Edésio Adorno

Alcolumbre: apoio de peso ou poita de Júlio Campos?

Por 14/02/2020, 07h:20 - Atualizado: 14/02/2020, 07h:28

Dayanne Dallicani

Colunista Ed�sio Adorno

Alcolumbre é comparsa de Rodrigo Maia, juntos eles respiram e conspiram contra o governo do presidente Jair Bolsonaro. A dupla de espertalhões lidera o grupo fisiológico e mercenário cognominado de “Centrão”. Essa turma de peraltas chantageia o governo, tranca pautas do congresso, desidrata ou reprova projetos de interesse do presidente Bolsonaro, exige cargos e liberação de recursos.

O engenheiro Júlio Jose de Campos é uma lenda viva da política de Mato Grosso. Bafejado pela sorte e dono de uma habilidade impressionante, surfou da Prefeitura de Várzea ao Governo do Estado. Fez escala na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Foi conselheiro do Tribunal de Contas (TCE) por seis anos. Sua aposentadoria foi homologada  pelo então governador Blairo Maggi em 2007. Três anos depois, Campos retornou ao Congresso para representar o povo do Estado na Câmara dos Deputados.

Julinho, como é tratado na intimidade, iniciou sua trajetória política na Arena, partido que deu sustentação ao regime militar, que virou PDS, foi rebatizado de PFL e atualmente ostenta o nome de Democratas. Se alguém ousar chamar o filho de dona Amália Curvo e de seu Fiote de comunista é porque nada entende de esquerda e nem de direita.

Não entro no mérito se o governo de Júlio Campos (1983/1986) foi bom, ótimo, regular ou satisfatório. Fui eleitor do Padre Raimundo Pombo. Era o candidato do PMDB. Naquela época sombria e carregada de medo, qualquer coisa era melhor que “um filhote da ditadura”, como Gilson de Barros, Vicente Bezerra Neto, Dante de Oliveira e Carlos Bezerra, entre outros, rotulavam o candidato do PDS – Júlio Campos. Quase quarenta anos depois, estou convencido de que Mato Grosso ganhou com a derrota de Pombo.

Apoiado por Mário Andreazza e outros ministros fortes do governo do general João Batista Figueiredo, Júlio Campos implementou um arrojado projeto de colonização, de construção de estradas, ampliou a fronteira agrícola do Estado, fincou as bases do associativismo e do cooperativismo, impulsionou a agricultura mecanizada e fez brotar do cerrado um novo e pulsante Mato Grosso.

No pleito de 1998, Júlio Campos, que era apontado por todas as pesquisas como franco favorito para conquistar o governo do estado, foi derrotado pelo eficiente uso da máquina pública que garantiu a reeleição de Dante de Oliveira.

A narrativa construída pelo marqueteiro Antero de Barros causou estilhaços na imagem e na reputação de Campos. A esquerda sempre foi talentosa na articulação do verbo e na manipulação semântica. A direita é mais pragmática, não perde tempo com filosofia e nem sociologia. O publicitário de Júlio Campos era Mauro Cid, que vacilou, deixou o cachimbo cair e foi engolido pela incontrastável inteligência, as vezes, maligna de Antero de Barros.

A narrativa construída por Barros foi muito simples. Retirou o governo Dante de Oliveira da pauta dos debates eleitorais e arrastou para o ringue a gestão Júlio Campos.

Não deu nem nega.

Julinho despencou nas pesquisas como bêbado ladeira abaixo. Foi trucidado pela máquina de moer gente que Antero de Barros montou e operou sem clemência.

Claro, a composição de Júlio Campos com o até então arqui-inimigo Carlos Bezerra ajudou a sepultar seu projeto de retorno ao comando do Governo do Estado.

Julinho é como águia, sempre renasce renovado das cinzas. De fígado novo e queimando gasolina de alta octanagem, trabalha com afinco na construção de uma candidatura ao senado. Ele cobiça a cadeira da senadora Selma Arruda, que teve o mandato cassado pela justiça eleitoral.

Julinho não precisa. Ele sabe perfeitamente o que significa uma poita. Já teve uma dependurada no pescoço. O nome dela: Carlos Bezerra.

Nos sites noticiosos, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre declara que Júlio Campos é seu general em Mato Grosso. A manifestação de apoio do senador do Amapá a pré-candidatura ao senado de Campos causou urticária e náuseas a boa parte da direita bolsonarista.

Alcolumbre é comparsa de Rodrigo Maia, juntos eles respiram e conspiram contra o governo do presidente Jair Bolsonaro. A dupla de espertalhões lidera o grupo fisiológico e mercenário cognominado de “Centrão”. Essa turma de peraltas chantageia o governo, tranca pautas do congresso, desidrata ou reprova projetos de interesse do presidente Bolsonaro, exige cargos e liberação de recursos.

A imprensa local deu destaque as declarações de Alcolumbre. Alguns sites chegaram a noticiar que Júlio Campos recebeu apoio de peso. Minha dúvida: Alcolumbre seria um apoio de peso ou uma poita para Júlio Campos? Se você não é pescador e não tem familiaridade com o linguajar de beira de rio, deve consultar um dicionário. Julinho não precisa. Ele sabe perfeitamente o que significa uma poita. Já teve uma dependurada no pescoço. O nome dela: Carlos Bezerra.

Edésio Adorno é advogado em MT e escreve exclusivamente nesta coluna toda sexta-feira. E-mail: edesioadorno@gmail.com​

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Hermes Povoas | Terça-Feira, 18 de Fevereiro de 2020, 08h57
    0
    1

    Excelente artigo, principalmente na parte que reconheceu o excelente e competente trabalho do então Governador Julio Campos por MT entre 1983/86 em que fez uma verdadeira revolução no desenvolvimento economico e social de Mato Grosso, principalmente no setor das Estradas, das Casas Populares, da construção de Escolas e da Energia. Mais com relação ao apoio do Senador Alcolumbre ,Presidente do Senado, interpreto esse apoio simbolico mais para dar um chega pra lá, na turma ligada do Mauro Mendes,que estavam louquinhos da silva para fazer o DEM apoiar o Pivetta ou o Faváro, como era seu desejo, mais não das bases do verdadeiro DEM-MT. Se nesta eleição houver mais de 6 candidato, Julio será o eleito, pois tem garantido cerca de 20 a 25% dos votos do eleitores de MT.

  • Edmar Roberto Prandini | Sexta-Feira, 14 de Fevereiro de 2020, 08h40
    0
    0

    Avisem o Yuri Gagarin.

Sem alarde, vereador muda de partido

viniciys clovito curtinha   De última hora e sem alarde, o vereador pela Capital Vinicyus Hugueney (foto) resolveu deixar o PP e se filiou ao Solidariedade. Com isso, o PP não se torna o único com a maior bancada. Está com três vereadores, assim como o PV e o PSDB. No SD, Vinicyus vai concorrer internamente com...

Irmão de Thelma na lista dos traidores

ronaldo pimentel 400 curtinha   Na carta aberta assinada por Ricardo Saad, que preside o PSDB cuiabano, ele reclama de dívidas milionárias herdadas de antecessores, inclusive dos R$ 4 milhões de pendências somente do pleito de 2016, e menciona, entre outras coisas, que "(...) há correligionários, que estavam...

A bronca de Saad com Wilson Santos

ricardo saad curtinha 400   O vereador Ricardo Saad (foto), presidente do PSDB da Capital, resolveu disparar a metralhadora verbal contra colegas tucanos. Sobre o ex-prefeito e hoje deputado Wilson Santos, considera que este nada fez para ajudar o partido a se reestruturar, visando as eleições de outubro. Mesmo sendo vice-presidente...

Janela tira muitos políticos do calvário

gilberto figueiredo curtinhas   O fechamento da janela partidária, que encerrou-se no último sábado, dia 4, marcou o fim de um longo calvário aos partidos, que tiveram que suportar em seus quadros políticos que não estavam mais de “alma”, mas somente de “corpo”. Na Câmara...

Só 2 vereadores não vão à reeleição

felipe wellaton curtinha 400   Apenas dois entre os 25 parlamentares cuiabanos não vão buscar a reeleição. O licenciado Gilberto Figueiredo, que trocou o PSB pelo DEM, quer concorrer a prefeito, assim como Felipe Wellaton (foto), que até trocou de partido, saindo do PV e agora no Cidadania. Pretende disputar...

4 fora da reeleição em Rondonópolis

thiago muniz 400 curtinha   Dos 21 vereadores de Rondonópolis, somente quatro não vão à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (foto), agora no DEM, Hélio Pichioni (PSD), Jailson do Pesque-Pague e Rodrigo da Zaeli (ambos do PSDB). Eles garantem se tratar de um caminho sem volta. Destes, dois tentam...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.