Cidades

Terça-Feira, 15 de Outubro de 2019, 15h:50 | Atualizado: 15/10/2019, 19h:11

AUDIÊNCIA PÚBLICA

80% da tarifa vai para o setor elétrico e governo, reclama presidente da Energisa

Rodinei Crescêncio

 Riberto José Barbanera

Presidente Riberto José Barbanera ressalta que a tarifa de MT é a 23ª mais cara do Brasil

O presidente da Energisa Mato Grosso, Riberto José Barbanera, relativizou o valor pago pelos consumidores de energia elétrica no Estado. Barbanera pondeta que os mato-grossenses pagam “apenas” a 23ª tarifa mais cara do país e que a maior parte do valor fica com o setor elétrico e com o governo, e não com a empresa distribuidora de energia

"A gente tem um problema estrutural na tarifa de energia elétrica. Compete à distribuidora melhorar o trabalho dela, e muito, naquela parcela que fica com ela. Mas a grande maioria, 80% do que você paga na tarifa hoje, vai para o setor elétrico e para o governo", reclama.

A fala foi feita em apresentação durante a audiência pública realizada na Assembleia nesta terça (15) para discutir a tarifa do setor no Estado. Mais cedo, o presidente da Energisa havia trocado farpas com o presidente do Legislativo, deputado Eduardo Botelho (DEM).

Barbanera separou a conta paga à “parcela A”, que é formada pelas empresas geradoras e transmissoras de energia e da “parcela B”, que é a distribuidora.

Reprodução

ilustra��o sobre a tarifa de energia el�trica

ilustração sobre tarifa de energia elétrica foi apresentada pelo presidente da Energisa

Entre impostos recolhidos pela empresa, o presidente da Energisa citou o pagamento de PIS/Cofins ao governo Federal, ICMS ao governo do Estado e também a Contribuição para Iluminação Pública (CIP), que repassada pela empresa aos municípios. Ele lembra que, apesar de produzir energia por meio de hidrelétricas, Mato Grosso exporta boa parte de sua produção e os consumidores pagam pelo custo com as termoelétricas, que têm energia mais cara.

Barbanera também elenca que encargos setoriais - como Conta de Desenvolvimento Enérgico (CDE), Programa de Incentivo a Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa), Compensação Financeira pela Utilização de Recursos Hídricos (Cfurh), Encargos de Serviços do Sistema (ESS) e de Energia de Reserva (EER), Taxa de Fiscalização dos Serviços de Energia Elétrica (TFSEE), Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), Programa de Eficiência Energética (PEE) e ainda a contribuição ao Operador Nacional do Sistema (ONS) - não ficam com a empresa.

Ainda segundo o presidente da concessionária, subsídios para consumidores de baixa renda, para geradores e consumidores de fonte incentivada, energia rural e ainda para concessionárias de água-esgoto-saneamento também pesam na conta.

Na discriminação feita pela empresa nas cobranças enviadas mensalmente aos consumidores, 20,75% dos valores pagos ficam com a Energisa. Barbanera destacou que a compra de energia é responsável por 36,32%, o serviço de transmissão por 1,66%, os encargos setoriais, 7% e ainda impostos diretos e encargos, 34%. A bandeira pela faixa de consumo na qual cada consumidor é enquadrado, que tende a ser alterada com o aumento do consumo no verão, também foi incluída pelo representante da Energisa.

Apesar do “mea culpa” da empresa pela falta de clareza nas informações que chegam à população, o presidente da Energisa deixou a tribuna da Assembleia antes do final de sua apresentação sob vaias e gritos de “fora Energisa!”.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • joaoderondonopolis | Terça-Feira, 15 de Outubro de 2019, 16h13
    3
    1

    Esta CPI não vai dar em nada. O correto seria contratar uma equipe de Tributaristas para analisar os 30 aumentos da tarifa em MT. Se todos os aumentos foram corretos em cima dos consumidores. Tudo combinado.

2 suplentes já estreiam em Cuiabá

alex rodrigues 400   Com menos de quatro meses de mandato, dois dos 25 vereadores cuiabanos reeleitos no ano passado já pediram licença para abrir espaço a suplentes. Diego Guimarães (Cidadania) se afastou por 30 dias. Em sua cadeira está Maysa Leão, do mesmo partido. Marcrean Santos (PP) pediu afastamento...

Governista 2 e o desafio da reeleição

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto), que conseguiu retornar à Assembleia "sangrando" nas urnas de 2018, impactado pelo desgaste pela defesa intransigente do Governo Pedro Taques, se prepara para atravessar outro purgatório no próximo ano, em busca de mais um mandato. O deputado tucano carrega desgaste...

Nobres chora a morte de ex-prefeito

flavio dalmolin 400   A pequena e turística Nobres, de 16 mil habitantes, parou neste Feriado de Tiradentes em comoção pela morte, por Covid-19, do ex-prefeito Flávio Dalmolin (foto). Um cortejo percorreu ruas e avenidas, parou em frente ao estádio municipal Balizão e à prefeitura, onde...

Derrotado ensaia disputa ao Governo

reinaldo morais 400 curtinha   O empresário Reinaldo Morais (foto), o rei dos porcos, está disposto a gastar mais uns milhões com nova candidatura majoritária, agora para governador. No ano passado, concorreu ao Senado e obteve votação decepcionante. Foi o penúltimo colocado numa corrida com 11...

Sicredi recua de comprar praça pública

enilson rios 400 prefeito araputanga   A diretoria do Sicredi nem esperou ser votado na Câmara Municipal o polêmico projeto sobre negociação de uma praça pública no centro de Araputanga para cancelar o negócio. A cooperativa havia "amarrado" entendimento com o prefeito Enilson de Araújo...

Sessão, voto e namoro com cantora

ulysses moraes 400   Na sessão virtual da Assembleia desta segunda, o deputado Ulysses Moraes (foto), do PSL, estava demorando para computar o voto na apreciação de um veto do governador. O presidente Max Russi (PSB), então, cobrou agilidade do colega e brincou, dizendo que agora ele só tem olhos para a Maraisa....