Blog do Romilson Cuiabá, 18 de Outubro DE 2019 Rdnews RDTV facebook twitter RSS

4674.png

Política

Poderes

Bastidores

Negócios

Análise

Opinião

O Brasil parava pra ver e o povo vestia a camisa do seu predileto

Por 02/04/2019, 07h:04 - Atualizado: 02/04/2019, 07h:23

henrique maluf colunista espa�o fixo

Henrique Maluf

Um dos eventos mais aguardados pelos brasileiros, multidões eufóricas gritavam os nomes de seus preferidos, grandes torcidas organizadas levavam faixas e cartazes. Não, não era Copa do Mundo, mas tinha um apelo tão forte quanto, eram os Festivais de Música Popular Brasileira.

Mais de 50 anos depois, nomes como Elis Regina, Raul Seixas, Clara Nunes, Jair Rodrigues e Gonzaguinha foram imortalizados e suas obras reverberam até os dias de hoje. Os que ainda estão na ativa, como Chico Buarque, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Djavan, dentre muitos outros, lotam seus shows por aqui ou em qualquer parte do mundo.

A censura foi a grande responsável pelo declínio e fim dos festivais

O primeiro festival foi realizado em abril de 1965, transmitido pela TV Excelsior. O sucesso foi tão grande que no ano seguinte a TV Record lançou sua versão e também a iniciante TV Globo. Ali era projetada a maior vitrine para cantores e compositores do Brasil.

A ditadura militar era o regime político vigente no Brasil nessa época (anos 60 e 70), e através de seu autoritarismo e repressão, mantinha o controle em vários aspectos da vida social brasileira, principalmente na área da cultura (música, teatro, cinema e literatura).

A censura foi a grande responsável pelo declínio e fim dos festivais. Inusitadamente, essa época foi primorosa na música brasileira, pois os compositores criavam letras com críticas ao sistema político através de belíssimas e curiosas metáforas poéticas, uma época de efervescência política e cultural. Logo no início do AI-5 muitos desses cantores foram presos, torturados e exilados, página infeliz da nossa história.

Nos últimos anos alguns programas surgiram na televisão brasileira, tais como o Fama da Rede Globo (de onde saiu Roberta Sá, e o pagodeiro Tiaguinho), Popstar (onde foram criados os grupos Rouge e Br’oz) e Astros do SBT. Mais atuais o The Voice e o extinto Super Star da Rede Globo. Ambos tentaram lançar artistas no mercado musical brasileiro, apesar da super exposição e fama imediata, poucos conseguiram ou conseguem se firmar no mercado e permanecer na mídia.

Aqui em Mato Grosso existem ótimos festivais também

Longe da mídia televisionada acontecem outros grandes festivais da canção pelo Brasil, como por exemplo o Festival Nacional da Canção (FENAC) de Minas Gerais, que está em sua 49° edição, e premia 230 mil reais entre os ganhadores, o sul e o sudeste são as regiões que tem mais festivais, e pode acreditar que são muitos, alguns modestos e outros grandiosos.

Aqui em Mato Grosso existem ótimos festivais também como o FESCCAM (Campo Verde), PRIMACANTA (Primavera do Leste), MUSICANTO (Sinop), FEMUSA (Sapezal), dentre outros, e que estão no circuito nacional, são mirados por cantores de todo Brasil, e têm suas vagas rapidamente preenchidas.

Nas minhas experiências em festivais pelo Estado, além de colecionar alguns troféus, criei boas amizades com cantores, interpretes, compositores, músicos de toda parte. O clima musical, de amizade e de competição dos festivais é uma emoção ímpar, vale muito a pena vivenciar essa experiência. O Festival de Primavera está com as inscrições abertas até o próximo dia 8, que tal nos encontrarmos lá?

Henrique Maluf é músico, produtor cultural e pesquisador em Cuiabá. Escreve nesta coluna com exclusividade às terças-feiras. E-mail: herojama@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Paulo Barth | Quinta-Feira, 04 de Abril de 2019, 15h14
    0
    0

    Ótimo discorrer textual, sobre os festivais tantos nacionais, quanto estaduais. De ótimo musico, para um grande colunista. Parabéns amigo Henrique Maluf!

  • Will | Terça-Feira, 02 de Abril de 2019, 10h44
    5
    0

    Um baita músico esse cara

PRÁTICAS CRIMINOSAS

Denunciado pelo MPE, promotor já é processado por desembargador

Por 17/10/2019, 20h:02 - Atualizado: 04h atrás

marcos machado 680

O próprio Ministério Público Estadual concluiu, em investigação conduzida pelo NACO, que o ex-chefe do Gaeco, promotor Marco Aurélio de Castro, expôs, de forma criminosa, o desembargador Marcos Machado, que integrou os quadros do MPE por mais de 20 anos.

Postar um novo comentário

EM POCONÉ

Prefeito e secretário são multados; auditor interno é impedido de atuar

Por 17/10/2019, 19h:13 - Atualizado: 04h atrás

tata amaral 680

Após denúncia do controlador-geral de Poconé, Ademar Vivan Júnior, o TCE detectou uma série de irregularidades na prefeitura e multou o prefeito Tatá Amaral e o seu secretário de Finanças, Acy Nunes de Siqueira.

Postar um novo comentário

PRÉ-SAL E FEX

União vai liberar R$ 2 bi ao Estado

Por 17/10/2019, 13h:05 - Atualizado: 17/10/2019, 13h:08

Tchélo Figueiredo

mauro mendes 680 governador

Após uma série de medidas amargas adotadas nos primeiros meses para tentar ajustar o caixa do Estado, o governador Mauro Mendes reune agora as condições, com ajuda do governo federal, para fechar o primeiro ano de mandato sem déficit.

Postar um novo comentário

Alencastro

Prefeito ganha camisa do Flamengo e sanciona PCCS de servidores - veja

Por 17/10/2019, 09h:55 - Atualizado: 17/10/2019, 10h:05

Davi Valle

Emanuel Pinheiro

Emanuel Pinheiro recebe a camisa do flamengo em reunião. Vereadores Adevair Cabral e Luis Cláudio acompanham

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) deve ter comemorado a vitória de virada do Flamengo sobre o Fortaleza em pleno Castelão, com a camisa 10 do rubro negro que recebeu de presente dos servidores da área administrativa após sancionar a lei complementar  número  474,  que dispõe sobre o Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS) desses profissionais. O ato foi realizado, nessa quarta (16), horas antes do jogo vencido por 2 a 1 pelo time do coração do emedebista, que segue na liderança  isolada do Brasileirão.

Postar um novo comentário

DEBANDADA

Sem poder, PSDB perde 3 prefeitos

Por 17/10/2019, 08h:30 - Atualizado: 16/10/2019, 23h:24

ederzio de jesus jangada prefeito 680

Fora do poder e puxado para baixo pelo reflexo das urnas de 2018, com a derrota de seus dois candidatos majoritários, Pedro Taques, que não se reelegeu governador, e Nilson Leitão, que também perdeu para o Senado, o PSDB começa a perder quadros.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Matheus | Quinta-Feira, 17 de Outubro de 2019, 18h58
    0
    0

    Sou morador de Jangada e conheço bem tambem os politicos de Acorizal, realmente o Marçao falou verdade: tanto o nosso Prefeito Garrincha e o Clodoaldo de Acorisal, sempre foram puxa saco da familia CAMPOS e deveriam ja' estar no DEM e nao farao falta alguma ao PSDB. Ja' vai tarde....

  • Nobrega | Quinta-Feira, 17 de Outubro de 2019, 09h57
    1
    0

    O PSDB não cai, despenca. Está tornando um partido de segundo plano.

  • Marcao | Quinta-Feira, 17 de Outubro de 2019, 09h03
    4
    1

    Esses dois Prefeito Ederzio Mendes(Jangada) e Clodoaldo Monteiro (Acorisal) nunca foram ideologicamente do PSDB, pois sao cria, calça e c...dos irmaos JULIO E JAIME CAMPOS , do DEM desde em que nasceram. Seus pais e avos eram eleitores de seo Fiote Campos.

ALTO TAQUARI

Prefeito recorre e reassume cargo

Por 16/10/2019, 23h:26 - Atualizado: 05h atrás

prefeito fabio garbugio alto taquari 680

O desembargador Márcio Vidal concedeu nesta quarta, em parte, o pedido de efeito suspensivo, assegurando retorno ao cargo do prefeito de Alto Taquari, Fábio Mauri Garbúgio (PTB).

Postar um novo comentário

INíCIO
ANTERIOR
1 de 2436