Blog do Romilson Cuiabá, 25 de Fevereiro DE 2021 Rdnews RDTV facebook twitter RSS

4674.png

Política

Poderes

Bastidores

Negócios

Análise

Opinião

BRASÍLIA

Bancada de MT é contra CPMF

Maioria da bancada de MT é contra volta da CPMF

Por 12/11/2010, 17h:38 - Atualizado: 26/12/2010, 12h:28

    A possibilidade da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) voltar a ser discutida pelo Congresso Nacional tem a posição contrária da maioria dos parlamentares de Mato Grosso em Brasília. A proposta vem sendo estimulada por uma parcela dos governadores eleitos, preocupados com as fontes de financiamento da saúde pública. A CPMF havia sido criada ainda no governo de Fernando Henrique Cardoso justamente com esse fim, proposta pelo então ministro da Saúde, Adib Jatene. Ela foi derrubada em 2007 pelo Congresso, na gestão Lula, cuja composição em sua maioria havia votado nela no passado.

   A cobrança da CPMF – também chamada de “imposto do cheque” – garantia uma receita anual de cerca de R$ 40 bilhões. Esses recursos nunca foram aplicados integralmente na saúde, tendo desvios para outros pagamentos no governo de FHC e muito pouco investido no governo de Lula.

   A ideia dos governadores, que parece obter a simpatia da presidente eleita Dilma Rousseff e seus aliados, é veicular totalmente a arrecadação da CPMF para financiar a saúde pública. Os parlamentares são unânimes sobre esse financiamento, mas a maioria não aprova a volta da contribuição. "Deve haver mais recursos para a saúde, mas devemos ter criatividade para buscar outras fontes e não a volta da CPMF, sem aumentar a tributação para o cidadão”, afirma o deputado Homero Pereira (PR).

   O parlamentar apresenta outras sugestões para arrecadar recursos para o setor. Uma delas é a legalização dos bingos e a destinação da tributação para a saúde. “Que seja 100%, ou 80% para a saúde e 20% para a área do esporte. Tem que legalizar. Já funciona mesmo e não podemos ser hipócritas. Outros países têm esses jogos legalizados gerando emprego e renda por meio dos jogos e do turismo”, observou.

   Outra proposta do deputado republicano é uma maior tributação sobre bebidas alcoólicas, cigarros e outros produtos prejudiciais à saúde. “É uma forma de inibir mais o consumo desses produtos e quem quiser continuar consumindo deve pagar mais e ajudar a financiar os gastos que o poder público terá com as doenças que elas provocam”, acrescentou.

   O deputado Pedro Henry (PP) também defende outra fonte de financiamento para a saúde, mas anunciou que seguirá a orientação de seu partido. “Como médico defendo que deva haver mais recursos para a saúde e a CPMF seria uma alternativa, mas como parlamentar tenho que analisar isso junto com o meu partido. Vou defender uma fonte de financiamento, mas se meu partido não concordar terei que segui-lo”, afirmou.

Thelma de Oliveira (PSDB)   A deputada Thelma de Oliveira, segundo sua assessoria, informou que também é contra a volta da CPMF. Seu partido, o PSDB, foi o principal opositor da CPMF, embora o governo dele tenha usufruído dela antes. Como a parlamentar não foi reeleita para a próxima legislatura, não participará dos debates sobre a nova contribuição. Segundo sua assessoria, entretanto, ela tem posição favorável de mais recursos para a saúde.

   O deputado Valtenir Pereira (PSB) diz não ser contra nem a favor da contribuição e sim, como os demais colegas, uma definição do financiamento da saúde pública permanente. “O que não pode é milhões de pessoas na fila de espera por um tratamento ou uma cirurgia. Não pode é ter milhares de pessoas morrendo por falta de atendimento ou por não conseguirem medicamentos”, pontuou.

   Todos os deputados e senadores, independente ou não de serem a favor da CPMF, apostam na reforma tributária, que deverá ser prioridade do Congresso Nacional em 2011, pelo menos se depender do empenho que promete o futuro governo. A regulamentação dos dispositivos da Constituição que estabelecem as atribuições de União, Estados e Municípios e o percentual de investimento de cada um no sistema de saúde, é outra expectativa.

Postar um novo comentário

NA ASSEMBLEIA

De volta pela 5ª vez nesta legislatura

Por 25/02/2021, 09h:15 - Atualizado: 01h atrás

romoaldo junior 680

Aos 60 anos, 40 deles de vida pública, Romoaldo Júnior está de volta, pela quinta vez nesta legislatura, à cadeira de deputado. Aliás, nos últimos 24 meses, ele só ficou 20 dias na reserva, mesmo derrotado nas urnas de 2018.

Postar um novo comentário

APOIOS EXTERNOS

Queda-de-braço entre deputados na eleição da Ucmmat

Por 24/02/2021, 20h:07 - Atualizado: 24/02/2021, 20h:07

bruno rios ucmmat 680

O processo eleitoral na Ucmmat, que terminou hoje com a vitória à presidência do vereador e advogado Bruno Rios (PSB), por uma diferença de 13 votos, se transformou numa queda-de-braço entre deputados estaduais e federais.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Chico Bento | Quinta-Feira, 25 de Fevereiro de 2021, 08h38
    2
    0

    Botelho, Janaina e Emanuelzinho apoiando Edcley, por isso perdeu. Logo os deputados mais malhados de MT.

PROJEÇÃO POLÍTICA

Investida no novo presidente da AL

Por 24/02/2021, 16h:25 - Atualizado: 24/02/2021, 16h:25

Rdnews/arquivo

max russi 680

Agora presidente da Assembleia, Max Russi (PSB), que se identifica como "deputado social", aos 45 anos, quer chegar a postos mais importantes na vida pública.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Bainho | Quinta-Feira, 25 de Fevereiro de 2021, 08h43
    1
    0

    Agnello, indicar para uma pessoa estudar é preconceito? Como? Aposto que vc seja de ideologias da esquerda.

  • Heleno | Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021, 19h28
    3
    4

    Primeiro tem estudar, como vai ser governador sem estudo?

CONTRATO EMERGENCIAL

Governo freta avião para transportar indígenas em MT

Por 24/02/2021, 12h:59 - Atualizado: 24/02/2021, 12h:59

indios kayapo 680

Quem pensa que índios da etnia Kayapó, na região de Colíder (Nortão), não viajam de avião está enganado. Com autorização do Ministério da Saúde, um monomotor, às custas da União, está agora à disposição dos indígenas para atender casos emergenciais de saúde.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Chico Bento | Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021, 15h34
    4
    0

    Enquanto isso o trabalhador que produz e paga impostos, tem de viajar durante mais de 24 horas num busão para se deslocar de sua cidade à Cuiabá atrás de um atendimento no hospital de Câncer, ortopedia, exames que só fazem na capital, etc.

INFRAESTRUTURA

Mais 2 mil km de concessão de rodovias

Por 23/02/2021, 14h:54 - Atualizado: 23/02/2021, 14h:55

Mayke Toscano

mauro mendes 680

O governo estadual já promoveu a concessão de quase mil km de rodovias e planeja entregar, até final do próximo ano, mais dois mil km à iniciativa privada.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Realista mais realista que o rei | Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021, 08h46
    6
    0

    "Bão demax" isso! O estado entra com a realização da obra paga com os impostos de nos contribuintes, e depois passa para alguém lucrar horrores cobrando mais uma vez desse contribuinte tão surrupiado. Brasil acorda!

  • Caio junior | Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021, 07h59
    8
    0

    REFAZENDO COMENTARIO: MAURO PEDAGIO MENDES.

  • Caio junior | Terça-Feira, 23 de Fevereiro de 2021, 16h43
    2
    0

    Caio junior, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

DIVERGÊNCIAS

Na bronca com o cacique do MDB

Por 23/02/2021, 13h:10 - Atualizado: 23/02/2021, 13h:10

juarez costa 680

As divergências entre líderes regionais do MDB não devem cessar tão cedo.

Postar um novo comentário

INíCIO
ANTERIOR
1 de 2674