Blog do Romilson Cuiabá, 14 de Agosto DE 2020 Rdnews RDTV facebook twitter RSS

4674.png

Política

Poderes

Bastidores

Negócios

Análise

Opinião

Dançar ou relaxar? Qual rasqueado você prefere?

Por 26/03/2019, 07h:20 - Atualizado: 26/03/2019, 10h:22

 
henrique maluf colunista espa�o fixo

Henrique Maluf

O rasqueado Cuiabano carrega as glórias de ser o representante da cultura mato-grossense, leva sua alegria, suas coloridas chitas, seu balanço contagiante, seus poemas de ode à nossa terra pra diversos cantos. Um verdadeiro difusor da Cuiabania.

Mas cá entre nós, será que lá em Alta Floresta, Sinop, Rondonópolis ou qualquer outra cidade que não seja da baixada cuiabana, há esse sentimento de representatividade regional que o rasqueado nos causa aqui na Capital?

Obviamente que não né, nosso Estado é grandioso, tanto territorialmente, quanto culturalmente. Sulistas, paulistas, nordestinos, pessoas de toda parte do Brasil e do mundo por essas terras firmaram suas vidas.

Mas cá entre nós, será que lá em Alta Floresta, Sinop, Rondonópolis ou qualquer outra cidade que não seja da baixada cuiabana, há esse sentimento de representatividade regional que o rasqueado nos causa aqui na Capital?

Mas sabia que existe outro tipo de rasqueado em Mato Grosso? É o rasqueado de Fronteira, esse que é entonado de uma forma bem diferente. Vamos entender as diferenças entre eles.

O gênero foi criado entre os anos 1930 e 1940, quando músicos do interior paulista, como Mário Zan, Raul Torres e Nhô Pai se aventuraram em expedições na fronteira com o Paraguai. O objetivo deles era buscar na música tradicional paraguaia uma nova roupagem para a música sertaneja que imperava no Brasil.

E acharam, pois as polcas paraguaias, guarânias e chamamés, entraram com muita força em nosso país, versões em português de canções como Noches del Paraguai, Recuerdos de Ypacaraí e Índia fizeram o maior sucesso, e logo compuseram os primeiros rasqueados brasileiros, a famosa Chalana, Siriema, Três Lagoas, Cidades de Mato Grosso.

Na sua difusão, o rasqueado navegou pelo ainda não dividido Mato Grosso, o Rio Paraguai foi sua principal via, e, em suas margens, os pantaneiros que ouviam essa novidade, então começam a tocar nas sanfonas e violões um rasqueado mais compassado, com melodias lentas e geralmente em tons menores, isso devido ao caráter harmônico desses instrumentos. Corumbá, Coxim, Cáceres e Diamantino foram as cidades onde mais se desenvolveu o rasqueado de fronteira.

Na sua difusão, o rasqueado navegou pelo ainda não dividido Mato Grosso

Com o fim da Guerra do Paraguai, os presos de guerra que estavam em Cuiabá começam a se misturar com a população local, trazendo a influência da música platina que ao se encontrar com o Cururu resulta numa levada mais rápida, com melodias curtas e velozes. No início era apenas instrumental, executado com instrumentos de sopro, pois diferente do pantanal, Cuiabá respirava ares cosmopolita, com vários músicos que chegaram por aqui na corrido do ouro.

Alguns autores dizem que o rasqueado nada mais é que a forma brasileira de tocar os ritmos platinos/paraguaios, e é realmente inegável as semelhanças, assim como são grandes as diferenças entre o rasqueado Cuiabano e o rasqueado de Fronteira.

Se despertou sua curiosidade, dá um pulo no YouTube e pesquise rasqueado de fronteira, ouça um ou dois, e depois ouça o cuiabano, um da vontade de dançar e o outro de relaxar. O que você prefere? Eu, os dois!

Henrique Maluf é músico, produtor cultural e pesquisador em Cuiabá. Escreve nesta coluna com exclusividade às terças-feiras. E-mail: herojama@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Guapo | Terça-Feira, 26 de Março de 2019, 09h37
    4
    0

    Valeu! Meu grande amigo e colega, tá mandando bem é isso mesmo, vou te mandar um outro trabalho que vai complementar essa sua pesquisa, abraços!

ELEIÇÃO SUPLEMENTAR

Sob orientação do prefeito, petebista sai de Pivetta e vai apoiar Fávaro

Por 13/08/2020, 20h:01 - Atualizado: 13/08/2020, 20h:06

misael galv�o 680

Em reunião na segunda (10), os vereadores petebistas de Cuiabá, Misael Galvão e Adevair Cabral, fecharam apoio à pré-candidatura de Carlos Fávaro (PSD) ao Senado.

Postar um novo comentário

Justiça Eleitoral

Advogado tenta participar de sessão de dentro de carro e leva bronca

Por 13/08/2020, 15h:13 - Atualizado: 13/08/2020, 16h:51

Reprodução

sessao que julgou Neri

Um advogado levou uma bronca do presidente do TRE-MT Gilberto Giraldelli nesta quinta (13).

Postar um novo comentário

RUMO AO ALENCASTRO

DEM faz sondagem para definir vice

Por 13/08/2020, 14h:26 - Atualizado: 13/08/2020, 14h:27

Rodinei Crescêncio/Rdnews/arquivo

gisela simona 680

Com a pré-candidatura de Fábio Garcia à Prefeitura de Cuiabá praticamente confirmada, os democratas já começam a pensar em um nome para vice.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Marcelo Berga | Quinta-Feira, 13 de Agosto de 2020, 17h51
    1
    0

    Melhor ser vice pq ficar sem nada.

  • Hélio Francisco da Luz | Quinta-Feira, 13 de Agosto de 2020, 15h34
    2
    2

    É evidente que ela ñ vai aceitar

  • Servidor | Quinta-Feira, 13 de Agosto de 2020, 14h46
    4
    1

    Se a colega Gisela Simona se juntar com este grupo dos massacradores de servidores públicos ela não terá voto de servidores e familiares. Eu não acredito que ela se juntará a este pessoal que só persegue e massacra servidores,.

ESTRATÉGIA

DEM libera filiados, que se dividem em 3 para Senado

Por 13/08/2020, 09h:55 - Atualizado: 13/08/2020, 09h:56

nilson leitao 680

O DEM do governador Mauro Mendes e dos irmãos Campos terá, curiosamente, três candidatos ao Senado: Carlos Fávaro (PSD), Otaviano Pivetta (PDT) e Nilson Leitão (PSDB).

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • junior | Quinta-Feira, 13 de Agosto de 2020, 10h31
    1
    7

    kkk vao juntar 3 mais o rei das confusoes das babaquices jose medeiros ainda vai dar elizeu nacimento esse defende o povo de verdade

  • Hilton | Quinta-Feira, 13 de Agosto de 2020, 10h19
    5
    9

    Podem espernear para senador é José Medeiros o resto é tudo o mesmo, interesses próprios e vaidades

DISTANCIAMENTO

A resistência de Bolsonaro sobre os Maggi

Por 12/08/2020, 17h:19 - Atualizado: 12/08/2020, 17h:19

Marcos Corrêa

bolsonaro 680

Um grupo de parlamentares, entre eles o senador Carlos Fávaro (PSD) e o federal Neri Geller (PP), estão fazendo uma força-tarefa para aproximar os primos Blairo e Eraí Maggi do presidente Bolsonaro.

Postar um novo comentário

Comentários (12)

  • Neto | Quinta-Feira, 13 de Agosto de 2020, 17h08
    3
    0

    Votamos em Bolsonaro justamente para ele não se misturar com gente desse tipo.

  • Realista | Quinta-Feira, 13 de Agosto de 2020, 12h31
    3
    1

    Nesse caso vale citar o velho ditado: "Dois bicudos não se beijam" Tudo a ver. Rsrsrs

  • Neiva Maria de Andrade | Quinta-Feira, 13 de Agosto de 2020, 09h54
    12
    4

    O bom mesmo é se aproximar do Roberto Jeffeson, Waldemar da Costa Neto e Temer né o capetão? De quem produz e gera emprego não interessa!

CHAPA AO SENADO

PP deixa Fávaro acuado

Por 12/08/2020, 07h:39 - Atualizado: 12/08/2020, 07h:39

margareth buzetti 680

O PP está temeroso em perder a primeira-suplência da chapa de Carlos Fávaro com a possível entrada de Júlio Campos.

Postar um novo comentário

Comentários (6)

  • Realista | Quinta-Feira, 13 de Agosto de 2020, 12h34
    0
    0

    Está difícil essa parada. Só tem gente por demais manjada na disputa desse pleito.

  • José Sotter | Quarta-Feira, 12 de Agosto de 2020, 22h54
    1
    3

    Ninguém tira Fávaro do Senado. Qualquer um pode ganhar as eleições, mas, não fica com o mandato. Essa cadeira é dele, mesmo perdendo. E tenho dito.

  • Edivaldo Augusto | Quarta-Feira, 12 de Agosto de 2020, 17h58
    0
    0

    Edivaldo Augusto , Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

INíCIO
ANTERIOR
1 de 2584