Edésio Adorno

O que fazer com o sangue das vítimas da Covid-19?

Por 29/05/2020, 07h:44 - Atualizado: 29/05/2020, 07h:51

Dayanne Dallicani

Colunista Ed�sio Adorno

Os tempos mudaram, os homens se tornaram frios, insensíveis e indiferentes ao drama humano. O sentimento de solidariedade ao próximo foi jogado para o escanteio, se é que algum dia existiu. Conquistar o poder político ou nele permanecer, em desprezo a saúde, a vida ou a sobrevivência dos desafortunados, é tudo para quase todos que emergiram das urnas sob a promessa de que moveriam céus e terra para assegurar assistência médica e condições dignas de vida a população. Pura balela.

O sangue das 26.788 pessoas mortas pela Covid-19 daria para encher quase três caminhões-tanque – daqueles usados para transportar combustível. Mais um exemplo tétrico: os mais de 133 mil litros de sangue das vítimas da doença (...) seria o suficiente para lavar a praça dos Três Poderes e ainda sobraria sangue para espargir na fuça caprina e insolente dos vigaristas que insistem em subestimar a letalidade do maldito vírus da morte

No momento em que rabisco este texto, o Brasil contabiliza 26.788 mortes provocadas pela Covid-19 e 441.315 casos confirmados da doença em todo o país. Em Mato Grosso, Várzea Grande registra 10 mortes para 203 casos confirmados; Cuiabá, com 655 casos de contágio, apenas 8 pessoas perderam a batalha contra a doença causada pelo novo coronavírus. No interior do Estado, a situação é de aparente controle, com exceção de Barra do Garças, onde o número de infectados está em ascensão.

Recordo que lá atrás, em 24 de abril, quando a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos, por conta e risco, se curvou a pressão de empresários e de políticos negacionistas, sem amparo de estudos e na melhor forma de contrariar as normas de prevenção a propagação do coronavírus, determinou a reabertura do comércio, inclusive de shopping. Na época, emissários graduados de Lucimar ligaram para o prefeito de Cuiabá e tentaram convencê-lo a também escancarar as portas do comércio. Emanuel Pinheiro resistiu por mais alguns dias. A diferença pode estar na quantidade de cadáveres.

O sangue das 26.788 pessoas mortas pela Covid-19 daria para encher quase três caminhões-tanque – daqueles usados para transportar combustível. Mais um exemplo tétrico: os mais de 133 mil litros de sangue das vítimas da doença e, em alguns casos, da omissão das autoridades, da falta de leitos de UTIs, de respiradores e de meios para se chegar aos hospitais mais equipados, seria o suficiente para lavar a praça dos Três Poderes e ainda sobraria sangue para espargir na fuça caprina e insolente dos vigaristas que insistem em subestimar a letalidade do maldito vírus da morte.

Imagino que nenhum prefeito, governador ou o presidente da República serão responsabilizados civil ou criminalmente pela mortandade de homens, mulheres, jovens, crianças e idosos, causadas formalmente pela Covid-19, mas substantivamente, em muitos casos, pela omissão, covardia e crueldade de desalmados gestores públicos.

É possível que na órbita material ninguém seja punido, exceto alguns malandros por roubalheira na aquisição de equipamentos para combate a pandemia do coronavírus. Já no plano espiritual a história pode e deve ser bem diferente. Muitos nem devem passar pelo purgatório, vão direto para o inferno, porque são essencialmente servos do capiroto.

No momento mais dramático e angustiante da vida nacional, em que o coronavírus avança célere pelos quatro cantos do País, choca saber que saber que as barreiras de defesa da população estão fragilizadas. O Ministério da Saúde está acéfalo, sem comando e sem um titular para coordenar as ações de enfrentamento dessa terrível doença que avassala o País e segue matando indiscriminadamente.

Alheio a essa triste realidade, o presidente Jair Bolsonaro mal conclui uma confusão para iniciar outra e assim manter o País a beira do abismo da ruptura institucional. Não bastasse a insegurança sanitária, precisamos nos precaver contra o coronavírus e contra as doideiras de Bolsonaro. O fio de esperança que nos resta reside na ação firme de prefeitos e de governadores. Nesse momento de agrura social, avalio que seria prudente que Bolsonaro celebrasse com ele mesmo um acordo de armistício. Menos bravata, menos ameaça as instituições e mais cuidado com a saúde da população. Um bom começo seria nomear um titular para o MS e outra medida interessante seria conceder a si mesmo e a seus filhos um período de quarentena. Fica a dica.

Edésio Adorno é advogado em MT e escreve exclusivamente nesta coluna toda sexta-feira. E-mail: edesioadorno@gmail.com​

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Edmar Roberto Prandini | Sexta-Feira, 29 de Maio de 2020, 17h23
    0
    0

    Afinal, depois de escrever tanto, o que você propôs? Nada! Se você não tem nenhuma proposta, nem boas nem ruins, não se oponha a quem as tem. Quer conhecer minhas sugestões? As publiquei no Linkedin, abertas, para todos conhecerem. Todas factíveis. Apesar de que quem nunca fez coisa alguma achar que são mirabolantes. Leia-as: https://bit.ly/36OC8aD

  • GILMAR DE PAULA | Sexta-Feira, 29 de Maio de 2020, 16h45
    0
    0

    A conta da desgraça toda deve ser encaminhada para o chinês comedor de morcego pagar.

  • Zvilmar | Sexta-Feira, 29 de Maio de 2020, 12h02
    0
    0

    Uai...nao entendi...ha poucos dias o Edesio detonava o Fabio de Tangara por impor medidas rigidas contra o Covid...to sem entender.

Arco de alianças define vice de Eliene

eliene liberato 400 curtinha   A professora e vice-prefeita de Cáceres, Eliene Liberato (foto), pré-candidata do PSB à sucessão municipal, disse que a definição do nome para vice de sua chapa só sairá na pré-convenção. Até lá, o amplo arco de alianças...

Pesquisa derruba discurso de Jayme

jayme campos 400 curtinha   O resultado da pesquisa Analisando, que traz Emanuelzinho com boa vantagem nas intenções de voto sobre todos os pré-candidatos a prefeito de Várzea Grande, está provocando uma reviravolta nos bastidores. Os dados vieram a público nesta quinta, em publicação no...

Tucano dá título a Bolsonaro em Sinop

dilmair callegaro 400 curtinha   O presidente Jair Bolsonaro, que comanda o país desde janeiro do ano passado, irá receber o título de Cidadão Sinopense, mesmo sem previsão de pisar os pés, por enquanto, ao município considerado Capital do Nortão. A homenagem partiu do vereador do PSDB Dilmair...

Ação pró-Thiago, mas Luizão resiste

carlos bezerra 400   Com uma pesquisa debaixo do braço, cujo resultado traz Thiago Silva na dianteira na corrida à Prefeitura de Rondonópolis, inclusive na frente do prefeito Zé do Pátio (SD), o MDB de Carlos Bezerra (foto) tenta convencer o empresário Luizão (PRB) a recuar para apoiar o...

Padrinho político de Fabio a prefeito

mauro mendes 400 curtinha   Após se reunir com o governador Mauro Mendes (foto) na sexta (14), o suplente de senador Fabio Garcia, presidente regional do DEM, deve oficializar sua pré-candidatura à Prefeitura de Cuiabá. Fabinho quer discutir com Mauro, que é seu padrinho político, o arco de aliança e...

4 ex-prefeitos se juntam em Chapada

gilberto mello 400 curtinha   Considerado nome mais forte da oposição, Gilberto Mello (foto), do PL, lançou sua pré-candidatura à sucessão em Chapada dos Guimarães com apoio de nada menos que três ex-prefeitos, fora ele próprio, que administrou o município entre 2005 e 2008....

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.