ARTIGOS

Quinta-Feira, 16 de Janeiro de 2020, 08h:57 | Atualizado: 16/01/2020, 09h:08

Emanuel Filartiga

Uma cabeça que rola por aí

Emanuel Filartiga Escalante promotor mpf

Às professoras e mestras, tia Cidinha e tia Marcinha, com carinho.

Tenho raízes que me seguem, enterram-se na terra rasa; um passado no meu presente, um sol bem quente no meu quintal. Uma delas é a Escola Estadual São Francisco, quero dizer, as pessoas daquela escola. As escolas são sobretudo gente.

Aos sete anos já me foi afincado no peito a necessidade de aprender, ensinar e conhecer com o nosso corpo inteiro

Habituado – o pra sempre aluno – a ouvir que os mecanismos da razão existem numa região separada da mente onde as emoções e sentimentos não estão autorizados a adentrar. Climatizado a ver sempre o conceito do “sujeito cerebral”, o qual dita que a identidade, a essência do ser humano está no cérebro. Diante de mim, o “ser inteligente”, mais frio e menos emotivo, de raciocínio prático, de estreiteza científica…de erros sucessivos.

Aos sete anos já me foi afincado no peito, pelas minhas primeiras professoras, depois de minha mãe - eterna professora –, a necessidade de aprender, ensinar e conhecer com o nosso corpo inteiro. Ensinaram-me a compreender a complexidade e a não linearidade do desenvolvimento educacional, rompendo com visões reducionistas que privilegiam ou a dimensão intelectual ou a dimensão emocional.

Eduardo Galeano parece comungar da pedagogia das minhas professoras, quando diz: “Os intelectuais me dão pena. Eu não sou intelectual. Os intelectuais são os que divorciam a cabeça do corpo, eu não quero ser uma cabeça que rola por aí, eu sou uma pessoa; eu acredito nessa fusão contraditória, difícil mas necessária, entre o que se sente e o que se pensa. Interessa-me o que combina o cérebro com as tripas; isso que combina tudo que somos, tudo! Sem esquecer de nada.”

Temos que raciocinar e sentir. Quando a razão se separa do coração, ou onde quer que esteja os nossos sentimentos e emoções, comece a tremer, leitor amigo.

Tive a oportunidade de estar em muitos colégios, visitei muitas salas de aula, conversei com muitos alunos, destes ouvi isto, de forma quase unânime, quando perguntei o motivo de irem à escola: “Ser alguém na vida” e “ter um futuro”. Longe de mim querer negar uma ou duas finalidades da educação, mas cada aluno já é alguém e terá um futuro, queira ou não.

Há uma tamanha desvergonha se alargando no Brasil – no mundo. Instituições, conceitos, significados estão ruindo, perdendo seus atributos ou encantos. A educação é tocada de forma impudente e imprudente; não há como negar a desesperança, o desinteresse nos corredores das escolas. Isso imobiliza e entristece

Pestalozzi, Herbart, Froebel, Anísio Teixeira, Darcy Ribeiro, Paulo Freire, entre outros, falaram dos objetivos, dos propósitos da educação. Erich Fromm aponta o meu preferido (muito explorado por Rubem Alves e Mario SérgioCortella). Dizia o homem que profundamente estudou a condição humana: “O alvo da educação – que vem a ser o alvo da vida – é trabalhar jubilosamente e encontrar a felicidade. Ter felicidade significa estar interessado na vida, é atender o apelo da vida não apenas com o cérebro, mas com toda a personalidade.”

Há uma tamanha desvergonha se alargando no Brasil – no mundo. Instituições, conceitos, significados estão ruindo, perdendo seus atributos ou encantos. A educação é tocada de forma impudente e imprudente; não há como negar a desesperança, o desinteresse nos corredores das escolas. Isso imobiliza e entristece.

A esperança é imperativo existencial e histórico. Esperança do verbo esperançar não do verbo esperar (Paulo Freire). Sim, ela não é suficiente. A tarefa do ensinante e também do aprendiz sendo prazerosa é igualmente exigente. É impossível tocar a educação sem a “coragem de querer bem, sem a valentia dos que insistem mil vezes antes de uma desistência”.

A verdade é que o ser humano é muita coisa, muito mais do que uma cabeça ambulante. Aqui, outra vez, temos com a insuficiência da razão e a necessidade da poesia. Poesia que eu ouvi de uma professora, escrita pela pena de outra professora: “Minha mãe achava estudo a coisa mais fina do mundo. Não é. A coisa mais fina do mundo é o sentimento. (Adélia Prado)

Emanuel Filartiga é promotor de Justiça em Mato Grosso. E-mail: imprensa@mpmt.mp.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Joelson e as traições política e familiar

joelson 400   Dos 23 vereadores pela Capital que vão à reeleição, o que mais deve enfrentar dificuldades para obter êxito nas urnas é o sargento Joelson (foto), que aproveitou a janela de março e trocou o PSC pelo Solidariedade. Primeiro, por causa da atuação pífia. Trata-se de um...

Calistro, dúvida à reeleição e Sumaia

sumaia leite 400 curtinha   Jânio Calistro, reeleito para o 2º mandato de vereador em 2016 e como o mais votado em Várzea Grande, com 3.658 votos pelo PSD, se mudou para o DEM dos Campos, mas ainda avalia se vai encarar o teste das urnas deste ano. Ele se mostra um tanto baqueado, após ficar preso por três meses. E...

Grupos convergem para Emanuelzinho

emanuelzinho 400   O jovem deputado federal Emanuelzinho (foto) está cada vez mais empolgado com a possibilidade de disputar a Prefeitura de Várzea Grande. Até se mudou da Capital para a cidade vizinha, onde montou apartamento no Edifício Maktub. Uma das revelações políticas do PTB, Emanuelzinho tem...

Câmara de ROO e pasta de Controle

orestes miraglia 400 curtinha   A Câmara de Rondonópolis deu de ombros para uma decisão do Tribunal de Justiça e, em primeira votação, aprovou mensagem do prefeito Zé do Pátio, criando a secretaria de Transparência Pública e Controle Interno (SETRACI) em...

Morre pai do secretário da Casa Civil

Mauro Carvalho pai   Faleceu, aos 97 anos, o pai do secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho. O empresário, que também emprestava o nome ao filho, Mauro Carvalho, foi vítima de um infarto nesta quinta (9). A informação foi confirmada pela deputada estadual Janaina Riva (MDB) que publicou nota de...

Deucimar vence Covid-19 após 20 dias

deucimar silva 400 curtinha   Após 13 dias numa unidade intensiva e mais sete se recuperando no leito de hospital, o empresário e ex-vereador pela Capital, Deucimar Silva (foto), recebeu alta médica nesta terça. Ele está curado da Covid-19. Ex-presidente da Câmara Municipal, Deucimar ficou emocionado, fez...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.