ARTIGOS

Sábado, 28 de Novembro de 2020, 09h:43 | Atualizado: 28/11/2020, 09h:43

Luiz Henrique Lima

Primeiros passos

Divulgação

Luiz Henrique Lima - conselheiro TCE


O início de uma nova gestão no setor público é sempre acompanhado de muita expectativa. No caso de autoridades eleitas, como prefeitos e vereadores, juntamente com a euforia da vitória e a legitimidade da representação popular, existe a enorme responsabilidade de honrar a confiança recebida nas urnas e liderar o trabalho para atender as necessidades da coletividade.

Em tempos normais, já é recomendável humildade e prudência nos primeiros passos. Há que dedicar-se cuidado na formação da equipe dirigente, no estudo das condições encontradas, como compromissos financeiros, contratos, projetos e obras em diversos estágios de execução. Procurar conhecer a realidade fiscal, patrimonial e jurídico-legal; avaliar as situações mais críticas; e realizar um consistente esforço de planejamento estratégico, preferencialmente antes da posse no cargo, tudo isso faz parte do manual do gestor bem-intencionado.

Todavia, como se sabe, não vivemos tempos normais, e sim uma situação de calamidade e emergência na saúde pública, em escala sem precedentes na história brasileira. No momento em que escrevo, mais de 170 mil famílias brasileiras perderam pelo menos um ente querido em decorrência da pandemia da Covid-19. Embora o Decreto 6/2020 tenha validade até 31/12/2020, todos sabemos que, infelizmente, em 01/01/2021 a situação não estará normalizada.

Assim, são extraordinárias as circunstâncias que marcam o início da gestão de prefeitos e vereadores recém-eleitos. Nas duas principais políticas públicas sob sua responsabilidade – a educação e a saúde – os desafios são gigantescos e demandarão atenção urgente desde o primeiro dia. Na educação, a tarefa de recuperar para milhões de crianças e jovens todo um ano letivo perdido, sem aulas presenciais desde março. Na saúde, a incumbência de organizar na esfera local a logística e as operações da maior campanha de vacinação já feita, visando imunizar quase a totalidade da população o mais rapidamente possível. De igual modo, no que concerne à gestão fiscal, o cenário é crítico, pois há pouca viabilidade de aumentar a receita, após um ano com acentuada queda na atividade econômica.

Recomenda-se àqueles que estiverem concluindo seus mandatos que não sigam o péssimo exemplo do presidente estadunidense Donald Trump

Assim, não há margem para vacilos ou improvisações. Desde a oficialização dos resultados, os novos gestores e legisladores, inclusive os reeleitos, devem mergulhar no trabalho de transição com redobrada cautela, humildade e energia.

Aqui, um parêntese: recomenda-se àqueles que estiverem concluindo seus mandatos que não sigam o péssimo exemplo do presidente estadunidense Donald Trump, que durante semanas não reconheceu a vitória do seu opositor Joe Biden, tumultuando a transição entre as gestões. Nenhuma cidade brasileira merece o prejuízo que pode ser causado por um Trumpinho tupiniquim.

Como conselheiro substituto do TCE-MT, já tive a oportunidade de acompanhar diversos processos de transição de gestões, com variados resultados. Assim, sinto-me motivado a formular breves sugestões aos futuros mandatários.

Primeiro, confiem no corpo técnico da municipalidade: professores, profissionais de saúde, fiscais de tributos, procuradores, contadores, engenheiros etc. Cada um deles tem experiências acumuladas que podem auxiliar a encontrar soluções ou prevenir falhas.

Segundo: valorizem o controle interno. Como já escrevi muitas vezes, nenhum órgão é tão relevante no assessoramento direto ao gestor. O controle interno deve ser fortalecido e profissionalizado.

Terceiro: acreditem no planejamento, valorizando e observando as peças orçamentárias, o plano diretor e os planos setoriais.

Quarto: utilizem o conhecimento científico e técnico especializado a favor da gestão. Há um imenso potencial de colaboração de professores universitários, lideranças associativas e profissionais do setor privado.

Quinto: atentem para a questão previdenciária, tanto o regime próprio como o complementar.

Sexto: apoiem-se nos relatórios e decisões do Tribunal de Contas. Corrijam o que foi apontado como falha e sigam as recomendações de melhorias.

Sétimo: confiem em Deus e pratiquem o bem.

Boa sorte

 

Luiz Henrique Lima é Conselheiro Substituto do TCE-MT

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Para presidente, BRT é ultrapassado

juca 400 curtinha   Numa sintonia política com o prefeito Emanuel, o novo presidente da Câmara de Cuiabá, vereador Juca do Guaraná (foto), disse ser contra a decisão do governo estadual de "enterrar" o projeto do VLT, cujas obras estão paralisadas desde 2014, para implantar o modal BRT na Região...

Prefeito vai homenagear 2 ex-aliados

ze do patio 400 curtinha   O ex-vereador, ex-deputado estadual e hoje prefeito de Rondonópolis, Zé do Pátio (foto), que está no terceiro mandato, vai homenagear dois aliados que faleceram recentemente, sendo eles o ex-vereador de três mandatos Juary Miranda, que foi líder do Executivo na Câmara...

Maluf deve consultar STF sobre Teis

guilherme maluf 400 curtinha   Assim que retornar de férias, o presidente do Tribunal de Contas do Estado, Guilherme Maluf (foto), dará prosseguimento à análise do pedido de aposentadoria de Waldir Teis, que está afastado do Pleno há três anos e cinco meses, assim como outros três conselheiros...

Novo líder de Pátio na Câmara de ROO

reginaldo santos 400 curtinha   Reginaldo dos Santos (foto), que assume vaga na Câmara de Rondonópolis pela quarta vez, é o novo líder do prefeito Zé do Pátio, com a missão de fazer o trabalho de articulação e defesa do Executivo junto aos colegas do Legislativo. Na legislatura passada,...

Agro sugere Daniella de volta no Indea

daniella bueno 400 indea   Representantes do setor produtivo e um grupo de servidores sugeriram ao governador Mauro o nome da médica-veterinária e servidora de carreira Daniella Bueno (foto) para reassumir a presidência do Indea-MT. Aproveitaram a vulnerabilidade no cargo do presidente Marcos Catão Dornelas, denunciado...

Aumento para vereador só em 2022

Alguns vereadores em Cuiabá, tanto novatos quanto aqueles reeleitos, ficaram surpresos quando informados pela Mesa Diretora de que o aumento salarial de R$ 15,1 mil para R$ 18,9 mil, aprovado agora no final de dezembro, só começa a valer a partir de janeiro de 2022. Não entra em vigor de imediato, mesmo se tratando de nova legislatura, por causa da pandemia, que levou o governo federal a estabelecer, em lei, veto a qualquer tipo de reajuste para servidores até...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT optou pela implantação do BRT em Cuiabá-VG em detrimento do VLT. O que você acha disso?

Estou de acordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.