Blog do Romilson Cuiabá, 25 de Fevereiro DE 2021 Rdnews RDTV facebook twitter RSS

4674.png

Política

Poderes

Bastidores

Negócios

Análise

Opinião

CONFRONTO

Briga entre Serys e Abicalil foi desastroso para PT, diz Gilney

Briga entre Serys e Abicalil foi desastroso para PT, reclama Gilney

Por 23/10/2010, 19h:09 - Atualizado: 26/12/2010, 12h:28


O ex-deputado e aposentado Gilney Viana, hoje em Brasília e militante histórico do PT, se dedica a lançar 2 livros

 O ex-deputado estadual e federal por Mato Grosso, Gilney Viana (PT), que agora reside em Brasília e coordena a área de meio ambiente do Programa de Governo da candidata Dilma Rousseff, criticou duramente seus colegas de partido, senadora Serys Marly  e deputado federal Carlos Abicalil, ambos derrotados à Câmara e ao Senado, respectivamente. Serys e Abicalil lideram duas alas antagônicas dentro do PT e a luta interna se acirrou depois que a parlamentar foi preterida na disputa à reeleição. Abicalil ganhou a vaga numa prévia marcada por polêmica, cujo resultado não foi aceito pela senadora.

   Aposentado como bancário, Gilney Viana deixou Mato Grosso e a política eleitoral. Diz que não disputa mais eleições por discordar da  “mercantilização das campanhas”. Além de participar da coordenação de Meio Ambiente da direção nacional do PT, ele se dedica a escrever livros, sendo um de poemas e outro de memórias. A temática é uma só: seus anos de prisão durante a ditadura militar (64/85).

   Sobre a briga entre Serys e Abicalil, ele sentencia: “É muito triste; é desastroso para o PT e para a maior tristeza de ambos lados. Morreram afogados e abraçados", diz o ex-deputado, numa referência à derrota nas urnas dos dois colegas. Gilney acrescenta: “Nós precisamos superar aquele tipo de enfoque que estava lá para criarmos novas forças, redimensionar, reposicionar tanto Abicalil quanto a Serys, porque todos são valiosos e não dá para continuar nesse processo de autodestruição”.

    Nesta entrevista para o RDNews em Brasília, Gilney Viana comentou ainda sobre a eleição presidencial e alerta que a disputa está “cabeça a cabeça e não chega a corpo”, numa analogia à corrida de cavalos, indicando que o adversário tucano José Serra está forte na raia do hipódromo eleitoral.

-------------------------------------------------------------

    RDNews - Por que o senhor está morando agora em Brasília?
    Gilney Viana - Agora eu estou residindo aqui. Estou me dedicando a escrever meus livros. São de memórias. Um é de poemas, o “Cartas do Cárcere”, que já está pronto para lançar. Vou lançar aqui e lá em Cuiabá também para a companheirada. Outro é o “Memorial do Cárcere”, que vai demorar ainda mais uns dois anos para ficar pronto.

   RDNews - E profissionalmente, o que está fazendo?
   Gilney Viana - Não faço nada profissionalmente. Aposentei-me e estou apenas na militância política dentro do PT. Sou da coordenação do Meio Ambiente do partido e atualmente trabalho no Plano de Governo da Dilma, especialmente nessa área do meio ambiente.

   RDNews - Tem alguma pretensão de voltar para Mato Grosso?
   Gilney Viana - Não, meu muito obrigado!

   RDNews - Sério, está de mal com o Estado? Por que se decepcionou tanto?...
   Gilney Viana - Não, não se trata de Mato Grosso. Trata-se da minha abdicação da disputa eleitoral. A luta eleitoral está muito profissionalizada, muito mercantilizada e eu sou de um tempo de militante, de voluntário, de autônomo, de gente que paga para militar e não de gente que é paga para militar. Mas não é uma característica só de Mato Grosso, quero frisar, é do Brasil. É claro que existe, tanto no PT e provavelmente em outros partidos, candidatos que não praticam ou que não estão nesse esquema, mas existe uma certa generalidade nesse fenômeno. Ademais, eu advogo dentro do PT que precisamos dar um passo atrás nisso. Não que não seja necessário dinheiro para campanha. Dizer isso é hipocrisia. Você não faz um bom programa de televisão se não tem bons profissionais, não faz uma mídia boa, enfim, é preciso dinheiro para isso. Agora, pagar cabo-eleitoral, boca-de-urna e principalmente uma relação entre candidatos que envolvem um certo rebaixamento dos compromissos... Eu estou fora disso.

  RDNews - Está acompanhando a briga interna do PT em MT, entre Serys e Abicalil? Como se posiciona a respeito?
  Gilney Viana - Acompanhei totalmente. Aquilo foi muito triste. Foi desastroso para o PT e eu já previa isso. Eu fui num encontro, onde os dois já tinham um acordo preferencial com o PMDB. E o que é mais desastroso: um acordo sobre coligação na proporcional. Eu alertei que isso seria desastroso porque não elegeria nossos candidatos. Então, aconteceu: perdemos o cargo de senador, elegemos um deputado federal, ou seja, mantivemos o número, e reduzimos nossa bancada estadual, de dois para um. E para a maior tristeza de ambos lados, aqueles que se engalfinharam numa luta suicida morreram afogados e abraçados, a Serys e o Abicalil.

   RDNews - Ainda agora a luta entre os dois continua. O ex-deputado Alexandre Cesar, aliado de Abicalil, defende a expulsão de Serys. Como vê isso?
   Gilney Viana - Olha, eu acho que ali vai ter que esperar assentar a poeira e eu tenho esperança de surgir uma nova forma de fazer política lá que não seja em função dessa briga de lideranças. Eu não desqualifico nenhum nem outro. Todo mundo sabe da minha ligação com a Serys, meu apoio a ela, mas acho que esgotou um certo tipo de contradição. Nós precisamos superar aquele tipo de enfoque que estava lá para criarmos novas forças, redimensionar, reposicionar tanto o Abicalil quanto a Serys, porque todos são valiosos e não dá para continuar nesse processo de autodestruição.

  RDNews -  E sobre a eleição presidencial, quais as chances de Dilma? Está tranquila a eleição?
  Gilney Viana - Não acho que esteja tranquila. Eu acho que é uma parada dura. Não nos enganemos com as pesquisas de opinião, porque já se mostraram falhas no primeiro turno. Se quisermos ganhar a eleição temos de ir para as ruas. Eu vou às ruas todo dia para pedir voto, e vejo que existem muitas manifestações a favor da Dilma, mas também existem muitas a favor do Serra. Então, eu acho que é como corrida de cavalo: será cabeça a cabeça, não chega a corpo.

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • leo | Segunda-Feira, 25 de Outubro de 2010, 14h33
    0
    0

    com o EGO MAIOR que o planeta terra, o abicalil entornou o caldo, e levou junto a senadora. vejamos se o pt mt aprende a lição, administra melhor o partido, e as vaidades. isto começou la atras, quando lançou-se um candidato a prefeito que é um poço de vaidades e que seja o ato final desta luta interna surda e suicida.

  • Ronei Duarte | Segunda-Feira, 25 de Outubro de 2010, 08h53
    0
    0

    Acredito que qualquer "polpuda indenização" jamais será capaz de devolver o tempo e apagar as cicatrizes psicológicas e físicas advindas das inúmeras sessões de torturas e humilhações vivenciadas por uma pessoa que passou 10 anos no cárcere por divigir ideológicamente do regime ditatorial. O fato de ser indenizado (se ocorreu e é um direito) não desqualifica a luta e o sacrifício do Gilney Viana. Aliás,foi justamente o sacrificio daqueles que lutaram pela democracia no Brasil (manejando uma caneta ou fuzil) morrendo ou sobrevivendo que nos permite ter hoje a liberdade de imprensa e poder efetuar nossos comentários neste site para o bem ou para o mal.

  • PAULO ANDRADE | Domingo, 24 de Outubro de 2010, 15h54
    0
    0

    É fato que Gilney Viana foi preso pela ditadura. É fato também que ele recebeu uma polpuda indenização em função disso. Está bem de vida...Ao contrário de milhares de corajosos que perderam a vida no combate aos milicos. Destaco aqui o massacre de Xambioá no norte goiano(hj Tocantins), no episódio denominado "guerrilha do araguaia"!!!!!

APOIOS EXTERNOS

Queda-de-braço entre deputados na eleição da Ucmmat

Por 24/02/2021, 20h:07 - Atualizado: 04h atrás

bruno rios ucmmat 680

O processo eleitoral na Ucmmat, que terminou hoje com a vitória à presidência do vereador e advogado Bruno Rios (PSB), por uma diferença de 13 votos, se transformou numa queda-de-braço entre deputados estaduais e federais.

Postar um novo comentário

PROJEÇÃO POLÍTICA

Investida no novo presidente da AL

Por 24/02/2021, 16h:25 - Atualizado: 08h atrás

Rdnews/arquivo

max russi 680

Agora presidente da Assembleia, Max Russi (PSB), que se identifica como "deputado social", aos 45 anos, quer chegar a postos mais importantes na vida pública.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Heleno | Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021, 19h28
    0
    1

    Primeiro tem estudar, como vai ser governador sem estudo?

CONTRATO EMERGENCIAL

Governo freta avião para transportar indígenas em MT

Por 24/02/2021, 12h:59 - Atualizado: 24/02/2021, 12h:59

indios kayapo 680

Quem pensa que índios da etnia Kayapó, na região de Colíder (Nortão), não viajam de avião está enganado. Com autorização do Ministério da Saúde, um monomotor, às custas da União, está agora à disposição dos indígenas para atender casos emergenciais de saúde.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Chico Bento | Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021, 15h34
    3
    0

    Enquanto isso o trabalhador que produz e paga impostos, tem de viajar durante mais de 24 horas num busão para se deslocar de sua cidade à Cuiabá atrás de um atendimento no hospital de Câncer, ortopedia, exames que só fazem na capital, etc.

INFRAESTRUTURA

Mais 2 mil km de concessão de rodovias

Por 23/02/2021, 14h:54 - Atualizado: 23/02/2021, 14h:55

Mayke Toscano

mauro mendes 680

O governo estadual já promoveu a concessão de quase mil km de rodovias e planeja entregar, até final do próximo ano, mais dois mil km à iniciativa privada.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Realista mais realista que o rei | Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021, 08h46
    6
    0

    "Bão demax" isso! O estado entra com a realização da obra paga com os impostos de nos contribuintes, e depois passa para alguém lucrar horrores cobrando mais uma vez desse contribuinte tão surrupiado. Brasil acorda!

  • Caio junior | Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021, 07h59
    8
    0

    REFAZENDO COMENTARIO: MAURO PEDAGIO MENDES.

  • Caio junior | Terça-Feira, 23 de Fevereiro de 2021, 16h43
    2
    0

    Caio junior, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

DIVERGÊNCIAS

Na bronca com o cacique do MDB

Por 23/02/2021, 13h:10 - Atualizado: 23/02/2021, 13h:10

juarez costa 680

As divergências entre líderes regionais do MDB não devem cessar tão cedo.

Postar um novo comentário

CAOS

Atoleiro na 158, a rodovia da vergonha veja

Por 22/02/2021, 21h:47 - Atualizado: 22/02/2021, 21h:48

atoleiro 680

A rodovia da vergonha, especialmente um trecho de 120 km sem asfalto da 158, entre Alô Brasil e o entroncamento com a MT-322, no Norte-Araguaia-Xingu, foi destaque hoje no Jornal Nacional.

Postar um novo comentário

Comentários (12)

  • Leverger | Quarta-Feira, 24 de Fevereiro de 2021, 15h40
    1
    0

    Onde há índios, nada pode ser feito. O MP, o CIMI, a FUNAI, as MISSÕES, as ONG'S, a Norueguesa e outros não deixam, não pode. Até a velhinha do watt sapp diz: Num vai não, pode não, vai asfaltar não.

  • Orlando | Terça-Feira, 23 de Fevereiro de 2021, 20h22
    1
    1

    Nossa, como este Chirrão é idiota! E quer aparecer. Vai ver que o Carluxo para em fardos de capim para ele postar estas idiotices. Mais um pobre de direita mais perdido que minhoca no asfalto quente.

  • Kleber Ferreira Mendes | Terça-Feira, 23 de Fevereiro de 2021, 14h28
    7
    1

    É estranho ler a reportagem e não ver que esse trecho passa dentro de uma terra indígena, e por isso não pode ser asfaltado. Infelizmente os ambientalistas, indigenistas e toda essa turminha da lacrolândia não permitirão que esse trecho seja asfaltado. E para quem não sabe, já tem projeto para contornar toda a área indígena com BR asfaltada. Só falta agora dinheiro no orçamento para tal obra.

INíCIO
ANTERIOR
1 de 2674