Cidades

Segunda-Feira, 07 de Outubro de 2019, 11h:35 | Atualizado: 07/10/2019, 15h:26

DEU NA FOLHA

UFMT sobe 18 posições no ranking das melhores do país mas está "no vermelho"

Reprodução

UFMT

Entrada da UFMT, maior referência de Mato Grosso em ensino superior

Desde 2012, a UFMT subiu 18 posições na classificação das melhores universidades do país, segundo Ranking Universitário Folha (RUF), organizado pela Folha de S. Paulo. Em contrapartida, o jornal mostra que a instituição está no vermelho, após o contingenciamento de gastos dado pelo Ministério da Educação (MEC). A reportagem foi publicada no impresso que circula nesta segunda (7).

Clique aqui para ler a reportagem.

Segundo a matéria, a UFMT tem uma nota de 73,95 – o máximo é 100 – e ocupa a 33º posição no ranking geral. Em 2018, estava na 34º. Na primeira edição da pesquisa, em 2012, ocupava o 51º lugar. A universidade foi bem avaliada por donos de empresa, que preferem contratar alunos formados pela UFMT, e ficou na 33º lugar no quesito mercado.

No 39º lugar, o quesito ensino também foi bem avaliado ao levar em conta a opinião de professores do ensino superior pelo país e a nota de ENADE, além de considerar o percentual de professores com doutorado e mestrado e regime de dedicação – se parcial ou integral.

A UFMT subiu ainda cinco posições e ficou na 93º lugar no quesito Inovação por conseguir registrar mais patentes e fazer mais parcerias com empresas. Em produção científica, a instituição se manteve na mesma posição, em 43º lugar. Enquanto caiu de 63º para 71º lugar na internacionalização, ou seja, nas citações em estudos internacionais das pesquisas publicadas pelos cientistas da universidade.

Universidade no vermelho

A reportagem destaca também o contingenciamento de gastos em todas as universidades e institutos federais, em abril, e que deixou a UFMT com dificuldades financeiras. Na ocasião, R$ 34 milhões foram congelados pelo MEC. O montante equivale a 30% do orçamento da instituição de 2019.

O jornal destaca que a UFMT parou de adquirir equipamentos e professores têm que arcar com recursos próprios insumos para laboratórios. Docentes denunciam também a falta de estrutura básica para trabalhar. O cenário se torna mais calamitoso depois que o Governo Federal cortou bolsas de iniciação científica, como parte do enxugamento de suas contas.

Por conta da falta de dinheiro, a UFMT não conseguiu pagar a energia elétrica de julho e os cinco campi da universidade ficaram sete horas sem luz. O débito era de R$ 1,5 milhão mais uma parcela de R$ 300 mil referente a uma dívida de R$ 5 milhões com a Energisa. Após a repercussão do fato em todo o Brasil, o ministro Abraham Weintraub acusou a reitora Myrian Serra de “má gestão”.

Em setembro, no início das férias dos estudantes, a UFMT anunciou racionamento de energia elétrica, readequação do contrato de terceirizados e até a diminuição de ônibus para aulas de campo. As "medidas emergenciais" foram à forma que Myrian viu para manter o funcionamento da universidade. Segundo a gestora, o aperto de cinto poderia resultar em uma economia de até R$ 3,5 milhões.

O MEC anunciou, no fim do mês passado, o descongelamento de parte dos recursos. Em nota, a UFMT informou que recebeu R$ 15,9 milhões e que conseguirá pagar as contas dos meses de setembro e outubro. O valor representa 15% do orçamento que estava contingenciados desde abril, e outros 15% no valor de R$ 18 milhões ainda permanecem congelados.

Mesmo com a liberação de parte dos recursos, a UFMT avalia que a medida não é suficiente para o pagamento de despesas de custeio da universidade. "O descontingenciamento parcial não garante o funcionamento integral da UFMT até o final do ano. Para completar o ano, a universidade precisa da liberação de 100% do orçamento previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA)", informa em nota.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Benedita da Silva | Segunda-Feira, 07 de Outubro de 2019, 17h48
    1
    0

    Viva a balburdia, a liberdade de pensamento, a casa das idéias, as universidades públicas mostrando a diferença que fazem, e a todos que aqui desancaram a UFMT, a reitora comunista, a falta de gestão, a má gestão, etc, o agradecimento dos que nela acreditam. Se você acha que foi pouco, este esforço para melhorar sua posição no ranking, saiba que os professores e funcionários, já trabalham com cortes de verbas tem tempo. A cachorrada late e a UFMT segue em frente.

  • alexandre | Segunda-Feira, 07 de Outubro de 2019, 15h36
    2
    2

    93 lugar ? 71 lugar ?isso é muito longe em 27 estados..

  • Maria do Socorro | Segunda-Feira, 07 de Outubro de 2019, 11h51
    6
    2

    Orgulho dessa Balbúrdia!

Matéria(s) relacionada(s):

Vereadores, Tapurah, reajuste e férias

odair tapurah vereador curtinha 400   Em Tapurah, no Nortão, com menos de 15 mil habitantes, seus nove vereadores iniciam o 2020 com salário reajustado em 4,48%, seguindo a tabela do INPC. Mesmo ainda em férias, eles vão receber já na folha de janeiro R$ 5,8 mil cada. No caso do presidente Odair César Nunes...

Vereador, reunião e apoio a músicos

diego guimaraes curtinha 400   Músicos e representantes da Prefeitura de Cuiabá sentaram à mesa nesta quinta, na Câmara Municipal, para tentar resolver impasse sobre horário de funcionamento e volume do som nos estabelecimentos e também estudar ajustes na lei do Disk-Silêncio. O presidente da...

Antes, durante e depois de Bolsonaro

wilson kero-kero 400 curtinha   O vereador pela Capital, Wilson Kero-Kero (foto), que era do SD e se filiou ao PSL em 2015, muito antes da chegada do hoje presidente Bolsonaro, vai aproveitar a janela de março e pular para o Podemos. Isso não quer dizer que ele deixará de defender o governo do capitão. Assegura que...

Entrevistando uma aliada vitimizada

dito lucas 400 curtinha   Selma Arruda aceitou gravar entrevista para o programa Roda de Conversa, apresentado por Dito Lucas (foto) e que estreia hoje à noite, na TV Gazeta de Cuiabá, desde que fosse em sua casa, em Chapada dos Guimarães. E assim foi feito. A senadora cassada ficou bem à vontade para falar o que quis....

Redes expõem 2 senadores cassados

jose medeiros 400 curtinha   Acostumado a entrar em polêmicas, o deputado direitista e antipetista José Medeiros (foto), então suplente de Taques e que se tornou senador por quatro anos, entre 2015 e 2018, se transformou em saco de pancada depois das notícias de bastidores de que deverá ser candidato ao Senado, na...

Correção de distorções nos incentivos

silval curtinha 400   Ao enfatizar que jamais defendeu que a população passe a comprar produtos no comércio eletrônico de outros Estados, desmentindo alguns empresários que estão espalhando fake news, Mauro Mendes destaca que foi necessário corrigir distorções da política de...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O governador Mauro Mendes acaba de encerrar o 1º dos quatro anos de mandato. Na sua opinião, como está indo a administração?

ótima

boa

regular

ruim

péssima

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.