Ana Lacerda

Ainda é preciso vacinar os rebanhos de MT?

Por 13/05/2020, 06h:56 - Atualizado: 13/05/2020, 07h:04

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a Secretaria de Defesa Agropecuária e o Departamento de Saúde Animal instituíram o Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa – PNEFA. O objetivo do plano é “criar e manter condições sustentáveis para garantir o status de país livre da febre aftosa e ampliar as zonas livres de febre aftosa sem vacinação, protegendo o patrimônio pecuário nacional e gerando o máximo de benefícios aos atores envolvidos e à sociedade brasileira”. Veja aqui.

Neste mês de maio, alguns municípios mato-grossenses começam a integrar o plano: Colniza, Comodoro, Juína e Aripuanã. O Programa Nacional deve ser implantado gradativamente no prazo de 10 anos (de 2017 a 2026) e os impactos disso ao produtor são muito relevantes.

Sob esse viés, é de suma importância que o criador de gado em Mato Grosso esteja ciente dos riscos e vantagens desse processo, tanto para poder se proteger, quanto para não perder as oportunidades de competir igualmente no novo mercado que se delineia com essa mudança

Sob esse viés, é de suma importância que o criador de gado em Mato Grosso esteja ciente dos riscos e vantagens desse processo, tanto para poder se proteger, quanto para não perder as oportunidades de competir igualmente no novo mercado que se delineia com essa mudança.

Um exemplo evidente da alteração do mercado é a possibilidade de abertura de comércios internacionais, como Japão, Estados Unidos, Coréia do Sul e Tailândia, países que consideram questões sanitárias para estabelecer o preço da carne que importam.

Há que ser levado em conta também o preço da vacinação dos rebanhos. O custo médio por cabeça é de R$ 1,24 segundo dados amplamente divulgados, mas pode variar em até 60% dependendo da região.  No ano de 2019, o Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea) estimou que foram gastos 60,23 milhões de reais somente com a vacinação.

Em relação ainda à economia, a nota técnica 30/2017 da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) que trata das reações adversas à vacina contra febre aftosa na pecuária de corte nacional, mostrou a perda de até 2kg por carcaça, devido aos abcessos resultantes da aplicação da vacina. Em grande quantidade, tem-se um prejuízo significativo.

Como medida de prevenção, as regiões livres de aftosa com vacinação não poderão enviar animais em pé com destinação de cria, recria, engorda, reprodução, leilão e quarentena para a zona livre aftosa sem vacinação. Esse cuidado acarretaria uma perda grande de valores tanto ao produtor, que teria o mercado limitado, quanto ao estado, no que concerne à arrecadação.

Vale destacar que a febre aftosa é uma doença viral altamente infeciosa, que acomete animais de casco bipartido, como bovinos, bubalinos, ovinos, caprinos e suínos e no caso de se tornar zona livre de vacinação, Mato Grosso deverá estar atento ao surgimento de novos casos e adotar estratégias como interdição do trânsito animal ou até mesmo sacrifício sanitário para não contaminar demais rebanhos.

As ações previstas no Plano Estratégico denotam esse cuidado para evitar a contaminação; elas foram categorizadas em 16 operações, subdivididas em quatro componentes: a. ampliação das capacidades dos serviços veterinários; b. fortalecimento do sistema de vigilância em saúde animal; c. interação com as partes interessadas no programa de prevenção da febre aftosa; e d. realização da transição de livre com vacinação para zona livre sem vacinação em todo o país.

 Os estados foram agrupados em quatro blocos. Mato Grosso integra os blocos I e IV e deve realizar a última leva de vacinação em maio de 2021, quando devidamente cumpridas as etapas de avaliação e documentação do cenário específico.

Em que pese a importância de se tornar uma zona livre de aftosa sem vacinação, Mato Grosso encontra-se atrasado no cumprimento do calendário estabelecido no plano. Nessa esfera, o Indea está em franco movimento com o Ministério da Agricultura e os setores do agro para fundamentar, ante ao setor público, a importância da implantação dessas medidas, a fim de que não se perca espaço e valores no mercado correspondente.

Toda essa movimentação deve resultar na criação de sistemas para fiscalização, novas leis, procedimentos de vigilância e controle e muitos outros desdobramentos. O produtor precisa estar atento a essas mudanças e nas respectivas consequências e oportunidades geradas por elas. Para isso, pode continuar contando conosco!

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

Poconé tem hoje vários "prefeitáveis"

euclides santos 400 curtinha   O ex-vereador e ex-prefeito de dois mandatos de Poconé, Euclides Santos (foto), que era do MDB e agora está no PSDB, vem se movimentando nos bastidores para concorrer novamente à sucessão municipal. Seria um dos nomes de oposição ao prefeito Tatá Amaral, que vai tentar...

Apostas do PTB para vereador em VG

silvio fidelis 400 curtinha   Detentor da segunda maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com cinco assentos, atrás somente do DEM da prefeita Lucimar, que conta com sete vereadores, o PTB aposta na hipótese de ao menos manter as cinco vagas. E todos os seus vereadores vão à reeleição, sendo...

Despesas e o uso eleitoreiro de CPI

marcelo bussiki 400 curtinha   Buscando visibilidade pela reeleição em ano eleitoral, alguns vereadores da Capital, vergonhosamente, usaram e abusaram de dinheiro público para promoção pessoal na esteira da CPI do Paletó. A tendência é do relatório paralelo que pede afastamento do...

Sorriso incentiva 40 projetos culturais

ari lafin 400 curtinha   A seis meses de concluir o mandato, o prefeito de Sorriso, Ari Lafin (foto), estabeleceu, dentro do Plano Municipal de Cultura, o "PROMIC - Festival da Cultura 2020" para contemplar 40 projetos cujos valores somam R$ 340 mil, envolvendo artes visuais, artes cênicas, cultura popular, música, audiovisual,...

Quase R$ 2 mi para o Lucas Protegida

binotti 400 curtinha   A Prefeitura de Lucas do Rio Verde, sob Luiz Binotti (foto), contratou, por R$ 1,9 milhão, um consórcio formado pela Rocha Comércio de Equipamentos, que ficará com a maior "fatia" de R$ 1,4 milhão, e a Airplates Tecnologia da Comunicação, com R$ 521,7 mil, para desevolver o...

Silêncio sobre operação e elo com MBL

ulysses moraes 400 curtinha   O deputado de primeiro mandato Ulysses Moraes (foto), que deixou o DC e se filiou ao PSL, coordenador em Mato Grosso do Movimento Brasil Livre (MBL) e chamado por muitos de paladino da moralidade, mesmo sendo bastante ativo nas redes sociais, não usou a internet para comentar a operação da...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.