Ana Lacerda

MP 881 e liberdade econômica

Por 31/07/2019, 07h:40 - Atualizado: 31/07/2019, 07h:49

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

Publicada em 30 de abril de 2019, a Medida Provisória 881/2019 institui a Declaração de Direitos de Liberdade Econômica, ostentando como objetivos principais recuperar a economia, garantir investimentos em educação e tecnologia, possibilitar a desestatização e solucionar questões concretas de segurança jurídica.

A MP 881/2019 causa preocupação ao setor rural, vez que essa liberdade contratual apesar de conceder mais autonomia aos contratantes, para que estes possam transacionar livremente de acordo com suas vontades, pode gerar mais insegurança jurídica a eles, por não trazer de forma específica o alcance e abrangência da referida liberdade negocial

Dentre outros aspectos, conforme previsão contida no corpo do texto, referida medida provisória libera pessoas físicas e empresas para desenvolver negócios considerados de baixo risco. Assim, Estados, Municípios e Distrito Federal deverão definir quais atividades econômicas poderão contar com a dispensa total de atos de liberação como licenças, autorizações, inscrições, registros ou alvarás.

Em outras palavras, a MP 881/2019 reforça o Princípio Constitucional da Liberdade Econômica e Individual no tocante às relações negociais e mercantis do país, trazendo uma série de avanços no sentido de desburocratizar a gestão pública, e promover o desenvolvimento econômico por meio de fomento das atividades empresariais.

Apesar de a referida MP ter trazido muitas e relevantes alterações legislativas em diversas áreas do direito, voltarei a atenção especificamente às sensíveis mudanças trazidas no regramento dos contratos agrários (arrendamento e parceria), já que uma inclusão posterior ocorrida no texto original causou muita polêmica no mundo do agronegócio, ao incluir o parágrafo 10 no artigo 92 do Estatuto da Terra, que propõe a seguinte redação:

Art. 92. A posse ou uso temporário da terra serão exercidos em virtude de contrato expresso ou tácito, estabelecido entre o proprietário e os que nela exercem atividade agrícola ou pecuária, sob forma de arrendamento rural, de parceria agrícola, pecuária, agroindustrial e extrativa, nos termos desta Lei.

(…)

10. Prevalece a autonomia privada nos contratos agrários, exceto quando uma das partes se enquadre no conceito de agricultor familiar e empreendedor familiar rural, conforme previsto o art. 3º da Lei 11.326, de 24 de julho de 2006.

Como é sabido, os contratos agrários são regidos por vários princípios contratuais gerais, como por exemplo, o da Autonomia Privada, o da Função Social do Contrato e o da Boa-Fé Objetiva, além de várias regras especializadas, com a finalidade de resguardar os objetivos da Lei Agrária, que são a lealdade, boa-fé e a probidade contratual, visando manter o equilíbrio das relações contratuais e proteger as partes envolvidas.

É justamente nesse ponto que a alteração proposta pela MP 881/2019 causa preocupação ao setor rural, vez que essa liberdade contratual apesar de conceder mais autonomia aos contratantes, para que estes possam transacionar livremente de acordo com suas vontades, pode gerar mais insegurança jurídica a eles, por não trazer de forma específica o alcance e abrangência da referida liberdade negocial.

Em que pese a legislação dos contratos agrários necessitar de atualização no sentido de modernizar seu conteúdo, abrangendo soluções práticas tão reivindicadas pelos produtores, como a possibilidade de fixação do preço em produto, a flexibilização dos prazos mínimos, bem como a eliminação de formalidades como a necessária notificação premonitória para o exercício do direito de retomada, verifica-se que tais alterações nas disposições do Estatuto da Terra dependeriam da criação de Lei específica, indicando claramente quais são os direitos e deveres dos contratantes, a fim de evitar incertezas e retrocessos legais, possibilitando também, a prévia discussão entre a comunidade jurídica especializada e demais destinatários da norma.

É inegável que o dispositivo proposto oferece muitas incertezas ao setor, gerando grave insegurança jurídica

Dessa forma, é inegável que o dispositivo proposto oferece muitas incertezas ao setor, gerando grave insegurança jurídica, e consequentemente, possíveis conflitos entre proprietários rurais e parceiros-outorgados, vez que, embora pretenda inserir o § 10 no art. 92 do Estatuto da Terra, não afastou as demais disposições constantes nos artigos 92 a 96 do referido dispositivo, que disciplinam outros aspectos contratuais que limitam e condicionam os contratos, como a fixação do preço, os prazos mínimos, o exercício de preferência, a forma de retomada dos imóveis agrários, a relação dos direitos e garantias dos arrendatários e parceiros-outorgados, a renovação automática contratual, dentre outras.

Assim, embora a MP 881/2019 ainda tenha que encerrar sua tramitação sob pena de perda da validade, com a votação pelas duas Casas do Congresso até o dia 10 de setembro, por hora, nos cabe aguardar sua tramitação total, na torcida de que tais modificações acendam debates sobre as necessárias modificações na legislação agrária.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

EP cita 4 pela força do MDB em Cuiabá

rafael bastos 400 curtinha   O prefeito Emanuel Pinheiro disse neste sábado, no encontro do MDB, que acabou atraindo a presença de representantes de outros 12 partidos, que a agremiação emedebista foi construída e ganhou força e espaço na Capital graças aos filiados históricos Rafael...

Júlio, do DEM, vê boa gestão de EP

julio campos 400 curtinha   Júlio Campos (foto), uma das lideranças históricas do DEM, foi "apertado" nesta sexta, em entrevista a Antero de Barros, na rádio Capital FM, especialmente sobre o fato do ex-governador e ex-senador demonstrar simpatia e apoiar a gestão do prefeito Emanuel, enquanto outros do partido...

Empresário ensaia de novo em ROO

 luizao_curtinha400   Em Rondonópolis, o empresário Luiz Fernando de Carvalho, o Luizão, dono da Agro Ferragens Luizão, ensaia mais uma vez disputar a prefeitura. Como a sua pré-candidatura não é considerada novidade, ele é visto como uma espécie de "cavalo paraguaio", que tem arrancada...

2 governistas prontos para a briga

chico2000_curtinha400   O prefeito Emanuel tem 2 aliados de primeira hora na Câmara que não resistem a uma provocação. Tratam-se de Renivaldo Nascimento (PSDB) e Chico 2000 (foto), do PL. Sabendo do estopim curto, os vereadores de oposição, especialmente Diego e Abílio, não perdem a chance de...

Niuan agora sob rédeas do Podemos

niuan ribeiro curtinha 400   O vice-prefeito Niuan Ribeiro, agora no Podemos, se torna obrigado, conforme exigência estatutária, a contribuir com 5% dos R$ 15 mil que recebe mensalmente . Ou seja, vai ter que repassar R$ 750 para o seu novo partido. Considerado um partido com novas concepções, regras e exigências, o...

Efeito-senado e briga no ninho tucano

carlos-avalone_curtinha400   O deputado estadual Carlos Avalone não tem certeza de que o acordo pré-estabelecido para ele se tornar presidente do PSDB-MT, a partir de fevereiro, ou seja, daqui 5 meses, será cumprido. Pela costura entre a cúpula tucana, Paulo Borges renunciaria à presidência, abrindo assim...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Mauro Mendes?

excelente

bom

regular

ruim

péssimo

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.