ARTIGOS

Segunda-Feira, 24 de Junho de 2019, 08h:35 | Atualizado: 24/06/2019, 08h:40

Eduardo Mahon

Que feio, senadora!

eduardo mahon artigo 400

Eduardo Mahon

Neste domingo, a capa da Gazeta trouxe uma conversa com a senadora por Mato Grosso, onde a parlamentar utiliza-se de termos chulos para tratar um jornalista, postura absolutamente imprópria para o cargo que ocupa. Já faz alguns anos que a grosseria foi erroneamente identificada com espontaneidade. Ser espontâneo não é ser grosseiro, contudo. Nunca foi. Aliás, falta em muita gente o que papai e mamãe chamava de “modos”: de segurar um garfo ao protocolo social, de comer com a boca fechada à execução do hino nacional.

Não quero pontificar aqui o antigo raffiné de uma elite afrancesada, onde resumia-se tudo no bom e velho savoir faire. Nem é preciso o curso da Socila para moças que não estudaram no Sion ou no Sacre Coeur e rapazes que não tiveram a sorte de cursar o Santo Inácio ou o São Bento. Nossa sociedade mudou e muito da antiga etiqueta perdeu validade. Educação sempre foi muito mais do que a mera finesse, polimento amaneirado das famílias abastadas de “França, Europa e Bahia”.

Nem tampouco quero exigir de ninguém que mande uma garrafa de vinho e um cartão de agradecimento por um convite. Seria conveniente uma visita no hospital, em casos de doença, flores pelo convalescimento, um telefonema no aniversário, para ficar no básico da elegância. Detenho-me, entretanto, em atos prosaicos da educação elementar: o indiscriminado uso do celular durante uma conversa, a falta de paciência para entrar no elevador, a postura truculenta no trânsito etc.

A pontualidade ou a falta dela é um outro exemplo do que estou querendo dizer. Falta de pontualidade é horrível. Atrasar 10 minutos é perfeitamente compreensível. Demorar 30 minutos ou mais passa recibo de que o atrasado não tem a menor educação. Não, não se trata de consideração pelo anfitrião. É de educação que estou falando. Faltar a um compromisso agendado e não avisar com antecedência, outra falta de simancol sem par. Ser mal agradecido é grave falha na educação e no caráter de alguém. Pior: tenho visto grosserias inomináveis com idosos, com professores, com garçons, com recepcionistas e atendentes em geral, uma verdadeira covardia de gente que se acha superior.

Quanto mais alto alguém chega na escala social, maior a obrigação de ser educado e não o contrário

Eduardo Mahon

Quanto mais alto alguém chega na escala social, maior a obrigação de ser educado e não o contrário. Ninguém está autorizado a dispensar a educação. Vamos parar de confundir educação com conhecimento, ok? A escola, a universidade, com todas as vantagens do convívio coletivo e das orientações de leitura, nunca vai repassar valores tão profundos quanto os exemplos emanados da família. Costumo comentar que tem gente esquecendo por completo o que os pais falaram desde a infância: respeitar os mais velhos, agradecer gentilezas, dizer muito obrigado, por favor e com licença. Não é preciso saber como descansar os talheres, em qual taça vai o vinho branco ou o tinto, onde colocar o guardanapo de pano, como comer lagosta ou escargot. Se souber, ótimo! Antes, porém, é preciso lembrar do básico. Não se pode abrir mão de um conjunto de normas para se viver em sociedade: tolerância, respeito, delicadeza são essenciais.

Lamento profundamente o episódio com a senadora mato-grossense. O jornalista tem como missão fazer perguntas, questionar a coerência da pessoa pública, sobretudo dos mandatários da vontade popular. Costuma-se pensar que as mulheres na política vão aumentar o nível do debate em razão da ontologia feminina ligada à delicadeza, outro equívoco preconceituoso. A pessoa é bem ou mal educada, independentemente do gênero. Antigamente, para admoestar o filho, bastava dizer – “que feio”. Já era o bastante para passar um carão a quem tivesse o mínimo de vergonha na cara. De vez em quando, o puxão de orelha é necessário, muito embora eu desconfie que não funcione com gente mal educada. De qualquer forma: que feio, senadora. Que feio!

Eduardo Mahon é advogado e escritor

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Abicalil renova pedido e segue na AL

carlos abicalil curtinhas   O ex-deputado federal Carlos Abicalil (foto), ex-presidente do Sintep e com histórico de várias disputas eleitorais, sem êxito nas urnas, como de governador e de senador, renovou o pedido junto ao governo para continuar em desvio de função até junho de 2020. Ao invés de...

Praças terão espaço à inclusão social

emanuel pinheiro curtinha   Merece elogios a ideia do prefeito Emanuel Pinheiro (foto) de dotar todos os parques municipais de Cuiabá de equipamentos especiais para permitir diversão, entretenimento e atividades físicas a pessoas com deficiência. Isso mostra a preocupação do gestor com a inclusão...

DEM é fraco em Cuiabá há décadas

O DEM dos irmãos Júlio e Jayme Campos e agora do governador Mauro Mendes enfrenta resistência histórica na tricentenária Cuiabá. Fundado em 1985 como PFL, que absorveu dissidentes do velho PDS, o DEM hoje não possui uma cadeira entre as 25 na Câmara Municipal. Aliás, não elege vereador há três legislaturas. A última vez que o partido tentou disputa para prefeito da Capital foi em 2000 e, curiosamente, tendo...

Nininho, falta à sessão e justificativa

O deputado Ondanir Bortolini, o Nininho, contesta informação de que teria "amarelado" ao não comparecer à sessão ordinária da Assembleia, que resultou na aprovação da mensagem do governo sobre reinstituição dos incentivos fiscais, em primeira votação, pelo placar de 15 a 7. Em verdade, o parlamentar do PSD justificou oficialmente sua ausência. Explica que foi internado e, por orientação...

Efetivados irregularmente e recebendo

darci lovato curtinha   Entre os quase 100 servidores da Assembleia que já tiveram estabilidade funcional cassada pela Justiça em 1º grau por alguma irregularidade em documentos, estão ex-secretários municipais, colunista social, ex-policiais, radialista, ex-prefeito, ex-vereador e outros que já tentaram, sem...

Governo quita toda a folha de junho

O governo estadual concluiu nesta sexta (19) o pagamento de junho dos servidores ativos, inativos e aposentados que ganham acima de R$ 7,5 mil. Para essa quitação foram necessários R$ 61,8 milhões. Com isso, liquidou totalmente a folha de junho dos cerca de 100 mil funcionários públicos, que consomem R$ 472,7 milhões. No dia 10 deste mês, o governo pagou a primeira parcela dos salários de junho, depositando até R$ 5,5...

ENQUETE

Profissionais da Educação estão em greve há mais de um mês. O que você acha disso?

estão corretos. Devem continuar

discordo. Deveriam voltar às aulas

pra mim, não faz diferença

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.