ARTIGOS

Segunda-Feira, 01 de Março de 2010, 20h:40 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:25

Artigo

Serão deuses desembargadores?

 

 

Jorge Maciel, jornalista  Como pai de três pós-adolescentes que ingressaram na universidade, e, claro, como um criador – como tantos milhões deles por aí – preocupado com o destino dos meus, aproveitei este final de semana, quando a família se reuniu novamente, irmãos, filhos, sobrinhos e amigos – para, como jornalista (sou uma referência de consulta, pois mesmo nada sabendo, sou tido como um papai-sabe-tudo) recomendar, mesmo em tom de brincadeira, aos filhos e sobrinhos para que esqueçam suas vocações e sonhos de futuro. Aconselhei para que deixem, num átimo, seus cursos e esquecessem qualquer carreira xinfrim. Recomendei-lhes para que, nessa juventude fulgaz, ingressem no Direito, única porta que lhes pode permitir a ascensão ao Olimpo, ao cimo, à magistratura “incólume, indene” ou ilesa. Esse episódio, nada incomum, em que desembargadores são acusados de cometeram uma série de deslizes, faltas, transgressões graves e assim mesmo, no limite do deboche, permanecem impermeáveis às leis, nos leva a uma reflexão obrigatória: onde pararemos? Que será da abismada sociedade?

   Os conceitos, cada vez mais invertidos, ou os princípios de justiça pingentes cairão ou continuaremos a seguir como reses desgarradas para a areia movediça do desdém, da desarrumação social? Em que acreditar, como frenar a impunidade? Como conviver com esse protecionismo elitizado, cínico, corrosivo e desmedido? Dos desembargadores, desde menino – e quero crer que seria conceito até hoje -- esperava retidão abundante, comprometimento com o melhor para todos, ações para o fortalecimento de cidadania. Afinal, pelos salários (ou subsídios) que recheiam suas contas bancárias, mês a mês, confeitados de aditivos e bonificações, sem somar auxílio moradia e outras vantagens, seria natural que nos dessem, em respeito ao que extraem dos cofres públicos, a necessária segurança e luz de farol em termos de justiça e respeito.

   Em qualquer frente do serviço público, quem pratica qualquer ato passível de punição ou advertência, é afastado a “bem do serviço público” sem direitos quaisquer. Mas aos desembargadores envolvidos aplica-se a pena da exclusão do serviço público premiada.

   Esse cenário hediondo nos dá a sólida certeza, tomando por base esses dez desembargadores e tantos mais, de que pode-se infringir, trair princípios, praticar faltas, porque estando no auge da magistratura serão inevitavelmente “condenados’ a aposentadorias compulsórias de 30,40 ou 50 mil reais/mês, e a abiscoitar, ainda, alguns cifrões por conta da ‘necessidade premente’ do auxílio moradia.

   Há uma história em que, em um congresso internacional, na formação da mesa, o cerimonialista anunciava os ministros participantes, quando, ao anunciar o ministro da Marinha boliviano, um brasileiro, com sacarsmo, questionou a um boliviano ao lado: “ministro da Marinha? Na Bolívia não há mar !”. O boliviano, plácido e irônico, justificou: “e no Brasil, não há ministro da Justiça?”.

   Pelos (maus) exemplos que a Justiça oferece à nação, não somente neste caso, mas em inúmeros registros anos afora, fico resignado, e algo me faz lembrar daquele pensamento, segundo o qual se diz que os juízes acham que são Deus e os desembargadores têm a certeza de que são.

  Eu também acho.

Jorge Maciel é jornalista em Cuiabá

Postar um novo comentário

Comentários (15)

  • André | Quarta-Feira, 03 de Março de 2010, 19h32
    0
    0

    Quais os valores que devo ensinar aos meus filhos e netos? Como vou explicar a eles que quem deveria julgar e punir os corruptos, bandidos, ladrões, assasinos, etc. usam da mesma artimanha para se dar bem? Como eu esclareço aos meus filhos e netos que a sujeira que despreende dos prédios faraônicos é apenas uma mancha que com água e sabão resolve, aliás não posso deixar de dizer aos meus filhos e netos que não se lava a honra, dignidade e ética com água e sabão apenas. É só!!!

  • Virgílio Sudré Oliveira | Quarta-Feira, 03 de Março de 2010, 16h39
    0
    0

    A Justiça tem que ser igual para todos... Infeizmente, historicamente, na prática, isso não tem funcionado. Espera-se que, agora, isso seja um começo...

  • Jota Passarinho | Quarta-Feira, 03 de Março de 2010, 16h32
    0
    0

    Realmente, Jorge Maciel, causa irritação à sociedade atitude dessa cambada, e igualmente nos aborrece a punição dada a ela. Mas o que vamos fazer??? A nós, simples mortais, resta apenas a indignação. Para que o resultado do CNJ fosse diferente, seria necessário que houvesse mudança na legislação, mas, a quem cabe essa tarefa, o Congresso Nacional...bem, esse nós conhecemos muito bem e, sabemo que não vai mover uma palha nesse sentido, até porque também é podre. Abraço.

  • Ronaldo Pacheco | Terça-Feira, 02 de Março de 2010, 13h55
    0
    0

    Caro Jorge Maciel; Sem dúvida, seu artigo é pertinente... De qualquer forma, chegou a hora de provar que todos são realmente iguais perante a lei... Forte abraço...!

  • raquel | Terça-Feira, 02 de Março de 2010, 12h17
    0
    0

    Para resumir então, Romilsom. O artigo é puro e verdadeiro !! Só isso basta

  • luiz carlos | Terça-Feira, 02 de Março de 2010, 12h15
    0
    0

    Irmão, é preciso coragem para falar sobre esses afortunados, arrogantes e metidos a deuses

  • nilson ribeiro | Terça-Feira, 02 de Março de 2010, 11h14
    0
    0

    Já vi muitos artigos, mas esse bate no ponto em que todo a sociedade matogrossense queria que alguém focase. Parabéns pao jornalista pelo artigo. É isso tudo, sem tirar nem por. Os juizes e desembargadores não são nada além de mortais, mas se acham mesmo maiores até que Deus!

  • mané | Terça-Feira, 02 de Março de 2010, 10h50
    0
    0

    Já tá na hora de estabelecer arâmetros como a eleição direta, democr´tia, ara elo menos diminuir o peculato, desvios, imoralçidade do noso jUDICIÁRIO.

  • raquel | Terça-Feira, 02 de Março de 2010, 10h47
    0
    0

    raquel, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Lena Liz | Terça-Feira, 02 de Março de 2010, 10h42
    0
    0

    Parabéns Jorge Maciel pela reportagem, você conseguiu expressão a indignação de todo povo matogrossense. Este Bando de deuses não mereciam prêmio algum, teriam que sofrer na pele as conseguências de suas ações, não é assim que ele julgam?

Com Covid-19 e frequentando a AL

paulo araujo 400   O deputado Paulo Araújo (foto), do PP, está com reinfecção pelo Covid-19 e, mesmo assim, continua frequentando o prédio da Assembleia normalmente, como se não tivesse contaminado. Na primeira vez que foi infectado pelo vírus, também fez igual. Colegas parlamentares e...

2 abstenções e briga pela 4ª Secretaria

silvio favero 400   Dois deputados se abstiveram na eleição da Mesa Diretora da Assembleia desta terça cujo votação foi secreta. Nos bastidores, os comentários são de que as abstenções foram de Sílvio Fávero (foto), que se lançou à disputa e, sequer, teve...

Petista, incoerência e voto contrário

ludio cabral 400   O petista Lúdio Cabral (foto), daqueles parlamentares do morde e assopra, na tentativa de marcar posição, expõe cada vez mais suas incoerências em votação na Assembleia. Na sessão que antecedeu a eleição para a nova Mesa Diretora, provocada pela decisão...

Projeto sobre VI na Saúde está na AL

gilberto figueiredo 400 curtinha   Já está na Assembleia, para votação dos deputados, o projeto do governo que garante retomada do pagamento da verba indenizatória aos profissionais da Saúde que atuam na linha de frente do combate à Covid-19 nas unidades hospitalares, ambulatoriais e...

2 desembargadores vão para TRE-MT

carlos alberto tj 400 curtinha   O Pleno do Tribunal de Justiça define, na quinta (25), em votação secreta e por videoconferência, dois desembargadores que comporão os quadros de comando do TRE-MT pelos próximos dois anos. O ex-presidente do TJ, Carlos Alberto Alves da Rocha (foto), é um dos inscritos...

Primeira-dama pede retorno de auxílio

marcia_pinheiro_curtinha400 Primeira-dama de Cuiabá Márcia Pinheiro (foto), em visita à sede do Rdnews e entrevista ao Rdtv, pede que a bancada federal de MT se mobilize e vote favorável ao retorno do pagamento do auxílio emergencial às famílias em situação de vulnerabilidade. Márcia...