Blog do Romilson Cuiabá, 25 de Setembro DE 2020 Rdnews RDTV facebook twitter RSS

4674.png

Política

Poderes

Bastidores

Negócios

Análise

Opinião

EMBATE JURÍDICO

Emblemáticos Fabris, Henry e Riva lutam pela sobrevivência política

    Fernando Ordakowski

Gilmar Fabris e Pedro Henry estão barrados; José Riva pode disputar, mas corre risco de enfrenta cassação futura

    Três figuras emblemáticas na política consideradas fichas-sujas lutam de forma desesperada para se manter na vida pública. Tratam-se do deputado estadual Gilmar Fabris (DEM), do federal Pedro Henry (PP) e do ex-deputado estadual José Riva (PP). Todos enfrentam processos na Justiça. Fabris e Henry tiveram pedido de candidatura à reeleição negado, mas, mesmo assim, continuam em campanha. Riva obteve registro, mas foi cassado e desde 2003 convive com várias ações na Justiça por improbidade e que podem comprometer mais ainda o seu futuro político.

    Hoje os três estão no olho do furacão, mas até recentemente eram lideranças influentes, inclusive em outros Poderes, como no Judiciário e Executivo. Com seu estilo raivoso, explosivo e polêmico, Fabris, ex-vereador por Rondonópolis e pecuarista na região Sul do Estado, já presidiu a Assembleia (95/96) e mandava no governo nos períodos em que os irmãos Júlio e Jayme Campos comandaram o Estado. Se envolveu em escândalos. Suas campanhas a deputado são marcadas por denúncias de abuso de poder econômico e político. Na última eleição geral, o cerco se fechou para o lado de Fabris. Correligionários foram flagrados em Poxoréu num esquema de compra de votos, o que levou o TRE a cassá-lo. Ele recorreu ao TRE e se "segura" no cargo porque conseguiu uma liminar no TSE. Por conta de processos pendentes e da condenação, teve registro negado. Se reeleito, não poderá tomar posse, a não ser que consiga novamente êxito nos embates jurídicos.

   Pedro Henry é cacique político da Grande Cáceres. Está no quarto mandato. Também foi cassado, mas uma liminar o mantém no cargo. Por causa da Lei da Ficha Limpa, o deputado foi barrado. Nem parece aquele Henry líder do PP na Câmara que tinha trânsito livre no Palácio do Planalto, ao ponto de, em 2005, ter sido sondado pelo presidente Lula para comandar algum Ministério. Só não virou ministro porque o então presidente da Câmara Severino Cavalcanti se manifestou radicalmente contra. Henry investe pesado em sua campanha por novo mandato. Mas, a exemplo de Fabris, corre risco de ganhar e não poder assumir. Ele iniciou na vida pública como vice-prefeito de Cáceres, pelo PPS, em 1992. Depois foi diretor-administrativo da Sanemat. Elegeu-se deputado federal pelo PDT, em 1996. Dois anos depois foi eleito novamente à Câmara, desta vez pelo PSDB. Seu terceiro mandato veio em 2002, pelo PPB (atual PP). Mesmo enfrentando uma série de denúncias, se reelegeu com 73.312 votos.

    Ex-prefeito de Juara, Riva acumulou poder. Possuía relação estreita com todas as autoridades do Estado. Estava no quarto mandato e sua articulação forte ajudou a mantê-lo neste período de 16 anos na Assembleia sempre nos dois cargos mais importantes da Mesa Diretora, alternadamente, como presidente ou primeiro-secretário de um Legislativo que hoje recebe R$ 18 milhões mensais de duodécimo. Agora, com o mandato cassado faltando quatro meses para concluí-lo, Riva batalha para voltar e com votação expressiva, assim como a de 2006, quando superou os 80 mil votos. Se obtiver êxito, será, de novo, primeiro-secretário da Mesa. O Ministério Público tenta fechar o cerco contra o ex-parlamentar. O problema é que só pode atuar no campo jurídico. Enquanto isso, Riva caminha mais solto politicamente, se segurando no seu eleitorado.

Postar um novo comentário

Comentários (20)

  • Patty | Domingo, 19 de Setembro de 2010, 00h35
    0
    0

    Tenho motivos pra votar em quem trabalha...levanta as 5h pra começar a trabalhar ...atende todas ligações e retorna todas chamadas perdida...resolve todos problemas das pessoas q procuram seu gabinete...esse homem existe ? _ lógico e tem nome e sobrenome José Riva. amigo ...parceiro ...leal...

  • Sérgio Souto | Sábado, 18 de Setembro de 2010, 19h47
    0
    0

    O analfabetismo impede os eleitores de Riva, Henry e Fabris de entender o porque de se criar no país a qualificação de FICHA LIMPA, para merecer voto e, representar o povo. Estudem ...meninos!!!!!!

  • Antonio Carlos | Sábado, 18 de Setembro de 2010, 18h38
    0
    0

    Luta desesperada????????????????????????????????? RIVA??????????????????????? Riva luta para atender os seus eleitores, e ao povo de Mato Grosso, e os invejosos ficam criticando....vamos conversar sobre isso depois do dia 3.

CHAPA PROPORCIONAL

Ivan desiste e enfraquece DEM, que só deverá eleger um na Capital

Por 25/09/2020, 20h:15 - Atualizado: 01h atrás

ivan evangelista 680

O pecuarista Ivan Evangelista, que foi vereador por 13 anos e teve mandato cassado em 2010, jogou mesmo a toalha. Após contestar este Blog por ter revelado que ele recuaria da disputa, o ex-vereador acabou "enrolando" a cúpula do DEM até a última hora. E decidiu, enfim, não concorrer às eleições.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • joaoderondonopolis | Sexta-Feira, 25 de Setembro de 2020, 20h38
    1
    1

    Único caminho certo do DEM/Jayme e Júlio foi apoiar Leitão ao senado, pois será vitorioso. E se o DEM apoiasse Emanuel, com certeza faria de 4 a 5 vereadores. MM está afundando o DEM, até parece que após a eleição irá mudar de partido.

REFORÇO ELEITORAL

A esperança de França em 2 apoios graúdos

Por 25/09/2020, 14h:28 - Atualizado: 07h atrás

roberto franca 680

Pela primeira vez, Roberto França (Patriota) entra numa disputa eleitoral ao Executivo num cenário nem tanto favorável, como nos pleitos em que se elegeu prefeito de Cuiabá, em 1996 e 2000.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Ocuiabano | Sexta-Feira, 25 de Setembro de 2020, 16h34
    12
    3

    INFELIZMENTE COM. MAURO MENDES.....MAL. ACOMPANADO.....NÃO TEM O NOSSO VOTO.

  • Adaildo | Sexta-Feira, 25 de Setembro de 2020, 15h46
    4
    2

    A culpa do Bolsonaro não apoiar o Roberto França é da Tenente Coronel Fernanda, que rebelou e não aceitou o que o presidente Bolsonaro pediu que fizesse, isso vai custar muito caro para o Patriota e principalmente para o Roberto França! Isso só mostrou que pessoas com interesses próprios, não pensou em Cuiabá e muito menos no partido, ganância pelo poder!

CORRIDO À PREFEITURA

Pela 2ª vez, governador e vice em palanques diferentes em Lucas

Por 25/09/2020, 10h:52 - Atualizado: 25/09/2020, 10h:54

mauro mendes otaviano pivetta 680

Governador Mauro Mendes, que apoia Binotti em Lucas do Rio Verde, enquanto Otaviano Pivetta lança Miguel Vaz

Pela segunda vez, vice e governador estão em palanques diferentes nas eleições em Lucas do Rio Verde. E repetindo alguns dos personagens.

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • João da Costa Monteiro | Sexta-Feira, 25 de Setembro de 2020, 19h20
    0
    0

    Esses dois ai (Mauro Mendes e Otáviano Piveta), continuam se desentendendo em decisões politicas, tanto para Prefeito de Lucas ,quanto pata eleição ao Senado, pois o Mauro apoia o Favaro, e o Piveta apoia o Nilson Leitão. E o paú vai quebrar agora em 2020, e na proxima em 2022, aguardem.....

  • joao | Sexta-Feira, 25 de Setembro de 2020, 14h34
    2
    0

    Roberto não a lugar algum.

  • maicon douglas | Sexta-Feira, 25 de Setembro de 2020, 14h09
    2
    1

    eu não voto nem no canadidato do mauro mente e nem no candidato do pivetti por justamente por causa dos dois to fora desses dois

VAIDADES

Disputa de ego entre 2 entidades faz ministra cancelar agenda em Cuiabá

Por 24/09/2020, 16h:25 - Atualizado: 24/09/2020, 16h:29

antonio galvan normando corral

Antonio Galvan, da Associação dos Produtores de Soja, e Normando Corral, que dirige a Federação da Agricultura

Uma disputa pelo protagonista do que seria a construção de uma agenda para a ministra Tereza Cristina (Agricultura) em Cuiabá, envolvendo a Famato e Aprosoja, as duas maiores entidades do agronegócio, acabou jogando por água abaixo a tal programação.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Israel Borges | Sexta-Feira, 25 de Setembro de 2020, 07h00
    10
    3

    Antonio Galvan foi ele quem arrumou um pessoal para ficar vaindo gov mauro em sinop ... ele e disreipeitoso eos agricultores de mt nao mereçe ter um cara desse representando o nosso agro fora galvan

  • Sem terra de Poconé | Quinta-Feira, 24 de Setembro de 2020, 21h20
    17
    1

    02 pessoas que usam às instituições em benefício próprio. Normando Corral toca a FAMATO dando mordomia e beneficies a seus “amigos”, já Galvan é tido como louco é extremamente vaidoso.... O agro tá muito mal representado nesse momento...

MORTE OU VIDA POLÍTICA

A incógnita Pedro Taques

Por 24/09/2020, 11h:49 - Atualizado: 24/09/2020, 11h:54

pedro taques 680

A resposta das urnas a ser dada a Pedro Taques em 15 de novembro, como um dos 11 candidatos a senador, representará a sua morte política ou então o consagrará como aquele que conseguiu dar a volta por cima.

Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • luizitosales@gmail.com | Quinta-Feira, 24 de Setembro de 2020, 14h18
    25
    10

    Sou servidor público e tive o desprazer de participar de uma reunião com esse indivíduo quando ela estava (ainda bem) governador. Impressionante a arrogância, prepotência e falta de humildade. Se depender do meu voto, vai continuar no ostracismo político.

  • Joaquim Silva | Quinta-Feira, 24 de Setembro de 2020, 13h42
    20
    24

    Eu voto nele, um dos destaques no Congresso nacional entre 2010 a 2014. Não foi um governador eficiente, mas a eleição aqui é para Senador, cargo que ele já ocupou com tanto brilhantismo que o alçou a Governador. Perfis diferentes, não dá para confundir as atribuições de um e de outro. Ele é político do Legislativo, não executivo, igual Welington Fagundes.

  • Joaquim Silva | Quinta-Feira, 24 de Setembro de 2020, 13h42
    14
    18

    Eu voto nele, um dos destaques no Congresso nacional entre 2010 a 2014. Não foi um governador eficiente, mas a eleição aqui é para Senador, cargo que ele já ocupou com tanto brilhantismo que o alçou a Governador. Perfis diferentes, não dá para confundir as atribuições de um e de outro. Ele é político do Legislativo, não executivo, igual Welington Fagundes.

EM CUIABÁ

PSB deixa Emanuel e espera sim do Paiaguás para fechar com França

Por 24/09/2020, 09h:54 - Atualizado: 24/09/2020, 09h:57

adilson levante 680

O PSB pulou do palanque à reeleição do prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro, deixou a chapa de 38 candidatos a vereador numa saia-justa e está esperando sinalização do Palácio Paiaguás para ver se fecha mesmo aliança com Roberto França (Patriota).

Postar um novo comentário

Comentários (7)

  • Candidata | Quinta-Feira, 24 de Setembro de 2020, 20h59
    0
    0

    Nota mentirosa. PSB está firme com Emanuel. Nunca se uniria a Mauro Mendes

  • Psdbista | Quinta-Feira, 24 de Setembro de 2020, 20h59
    0
    0

    MAIOR MENTIRA DO PLANETA. RUSSI SABE QUE O DEM SAÍRA MAIS PERDIDO QUE CACHORRO QUE CAIU DE MUDANÇA E NÃO IA ESTRAGAR A CHAPA DO PSB. DIVULGUEM A VERDADE

  • Ojusticeiro | Quinta-Feira, 24 de Setembro de 2020, 15h15
    5
    0

    Na política vale tudo..... olha Máxi dando pitada na política cuiabana QUA. QUA QUA ele vai e nos eleitores não mais QUA

INíCIO
ANTERIOR
1 de 2606