Cidades

Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 14h:39 | Atualizado: 12/11/2019, 14h:49

Estudantes na Bolívia precisam pagar até R$ 5 mil para voltar ao Brasil, afirma mãe

Reprodução

Edineia Estev�o de Almeida e o filho  Matheus Neto

Edineia Estevão e o filho Matheus Neto, que estuda na Bolívia

Para conseguirem deixar a Bolívia, estudantes mato-grossenses, que ficaram impedidos de deixar o país após o início dos protestos coordenados por opositores ao ex-presidente Evo Morales, que renunciou ao mandato domingo (10), precisam pagar cerca até 1.350 doláres, equivalente a R$ 5 mil, para conseguir retornar ao Brasil em táxi-aéreos bolivianos. Os interessados precisam formar grupos de até cinco pessoas para conseguirem dividir a taxa.  

Desde o início dos protestos em dia 20 de outubro, dia seguinte às eleições, que reelegeram Evo Morales como presidente do país, os universitários que se mudaram para o país para cursar Medicina nas faculdades bolivianas enfrentam problemas como aulas suspensas e alimentos cada vez mais caros. 

O filho de Edineia Estevão de Almeida, de 44 anos, vive na Bolívia há dois anos, onde estuda Medicina na Universidade de Aquino Bolívia (Udabol) e não conseguiu deixar o país. Edineia explicou que os valores dos aviões fretados são extremamente altos e impossibilitam a partida, que, feita por vias terrestres, custaria no máximo R$ 150 até Cáceres, onde a família vive. 

As estradas da Bolívia foram tomadas por manifestantes, que cobram pedágio a cada trecho, as barreiras também impedem que veículos deixem o país. Cerca de 35 mil brasileiros se mudaram para o país vizinho em busca do sonho de conseguir o diploma de Medicina e se viram em meio a uma crise política, sem conseguirem retomar aos estudos. 

Com a renúncia de Evo, Edineia acredita que os ânimos do país devem se acalmar até o final desta semana e afirma estar tranquila com a situação do filho, Matheus Neto, de 21 anos. "Pelo que ele me conta, ficar dentro de casa é seguro, fiquei assustada com alguns vídeos que mostram a revolta nas ruas, mas é uma protesto deles. É claro que, se o brasileiro for para às ruas, coisas podem acontecer também". 

Na noite de domingo, o ex-presidente se disse vítima de um golpe "cívico-político-policial" e afirmou que renunciou para tentar pacificar o país. Ele deixou a capital La Paz e usou o Twitter para denunciar que é alvo de um "mandado de prisão ilegal". 

"Renuncio a meu cargo de presidente para que (Carlos) Mesa e (Luis Fernando) Camacho não continuem perseguindo dirigentes sociais", disse o ex-presidente em discurso transmitido pela TV, referindo-se a líderes opositores que convocaram protestos contra ele e contra pessoas ligadas ao seu governo.  Depois, o ex-presidente buscou abrigo no México.

O vice-presidente Álvaro García Linera também deixou o cargo, assim como a presidente do Senado, Adriana Salvatierra. Ainda não se sabe quem assumirá o poder.

Escassez de alimentos 

Com os protestos, as prateleiras dos mercados da Bolívia também começaram a esvaziar. Alimentos, que antes eram encontrados com facilidade, passaram a ser raridade na vida dos bolivianos. O frango, por exemplo, que costumava custar cerca de 20 bolivianos (R$ 12), passou a ser vendido por até 60 bolivianos (R$ 36). Com a falta de comida, discussões e brigas em supermercados também passaram a ser costumeiras, já que os moradores estão preocupados com a escassez de mantimentos. 

Edineia conta que o filho costuma mandar vídeos dos protestos nas ruas da Bolívia, que acontecem, muitas vezes, em frente a casa onde o jovem mora, nas redondezas da Udabol. As imagens mostram manifestantes correndo, jogando objetos e quebrando vidros de lojas. 

De acordo com ela, as aulas estão suspensas desde o início da crise política no país e os alunos foram submetidos a avaliações virtuais com tempo reduzido. "Meu sobrinho, que também estuda na Bolívia e voltou para o Brasil em táxi-aéreo, fez provas clínicas muito complicadas em 20 minutos, que é o tempo dado por eles. As notas ficaram no limite, diferente de quando as aulas eram presenciais". 

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Joaquim Silva | Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 22h12
    2
    0

    Se as faculdades bolivianas não são grandes coisas (o que não importa mto, pq o importante é o esforço de cada um), sua UNEMAT está totalmente defasada meu amigo, como todos órgãos do estado (mas novamente digo, o que importa é o esforço de cada um...há ótimos alunos na Bolivia e ruins tbm, como na USP, UFMT ou UNIC...) Força, Matheus!!

  • joao | Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 20h04
    1
    0

    Primeiramente, matéria não condiz com a realidade, mentiras, nada de escassez, retirando o paro, realmente os mercados e feiras municipais abrem ate meio dia, mais nada de escassez em prateleiras, mercadorias e precos normais Estou aqui em Santa Cruz de La Sierra, eles lutaram e conseguiram retirar um tirano, inclusive nesse momento, entrou uma nova Presidente. O que passou foi um desespero de brasileiros estudantes q não quiseram esperar o final das aulas normais, porque o calendario em algumas universidades iriam ate dia 23 de novembro, e quiseram sairem antes, pois bem, como estavam lutando pela democracia, o pais se fechou. em momento algum aqui em santa cruz, corri perigo de vida e passsei necessidade. essas pessoas estao mentindo.

  • juca | Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 17h48
    0
    2

    qto custa essa camiseta ai mesmo?

  • Matheus | Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 15h39
    5
    4

    O meu jovem a entrevista não se diz respeito a vestibular estudo medicina na Bolívia e tenho muito orgulho onde todo o dinheiro investido em mim terá um resultado próximo! Vamos falar de Brasil e UNEMAT como vc citou, não existe materiais de estudos e um dos campus que mais passa por nescessidades básicas para uma aula prática de qualquer q segue a matéria se informe mais e fale menos merda manè

  • Zeca | Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 14h56
    5
    9

    Se tivesse estudado e passado no vestibular da UNEMAT cuja sede é na sua cidade, não estaria nessa condição.

Túlio, inabilidade política e frustração

tulio fontes 400 curtinha   Túlio Fontes (foto), que ainda faz mistério sobre disputa à sucessão em Cáceres, ficará mesmo fora do embate das urnas. Ex-prefeito e derrotado duas vezes para deputado estadual, ele não moveu uma palha para fortalecer o seu nanico PV. Conclusão: o partido só...

Pátio, vice, o MDB e ex-secretário

adonias fernandes 400 curtinha   Em Rondonópolis, o prefeito Zé do Pátio não desistiu de vez do seu antigo partido, o MDB, no qual militou por mais de duas décadas. Embora em rota de colisão com alguns líderes emedebistas, Pátio ainda tem bom contato com o ex-padrinho político, o...

Prefeito de Sapezal e aditivo com 15%

valdecir casagrande 400 curtinha sapezal prefeito   O prefeito de Sapezal, Valcir Casagrande (foto), autorizou o quarto aditivo de um contrato sem licitação, firmado em 2019 entre o município e a Casa de Saúde Santa Marcelina. Chamam atenção o valor e o aumento. A continuidade do atendimento aos...

Partidos acirram disputa a vice de Léo

leonardo 400 curtinha   Em Primavera do Leste, o prefeito emedebista Léo Bortolin (foto), um dos mais bem avaliados gestores mato-grossenses, convive com uma disputa acirrada de pretendentes ao cargo de vice-prefeito de sua chapa. A corrida por novo mandato está tão confortável que Léo praticamente não tem...

MDB e PRB devem se juntar em ROO

luizao 400 curtinha   Ao menos dois blocos de oposição em Rondonópolis estão levando a sério a observação do ex-governador e ex-senador Blairo Maggi, para quem Zé do Pátio ganharia a reeleição numa boa se o município tiver várias candidaturas. Ou seja, quanto...

Parlamentares numa disputa cômoda

thiago silva 400 curtinha   Parlamentares que estão se aventurando na disputa a prefeito nada têm a perder. Não precisam nem se afastar dos mandatos para concorrer ao pleito. Em caso de derrota nas urnas de novembro, continuam com suas cadeiras garantidas até 2022 (situação de estadual e federal) e...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.