ARTIGOS

Terça-Feira, 03 de Dezembro de 2019, 07h:00 | Atualizado: 02/12/2019, 10h:51

Otacílio Peron

Trabalho escravo

Otacilio Peron

Sempre que se ouve a constatação de trabalho escravo, logo vem à mente a escravidão, de tão triste memória, mas que já ficou para a história contar, pois, foi abolida pela Lei Áurea de 13 de maio de 1888.

Era, até então, tolerada a propriedade de uma pessoa por outra. No período colonial era considerado um “bem”, um ativo da pessoa jurídica ou física, e poderia ser negociado como uma, pasmem, mercadoria.

 Mas, como felizmente esta grave violação aos direitos humanos foi minimizada com a abolição, restou então a prática da condição análoga a de escravidão, que nos persegue até hoje, e que é reprimida pelas legislações trabalhista e penal.

 O artigo 149 do Código Penal Brasileiro preceitua – “Reduzir aquém a condição análoga a de escravidão”.

Pena: reclusão de 02 (..) a 8 (..) anos.

É importante entender o que a lei define por condição análoga a de escravidão.

Os principais elementos que caracterizam o trabalho análogo ao de escravidão são:

- Condições degradantes de trabalho, ou seja, incompatíveis com a dignidade humana;

- Trabalho forçado;

- Jornada exaustiva;

- Servidão por dívida.

O trabalho escravo não se caracteriza somente por infrações trabalhistas. Ele é um crime contra a dignidade humana.

Numa relação de trabalho, qualquer constatação de um desses elementos suso, já é suficiente para configurar trabalho escravo.

Restringir a locomoção do empregado, retendo os seus documentos, em decorrência de dívidas contraídas com o empregador ou preposto, mediante a fabricação de dívidas com alimentação, aluguel de ferramentas de trabalho, transporte e alojamento.

Esta prática era bastante comum, na abertura de fazendas, na febre da expansão agrícola, fazendo o empregado se endividar, e como a distância para chegar em algum povoado era enorme, obrigava-o a ficar trabalhando, cerceando o uso de qualquer meio de transporte, até quitar suas dívidas, mantendo vigilância ostensiva no local de trabalho.

O trabalho forçado, é aquele que o empregado é submetido a trabalho em condições de exploração, sem possibilidade de deixar o local, sob ameaça de violência física ou psicológica, principalmente quando o trabalhador se encontra em local de difícil acesso, isolado geograficamente.

A jornada exaustiva, é outro indicativo de trabalho escravo, quando coloca em risco a integridade física do trabalhador, com intervalo reduzindo entre as jornadas, impossibilitando a reposição de energia, ou desrespeitando o descanso semanal.

Esta prática de trabalho escravo rural era mais comum com homens, pois exigia força física, e por isso ocorria principalmente com homens mais jovens, e semianalfabetos.

Já no meio urbano, esta prática era menos frequente, em face da fiscalização trabalhista mais presente, mas ocorria em confecções têxteis e na construção civil.

Atualmente em raros casos é detectada esta infração com imigrantes haitianos e venezuelanos.

Com o objetivo de erradicar o trabalho escravo, o Brasil tem ampliado a fiscalização, coibindo e punindo severamente esses crimes em propriedades privadas, quer administrativamente ou economicamente, com pesadas multas.

No entanto, atualmente se observa um certo exagero por parte da fiscalização. Num determinado acampamento, por falta de saboneteira no banheiro, foi considerado trabalho escravo, o que, convenhamos, é um absurdo.

Hoje os mais visados são os grandes frigoríficos, por permitirem trabalhadores se ativarem em áreas muito insalubres, sem o uso de EPI’s correspondentes, ou por submeterem os empregados às jornadas de trabalho exaustivas.

Vale frisar que a fiscalização do uso de EPI é de responsabilidade do empregador. Não basta fornecer os equipamentos, tem que fiscalizar o seu uso.

Sentimos vergonha toda vez que nos deparemos com notícias da constatação de trabalho em condições análogo à escravidão em nosso Estado.

É preciso nos conscientizarmos de que isto denigre a imagem do nosso Estado em todos os sentidos, principalmente em termos de mercado externo.

O empresário tem que se conscientizar que não há mais espaço para se utilizar desta nefasta pratica para auferir maiores lucros.

Os tempos são outros, felizmente.

Trabalho escravo, nem pensar.

Otacílio Peron é advogado da CDL Cuiabá/FCDL. E-mail: peron.advogados@hotmail.com

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Acerto pra Pivetta se filiar ao Podemos

alvaro dias curtinha   Mais uma demonstração de que o senador Álvaro Dias (foto), líder do Podemos no Congresso, está ignorando a pré-candidatura ao Senado do seu próprio colega de partido, deputado José Medeiros. Álvaro já acertou com Pivetta apoio na disputa à...

Critério para definir candidatura em VG

fabio tardin 400 curtinha   O presidente da Câmara de Várzea Grande e filiado ao DEM, Fabinho Tardin (foto), sonha com a cadeira de prefeito, mas não tem apoio dos Campos para concorrer à sucessão municipal. Como Lucimar Campos não pode buscar o terceiro mandato seguidamente, o grupo liderado pelo senador...

Prefeito de Lacerda, projeto e derrota

alcino curtinha 400 pontes e lacerda   O prefeito de Pontes e Lacerda, Alcino Pereira Barcelos (foto), resolveu dar de ombro para a Câmara Municipal sobre um projeto de grande alcance social e perdeu feio na queda-de-braço. Contrariando a vontade do prefeito, os vereadores aprovaram a proposta, apresentada pelos colegas Pedro Vieira e...

MPE antes e depois de Maluf no TCE

jose antonio borges 400 curtinha   Antes, membros do MPE fizeram esforço para impedir a nomeação de Guilherme Maluf como conselheiro do TCE, sob argumento de que não detinha notório saber jurídico, contábil, econômico e financeiro e ainda carrega vários processos judiciais nos ombros....

Fatura por média e multa à Energisa

thiago 400 ager curtinha   Após fiscalização no 2º semestre do ano passado, a Ager-MT multou em R$ 14,4 milhões a Energisa. Descobriu-se irregularidades na área comercial da concessionária de energia. Thiago Bernardes (foto), coordenador Regulador de Energia da Agência, explica que, no trabalho...

PS-VG e revolta por falta de médicos

marcondes curtinha 400   Principal calcanhar de Aquiles do 2º maior município do Estado, que registra hoje cerca de 200 mil habitantes, o Pronto Socorro de Várzea Grande não está recebendo pacientes ortopédicos e nem ginecológicos em sua porta de entrada. É que a unidade não tem...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Sobre a senadora Selma Arruda, que teve mandato cassado por caixa 2 e abuso de poder econômico, você acha que ela foi...

ingênua

corrupta

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.