Cidades

Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 14h:39 | Atualizado: 12/11/2019, 14h:49

Estudantes na Bolívia precisam pagar até R$ 5 mil para voltar ao Brasil, afirma mãe

Reprodução

Edineia Estev�o de Almeida e o filho  Matheus Neto

Edineia Estevão e o filho Matheus Neto, que estuda na Bolívia

Para conseguirem deixar a Bolívia, estudantes mato-grossenses, que ficaram impedidos de deixar o país após o início dos protestos coordenados por opositores ao ex-presidente Evo Morales, que renunciou ao mandato domingo (10), precisam pagar cerca até 1.350 doláres, equivalente a R$ 5 mil, para conseguir retornar ao Brasil em táxi-aéreos bolivianos. Os interessados precisam formar grupos de até cinco pessoas para conseguirem dividir a taxa.  

Desde o início dos protestos em dia 20 de outubro, dia seguinte às eleições, que reelegeram Evo Morales como presidente do país, os universitários que se mudaram para o país para cursar Medicina nas faculdades bolivianas enfrentam problemas como aulas suspensas e alimentos cada vez mais caros. 

O filho de Edineia Estevão de Almeida, de 44 anos, vive na Bolívia há dois anos, onde estuda Medicina na Universidade de Aquino Bolívia (Udabol) e não conseguiu deixar o país. Edineia explicou que os valores dos aviões fretados são extremamente altos e impossibilitam a partida, que, feita por vias terrestres, custaria no máximo R$ 150 até Cáceres, onde a família vive. 

As estradas da Bolívia foram tomadas por manifestantes, que cobram pedágio a cada trecho, as barreiras também impedem que veículos deixem o país. Cerca de 35 mil brasileiros se mudaram para o país vizinho em busca do sonho de conseguir o diploma de Medicina e se viram em meio a uma crise política, sem conseguirem retomar aos estudos. 

Com a renúncia de Evo, Edineia acredita que os ânimos do país devem se acalmar até o final desta semana e afirma estar tranquila com a situação do filho, Matheus Neto, de 21 anos. "Pelo que ele me conta, ficar dentro de casa é seguro, fiquei assustada com alguns vídeos que mostram a revolta nas ruas, mas é uma protesto deles. É claro que, se o brasileiro for para às ruas, coisas podem acontecer também". 

Na noite de domingo, o ex-presidente se disse vítima de um golpe "cívico-político-policial" e afirmou que renunciou para tentar pacificar o país. Ele deixou a capital La Paz e usou o Twitter para denunciar que é alvo de um "mandado de prisão ilegal". 

"Renuncio a meu cargo de presidente para que (Carlos) Mesa e (Luis Fernando) Camacho não continuem perseguindo dirigentes sociais", disse o ex-presidente em discurso transmitido pela TV, referindo-se a líderes opositores que convocaram protestos contra ele e contra pessoas ligadas ao seu governo.  Depois, o ex-presidente buscou abrigo no México.

O vice-presidente Álvaro García Linera também deixou o cargo, assim como a presidente do Senado, Adriana Salvatierra. Ainda não se sabe quem assumirá o poder.

Escassez de alimentos 

Com os protestos, as prateleiras dos mercados da Bolívia também começaram a esvaziar. Alimentos, que antes eram encontrados com facilidade, passaram a ser raridade na vida dos bolivianos. O frango, por exemplo, que costumava custar cerca de 20 bolivianos (R$ 12), passou a ser vendido por até 60 bolivianos (R$ 36). Com a falta de comida, discussões e brigas em supermercados também passaram a ser costumeiras, já que os moradores estão preocupados com a escassez de mantimentos. 

Edineia conta que o filho costuma mandar vídeos dos protestos nas ruas da Bolívia, que acontecem, muitas vezes, em frente a casa onde o jovem mora, nas redondezas da Udabol. As imagens mostram manifestantes correndo, jogando objetos e quebrando vidros de lojas. 

De acordo com ela, as aulas estão suspensas desde o início da crise política no país e os alunos foram submetidos a avaliações virtuais com tempo reduzido. "Meu sobrinho, que também estuda na Bolívia e voltou para o Brasil em táxi-aéreo, fez provas clínicas muito complicadas em 20 minutos, que é o tempo dado por eles. As notas ficaram no limite, diferente de quando as aulas eram presenciais". 

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Joaquim Silva | Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 22h12
    2
    0

    Se as faculdades bolivianas não são grandes coisas (o que não importa mto, pq o importante é o esforço de cada um), sua UNEMAT está totalmente defasada meu amigo, como todos órgãos do estado (mas novamente digo, o que importa é o esforço de cada um...há ótimos alunos na Bolivia e ruins tbm, como na USP, UFMT ou UNIC...) Força, Matheus!!

  • joao | Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 20h04
    1
    0

    Primeiramente, matéria não condiz com a realidade, mentiras, nada de escassez, retirando o paro, realmente os mercados e feiras municipais abrem ate meio dia, mais nada de escassez em prateleiras, mercadorias e precos normais Estou aqui em Santa Cruz de La Sierra, eles lutaram e conseguiram retirar um tirano, inclusive nesse momento, entrou uma nova Presidente. O que passou foi um desespero de brasileiros estudantes q não quiseram esperar o final das aulas normais, porque o calendario em algumas universidades iriam ate dia 23 de novembro, e quiseram sairem antes, pois bem, como estavam lutando pela democracia, o pais se fechou. em momento algum aqui em santa cruz, corri perigo de vida e passsei necessidade. essas pessoas estao mentindo.

  • juca | Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 17h48
    0
    2

    qto custa essa camiseta ai mesmo?

  • Matheus | Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 15h39
    5
    4

    O meu jovem a entrevista não se diz respeito a vestibular estudo medicina na Bolívia e tenho muito orgulho onde todo o dinheiro investido em mim terá um resultado próximo! Vamos falar de Brasil e UNEMAT como vc citou, não existe materiais de estudos e um dos campus que mais passa por nescessidades básicas para uma aula prática de qualquer q segue a matéria se informe mais e fale menos merda manè

  • Zeca | Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 14h56
    5
    9

    Se tivesse estudado e passado no vestibular da UNEMAT cuja sede é na sua cidade, não estaria nessa condição.

Matéria(s) relacionada(s):

Expediente suspenso e posse no TCE

guilherme maluf 400 curtinha   O expediente no TCE-MT será suspenso na segunda, a partir das 12 horas. É que às 15 horas acontece a sessão especial na Escola Superior de Contas, marcando a posse de Guilherme Maluf (foto) na presidência do órgão fiscalizador. O hoje presidente Domingos Neto passa ao...

Túlio, desgaste e disputa em Cáceres

tulio 400 caceres   Derrotado a deputado estadual duas vezes, a última em 2018, Túlio Fontes (foto) não sustenta mais o que declarou há três meses, quando anunciou que ficaria de fora da corrida à Prefeitura de Cáceres. Mesmo tendo abandonado o município por um bom tempo, desde quando concluiu...

Disputa em Sinop e vaga na Câmara

juarez costa 400 curtinha   O deputado federal Juarez Costa (foto) tem espalhado que será candidato a prefeito de Sinop, posto já ocupado por ele por dois mandatos. No fundo, o emedebista espera que Rosana Martinelli (PL), que foi sua vice e depois se elegeu prefeita nas urnas de 2016, desista do projeto de reeleição...

Francis forçando a barra ao Senado

francis maris 400 curtinha   Francis Maris (foto), empresário e prefeito de Cáceres, é mesmo corajoso. Ele anunciou que vai reunir colegas prefeitos da região Oeste para discutir a ideia de entrar na disputa ao Senado, na eleição suplementar para a vaga de Selma, cassada esta semana. Francis se acha "o...

Sindal repudia postura de "indicado"

O presidente do Sindal Jovanildo da Silva se diz traído por Osmar Capilé, representante dos segurados da AL e que exerce cargo de diretor dos Aposentados, que votou favorável a nova alíquota de 14% no Conselho da Previdência. O apoio ao aumento da cobrança gerou revolta entre os servidores do Legislativo, que partiram para cima de Jovanildo cobrando explicações. Em nota de repúdio, o sindicato, que o indicou como representante no...

Arena fechada ao público por 3 dias

virginia mendes curtinha 400   Nos seis primeiros dias de portas abertas, a Arena Encantada, considerada o maior parque natalino que Mato Grosso já viu, recebeu quase 10 mil visitantes. Mas ficará três dias inacessível ao grande público. Na segunda (16), a Arena será exclusiva das milhares de crianças...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.