Blog do Romilson Cuiabá, 25 de Junho DE 2019 Rdnews RDTV facebook twitter RSS

4674.png

Política

Poderes

Bastidores

Negócios

Análise

Opinião

Rastreabilidade ambiental

Por 23/05/2019, 07h:54 - Atualizado: 23/05/2019, 08h:00

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

 

A maioria dos cidadãos matogrossenses estão conscientes que a sustentabilidade ambiental passou a fazer parte da matriz econômica que sustenta o desenvolvimento econômico do Estado. A base de nossa economia é produção de alimentos e fibras. Líderes políticos que ignorarem tais fatores poderão frear o progresso econômico do Estado e perenizar o subdesenvolvimento de nossa economia. Estrategistas de negócios e empreendedores que não levarem em consideração este ativo intangível, a sustentabilidade ambiental e responsabilidade social, poderão conduzir seus negócios ao fracasso, por desprezarem o pensamento prevalecente no mundo atual.

Estrategistas de negócios e empreendedores que não levarem em consideração este ativo intangível, a sustentabilidade ambiental e responsabilidade social, poderão conduzir seus negócios ao fracasso, por desprezarem o pensamento prevalecente no mundo atual

Economistas e especialistas em análise de macrotendências indicam que na medida em que são disponibilizadas para a população mundial maior quantidade e qualidade de informações sobre estas questões, mais se consolida o convencimento de que a preservação das boas condições do planeta depende de atitudes e ações cotidianas de todos os seus habitantes-consumidores.

Essas atitudes incluem, naturalmente, os hábitos de consumo das sociedades, com reflexos diretos na industrialização e comercialização de mercadorias e serviços no mercado mundial. O consumidor da Dinamarca, Alemanha ou Noruega vai exigir informações de fontes confiáveis que o tranquilizem que o sapato que ele está adquirindo numa loja de seu país não derivou do couro de um animal criado em pastagens que prejudicaram o meio ambiente. Da mesma forma, a consumidora de uma loja luxuosa de Londres vai querer saber se o algodão do tecido não utilizou fertilizantes ou herbicidas nocivos ao meio ambiente. Ou fez uso de trabalho infantil em seu processo de produção. O designer de interiores de Milão, na Itália, não vai recomendar ao seu cliente, móveis que tenham utilizado madeira de desmatamento degradante da floresta amazônica. É muito provável que a exigente consumidora de cosméticos vendidos na 5ª. Avenida de Nova York vá exigir que a lecitina de soja contida em seu batom de grife não tenha vindo de plantio de soja cujo cultivo possa ter degradado o cerrado ou nascentes de rios que formam o pantanal de Mato Grosso. Enfim, o que no passado eram atitudes exóticas ou coisas de “ecochatos”, passam a ser exigência corriqueira de todos os consumidores.

Torna-se vital que empresas fiquem antenadas às megatendências mundiais nos aspectos do consumo, tecnológico, econômico e ambiental, sob o risco de serem sugadas pela tsunâmica onda verde planetária

Assim, os consumidores farão, sob a forma de ações cotidianas espontâneas, a rastreabilidade ambiental de toda a cadeia produtiva do que consome, com o propósito de contribuir para melhorar as condições de vida do nosso planeta. Cada vez mais as empresas serão cobradas por seus clientes a disponibilizar, em alguns casos em tempo real, informações relevantes da cadeia produtiva de sua mercadoria ou serviço. A constante e persistente luta pela preservação da boa qualidade de vida na terra está deixando de ser algo restrito a militantes ambientais sectários e barulhentos, ONG’s, universidades, instituições de pesquisas científicas e passa a ser prática cotidiana dos consumidores.

E, como o mundo dos negócios já sabe, mudanças de hábitos de consumo afetam drasticamente o faturamento e a sobrevivência das empresas. Torna-se, portanto, vital que estas fiquem antenadas às megatendências mundiais nos aspectos do consumo, tecnológico, econômico e ambiental, sob o risco de serem sugadas pela tsunâmica onda verde planetária.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Hugo werle | Quinta-Feira, 23 de Maio de 2019, 11h36
    1
    0

    Parabéns pelo texto. Muito bom. O tema pode ter a discussao ampliada, apontando quais efetivamente poderiam ser os cuidados a serem tomados.

TAXAS

OSCIP terá de devolver R$ 1,9 mi superfaturado e perde 10 contratos

Por 25/06/2019, 19h:04 - Atualizado: 01h atrás

joao batista tce 680

 

O TCE-MT está acabando com a farra das OSCIPs, que têm faturado alto diversas prefeituras usando o trunfo de parcerias para cobrar taxas administrativas com valores elevados.

Postar um novo comentário

PROTELAÇÃO

Por que o TRE veloz na cassação de Selma agora não julga embargos?

Por 25/06/2019, 14h:13 - Atualizado: 06h atrás

Geraldo Magela

selma arruda tre 680

 

Pergunta que não quer calar:

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Joaquim Nabuco Miranda de Carvalho | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 16h22
    4
    3

    Doutora Selma foi uma decepção. Deveria pedir pra sair e abandonar a vida pública.

  • mauricio souza | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 16h21
    4
    1

    Gostei da definição: tartaruga com câimbra. Bem isso. kkkk

  • A. Carlos | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 14h42
    6
    0

    Com a palavra, o TRE-MT.

CARGO FEDERAL

Ex-secretário assume o Ibama-MT

Por 25/06/2019, 09h:30 - Atualizado: 25/06/2019, 00h:24

gibson costa junior 680 ibama tenente-coronel

 

O tenente-coronel PM Gibson Almeida Costa Júnior, que comandou a Sema por alguns dias no final do ano passado, é o novo superintendente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • jose carlos dos santos | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 11h52
    2
    1

    exponencial de alta capacidade técnica e de operacionalização. Ótima escolha.

  • Tukinha Netto de Cuiabá-MT | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 11h37
    2
    1

    parabéns pela escolha . É operacional tem estudo e técnico tem visão e desejo de mudança em todas as áreas que passou deixou portas abertas . Muito feliz por mais este amigo do bem , sempre bem . Eu Sou Tukinha Netto De Cuiabá-MT

  • José Carlos | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 10h09
    4
    1

    Ganham o Ibama, o Meio Ambiente, Mato Grosso e servidores. Parabéns Presidente E Ministro, ótima escolha, pessoa séria, competente e comprometida com servir o público.

  • Malu Mendes Silva | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 09h50
    5
    1

    Time bom, é time que prospera!

QUEDA-DE-BRAÇO

Todos perdem no duelo grevistas inoportunos x governo turrão

Por 24/06/2019, 23h:02 - Atualizado: 24/06/2019, 23h:10

greve 680

Profissionais da Educação, em assembleia-geral nesta segunda, quando decidiram pela continuidade da greve

De um lado, o Sintep, empurrando os educadores para uma greve num momento inoportuno e que completa um mês na próxima quinta, dia 27. De outro, o governador Mauro Mendes turrão, não dando trégua e nem abertura para negociação.

Postar um novo comentário

Comentários (8)

  • claudir | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 10h00
    4
    0

    Vazam desses sindicatos pelegos, procurem sua sombra, tem tantas opções por aí, esqueçam o governo, deixa o contratador procurar profissionais para propostas condizentes com a classe. Enquanto tiver esse monte de gente aí se oferecendo para trabalhar, não vai mudar, é a lei da concorrência, diminua a oferta que aumenta a procura, simples de resolver, procurem suas sombras e saem dessa humilhação aí, vocês tão fazendo o jogo do sindicato, não funciona mais, sindicato é entidade vencida, obsoleto, inútil, não devolve o custo, lixo.... saiam disso...

  • alexandre | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 09h27
    2
    0

    não tem dinheiro, não tem limite da LRF, pode fazer 100 anos de greve..

  • Roberto | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 07h42
    4
    5

    Como você bem disse Romilson, os profissionais estão sendo ignorados pelo Governador. Quem sabe, quando a Educação for prioridade neste governo, as coisas mudam!!!

  • gilton | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 06h59
    4
    1

    Ontem o STF em liminar deferiu o pedido do Estado, pra vir mais recurso porem, o Mauro Mendes vai usar o mesmo discurso de que está no limite responsabilidade fiscal, Ou seja, ora MM FALA QUE NÃO TEM RECURSO E QUANDO TEM USA A LEIS DE RESPONSABILIDADE FISCAL PRA NÃO CONCEDER OS REAJUSTO. MM é falastrão mesmo, é só blablabla.

  • Milena | Terça-Feira, 25 de Junho de 2019, 01h59
    6
    2

    Greve é uma resposta a esse" governo de mentiras".

  • Francisco de Assis | Segunda-Feira, 24 de Junho de 2019, 23h59
    13
    7

    Chega de greve. Vamos trabalhar, gente.

  • Fernando J. Mendonça | Segunda-Feira, 24 de Junho de 2019, 23h58
    13
    3

    Enquanto os professores continuarem sendo massa de manobra do Sintep, estaremos ferrados. O Sintep partidariza a discussão e aí o movimento perde força.

  • Glauber | Segunda-Feira, 24 de Junho de 2019, 23h41
    10
    12

    Inoportuno nada, temos as piores Cony de trabalho do estado, o pior salário. E temos nosso reajuste retirado de dorma ilegal. Enquanto temos a farra das renúncias fiscais. Mauzinho mentes só enchendo o bolso dos grandes empresários e agricultores.

NOS TRIBUNAIS

Delator vai enfrentar "enxurrada" de ações; Taques e Brustolin, primeiros

paulo brustolin 680

 

Apontado como um dos líderes de um esquema criminoso que desviou milhões dos cofres da Educação do Estado, o empresário Alan Malouf passa a enfrentar os tribunais ainda como réu, mas em ações movidas por suas vítimas.

Postar um novo comentário

CÁCERES E O FIPE-2019

Baixa do rio pode complicar largada das embarcações motorizadas

Por 24/06/2019, 10h:03 - Atualizado: 24/06/2019, 10h:21

junior trindade 680

 

A jogada estratégica do secretário de Turismo e Cultura de Cáceres, Júnior César Trindade, de transferir a edição do FIPE-2019 de maio ou junho para o período de 10 a 14 de julho, inicialmente para resolver um problema, que seria ter mais tempo para conseguir recursos, está correndo risco de arrumar um outro.

Postar um novo comentário

INíCIO
ANTERIOR
1 de 2381