ARTIGOS

Sexta-Feira, 08 de Janeiro de 2010, 09h:40 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Presidente argentina ignora lei, diz Mahon

   O mal estar causado pela decisão da presidente da Argentina Cristina Kirschner em exonerar sumariamente o presidente do Banco Central Martin Redrado é analisado pelo advogado mato-grossense Eduardo Mahon como algo absurdo. Na sua avaliação, a presidente passou por cima do direito constitucional de Redrado de exercer o mandato até o fim, que seria em setembro. Lembra que Cristina o demitiu simplesmente porque o presidente do BC argentino se posicionou contra a liberação de reservas públicas para pagamento de dívidas, "um plano orquestrado pelo governo em constante crise institucional", segundo enfatiza Mahon, doutorando na Universidad de Buenos Aires.

    Eis, abaixo, o que diz, em artigo,  Mahon sobre a decisão polêmica da presidente argentina

     Uma receita indigesta

  "A esposa de Kirschner, casualmente Presidente da República da Argentina, fez um desfavor ao povo argentino e, no pior do viés caudilho latino-americano, demitiu o Presidente do Banco Central por decreto. Ao contrário do sistema brasileiro, o BC está diretamente relacionado ao Poder Legislativo, tendo o presidente da instituição estabilidade no cargo até o mandato se esgotar. No caso, o atual mandatário das finanças argentinas ficaria até setembro próximo, mas foi colhido pela guilhotina presidencial, sem qualquer apoio legislativo. Aliás, sem base sólida congressual, até mesmo o Vice-Presidente da nação, faz oposição ao governo que integra.

   Diante das declarações de Martin Redrado posicionando-se contra a liberação de reservas públicas para pagamento de dívidas, um plano orquestrado pelo governo em constante crise institucional, a Presidenta da República pediu publicamente a cabeça do Presidente do Banco Central, colocando o porta-voz Ministro da Economia para fazer a pressão na opinião pública. A resposta veio a galope: Redrado declarou que não sairia do cargo e ponto final.

   Contrariada, Kirschner não mandou recado, não consultou o Congresso e nem pediu qualquer reunião extraordinária de parlamentares: assinou um decreto demitindo o Presidente do Banco Central. Este, já demitido, não saiu do serviço público e encontra-se reunido durante toda a noite com advogados e consultores. Noutras palavras – trata-se de uma crise institucional de primeira categoria. De forma covarde, enquanto o Congresso Nacional goza de recesso, o Executivo manejou a força bruta. E mais: o decreto demissionário tem nítido caráter político-partidário, dada a resistência de Redrado em satisfazer uma diretiva: afeta-se a credibilidade econômica argentina. O recado foi duplamente estúpido: despreza-se o Parlamento e ignora-se a retração de investimentos externos.

   Pior: na recente história republicana argentina, houve vários casos de demissão de executivos do BC, com pareceres favoráveis da comissão parlamentar. E, no caso específico de Redrado, anos atrás, a mesma comissão especial já havia analisado o caso e manteve-se no cargo o presidente demitido. Ou seja: para legitimar a vontade do governo, os parlamentares foram acionados e cumprida a Constituição e, do contrário, a Presidenta não podendo ser contrariada em suas caprichosas vontades pessoais, tratou de jogar no lixo a segurança jurídica nacional. Não ficou pedra sobre pedra: não há segurança política, econômica e jurídica.

   Para que a independência do Banco Central e estabilidade no cargo? Parte-se do pressuposto que a defesa da moeda e das políticas financeiras é tão importante que não deve ficar sob a direção das conveniências políticas executivas, resguardando-se a vinculação ao Poder Legislativo, permitindo a demissão do Presidente do BC somente em casos excepcionalíssimas, por meio de um procedimento previsto na legislação. Então, quer dizer que a vontade do Chefe da Nação pode se sobrepor às diretivas constitucionais? No Brasil, a discussão sobre a autonomia mixou. Por essas e outras – os presidentes não admitem ser contrariados.

   Redrado, saindo da trincheira noturna no Banco Central, anunciou na noite deste fatídico sete de janeiro que recorrerá à Justiça contra o decreto que o demitiu. O ano não começa bem na Argentina. Os Kirschner estão dando um péssimo exemplo de descrédito na democracia e fragilidade das instituições nacionais. Os caprichos governamentais devem ter limites claros nas balizas legais, mas os caudilhos acreditam que suas vontades são superiores e que as constituições são meras formalidades.

   A autonomia do Banco Central Argentino está acabada. Ainda que Redrado consiga a medida cautelar que pretende buscar na Corte Suprema, um precedente de autoritarismo já foi aberto. Como afirmado no topo do artigo, um desfavor ao povo argentino que não merece virar alvo das atenções internacionais pelos acessos de desequilíbrio de seus governantes. Eis aí uma receita infalível do bolo indigesto. Soma-se à antologia autoritária de Chavéz, Castro, Morales: gente que Lula tanto admira."

   Eduardo Mahon, advogado, é doutorando na Universidad de Buenos Aires.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Donizete F Nascimento | Sexta-Feira, 08 de Janeiro de 2010, 22h34
    0
    0

    Muy bien grabado,Maestro MAHON! Parece que nós,brasileiros, deixaremos de invejar a autonomia do BC Argentino.Pena..

  • Donizete F Nascimento | Sexta-Feira, 08 de Janeiro de 2010, 22h17
    0
    0

    Muy bien grabado,Maestro MAHON! Parece que nós,brasileiros, deixaremos de invejar a autonomia do BC Argentino.Pena..

  • Gabriela Maranhão | Sexta-Feira, 08 de Janeiro de 2010, 18h00
    0
    0

    Adaulto, querido! você é muito famoso, não? Um sucesso...

  • Deusdel Filho | Sexta-Feira, 08 de Janeiro de 2010, 15h35
    0
    0

    Ah tá Adauto, ele chegou onde chegou de graça né? O cara é inteligentíssimo, conversa com ele meia hora sobre qualquer assunto. E olha que só falei com ele em uma rápida ocasião e o cara entende do assunto a que se propõe comentar. O escritório é conceituado e aí não dá de falar que esse cara é fraco. Com todo respeito à sua opinião, viu.

  • Adalton Barbosa | Sexta-Feira, 08 de Janeiro de 2010, 14h02
    0
    0

    Esse Eduardo Mahon calado é um poeta.

Ibope mostra acirramento Abílio x EP

abilio junior 400 curtinha   O primeiro resultado da pesquisa Ibope deste segundo turno, revelado hoje pela TVCA, apontando Abílio (foto) com 48% e Emanuel com 40% das intenções de voto, empatados tecnicamente dentro da margem de erro de 4 pontos percentuais para mais ou para menos, é uma mostra do quanto está...

Ricardo atuando pela reeleição de EP

ricardo adriane 400 curtinha   O ex-vereador Ricardo Adriane (foto), um dos dirigentes do Republicanos da Capital e do quadro de assessores do presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho, está fazendo campanha pela reeleição do prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro. Numa reunião ampliada, Ricardo deixou claro que...

Única petista eleita define apoio a EP

edna sampaio 400 curtinha   Única vereadora eleita pelo PT na Capital, a professora Edna Sampaio (foto) resolveu declarar apoio à reeleição do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB). E mandou mensagens aos servidores públicos, que passarão a ter a petista como espécie de porta-voz na Câmara Municipal....

Batista agora aparece pra pedir voto

joao batista 400 curtinha   Único deputado do Pros com assento na Assembleia e presidente estadual do partido, João Batista (foto) resolveu aparecer nestas eleições em Cuiabá, mas no segundo turno. No primeiro, foi escondido pela candidata do Pros, Gisela Simona, que ficou em terceiro lugar. Nos bastidores,...

Derrotado a vereador se junta a Abílio

elias santos 400   O irmão do deputado estadual Wilson Santos, Elias Santos (foto), que concorreu a vereador por Cuiabá e só conseguiu 1.143 votos, agora faz campanha para Abílio neste segundo turno, no confronto entre o candidato do Podemos e o prefeito Emanuel. Elias estava no PSDB e correu para o DEM do governador...

Surra de votos no prefeito e no irmão

meraldo sa 400 curtinha   Na pequena Acorizal, com menos de seis mil habitantes, o ex-prefeito de dois mandatos, ex-presidente da AMM e ex-deputado estadual Meraldo Figueiredo Sá (foto) garantiu mesmo, nas urnas, o seu retorno ao cargo. Concorrendo pelo PSD e agora sem ajuda do antigo padrinho político José Riva, Meraldo...