governador Mauro conseguiu na Justiça derrubar a vinculação de repasse financeiro a Unemat, o que representa, na prática, menos recursos para a...

DEM consulta sobre regras ao Senado

julio campos 400 curtinha   Atendendo orientação da Nacional do DEM, na luta para ampliar bancada no Congresso, o diretório regional do partido vai apostar todas as fichas na disputa suplementar ao Senado. E, antes de avançar na definição de nome, o partido decidiu encaminhar consulta ao TSE para saber se...

Expediente suspenso e posse no TCE

guilherme maluf 400 curtinha   O expediente no TCE-MT será suspenso na segunda, a partir das 12 horas. É que às 15 horas acontece a sessão especial na Escola Superior de Contas, marcando a posse de Guilherme Maluf (foto) na presidência do órgão fiscalizador. O hoje presidente Domingos Neto passa ao...

Túlio, desgaste e disputa em Cáceres

tulio 400 caceres   Derrotado a deputado estadual duas vezes, a última em 2018, Túlio Fontes (foto) não sustenta mais o que declarou há três meses, quando anunciou que ficaria de fora da corrida à Prefeitura de Cáceres. Mesmo tendo abandonado o município por um bom tempo, desde quando concluiu...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.