ARTIGOS

Segunda-Feira, 26 de Dezembro de 2011, 00h:00 | Atualizado: 26/12/2011, 00h:06

Artigo

Vazio na política cuiabana - parte IV

Vinicius de Carvalho   Continuo a série de artigos sobre o vazio da política em Cuiabá. Hoje quero me concentrar na dimensão socioeconômica e sua contribuição para este quadro.

   Mato Grosso foi uma das unidades da federação que mais mudou no Brasil desde 1979, quando ocorreu a última divisão territorial. Em termos demográficos, foi o Estado que mais cresceu entre os censos de 1980 e 2010, saindo de cerca de 1,138 milhões de habitantes para pouco mais de 3 milhões atuais (aumento de 166,5%). Os únicos que superaram Mato Grosso neste item foram Roraima, Amapá e Rondônia. Além de partirem de uma base populacional menor, todos eles eram territórios federais em 1980, sendo convertidos em Estados ao longo daquela década.

   Quando são observados os dados relativos ao Produto Interno Bruto (PIB), Mato Grosso mais uma vez se destacou. Foi o Estado que apresentou maior crescimento, com quase 500% em termos reais de 1980 a 2008. Vale salientar também a mudança no perfil da economia estadual, que ainda apresentava forte peso de atividades extrativistas no começo do período, como extração de madeira e garimpo, e agora avança no sentido da agroindustrialização e da integração na economia internacional.

    Quando são analisados os dados de Cuiabá, também é possível observar grandes variações. A população saiu de 212.984 em 1980 para 556.298 em 2010, de acordo com o IBGE. É um crescimento de 161%, próximo daquele apresentado pelo Estado no mesmo período. No caso de Várzea Grande, a evolução fica ainda mais acentuada. O município vizinho saltou de cerca de 75.000 habitantes em 1980 para em torno de 260.000 em 2010, numa variação de 235%. Este fenômeno acompanha uma tendência anterior, do crescimento de Cuiabá acontecer “via” Várzea Grande.

   Os dados da participação do PIB de Cuiabá no estadual também demonstram uma oscilação significativa. Esta relação saiu de 35,79% em 1996 para 17% em 2008. Ainda que possam ser feitas observações sobre os aspectos qualitativos do PIB, é notório que Cuiabá apresenta uma certa estagnação econômica em face do crescimento mais acelerado do interior. Entre 1996 e 2008, o PIB de Cuiabá variou cerca de 27%, enquanto que o estadual saltou 167%, o de Várzea Grande 188%, o de Rondonópolis 240% e o de Sinop 445% no mesmo intervalo.

   Portanto, fica claro que está acontecendo uma descentralização econômica no Estado, com o crescimento sendo puxado pelo interior. Em função disto, a dinâmica socioeconômica da região metropolitana foi alterada, com mudanças significativas em áreas como segurança pública, emprego e renda, turismo, trânsito, infraestrutura, políticas sociais, ambientais, transporte coletivo, desenvolvimento urbano, etc.

    Tais transformações trouxeram desafios para as políticas públicas nos três níveis da federação, de modo a lidar melhor com as novas demandas apresentadas. No entanto, tenho a impressão muitas vezes que a realidade sócio-econômica matogrossense mudou de forma tão acelerada que boa parte das suas elites políticas, acadêmicas e burocráticas não percebeu. Foram muitas mudanças num intervalo de tempo equivalente a uma geração (25/30 anos) e com boa parte do acréscimo populacional sendo gerado por migrantes de várias regiões do país. Em suma, somos um Estado ainda em formação.

    Para concluir, Cuiabá precisa recuperar a capacidade para enfrentar o triplo desafio que se apresenta. Liderar políticas públicas para o próprio município, para a região metropolitana e também para o conjunto interior do Estado. Estas três camadas de problemas têm se somado e chegado na arena política, contribuindo para a fraqueza cada vez maior de Cuiabá em nível estadual. Retomo o assunto na próxima semana.

    Vinicius de Carvalho Araújo é gestor governamental do Estado, mestre em História Política, professor universitário escreve neste blog toda segunda-feira - vcaraujo@terra.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Selo Amiga dos Animais pra empresas

misael galvao 400 curtinha   A Câmara de Cuiabá, sob Misael Galvão (foto), vai conceder o selo Amiga dos Animais para 20 empresas. Até o final do ano será realizada uma sessão solene para condecorar representantes dessas empresas. E também estão previstos a entrega da Ordem do Mérito...

Fecomércio vai à AL por menos ICMS

jose wenceslau 400 curtinha   O presidente da Fecomércio, José Wenceslau Souza Junior (foto), revelou nesta quarta, numa live ao RDTV, tv web do portal Rdnews, que vai procurar os deputados para reabrir o debate sobre a pesada carga tributária praticada em MT. Ele recorda que no final de 2019, o governo estadual alardeava que...

Gestores multados por irregularidades

arivaldo 400 curtinha   Dezenas de prefeitos e ex-gestores estão sendo multados por não enviar ao TCE prestação de contas periódica, informações e documentos obrigatórios, o que é considerado falha grave. Arivaldo Medeiros de Santana (foto), prefeito de São José do Povo,...

O "pai" da destruição de documentos

jose riva 400 curtinha   Na sua delação premiada, o ex-presidente da AL, José Riva (foto), acusa o presidente do TCE, Guilherme Maluf, de ter sumido com provas que incriminavam deputados quanto ao uso de suprimentos de fundos e verba indenizatória. Só que para o MPE, foi o próprio Riva quem organizou um...

DEM dividido e quase no colo de EP

emanuel pinheiro 400 curtinha   Num almoço na casa do prefeito Emanuel Pinheiro (foto), nesta quarta, lideranças da alta cúpula do DEM de Cuiabá e Várzea Grande discutiram possível apoio à reeleição do emedebista. Essa aproximação fere de morte o Palácio...

PT, ensaio e chapa branca em Tangará

welton tangar� 400 curtinha   O PT, que já teve os vice-prefeitos José Jaconias e Zé Pequeno, estuda nem disputar a eleição majoritária em Tangará da Serra. Chegou a ensaiar uma pré-candidatura, mas parou no meio do caminho. Internamente, o partido discute lançar o...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.