Edésio Adorno

Bolsonaro e Mauro: aliança pelo Brasil e MT

Por 29/11/2019, 07h:22 - Atualizado: 29/11/2019, 07h:27

Dayanne Dallicani

Colunista Ed�sio Adorno

Os donos do DEM de Mato Grosso, Jayme e Júlio Campos, receberam com apreensão o convite que o presidente Jair Bolsonaro fez pessoalmente ao governador Mauro Mendes para se filiar ao partido Aliança pelo Brasil. A preocupação dos últimos representantes da dinastia Campos é compreensível. Sem Mendes em seus quadros, o Democratas retorna a condição ao que foi de 1995 até 03 de outubro de 2018: um partido coadjuvante.

Sem Mendes em seus quadros, o Democratas retorna a condição ao que foi de 1995 até 03 de outubro de 2018: um partido coadjuvante

A família Bolsonaro corre contra o relógio para conseguir o registro do partido a tempo de participar das eleições municipais de 2020. Se esse desafio for superado, o Aliança pelo Brasil deve se consolidar como a força política mais representativas do país.

Em Mato Grosso, uma avalanche de prefeitos, vereadores, lideranças populares, dirigentes de entidades de classe, além de empresários do campo e da cidade, deve engrossar as fileiras do partido exponenciado pelo presidente Bolsonaro.

Mauro Mendes pode catalisar essa força e potencializá-la para garantir tanto a sua reeleição quanto a do capitão ou do mito, nos dizeres dos bolsonaristas. É pegar ou largar.

A força orgânica, o poder de mobilização, a interatividade nas redes sociais e o peso do nome Bolsonaro permitem antever que o partido do Capitão deve conquistar a maioria das prefeituras do estado.

Mauro e Bolsonaro podem celebrar uma Aliança pelo Brasil e por MT. Esse é o medo dos irmãos Campos, por isso eles insistem e até fazem certa ‘chantagem’ para que Mendes permaneça no DEM.

Na hipótese de Mauro Mendes aceitar o convite de Bolsonaro e migrar para o Aliança, no DEM restarão apenas o senador Jayme Campos e sua esposa Lucimar, a prefeita de Várzea Grande, além do deputado estadual Dilmar Dal’Bosco e alguns vereadores e prefeitos de pequenos municípios.

A grande expressão eleitoral do partido na baixada cuiabana, o presidente da Assembleia, Eduardo Botelho, talvez nem conclua seu mandato de deputado estadual. Sua cadeira no Tribunal de Contas (TCE) já está reservada e identificada com seu nome. Isso explica o desejo dos Campos em manter a qualquer custo Mauro Mendes no DEM.

Só tem um detalhe: Se permanecer no partido de Jayme e Júlio, o governador deixa em aberto o espaço para um bolsonarista, filiado ao Aliança pelo Brasil, disputar com o apoio de Bolsonaro a prefeitura de Cuiabá e o governo do estado, em 2020. Vale a pena correr esse risco?

Mauro Mendes pode avençar com Bolsonaro uma aliança por Mato Grosso e garantir a conclusão da BR-174. Essa rodovia é de vital importância para o estado e de importância ainda maior para os oito municípios que integram a microrregião de Aripuanã.

A BR-174 é a porta de acesso dos produtos de Mato Grosso a Rondônia, ao Amazonas e ao Porto de Ilo, no Peru.

O Governo de Mato Grosso não tem caixa para resolver os gargalos de logística e de infraestrutura. A parceria com o governo federal é imprescindível

Essa rodovia federal representa a redenção de Castanheira, Brasnorte, Juína, Juruena, Rondolândia, Cotriguaçu, Aripuanã e Colniza, que sofre com o isolamento devido à falta de estradas, mesmo estando a menos de 150 KM de Machadinho, no vizinho estado de Rondônia.

O Governo de Mato Grosso não tem caixa para resolver os gargalos de logística e de infraestrutura. A parceria com o governo federal é imprescindível.

O governo Júlio Campos foi exitoso porque teve o apoio do ministro Mário Andreazza.

Dante de Oliveira não teria feito o que fez sem a ajuda do “trator de FHC”, o saudoso ministro Sérgio Motta.
O governador não pode perder o bonde da história. Aliança pelo Brasil pode ser rebatizada de Aliança por Mato Grosso, com Mauro Mendes no comando estadual e respeitado em Brasília. É pegar ou largar. Fica minha sugestão.

Edésio Adorno é advogado em MT e escreve exclusivamente nesta coluna toda sexta-feira. E-mail: edesioadorno@gmail.com​

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Helena Maria Simionato | Segunda-Feira, 03 de Fevereiro de 2020, 10h31
    0
    0

    Bom dia! Meu nome é Helena Maria Simionato, moro em Sinop MT e gostaria de saber se na minha cidade tem algum local que faz filiação no partido do Presidente. Obrigada...

Vereador fora da prisão e sem sessão

janio calistro 400   Desde quando deixou a prisão, no último dia 20, o vereador de Várzea Grande, Jânio Calistro (foto), não participa de sessão ordinária. Foram realizadas duas, uma em 30 de março, com presença física dos parlamentares, e outra na última terça, 7 de...

Ex-vereador por 5 vezes tenta retornar

wilson kishi 400   Após uma década sem encarar uma disputa eleitoral, Wilson Kishi (foto), que já exerceu cinco mandatos de vereador por Cáceres, somando quase 20 anos ininterruptos de assento no legislativo, decidiu se submeter ao teste das urnas de outubro. Vai tentar cadeira de vereador. Se filiou ao PSB, que tem a...

SD e chapa competitiva pra vereador

aluizio lima 400   Comandado no Estado por Zé do Pátio, prefeito de Rondonópolis, o Solidariedade ganhou novos filiados em Cuiabá e já tem uma lista de 32 pré-candidatos a vereador, numa expectativa de conquistar até quatro cadeiras. Além dos recém-filiados, vereadores Vinicius Hugueney...

MDB diz apostar em Thiago em Roo

thiago silva 400 curtinha   Dirigentes do MDB contestam o registro em nota no Curtinhas, assegurando que a oposição está forte em Rondonópolis e que deve unificar os grupos políticos e derrotar o projeto de reeleição do prefeito Zé do Pátio. Pesquisas internas estão deixando...

Pátio, adversários fracos e reeleição

ze do patio 400 curtinha   O prefeito de Rondonópolis Zé do Pátio (foto), por mais populista, demagogo e com uma gestão avaliada pela maioria como desastrosa, caminha a passos largos para conquista de mais um mandato. Tende a vencer pela lógica do menos pior. Seus virtuais adversários são...

Pode recebe 2 já derrotados em BG

sandro saggin curtinha 400   O Podemos conseguiu juntar em Barra do Garças o grupo de dois já derrotados à prefeitura, Daltinho, que também foi deputado e em 2018 teve votação pífia na tentativa de reeleição, e Sandro Saggin (foto), um "eterno" candidato. Entregue ao ostracismo,...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.